domingo, 20 de março de 2011

Não confunda santificação com legalismo

Aprendi com o saudoso pregador Valdir Nunes Bícego que quatro coisas acontecem quando se prega a respeito da santificação:
(a) Ouvimos poucas glórias a Deus.
(b) Os crentes artificiais ficam inquietos.
(c) Os fiéis dizem: “Fala, Senhor, que o teu servo ouve”.
(d) Os demônios ficam apavorados.

Mas, o que é a santificação? 
Nos tempos veterotestamentários, a condição para ser abençoado por Deus era ter uma vida santificada, separada do mundo (Lv 11.44; Js 3.5; 2 Cr 7.14). No Novo Testamento vemos que a condição para que as promessas do Senhor sejam confirmadas em nossa vida continua sendo a mesma: afastar-se da vida pecaminosa (1 Ts 4.7; 5.23; Hb 12.14), não se conformando com o mundo (Rm 12.1,2).

Entretanto, muitos crentes, por negligência à sã doutrina ou por ignorância, estão confundindo santificação com legalismo. Vestem-se de modo simplório, de propósito, e não por que não tenham condições de se trajar melhor. Falam baixinho, ficam com o semblante descaído... Outros se preocupam demasiadamente com medidas das roupas, afirmando que o diâmetro da barra da calça, a largura da gravada e do cinto, a espessura do salto do sapato devem ter “tantos” centímetros... Seria isso uma demonstração de vida santa?


A Palavra de Deus alerta quanto às falsas doutrinas de homens, fundamentadas em ensinamentos extremados, como: “não toques, não proves, não manuseies” (Cl 2.20-22). Não atentando para isso, certo irmão afirmou que, no Arrebatamento da Igreja, os crentes que estiverem tomando banho não subirão! Por quê? Simplesmente, por estarem nus!


Houve um tempo em que não se podia usar perfume, pois diziam certos irmãos 
que se consideravam santos: “Nós já temos o perfume de Cristo”. Ora, não foram eles ensinados que o bom cheiro de Cristo, ao qual se referiu Paulo em 2 Coríntios 2.14-17, é no sentido espiritual? E quanto à televisão, ao computador e à Internet? Bem, no tempo em que essas coisas não existiam, quem era o vilão? O rádio! Diziam alguns “santos”: “O rádio é a caixa do diabo!” Mas o tempo passou, o mundo evoluiu, e ficou demonstrado que o extremismo não foi o melhor caminho...

Em nossos dias, muita gente pensa que santificação é maltratar o corpo, subjugá-lo com sacrifícios exagerados. Deus não se agrada disso (1 Sm 15.22; Ec 5.1). Ele quer obediência aos seus preceitos. Viver uma vida de santificação também não implica viver sem tentação (Mt 4.1-11) nem estar imune ao pecado (1 Co 10.12). Significa, antes, ter poder para dominar o pecado (Rm 6.14).


Santificação também não consiste em isolar-se. A pessoa mais santa que andou na terra foi o Deus-Homem, o Senhor Jesus. E, onde o encontravam, frequentemente? No meio de pecadores (Lc 5.27-32; Jo 2.1-11). Assentar-se na roda dos escarnecedores não é apenas estar entre eles, e sim tomar parte em suas prevaricações (Sl 1.1; Is 6.1-8). Como luz do mundo (Mt 5.14-16), a qual deve brilhar em meio às trevas (Fp 2.15), não podemos nos isolar da sociedade, mas influenciá-la com o bom cheiro de Cristo.


Ciro Sanches Zibordi

14 comentários:

Gilson disse...

Quem sabe, o santificar-se não seria fazer dois jejuns na semana como faziam os fariseus? Ou ocasionalmente como o sr. receita no seu blog?
É muito difícil... Falou, falou e não disse nada de novo, só o trivial e óbvio envelhecido assunto.
Parece meu cachorro correndo atrás do rabo, não chega a lugar algum.

Luciano de Paula Lourenço disse...

Muito bem, pastor Ciro! Passei por todas essas fases citadas. Faltou a praia, o futebol, a US TOP(é o novo?). À medida que vamos nos aprofundando no estudo da Palavra de Deus, o Espírito Santo vai nos iluminando e nos colocando no devido patamar do autêntico cristão. Sou muito grato, muito grato mesmo, a EBD. Ela tem me ajudado sobremaneira na minha carreira espiritual, e tem me dado firmeza e convicção sólida da minha salvação em Cristo Jesus.
Um abraço!
Luciano

tiagolinno disse...

Muito bom, Pastor. Eu ainda peguei uma época em que a os pentecostais se preocupavam quase que únicamente em proibir ou liberar algo. Acho que isso bloqueou muito a atuação do ES, já que tentamos controlar tudo. Que o Senho esclareça cada dia seu povo de como servi-lo.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Gilson,

Grato por sua participação.

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Querido amigo Luciano,

A vida cristã deve ser pautada pelo equilíbrio. Vivemos pela graça, pela fé, mas fomos chamados para as boas obras (Ef 2.8-10). O importante é não abraçarmos o farisaísmo, pelo qual mosquitos são coados, e camelos engolidos.

Um abraço.

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Tiago,

Os pentecostais sempre ensinaram a santificação plena, nesta ordem: espírito, alma e corpo, haja vista Deus priorizar o espírito, mas valorizar o corpo (1 Ts 5.23; 1 Tm 2.9). Mas, infelizmente, alguns obreiros, por falta de conhecimento, invertiam a ordem da Bíblia, priorizando o corpo, em detrimento do "homem interior".

Mas é bom dizer que os pentecostais do passado eram mais fervorosos do que os de agora. O legalismo a que me refiro é um conjunto de regras que a nada levam, acompanhada de uma vida vazia, sem o poder de Deus. Os pentecostais do passado tinham os seus defeitos, porém eu peguei uma época da Assembleia de Deus em que havia maior temor ante a Palavra do Senhor.

Um abraço.

CSZ

JCavalheiro disse...

Muito interessante! Se o legalismo explícito que vivemos um bom tempo significasse santidade e salvação, com certeza, seria dispensável a vinda e morte sacrificial de Jesus. Pois os fariseus eram extremamente legalista e no entanto poucos deles aceitaram a Jesus como o Messias (não conheciam as Escrituras)e foram eles que clamavam: Crucifica-o. A santidade deve partir do interior e movido pelo Espírito Santo.
Parabéns.
Abraços!
Pr. João Q. Cavalheiro.

João Honorato disse...

Pr. Ciro, A Paz do SENHOR.
Sirvo a Deus como diácono na A.D Missão Shekinah na Cidade de Porto Ferreira, interior de São Paulo. O Pastor da AD Belém, segundo alguns parentes meus que pertencem a este ministério, no Culto de doutrina de terça feira, me falou que o pastor vociferou com a seguinte frase: Se eu ver alguma irmã usando calça comprida na rua e me comprimentar com a Paz do Senhor, eu vou responder apenas com um oi...
Meu sogro me falou isso pra mim e eu fiquei tão revoltado que sonhei chamando o tal Pastor de Fariseu! não tenho dúvida que isso seja farisaísmo. As irmãs servem a Deus com medo do referido pastor... que dizes?

Casal 20 disse...

Pastor, gostei muito do texto.

Realmente, o limite entre a santificação e o legalismo é delicado. Assim, entendo que o legalismo está para a religião, isto é, é tudo aquilo que os homens querem produzir em termos de espiritualidade; já a santificação, eu a entendo como aquilo que o Espírito Santo produz em nós, o fruto dEle agindo com poder na luta contra as obras dessa nossa carne.

Abraços, Pastor.

Tamar disse...

Você sabia que nem todo fariseu era hipócrita?

Ciro Sanches Zibordi disse...

Tamar,

Com certeza. Haja vista o mestre Gamaliel. Mas a imagem do farisaísmo ficou manchada por causa dos "Ai de vós" de Mateus 23.

Um abraço.

CSZ

Anônimo disse...

Acredito que O servo do senhor deve fazer a diferença não só com as vestes,mas com testemunhos e ações.Atualmente muitos crentes querem brilhar de tantas formas,mas o brilho do Espírito é que faz a diferença.

elcio disse...

o uso de roupas, maquiagem, pinturas, joias, em mulheres, envolve no plano de salvação, delas.

Anônimo disse...

A doutrina gera bons costumes ,mas nem sempre os costumes vem da doutrina. O problema das igrejas atuais em sua maioria é que lhes falta temor a Deus e entram num liberalismo desenfreado adotando todo tipo de costumes mundanos. existe para mim um pequeno problema, alguns dos irmãos mais antigos foram instruídos de outra maneira quando no inicio de sua fé, foram ensinados sobre alguns costumes que não convém a um cristão mas, com o passar do tempo já não os considera inconvenientes por exemplo o uso de mini saias ou roupas coladas e transparentes ao meu ver quem anda trajado assim desconhece o padrão bíblico de pudor e modéstia(1 Tm 2.9) no entanto muitas jovens de minha congregação alegam que os que se preocupam com essas coisas são legalistas e fariseus, bom, se observar a palavra de Deus como um todo e procurar obedece-la é ser fariseu Jesus era fariseu também, pois afinal ele cumpriu toda a lei. O que quero dizer é que mesmo não sendo salvos pelas obras da lei já que cristo as cumpriu totalmente em nosso lugar temos o dever como cristãos e lideres, de ensinar o que agrada ou não a Deus para que o crente possa aprender a agradar a Deus pois para isso é a doutrina,que sempre gera bons costumes. De forma que se alguém anda praticando os costumes da doutrina nem sempre é um crente verdadeiro mas o crente verdadeiro sempre será um exemplo em matéria de bom proceder, vestir bem falar e doutrinar; aqueles que o ouvirem serão bem sucedidos porem os que o não ouvirem perecerão (1 Tm 4.16).

Anderson, de Fortaleza CE.


Por favor pastor Ciro corrija os meus erros de português antes de postar.