sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Nunca acredite em um ensinador que nega que a Bíblia é a Palavra de Deus! (3)


O link abaixo direciona o internauta para um vídeo (que não foi preparado por mim) que fala por si mesmo, dispensando comentários.

Você verá que, se alguém envereda pelo caminho do erro e não se arrepende, a tendência é sempre piorar. O ensinador de “verdades ocultas” e autor da série Prepare-se, que já afirmou, em um de seus vídeos, que a Bíblia é a Palavra de Deus — talvez por conveniência —, assevera agora que até a divisão entre Antigo e Novo Testamentos depõe contra a Bíblia.

E ele continua a dizer, de modo peremptório, que a Bíblia não é a Palavra de Deus..

Assista ao vídeo >>

Ciro Sanches Zibordi

7 comentários:

Luiz disse...

Caro pastor. A graça e a Paz deixada por nosso Salvador.
Gostaria que me tirasse uma dúvida:
O que o autor da carta aos hebreus queria dizer com os versículos abaixo?

Porque onde há testamento, é necessário que intervenha a morte do testador. Hebreus 9:16

Porque um testamento tem força onde houve morte; ou terá ele algum valor enquanto o testador vive? Hebreus 9:17

Desde já grato pela resposta.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Luiz,

Como o próprio apresentador das "verdades ocultas" admite, ele não tem base hermenêutica ou exegética para fundamentar as suas afirmações. Nesse caso, ele não está apto para saber distinguir entre as várias significações do termo "testamento".

Pessoas assim costumam dizer que o Velho Testamento foi abolido, com base em 2 Coríntios 3.14. Mas esse texto nada tem que ver com a primeira parte da Bíblia. Ele não alude ao Antigo Testamento, os primeiros 39 livros da Bíblia, e sim ao antigo pacto estabelecido por Deus com o seu povo Israel, a Lei (Jo 1.17).

Do mesmo modo, associar o texto de Hebreus 9.16 ao início da segunda parte da Bíblia, o Novo Testamento, reflete péssima interpretação. Em Hebreus, é evidente, o termo "testamento" alude à nova aliança, ao tempo da Graça, e não aos livros neotestamentários.

Em Cristo,

CSZ

Newton Carpintero, pr. e servo disse...

Prezamigo e nosso pr. Ciro,

A paz do Senhor!

Admiro a capacidade deste "ensinador" em divagar e divulgar as suas idéias inconformes com a PALAVRA DE DEUS, esta, motivo da minha certeza, alegria e esperança.

Imagino o Rei do Universo, não conseguir controlar os textos inspirados pelo seu Santo Espírito, entregue as homens envolvidos com a sabedoria do alto, conhecimento do alto e discernimento do alto.

Impossível admitir ao se envolver com a Santidade de Deus, tamanha inverdade, ou esta imensa mentira distribuida aos afoitos da confusão literal e a disseminação do pavor aos incautos da fé, pelo não conhecimento da Palavra.

Muitos erram porque não conhecem o caminho e porque muitos se calam e não ensinam a verdade.

Siga em frente nesta sua luta, meu amigo e nobre atalaia!

O Senhor seja contigo!

O menor de todos.

Celson Luiz disse...

Olá Pastor Ciro,
Essa busca por respostas verdadeiramente embasadas na sã doutrina é o legado que esta série de invenções "terrológicas" têm deixado ao povo de Deus. É inevitável que a verdade seja atacada, é inevitável que a fé seja posta em prova, é inevitável que surjam obreiros fraudulentos com mensagens aparentemente piedosas. Somente uma coisa pode ser evitada: que sejamos enganados. Como? Crescendo na graça e no conhecimento de nosso senhor e salvador Jesus Cristo.
Louvo a Deus por pastores como o senhor e agradeço ao irmão por nos encorajar e promover nosso crescimento e santificação na verdade!

Gilmar disse...

Prezado Pr. Ciro,

Com base na resposta que o Sr. deu ao nosso irmão Luiz mais acima, me veio uma dúvida. Uma dúvida simples, por sinal. Quando a dispensação da graça teve início?

Em Jo 1.17 dá a entender que foi quando Jesus veio. Outras pessoas dizem que foi em At 2. Já outras, como deu a entender na sua resposta, dizem que foi após a morte de Cristo.

Caso responda, eu ficaria muito agradecido.

NaquEle que vive e reina,
Gilmar

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Gilmar,

A obra de Cristo na terra está num tripé: encarnação, crucificação e ressurreição. Quando Cristo veio à Terra (encarnação), Ele deu início ao tempo da graça (Jo 1.14).

É claro que o ponto alto de sua obra é a morte expiatória (Ap 5.8-10; Cl 2.14; Hb 2.14,15; 1 Pe 1.18,19), e a consumação da obra se deu com a ressurreição para a nossa justificação (1 Co 15.17-20). Mas, ao se fazer carne, Ele já deu início ao período da graça (Jo 1.17).

No dia de Pentecostes (At 2), houve a inauguração da Igreja, por assim dizer.

Em Cristo,

CSZ

Adalberto Junior disse...

Paz e graça Pr Ciro!
O caro rapaz do video passou 15 anos na assembleia de Deus e desviou-se,hoje prega que não é preciso congregar,e que todos os pastores não prestão,que Deus o liberte disso e que ele volte para os caminhos do senhor,pois a pregação dele pra quem está desviado é um prato cheio.