segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

O “discípulo” do MDA e o discípulo de Cristo

Assisti, há pouco tempo, a um vídeo em que um respeitado pastor e conferencista oriundo da Assembleia de Deus afirma que sua igreja abraçou ao modelo MDA (Modelo de Discipulado Apostólico). Sugerindo que os pastores resistentes a tal modelo são soberbos e vaidosos, ele pergunta: “A quem você presta contas semanalmente? Quem o confronta? Quem pergunta a você: ‘Como vai a sua vida conjugal? Como vai a sua vida financeira?’ Quem é que lhe pergunta isso? Quem é que lhe confronta? Quem é o seu discipulador?”

Quando um cristão, mesmo que seja um pastor, não observa a Palavra de Deus, torna-se presa fácil de movimentos extremistas. E, no meio evangélico, tem crescido o número de desigrejados — que acreditam que não precisam de igreja, pastores, supervisores, etc., o que é um erro —, bem como o de adeptos de modelos celulares, como o G12, o M12 e o MDA. E estes são ensinados a estar debaixo da autoridade de um “discipulador”, um “mentor”, a quem devem prestar conta de tudo o que fazem ou deixam de fazer.

O Senhor Jesus, o Bom Pastor (Jo 10.11), nunca ensinou um tipo de vida cristã que priva seus discípulos da liberdade. Ele mesmo jamais obrigou alguém a segui-lo (Lc 9.23). É evidente que, para seguir a Cristo, é preciso trocar de jugo. Mas observe que o jugo de Jesus, ao contrário do jugo do pecado, é suave, e seu fardo é leve (Mt 11.28,29). Por isso, não vemos o Mestre dizendo aos seus discípulos: “Pedro, você agora é responsável por João. E este deve prestar contas de tudo o que faz a você. João, você é o mentor de Tiago. Tiago, você discipula Mateus”. E assim por diante.

Qual é a importância de uma igreja local? Ele serve para quê? Para aprendermos a sã doutrina, louvarmos a Deus e orarmos coletivamente. Essas três finalidades gerais podem ser vistas na igreja neotestamentária, sobretudo no livro de Atos dos Apóstolos. Mas a igreja local também é importante para nos congregarmos (Hb 11.25), vivermos em comunhão uns com os outros (1 Jo 1.7), confessarmos nossos pecados uns aos outros (Tg 5.15) — o que não significa revelar segredos e particularidades da privada a um “discipulador” —, alegrarmo-nos juntos no Senhor (Sl 122.1), etc.

Jesus sempre prezou a liberdade do ser humano. Vemos isso claramente na parábola do semeador (Mt 13). Este saiu a semear, e uma parte da semente caiu à beira do caminho, outra, entre os espinhos, outra, entre os pedregais, e outra, em boa terra. Apenas 1/4 — ou 25% — do que foi semeado prosperou (v. 8). Ou seja, digamos que dentre 400 pessoas que receberam a Palavra do Senhor, durante algum tempo, apenas 100 delas permaneceram firmes, obedientes à sã doutrina.

Mas veja que interessante. Jesus não disse que o semeador é o culpado pelos 3/4 que não produziram. Ele não afirmou, por assim dizer, que a maioria se desviou por falta de discipulado! Na verdade, o Mestre deixou claro que a nós, pregadores do Evangelho, cabe pregar e ensinar a verdade, e as pessoas que nos ouvem são responsáveis diante de Deus, uma vez que já receberam a “boa semente” (Mt 13.18-23). Segue-se que uma pessoa não permanece no Evangelho porque tem um bom “discipulador” ao seu lado! Ela permanece fiel porque recebeu de bom grado a Palavra e verdadeiramente ama Jesus Cristo!

Percebeu a clara diferença que existe entre o modelo das Escrituras e o MDA? O primeiro mostra que os verdadeiros discípulos são aqueles que obedecem à Palavra de Deus, a “boa semente”, e nela permanecem pela graça do Senhor. O segundo diz que, se alguma pessoa permanece na “visão”, é porque foi feito um excelente trabalho de discipulado “um a um”!

Ora, ninguém precisa ter um “discipulador” para se intrometer em sua vida pessoal, em seus negócios, em sua vida financeira! O mais importante para o cristão é aprender a Palavra de Deus e apreendê-la em seu coração, a fim de saber como se conduzir diante de Deus e dos homens. Afinal, o salvo tem a mente de Cristo (1 Co 2.14-16), e o Espírito Santo testifica com o seu espírito que ele é filho de Deus (Rm 8.16).

Ciro Sanches Zibordi

16 comentários:

Anônimo disse...

Amado pr. Ciro Zibordi,


Seus ensinos são para mim fonte de grande inspiração ao longo de aproximadamente 7 anos. Nesse período de tempo aprendi muita coisa com o irmão em matéria de teologia cristã.

Agora no que tange ao Discipulado no MDA não é bem dessa forma como lhe disseram. O discipulador, por regra é amigo do discípulo e alguém de sua inteira confiança. O resto funciona como o senhor observou aqui " vivermos em comunhão uns com os outros (1 Jo 1.7), confessarmos nossos pecados uns aos outros (Tg 5.15) — o que não significa revelar segredos e particularidades da privada a um “discipulador” —, alegrarmo-nos juntos no Senhor (Sl 122.1), etc"

Como estou lhe explicando, antes de qualquer coisa o discipulador é amigo intimo do discípulo, entendeu? então não revelamos nossos nossos desejos ocultos de desejo de pecar a um quelquer.

Quer um exeplo: OI pr. Abe dá o seguinte exemplo: Se o pr.Jimmy swaggart tivesse um discipulador , talvez ele tivesse evitado a queda, pois ele teria alguém para se aconselhar, alguém em quem confiasse, entendeu? ?Ai esse alguém oraria e choraria com ele.

PAulo investiu em bARNABÉ.

cONTINUANDO O PR. ABE cita o exemplo de Caio Fábio: Se o mesmno tivesse um discipulador, talvez ele não estivesse na situação em que se encontra hoje. Repito: uma das condições para ser discipulador de alguém, é que seja idôneo e de caráter e tbm que seja amigo e de confiança do discípulo.


Valmir Solimões-Altamira-PA

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Valmir Solimões,

É este mesmo o seu nome? Penso que é muito fácil ter uma conta no Google ou similiar. E, quando alguém não possui uma conta, isso pode gerar dúvida. Estaria o irmão querendo se esconder atrás do anonimato? Creio que não. Mas fica aqui o meu conselho: faça uma conta; registre-se.

Agradeço-lhe por reconhecer que, durante sete anos, meus escritos lhe foram benéficos. Mesmo assim, gostaria de lhe dizer que não escrevo para agradar ou desagradar pessoas. Escrevo para comunicar uma mensagem, para dizer o que defendo, segundo a graça de Deus. Meus amigos de verdade me respeitam, não por concordarem com tudo o que eu digo, e sim porque de fato são meus amigos.

Se o "discipulador" é amigo do "discípulo", na visão MDA, isso para mim não importa. O que importa é que a Bíblia não ensina que cada crente deve ter uma espécie de "anjo da guarda" para controlar todos os seus passos. Fomos chamados à liberdade. Penso que esses "amigos íntimos" são um perigo, pois, no dia em que eles se tornam inimigos, o que acontece é que eles usam tais informações para prejudicar o seu ex-amigo e "discípulo".

O problema de Swaggart nada tem a ver com falta de "discipulador". Ele pecou porque persistiu no erro. Ele tinha uma esposa, uma família, amigos pastores, etc. Mas ele pecou porque quis pecar. E pediu perdão a Deus e venceu. Hoje ele é uma bênção, novamente.

Paulo investiu em Barnabé? Como assim? Leia melhor a sua Bíblia, amado irmão. Barnabé aproximou Paulo dos apóstolos. Mas isso não foi uma espécie de discipulado, como dizem os propagadores do "discipulado de Barnabé". Leia o livro de Atos dos Apóstolos com total atenção.

Bem, é isso. Se desejar, leia de novo meu texto, acima, e confira as referências bíblicas. Ah, se o irmão for o mesmo anônimo que não para de me mandar mensagens (a maneira de escrever é a mesma), pare de sugerir que estou escrevendo para atingir determinada pessoa. Eu escrevo para combater erros, e não pessoas.

A paz do Senhor.

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Os defensores do MDA (Modelo de Discipulado Apostólico) dizem que cada crente deve ter um “discipulador”. E este, pouco a pouco, vai se tornando um amigo íntimo, uma espécie de “anjo da guarda”, para o qual o discípulo revela seus segredos, seus desejos ocultos...

Pelo amor de Deus, o que é isso?! Onde está a liberdade que temos em Cristo? Quem disse que para servir a Deus precisamos de “mentores” para controlar a nossa vida íntima, financeira, etc. e se intrometer em nossa vida privada? Não é importante ter amigos? Sim.

Mas cuidado com esse negócio de amigo íntimo! Este, muitas vezes, é um perigo, pois, caso um dia ele se torne inimigo — isso acontece com certa frequência —, usará tudo o que sabe para prejudicar seu ex-amigo. Lembremo-nos de que devemos nos apresentar a Deus aprovados, e não a um “discipulador” (2 Tm 2.15; Gl 1.10).

CSZ

Anônimo disse...

Valeu pr. Ciro!


Fiquei pensando "no anjo ga guarda" realmente um dia temos que caminhar com as próprias pernas, entendi a mensagem.

Por outro lado não deixo de ver no pr. Abe um notável homem de Deus e muito carinhoso com todo mundo. Reconheço nele sinceridade de Coração.

Mas tbm observo que em tudo que cresce muito, no caso crescimento numérico de igreja como a Igreja da PAz e tbm do ministério de Malafaia, pode haver sim desvio de atenção, como já detectado no ministério desse último. Isso ém perigoso, pois desviam a atenção da doutrina ortodoxa cristã sem perceberem.

Por sse motivo acho salutar seus posts sobre o Ministério do Pr. Abe, pois com certeza, ele vai reconhecer pela luz da Bíblia que mudou o foco devido ao estrondoso crescimento. Creio que ele vai dar um freio em isso tudo;

Só para sua informação: ele não aceita em hipótese alguma o título de apóstolo como os apóstolos de hoje,ele se considera um simples pastor.

Eu acho que todos nós somos apóstolos de Cristo enviados para proclamar a salvação. Concorda cmg? se não me ensine.
Agora não creio no ministério apostólico como é ensinado nos dias de hje pelos falsos apostolos.

Valmir Solimões - (Esse é meu nome mesmo, não tenho outro. srrsrs pde acreditar.

Anônimo disse...

Oi pastor Ciro !!! A paz de Deus !!!
O MDA envolve o conceito de ´´cobertura espiritual´´ que diz que uma pessoa está debaixo da cobertura espiritual de uma outra pessoa. Os crentes da sua Igreja estão debaixo da sua cobertura espiritual ?
Esse ensino é bíblico ou é heresia ?

Obrigada.
Maria Cláudia.

Anônimo disse...

Não vai responder essa dúvida minha do MDA Ciro Sanches Zibordi ?

Obrigada.
Maria Cláudia

Ciro Sanches Zibordi disse...

Irmã Maria Cláudia,

Peço-lhe que espere, por favor. Talvez eu escreva um artigo sobre o assunto. Grato por sua pergunta.

CSZ

Asnan Oliveira disse...

Disse a esses cidadões em sala de aula alguns discipulo do Pr Heibe Uber....Parabens ..penso assim....Simplesmente Assim....

Anônimo disse...

Muito obrigada Ciro, mas pelo que vi seu artigo novo sobre o MDA não falou da cobertura espiritual de uma pessoa sobre a outra.. Mas aguardo sim sua posição sobre isso.

Obrigada.
Maria Cláudia.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro pastor Asnan Oliveira,

A paz do Senhor.

Paulo disse aos gálatas: "Tornei-me vosso inimigo dizendo-vos a verdade?" Quem quiser ser meu amigo precisa saber que não vamos concordar em tudo. Não escrevo para agradar ou desagradas pessoas. O fato de eu dizer que discordo do modelo MDA e confrontá-lo à luz da Bíblia não quer dizer que tenho o líder desse modelo como inimigo.

A paz do Senhor.

CSZ

Gedilce da C. Maciel disse...

Graça e Paz pastor.
Estou de pleno acordo com o que o senhor disse sobre MDA. Ja li vários artigos e vídeos e não concordo com a maioria das colocações como: cobertura espiritual etc. Na minha Igreja o Pr. já passou sobre o vídeo fator Barnabé e ja conferi na Bíblia e não condiz. Li por ultimo um artigo do AD e suas nuanças uma maravilha,pena que não tem o nome do autor para que eu possa compartilhar.

Deus o abençoe ricamente e continue orientando dentro da Palavra de Deus, pois e esta em que devemos estar sobre sua cobertura.

Anônimo disse...

Amado Pr. Ciro. Graça e Paz de Cristo. Fico feliz com seu blog e coragem de denunciar o erro que existe nessas "visões" por aí. Tenho procurado combater também essas heresias. Meu nome é Sidney Carvalho e não tenho g+ para me filiar ao blog. Apenas o gmail e face. Qualquer coisa, é só procurar, caso tenha o facebook. Fique na Paz.

Anônimo disse...

Jimmy Swaggart e Caio Fábio pecaram por não obedecerem à ordem de Jesus que é andar em espírito e não cumprir com as obras da carne. Não vigiaram e caíram como Sansão. Mas, Poderoso é Deus que os levantou. O Espírito Santo nos ajuda, pois, Ele sabe que temos uma carne debilitada. Oremos uns pelos outros, ajudemos, mas, sem querer "mudar" a Palavra de Deus para os ensinos do MDA. Sou discípulo de Cristo, com a cobertura do Espírito Santo. Fiquem na Paz.

Aliás, meu nome é Sidney Carvalho.

Unknown disse...

Pr Ciro não julgue declarando que quem está na visão celular não tem conhecimento VMS conversar de teólogo para teólogo

Ciro Sanches Zibordi disse...

Conversar de teólogo para teólogo? Primeiro: identifique-se.

CSZ

Jeziel Palestino disse...

Pastor a maior consequência do MDA na Assembleia de Deus e a divisão que acaba gerando.
convivi com isso e sofremos muito.
Na verdade não MDA na Assembleia deveria significar, modelo divisor de Assembleiano