domingo, 18 de dezembro de 2011

Celebrar ou não celebrar o Natal em 25 de dezembro?


Não se sabe, ao certo, quando o Senhor Jesus nasceu. Mas sabemos que não foi em 25 de dezembro. Na Palestina, nessa época do ano, o forte frio seria um obstáculo à iniciativa imperial de realizar um alistamento (Lc 2.1-3). Isso é reforçado pelo fato de os pastores estarem no campo na noite de Natal (v.8).

A data de 25 de dezembro tem origem pagã e é rejeitada por muitos especialistas em história e cronologia bíblicas. Até o século III, o nascimento de Jesus era comemorado no fim de maio, no Egito e na Palestina. Em outros lugares, era celebrado no começo de janeiro ou no fim de março. O imperador Aureliano estabeleceu, em 275, a comemoração obrigatória do Natalis Invicti Solis (Nascimento do Sol Vitorioso) em 25 de dezembro. E, a partir de 336, o romanismo, fazendo uma unificação sincrética de várias festas religiosas, adotou essa data oficialmente para a comemoração do nascimento de Jesus.


Como seguidores de Cristo, não somos deste mundo (Jo 17.16), mas vivemos nele. E, por isso, temos de conviver, a cada ano, com dois Natais: o verdadeiro, pelo qual celebramos o nascimento do Senhor Jesus Cristo (não apenas nessa época do ano, evidentemente); e o secular, capitalista, sincrético, comemorado em uma data pagã, no qual o Aniversariante torna-se um mero coadjuvante. Como devemos nos comportar diante da realidade desses dois Natais?


Penso que devemos aproveitar esse período do ano para apresentar Jesus Cristo ao mundo. E podemos fazer isso por meio de cantatas ao ar livre e nos centros comerciais, cultos e mensagens especiais, evangelísticas, nos templos, publicação de textos alusivos ao nascimento de Cristo, etc. Além disso, devemos aproveitar o lado bom do Natal secular (cf. 1 Ts 5.21). Afinal, que mal existe em as famílias cristãs — que conhecem o verdadeiro sentido do Natal — aproveitarem as coisas boas da festa secular do Natal, como a confraternização, a troca de presentes e a beleza das cidades enfeitadas?


Deve o cristão residente em (ou em viagem a) São Paulo, Rio de Janeiro, Penedo, Natal, Fortaleza, Curitiba, Gramado e Canela, Buenos Aires, Paris, Nova York, por exemplo, ficar em casa ou no hotel, em sinal de protesto ao Natal secular? Não pode ele aproveitar esse período do ano para passear com a família e tirar fotos nos lugares enfeitados? E mais: há algum problema em colocar presentes debaixo de uma árvore colorida e enfeitada, a fim de abri-los à meia-noite do dia 25 de dezembro?


É claro que há celebrações e celebrações. Algumas nós devemos ignorar sumariamente, como o Carnaval. Mas de outras podemos participar, com prudência e vigilância. Citei o Carnaval como exemplo negativo porque essa festa é completamente mundana, bem como está atrelada à imoralidade e, objetivamente, ligada aos cultos afro-brasileiros.

Quanto ao Natal, convém ser extremista e perder uma grande oportunidade de se alegrar com todos os membros da família? Afinal, os dias que antecedem essa celebração, especialmente a véspera, são um período de alegria, expectativa, em que a família se reúne para se confraternizar.


Não ignoramos o paganismo, impregnado na sociedade brasileira. Mas as questões relacionadas com os festejos do Natal passam, obrigatoriamente, por uma análise dos princípios bíblicos. O cristianismo é equilibrado. Está implícito em Eclesiastes 7.16,17 que não nos é vedado o entretenimento. Ademais, a participação eventual, com prudência e vigilância, em festas pagãs é mencionada em 1 Coríntios 10.23-32. Jesus participou de festas em que havia pessoas pecadoras e comia na casa de publicanos.


Que males o Natal secular traz, efetivamente, para a vida e a família cristãs? Alguém responderá: “O Papai Noel usurpa o lugar de Cristo. E a árvore de Natal é idolátrica”. Bem, penso que nenhum crente em Jesus Cristo põe uma árvore de Natal em sua sala em louvor a ídolos. Se priorizarmos a origem pagã de todas as coisas, em detrimento do uso hodierno, teremos de proibir vestido de noiva, bolo de aniversário, ovos de chocolate...


Não somos do mundo, mas estamos no mundo! Conhecemos bem a origem dos elementos da festa secular do Natal. Contudo, lembremos do que a Palavra do Senhor assevera em 1 Coríntios 6.12: “todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma”.

Quanto às crianças, sabemos que elas vivem no mundo da fantasia. E muitas, por influência dos colegas de escola, da mídia, etc., acreditam em Papai Noel. Cabe aos pais cristãos mostrar a elas, com muita sabedoria, o verdadeiro sentido do Natal. Não é preciso se opor ferrenhamente ao Natal secular. A transição do mundo da fantasia para a realidade ocorre de modo natural. Com o tempo, a criança percebe que o Papai Noel é uma figura ficcional, mítica, e que o Senhor Jesus é real.


Tudo nessa época do ano gira em torno de enfeites coloridos, com desenhos de Papai Noel, árvores de Natal, etc. Caso os pais sejam extremistas, terão de proibir as crianças também de frequentar aulas a partir de novembro, de ir ao shopping e de assistir a desenhos animados pela televisão ou pela Internet, etc. Seria mesmo saudável não permitir aos infantes esse contato com o mundo da fantasia, própria desse período da vida?


Sabemos que as únicas pessoas que, de fato, acreditam em Papai Noel são as inocentes e ingênuas crianças. De que adianta os pais proibi-las desse encantamento natural e passageiro? Privá-las dessa alegria é uma maldade sem tamanho, atrelada à hipocrisia farisaica. Lembremo-nos do que disse o Senhor Jesus em Mateus 23.24: “Condutores cegos! Coais um mosquito e engolis um camelo”.


Geralmente, os extremistas que se preocupam com superfluidades são os mesmos que, inconscientemente, louvam ao “deus Papai Noel”. Ao contrário dos magos do Oriente, que tinham uma oferta para o Menino, os tais só querem receber, receber, receber... Coam mosquitos, mas engolem camelos.


Os pais excessivamente preocupados com questiúnculas têm ensinado seus filhos em casa (Dt 6.7) e os conduzido à Escola Bíblica Dominical para aprenderem a Palavra do Senhor? 
Privar nossa família da alegria desse período de festas é uma atitude cristã exemplar? Proibir uma criança de posar para uma foto ao lado do chamado bom velhinho ou de uma árvore enfeitada, em um shopping, é louvável?

Sinceramente, um pai que, tendo condições, não presenteia o seu filho, nessa época, está agindo de modo extremado, provocando a ira dele (Ef 6.4). Imagine como reage a criança que ouve de um pai: “Não vou lhe dar presente de Natal porque esta festa é pagã e consumista, e eu não quero agradar a Leviatã”. Isso denota zelo e santidade, ou falta de equilíbrio e hipocrisia? Pense nisso.


Ciro Sanches Zibordi

62 comentários:

JONATHA disse...

concordo plenamente com os seus argumentos Pr, devemos aproveitar essa data e mostrar a todos o verdadeiro natal cristão.

Adeilton disse...

Pr.Ciro,

Linda mensagem!!!!

Feliz Natal para voçê e sua família!

Shalom disse...

Prezado Ciro,
Concordo com a sua opinião. Queria no entanto corrigir 2 coisas:
"Palestina" não existe, e muito menos nos tempos de Jesus!
Sejamos bíblicos: Jesus nasceu em Belém da Judéia!
Tiremos "palestina" do nosso vocabulário cristão, pois esse nome foi imposto pelos romanos no 2º século d.C. exactamente para humilhar os judeus.
Jesus nasceu, viveu, morreu e ressuscitou na Judéia e na Galiléia, genericamente falando, em Israel!
A 2ª correcção, é que hoje está claramente comprovado que o Messias nasceu na Festa dos Tabernáculos, portanto na época do nosso final de Setembro/início de Outubro.
Basta estudar a descrição da ordens dos sacerdotes descrita por Lucas e buscar informação que hoje, já é abundante sobre essa matéria.
Um abraço deste irmão de Portugal,
Normando

maria do socorro gomes cabral rego disse...

Caro Pastor Ciro eu ainda sou jovem e dependo de meus pais, eu sou o único evangélico em casa.
Em questão de Natal eu passo com os meus pais, porém eu encaro a questão dessa festa de uma forma como outra, antes de eu estudar o contexto do natal eu ja era receioso, porém na bíblia não relata a sua data e também não pede a comemoração de tal data. mas ao estudar mais a história do cristianismo uma "salada" que aconteceu em Roma eu prefiro passar por esse dia em estado normal mesmo sabendo que a nação toda está em clima de festa

Pr. Silvano disse...

Parabéns meu Pastor e amigo Ciro, que Deus continue te dando inspiração para escrever novos artigos.

Otoniel Martins de Oliveira disse...

Shalom!

Quero agradecer a Deus por sua vida, Pr. Ciro Zibordi, ao nos presentear com um texto excelente, bem escrito sob o ponto de vista da coerência cristã. Vemos muitos extremistas, que agora querem destruir essa data pelo fato de nela haver elementos do paganismo. No seu texto, vejo que nós precisamos usar a data para externar os nossos sentimentos, especialmente ao final do ano, onde temos celebrações à vida, com vigilância e sabedoria, afinal de contas, Paulo usou a oportunidade no aréopago, para evangelizar. Esse é um exemplo entre muitos...

Cidinha disse...

ótimo texto,eu e minha família aproveitamos muito bem essa data,com tudo que tem direito,arvore enfeitada,pisca-pisca,e o mais importante ,os que nos rodeiam sabe que temos um natal cristão.

Gilmar Valverde disse...

Caro Pr. Ciro,

Cresci aprendendo que era pecado comer alimentos sacrificado a ídolos. E os meus professores de Escola Dominical sempre me deram como exemplo disso o ovo de Páscoa e os doces de Cosme e Damião.

Mas, partindo do que o Sr. disse neste artigo, não é problema nenhum em comer esses doces. Por quê? O que seria um alimento sacrificado a um ídolo? O Sr. poderia me dar exemplos disso?

Pergunto mais para poder "visualizar" esses ensinamentos.

Atenciosamente,

Gilmar

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro irmão Gilmar,

Peço-lhe que leia 1 Coríntios 10.23-32. Aliás, vou citar algumas partes:

- Versículos 25 e 26: "Comei de tudo quanto se vende no açougue, sem perguntar nada, por causa da consciência. Porque a tera é do Senhor e toda a sua plenitude".

- Versículo 28: "se alguém vos disser: Isto foi sacrificado aos ídolos, não comais, por causa daquele que vos advertiu e por causa da consciência".

- Versículos 30,31: "se eu com graça participo, por que sou blasfemado naquilo por que dou graças? Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para a glória de Deus".

No caso de Cosme e Damião (uma comemoração 100% pagã), sabemos de antemão que os doces são sacrificados aos ídolos. Por que participaríamos, então, da mesa dos ídolos? Trata-se de um caso bem diferente do Natal. Esta festa o cristão celebra em casa com a sua família, por exemplo. E, no caso de participar de uma confraternização da empresa, que COMA SEM PERGUNTAR. Mas cuidado com a glutonaria...

Em Cristo,

CSZ

HARLLAN CABRAL REGO disse...

Caro Pastor queria corrigir um erro
Maria do Socorro Gomes Cabral Rego.
é o nome de minha mãe, por um engano meu comentário saiu no nome dela. mas quem enviou foi eu
HARLLAN CABRAL REGO,
costumo visitar seu blog e aprendo muito

Gilmar Valverde disse...

Caro Pr. Ciro,

Quanto ao Natal, eu concordo com o equilíbrio esposado neste artigo. A minha pergunta mesmo era sobre os doces de Cosme e Damião e o ovo de Páscoa.

Quanto a este último, ela tem como símbolos um coelho e um ovo e como esses elementos são dois símbolos de fertilidade e 100% pagãs, eu não entendi o porquê do Sr. não ser contra isso mesmo sendo com os doces de Cosme e Damião.

O que quero dizer, Pr. Ciro, é que esses dois exemplos que citei são a mesma coisa. Acho incoerente ser contra um e não ser contra o outro. A meu ver, é claro.

Atenciosamente,

Gilmar

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Gilmar,

Leia o meu comentário de novo, devagar, com calma... E leia, sobretudo, a passagem bíblica. Já lhe respondi.

Esqueça o Natal, já que o irmão entendeu. Quanto a Cosme e Damião, é EVIDENTE que não devemos comer os doces, pois SABEMOS DE ANTEMÃO que são consagrados aos ídolos.

O que eu escrevi no comentário anterior vale para qualquer festa para a qual o cristão for convidado, pois no texto citado há princípios bíblicos. Leia de novo, por favor, com calma, devagar...

CSZ

Jefferson Rodrigues disse...

Pr Ciro é bom ver este texto pois confirma que estamos no mesmo Espirito que nos da entendimento. Falo isto pois há alguns dias atrás publiquei um aritgo semelhante em meu blog, Historia com Cristo, com o titulo: Estudo sobre o Natal: Posso celebrar? Gostaria muito que o sr visitasse o blog e desse sua opinião. Um abraço e que o Senhor Jesus continue abençoando seu Ministério.

Diácono Jefferson Rodrigues - Teresina/Piauí

O LINK DO ARTIGO É: http://historiacomcristo.blogspot.com/2011/12/natal-posso-celebrar.html

Ciro Sanches Zibordi disse...

Murilo Gerdes,

Quanto "àquele assunto", só trato por e-mail ou pessoalmente. Aqui neste espaço, por prudência, não. Nem todas as pessoas utilizam este espaço para aprendizado ou discussão de ideias. Há pessoas maldosas, que torcem o que escrevemos.

Conto com a sua compreensão.

CSZ

Messias disse...

Pastor Ciro Sanches concordo com a sua opinião a respeito do natal, de que temos que ser tolerantes a respeito da data do natal, até porque, na bíblia vemos em 1 co 11.6,7. que as mulheres tinham que cobrir a cabeça para profetizar ou orar, essa orientação não foi dada a todas as Igreja0s que Paulo fundou, mas somente a Igreja de corinto por causa da enorme prostituição que tinha lá, no entanto os corintos tinham que aderir ao costume local, porque ali seria indecente para uma mulher andar sem estar com a cabeça rapada ou coberta(se não fosse possível cortar). Entendo o que o senhor disse a respeito do lado pagão da maioria das festas, mas tudo(exatamente tudo) deve ser analisado e só retido caso seja bom em relação aos olhos de Deus 1 Ts 5.21, será que se Jesus vivesse nos dias de hoje ele usaria arvore de natal? Deixaria seu filho acreditar em papai noel? Devemos aderir a quase tudo porque quase tudo tem origem pagã, certo? Então devemos aderir também a qualquer música(de boa qualidade e com mensagens bíblicas) feitas por pessoas do espiritismo, macumbaria ou teosofismo? Claro não.

Jesus foi a festas pagãs? Foi, mas com que objetivo? Anunciar a grandeza de Deus. Em 1 Co 5.17 nem todas as coisas nos convém, em Hb 12.2 algumas coisas nos embaraçam, o que estou dizendo com isso? Que não demos usar arvores de natal em casa, na igreja, não iludir as crianças com mentiras para não nos embaraçarmos, se isso acontecer quando elas crescerem vão ficar pensando que, do mesmo jeito que o papai noel era mentira o Jesus que ela aprendeu a amar desde criança também é mentira. Devemos com toda certeza ser santos em todos os sentidos por exemplo: no modo como louvamos a Deus, ensinamos as crianças as verdades bíblicas e também nos ater ao equilíbrio de santidade, nem ser santo de mais e nem pouco de mais, apenas ser santos em toda nosso maneira de viver.
E no caso de desenhos, se o desenho tem alguma mensagem subliminar ou alguma atração mística que vai atrair inconscientemente as crianças ou até a nós mesmos, devemos apartar dos olhos, porque a porta da alma é os nossos olhos.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Gilmar,

Acrescento, ainda, o seguinte, sobre a Páscoa, pois acabei não falando dela: assim como há dois Natais, há três Páscoas (dos judeus, a secular e a dos cristãos). E, no caso da Páscoa secular, temos o comércio de ovos de chocolate e vários produtos à base de chocolate, à época. Proibiremos as crianças de comerem ovos de Páscoa, alegando que são sacrificados a ídolos?

COMEI DE TUDO SEM PERGUNTAR! Os princípios que mencionei sobre o Natal em parte valem, aqui. Mas, quanto a Cosme e Damião, é outro assunto... Não é a mesma coisa que Natal e Páscoa. Não se trata de uma celebração ampla, midiática, como Natal e Páscoa. É uma festa exclusivamente dedicada à idolatria. O cristão que se preza passa longe de Cosme e Damião.

CSZ

Roberto Franco disse...

Pastor Ciro,a paz do Senhor,sou um admirador do seu blog me ajuda muito em algumas duvidas e a luz da Palavra de Deus assino em baixo.Confesso que dessa vez fiquei surpreso,certamente não entendi a postagem do senhor.
Na minha opinião não vejo razões a luz da Palavra de Deus de celebrar mesmo de uma forma parcial este Natal se é uma festa pagã e puramente errônea.Acho que essa é a primeira vez que discordo do senhor,como disse antes sou um admirador e louvo a Deus pela sua vida.
Não vim aqui provoca-lo,ainda mais com o senhor que é um homem de Deus,gosto muito dos seus livros,até as lições antigas dos adolescentes que tem o comentário do senhor e conheço até a linguagem digo:essa deve ser do Pastor Ciro quando vejo foi realmente o senhor que escreveu ,divulgo o seu blog enfim tenho apreço do seu trabalho ,e fico agradecido a Deus pelo dom da Palavra de Sabedoria e Palavra de Conhecimento que o Supremo Deus tem lhe dado.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Roberto Franco,

A paz do Senhor!

Agradeço-lhe por gostar deste blog e pelos elogios. Mas, se o irmão não entendeu o artigo, posso lhe dar explicações adicionais. Apresente as suas dúvidas, por favor.

É bom ter em mente que o Natal, em si, não é uma festa pagã! O Natal é de Cristo. Mas existe, também, uma celebração mundial, midiática, em torno de 25 de dezembro, a qual menciona Jesus como coadjuvante. Nessa festa secular foram mantidos elementos do romanismo, que, por sua vez, havia introduzido elementos dos cultos pagãos. É preciso analisar tudo com muito cuidado e prudência, sem fazer confusão, a fim de não cairmos no fanatismo. O cristianismo é equilibrado. Todo extremo é perigoso.

Em Cristo,

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Messias,

Será Jesus usaria a Internet?Entraria Ele nos blogs? Teria um perfil no Twitter ou no Facebook? Qual seria o e-mail de Jesus?

Proíba seu filho de acreditar em Papai Noel, e ele poderá odiá-lo, no futuro (lembre-se de Efésios 6.4). Proibir não é o caminho. A transição do mundo da fantasia para a realidade é com ensino, de forma amável e equilibrada.

Medite em 1 Coríntios 10.23-32. Vale para todas as questões levantadas pelo irmão.

Um abraço.

CSZ

Roberto Franco disse...

Desculpe por ter mandado o comentário varias vezes,é que depois que vim perceber que é necessário a análise do senhor.

Luciano de Paula Lourenço disse...

Perfeito e plenamente aceitável esta tua análise sobre o Natal, pr.Ciro! Muito bom mesmo! É claro que nós, evangélicos, sabemos que Jesus não nasceu no dia 25 de dezembro, como popularmente se convenceu e você já fez menção. Em Lucas 2:8, é dito que na noite em que o filho de Deus nasceu, os pastores estacam no campo, em vigília, aguardando o rebanho. Não era inverno em Israel. Logo, não poderia ser em dezembro. Concordo com o irmão Shalom que, provavelmente, Jesus nasceu no final de setembro e início de outubro, durante a Festa dos Tabernáculos, mês de Tishrei (calendário judaico), pelas razões aqui apresentadas. Essa é uma das três maiores festas judaicas e simboliza a presença de Deus habitando, “tabernaculando”, no meio do Seu povo (Êxodo 25:8). Acredito que o Todo-Poderoso desejou que seu Filho nascesse numa das principais festas idealizadas por ele mesmo ao povo de Israel (observe: somente para o povo de ISRAEL e não para a Igreja). Se é assim, por que comemoramos o dia 25 de dezembro como o Natal?
- Porque sendo o tempo de Deus o “kairós “(o eterno), e não o “Kronos” (o cronológico), para o Senhor, o importante é reconhecermos que Ele nos amou de tal maneira, que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna(João 3:16).
- Porque o mais importante do natal não é o dia em que Jesus nasceu, e sim o fato de ter nascido como homem, habitado entre nós e nos salvado. É isto que comemoramos; este é o significado do Natal! Essa festa aponta para a necessidade de Cristo nascer em cada coração, trazendo vida, cura, libertação, comunhão com o Pai.
- Porque o Natal é a maior alegria que um ser humano pode encontrar. Encontramos este testemunho em Mateus 2:10-11: “E, vendo eles [os magos] a estrela, alegraram-se com grande e intenso júbilo. Entrando na casa, viram o menino com Maria, sua mãe...”. Ainda antes do nascimento de Jesus, Maria já exclamou: “o meu espírito se alegrou em Deus, meu Salvador” (Lc 1: 47). E o anjo falou aos pastores de Belém: “Não temais; eis aqui vos trago boa-nova de grande alegria, que o será para todo o povo” (Lc 2:10).
- Porque o Natal é a maior ação de busca e salvamento da história da humanidade! Lemos no Evangelho de Mateus: “Ela [Maria] dará à luz um filho e lhe porás o nome de Jesus, porque ele [Jesus] salvará o seu povo dos pecados deles” (Mt 1:21). E no Evangelho de Lucas está escrito que “hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor” (Lc 2: 11).
- Porque o Natal é a maior esperança que alguém pode ter. Segurando o menino Jesus em seus braços, o idoso Simeão louvou a Deus, dizendo: “porque os meus olhos já viram a tua salvação, a qual preparaste diante de todos os povos: luz para revelação aos gentios, e para glória do teu povo de Israel” (Lc 2: 30-32). Ele tinha a esperança de ver o Salvador prometido, e teve o privilégio de segurá-lo em seus braços. Jesus é a esperança do mundo!
Que neste Natal, possamos, com saúde, paz, alegria e prosperidade, celebrar esse maravilhoso presente, que é Jesus, confraternizando-se com a nossa família, nossos amigos e irmãos. Que este seja um tempo para nós louvarmos e agradecermos a Deus por tudo o que Ele tem feito; por todas as lutas e vitórias que Ele nos concedeu!
Um abraço, pr. Ciro! Feliz Natal!
Em Cristo,
Luciano Lourenço

Matheus Henrique disse...

Muito esclarecedor seu artigo, pastor.

Abraços!

Jefferson Rodrigues disse...

Pr Ciro agradeço sua visita ao meu blog, espero tê-lo por lá sempre que possivel. Aproveito para convidar os amados irmãos a conhecer nosso trabalho no Historia com Cristo: http://historiacomcristo.blogspot.com/

Que o Senhor abençoe a todos!

Diácono Jefferson Rodrigues - Ass. de Deus Teresina/Piauí

mary disse...

o natal é uma mentira, é uma hipocrisia,é festa pagã,as pessoas passam o ano inteiro brigados um com os outros,no dia do natal se abraçam se beijam,depois comecam tudo de novo.e a bíblia diz.para anuciar a morte dEle, e não o nascimento. as pessoas sempre quer da um jeitinho na palavra de DEUS, quando lhe convém,é claro. e a palavra de DEUS não tem meio termos.é ou não é:

Ciro Sanches Zibordi disse...

Mary,

Onde está escrito na Bíblia que não devemos pregar sobre o Natal de Cristo? A nossa preciosa salvação em Cristo está baseada em um tripé: encarnação, morte e ressurreição do Senhor Jesus. Nesse caso, o cristão de anunciar não só a morte, mas a obra completa de Cristo, que envolve o seu nascimento, o seu ministério terreno, a sua morte expiatória, a sua ressurreição para a nossa justificação. Estude melhor a sua Bíblia, amada irmã.

Quanto ao seu desabafo inicial, pergunto-lhe: É o Natal que é uma mentira e uma hipocrisia, ou é a vida de muitas pessoas que é hipócrita e mentirosa? Penso que é muito fácil encontrar culpados para as nossas decepções e frustrações. Difícil é reconhecermos a realidade de nossos pecados, não é mesmo?

Em Cristo,

CSZ

jorge melo disse...

Para mim quanto faz o natal ser em 25.12. ou não, todos os dias sempre me alegro na presença do SENHOR, porque " OS DIAS " são DÊLE e é ÊLE que nos dar.

" Êste é o dia que fez o SENHOR, regojizemo-nos e alegremo-nos nele." Salmo 118.24

Aliás, até do sábado, JESUS é o SENHOR, que me desculpe os que assim, os guardam.

Bom post Pr. Ciro.

Em CRISTO,

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro amigo Luciano de Paula,

Glória a Deus! Se estivéssemos em um templo da Assembleia de Deus, e o seu comentário fosse uma pregação, muita gente estaria agora glorificando a Deus em altas vozes! Aleluia!

Feliz Natal! Espero vê-lo em janeiro, em Fortaleza-CE.

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Querido irmão Normando (Shalom),

A paz do Senhor!

Discordo das suas opiniões, principalmente porque elas foram apresentadas como verdades absolutas, e não suposições.

De acordo com a Geografia Bíblica, uma matéria que muito aprecio, o termo "Palestina" já era empregado antes do segundo século, mas não isolado. Historiadores como Heródoto, Fílon e Josefo o empregaram quando os árabes ainda não habitavam aquela região.

John L. McKenzie, em seu ótimo "Dicionário Bíblico" (Paulus), disse, aludindo ao termo em apreço: "A denominação de Síria, dada à região situada entre a cadeia do Tauro ao Norte e o deserto do Sinai ao Sul, o Mediterrâneo a Oeste e o deserto Este, que remonta aos navegadores e mercadores gregos do século V a.C. Esses territórios foram subdivididos em Síria Superior, a planície que se estende do Mediterrâneo às montanhas Zagros; Celessíria, 'Síria encovada', a região do Líbano e do Antilíbano; Síria Palestina, a região Sul do Líbano e do monte Hermon".

Não vejo como pejorativo o uso do termo "Palestina", pois ele é utilizado, atualmente, para descrever o conflito israelo-palestino, está contido na sigla ANP, além de ser largamente utilizado em livros,revistas, jornais, sites e blogs para designar o lugar onde estava localizada a cidade de Belém da Judeia.

Assim como, depois de 1948, os israelitas passaram a ser chamados de israelenses, não vejo problema em usar o vocábulo "Palestina" para designar os lugares por onde o Senhor Jesus andou. Até mesmo as nossas Bíblias, em seus mapas, chamam os lugares por onde Ele andou (Galileia, Samaria, Pereia, etc.) de "A Palestina no tempo do Novo Testamento"!

O irmão diz: "Sejamos bíblicos". Ora, então não chamemos a Alemanha de Alemanha, a Holanda de Holanda, a Suíça de Suíça, o Irã de Irã, o Iraque de Iraque. E assim por diante. Usemos apenas os nomes constantes da Bíblia! Penso que a sua proposta de tirar a Palestina do nosso vocabulário cristão é extremada e desnecessária.

Quanto à sua segunda correção, eu a aceito como uma boa sugestão, entre as muitas não comprovadas! Já me debrucei sobre o estudo de que Jesus teria nascido entre setembro e outubro, mas não o considerei conclusivo. Ele está baseado no estudo dos turnos dos levitas, tomando-se como elemento principal para análise o sacerdote Zacarias, pai de João Batista, da ordem de Abias, etc., etc. e etc. Sinceramente, chegar à data do nascimento do Senhor Jesus é como tentar descobrir quando Ele voltará! Impossível.

Com muitas saudades de Portugal,

CSZ

antonio disse...

A paz do Senhor Jesus.
Suas mensagens muito me alegram e edificam.
Mas o amado pastor foi muito infeliz neste artigo.
O Senhor te abençoe e te guarde.

Newton Carpintero, pr. e servo disse...

Amigo e nosso pr. Ciro Zibordi,

A paz de Cristo, o nosso Senhor!

Creio que Jesus nasceu definitivamente no meu coração ao completar 24 anos de idade e reconhecê-lo como Salvador.

Comemoro diariamente este nascimento, quando desejo sempre não desagradá-lo. Enquanto muitos tentam agradá-lo.

Podemos e possuímos o direito de agradá-lo no Natal ou em outro quaquer dia do ano. Afinal, Ele, Jesus Cristo, existia como Deus, parte da Trindade, conforme escrito no livro de João 1:14:

"E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade."

Comemoremos a qualquer momento com Árvore de Natal ou não. O importante é anunciarmos ao mundo que ele ressucitou e retornará para buscar a sua igreja.

Um Feliz Natal para o crente, significa a lembrança no encontro com a família e amigos, alguns não crentes, que ele definitivamente nasceu sem pecados para perdoar aos pecadores.

Vale a pena comemorar o Natal!

O Senhor seja contigo, nobre atalaia,

O menor de todos os menores.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Antonio,

De acordo com a sua opinião, "fui infeliz" no presente artigo, mas estou muito feliz com Cristo e seu Natal.

Agradeço-lhe pela consideração, porém quero que o irmão saiba que nunca escrevi para agradar ou desagradar pessoas. Escrevo para comunicar mensagens, gostem ou não delas.

Finalmente, gostaria que o irmão, em vez de apenas dizer que "fui infeliz" me mostrasse, à luz da Bíblia, em que eu "fui infeliz". Lembre-se de que ser salvo em Cristo não significa ser alienado ou viver como um extraterrestre. Não confunda o equilibrado cristianismo com as religiões e seitas extremistas que escravizam as pessoas com mandamentos do tipo "não toques, não proves, não manuseis" (Cl 2.20-22).

Em Cristo,

CSZ

Newton Carpintero, pr. e servo disse...

Volto para uma observação:

O Antonio não possui nenhum perfil, apesar de estar cadastrado desde 2008.

Penso que, isto sim, é muito infeliz.

O irmão Antonio não se permite a chance de ser triste, muito triste, infeliz, muito infeliz, alegre ou muito alegre, se ao menos escrevesse qualquer linha que seja.

É demais informar que o nobre pastor foi "MUITO" infeliz, é muito descuido ler sem dar a devida importância aos motivos e não analisar com cuidado a matéria.

Eu gostei muito da possibilidade em considerar os exageros que assassinam as mentes de irmãozinhos humildes, que atendem a todo o tipo de apelo emocional por santarrões que não vivem uma vida santa diante de Deus.

O Senhor seja contigo, nobre atalaia e com a sua FELIZ matéria,

O menor de todos os menores.

Auli Júnior disse...

Pr.Ciro,
ontem levei minha familia para ado
rar Ninrode, ou melhor, apreciar a
árvore lá na Lagoa.
Nunca fui muito afeito a esta data
e a cada ano a acho mais enfadonha.
Primeiro pelo fator antropocêntrico que tomou conta dafesta, incluindo aí toda sorte de consumismo e vaidade.
Devo também a Internet, onde pesquisando aprendi o que nunca antes na vida aprendera sobre o paganismo envolvido nesta festa e invade tantas igrejas, como as árvores de Ninrode, o papai Noel,etc...
Depois de quase cinco décadas de leitura biblica e EBDs, nunca havia me dado conta do erro de data o que torna essa festa uma mentira, afinal dizemos, Cristo nasceu no natal e o natal é em dezembro. A Bíblia não faz referência a data, oa discípulos, a família e nem a Igreja da época comemoraram tal data, pois não há registros biblicos de tal fato.
Mesmo considerando que Cristo nasceu como homem, não era ELE em essência DEUS? E sendo DEUS podemos dar-lhe inicio? Nascimento?
O fato de ter sido a ICAR a ordenar o festejo também me influencia a não gostar, afinal é da religião mundial que virá a enganação.
Nunca enganei meus filhos com a imagem do Noel, quando o papai aqui estava meio sem recursos já avisava que o natal só teria pequenas lembranças, e desafio a qualquer um vir e verificar se o Auli Neto, 20 anos ou a Beatriz, 15 anos tem alguma mágoa sobre os natais de suas infâncias.
Não sou de todo tacanho, participo dos cultos e ceias, afinal familia grande por parte de pai, mãe e esposa, mas não engano
ninguém todos sabem o que penso.
Sou Batista e todas as igrejas Batistas estão em atividade plena nesta época, em especial a que frequento, Igreja Batista do Méier,
que por sinal fará apresentações públicas a partir das janelas que
se abrem para uma praça em pleno centro do Méier. Eu pessoalmente preferiria mais contrição e menos farra.
Minha espôsa percebeu que a cada ano menos janelas e fachadas se enfeitam para o Natal e eu que tenho conversado com mutas pessoas que já não se alegram tanto com esta época.Penso que justamente
todo este barulho tem cansado a
sociedade.
Desejo de coração aos que gostam que seja uma data de paz, mas que se respeite os contrários.
Um fraterno abraço,
Auli Júnior

antonio disse...

A paz do Senhor Jesus.
Que o Senhor Jesus transforme o seu entendimento com relação a comemorar o Natal.
O Senhor te abençoe e te guarde.

Anônimo disse...

Oi Pastor Ciro tdb?
O Silas Malafaia gravou um video falando sobre o natal e ele defende a celebração do Natal.
http://www.youtube.com/watch?v=r1f_NM8Ux0s

Anônimo disse...

O video do Silas sobre o Natal apenas com a fala dele sem cortes e mescamento com outro video é esse...dura 4 minutos...
http://www.youtube.com/watch?v=EdyAuy5BlhY

Auli Júnior disse...

Ovos de páscoa nem pensar, não fosse pelo seu simbolismo, seria pelo preço extorsivo, uma vez que 170gr de ovo custa quase 3 vezes o valor da barra.
O pastor fez referência ao carnaval que é uma festa terrível da qual algumas igrejas inclusive Batistas e alguns crentes estão participando com as mais mirabolantes desculpas.
Pois bem, se um dia, DEUS nos livre da tentação, minha igreja resolve participar. Eu também serei considerado boçal por não deixar meus filhos participar?
Um fraterno abraço,
Auli Júnior

Ciro Sanches Zibordi disse...

Antonio,

Pense como cristão equilibrado. Pense biblicamente. Pense. Não é pecado pensar. Quanto mim, já fui liberto do legalismo farisaico, que conduz ao fanatismo. Sempre celebrei o Natal, desde a infância. Glorifico a Jesus todos os dias por seu nascimento, sua morte e sua ressurreição. E faço questão de falar de Jesus, glorificá-lo, além de usufruir com a minha família das coisas boas dessa época do ano.

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Anônimo,

Quer saber o que eu acho da opinião do pastor Silas Malafaia sobre o Natal?

Sinceramente...

Quer saber, mesmo?

Eu acho que ele está corretíssimo, nesse caso.

CSZ

Sanlopes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Sanlopes,

Desculpe-me... O irmão leu o artigo?

CSZ

O BLOG DA VERDADE disse...

Para mim todos os dias eh natal(incluindo dia 25),celebro todos os dias,isso de 25 de Dezembro,papai noel,etc foi estabelecido pelo homem.

Sanlopes disse...

desculpe pastor não me expressei bem em minha pergunta.
eu ja tinha lido o artigo. e que eu queria saber se a celebração do natal tinha partido de ordens da igreja catolica aos seus fieis.
como por exemplo dia de cosme e damião, sao pedro, sao joao, santo antonio,dia do nascimento de jesus no caso o natal( o jesus dos catolicos imagem de escultura)

nao sei se serei compreendido em minha pergunta.

se houve um concilio a esse respeito instituindo tal data como nascimento de jesus?

Ciro Sanches Zibordi disse...

Prezado Auli,

A paz do Senhor!

Quanto ao Senhor Jesus, Ele nunca deixou de ser Deus, mas se humanizou, se fez semelhante aos homens (Fp 2.6-8). Nesse caso, Ele teve início, sim. Ele nasceu como todos os homens nascem: "nascido de mulher" (Gl 4.4).

Suas convicções sobre o Natal, amado irmão, com todo o respeito, são reducionistas. O irmão só consegue ver um lado da questão. O cristão já tem alegria em seu coração, gerada pela presença do Senhor. Não deve se entristecer com esse período do ano. O que deve é ter compaixão das pessoas que estão no caminho do erro.

Jesus já nasceu em nosso coração. Por isso, temos mais motivo ainda para sermos felizes nesse período do ano, ao contrário do ímpio, que não conhece a Jesus. Transformar o mundo todo, nessa época, em um grande templo de idolatria é fanatismo. Se fosse assim, não poderíamos sequer sair de casa, pois, só em fazer isso, já estamos em contato com árvores, enfeites, etc.

O cristão deve aproveitar esse período com a família, além de aproveitar a oportunidade para pregar o Evangelho, que envolve o seu Natal, o seu Sacrifício, a sua Ressurreição, etc. E o fanatismo em torno do Natal só atrapalha a comunicação da mensagem de salvação.

Em Cristo,

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro "O Blog da Verdade",

É evidente que todos os cristãos que se prezam cultuam a Jesus todos os dias. Mas pense... Essa época do ano não pode ser ignorada. Ignorá-la é ignorância, literalmente.

A Internet foi criada pelo homem. Por que o irmão usa a Internet?

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Prezado Sanlopes,

A partir do imperador Constantino, no século IV, a Igreja passou a fazer parte do Império Romano. E isso fez com que várias festas e rituais fossem fundidos. Mas o Natal de Cristo precede e transcende o romanismo. Daí ser imprópria a comparação do Natal com festas idolátricas.

Sabemos que 25 de dezembro foi estabelecido pelo romanismo. Entretanto, essa data se transformou numa grande celebração mundial. Ignorá-la, repito, é ignorância. Devemos, sim, aproveitar esse período para apresentar o verdadeiro sentido do Natal. Além disso, consumir os produtos do Natal e apreciar as decorações natalinas não tem nada de pecaminoso. Estamos no mundo. Deixemos a paranoia para quem não conhece a Verdade.

Em Cristo,

CSZ

Alex da Silva disse...

Paz do Senhor Jesus, Pr. Ciro.

Excelente postagem.

Concordo que o farisaísmo extremado em nada nos edifica. Exorcizar o Natal a ponto de proibirem os filhos de tirarem fotos com o "bom velhinho", trocar presentes, comerem panetone,é buscar uma santidade externa.

Apenas não consigo imaginar um cristão, salvo em Cristo, montando uma Árvore de Natal em casa. Não sou de acordo. Mas ninguém é obrigado a concordar comigo, é só uma opnião. No demais, o Natal é a melhor época para se confratenizar
com os amigos, parentes, companheiros de trabalho, até mesmo pedir perdão por algum desentendimento.

Sem contar que esta data é uma das poucas que o ser humano lembra-se de Jesus.

Um grande abraço, que o Senhor Jesus, o nosso Natal, te abençõe.

Anônimo disse...

Prezado Pastor Ciro.

Muito boa a explicação sobre o Natal, Jesus deve nascer realmente em nossos corações, dia após dia.
E assim o sacrifício Dele na cruz não será em vão.

Pergunta: Fará um comentario com a marca e o estilo "Ciro" sempre à luz da Bíblia, sobre a lição da Escola Dominical que tem por título "Integridade de um Líder" de domingo dia 25/12,dia comemorado Natal?

Fiz o pedido na postagem ,Saudades de três referenciais que partiram em 2011,

Estou no aguardo.

Fique com Deus.
Ass: Costa

Palavra e Vida disse...

Pastor Ciro, a Paz do Senhor Jesus Cristo. Eu achei muito sensata sua opinião sobre a fantasia que existe na cabeça das crianças em torno do natal e papai noel, e as dicas de como os pais devem lidar com isso.

Eu acredito e vejo que existem muitas pessoas extremistas em nosso meio que ainda não sabem lidar com assuntos desse naipe. Querem tirar certas fantasias da cabeça das crianças a força, sem elas ao menos terem idade para entender o porque daquilo. Com isso em vez de uma solução a pesoa arruma um problema.

Eu particularmente, diante dessas questões eu gosto de interrogar a mim mesmo, com base na Bíblia Sagrada, da seguinte forma: isso não existe (é uma fantasia) mais faz mal? Quantos de nós não gostamos de filmes de ficção, coisas que também não existem. Nós adultos muita das vezes gostamos de fantasias porque querer ser extremista com as crianças?

Devemos ter muita prudência e sabedoria diante desses assuntos. Pois o mundo da criança é muito delicado, puro, inocente.

Parabéns mais uma vez Pastor Ciro.
Você escreveu um texto maravilhoso sobre o assunto. Um grande abraço e obrigado.

Alexandro Arruda de Formoso do Araguaia-To Assembléia de Deus/SETA

vagner ribeiro disse...

texto extremamente equilibrado. Feliz natal!!!

Palavra e Vida disse...

Pastor Ciro, sobre a dúvida do irmão acima, sobre as coisas sacrificadas aos ídolos gostaria de deixar minha opinião. Veja os versículos que fala de nossa liberdade cristã.

1 Corintios 10
26 Pois do Senhor é a terra e a sua plenitude.

27 Se, portanto, algum dos incrédulos vos convidar, e quiserdes ir, comei de tudo o que se puser diante de vós, nada perguntando por causa da consciência.

28 Mas, se alguém vos disser: Isto foi oferecido em sacrifício; não comais por causa daquele que vos advertiu e por causa da consciência;

29 consciência, digo, não a tua, mas a do outro. Pois, por que há de ser julgada a minha liberdade pela consciência de outrem?


Por isso pastor, nesse caso eu vejo e entendo que a pessoa deve deixar de comer coisas sacrificadas aos ídolos não propriamente porque é meléfica ao crente que come, mais por causa da consciência e do julgamento da pessoa ímpia que nos observa.

Eu vejo e no último versículo que postei me faz entender isso. Que se for uma coisa sacrificada a ídolos, e se houver a necessidade de comermos, nós dando graça aquele alimento em nome de Jesus o algo mortífero e maléfico que existia nele deixa de existir, por causa do poder do nome de Jesus e da oração que fizemos por o alimento. Que é o mesmo que dá graças.

Você concorda comigo. Eu penso dessa forma. Será se estou pensndo errado?

Eu vejo que somos livres e que nada nesse mundo. Debaixo da graça de Deus, oração, unção nos fará mal. Até comidas sacrificadas a ídolos. Isso o apóstolo Paulo escreveu por causa da consciência e do julgamento das pessoas ímpias.

Auli Júnior disse...

Pr.Ciro,
sei que "Palavra da Vida", não fez
por mal, mas exressões como extremistas não cabe entre estas
opiniões.
Tirar fantasias da cabeça das criaças a força? Que isso meu irmão?
Estimular fantasias erradas, isso sim não é muito certo e não condeno
que o faz, mas nunca o fiz.
Tenho dois filhos equilibrados e felizes dentro do contexto de nosso mundo agitado e nunca estimulei fantasias de papai noel e coelho da Páscoa.
Fraterno abraço,
Auli Júnior

adriel vieira disse...

CAPÍTULO 4
1 CONJURO-TE, pois, diante de Deus, e do Senhor Jesus Cristo, que há de julgar os vivos e os mortos, na sua vinda e no seu reino,
2 Que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina.
3 Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências;
4 E desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas.
5 Mas tu, sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério.

Tiago Rosas disse...

Ilustre Pr. Ciro,

Agora só falta o Sr. dizer onde eu assino. (risos)

Aí está, de forma bem equilibrada, como convém a um defensor da fé Cristã ser, uma boa exposição sobre a celebração do Natal.

De fato, nunca poderemos precisar o dia do nascimento de Jesus. Mas que importa se foi em 25 de dezembro, 13 de março, 18 de abril...? Jesus nasceu em algum dia! E como os anjos que louvaram no céu, também podemos celebrar o nascimento de Jesus, a encarnação do Filho de Deus.

Se aprendermos moderação poderemos celebrar o Natal com nossa família e amigos da melhor forma possível: com alegria, confraternização, presentes, perdão, amor e sobretudo gratidão ao Senhor Jesus Cristo!

Pr. Eliascbg disse...

meu querido Ciro, embora não seja seu admirador e nem concorde com algumas de suas posturas, quero parabeniza-lo pelo tópico equilibrado sobre o natal, temos visto muitos movimentos radicais espalhados por aí, mas você trouxe uma visão muito atual e equilibrada sobre o assunto. Legal!

Tamar disse...

Na minha família de origem assembleiana sempre comemoramos o Natal, roupa nova, brinquedos e panetone.O Natal é uma data midiática por sí só. A história do bebê gerado milagrosamente, nascido na manjedoura, anunciado pela estrela, adorado e perseguido pelos poderosos não precisa nem de enfeites para capturar a imaginação das pessoas. Mais dinheiro no bolso, presentes e compras. Existe alguma data assim fora do Cristianismo?

Ricardo Rocha disse...

O Blog do Pastor Ciro causa em mim percepções muitas vezes contraditórias. Ao passo que muitas vezes me irrito profundamente com algumas visões do nobre pastor, em outras me sinto profundamente alegre por continuar a ler o blog ele, por conta do equilibrio que muitas vezes esposa.

Esse segundo sentimento foi o que eu li nessa postagem sobre o natal. De fato, concordo plenamente com o aquilo que foi dito pelo pastor. Afinal de contas, o natal é uma época de alegria para todos os cristãos, e nós celebramos o motivo da nossa maior alegria, que é o nascimento do Salvador. Pouco importa se a data em que é comemorada hoje tem origem pagã: se formos pensar assim deveríamos mudar o nome de quase tudo, como dos planetas, não deveriamos chamar o oceano de Oceano, não deveríamos nos referir a nossa casa como lar, etc, etc, etc.

Também concordo com a observação feita a respeito da árvore de natal e do papai noel. Não vejo problema algum com esses simbolos.

A paz do Senhor pastor Ciro!!!

adriel vieira disse...

isso mesmo.
voltemos as fabulas.
Adriel vieira

Bruno disse...

A GUIRLANDA (coroa verde adornada com fitas e bolas coloridas) que enfeita as portas de tantos lares é de origem pagã.
Também as VELAS, símbolo tradicional do Natal, são uma velha tradição pagã, pois se acendiam ao ocaso para reanimar ao deus sol, quando este se extinguia para dar lugar à noite.
PAPAI NOEL é lenda baseada em São Nicolau, bispo católico do século 50.
As falsas religiões sempre utilizaram a madeira, bem como as árvores, com fins de idolatria:

"Sacrificam sobre os cumes dos montes, e queimam incenso sobre os outeiros, debaixo do carvalho, e do álamo, e do olmeiro, porque é boa a sua sombra; por isso vossas filhas se prostituem, e as vossas noras adulteram." (Oséias 4:13)

"Não plantarás nenhuma árvore junto ao altar do SENHOR teu Deus, que fizeres para ti." (Deut 16:21)

"Se alguém entre vós cuida ser religioso, e não refreia a sua língua, antes engana o seu coração, a religião desse é vã.
A religião pura e imaculada para com Deus, o Pai, é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo."
(Tiago 1:26-27)

Leandro Martins disse...

Já que estamos neste mundo e não somos deste mundo sujo temos que comemorar o Carnaval tbm... Opinião cada um tem a sua, mas a verdade amigo é uma só, o Filho de Deus. Em nenhum momento na Bíblia se ordena a celebração anual do nascimento do Salvador do mundo, mas sim de lembrarmos periódicamente da Sua morte até que volte.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Leandro Martins,

Vejo que você pode ser mais um dos muitos comentaristas que inserem as suas "pérolas" nos blogs sem se dar ao trabalho de ler com atenção o artigo que critica. Aliás, você leu mesmo o texto acima?

Prevendo que certos leitores poderiam pensar como você, expliquei (no texto acima) que existe uma diferença colossal entre Natal e Carnaval. Mas vou parar por aqui. Por que eu gastaria mais caracteres e o meu precioso tempo com quem sequer lê um artigo antes de criticá-lo?

Feliz Natal!

CSZ

Hilber disse...

Na verdade ninguém sabe o dia em que o Cristo nasceu. Portanto, não custa nada comemorarmos o seu nascimento neste dia, até porque ele poderia ser comemorado em qualquer outro dia, vocês não acham?