sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Cristão que enfeita sua casa para o Natal é idólatra?


Na Palavra de Deus, encontramos mandamentos claros quanto à idolatria. Em 1 Coríntios 10.7,14 está escrito: "Não vos façais, pois, idólatras [...]; meus amados, fugi da idolatria". E, em 1 João 5.21, lemos: "Filhinhos, guardai-vos dos ídolos". Mas, o que é idolatria, de acordo com as Escrituras?

O termo "idolatria" é uma transliteração da palavra grega eidololatria, que denota: "adoração a ídolos; adoração a imagens como divinas e sagradas. [...] Idolatria, então, é prestar honras divinas a qualquer produto de fabricação humana, ou atribuir poderes divinos a operações puramente naturais" (WYCLIFFE, CPAD, 2006, p.944). Isso está de acordo com o segundo mandamento do Decálogo: "Não farás para ti imagem de escultura" (Êx 20.4).

No Novo Testamento, o conceito de idolatria foi ampliado (Gl 5.20; 1 Co 5.11), como escrevi, recentemente, na revista Manual do Obreiro (CPAD, número 57): "Para os israelitas, tal mandamento restringia-se à adoração aos deuses de ouro, prata, madeira, barro, etc. Hoje, qualquer tipo de idolatria é vedado ao povo de Deus. A avareza, por exemplo, é retratada como uma forma de idolatria (Ef 5.5), um sentimento que impede o ser humano de amar a Deus sobre todas as coisas (Mt 19.24; Lc 12.16-21; 1 Tm 6.10).

Mas observe que o pecado da idolatria nunca é praticado de modo inconsciente. Quem adora imagens de escultura como se fossem deuses, mesmo fazendo isso por ignorância, fá-lo de maneira intencional, consciente. Quem adora Mamom, da mesma forma, faz isso porque o seu coração está nas riquezas (Mt 6.19-24). Quem idolatra o mundo, como o desviado Demas (2 Tm 4.9), também coloca, de modo consciente, as coisas mundanas no lugar de Deus (1 Jo 2.15-17; Tg 4.4-8).

Bem, cheguei ao ponto em que queria estar para responder à pergunta em epígrafe. Se a idolatria é um pecado praticado conscientemente — ou seja, o idólatra peca de modo objetivo, pondo o objeto de sua adoração no lugar de Deus —, por que chamar de idolatria o ato de enfeitar uma casa com um pinheirinho, luzes e bolas coloridas?

O cristão que enfeita sua casa está, consciente e objetivamente, colocando a decoração do Natal secular no lugar de Deus? Ou ele faz isso porque gosta desse período de confraternizações, aprecia o belo e quer externar sua alegria?

Alguém poderá dizer que a origem de tais enfeites está ligada ao paganismo. Oh, sim, é verdade! Mas, se queremos mostrar ao mundo que a nossa santidade é extremada — superior à santidade que o Senhor pede de nós, a qual consiste em se apartar de tudo que nos faz objetivamente idólatras —, devemos escrever um código de leis (legalismo) contendo uma longa relação de "não toques, não proves, não manuseies" (Cl 2.21). Amém?

Ciro Sanches Zibordi

7 comentários:

Newton Carpintero, pr. e servo. disse...

Caro atalaia pr. Ciro Zibordi,

Paz amado!

A hipocrisia margeia a falta de censo comum.

Conheço na minha própria família quem não aceita de maneira nenhuma, uma simples Árvoré de Natal, com as suas luzes e bolas coloridas para entretenimento das crianças, que já foram notificadas desde cedo, que o velhinho chamado de Papai Noel não existe.

As crianças se conformaram com a inexistencia do velhinho de barba branca e aceitaram com tranquilidade a informação desde rebentos, mas os pais não aceitam o que as crianças exigem: A Árvore de Natal.

É incrível saber que este sentimento é participe em muitas famílias que deveriam unir-se neste momento para comemorar no mesmo sentimento consciente a celebração significativa nos revelada no livro de Isaías 9:6:

"Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz."

Comemoremos não somente no dia 25, mas nos outros dias do ano, se possível com uma Árvore de Natal acesa dutante todos os 365 dias no ano.

O Senhor seja contigo, nobre pastor,

O menor dos teus irmãos.

Paulo Muhongo disse...

A paz do Senhor Pr Ciro.
leio muito as suas publicações e tem me edificado muito. Gostaria que o pastor pudesse postar artigo que debruça sobre a Batalha Espiritual.
obrigado.

José Edis disse...

Muito boa a dissertação sobre a idolatria, estou plenamente de acordo. Mas, nesta época do ano em que celebramos o natal, nos confraternizamos com o suposto nascimento do menino Jesus. Que é por natureza e definição a luz do mundo, com tantas luzes aqui ali e acolá não parece mais que estamos comemorando o nascimento de Thomas Edson? Para mim é o que realmente parece.

jonasrn disse...

Pastor Ciro sinceramente não tenho nem muito argumento sobre o assunto confesso, depois da explanação, mas penso que enfeitar a casa com árvores de natal luzes etc (sabendo que isso tem sua origem pagã) não condiz bem para o cristão.

Portanto, quer comais quer bebais ou façais qualquer outra coisa, fazei tudo para a glória de Deus.
1 Coríntios 10:31.

Quando enfeito minha casa (luzes etc), não faço isso para glória de Deus, mas para Deuses pagã, DEUS não se agrada desse tipo de copia.

Minha humilde opinião nobre pastor
Grade abraço nobre.

Tenho sempre aprendido com você

Anônimo disse...

Caro irmao, não concordo que aquele que professa ser crente em Jesus, use de enfeites natalinos. Paulo escreveu: tudo me é lícito mas nem tudo me convem, tudo me é lícito, mas nem por tudo me deixarei dominar. E em romanos diz: Que nao devemos tomar a forma do mundo. Entao usar de tais enfeites nos camufla até com o catolicismo. Temos que ser diferentes, esta é a minha opinião. Que Deus lhe abençoe!

jonasrn disse...

Parabéns

Alba Valeria Pignatari do Prado disse...

No mundo globalizado onde vivemos, podemos conectar o dia todo socados numa cadeira ou até mesmo de pé, podemos parafrasear, ainda assim onde esta a idolatria pela idolatria...Estou aprendendo. Chego lá...Obrigada pela aula.