segunda-feira, 12 de agosto de 2013

A intolerância de alguns ativistas gays

As imagens de um vídeo do YouTube publicadas em vários portais de notícias, no último sábado, são eloquentes e falam por si mesmas. Na última sexta-feira, o deputado federal Marco Feliciano, sua assessoria e os passageiros de um voo de Brasília para São Paulo foram desrespeitados ou, no mínimo, importunados por alguns ativistas gays intolerantes e sem bom senso.

Curiosa, mas não surpreendentemente, os agressores foram chamados por alguns portais, como o UOL e o da Rede Globo — suave, simples e bondosamente —, apenas de passageiros e jovens, e não de intolerantes. Tais sites se limitaram a informar que os rapazes cantaram um hit gay para Feliciano. Entretanto, os "amáveis" ativistas gays (não estou generalizando), além de terem cantado uma canção do grupo Mamonas Assassinas, dançaram de modo obsceno e inconveniente em uma aeronave em que havia crianças, famílias e outras pessoas que — por eu viajar bastante de avião, posso assegurar — não gostam de ser importunadas ou desrespeitadas. E mais: os intolerantes passaram a mão na cabeça do deputado e, ao que parece, se esfregaram em seu assessor.

Que direito têm esses cidadãos de agirem dessa maneira tão hostil e importunarem outros cidadãos? É uma vergonha que a grande mídia, de modo geral, não condene esse comportamento abusivo e desrespeitoso. Com essa conduta parcial, ela demonstra que é conivente com um tipo intolerância, além de incoerente, haja vista verberar com frequência contra outras modalidades de intolerância.

E se os rapazes fossem evangélicos cantando hinos de louvor a Deus na frente do deputado federal Jean Wyllys e dizendo: "Wyllys, converta-se a Jesus Cristo" ou "Deus criou homem e mulher"? Será que os aludidos portais e outros veículos se limitariam a dizer que os jovens passageiros cantaram músicas religiosas para o ilustre deputado? E este, será que teria uma reação pacífica, à semelhança do "perigoso" Marco Feliciano, ou processaria os ativistas sob a alegação de ter sido vítima de homofobia? 

Ciro Sanches Zibordi

3 comentários:

João Paulo disse...

A graça e a paz do Senhor, pastor Ciro!

Boa reflexão!

A bem da verdade, ninguém é totalmente neutro. Todos nós tendemos na direção do que acreditamos e defendemos, ainda que isto aconteça de forma latente. O problema em questão mora na evidente ausência de postura ético-moral por parte daqueles que não suportam ideias contrapostas às suas, nem se importam em agredir moralmente quem quer que esteja a sua frente - crianças, idosos, famílias e pessoas que primam pelo que é bom e honroso.

Em Cristo,

http://www.joaopaulomsouza.blogspot.com.br/

Tamar disse...

Não espero de ativistas de qualquer coisa [devem ser mesmo ativistas que viajam com passagem paga por suas organizações uma vez que se expuseram desse jeito] coerência, nem justiça. Nem espero da mídia tratamento justo ou coerente.

O que espero é dos que se dizem cristãos é que se portem com equidade e justiça pois isso é o que Deus exige deles.

Recebo muitas mensagens de cristãos que repudiam as idéias do deputado Marco Feliciano. Estou esperando agora as mensagens de repúdio á esse episódio destes mesmos crentes.

Mateus Emilio Mazzochi disse...

Paz do Senhor pastor Ciro, infelizmente, não vamos ver nem a mídia sendo coerente e muito menos episódios como este deixarem de acontecer.Deus o abençoe.