Anúncio

quarta-feira, 4 de julho de 2018

RESENHA: João Batista: o Pregador Politicamente Incorreto


Autor da resenha: Valdemir Pires Moreira (1)
Obra: João Batista: o pregador politicamente incorreto (ZIBORDI, Ciro Sanches. Rio de Janeiro: CPAD, 2018, 112 p.)

O ministério eclesiástico enfrenta atualmente uma crise de identidade, pois não são poucos aqueles que almejam tal posição em busca de promoção pessoal. Quando observamos alguns personagens bíblicos, somos confrontados com o comportamento ético com que viviam diante de Deus, contrariando assim, muitos dos que em nossos dias, usam o santo ministério para promoção pessoal em prol de benefícios outros. João, também chamado de João Batista, é um desses personagens, que ao ser convocado por Deus, cumpre cabalmente seu ministério, não procurando o engrandecimento de sua própria pessoa.

Na introdução, Zibordi faz uma rápida análise sobre o número sete nas Escrituras, observando que: “Nas Escrituras, o número sete raramente aparece sem um propósito definido e pode denotar perfeição, plenitude ou totalidade”. Em seguida o autor discorre sobre sete pregadores (João Batista, Jesus Cristo, Pedro, Estevão, Felipe, Barnabé e Paulo) para dar ênfase as qualidades e marcas que os faz serem pregadores aprovados por Deus.

No primeiro capítulo, o autor narra uma história em parte ficcional (Jo 1.19-36; Lc 3.15-20 e Jo 3.23-30), porém carregada de verdades bíblicas, que é bem próprio de seu estilo de escrita. A história narra uma entrevista feita pelos sacerdotes a João Batista. Em seguida, lança-se luz sobre o João Batista histórico e as fontes bíblicas e históricas que confirmam sua existência.

O segundo capítulo traz o título The Voice, onde o autor faz comentários acerca de João Batista, como embaixador de Deus, seu chamado confirmado no deserto, sua vida de oração e jejum, e sobre a discussão envolvendo João Batista, se ele era ou não um essênio? O autor traça ainda o ambiente desértico vivido por João Batista, sua origem e seu ministério profético em meio ao deserto.

No terceiro capítulo, o assunto é a pregação politicamente incorreta, em que será tratado sobre a ditadura do politicamente correto (como uma das marcas da sociedade pós-cristã), seguida de uma análise de um mundo politicamente correto, de um papa politicamente correto e, ainda, sobre um evangelho politicamente correto. Finaliza-se o referente capítulo contrapondo ambos os pontos analisados a partir de João Batista, o pregador politicamente incorreto.

O quarto capítulo gira em torno da mensagem cristocêntrica de João Batista, um simples pregador que obteve grande resultado como precursor do Salvador. O autor ainda fala sobre a vestimenta de João Batista, bem como sua alimentação de mel e gafanhotos que são motivos de curiosidade de muitos. Um dos destaques deste capítulo é uma atual discussão no cenário teológico brasileiro: o autor descreve os cinco pontos (FACTS) do arminianismo e seu relacionamento com um evangelho cristocêntrico. Como observa o autor, para os pentecostais os teólogos Jacó Armínio e John Wesley foram os que melhor interpretaram a soteriologia bíblica.

No quinto capítulo, Zibordi fala-nos acerca de dois batistas mencionados no NT. Um que batizava em água (João Batista) e outro que batiza com o Espírito Santo e com Fogo (Jesus Cristo). Em seguida o autor discorre sobre pontos fundamentais da teologia pentecostal e fala-nos sobre o que é ser cheio do Espírito. Jesus batiza com Fogo? Afinal, o que é batismo com o Espírito Santo e com Fogo? O que são as Línguas como que de Fogo? Após essa última interrogação, o autor explica o que são línguas como evidência do batismo no Espírito, línguas como dom e línguas como edificação do crente.

No penúltimo capítulo, observa-se a postura de João Batista como pregador, contrastando-a com a dos pregadores stand-up e coach de nossos dias.

No último capítulo, que traz o título Acabou a Carreira, Perdeu a Cabeça, Guardou a Fé, o autor descreve sete passos necessários que nos levam a “perder a cabeça” diante da sociedade politicamente correta em que vivemos. São eles: obedeça fielmente ao chamado de Deus; pregue o arrependimento e seja politicamente incorreto; preocupe-se menos com a aparência e consagre-se a Deus; não abra mão da mensagem cristocêntrica; seja cheio do Espírito Santo e creia no pentecostes; não queira aparecer, mas dê toda a glória a Jesus; e priorize a Palavra de Deus, e não os sinais.

A obra é necessária e urgente no contexto atual que estamos vivendo, em que falsos pregadores exaltam-se a si mesmos e pregam um evangelho antropocêntrico, desprovido dos princípios do verdadeiro Evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo. Tomemos aqui esses conselhos deixados pelo pastor Ciro Sanches Zibordi e cumpramos fielmente o chamado de Deus em nossas vidas.

(1) Valdemir Pires Moreira é diácono da Igreja Evangélica Assembleia de Deus de Caucaia (CE), casado com Elizangela Pires Oliveira Moreira, bacharel eclesiástico pelo ICI BRASIL – Instituto Cristão Internacional e administrador do Canal Teologia Pentecostal Assembleiana (Youtube)

Nenhum comentário: