quarta-feira, 7 de setembro de 2011

11/9: os cristãos devem ser antiamericanos ou estadunidólatras? N.d.a.


No dia 11 de setembro, o maior acontecimento deste milênio completará 10 anos. Os atentados terroristas contra o World Trade Center, em Nova York, e o Pentágono, em Washington, abalaram os Estados Unidos e mudaram a vida das pessoas em todo o mundo. No meio evangélico não tem sido diferente. Desde o 11/9, florescem, nas igrejas cristãs, dois segmentos extremistas: o antiamericanismo (que apoia tacitamente o terrorismo financiado pelo extremismo islâmico) e a estadunidolatria (que apoia toda e qualquer ação do governo norte-americano, ainda que seja injusta).

Tenho visto pregadores e escritores verberando contra os Estados Unidos, considerando-os “o grande satã”, os causadores de todos os males que atingem a humanidade. Alguns — adeptos das teorias da conspiração — vão mais além: dizem que a maior potência do mundo está a serviço dos bilderbergs, illuminatis e maçons. E, por isso, além de ter atacado o World Trade Center e o Pentágono, em 11 de setembro de 2001, está construindo campos de concentração e estocando caixões na Geórgia, a fim de matar mais gente. Quanta invencionice!


O antiamericanismo chega a ser paranoico, em alguns casos. O simples fato de a imprensa norte-americana referir-se aos aludidos atentados como “9/11” gera especulações. Um dia desses, um internauta me escreveu o seguinte: “Só tenho uma pergunta ao senhor e aos que acreditam na versão oficial do atentado: Por que 11 de Setembro? Por que 9/11? Por que não 8/11 ou 10/11? Por que bem em uma data maçônica? Afinal, 9 + 1 + 1 = 11. Reparem: o 190 dos americanos é o número 911”. Ora, nós escrevemos 11/9 porque, para nós, o dia vem antes do mês, no calendário. Os estadunidenses, por sua vez, empregam o mês antes do dia: 9/11. Apenas isso.


Também extremistas, os estadunidólatras cristãos colocam os Estados Unidos em um patamar elevadíssimo, como se eles fossem um povo superior, especialmente escolhido por Deus para a salvação da humanidade. Na verdade, os próprios norte-americanos muitas vezes demonstram ser superiores a todos. A estadunidolatria ignora os erros que essa grande potência cometeu, ao longo da História. Aplaude os ataques, à bomba atômica, ao Japão, que mataram inúmeros civis. Os estadunidólatras suavizam, ainda, os erros estratégicos que resultaram em milhares de mortes desnecessárias no Iraque.


O cristão que se preza não sataniza nem idolatra nação alguma. Mas tenho visto essas duas condutas extremadas no meio evangélico, especialmente em relação aos Estados Unidos e a Israel. Há igrejas que judaízam o cristianismo, inserindo no culto a Deus todo tipo de práticas e costumes do judaísmo, o que é um grande desvio do Evangelho, sobretudo à luz da Epístola aos Gálatas. Outras — influenciadas por DVDs que apresentam teorias da conspiração e “verdades ocultas” — não permitem nem que as bandeiras das aludidas nações, nos cultos de missões, figurem entre as de outras. Curiosamente, hasteiam bandeiras de países inimigos figadais do cristianismo, onde os cristãos têm sido massacrados pelo governo!


Aliás, os evangélicos influenciados pelo conspiracionismo ligam Israel à maçonaria, baseados em simbologia “forçada”. Esses antiamericanos e antissemitas cristãos (cristãos?) defendem a tese absurda de que a bandeira de Israel apresenta um símbolo maçônico. Ora, o Escudo de Davi, mais conhecido como Estrela de Davi, foi criado com base no Antigo Testamento, especialmente nas seguintes palavras de Deus a Abraão: “Não temas, Abrão, eu sou o teu escudo, o teu grandíssimo galardão” (Gn 15.1). Os dois triângulos que formam o escudo aludem à letra hebraica dalet, que aparece no começo e no fim do nome do rei Davi.


Os Estados Unidos são um país originalmente cristão, e não “o grande satã”. Israel é o povo escolhido de Deus, e não o criador da maçonaria. Mas os antissemitas “cristãos” chegam ao ponto de afirmar que Hitler estava certo ao eliminar os judeus! As duas nações em apreço não são perfeitas, evidentemente. Mas não compete a nós nem demonizá-las, nem endeusá-las. A nós, a Assembleia de Deus (gr. ekklesian tou theou) que Ele comprou com o seu sangue (At 20.28), cabe orar por elas, lembrando que Deus quer que todos os homens se salvem e conheçam a verdade (1 Tm 2.1-4).


Amém?

Ciro Sanches Zibordi

11 comentários:

Anônimo disse...

Em pleno dia do Aniversário da nossa Pátria amada, você vem defender os EUA? Que tipo de brasileiro é você? Estou envergonhado, decepcionado e perdí a admiração que tinha por ti.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Prezada(o) anônima(o),

Aprendi que, se for para falar mal de alguém, é melhor não falar nada. Sinceramente, se eu fosse escrever sobre o Brasil hoje, não teria coisas boas para escrever.

Mas, falando em decepção, Deus também está decepcionado com você.

Espero que se identifique, assim como nas outras vezes.

CSZ

Auli Júnior disse...

Pr.Ciro,
parabéns novamente.
Todo cristão deveria ser equilibrado
ao examinar e julgar.
Creio que os EUA durante séculos foi
a nação evangelizadora no mundo, haja
vista o trabalho Batista no Brasil
que tantos frutos renderam inclusive
desdobrando-se em outras denominações
de irmãos sérios ter sido levado a
cabo por eles, os Batistas do Sul dos
EUA.
Creio que assim como aconteceu com Israel, as nações cristãs sofreram ataques de Satanás na proporção de seu crescimento Cristão.
Ou seja, quanto mais crescia a Igreja, maior a fúria do maligno contra a nação.
Daí os EUA estarem afundados em parte na apostasia, a mesma que está devastando a Europa, em parte na feitiçaria, nas religiões orientais, e nas falsas doutrinas.
A mesma nação que nos agraciou com Billy Grahan, e David Wilkerson
entre outros, nos apresentou os falsos profetas que assolam nossas igrejas.
Prefiro então agradecer por terem
sido abençoadores e deixar à DEUS o
julgamento.
Sou filho de pai e mãe de famílias Batista e casado com mulher de familia Batista e sabemos que de Norte a Sul, o trabalho Batista começou com os heróis americanos do Norte.
Um abraço,
Auli Júnior

W. Cris ") disse...

Olá..Post legal..

Quanto ao seu ponto de vista, em relação as teorias conspiracionistas considero totalmente errado, muito das catástrofes mundiais e inclusive o atentado as torres gêmeas se você pesquisar segue um padrão numerológico que está de acordo com os ensinamentos ocultistas. Creio sim que os EUA é um país que tem grande influência e que os cantores cristãos de lá e a igreja influenciam muito, porém infelizmente acredito que é um país que usa da sua influência no entretenimento para promover ocultismo na mente dos jovens, através de símbolos, ensinamentos e filosofias que estão de acordo com o satanismo.
Em relação a bandeira de Israel no mínimo ela é suspeita, o mesmo símbolo que refere-se a letra D no hebraico. Tem outro valor no ocultismo

Te recomendo a pesquisar apuramente, não devemos ter atitudes antiamericanas ou estadunidólatras mas devemos ser cristãos com pensamento crítico que não aceita como normal coisas suspeitas.

Cosme Morais Filho disse...

Pr. Ciro,
Excelente comentário. Muita gente ainda tem dúvidas quanto a autoria dos ataques de 11 de setembro.

Devemos sim orar pelos Estados Unidos, afinal esta nação foi berço do avivamento que chegou ao Brasil. No século passado, enviaram milhares de missionários a muitas nações para anunciarem o evangelho. Acredito que hoje sirvo a Deus, porque um pastor americano pregou para minha mãe, e ela me ensinou "no caminho em que devo andar".

God bless you.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Olá, W. Cris.

O ponto de vista em relação às teorias conspiracionistas é totalmente equivocado. Numerologia não prova nada. Atrelar o ataque ao WTC à numerologia é paranoia e invencionice. Se você pesquisar, descobrirá o quanto está equivocado. Os Estados Unidos é uma nação que acertou e errou, ao longo da História, e não "o grande satã".

O que o irmão disse sobre a bandeira de Israel é risível. Mas vou escrever outro texto sobre o assunto. Talvez, o ajude a não cometer essa injustiça de caluniar o povo de Israel, com o qual Deus tem um plano nesses últimos dias.

Grato pela participação.

CSZ

Daniel Ferreira disse...

A paz do Senhor pastor Ciro. Realmente seu artigo é bem esclarecedor quanto a realidade dessas duas nação,parabéns.

Daniel Ferreira
Coruripe - AL

pr Jonatas de Oliveira disse...

Olá pr Ciro. Muita paz! A falta de profundidade e o (bom?) espírito crédulo do parte do nosso povo tem feito teorias absurdas serem encaradas como verdades absolutas. Somos levados a crer que criticar um pensamento de alguém, julgar a profecia (algo bíblico, por sinal) é persegui-lo ou coisa que o valha. Chegamos ao ponto de um possível irmão de fé se dizer decepcionado apenas pelo fato de alguém escrever sobre o EUA nos dia 07/09 (ou 9/07 rsrsrs). O que nos falta não é informação; graças a Deus temos muita informação disponível; falta-nos sim formação e equilíbrio para que não creiamos e tudo que se diz ou se fima sobre qualquer assunto. Paulo já dizia aos irmãos de Tessalônica: Julgai tudo, guardai o que é bom.

Georges disse...

Os EUA são uma nação como qualquer outra, têm suas ideologias (no sentido filosófico da palavra) e defendem seus interesses diante das demais. Como bem disse o irmão, eles acertaram e também erraram, abençoaram a muitos com seus missionarios, mas recentemente têm mais é escandalizado o mundo com suas invencionices (no campo da religião). A meu ver pecam por serem muito egoístas como nação, se acham o umbigo do mundo, tanto que nem se esforçam (de modo geral) para aprender outras linguas e costumes de outros povos. Chegam a ser arrogantes. Claro que nem todos: já trabalhei com americanos sensacionais, que falavam portuguÊs melhor do que muitos brasileiros... Mas conheci recentemente um casal de americanos que não entendia por que o resto do mundo os odiava. Sugeri a eles que lessem o mesmo livro com que Hugo Chavez presenteou Obama, "As Veias Abertas da América Latina". Nâo sei se leram, provavelmente não, mas seria útil para que entendessem que o mundo não é o seu quintal. Termino sugerindo artigo de um jornalista alemão descrevendo sua visão da América, em http://migre.me/5F487.
Obrigado pelo espaço,
ABs
Deus abençoe a todos.
Georges

Georges disse...

Lembrei de mais uma coisa: ocorre com Israel a mesma coisa que com os EUA, ou é idolatrado (chegam a copiar costumes juaicos nas igrejas, nem é preciso detalhar), ou são demonizados como novos nazstas que massacram os pobres coitados dos palestinos. Sugiro ao irmão escrever algo sobre este tema.
Mais abs...
Georges

Ciro Sanches Zibordi disse...

Georges,

O irmão leu mesmo o artigo acima?

CSZ