segunda-feira, 27 de junho de 2011

Resposta a um adventista do sétimo dia


O amado leitor Fábio Santos, após ler o meu artigo O adventismo do sétimo dia e o falso ensinamento do sono da alma, enviou-me um respeitoso comentário contendo nove questionamentos. A fim de ajudar não somente a ele, mas a todos que desejam aprender a sã doutrina, escrevi este artigo. Ele queria que eu respondesse apenas “sim” ou “não”, mas isso — evidentemente — é impossível, como se perceberá. A sigla CSZ denota que o mencionado leitor citou um trecho do meu artigo ao fazer a pergunta.

1. “Almas não ressuscitam, pois nunca morrem!” (CSZ). Seguindo seu raciocínio, então todas as almas são imortais?


Minha resposta: Todas as almas são imortais. Mas, em que sentido? É preciso considerar que o termo “alma”, nas páginas sagradas, tem significação variante, de acordo com o contexto. Pode simplesmente designar “vida”, como sinônimo de “sangue” (Lv 17.11,14); pode significar a pessoa humana: “a alma [isto é, a pessoa] que pecar, essa morrerá” (Ez 18.4). E o vocábulo “alma”, também, designa a parte imaterial do homem que vivifica o corpo (1 Rs 17.22; Jó 27.8; Gn 35.18). É nesse sentido que a alma nunca morre.


2. “Por isso, o Senhor Jesus prometeu: ‘todo aquele que vive e crê em mim nunca morrerá’ (Jo11.26)” (CSZ). Jesus não estaria falando sobre a morte eterna nessa passagem; ou seja, a “segunda morte” (Ap 21.8)?


Minha resposta: Sim, o Senhor Jesus, em João 11.26, referiu-se prioritariamente à morte eterna, que significa separação eterna de Deus. Entretanto, morte, nas Escrituras, sempre representa separação, e nunca extinção, aniquilamento. O salvo em Cristo nunca morrerá, mas terá a vida eterna (Jo 3.16,36). O perdido também nunca morrerá. Porém, a sua eternidade denota “tormento eterno” (Mt 25.46), e não aniquilamento.


3. “Além disso, o verbo haver, como está empregado no versículo 19, denota por sua vez um fato real” (O Calendário da Profecia
, CPAD, p.30)” (CSZ). Então, os relatos das parábolas do mordomo infiel (Lc 16.1-13) e do juiz iníquo (Lc 18.1-8), que também empregam o termo ‘haver’, são fatos reais?


Minha resposta: O bom exegeta deve evitar a priorização da lógica humana. Antonio Gilberto é um erudito. Ele sabe o que está falando. Observe novamente o que ele disse: “o verbo ‘haver’, como está empregado no versículo 19, denota...” Esse “como está empregado” é uma alusão ao emprego do verbo na construção frasal grega. Por outro lado, como eu já disse no outro artigo, se considerarmos a história de rico e Lázaro uma parábola, isso não muda nada no que tange ao ensinamento de Jesus de que a alma permanece consciente e ativa após a morte.


4. “Ora, então Moisés, e não Jesus, é ‘as primícias dos que dormem’? Teria Paulo se equivocado em 1 Coríntios 15.20?” (CSZ). Então, Paulo também se equivocou quando se referiu a Jesus como ‘primogênito de toda a criação’ (Cl 1.15), tratando-o assim como a primeira criatura?


Minha resposta: Quem se equivoca, nesse caso, são os adventistas do sétimo dia e as testemunhas de Jeová, que interpretam o termo “primogênito” como “o primeiro ser criado”. Com quem eles aprenderam isso? Bem, não vem ao caso. Na verdade, o termo em apreço é protótokos, que denota, no grego, proeminência, preponderância, supremacia, primado. Nada tem a ver com primeira criação! Na própria Epístola aos Colossenses está escrito que o Senhor Jesus, o Deus Todo-poderoso, “é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por Ele” (1.17).


5. Paulo afirmou ainda que Jesus foi o “primogênito dos mortos” (Cl 1.18). Então, dessa forma, também errou por considerar que a morte de Cristo foi a primeira de todas as mortes da Terra?


Minha resposta: Essa pergunta me espanta! O título “primogênito dentre os mortos” não denota que Cristo foi o primeiro a morrer. Antes, alude à sua ressurreição gloriosa! O Primogênito dentre os mortos, Cristo, ao ressuscitar, tornou-se o proeminente entre todos os que morreram, isto é, “as primícias dos que dormem” (1 Co 15.20).


6. “Outrossim, o Senhor Jesus se referiu ao Hades como um lugar só, com dois compartimentos, separados por um abismo, sendo possível justos e injustos se avistarem” (CSZ). Então, até a morte de Jesus o céu (ou ante-sala do céu), não era um lugar de paz, de gozo, de felicidade, já que os salvos mantinham contato com os ímpios que estavam sendo (supostamente) atormentados no inferno (ou ante-sala do inferno)?


Minha resposta: A Bíblia não diz que os justos mantinham contato com os ímpios, como que vivendo no mesmo ambiente. O Senhor Jesus deixou claro que havia um abismo separador entre os tais compartimentos, por assim dizer: “está posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte que os que quisessem passar daqui para vós não poderiam, nem tão pouco os de lá passar para cá” (Lc 16.26). Ademais, Jesus asseverou que o rico estava em tormentos, enquanto Lázaro, em sã consciência, era consolado (v.25).


7. “Depois da sua vitória na cruz, evidentemente, tudo mudou, visto que se cumpriu o que Ele prometera em Mateus 16.18: ‘as portas do inferno [hades] não prevalecerão contra ela [a Igreja]’” (CSZ). Este texto não está se referindo a Igreja de Deus na Terra?


Minha resposta:
 Muitos pregadores fazem uma aplicação (não confunda com interpretação), dizendo que o Diabo e suas hostes nada podem contra a Igreja de Cristo. Entretanto, o que o Senhor Jesus ensinou, em Mateus 16.18, é que a partir de sua obra expiatória, na cruz, os fiéis de Deus não mais desceriam ao Hades, isto é, à divisão reservada ali para os justos, conforme Ele mesmo ensinou em Lucas 16.19-31.


8. “As frases ‘os mortos não sabem coisa nenhuma’ e ‘a sua memória ficou entregue ao esquecimento’ (9.5) aludem à lembrança dos vivos com relação aos que já morreram” (CSZ). O senhor entendeu realmente o que o texto quer dizer? “Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco eles [mortos] têm jamais recompensa, mas a sua memória [dos mortos] ficou entregue ao esquecimento” (Ec 9.5).


Minha resposta: Perfeitamente. Como asseverei, o livro de Eclesiastes considera as coisas “debaixo do sol”. É um livro que não aborda, prioritariamente, a vida após a morte. Lembre-se de que as Escrituras são análogas e, por isso, não podemos nos esquecer da lei do contexto. A ideia do sono ou morte da alma não se sustenta se considerarmos os contextos imediato, remoto, referencial, literário, etc.


9. “Lembra-se do que o Senhor Jesus prometeu ao infrator crucificado? Ele não lhe disse: ‘Hoje, estarás na sepultura’, mas asseverou: ‘Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso’ (Lc 23.43)” (CSZ). Então, Jesus errou dizendo que ninguém subiu ao céu (Jo 3.13)? Se Ele não errou, então os salvos que morreram não podem estar no céu.


Minha resposta: Mais uma vez informo ao amado leitor que as Escrituras são análogas. Assim como o termo “alma”, dependendo do contexto, assume significados distintos, o mesmo ocorre com o vocábulo “céu”. A que lugar o Senhor se referiu quando afirmou: “ninguém subiu ao céu”? Seguramente, não aludiu ao Paraíso, onde o próprio Paulo esteve, em espírito (2 Co 12.1-4). Também não se referiu às regiões celestes, povoadas por principados, potestades, príncipes das trevas deste século e hostes espirituais da maldade (Ef 6.12). Uma coisa é subir ao céu (Paraíso), e outra, bem diferente, é subir ao lugar onde habita o Altíssimo, “acima de todos os céus” (Ef 4.10).


Com amor e respeito,


Ciro Sanches Zibordi

28 comentários:

Eduardo disse...

Ótimo artigo Pastor Ciro, parabéns.
Sabe-se que esta é uma questão que infelizmente é algo de muitas dúvidas entre os cristão.
Com apreço
Eduardo

Sebastião Igreja disse...

Excelentes respostas, muitas coisas ficam mal entendidas quando não se quer aprender o suficiente...

Flávio Alves disse...

Amigo pastor,

muito boa, clara e objetiva, como também respeitosas suas respostas. Também enfrentei perguntas semelhantes, e precisamos aprender a responde-las com a sabedoria e respeito apresentados neste post.

Parabéns,

Pr. Flávio Alves

Anônimo disse...

andré carlos

sou adventista,gostaria de apelar para o irmão fabio santos que este tipo de debate não leva a nada, só causa constrangimentos desnecessários e só faz aumentar o preconceito contra o adventismo.

Paulinho Adorador disse...

Pr. Ciro,
Louvado seja o Senhor Jesus pela sabedoria derramada em sua vida e pela forma amorosa e nunca rude ou grosseira com que responde àqueles que o criticam.

Deus o abençoe cada vez mais!

Vandim disse...

Quero parabenizar o pastor Ciro e, também, o irmão Fabio Santos. O pr. Ciro pelas respostas, apesar de não concordar (em questões periféricas) com todas. E o Fabio pela coragem e disposição de enriquecer o debate, postando com nome (ñ como anônimo) e com respeito.
Acredito que num debate é mt difícil convencer alguém convicto de algum ponto de vista. O melhor msm é mantermos um diálogo de alto nível e distinguir as questões q não são essenciais das essenciais.

Fábio Santos disse...

Pr. Ciro,

agradeço pela resposta também não menos respeitosa que deu ao meu comentário através deste artigo exclusivo pra mim, que privilégio (risos). E apesar de ainda não concordar com o sr. neste aspecto doutrinário, tenho apreço e estima pelo trabalho que realiza neste espaço virtual, da qual sou e vou continuar sendo visitante assíduo.

Afinal é preciso coragem, esforço e dedicação para combater as diversas distorções que são apresentadas diariamente no mundo religioso (invencionices gospel) e no mundo moral (a lei da mordaça gay).

Portanto Pr. Ciro Sanches, desculpe-me se exagerei em algum momento. Afinal tento imaginar o momento doloroso pelo qual o sr. ainda está passando. Sendo assim, o sr. apresentou seus argumentos e eu apresentei os meus, resta agora pedirmos ao Espírito Santo que nos guie a toda Verdade.

Que o Deus, doador da vida eterna, abençoe sua vida e toda a sua família!!

Ainda orando por ti.

"Regozijai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, na oração, perseverantes" Rm. 12:12

P.S.: Desculpe André Carlos, mas não vejo mal em defender aquilo que acredito "com mansidão e temor" IPe. 3:15.

Ângelo dos Santos Monteiro, disse...

Pr. Ciro,

Excelente suas respostas, e por sinal, muito bem embasadas. É por isso que sigo seu blog e também recomendo, pois assim como tenho sido muito edificado através deste espaço, desejo que outras pessoas também o sejam!

Fraternalmente em Cristo,

Pb. Angelo dos Santos Monteiro
http://pbangelo.blogspot.com

Paulo Cezar disse...

Prezado Pastor Ciro, o debate "em pauta" com o leitor (irmão?) Fábio Santos é muito esclarecedor para todos, mas principalmente para o próprio Fábio, que embora demonstre um certo conhecimento (pontual) sobre as bases/doutrina de sua crença, possivelmente não esteja tão convicto quanto a veracidade das ideias que defende, daí a "insistência" em querer saber mais. Como bem disse Jesus "Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará..."

PS: Obrigado pela aula.

Marcos Andre - Professor disse...

Pastor Ciro, gostei do que li aqui, certa feita debati com um adventista, mas consegui fazer com que ele refletisse sobre muitos dogmas adventista inclusive sobre a guarda do sábado, Deus me abençoou. Encontrei aqui respostas excelentes. Graça e Paz.

Marcos André – Professor
CLUBE DA TEOLOGIA
http://marcosandreclubdateologia.blogspot.com/

Anônimo disse...

andre (adventista)
fabio santos,concordo que devemos defender o que acreditamos ser verdade porém devemos usar a sensatez, no seu caso graças a ética cristã do pastor ciro não se descambou para uma luta de boxe. porém, em outros sites e blogs como o cacp, adventistas x apologetas se digladiam numa disputa inútil que terminam criando um muro de separação e ressentimentos mútuos.quanto ao pastor zibordi leio o blog diariamente e o admiro,embora com discordâncias doutrinarias a parte , pela sua visão sensata em meio a confusão causada por muitos evangelistas no meio cristão no Brasil.

http://sofagospel.blogspot.com disse...

Pastor Ciro, gosto muito dos artigos do irmão aqui no blog. É muito boa a maneira do senhor responder estas perguntas tão desafiadoras.

É muito triste ver pessoas isolando trechos bíblicos e fazendo desses trechos seus dogmas e religiões.
O mais desafiante para nós é saber que eles estão de porta em porta (principalmente os TDJ)levando um evangelho diferente daquele que Jesus ensinou enquanto muitos de nós que temos a "Pão quente" para oferecer ficamos de braços cruzados.


Deus lhe abençoe


Elizeu B Abreu


http://sofagospel.blogspot.com

Ciro Sanches Zibordi disse...

Querido Fábio Santos,

Desde que recebi o seu primeiro comentário, neste blog, observei que estava diante de uma pessoa que sabe defender o seu ponto de vista de maneira equilibrada e elegante. Parabenizo-o por sua conduta exemplar.

Nossa fonte de autoridade principal deve ser a Bíblia Sagrada, a Palavra de Deus. E louvo ao Senhor por termos baseado a nossa discussão no Santo Livro. Na medida em que buscarmos o verdadeiro significado de cada passagem à luz do contexto, mediante à iluminação do Espírito, encontraremos a verdade.

Que Deus o abençoe grandemente, em tudo!

CSZ

Edmar Filho disse...

Pr. Ciro,louvado seja O Senhor Jesus Cristo pela sua dedicação na defesa da fé cristã! É impossível alguém ser verdadeiramente amante da Palavra de Deus e não defendê-la.
É louvável debates assim, onde o respeito predomina.Aliás alguns cristãos evangélicos precisam entender que movimentos como os mórmons,testemunhas de Jeová,espiritismo e tantos outros, são compostos por seres humanos,que por conseguinte, são criaturas que precisam conhecer O VERDADEIRO EVANGELHO.
Ao longo da história, os debates entre evangélicos e adventistas do 7º dia tem rendido muitas discussões, não apenas em relação a guarda do sábado como meio de salvação ou sobre o "sono da alma", mas também afirmações do tipo: Um Salvador com natureza pecaminosa; Jesus e miguel são a mesma pessoa; A obra da redenção não foi concluída na Cruz; O crente tem pecados perdoados, mas não tem pecados cancelados; A doutrina do juízo investigativo; Que os nossos pecados estão sobre satanás, fazendo dele um co-redentor.
Assim, diante de ensinos dessa natureza, é impossível não haver debates, contanto que sejam com mansidão e temor... 1 Pe 3.15.

Pr Josias pereira de assis disse...

Boas, muito boas as resposta ao amigo sabatista, mas duas questões me deixou meio intricado, a primeira é a questão 7 sobre as portas do inferno, eu tenho uma matéria cientifica arqueológica que segundo os pesquisadores mostram o lugar onde Jesus estava com os discípulos no momento em que ele fez essa triunfal declaração, o local era um lugar conhecido como inferno, e há alguns detalhes a mais sobre o local... e segundo os pesquisadores hoje há cultos neste local,onde outrora não se podia imaginar tal coisa acontecendo, e declaração de Jesus teria o sentido de que o evangelho chegaria aos quatro cantos da terra, e nada poderia se suster diante dele (o evangelho) vemos neste contexto uma igreja que avança impulsionada pelo poder do espírito santo, e o evangelho sendo levado a todas as nações, tribos e línguas, eu acho uma interpretação mais consistente, senão me ajude.
E a segunda é a sobre efésio 6 ;12, não seria os principados, potestades, dominadores e etc. o sistema opressor , dominado pelo pecado, e não seria as regiões celestiais a nossa alma, mente, coração, psique etc., onde se travam as guerras, e não seria essas lutas interiores? Não estou afirmando isso, mas não tem sentido? Ou será mesmo que os demônios povoam os ares, ou as regiões celestiais, sou meio pé atrás com as teorias de Daike e outros formadores de nossa teologia. Por favor me ajude.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro pastor Josias,

A paz do Senhor!

1) O termo empregado em Mateus 16.18 é "hades". Fica inviável sustentar outra interpretação, pois os contextos imediato e remoto não a corroboram. O Senhor referiu-se ao Hades mesmo. E isso está em harmonia com Efésios 4.8-11.

2) Em Efésios 6.12 também não há margem para alegorizações. Os agentes do mal a serviço do Diabo habitam as regiões celestiais, mesmo. Eles até agem na terra, por permissão divina, mas a sede deles é nos ares. Por isso, Satanás é chamado de o "príncipe das potestades do ar" (Ef 2.2).

Ambas as proposições acima são inteiramente bíblicas. Não tem nada de influência da filosofia de Dake nisso. Se ele avalizou tais proposições em sua obra, é outra coisa. Mas estou tomando a Bíblia pela Bíblia.

Um grande abraço.

CSZ

Diogo CS disse...

Parabéns mais uma vez Pr.
Deus o abençoe. PAz.

Pr Josias pereira de assis disse...

parabens Fabio, pela coragem de propor o debate, quero dizer ao caros amigos adventistas, que nao se trata de umm tentativa de aumentar preconceito, ate porque nao existe nenhum preconceito contra os adventistas, de forma alguma, a questões é que tratamos do assunto, nossas igrejas nao adotam certas doutrinas adventistas entre elas o sabado, por convicção, nós sabemos porque nao cremos nas doutrinas questionadas pelos adventistas entre elas o shabat. agora, jesus disse; e conhecereis a verdade e a verdade vos libertará, simplesmente conhecemos a verdade sobre os assuntos debatidos, amem amigos, Deus lhes abensoe e vos esclareça.

Vandim disse...

Uma pergunta que fiz aos meus amigos adventistas e nunca obtive uma resposta satisfatória é a seguinte: Como é possível crer na ressurreição se não há uma continuidade pessoal (da alma) entre a morte e ressurreição?

Se não existe uma alma que continua existindo entre a morte e a ressurreição, o que acontece com a memória e identidade da pessoa? Morre junto com o corpo?

Anônimo disse...

andre (adventista) para vandim.

como é possivel a identidade de uma pessoa ser preservada na ressureição se sua alma dorme ?
meu caro irmão simplesmente pelo poder de DEUS e não por substâncias físicas e espirituais, a biblia nos assegura isso pela preservação da nossa identidade de nossos nomes escritos no livro da vida(FILIP 4:3,APOC 3:5,13:8,17:8,20:12).vale ressaltar que o nome na bíblia significa o caráter ou personalidade como vários usados para retratar o caráter de Deus,sendo que o senhor preserva um quadro exato de cada pessoa que vive aqui na terra, o proprio jesus ensinou isso em MT 12:36 e 37 em que afirma que cada palavra frívola que proferirmos ele irá nos pedir conta no dia do juízo.não se ofenda,não quero discutir apenas essa pergunta me chamou atenção pelo fato de já te-lá visto num livro que defende o ponto de vista da aniquilação.

Vandim disse...

Como disse, resposta (para mim) insatisfatória (com todo respeito).
Alma dorme ou morre?
Se Deus preserva apenas informação sobre a pessoa e não sua substancia imaterial (alma e-ou espírito), oq acontece é uma recriação, uma copia da pessoa e não uma ressurreição.

Vandim disse...

A sim,
creio que a alma continua consciente após a morte pelo poder de Deus, e não por qualquer coisa inerente nela tbm. Por isso não creio na imortalidade da alma no mesmo sentido que os pagãos.

Vandim disse...

O ensino é mais ou menos assim. Enquanto a pessoa vive é registrado um quadro exato dela no céu (uma espécie de backup). Na morte a pessoa deixa de existir como um todo: o fôlego de vida é retirado, o corpo de desfaz e a alma deixa de existir, mas o registro exato de sua existência e personalidade continua no céu. No futuro, Deus reconstruirá o corpo da pessoa, restituirá a vida e colocará o registro da personaliza e existência da pessoa nele.
No meu entendimento isso não é uma ressurreição, mas uma criação de uma nova pessoa com a memória e identidade da antiga, uma espécie de clone como vemos no filme The Sixth Day (O 6º Dia), onde o personagem interpretado pelo Schwarzenegger é clonado com as informações da mente da matriz, o clone pensa que é o original.
Essa foi uma das principais razões porque não me tornei adventista. Eles me presentearam com minha primeira Bíblia, me incentivaram a estudar a Bíblia e me ensinaram a orar. Quanto a isso eu sou eternamente grato. Mas não pude subscrever a crença adventista da continuidade/descontinuidade da alma entre a morte e a ressurreição. Nessa crença não há juízo de Deus para temer nem recompensa para esperar. Pois quem será julgado ou recompensado não será a pessoa, mas uma copia sua recriada no futuro.

Fábio Santos disse...

Caro Vandim,

Acredito que você não se tornou um adventista do sétimo dia por não compreender claramente o ensino bíblico da mortalidade da alma, pois você demonstra isto nitidamente em seu último comentário.

Vandim disse...

A princípio simpatizei com a doutrina da mortalidade da alma. Achava que esse ensino fortalecia a crença na ressurreição. Mas depois, ao estudar uma lição “bíblica” (que usava o método indutivo seletivo de texto prova) que fala sobre Adão ter sido feito alma vivente, e que na morte Deus retira o fôlego da vida, o corpo se torna pó e alma deixa de existir. E que no futuro o poder de Deus recriará os mortos.
Essa crença que angustiou muito. Percebi que ao negação a existência continua da alma após a morte do corpo, compromete a crença na ressurreição pessoal.
Bem creio que compreendi a crença adventista e como ela difere do ensino bíblico nesse aspecto. Mas estou sempre aberto a conhecer mais.

Tadeu de Araújo disse...

Pastor Ciro sanches,graça e paz!
Parabenizo o ilustre pelas respostas ao nosso irmão adventista.Sem dúvida,dispensa comentários o que o senhor escreveu.Muito embora não tenhamos à capacidade do senhor,tendo em vista sermos modestíssimo autodidata em teologia,no entanto, ano trasado,tivemos a coragem de enviar 12 perguntas para o professor Leadro Quadros,um dos apresentadores do programa na Mira da Verdade,da TV Novo Tempo.E, para nossa surpresa,seis meses depois, recebemos resposta.Com todo respeito ao mencionado cidadão,porém,se não estamos sendo injusto com ele,infelizmente,vimos a eisegese em prática.Muito embora reconheçamos,salvo os assutos defendidos pelos adventistas,o conhecimento dele,tanto no Velho quanto no Novo Testamento é muito grande.
Sugerimos ao pastor Ciro, se possível,caso nunca tenha assistido o mencionado programa,todas as terças-feira,das21às 22horas.Às quintas-feira,das14 às15horas.Assim poderá ser feito um juízo de realidade do que falamos.

Júnior Melo disse...

PAstor Ciro, amigo do PAstor JEcer GOes de FOrtaleza,

O que falar então após repostas tão contundetende deste servo que seguramente , um dos maiores teolgos e exegetas do Brasil. O "sono da alma" ou aniquilamento da alma, é uma faláciosa heresia e desvio de entendimento propalado pelos adventistas, Jovitas e os irmao da "igreja do véu ', a Congregação Crista do Brasil,denominação que dia a dia descama a se tornar um SEITA.
Irmao, comentarios irretocáveis, preciso, concisos e a luz das EScrituras.Impossivel de provar o contrario nem que os escritos de Helen White.muito menos diante da inerrÂncia da Biblia SAgrada;


Deus seja contigo.

Júnior Melo disse...

PAstor Ciro, amigo do PAstor JEcer GOes de FOrtaleza,

O que falar então após repostas tão contundetende deste servo que seguramente , um dos maiores teolgos e exegetas do Brasil. O "sono da alma" ou aniquilamento da alma, é uma faláciosa heresia e desvio de entendimento propalado pelos adventistas, Jovitas e os irmao da "igreja do véu ', a Congregação Crista do Brasil,denominação que dia a dia descama a se tornar um SEITA.
Irmao, comentarios irretocáveis, preciso, concisos e a luz das EScrituras.Impossivel de provar o contrario nem que os escritos de Helen White.muito menos diante da inerrÂncia da Biblia SAgrada;


Deus seja contigo.