quarta-feira, 14 de setembro de 2011

O que a Bíblia diz a respeito do culto pentecostal? (2)


Este segundo artigo não tem como objetivo censurar as igrejas que costumam dar nomes às suas reuniões. Também não quero dizer que esta ou aquela igreja são melhores ou piores. Desejo apenas mostrar o quanto nós temos nos desviado do alvo: cultuar ao Senhor, que implica adorá-lo, tributar-lhe voluntariamente louvores e honra.

Podemos cultuar ao Senhor continuamente, de modo individual — “Orai sem cessar” (1 Ts 5.17) —, ou periodicamente, de maneira coletiva, ao nos reunirmos em algum lugar (templo, casa, etc.) para adorá-lo (Mt 18.20). Em ambas as modalidades, o objetivo primário é sempre a adoração (Jo 4.23,24), seguida do enlevo espiritual do adorador (Jr 23.19; 33.3). O culto a Deus, individual ou coletivo, exige exclusividade: “Ao Senhor, teu Deus, adorarás, e só a ele darás culto” (Mt 4.10, ARA).


Ao longo do tempo, os nossos cultos coletivos foram ganhando adjetivos que evidenciam o quanto perdemos de vista o propósito primário de adorar a Deus. Na maioria dos cultos (cultos?), tudo é preparado para agradar mais as pessoas do que ao Senhor. Dirigimo-nos ao templo prioritariamente para receber bênçãos do Senhor, e não para oferecer-lhe a nossa adoração. Temos invertido as prioridades.

Com o intuito de atrair gente e ver os templos lotados — o que também, naturalmente, aumenta a receita da igreja —, inventamos os cultos de libertação. Ora, se o nosso Senhor, o Libertador, está sempre presente nos cultos e, sobretudo, em nossos corações, por que precisamos de uma reunião específica de libertação? Basta-nos cultuarmos ao nosso Libertador e pregarmos a verdade, sempre, a fim de que haja libertação (Jo 8.32,36).

Hoje, precisamos também de reuniões específicas para Deus avivar o seu povo... cultos de avivamento. Mas o verdadeiro avivamento ocorre continuamente, como consequência da verdadeira adoração. O que chamamos de culto de avivamento, na verdade, é uma reunião em que crentes gritam, pulam, sapateiam, mas não amadurecem, não crescem na graça e no conhecimento (2 Pe 3.18). Se oferecêssemos cultos a Deus, com louvor, pregação e ensino da Palavra, haveria verdadeiro e contínuo avivamento na igreja (Ef 5.18,19).

Como as coisas estão difíceis! Precisamos de reuniões específicas para Deus operar! É preciso fazer campanha, participar do culto da bênção, do culto dos milagres... Por que não voltamos a cultuar ao Senhor Jesus? Se fizermos isso, veremos milagres em nosso meio, não de maneira forjada, mas como consequência de nos humilharmos, e orarmos, e buscarmos a sua face, e nos convertermos de nossos maus caminhos (2 Cr 7.14,15).

E os nossos cultos de louvor? Seriam legítimos, se de fato fossem reuniões para o louvor do Senhor. Mas esses tipos de “culto” — também conhecidos, vulgarmente, como “louvorzões” — são, na verdade, shows, pelos quais cantores e grupos se apresentam para agradar a plateia. Há pouco ou quase nada de louvor nesses tipos de reunião, mas o povo dança e se diverte.

Já temos até imitações do Michael Jackson no nosso meio! Podemos chamar isso de culto? Biblicamente, todo culto coletivo deveria ser de louvor (louvor, mesmo!), e não de cantoria (uma espécie de show de calouros), dança ou qualquer outro tipo de apresentação para agradar as pessoas.

Não sou contra os cultos de doutrina, é evidente. Afinal, quando estudamos a Palavra de Deus com submissão e obediência, também estamos cultuando ao Deus da Palavra. E, se, em todos os nossos cultos de doutrina, houvesse mesmo exposição da sã doutrina, seria uma maravilha! Mas precisamos atentar para 1 Coríntios 14.26, a fim de que haja, em nossos cultos coletivos, louvor ao Senhor, exposição da sua Palavra e manifestação do Espírito Santo (1 Co 14.26).

Não temos tirado Deus do centro, ainda que por causas nobres? Precisamos olhar para o culto da igreja primitiva, pois somos a continuação dela. Naquele tempo, não havia cultos disto e daquilo. Havia apenas cultos ao Senhor. Todas as reuniões dos primeiros cristãos eram para louvar a Deus e conhecê-lo melhor através do ensino da sua Palavra. E a salvação de almas e das famílias, a manifestação do Espírito, mediante os dons espirituais, os milagres, as curas, a resolução de problemas ocorriam naturalmente. Não era preciso fazer campanhas e de$afio$, etc.

Que Deus nos ajude a entendermos que o nosso culto coletivo é um momento especial em que nos reunimos para apresentarmos a Ele um louvor verdadeiro, buscarmos a sua presença, em oração, e ouvirmos a sua voz, principalmente pela sua Palavra. E que o Senhor nos ajude a não sermos crentes que vivem de “cultos” disto e daquilo.

Conscientizemo-nos, ainda, de que o nosso culto a Deus nunca termina. Não o cultuemos apenas no templo, de modo coletivo. Cultuemo-lo constantemente, em nossa casa, em nosso trabalho, na faculdade, no templo, ao dormir, ao acordar... Aliás, até dormindo (no caso dos cristãos se prezam) o cultuamos, como lemos em Isaías 26.9: “Com a minha alma te desejei de noite, e com o meu espírito, que está dentro de mim, madrugarei a buscar-te”.

Perdoa-nos, Senhor! Temos nos orgulhado do grande crescimento numérico das igrejas evangélicas, ainda que os líderes de muitas delas não tenham nenhum compromisso com o Evangelho. De fato, Senhor, elas estão cheias de multidões de interesseiros. Mas temos pecado, ao não adorarmos a ti em espírito e em verdade. Renova-nos, a fim de que voltemos a dar-te culto, como nos tempos da igreja primitiva.

Quantos podem dizer “amém”?


Ciro Sanches Zibordi

15 comentários:

Joaozynho Camargo disse...

Muito bom Pr. Ciro. Aliás, é "interessante" que em EBDs, cursos de teologia e discipulado são poucos os que vão, enquanto nos chamados "cultos de avivamento" os templos estão sempre lotados.

http://joaozynhocamargo.blogspot.com/2011/06/triste-realidade-do-mundao-gospel.html

Angelo Repetto disse...

AMÉM!!!
Maravilhoso artigo... parabéns pelo blog.

Edmar Filho disse...

AAAMÉM!!!

Universo EBD disse...

Amém!!!

Marcelo Lima disse...

Glorificado seja o Nome do Único e Soberano Deus, nas Pessoas do PAI, do FILHO e do ESPÍRITO SANTO, por esta Palavra, que escorreu qual bálsamo de gileade sobre o meu coração.

E um sonoro AAAAMMMMMÉÉÉÉÉÉÉMMMMMM!!!!!!!!!!!!!

JULIANA disse...

Ontem eu estava cultuando a Deus em minha casa, fazendo os serviços domésticos e ouvindo um DVD com os 600 hinos da HC cantados por um irmão da Igreja Batista (Daniel Barbosa).
Ah, como eu sinto a presença do Senhor ouvindo verdadeiros hinos de louvor e adoração...
As vezes esses cultos de "avivamento" deixam os irmãos tão cansados,que não tem força nem para irem à EBD ou Culto de Estudo...
Uma vez estava num desses congressos e o meu coração estava com vontade de estar em minha congregação ouvindo uma pregação pelo meu Pastor que tem 80 anos mas um grande fervor Pentecostal nunca saiu do seu coração...
Ele nunca precisou fazer culto de Libertação para encher a Igreja.
E O culto com maior frequência é a EBD!
Glória a Deus por isso!

Tiago Rosas disse...

Ilustre Pr. Ciro,

Excelente abordagem! E muito pertinente para esse momento, em que as igrejas neopentecostais (e mesmo algumas pentecostais tradicionais!) estão escancarando suas portas para as mais absurdas experiências místicas, manifestações excêntricas e inúmeras esquisitices não encontradas nem mesmo nos terreiros da macumba.

Lamentavelmente a inexperiência de muitos obreiros que estão a frente de congregações e ministérios, aliada a falta de embasamento bíblico por parte dos membros têm deixado brechas na doutrina para a invansão de vários elementos de culto não-cristão. É duro e inquietante admitir, mas alguns cultos (neo)pentecostais (?) tem mais a ver com ritos afro-brasileiros do que com o culto genuinamente cristão. Naquele tem sapateado, rodopios, cara feia, pulos exagerados, cai cai, empurra-empurra; no culto cristão tem salmos, cânticos espirituais, doutrina, revelação, língua e interpretação (Ef 5.19; Cl 3.16; 1 Co 14.26), mas como ressalva Paulo: "Faça-se tudo para edificação".

Quando assisto as dezenas de pregações do evangelista Jimmy Swaggart, dos anos 80 e 90, vejo um dos maiores pregadores pentecostais e cultos verdadeiramente pentecostais e me envergonho das "reuniões de poder" hodiernas equivocadamente chamadas de pentecostais. Swaggart nos ensina em suas dezenas de mensagens que o culto só é pentecostal quando:

1. Cristo é o tema maior de todo o culto
2. A Bíblia é a ferramenta insubstituível de pregador
3. O Espírito Santo é agente realizador das maravilhas!

Deus nos ajude!

Anônimo disse...

Amém! Observo que na minha igreja, todas as pessoas que estão na frente do culto de libertação não participam da EBD, talvez pensem que já sabem tanto que não precisam aprender mais nada. A igreja está uma verdadeira bagunça e os culpados são os pastores que não fazem nada para mudar isso, o que eles fazem é incentivar o erro. O meu Pr falou que Deus dá capa de destaque a alguns, e que na igreja está cheia de invejosos querendo derrubar estes. Eu pensava que o único que tinha que ser destaque na igreja era Deus, mais o que se prega agora é, quem é de Deus tem que ser destaque. Infelizmente.

Miss. Marineuza de Sánchez disse...

AAAAméééém! Como sempre, amado Pr. Ciro: “bateu pra ver a queda” (ou seja: pontual, claro, conciso e respaldado).
Minhas letras e participações são poucas considerando o aluvião que chega aí para o senhor, mas tenha a certeza (e alegria) de que aqui está uma “parte” da Equipe de Intercessão do Ministério CSZ.
Receba um abraço boliviano desde o Povoado Paurito, distante 30 km ao Sudeste de Santa Cruz de la Sierra, Bolívia.
Em Cristo, Leonardo Sánchez

Anônimo disse...

E blog é biblico?

Ciro Sanches Zibordi disse...

E fazer perguntas sob anonimato, é bíblico? Responda-me, caro anônimo, inserindo seu nome, e lhe direi se blog é bíblico.

CSZ

Xavier Campos Joaqum disse...

Amém.! Que Deus abençoe pr.Ciro!

Janise, Com ou Sem Crise disse...

Como disse Leonardo Sánchez e eu amei:

"AAAAméééém! Como sempre, amado Pr. Ciro: “bateu pra ver a queda” (ou seja: pontual, claro, conciso e respaldado)"[2]

Parabéns!

Amor pelo Evangelho disse...

Amém!

Julio Cesar Schvambach disse...

Amém, pastor Ciro! é assim mesmo que tem que ser, precisamos voltar à simplicidade do evangelho, ao genuino avivamento, onde há arrependimento, mudança de atitude, humildade e despertamento para a missão deixada por Jesus á Igreja.