sexta-feira, 30 de maio de 2014

Marcelo Adnet e o humor evangelicofóbico da Rede Globo (4)

Uma pessoa claramente evangelicofóbica inseriu aqui no Blog do Ciro um ofensivo comentário, ao responder à série em epígrafe. Neste texto, respondo a uma parte desse comentário, do qual suprimi algumas partes mais ofensivas. Ei-lo: "Não vejo os religiosos afro-brasileiros dizendo que os crentelhos vão pro inferno e que são cavalos do diabo. [...] Evangélicos podem ser tudo, menos vítimas nesse cenário. Se você é livre pra dizer que alguém vai pro inferno sem Jesus, os outros também podem fazer no mínimo uma paródia, como foi o caso".

Primeiro: veja como o internauta se refere aos evangélicos: "crentelhos". Este e outros adjetivos que suprimi demostram que esse cidadão que defende a zombaria dos evangélicos feita por Adnet, na TV Globo, é mesmo evangelicofóbico. 

Segundo: evangélicos que chamam qualquer religioso de "cavalo do Diabo" são pessoas sem educação, sem equilíbrio, sem sabedoria, e não devem ser tomados como modelos. Nesse caso, tomar a parte pelo todo para justificar a evangelicofobia é, no mínimo, um grande equívoco. Seria o mesmo que dizer que todos os católicos são pedófilos ou efebófilos por causa de alguns padres terem abusado de menores.

Terceiro: os evangélicos têm uma fonte primária de autoridade, a Bíblia. E têm um líder: Jesus Cristo. Evangélicos que se prezam pregam, com respeito e ética, o que está escrito na Bíblia e o que Jesus ensinou. Se os espíritas pregam a reencarnação; se os católicos pregam o culto a Maria; por que os evangélicos não podem pregar, em tese, as doutrinas esposadas na Bíblia, inclusive as doutrinas de Céu e Inferno?

Quarto: todo religioso tem o direito de dizer, em tese, sem ofender alguém ou alguma instituição, diretamente, o que pensa sobre a sua religião e, inevitavelmente, fazer comparações com outras doutrinas. Nunca me ofendi, por exemplo, com os padres que verberam contra o evangelicalismo. O debate religioso no campo das ideias, com respeito, e a refutação fundamentada são instrumentos válidos na convivência pacífica entre as diferentes crenças. 

Quinto: o caso da paródia "Crentes" de Adnet e seu grupo é um caso diferente porque se configura numa espécie de "bullying". Ela estereotipa os evangélicos e sugere que eles são pessoas ignorantes ou inferiores às demais. A paródia serve, inclusive, para alimentar o "bullying" nas escolas, manifestado mediante a zombaria da fé evangélica.

Sexto: se não há limite para o humor na televisão, qualquer pessoa, então, poderá, sob a égide do humor, zombar de qualquer fé. E, como se sabe, nenhum religioso gosta de ver sua religião sofrendo escárnio ou ofensa. 

Sétimo: a TV Globo, como uma emissora laica e que promove — ou que, pelo menos, diz promover — o respeito entre todas as crenças, não deve fazer apologia a nenhuma religião, tampouco permitir que haja ridicularização de nenhum segmento religioso.

Ciro Sanches Zibordi

2 comentários:

Quezia Toledo disse...

Vi no portal Gospel+ incrédulos, que sempre ofendem os cristãos e zombam de nosssa fé, defender pessoas de outra religiãom mas não porque são tolerantes, mas porque para muitos deles vale ficar do lado até de satanista para lutar contra os princípios cristãos.
Querem tirar os vídeos que falam contra as religiões de matriz africana. Eu até concordo que falta sabedoria de alguns ditos 'cristãos' ao falar das outras religiões, mas se um cristão tentar tirar, por força de lei, retirar os diversos vídeos, blogs, sites e postagens que ridicularizam nossa fé vai ser achincalhado por este 'paladinos da tolerâancia'. A PAlavra nos diz que o amor se esfriaria e a verdadeira fé seria combatida, tanto pelos falsos profetas quanto pelos incrédulos. Só o Esspírito Santo mesmo para nos dar graça irmão.

OlhoSolitário Contra N.O.M disse...

A rede Globo prega pandemônio ela não defende nem A em B enquanto as pessoas discutem isso a Globo cresce e engana a todos! quer um conselho pessoal? desliguem-se da Globo por que a religião da emissora é luciferiana não se enganem...