quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Deus abomina a soberba

Comentário sobre a lição 5 da revista Lições Bíblicas da CPAD (4o. trimestre de 2014): Integridade Moral e Espiritual
por: Carla Ribas

Introdução: O que é a soberba?

O primeiro passo para a compreensão dessa lição é pesquisar sobre o significado de 
soberba. Segundo o Dicionário Aurélio, esse termo designa: orgulho, altivez, elevação, arrogância, sobrançaria. Assistindo ao Portal EBD, aprendemos a raiz da palavra citada: supérbiaqualidade de algo que se acha superior. A definição de soberba também aplica-se quando a pessoa acha que é a fonte dos seus próprios bens materiais e espirituais. Quanto à abominação, vale ressaltar o seu significado: repulsa”, asco.

O professor Dr. Caramuru Francisco faz um link com Thiago 1.17, onde lemos que tudo vem do Senhor, e também com Isaías 14, onde Satanás, antes um querubim ungido, se ensoberbeceu a ponto de almejar e tentar ser 
semelhante ao Altíssimo”. Mas o exemplo da sua queda e condenação ao fogo eterno demonstram que o juízo de Deus é severo. 

Um comentário que chama a atenção é que o período de 12 meses entre o sonho de Nabucodonosor e seu cumprimento foi a chance dada por Deus para que o rei se arrependesse dos seus pecados. Esse tempo que Deus deu a Nabucodonosor é uma figura da Dispensarão da Graça, o período de tempo em que a humanidade está vivendo. É o que Jesus, citando o profeta Isaías, chama de 
ano aceitável do Senhor.

Em Lucas 4. 18, lemos que Jesus entra na sinagoga, recebe o livro do profeta Isaías e lê a passagem correspondente ao capítulo 
61O Espírito do Senhor está sobre mim, pelo que me ungiu para evangelizar os pobres; enviou-me para proclamar libertação aos cativos e restauração da vista aos cegos, para pôr em liberdade os oprimidos, e apregoar o ano aceitável do Senhor” (ARA). O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me ungiu para pregar boas novas aos pobres. Ele me enviou para proclamar liberdade aos presos e recuperação da vista aos cegos, para libertar os oprimidos e proclamar o ano da graça do Senhor” (NVI).

Então, Jesus fechou o livro (rolo), pois estamos no 
ano aceitável do Senhor, no tempo que Deus nos deu para confessarmos e deixarmos os nossos pecados e usar de misericórdia para com os povos. Assim como ocorreu com Nabucodonosor, o juízo de Deus virá sobre a humanidade; a chance de arrependimento está sendo oferecida.

O livro de Daniel

O quarto capítulo de Daniel tem sito descrito como o documento governamental mais marcante dos tempos antigos. Iniciando com a inscrição Nabucodonosor, rei, esse documento falava com autoridade imperial a todos os povos, nações e línguas. Sem expressar vergonha ou apresentar desculpas, essa proclamação exaltava a Deus, o Altíssimo.

Poucos líderes mundiais em qualquer época têm sobrepujado Nabucodonosor em dar glória a Deus ou em expressar de forma correta seu sublime caráter. Esse capítulo bem poderia ser chamado de Teodicéia do Imperador, uma vindicação sublime dos julgamentos de Deus e sua justiça. Como são grandes os seus sinais, como são poderosas as suas maravilhas! O seu reino é um reino eterno; o seu domínio dura de geração em geração (3, NVI)

O período em que se deu o sonho

Não há indicação clara acerca do período no reinado de Nabucodonosor em que essa experiência humilde e esclarecedora veio a ele. Keil sugere que ela ocorreu “no período final do seu reinado, depois de ter participado de muitas guerras para a fundação e estabelecimento do seu império mundial, mas também, após concluir a maior parte das suas construções esplêndidas
”. Segundo a Septuaginta, os acontecimentos descritos datam do décimo oitavo ano do reinado de Nabucodonosor.

O sonho e seu cumprimento

O rei reconheceu que o espírito dos santos deuses estava em Daniel. A nota de rodapé da Bíblia HCSB (em inglês) reflete o fato de que Nabucodonosor persistiu em acreditar na pluralidade dos deuses. Porém, tendo sido repreendido (3.24-30) e sabendo que somente Deus poderia revelar o que estava escondido (2.47), é possível corrigir a frase alternativamente para: 
o espírito do Santo Deus está nele”.

Durante todo o capítulo, Daniel é mais frequentemente chamado por seu nome Beltesazar, pois essa é uma escrita sob a perspectiva do rei babilônico, não do exílio hebreu. O sonho do rei foi sobre uma árvore cujo topo encostava no céu. Encontramos uma expressão semelhante em Gênesis 11.4 para a torre da Babilônia, cujo topo deveria chegar aos céus. O tronco e as raízes poupados indicava a continuação da vida, o ferro e o bronze apontam para a proteção do tronco. A árvore representa o homem (o rei) pois o anjo declarou que a sua mente humana seria trocada pela de um animal durante sete tempos ou sete anos.

Mas, no meio desse presságio chocante de julgamento, que para o rei deve ter soado mais terrível do que a morte, veio a garantia da infinita fidelidade e misericórdia de Deus. Embora a árvore fosse cortada, o tronco foi deixado para reviver e crescer novamente. Além disso foi cercado de cadeias de ferro e bronze, um símbolo da firmeza e constância da promessa de Deus de sobrevivência e restauração.

Como servo fiel do rei, Daniel ficou alarmado com a severa disciplina que sobreviria ao rei. A arvore representava o rei Nabucodonosor, que seria acometido de uma doença mental que o faria viver na natureza, com os animais selvagens (ou do campo) durante sete anos até que se arrependesse do seu orgulho e reconhecesse que 
o Altíssimo domina sobre todos os reinos dos homens e os dá a quem ele quer”.

Esse é o único versículo em todo o AT em que 
Céus” é usado como um eufemismo para Deus. Daniel advertiu para que o rei se arrependesse (fazer o que era certo) na esperança de que isso evitaria a disciplina de Deus. Nabucodonosor não possuía menos do que três palácios na cidade da Babilônia. Ele estava andando no terraço de um deles quando ficou maravilhado com a glória da cidade e consumido pelo orgulho.

Ao exclamar “Acaso não é esta a grande Babilônia que eu (“eu eu mesmo”) construí […] com meu enorme poder e para a glória da minha majestade?
”, Nabucodonosor enfatizou a si próprio como a fonte da majestade. Ele pecou ao não dar o crédito e a glória a Deus como soberano Doador de todas as boas dádivas. Muitos anos mais tarde, o apóstolo Paulo repreendeu os coríntios fazendo a seguinte pergunta: “O que você tem que não tenha recebido?” (1 Co 4.7). Ao retardar a sentença de Nabucodonosor em um ano (v. 28), Deus o disciplinou no mesmo instante em que ele se deixou consumir pelo orgulho, enquanto as palavras ainda estavam nos seus lábios”.

Nabucodonosor pode ter sofrido de licantropia, uma psicopatologia: forma de loucura através da qual um indivíduo pensa ter se transformado em lobo ou em outro animal selvagem, e não tira completamente de suas vítimas a habilidade de raciocínio ou compreensão do que está acontecendo com elas. Dessa forma, é possível que o rei tenha percebido que seu próprio orgulho fora a causa da sua insanidade.

O rei se arrependeu do seu orgulho e reconheceu o Deus Altíssimo. Sua sanidade voltou instantaneamente, um sinal de que Deus havia suspendido a sentença. Como um epílogo à narrativa, Nabucodonosor glorificou a Deus, usando palavras que descrevem sua conscientização de que o domínio de Deus é eterno e também resume apropriadamente o tema do livro de Daniel: 


Agora eu, Nabucodonosor, louvo e exalto e glorifico o Rei dos céus, porque tudo o que ele faz é certo, e todos os seus caminhos são justos. E ele tem poder para humilhar aqueles que vivem com arrogância.
Daniel 4.37

Carla Ribas

Referências

- Comentário Bíblico Beacon, Vol. 4, CPAD
- HCSB Bible
- FRANCISCO, 
Caramuru Afonso. Portal de Escola Dominical.
- O AT Comentado Versículo por Versículo. Editora Hagnos e CPAD
- Portal www.vivabonsmomentos.com

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Brasil cada vez mais perto de se tornar uma "ditadura socialista"


Atenção, atenção, cristão petista que está zombando dos pastores que denunciam a tentativa do petismo marxista-leninista de implantar uma "ditadura socialista" no Brasil e na América Latina nos moldes da Venezuela: você vai se surpreender! Leia o documento oficial, em espanhol, que o presidente Maduro enviou à "presidenta" Dilma Rousseff, logo após a sua reeleição.

Parabéns! Você contribuiu para o Foro de São Paulo dar mais um passo rumo à cubanização do Brasil! O petismo, agora, dará continuidade ao seu projeto de poder, rumo ao estabelecimento do bolivarianismo 
("Revolución Bolivariana") antiamericanista, antissemita e anticristão! Veja especialmente a parte em negrito.

"REPÚBLICA BOLIVARIANA DE VENEZUELA MINISTERIO DEL PODER POPULAR PARA RELACIONES EXTERIORES COMUNICADO

El Presidente de la República Bolivariana de Venezuela Nicolás Maduro Moros, a nombre del Pueblo y del Gobierno venezolano, hace llegar su más efusivas felicitaciones a la compañera Dilma Rousseff y al pueblo brasileño por el histórico triunfo electoral obtenido el día de hoy.

La victoria de la presidenta Dilma Rousseff, es el resultado de una extraordinaria movilización de las fuerzas populares del Brasil, que una vez más demuestran el elevado nivel de conciencia política y de compromiso con la unión de la región Suramericana, Latinoamericana y Caribeña, y que sin duda alguna, garantizará la continuidad del proceso de construcción de la Patria Grande, como la soñaron el Libertadores Simón Bolívar y el prócer José Ignacio Abreu de Lima.

El Presidente Nicolás Maduro Moros desea manifestarle a la Presidenta Dilma Rouseff y al pueblo brasileño el mayor de los éxitos en esta nueva etapa de transformación sociopolitica y ofrece todo el apoyo y el compromiso de la Revolución Bolivariana para avanzar en la consolidación de la alianza estratégica entre Brasil y Venezuela, mediante el fortalecimiento de los planes y proyectos de desarrollo conjuntos pensados por el Comandante Supremo Hugo Rafael Chávez Frías y el ex presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

El Gobierno Bolivariano de Venezuela reitera sus felicitaciones a la Presidenta reelecta Dilma Rouseff, quien junto a su pueblo sigue escribiendo la nueva historia del Brasil, país junto al cual, Latinoamérica y el Caribe se dirigen hacia la realización inexorable de un destino de soberanía, de independencia, de protección recíproca, de unidad y de paz.

¡Que Viva el Pueblo de Brasil!

!Que Viva la Presidenta Dilma Rousseff!

Nicolás Maduro Moros Caracas, 26 de octubre de 2014"

Fonte: http://exwebserv.telesurtv.net/secciones/archivos/ARCH583_76.pdf

Parabéns, cristãos petistas!


O petismo obteve uma grande, extraordinária, vitória! Além de vencer as eleições presidenciais, consolidou a divisão Norte-Sul do povo brasileiro, colocando milhões de nordestinos contra o "povo do Sul". Os pobres do Norte e do Nordeste agora batem no peito e zombam das "elites" de São Paulo. Que elites são essas? Em 2002, o Brasil era o 72o. no ranking do IDH. Hoje é o 79o. Pioramos com o petismo no poder, povo de Deus! Mais que isso: o partido mais corrupto da História do Brasil, maquiavélico, parceiro de déspotas e terroristas, tem conseguido o apoio de muitos evangélicos!

Vejo hoje cristãos nordestinos zombando dos cristãos de outros Estados ou dizendo que a sua vitória tem sabor de mel. Meu Deus, será que esse povo conhece mesmo a ideologia que o petismo defende? Ah, não me diga que esse partido mudou e que não é mais o mesmo, por favor! Na verdade, o petismo usa várias máscaras. Seus políticos são capazes de visitar templos evangélicos e citar versículos bíblicos para enganar os incautos! Mas a sua verdadeira face — uma das poucas coisas que ele tem de verdadeiro — é o marxismo-leninista.

Não nos enganemos. Lula, o Grande, a despeito de ter se tornado o "Lulinha paz e amor" para se eleger, nunca deixou de ser marxista-leninista. O petismo jamais abandonou a sua ideologia antissemita, antiamericanista, anticristã, gramscista e maquiaveliana. E, a cada nova eleição, esse partido vai consolidando seu projeto de poder. Por isso, o cristão que, verdadeiramente, sabe do que está acontecendo no Congresso e está inteirado dos decretos presidenciais, não se deixa enganar com os "avanços sociais" e a maquiagem da pobreza.

Temos dois tipos de arma à nossa disposição. Como cidadãos, temos o voto; como cristãos, as armas da nossa milícia, que não são carnais (2 Co 10.4). Estejamos preparados. O petismo virá com força contra as igrejas evangélicas. E, já que não nos unimos para votar contra esse partido, unamo-nos em oração pela igreja brasileira. Vamos precisar orar muito! Mas uma coisa é certa, apesar de tudo: mesmo quando fazemos escolhas erradas, Deus continua no controle de todas as coisas e sempre fará a sua Igreja (agora, com inicial maiúscula) triunfar em Cristo (2 Co 2.14). ‪#‎ProntoFalei‬, quer gostem, quer não gostem.

Ciro Sanches Zibordi

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Brasil socialista ou Brasil democrático?


A "presidenta" do Brasil fez um discurso confuso ontem, à noite, em Brasília-DF. Mas isso não me impressiona mais; já estou acostumado. O que mais me chamou a atenção foi a reação da plateia, cem por cento petista. Logo após a presidente-candidata ter dito que Evo Morales foi reeleito presidente da Bolívia, o público começou a gritar: "Te cuida, te cuida, te cuida, imperialista! A América Latina vai ser toda socialista!" Bem, o Brasil é uma nação democrática, em que há espaço para o debate, não é mesmo?

Nos Estados Unidos, por exemplo — os quais são a maior democracia do mundo —, há dois grupos partidários: os republicanos e os democratas. E eles se alternam no governo; nenhum dos dois grupos pode se perpetuar no poder, pois existe ali o entendimento de que, se isso acontecer, a democracia será substituída por uma ditadura. O que estamos vendo na América do Sul? Vemos os presidentes que se dizem socialistas — Dilma (Brasil), Maduro (Venezuela), Evo (Bolívia), Cristina (Argentina), etc. — fomentando a luta de classes.

A estratégia dos presidentes esquerdistas tem sido a mesma, na América Latina: demonizam os que pensam de modo diferente e os chamam de "elite". A cada reeleição, "legitimados" pelos votos (comprados, por assim dizer, mediante a concessão de benefícios), eles se fortalecem mais e, de modo despótico, passam a "massacrar" ainda mais os oposicionistas, tachando-os disto e daquilo, fortalecem a sua "máquina" de destruir reputações e negam cinicamente os seus atos de corrupção. Na Venezuela, inclusive, há políticos presos e setores da imprensa "amordaçados" em razão de serem oposicionistas. Isso gera um terror na população, de modo geral, e entre os formadores de opinião, impedindo-os de manifestar livremente o seu pensamento.

Diante do exposto, queremos que o Brasil siga o mesmo caminho da Venezuela e da Bolívia? Desejamos que a nossa nação abrace, cada vez mais, essa ideologia gramscista, estalinista, hipermarxista, despótica, retrógrada, maquiavélica, antiamericanista, antissemita, anticristã e antidemocrática? Ou queremos a alternância de poder, para o bem de todos os brasileiros e para o fortalecimento da nossa democracia? Pense nisso e vote para mudar o Brasil, de fato.

Ciro Sanches Zibordi

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Cristão, não se omita como cidadão

Leia com atenção: "E o carcereiro anunciou a Paulo estas palavras, dizendo: Os magistrados mandaram que vos soltasse; agora, pois, saí e ide em paz. Mas Paulo replicou: Açoitaram-nos publicamente e, sem sermos condenados, sendo homens romanos, nos lançaram na prisão, e agora encobertamente nos lançam fora? Não será assim; mas venham eles mesmos e tirem-nos para fora. E os quadrilheiros foram dizer aos magistrados estas palavras; e eles temeram, ouvindo que eram romanos. E, vindo, lhes dirigiram súplicas; e, tirando-os para fora, lhes pediram que saíssem da cidade" (At 16.36-39).

Paulo, quando foi açoitado injustamente em Filipos, sendo perseguido por causa do Evangelho, não abriu mão de seus direitos como cidadão. Quando reconheceram o erro de ter açoitado um cidadão romano, os magistrados quiseram soltá-lo sem chamar a atenção. Paulo podia ter dito: "É assim mesmo. O cristão é perseguido"...

Mas o apóstolo Paulo fez questão de reivindicar seus direitos como cidadão romano. Isso mostra que somos cristãos e devemos estar dispostos a sofrer por amor a Cristo. Mas também somos cidadãos e não devemos nos omitir. Paremos com esse discurso de "coitadinhos", de que somos perseguidos e devemos nos conformar com isso! Nós temos o dever de votar bem, para mudar o Brasil!

Ciro Sanches Zibordi

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Por que não apoio o Festival Promessas, da TV Globo?

A TV Globo — tão criticada pelos evangélicos por causa de sua programação imoral e contrária aos valores cristãos — é a mesma que promove, há alguns anos, o Festival Promessas. E quem participa deste? Várias celebridades gospel. E quem assiste a esse show e dá “ibope”, por assim dizer, à emissora em apreço? Em geral, os mesmos evangélicos que a criticam! Inclusive, alguns astros gospel que ficam indignados com a programação da Globo estão ansiosos para participar do aludido Festival! E, se isso acontecer, vão publicar nas redes sociais que Deus lhes abriu uma grande porta! E os seus fãs vão “curtir”.

Sinceramente, quanto à TV Globo (ou qualquer outra emissora), nós, como cristãos, evangélicos, temos o direito de fazer três coisas. Primeiro: criticá-la de modo equilibrado. Segundo: não assistir à sua programação (no todo ou em parte), caso a julguemos tendenciosa e contrária aos valores que prezamos. E, terceiro: não colaborar com ela de forma alguma. Cada um é livre para fazer o que considerar mais coerente.

Quanto ao Festival Promessas, especificamente, oponho-me a ele desde o início. Por quê? Para mim, participar desse tipo de show ou apoiá-lo significa prender-se a jugo desigual (2 Co 6.14-18). Afinal, a Globo que fala tanto em preconceito, que procura posar como emissora politicamente correta, claramente ridiculariza e estereotipa a fé evangélica com as suas novelas e programas de humor. Não bastasse isso, tem noticiado, por meio de seus veículos, que “traficantes evangélicos” (sem aspas) têm expulsado membros de religiões afro-brasileiras dos morros cariocas.

Ora, ora, ora... A mesma TV Globo que “pisa em ovos” ao falar dos monstros assassinos do ISIS (grupo Estado Islâmico) — os quais degolam crianças e jornalistas, bem como fuzilam todos aqueles que se lhes opõem, especialmente os cristãos — não tem o mesmo bom senso para falar dos evangélicos. Estes podem ser associados ao tráfico, não é mesmo? Veja, por exemplo, uma das recentes manchetes de O Globo: “Crime e preconceito: mães e filhos de santo são expulsos de favelas por traficantes evangélicos”. Por que esse jornal não diz, também, que os “militantes extremistas” do ISIS são terroristas muçulmanos?

Ciro Sanches Zibordi

domingo, 21 de setembro de 2014

Diga “não” ao estalinismo evangelicofóbico


Por causa de uma faixa — “Estamos em oração por Niterói” —, a Primeira Igreja Batista de Niterói-RJ estaria sendo enquadrada segundo os rigores da lei por meio de uma ação da Prefeitura, a qual teria, sem nenhum bom senso, intimado a igreja a retirar a “ofensiva” faixa. Se esta e outras notícias que tenho lido forem verdadeiras, o Estado está começando a dar indicações de que chegou o tempo de um determinado partido, no poder há doze anos, pôr em execução seu plano nefasto de, sob a égide do laicismo, fechar ou manipular igrejas evangélicas, impedindo a propagação do Evangelho.

Isso, aliás, já vem acontecendo aqui e ali, nos últimos anos. A evangelicofobia estalinista avança a passos largos no Brasil. A intolerância à fé evangélica — não me refiro ao evangelho-show das celebridades gospel, pois estas até que são bem tratadas por todos, inclusive pela grande mídia — é percebida pelo modo como os evangélicos, de maneira geral, são retratados nas universidades, na grande mídia e no meio político: preconceituosa e zombeteiramente. Os evangélicos, de fato, incomodam os prefeitos, governadores e líderes políticos do movimento AAAA: Ateísta, Anticristão, Antissemita é Antidemocrático.

Políticos do tipo AAAA não querem ter seu projeto de poder interrompido e estão dispostos a tudo para se manterem no comando no país. E a cada vitória nas urnas tornam-se mais enérgicos e truculentos contra os que se lhes opõem. Estalinistas e hitleristas, tais políticos são ditadores aéticos, lobos que, convenientemente, se vestem de ovelhas e visitam templos evangélicos, mas querem, na verdade, calar os que defendem a moral, a ética e os bons costumes. Como desejam fazer o que bem entendem, ficam revoltados quando “religiosos fundamentalistas” opinam contra a legalização do assassinato de inocentes (também conhecido como aborto), a liberalização das drogas, a “educação” sexual (de gênero) para crianças nas escolas, etc.

Em Salmos 11.3, está escrito: “os fundamentos se transtornam; que pode fazer o justo?” Os justos podem orar, não apenas por Niterói, mas também por todo o Brasil. E, além de orar, podem fazer um pouco mais como cidadãos: votar contra os estalinistas nestas e nas próximas eleições; e votar em estadistas de verdade, em líderes equilibrados, evangélicos ou não, que governam para todos, e não para adeptos de ideologias extremistas e despotistas. O Estado é laico e, exatamente por isso, deve respeitar a todos, sem fazer nenhuma discriminação.

Ciro Sanches Zibordi

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

A evangelicofobia da grande mídia

Vejo com frequência na grande mídia notícias de que as religiões afro-brasileiras são vítimas de preconceito e discriminação por parte dos evangélicos. Inclusive, já ouvi notícias absurdas, como: “Traficantes evangélicos impedem adeptos do candomblé e da umbanda de realizar seus cultos, nos morros cariocas”.

A despeito de o EI (Estado Islâmico), também conhecido como ISIS (Islamic State in Iraq and Syria), estar matando cruelmente inúmeros cristãos, a grande mídia não afirma que terroristas muçulmanos ou islâmicos estão matando cristãos no Iraque e na Síria. Por quê? Porque ela não quer generalizar, incorrendo em islamofobia.

Entretanto, a mesma grande mídia não se importa em dizer que “traficantes evangélicos” estão impedindo os cultos afro-brasileiros nos morros cariocas, associando a fé evangélica a um dos piores males que existe no Brasil: o tráfico de drogas! Isso não é evangelicofobia?

Na verdade, o que existe no Brasil é uma grande perseguição aos evangélicos. Muitos criticam, com justiça, os telebispos e tele-apóstolos charlatões, mas ninguém fala dos Joões Bidus e outros videntes que aparecem diariamente na TV prometendo isto e aquilo.

Há pouco tempo, a Prefeitura de Niterói intimou a Primeira Igreja Batista dessa cidade por ter exposto a seguinte faixa: “Niterói, estamos orando por você”. Muitos, em nome da laicidade do Estado, falam em homofobia e racismo, mas se esquecem de que em nosso país “democrático” existe outro grande mal: a evangelicofobia, a qual é incentivada, infelizmente, pela grande mídia.

Ciro Sanches Zibordi

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Webmilitantes do petismo atacam a Rede Globo


Bastou o Jornal Nacional “apertar” um pouquinho a presidenta, na qualidade de candidata à reeleição — antes que digam que estou falando mal das “autoridades constituídas” —, para os webmilitantes do petismo dizerem que Dilma foi “agredida” e “desrespeitada” pela Rede Globo. Ora, esse telejornal está fazendo “linha dura” com todos os presidenciáveis. E, na verdade, é o povo brasileiro que, há doze anos, vem sendo agredido e desrespeitado pela corrupção e pela impunidade nunca vistas antes na história desse país, bem como pela precariedade da saúde pública e pela maquiagem dos números da economia.

Os webmilitantes do petismo estão alegando que a sua presidenta, além de “agredida” e “desrespeitada” pelos jornalistas William Bonner e Patrícia Poeta, foi interrompida várias vezes, não podendo expor seus projetos. Mas um levantamento do Controle da Concorrência, divulgado pelo jornalista Lauro Jardim, revela que Aécio Neves foi o candidato com menos espaço para falar na entrevista do Jornal Nacional. Ele falou por 9 minutos e 51 segundos, ficando atrás do Pastor Everaldo (com dez minutos de fala), de Eduardo Campos (com 10 minutos e 35 segundos) e de Dilma Rousseff. Esta, embora, sem nenhuma objetividade e clareza, tenha fugido das perguntas várias vezes, falou durante longos 11 minutos e 4 segundos. Pois é...

Segundo os 
“coerentes” webmilitantes petistas, ainda, a presidenta sofreu 21 interrupções; Eduardo Campos, sete; Aécio Neves, seis; e Pastor Everaldo, apenas três. Na verdade, isso mostra que Dilma fugiu das perguntas o tempo todo e não conseguiu responder a elas com um mínimo de clareza. Aliás, falando em clareza, a entrevista de Everaldo ao Jornal das Dez, da Globo News, foi muito proveitosa. As perguntas foram ótimas, e o candidato, ao apresentar suas propostas, demonstrou ter grande segurança, desenvoltura, coerência e objetividade.

Depois que o William Bonner “apertou” um pouquinho a presidenta, truculentos webmilitantes do petismo passaram a atacá-lo. Eles não querem um país para todos; querem dominar tudo com mão de ferro. Quando o petismo era oposição, a corrupção era exclusividade do governo. Depois de doze anos de corrupção exemplar, como nunca houve na história desse país, muitos petistas dizem que todos os partidos são corruptos e posam como perseguidos pela grande mídia.


Infelizmente, o que muitos petistas querem é dominar o Brasil, como se este fosse a Venezuela, e fazer o que bem entendem. É por isso que esse projeto de poder deve ser interrompido nas próximas eleições. E, graças a Deus, existe possibilidade real de isso acontecer! Façamos a nossa parte nas urnas.

Ciro Sanches Zibordi

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

A inesperada morte de Eduardo Campos e o futuro de Marina Silva

Lamento profundamente pelo precoce e inesperado falecimento de Eduardo Campos — candidato à presidência da República —, ocasionado pela queda de uma aeronave, hoje, pela manhã, em Santos-SP. Registro aqui as minhas condolências aos amigos e familiares desse jovem político, que deixou cinco filhos. Campos, que representava uma alternativa à polarização que começou nos anos de 1990 entre petismo e peessedebismo, vinha crescendo nas pesquisas, e todos esperavam que ele obtivesse, pelo menos, a mesma votação que Marina Silva obteve nas últimas eleições presidenciais: cerca de vinte milhões de votos.

Campos e Marina estavam muito entrosados e vinham crescendo juntos em conhecimento, haja vista suas biografias serem bastante diferentes. Ambos, inclusive, estavam juntos, ontem, no Rio de Janeiro. Ele havia dado entrevistas ao Jornal Nacional, da Globo, e ao Jornal das Dez, da Globo News. E eles viajariam ao litoral paulista no mesmo avião, quando Marina, na última hora, resolveu embarcar com assessores em uma aeronave de carreira, escapando, assim, de morte certa.

Não gosto de espiritualizar tragédias nem de me aproveitar delas para passar a ideia de que sou “profeta de Internet”. Entretanto, tudo o que aconteceu até agora, culminando com a morte repentina de Eduardo Campos, ainda no início de sua campanha para a sucessão presidencial, leva-me a, no mínimo, refletir sobre uma participação mais efetiva da nossa irmã Marina Silva na mudança dos destinos de nosso país.

De uma coisa estou certo: Deus está no controle de todas as coisas; a Ele pertence o futuro. E, por isso mesmo, a tragédia envolvendo Eduardo Campos — que partiu para a eternidade na mesma data de seu avô, o importante político Miguel Arraes (morto em 13 de agosto de 2005) — não aconteceu por acaso. Lembremo-nos de que Marina Silva, que tem uma grande representatividade política, não conseguiu registrar seu partido e, por isso, decidiu unir-se a Campos como candidata à vice-presidente. Oremos pela nossa nação.

Ciro Sanches Zibordi

A Palavra de Deus e o Deus da Palavra


Estou lendo um livro interessante, recheado de frases inspirativas, em que o autor cita várias palavras de Jesus Cristo, mas omite seu nome, mencionando apenas o lugar onde elas estão registradas, como: “It is more blessed to give than to receive —Acts 20:35” (URBAN, Hal. Choices that Change Lives, New York, NY: Fireside, 2006). Curiosamente, quando URBAN cita outras frases de personalidades da História, faz questão de mencionar seus nomes, como Madre Teresa de Calcutá, Albert Schweitzer, Winston Churchill, etc.

Aliás, no caso da frase contida em Atos 20.35, no Novo Testamento, muitos leitores desatentos pensam que ela foi pronunciada por Paulo, em razão de ela fazer parte do seu sermão aos presbíteros de Éfeso, em Mileto, no retorno de sua terceira viagem missionária. Entretanto, nessa passagem, o apóstolo disse que é necessário “recordar as palavras do Senhor Jesus, que disse: Mais bem-aventurada coisa é dar do que receber”.

É interessante como muitos “sábios”, a despeito de reconhecerem as verdades ditas pelo Mestre dos mestres, evitam a sua Pessoa; consideram “politicamente incorreto” a simples menção do seu nome. Eles agem como os doutores da lei dos tempos em que Jesus andou na terra, os quais examinavam as Escrituras com avidez, julgando ter nelas a vida eterna, porém não queriam reconhecer o Mestre como Senhor, Salvador e Cristo: “Examinais as Escrituras, [...] E não quereis vir a mim para terdes vida” (Jo 5.39,40).

Sabemos que a Palavra viva (Jesus Cristo) e a Palavra escrita (a Bíblia Sagrada) estão intimamente ligadas e são indissociáveis (Jo 1.1,14). É impossível — ao mesmo tempo — distanciar-se da Palavra de Deus e aproximar-se do Deus da Palavra. Por isso, o Senhor Jesus asseverou: “Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos para ele, e faremos nele morada” (Jo 14.23).

Ciro Sanches Zibordi

terça-feira, 22 de julho de 2014

#ProntoFalei — quer gostem, quer não (6)


Conflito israelo-palestino.
A grande mídia continua afirmando ou sugerindo que Israel é um Estado desumano, cruel e o vilão da história. Ora, qual é o país que, ao ser bombardeado por 1.600 foguetes de um grupo declaradamente terrorista, fica apenas se defendendo? Se Israel fosse tão cruel, atacaria Gaza apenas com mísseis, sem dó nem piedade, evitando a exposição de seus soldados ao perigo. A incursão por terra é justamente para tentar diminuir o número de vítimas civis. Israel pretende, com isso, proteger a sua população e os próprios palestinos, que hoje são usados pelos terroristas como escudos humanos.

Preconceito acadêmico. Estou lendo uma obra científica muito boa: MARGULIS, Lynn; SAGAN, Dorion. O que é vida? 1. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2002. Entretanto, veja o que diz, na apresentação do livro, o senhor Francisco M. Salzano, do Instituto de Biociências da UFRS: “Para os religiosos, naturalmente, a resposta pode ser facilmente encontrada na Bíblia, mas para as mentes inquiridoras e que buscam uma explicação científica o problema é mais complicado”. Ora, ora, ora... Estamos em pleno século XXI, e ainda temos de ler uma declaração preconceituosa e reducionista de alguém que pensa que os evangélicos e cristãos são ignorantes, inferiores aos não-religiosos?! Apesar de os evangélicos que se prezam terem a Bíblia como sua fonte de autoridade principal, nem por isso desprezam a ciência. Faça-me o favor, nobre acadêmico!

“Academicite”. Prezo o estudo acadêmico e, por graça de Deus, frequentei e frequento a academia. Mas lamento quando vejo teólogos contaminados pela “academicite”. Quem é atingido por essa doença menospreza alguns mestres piedosos levantados por Deus só porque estes não têm um pós-doutorado, um doutorado, um mestrado ou até mesmo uma graduação. Lembremo-nos de que o título de doutor, na Bíblia, não é conferido a acadêmicos, e sim a quem foi chamado por Deus (Ef 4.8-11; At 13.1-3). O maior mestre, depois de Jesus Cristo, foi o apóstolo Paulo. E ele, por analogia, a despeito de ter um invejável Currículo Lattes — pós-doutor pela Pentecost University of Antioch; doutor pela Pentecost University of Jerusalem; mestre pela University of the Arabian Desert; e graduado pela Gamaliel College —, nunca se deixou contaminar pela “academicite” (1 Co 2.1-5).

Julgamento começa pela Casa de Deus. Quando Deus levantou alguns mensageiros para verberar contra animadores de auditório, pregadores malabaristas, milagreiros, que só querem arrancar o dinheiro do povo, há alguns anos, houve reação deles próprios e de seu fã-clube. Chamavam os tais defensores do Evangelho de oportunistas, invejosos, etc. Mas — não convém citar nomes —, nos últimos dois anos, várias máscaras têm caído. O Senhor Jesus está vivo! E Ele zela pela Igreja de Deus, que resgatou com seu próprio sangue (At 20.28).

Em campanha. Há alguns anos, divulguei no Blog do Ciro uma agenda de visita às congregações da igreja onde servia ao Senhor. Como era um dos pastores auxiliares, eu fora designado pelo pastor-presidente para pregar a Palavra de Deus nas igrejas do ministério e queria que todos os irmãos soubessem disso. Mas um famoso pastor, de outro ministério — não me pergunte o nome dele —, inseriu ali um comentário zombeteiro ou, no mínimo, sarcástico: “Eita vaidade! ou tá em campanha para a presidência?” Apenas publiquei o comentário e esperei o tempo passar. Hoje, o tal pastor é candidato a deputado federal... Em alguns momentos, o silêncio é a melhor resposta.

“Ataque homofóbico”. Bem, falando em política, não é que um certo deputado federal com nome francês e sobrenome que nos faz lembrar de um carro antigo — não me pergunte o nome dele — conseguiu se superar? Ele sugeriu nas redes sociais que o avião da Malaysia Airlines teria sofrido um “ataque homofóbico” na Ucrânia! Segundo ele, a aeronave teria sido abatida porque nela havia muitos especialistas em aids/HIV. Como eu não tinha pensado nisso? Esse parlamentar BBBrasileiro realmente tem uma inteligência acima da média! “Só que não”.

Macedonosor. “Então falou Macedonosor e disse: Não é este o grande Templo de Salomão que eu edifiquei com a força do meu poder e para glória da minha magnificência? Ainda estava a palavra na boca dele, quando caiu uma voz do céu: A ti se diz, ó Macedonosor: Passou de ti o reino”. Que Deus tenha misericórdia do grande propagador da falaciosa Teologia da Prosperidade e defensor do aborto — que é assassinato, à luz da Bíblia, visto que a vida humana é contínua desde a concepção até a morte —, o qual se considera mais sábio que Jesus Cristo, a ponto de contestar o propósito do seu primeiro milagre e sugerir que transformar água em vinho não ajudou as pessoas em nada. E que esse líder evangélico (evangélico?), à semelhança de Nabucodonosor, rei de Babilônia, ainda tenha a oportunidade de glorificar, de fato, o Rei dos céus (Dn 4.28-37).

Show das poderosas gospel. Agora, pare o mundo que eu quero descer! Assisti, há pouco tempo, a uma versão gospel do show das poderosas! Isso mesmo. Usando play-back da funkeira Anitta, algumas 
ungidas, dançando, cantavam: “Prepara que agora é a hora da oração das poderosas, que oram, jejuam, que vencem as invejosas”. Meu Deus! Logo, logo, teremos “Beijinho no ombro” gospel! Como estão dessacralizando e secularizando o culto a Deus sob a égide de que é importante valorizar a cultura! Mas o Evangelho está acima da cultura! O Evangelho está acima do mundanismo! “Ora, vem, Senhor Jesus” (Ap 22.20).

Ciro Sanches Zibordi

domingo, 13 de julho de 2014

Orgulho de ser brasileiro


Pode comemorar, brasileiro. O Brasil está na final da Copa do Mundo da Alemanha! Depois de golear a anfitriã por 7 a 1, em pleno 
Olympiastadion Berlin, a Seleção canarinho vai enfrentar a Argentina, que passou com muita dificuldade pela Holanda. Ficamos tristes pela situação da Alemanha, que, além de perder na semifinal, também foi goleada ontem pela Holanda, por 3 a 0, no Signal Iduna Park, em Dortmund, e ficou em quarto lugar.

Como se não bastasse a vergonhosa participação da Seleção Alemã na Copa, realizada em seu próprio país, levando dez gols em dois jogos, o povo alemão está indignado com o governo. O tão festejado legado da Copa tem sido pífio. E o trem-bala, prometido pela chanceler Angela Dorothea Merkel, há quatro anos, não foi entregue. Merkel deve receber uma sonora vaia, neste domingo, no momento da entrega dos prêmios aos finalistas.

A grande indignação dos alemães não é por causa do futebol, e sim em razão de a Alemanha estar e 85º. lugar no ranking do IDH (Índice de Desenvolvimento Humano). Alguns ufanistas estão comemorando — não sei por quê —, e um ex-chefe de Estado que fala “pelos cotovelos” chegou a dizer que a Alemanha está entre os “sete melhores países em tudo o que você quiser”.

Outros defensores do partido que está no poder há mais de dez anos dizem que a Alemanha só não está melhor por causa da Segunda Guerra Mundial. Afinal, desde 1945, os alemães não conseguem se reerguer. Mas a oposição não concorda com isso, pois a corrupção ali é grande, e os políticos corruptos, mesmo depois de punidos pelo Bundesgerichtshof (STF alemão), recebem regalias.

Comemore, brasileiro! Ganhando ou perdendo a Copa, continuaremos felizes, pois o Brasil ainda está em 5º. lugar no ranking do IDH e temos educação, saúde, segurança, justiça, transportes, qualidade de vida, civilidade, etc. Somos um país exemplar. E mais: a nossa presidenta Dilma Rousseff, que estará presente na grande final, no 
Allianz Arena, em Munique, será aplaudida por todos, seja qual for o resultado, haja vista ser ela uma grande estadista, que tem conduzido a nossa nação com muita competência, a ponto de ser considerada a segunda pessoa mais influente do mundo!

Soltemos, pois, o nosso grito: “Eu sou brasileiro, com muito orgulho, com muito amor”...

Ciro Sanches Zibordi

terça-feira, 8 de julho de 2014

Estou envergonhado do Brasil


Se “os melhores hinos e poesias foram escritos em tribulação” (Harpa Cristã, CPAD), os melhores gracejos e anedotas foram escritos durante e após o tribuloso jogo da Seleção. E muitos têm preferido rir para não chorar, depois da eliminação do Brasil da Copa do Mundo.

Mas como é triste ver crianças, em sua ingenuidade, chorando... Esse é um bom momento para os pais mostrarem aos seus filhos que futebol é apenas entretenimento, e que na vida há coisas muito mais prementes e relevantes que isso.

Vergonha e tristeza não é perder um jogo de futebol, que é mero entretenimento, mesmo que seja por 7 a 1. Vergonhoso e angustiante é um país rico como o Brasil estar em 85o. lugar no ranking do IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), abaixo de Jamaica, Peru, Argentina, Chile e tantos outros países, como a Noruega, que sequer veio para a Copa e é a primeira no aludido ranking.

Está na hora de todos os brasileiros acordarem e lutarem por coisas mais relevantes. Já passou do tempo de nós sermos os melhores em educação, em saúde, em transportes, em civilidade, etc. E a educação no Brasil é tão ruim que muitos brasileiros que jamais perdoarão o técnico e os jogadores de futebol são capazes de votar de novo em políticos corruptos, que verdadeiramente têm feito o povo brasileiro sofrer.

Deus queira que essa derrota acachapante da Seleção Brasileira seja o primeiro passo para muitos brasileiros acordarem e passarem a priorizar o que realmente é prioritário, bem como a votar em políticos que verdadeiramente estão preocupados com a educação, a saúde, a segurança, os transportes, a civilidade, etc.

Mostra a sua verdadeira força, Brasil! E que o povo de Deus continue fazendo a sua parte, orando e evangelizando, pois: “Bem-aventurada é a nação cujo Deus é o Senhor, e o povo ao qual escolheu para sua herança” (Sl 33.12).

Ciro Sanches Zibordi