quinta-feira, 16 de junho de 2011

O que é melhor para um pregador: ter a companhia da família ou receber um bom cachê?


Pastores ou seus representantes, ao convidarem pregadores ou ensinadores para algum evento, costumam perguntar: “Qual é o seu cachê?” Minha resposta a esse tipo de indagação é a seguinte, sempre: “Não trabalho com o sistema de cachê. É claro que aceito uma ‘oferta’. Mas fica a critério da igreja”. Por incrível que pareça, há irmãos que estranham o meu procedimento e não efetivam o convite!

O termo “cachê” provém do francês cachet e, desde o século XVII, é usado para designar a retribuição dada a um artista por representação ou concerto. Segundo Houaiss, alude à “remuneração que ator, músico ou outro artista recebe por apresentação”. Trata-se de uma “quantia paga a quem se apresenta em público (p.ex. conferencista, animador etc.), esp. a artista que se apresenta num espetáculo (de teatro, música, dança, variedades etc.) ou que participa de uma produção cultural ou publicitária (p.ex. de cinema, televisão, disco etc.)”.


Deve-se exigir dinheiro para ministrar a Palavra de Deus? Não. O próprio Senhor Jesus, ao enviar pregadores, ensinou: “de graça recebestes, de graça dai” (Mt 10.8). Entretanto, quem convida um conferencista, por assim dizer, deve honrar o seu ministério, ser-lhe gratidão, cobrindo todas as suas despesas, hospedando-o bem e lhe dando uma “oferta”. Isso é uma forma de reconhecer que o preletor, ao atender o convite, absteve-se de estar com a família, deixou a sua igreja local, renunciou atividades importantes e abriu mão de um período de tempo que poderia usar em seu benefício e da família.


Nunca cobrei cachê e me oponho a essa prática. Desde 1999, quando comecei a receber convites para ministrar a Palavra de Deus, tenho dito aos irmãos que apenas aceito uma “oferta”. Mas, nos últimos dias, depois de refletir um pouco, estou pensando seriamente em fazer uma pequena “exigência” para atender aos que me convidam... Talvez eu 
estabeleça um cachê um tanto diferente para ministrar a Palavra nas igrejas... Como assim?

A família é um grande tesouro que Deus nos tem dado. Não há dinheiro no mundo que compense o nosso distanciamento dela. Devemos aproveitar bem o tempo, enquanto temos saúde, para dar-lhe amor e atenção. Um conferencista que sai com frequência aos fins de semana e deixa a sua família em casa, mesmo que seja por uma boa compensação financeira, pagará um alto preço, no futuro.


Tenho plena certeza de que o Pai celestial cuida de mim em todas as áreas, abrindo-me portas de trabalho, para que eu, de igual modo, como pai de família, cuide bem do meu lar (1 Tm 5.8). Por isso, penso em tomar uma decisão drástica para 2012... Não se assuste! Mas estou pensando em estabelecer o seguinte cachê para ministrar nas igrejas: a companhia da minha família.

Destarte, eu continuaria não estabelecendo cachê em dinheiro, a fim de não ser pesado às igrejas, e — evidentemente — aceitaria uma “oferta”. Esta, como o termo sugere, não é uma imposição. A minha prioridade, o essencial para atender aos pedidos das igrejas, seria levar a minha família.


A bem da verdade, já venho pedindo para levar as minhas meninas, neste ano, e muitas igrejas, amavelmente, têm me atendido. E estou cada vez mais certo de que nenhuma quantia em dinheiro é mais valiosa que o apoio da minha esposa e o sorriso da minha filhinha. Como diz uma propaganda de cartão de crédito, ter a família sempre ao nosso lado não tem preço.


Amém?


Ciro Sanches Zibordi

19 comentários:

Hugo C da Silva disse...

Paz do Senhor Pr, a pouco tempo eu iria escrever para o senhor, para lhe parabenizar, porque por algumas vezes notei que o senhor tem levado sua família para ministrar a Palavra de Deus. Acho isso muito importante, e que isso sirva de exemplo para outros pregadores.

Willian Couto disse...

Graça e paz do Senhor, Pastor...

Concordo com o senhor, pois devemos sobretudo valorizar a família. Ainda mais o senhor que tem uma filha pequena e precisa acompanhar e curtir o crescimento desta. Exigências da família em uma ministração deveria ser uma regra para todos os preletores.

abs

Matheus Carrel disse...

Graça e paz, pastor Ciro tdb?
Concordo com vc !!! Esses dias o pastor Mike Shea veio pregar na minha igreja e custava 20 reais pra assistir a pregação dele de 2 horas..Eu é que não fui...rsrsrs
.
Como perguntar não ofende, teria como vc responder apenas ´´sim´´ ou ´´não´´ sobre a minha pergunta abaixo:
O ´´abismo´´citado em Lucas 8:31, Apocalipse 9:1 e Apocalipse 20:1 é o mesmo que o tártaro (2 Pedro 2:4) ???
.
Obrigado...
Fique com Deus
T++

JIL disse...

A Paz do Senhor esteja em seu Lar irmão Ciro e Irmã Luciana.
Maravilho-me no Senhor por sua decisão em ter sua família junto em sua caminhada evangelística.
Entretanto, gostaria de alertar i s irmão a respeito de não esquecer-se de ter uma referência segura na formação da sua filha, pois é necessário ter este referencial em seu desenvolvimento.
Apenas para lembrá-los desta prática; pois temos a EBD, principalmente, como base sólida e eficaz no ensino sólido da Palavra de Deus a nossos filhos.

Cleonice Luiza Moreira de Sá disse...

Concordo plenamente!

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro JIL,

Grato pela participação.

Amo a Escola Bíblica Dominical, e a frequentamos, mesmo quando estamos em viagem. Mas lembre-se de que a base prioritária, mais sólida e eficaz, para as crianças deve vir dos pais, do lar, da família (Dt 6.6,7; Pv 1.8), e não da EBD. Esta é apenas um apoio.

Um grande erro dos pais é achar que a igreja tem obrigação de educar os seus filhos na doutrina. A igreja é uma agência de ensino, sem dúvidas. Mas isso não tira dos pais a responsabilidade PRINCIPAL de doutrinar a criança no caminho em que deve andar (Pv 22.6).

Em Cristo,

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Matheus,

Possivelmente, não.

CSZ

JIL disse...

Exatamente Irmão Ciro. Sinto-me feliz em saber que o irmão não se fixa em meias palavras mas entende perfeitamente o que temos a dizer em nossa comunicação um tanto falha.
Corroboro convosco plenamente.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro irmão JIL,

É claro que eu me refiro, no artigo, a quem possui um ministério que envolve itinerância, e que precisa viajar, pois o ideal mesmo é os filhos frequentarem a EBD na igreja local.

Entretanto, o fundamental é a família estar unida, seja qual for a situação, e os filhos serem ensinados pelos pais, "a priori", tendo o ótimo reforço da EBD.

Um grande abraço.

CSZ

Jafé Madai Guedes disse...

É evidente pr. Ciro, nada mais justo que este desejo seja atendido, o sr. merece mais do que isso, se compararmos o que tens feito pelo povo de Deus. De fato os ministérios se enquadrarão.

At,

Jafé

Paulo Cezar disse...

Prezado Pr. Ciro, muito sábia a sua decisão. Esses dias presenciei um pastor (itinerante) pregando uma mensagem "padrão", daquelas recheadas de verdades bíblicas, tipo "tampão", que "cabem" em qualquer situação, mas que me pareceu ser a "bilionésima" vez que ele a estava pregando. Nada contra "repetir" mensagens... Entretanto, o que me "chocou", aconteceu após a pregação, quando o preletor mostrou qual seria a sua oferta para a igreja (visitada) naquela noite: uma nota de cem Reais. Sinceramente, fiquei arrasado.

Fabio Almeida / sabará, ctba disse...

meus parabéns pastor Ciro, essa é uma atitude digna de um homem de Deus, quem dera todos os "homens" de Deus que têm por ai, fossem contagiados por este exemplo. e aguardamos ansioso a sua presença em setembro, em curitiba.

Newton Carpintero, pr. e servo disse...

Prezamigo e nosso pr. Ciro Zibordi,

A paz de Cristo, o nosso Senhor!

Permita-me dizer o AMÉM, a esta sábia decisão.

O Senhor seja contigo, nobre atalaia,,

O menor de todos os menores.

Márcio Cruz disse...

Pr. Ciro, Graça e Paz!

Parabéns pela postagem franca e honesta.

Em tempos de arranca lã de ovelhas, é bom comentários como o seu para despertar quem já está labutando na área e os que irão um dia trilhar o caminho da intinerância.

Amei quando colocaste a família como parte integrante de seu ministério Brasil e mundo afora. Muito lindo de sua parte mesmo. Sempre tive este mesmo pensamento.

Muito obrigado mesmo.

Seu irmão em Cristo,

Márcio Cruz

Flávio disse...

Amém pastor. Acho que o senhor está certíssimo. Mesmo sabendo da salvação da nossa família, devemos sim aproveitar cada momento que Deus nos tem proporcionado ao lado dos nossos.

De Carvalho disse...

A PAZ DO SENHOR!
Fico muito feliz em saber dessa decisão... serve de exemplos não só para os já preletores consagrados, mas tambem aos jovens q sonham em forma uma familia! Pastor ciro aproveitando o guancho queria uma opinião... nammorei com uma jovem assmbleiana claro,e ela terminou o relacionamento a um mes... mas sinto algo diferente por ela... um carinho especial... o senhor deve entender o q falo. e as vezes conversamos ainda sempre é um dialogo natural e bem maduro... sinto q ela tambem gosta de mim mas sei q seu coraçao está fechado. e eu tõ um pouco triste. como devo orar???

Anônimo disse...

não há cache que pague a companhia da família! creio que será uma benção ao irmão e a família sempre que puder viajar juntos! um abraço sissi

Discípulo de Cristo disse...

Prezado Pastor Ciro.

Parabéns em ministrar a Palavra de graça, pois de graça também a recebestes.

Parabéns pela decisão de levar consigo a família em suas conferências.

Assisti o video sobre o que é: Hades, Tártaro e Inferno. Gostei muito.

Parabéns por ser um assembleiano neotestamentário de fato! Amém.

Estou te seguindo, e passo a divulgar seu blog.

Postei algumas mensagens no meu blog. Convido a visitá-lo, principalmente na postagem: "Tentação de Jesus", onde gostaria de ter seu comentário, ou noutra que achar conveniente comentar. Fique a vontade.

Um abraço do Discípulo.
J.C.de Araújo Jorge

http://discipulodecristo7.blogspot.com/

Paz Seja Contigo!

Xavier Campos Joaqum disse...

É de de louvar a ideia pastor Ciro.
Deus é contigo nobre pastor.

Avante.