quinta-feira, 27 de junho de 2013

“Se não tiver espaço pra mim, eu racho a igreja no meio”

Nesta semana, li em vários blogs, sites e redes sociais que determinado líder da Igreja Evangélica Assembleia de Deus teria dito: "Se não tiver espaço pra mim, eu racho a igreja no meio". Em razão de eu conhecer muito bem tal líder, surpreendi-me com essa suposta afirmação e resolvi averiguar com diligência os fatos.

Muitos divulgaram a frase em apreço com grande destaque. E vários internautas — evangélicos e não-evangélicos —, no espaço de comentários, não economizaram nos adjetivos e impropérios contra o autor da suposta frase. Entretanto, verifiquei que todas as matérias dizem que "a frase teria sido dita pelo próprio líder, segundo sites e blogs de pastores da Convenção".

Observe: "teria sido dita". Mas onde está a prova de que a frase foi pronunciada? Veja o poder de propagação dos boatos pela grande rede! Alguns disseram que "fulano teria dito", e outros propagaram que "beltranos teriam dito que fulano teria dito". Em seguida, outros afirmaram que "sicranos teriam dito que beltranos teriam dito que fulano teria dito"...

Não estou dizendo que sou contra tal líder ou a favor dele — isso não tem relevância, nesta abordagem. Mas fico impressionado com a capacidade das pessoas de propagarem suposições, invencionices, etc. como se fossem verdades absolutas! E, com isso, caluniam e difamam! Quando Jesus disse: "Não julgueis para que não sejais julgados" (Mt 7.1), referiu-se ao julgamento calunioso ou difamatório. Haja vista Ele mesmo ter afirmado que devemos julgar segundo a reta justiça (Jo 7.24).

Segue-se que julgar segundo a reta justiça é julgar qualquer fato com honestidade, retidão, justiça, etc. Em contraposição, o julgar constante da primeira citação bíblica equivale a caluniar, difamar, julgar de maneira apressada, sem fundamento, propagar suposições como se fossem notícias verdadeiras...

Reflitamos, pois, sobre o nosso papel como cristãos formadores de opinião. E lembremos do que está escrito nas Escrituras, em Romanos 14.10 e 2 Coríntios 5.10, respectivamente: "Mas tu, por que julgas teu irmão? Ou tu, também, por que desprezas teu irmão? Pois todos havemos de comparecer ante o tribunal de Cristo"; "Porque todos devemos comparecer ante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem, ou mal".

Ciro Sanches Zibordi

7 comentários:

Presbítero Maurício disse...

Então, que use de fidelidade e escreva sinceramente, sem rodeios!

Adiel Teófilo disse...

Mas, afinal! O tal líder disse ou não disse a frase?

Tocai a Trombeta em Sião! disse...

Caro Pastor, bem da verdade são as vossas palavras e as faço as minhas! Mas meu pastor, isto só vem acontecendo na nossa querida CGADB por que infelizmente não há alternância de poder, não sou pró a esse ou aquele candidato, só queria uma alternância de poder, sou crente (gosto desta palavra), desde 1992 (batizado nas águas nas ADs), mas nunca tive a oportunidade de conhecer um outro presidente da CGADB.
Graça e paz.

Elde Pereira disse...

briga de poder é essa a palavra.
A x B, um querendo permanecer pra sempre e outro querendo tomar lugar pra poder mandar também. isso é lamentável. Se ele disse ou não, não importa, o que importa é que estão manchando o nome de uma igreja pioneira e relevante no Brasil.

neia disse...

INFELIZMENTE O PASTOR PRESIDENTE DA CGADB ACHA QUE É DONO DESSA CONVENÇÃO E NÃO QUER DAR ESPAÇO PARA OUTRO PASTOR, QUE NÃO SEJA LIGADO DIRETAMENTE A ELE PRESIDIR ESSA CONVENÇÃO.PARECE UM DITADOR.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro irmão Tadeu Araújo,

A paz do Senhor.

Este blog é pessoal e independente. E, por isso mesmo, este articulista não é obrigado a publicar todos os comentários. Nenhum internauta tem o direito de exigir que seu comentário seja publicado, pois todo e qualquer comentário passa por "moderação". Há internautas, inclusive, que vão a outros sites para protestar contra isso, o que é muito desagradável. Esse tipo de policiamento não me agrada e, por isso, jamais publicarei comentários de quem age dessa forma.

Quanto ao presente artigo, deixei claro que minha intenção é atacar o pecado da difamação. Não quero, aqui, publicar comentários de pessoas descontentes com este ou aquele pastor ou querem ver o "circo pegando fogo". Grato pela compreensão.

CSZ

Josè Antonio Braga disse...

Nós somos crente em Cristo, não podemos viver de boatos. Não vamos ficar fazendo da igreja, como fazem o povo fora dela. Inventam tanta coisa dos políticos, que nós eleitores,estamos num beco sem saída, todos são corrupto. A igreja é de Jesus Cristo que fez o sacrifício da cruz por todos nós.