sexta-feira, 2 de abril de 2010

Samba, forró e axé para o Senhor?


Leia abaixo um trecho da obra Erros que os Adoradores Devem Evitar, editada pela CPAD, na qual discorro, entre outras coisas, sobre letras de canções e estilos musicais:

No meio pentecostal há muitos irmãos que gostam dos chamados corinhos de fogo. Mas a maioria dessas composições “mexe com a estrutura” das pessoas muito mais pelo ritmo adotado (samba, forró e axé) do que pelo genuíno fogo do Espírito. O samba é um estilo bastante apreciado no Brasil, país conhecido em todo o mundo como a terra do samba. A palavra “samba” é do falar quimbumbo, trazido para cá por escravos africanos. Significa “umbigada”, pois os dançarinos, ao som do batuque, tocavam-se umbigo com umbigo. Graças a Deus, isso ainda não ocorre no meio evangélico! (...)

Acredita-se que o termo “forró” advenha do inglês: for all (para todos). Esta frase era escrita nas portas dos bailes promovidos pelos ingleses, em Pernambuco, quando eles vieram para cá, a fim de construir ferrovias. Caso a placa estivesse lá, era sinal de que todos poderiam entrar na festa. Mas há uma segunda versão para a origem do aludido termo: seria uma forma reduzida do vocábulo africano forrobodó, que significaria festa, bagunça. E, nesse caso, é um contrassenso nós, que prezamos a ordem e a decência (1 Co 14.40), apreciarmos esse estilo! (...)

Muitos adoradores-astros estão fazendo sucesso, ao som do axé baiano. Alguns, inclusive, dizem que se converteram a Cristo, mas não abandonam a vida velha (2 Co 5.17; Cl 3.1,2). Com certeza, eles não têm como prioridade agradar a Deus. Não sabem eles que o termo “axé” está relacionado à força sagrada dos orixás, que se revigora, no candomblé e na umbanda, com as oferendas dos fiéis e os sacrifícios rituais?

Se você deseja saber mais sobre os estilos musicais e suas origens, leia a obra Erros que os Adoradores Devem Evitar
, editada pela CPAD.

Ciro Sanches Zibordi

18 comentários:

Cláudio Ananias disse...

Olá Pr. Ciro

Acabei hoje de ler seu livro Erros que os Adoradores Devem Evitar.

Posso garantir que o conteúdo nele exposto, é uma ferramenta valiosa para quem deseja aprender acerca do verdadeiro louvor que devemos tributar a Deus.

E também é um livro essencial para quem deseja defender uma liturgia genuinamente cristã, dentro de nossos templos.

Quem o Senhor continue derramando sobre sua vida sabedoria necessaria para a apologia do Evangelho.

Cláudio Ananias
(claudioananias.blogspot.com)

Paulo Mororó disse...

Caro pastor Ciro , a Paz do Senhor.

Oportuna mensagem. Parabéns!
A questão dos ritmos é sempre polêmica, pois está diretamente ligada a cultura local e a contextualização histórica.

È bom lembrar o caso da entrada da "valsa" como hino e ritmo sacro. A Valsa era uma música profana presente nos bares e caberés, depois virou dança de salão. Como já cometei em outras oportunidades na blogosfera, ao som deste ritmo muitas donzelas foram seduzidas e "defloradas" nos tempos antigos. Muitas das obras da carne descritas na Epístola aos Gálatas foram praticadas ao som desta trilha sonora. Até hoje a fama e o título de "PÉ-DE-VALSA" é muito comum para definir alguém que dança bem ou vive de noitadas nos bailes.

Com o passar dos anos, os hinários famosos de denominações evangélica adotaram esta “garota de vida pregressa mundana”, a valsa. A Harpa Cristâ está cheia de valsas. Poucos são os profissionais de música, ou analistas de músicas evangélicas que tratam profundamente do assunto respeitando os devidos contextos culturais e históricos. Será que violino europeu tem prioridade diante do tambor africano ou afro descendente?

Deixo aqui uma sugestão para tema de postagem, ao senhor e aos demais comentaristas do assunto em foco:"VALSA, UM RITMO PROFANO QUE VIROU SACRO". E aí, quem se habilita?

Acredito que questões como estas devam ser administradas com base em Romanos 14 (todo capítulo) e cada pastor com discernimento e amor deva orientar caso a caso. O zelo só é benéfico se for com entendimento, Rm 10. 1-3, ou então será puro preconceito recheado de anacronismos.

Como vimos, ritmo é um assunto polêmico. O seu livro pode lançar luz e orientar muito servos de Deus. Espero que seja tão bom quanto os outros de sua autoria.

Um abraço
PAULO MORORÓ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Paulo Mororó,

Por enquanto, fiz menção apenas de samba, forró e axé. E, por isso, deixarei a valsa para outra postagem.

A despeito de o assunto sobre estilos musicais ser polêmico, não devemos abrir mão do primado das Escrituras ao tratar dele. Caso contrário, prevalecerão as preferências pessoais.

Estilos musicais são secundários na adoração. Se for preciso abandonar certos estilos de nossa preferência, devemos fazê-lo, priorizando os princípios da Palavra do Senhor. Lembremo-nos sempre de que a Bíblia é a nossa fonte primária de autoridade, acima da teologia, da tradição, da razão, da opinião de cada pastor, etc.

Grato pela participação.

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Prezado amigo Claudio Ananias,

Sinto-me animado com as suas palavras, sabendo que elas emanam de alguém que ama a musicologia e fala do assunto com conhecimento de causa.

Fica aqui o meu estímulo para que o irmão também produza um tratado sobre música e louvor, a fim de orientar o povo de Deus.

Em Cristo,

CSZ

Evandro disse...

Olha Ciro, estou terminando de ler seu último livro (Erros que os Adoradores devem Evitar) e tiro o chapéu pra você! o livro é ótimo! Lendo ele é inacreditavel que você defenda o Comentário Bíblico Fake! risos... Mas parabéns pelo livro, acredito que você teve a Ajuda do Alto para escreve-lo!

Abçs
Evandro Lemes!

FLAVIA MARA disse...

Excelente matéria, Pr Ciro!
Desejo que muitos cantores, pastores, enfim, todos os crentes leiam seu livro e observem os ritmos dos hinos gravados e cantados nas igrejas e voltem a gravar e cantar hinos que verdadeiramente exaltem a Deus! Acredito que a maioria dos cantores gravam nesses ritmos porque é o que faz sucesso, dentro e fora da igreja, enfim, se gravassem somente hinos sacros, não venderiam tantos cd's. As gravadoras e cantores querem vender muito e isso se torna a prioridade, infelizmente. Tem também a questão da animação nos cultos. Os ritmos mais lentos ou sacro, não dão espaço para o "reteté".

Jorge Mélo disse...

Já dancei forró, axé,samba , frevo, valsa, rock, twiste, mas, após a minha conversão ao Evangelho do SENHOR JESUS, a minha vida mudou,e hoje a minha alma se alegra ao ouvir os hinos da harpa cristã, corais da Igreja, e outros músicas cantadas por verdadeiros cristãos, tais como Feliciano Amaral, Luiz de Carvalho,Victorino Silva ,etc,etc. estes sim, são os louvores que agradam ao 'SANTO' que habita entre os louvoures de Israel" salmo 22.3
Post bem alertado pelo Pr. Ciro
Salmo 133, hino 175 da hc e 175 cc.

Recife - Pe.

Daniehl disse...

Amado Pastor Ciro!

Um dos princípios intrinsecos que podemos comtemplar nas Escrituras é que: "tudo que vem de Deus nos aproxima Dele e promove edificação; tudo que não procede de Deus, nos afasta de Dele e promove dissensão".

Entendo que a música, qualquer que seja seu ritmo ou estilo, se a sua fonte não for a inspiração promovida pelo Espirito Santo, para a adorar e glorificar a Deus, não irá produzir absolutamente nada de genuinamente espiritual. Pelo contrário, não passará de carne fazendo barulho, por mais animado e empolgante que seja.

E como podemos discernir isso? É simples. O Senhor Jesus nos ensina uma premissa básica: pelos frutos conheceremos as árvores, e que cada árvore é conhecida pelo seu próprio fruto. (Mt.12:33; Lc.6:43-44)

Considerando o tema abordado, e vinculando-os aos frutos do Espírito descritos em Gl. 5:22-25, o que podemos concluir?
-O nome de Deus está sendo genuinamente adorado e glorificado?
-Existe alguem fruto espiritual?
-Os frutos manifestos estão entre aqueles que vivem espiritualmente?

Esta é uma atitude que deve permear nossas vidas dentro e fora da igreja.

Se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito. (Gl. 5:25)

Por último, amado Pastor, temo que a busca do Pai, por verdadeiros adoradores, se torne a cada dia mais ingrata.

Abçs fraternos em Cristo.

Daniehl

ADRIANO JOSÉ URSULINO ISIDRO, 28 ANOS disse...

A Paz do Senhor Jesus Pastor Ciro.

Já que o Sr. tocou no assunto de estilos e rítmos musicais, gostaria de falar algo.

Aqui em nossa região o forró é um dos rítimos que mais predomina.

Infelizmente a Igreja aqui tem sofrido a influência desse rítmo.

Não vou dizer que já não toquei este estilo musical porque estaria mentindo, mas confesso que por mim jamais o tocaria, pois nunca o achei adequado para um crente.
Só que as dirigentes de louvor são ingênuas concernentes a esses assuntos, e fica difícil convence-las de que isso não é certo.

Já vi muitas manifestações duvidosas quando esse rítmo é tocado na Igreja (Que Deus me perdoe se estiver errado), como por exemplo: Quando é tocado um hino de adoração ninguém quase se mexe, mas, muitas vezes, quando o rítmo de forró é tocado, os irmãos começam a pular, a machar, as vezes até correr no meio da Igreja, a gritar, a glorificar, etc...

E isso me preocupa.
Se o Sr. pudesse vir aqui, em nosso Estado, principalmente em João Pessoa para palestras, creio que seria muito bom e útil.
Pois acho que o que falta é orientação acerca desses asuntos.
Isso é só uma sugestão Pastor, e não uma obrigação para o Sr.

A Igreja realmente precisa de uma Reforma Musical, e contamos com o Sr.

Que o Deus de Isarel continue lhe ajudando.

Newton Carpintero, pr. e servo disse...

Nosso prezamado pr. Ciro Zibordi,

A paz do Senhor!

Parabéns meu amigo. Creio que muitos estaram verificando através do seu livro as barbaridades cometidas no momento dos chamados "louvores", que são uma afronta ao verdadeiro louvor ao nosso Deus.

Graças a Deus que o seu livro ESTÁ ESGOTADO, conforme anúncio na página da CPAD, e com certeza, muitos já estão verificando um bom caminho para o louvor verdadeiro e outros agradecendo por esta grande oportunidade, através da sua ousadia como atalaia.

Creio que muitos estão neste momento aguardando sua nova edição.

O Senhor seja contigo, nobre pastor, neste momento que a igreja, através de muitos líderes perderam a direção e permitem ajuda do baixo, e não conforme a sua observação: A ajuda deve ser do alto!

O menor de todos. Certamente!

Júnior Rubira disse...

Sou a favor de canções cristocêntricas e de um comportamento pautado nas Escrituras no culto ao Senhor, quanto aos ritmos não vejo mal desde que tudo seja feito com ordem e descentemente.

Olhando para as origens de muitas coisas, e não só ritmos, creio que a igreja deveria sair do mundo para evitar certas questões.

Vejo que o grande problema reside no comportamento e nas letras, não nos ritmos.

Em Cristo,
Júnior Rubira.

Evandro disse...

Olha, depois de lerum texto tão bom quanto o seu, me deparo com isso: http://cristianismohoje.com.br/ch/quem-nao-gosta-de-samba-bom-cristao-nao-e/
é uma pena q nossas revistas evangélicas tenham idéias tão tristes e mal pensadas quanto estas...
Sem mais...
Evandro lemes

obreiromateus disse...

APDSJ CIRO,

Olha me lembro de um texto:

Romanos 12.2 : "E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente...

Estava estudando metalurgia e uma dos processos existentes é a conformação, em que se aplica forçar com uma peça em um pedaço de metal e esse metal adquire a forma da peça, ou seja se conformar é tomar forma, ai esse assunto de reggae, funk, forro, axé pra Jesus são coisas do mundo entrando na igreja concerteza,

Ao invés da igreja mudar o mundo, o mundo está mudando a igreja, infelizmente. Não quero dizer que devamos somente cantar corinhos da harpa Cristã rsrs, seria negar que existem homens e mulheres de Deus usados no louvor hoje, ainda não li o livro Pr. mas assim que tiver a oportunidade irei ler.

Fique na Paz de Jesus, que é o mesmo ontem e hoje, não muda, e não se influencia.

Anônimo disse...

Paz

Bom comentário..
Mas o pastor esqueceu de falar no Sertanejo que é o ritimo de muitas duplas "famosas" no meio evangélico no passado e no contemporâneo.
Esse ritimo também vem do inferno.

Elaine Cândida disse...

Concordo com a Flávia Mara...

Edilson Paulo disse...

Rasqueado e Lambadão, danças tipicas em Cuiabá MT,so espero que não se torne moda no mundo gospel, pois não falta mais nada, daqui alguns dias do jeito que a coisa anda,estaremos ouvindo Padre Zezinho.
Saudações em Cristo
(overbooverbooverbo.blogspot.com)

EDSON JUNIOR. disse...

A paz pastor ciro é uma honra conhecer mais um blog abençoado e que prega a verdade e já estou seguindo e queria ter a honra de telo no meu blog o endereço é www.blogoservofiel.blogspot.com
um abraço , a paz.

Mikael Mota disse...

Pastor Ciro, então qual seria o ritmo apropriado?Pois pelos comentários todos são(Forró,Samba,Sertanejo,Valsa).Então foi Satanás que criou os ritmos, e não Deus?Além, do mais a Bíblia nos fala que Satanás foi criado ao som de tambores.Por isso, tudo que envolve tambor é considerado diabólico?Ou Satanás distorceu,assim como o sexo?Teve um irmão que falou que quando se toca um hino de adoração todos ficam quietos, e quando cantam hinos ou corinhos de fogo todos começam a pular e marchar.Não é verdade que quando nós deixamos o Espírito Santo interagir com nosso espírito acarreta em nós darmos margem as nossas emoções?Logo vem o que chamamos de marchar,pular,rodar e glorificar.O barulho não trás o Espírito Santo, mas é o Espírito Santo que traz o barulho,não foi isso que aconteceu em atos?Peço que me responda,pois sou um crente que sempre acompanhei os mistério de Deus e sempre dei crédito,mas em meio a tantas discussões tem me levado às dúvidas.Pois vejo em muitas igrejas não mais os Dons Espirituais:profecia,cura(não a cura pela fé,mas a cura pelo dom espiritual),operação de maravilhas,variedades de línguas,intrepertação de línguas, e outros.Inclusive o que mais busco o discernimento espiritual.
A PAZ DO NOSSO ÚNICO SENHOR JESUS