sábado, 20 de fevereiro de 2010

Diga “NÃO” à pirataria


O aviso intitulado DIGA “NÃO” À PIRATARIA, que eu havia inserido na parte lateral deste blog, estimulou muitos internautas a me enviarem e-mails perguntando sobre download de livros.

É claro que, no aludido aviso, eu fazia referência aos livros que ainda não estão em domínio público. Para quem não sabe, um livro só é considerado de domínio público depois de um pouco mais de setenta anos da morte do seu autor! Eu disse “um pouco mais de setenta anos” porque, em regra geral, os direitos do autor duram pelas mencionadas sete décadas a partir de 1° de janeiro do ano subsequente ao falecimento do autor. As exceções são para os autores falecidos desconhecidos ou que não deixam sucessores.

O que são direitos autorais?

São os direitos do autor, do criador, do tradutor, do pesquisador, do artista, de controlar o uso que se faz de suas obras. De acordo com a Lei 9.610, de 19 de fevereiro de 1998, o autor tem os direitos morais e patrimoniais sobre a obra que criou. E os artigos 28 e 29 da Lei do Direito Autoral asseveram que: cabe ao autor o direito exclusivo de utilizar, fruir e dispor da obra literária, artística ou científica; e que depende de autorização prévia e expressa dele a utilização da obra, por quaisquer modalidades, dentre elas a reprodução parcial ou integral.

Por que fazer dowload de livros não-autorizados é crime?

A Internet facilita muito a vida dos pecadores! Quem deseja fazer pirataria é simples! Há uma infinidade de sites disponibilizando livros não-autorizados para download. E há muitos irmãos participando desse tipo de pecado com a maior naturalidade. Alguns até me mandam e-mails para me informar que estão lendo livros que “baixaram” da grande rede. E o argumento deles é sempre o mesmo: “Não estou usando para lucro”. Alguns citam até o Código Penal para se justificarem e argumentam que o artigo 184 desse código diz que o crime não está em fazer o dowload, e sim em obter lucro. Outro falacioso argumento é o de que os livros são muito caros...

Consideremos o artigo 184 do Código Penal:

Art. 184 - Violar direitos de autor e os que lhe são conexos:
Pena – detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, ou multa.

§ 1º - Se a violação consistir em reprodução total ou parcial, com intuito de lucro direto ou indireto, por qualquer meio ou processo, de obra intelectual, interpretação, execução ou fonograma, sem autorização expressa do autor, do artista intérprete ou executante, do produtor, conforme o caso, ou de quem os represente:
Pena - reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

§ 2º - Na mesma pena do § 1º incorre quem, com intuito de lucro direto ou indireto, distribui, vende, expõe à venda, aluga, introduz no País, adquire, oculta, tem em depósito, original ou cópia de obra intelectual ou fonograma reproduzido com violação do direito de autor, do direito de artista intérprete ou executante ou do direito do produtor de fonograma, ou, ainda, aluga original ou cópia de obra intelectual ou fonograma, sem a expressa autorização dos titulares dos direitos ou de quem os represente.

Observe que o caput — o enunciado principal do artigo — é claro quanto ao fato de que violar direitos de autor e os que lhe são conexos é um crime cuja pena é a detenção de 3 (três) meses a 1 (um) ano, ou multa. O que vem abaixo não anula o que está no caput. Antes, acrescenta condenação mais severa para quem, além de violar os direitos do autor, fizer isso para obter lucro. Ou seja, um “simples” download já é uma violação dos direitos autorais! Não é preciso vender o produto “baixado” para praticar o crime, como muitos pensam.

Em outras palavras, se a pessoa que viola os direitos (ao fazer o download, que em si já é ilegal), reproduzir total ou parcialmente o material “baixado”, com intuito de lucro direto ou indireto, a pena aumenta para reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

Aliás, quanto à violação dos direitos do autor com a intenção de lucro, desde 1º de julho de 2003 está em vigor a Lei 10.693, que alterou os artigos 184 e 186 do Código Penal. Ela acrescentou parágrafos ao artigo 525 do Código de Processo Penal, elevando a pena mínima para os crimes de violação de direito de autor com intuito de lucro, ainda que indireto, para 2 (dois) anos de reclusão. Segue-se que o crime de violação de direito de autor, com finalidade de comércio passou a ser tratado pela legislação penal com maior rigor. Mas isso não significa que a violação de direito autoral, sem o objetivo de lucro, não seja crime.

Alguns desavisados tomam como base a aludida lei para dizer que upload/download de livros sem a autorização expressa de autor/editora não é crime. Mas a norma do Código Penal em apreço deve ser interpretada à luz da lei que rege os direitos autorais (Lei 9.610/98).

A exegese correta do parágrafo 4º. do artigo 184, do Código Penal (alterado em 2003), diz respeito aos casos em que ocorre a restrição ou a limitação do direito do autor, em conformidade com o artigo 46 (e seus incisos) da aludida lei. Ou seja, não ocorre violação ao direito do autor quando a reprodução é parcial e para uso privado, sem o intuito de lucro. Inclusive, dentro de centros universitários sérios e respeitáveis (como a Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo) não se permite a cópia integral de qualquer obra literária, ainda que seja para uso privado do aluno.


Se as editoras evangélicas tornarem disponíveis as suas obras na Internet, elas e os autores terão muito prejuízo e estarão abrindo mão de um direito que lhes assiste (direito, aliás, COMPRADO). Não é justo e lógico que o autor frua do seu trabalho? É bom que se diga, ainda, que não existe um conluio de todas as editoras, a fim de proibir a disponibilização das obras na Internet. Elas, na verdade, estão protegidas pelo sistema jurídico vigente, que lhes assegura o direito de livre dispor das obras literárias.

Portanto, a tese de que o upload e o download só são crimes quando se obtém lucro é uma falácia. Mas há ainda outros aspectos a considerar, relativos à lei, ao bom senso e, sobretudo, para nós que somos cristãos, aos mandamentos e princípios da Palavra de Deus.

Por que o cristão que se preza não “baixa” livros não-autorizados?

Primeiro: fazer dowload de livro não-autorizado (isto é, que ainda não seja de domínio público) prejudica a editora. Ela pagou pelos direitos autorais e de edição, bem como arcou com todos os custos de produção. Para quem não sabe, a edição de uma obra demanda muito trabalho.

De acordo com Plínio Cabral, em sua esclarecedora obra Revolução Tecnológica e Direito Autoral, (Sagra Luzzatto, pp.100-101), a edição de um livro “vai do plantio da árvore até a industrialização da celulose para transformá-la em papel. Elaboração do texto, editoração, composição, revisão, impressão, armazenagem dos estoques, distribuição, transporte, exposição e venda nas livrarias — tudo isto requer um trabalho fantástico que exige grandes investimentos, cujo retorno possibilita a manutenção ativa e ininterrupta do ciclo produtivo”. É justo que alguém simplesmente “baixe” um livro com a inconvincente desculpa de que ele é muito caro?

Segundo: fazer download de livro não-autorizado prejudica o autor da obra, que tem seus direitos intelectuais impunemente violados e seu trabalho usurpado. Eu, por exemplo, insiro uma grande quantidade de textos gratuitamente neste blog, porque, em contrapartida, tenho recebido pagamentos relativos a direitos autorais. Nesse caso, quando cristãos desavisados “baixam” livros de minha autoria, estão, de certa forma, me roubando! Mas alguns, “cheios de razão”, ainda me escrevem indignados, dizendo que eu deveria disponibilizar livros gratuitamente! Ora, não é digno o obreiro do seu salário?

Terceiro: fazer dowload de livro não-autorizado é uma apropriação indébita. Não há autorização expressa para se fazer isso, nem do autor nem da editora. Em outras palavras, é um tipo de furto. É como se alguém entrasse num supermercado e dissesse consigo: “Vou levar alguns chocolates para o meu uso; não vou comercializá-los; é apenas para consumo próprio”.

Quarto: fazer download de livro não-autorizado lesa o erário, isto é, os cofres públicos. Quando alguém “baixa” um livro, os tributos relativos ao produto não são recolhidos. E o Senhor Jesus afirmou que devemos dar a César o que é de César e a Deus o que é de Deus (Mt 22.21).

Conclusão

“Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento” (Fp 4.8, ARA).

Portanto, diga “não” à pirataria! Isso é crime, pecado contra Deus e contra o seu irmão, no caso de download de livro evangélico! Não “baixe” livros pela Internet sem a autorização expressa da editora e do autor. Fazer isso, mesmo com a desculpa de que os livros são muito caros, além de crime e desrespeito para com o autor (que no caso do salvo é um irmão em Cristo), é pecado contra Deus (1 Co 6.12; 11.23,31).

Em Cristo,

Ciro Sanches Zibordi

117 comentários:

Armando Marcos disse...

Bom artigo, mas no caso, de livros que são de direito público, tipo, a Teologia Sistemática de Charles Finney, que já morreu a mais de 70 anos) ainda assim é ilegal( tipo, mesmo que a editora publique hoje, a obra é de direito publico, não?)
Abraços
Armando

HELIO ALVES DA COSTA disse...

a paz pastor ciro
sem duvida esse asunto ja vem de muito tempo, porem eu nao entendo como fica disponivel para download se o altor nao altoriza, existe muitos livros que temos dificuldades para emcontrar os mesmo,
o pior que segue tambem a pirataria com dvd,cd,

fique na paz
helio costa

Anônimo disse...

Concordo, que a pirataria é errado, não só com download de livros, mas todos os softs em geral. Se é errado a cópia não autorizada, o preço abusivo também é! Mas, ninguém se levanta para corrigir tais abusos. Por nos paíse desenvolvidos a pirataria é quase zero? Salários justos e preços acessíveis! O preço dos produtos, a carga tributária e os salários, bem longe daquile que seria justo! Se Deus não se agrada da pirataria (acredito que sim), Deus também não se agrada do abusos e tributos exorbitantes. É muito fácil criticar quando se está por cima, mas a realidade do brasileiro é bem outra. Aliás, se fôssemos utilizar um só peso e uma só medida, só deveriam utilizar computador, bem como navegador para acessar os sites e blogs quem tivesse Windows Original e todos os programas instalados também originais. Mas, ninguém fala sobre isso... Quem não tem softs originais também não deveria navegar nem visitar blogs - Isso ninguém fala - dois pesos e duas medidas...

Obrigado!

Ciro Sanches Zibordi disse...

Anônimo,

Um abismo chama outro abismo. E os enganadores irão de mal a pior. Um erro não pode justificar outro erro. Se eu escrevi este artigo é porque tenho pago um alto preço para andar segundo a lei. Na minha casa não entra CD nem DVD pirata. No meu computador não há softwares piratas. Eu não "baixo" softwares ilegais.

Outrossim, "não estou por cima". Vivo modestamente, com dificuldades, como muitos brasileiros, mas nem por isso adquiro produtos piratas ou "baixo" livros pela Internet.

Medite em Mateus 23.

Em Cristo,

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Hélio Alves da Costa,

O processo todo é pecaminoso e ilegal, pois a pessoa que insere livros na Internet disponibilizando-os para download já faz isso de forma ilegal, sem a autorização do autor. É como se fosse o "traficante", e os que os "baixam" comportam-se como "usuários". Isso é um pecado gravíssimo diante de Deus.

A dificuldade para encontrar livros não é uma justificativa para pecar. Há vários irmãos que já leram livros meus "baixando-os" pela Internet, os quais podem ser adquiridos facilmente pela própria Internet, mas eles (que, na grande maioria, não são miseráveis, pois possuem computador em casa e pagam por uma banda larga), se quisessem, poderiam receber o livro em casa. Isso é relaxamento com a vida espiritual mesmo!

Meditemos em 1 Timóteo 4.16, a fim de que tenhamos cuidado com a nossa vida e com a doutrina, de modo perseverante.

Em Cristo,

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Armando Marcos,

As editoras podem publicar obras que são de direito público. Mas o fato de elas as publicarem não as torna donas de tais obras. Isso ocorre porque muita gente ainda prefere ter o livro impresso por uma editora, novo, em sua biblioteca.

Segue-se que "baixar" esses livros antigos não é pecado nem ilegal, haja vista serem de domínio público. Aliás, o próprio Governo disponibiliza livros de domínio público para download.

Em Cristo,

CSZ

ADRIANO JOSÉ URSULINO ISIDRO, 28 ANOS disse...

A Paz do Senhor Jesus Pastor Ciro.

Eu gostei dessa sua postagem, pois precisamos de orientação.
Temos que respeitar as Leis.
Sei também que a Lei de Direito Autoral é boa e benefica.
Queria que o Pastor me tirasse uma dúvida.
Moro em João Pessoa-PB, no Bairro São José, onde os irmãos são simples e humildes, que ralam duro pelo pão de cada dia.
Muitos não tem dinheiro nem para comprar um botijão de gás, ou seja, a vida aqui não é fácil.
E neste trimestre nós da Escola Dominical tiramos algumas cópias das lições e demos a estes irmãos.
E também a minha esposa é professora das crianças, e são muitas crianças filhas de pais pobres que não podem comprar a lição, e sempre tiro algumas cópias de algumas páginas para minha esposa entregar as crianças nas aulas.
(Não estou dizendo que isso é comum e tem que ser feito por todos de modo natural) mas nesse caso será que nós ferimos a Lei de Direito Autoral da CPAD?

Se o Pastor puder responder serei grato.

A Paz do Senhor Jesus seja com todos.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Querido irmão Adriano Ursolino,

Imagino, pelo seu relato, como tem sido difícil para os irmãos... Mas, entre as pessoas que militam na área do Direito, usa-se a seguinte frase: "Dura lex sed lex" (A lei dura, mas é a lei).

Eu não ignoro que muitos irmãos, no Brasil e no mundo, não tenham condições financeiras para adquirir livros e revistas para a Escola Dominical. Porém, como já respondi ao anônimo acima, um erro é a justificativa para cometermos outros erros.

A pessoa que entra em um supermercado e rouba comida, por exemplo, não está cometendo um crime, em razão de fazer isso por uma necessidade? É claro que está! O juiz pode até atenuar a sua pena, considerando as circunstâncias, mas jamais ignorará que o ato de roubar é um crime sempre, ainda que seja por uma boa causa: a própria sobrevivência.

Diante do exposto, respeito as dificuldades que o irmão e os crentes de sua igreja estão enfrentando. E vou orar para Deus lhes dar uma solução que não seja contrária às leis estabelecidas.

Mas reitero: tirar cópias de livros ou revistas, em sua totalidade, e distribuí-los entre os irmãos é crime. Desculpe-me por falar desse modo, mas "Dura lex sed lex". Como cristãos, não podemos andar à margem da lei. Medite em Romanos 13.

Em Cristo,

CSZ

Saulo Vale disse...

Ótima postagem. Mas quando vai responder minha pergunta sobre "os sonhos de Deus"? rsrs

Ciro Sanches Zibordi disse...

Querido irmão Saulo,

Eu também lhe faço uma pergunta: Aonde o irmão quer chegar com a ideia de que Deus sonha?

Não há dúvidas de que uma das significações usuais e comuns do verbo "sonhar" é "desejar", "querer". E Deus quer que todos os homens se salvem (1 Tm 2.4), como o irmão citou. Mas, por que eu passaria a pregar que o sonho de Deus é que todos se salvem?

Por que precisamos dizer que Deus sonha? O irmão não acha que isso confunde muita gente, que já está se deixando levar pelo humaninismo, pelo antropocentrismo? Ora, os pensamentos de Deus são mais altos do que os nossos! Não podemos ver Deus sob a ótica humanista. Deus é o Todo-Poderoso! Ele não pensa como pensamos; não deseja como desejamos...

Eu, particularmente, diante do exposto, não gosto de dizer que Deus sonha. Aliás, uma famosa composição, intitulada "Os sonhos de Deus", é, na verdade, uma grande defesa do antropocentrismo, dos conceitos da autoajuda. É isso que se dissemina por aí, com a ideia de que Deus sonha...

Um grande abraço!

CSZ

HELIO ALVES DA COSTA disse...

mais uma ves apaz pastor ciro
quero explicar, que no meu comentario anterior nao falei que a minha pessoa baixava ou diquiria produtos pirata, apenas falei que ha uma dificuldade em encontrar alguns livros historico mais antigo, nao sei qual foi a vissao no nobre pastor e irmao na fé, sobre o meu comentario em seu respectivo blog,

posso estar emganado mais o irmao semtre tem se voltado aminha pessoa de uma forma sempre corrigindo,
adimiro o pastor pelos seus comentarios sempre com base biblica,isso e muito importante.

porem se o irmao se sentir mais comfortado, nao mais comentarei no blog do irmao.

em cristo
helio costa

Saulo Vale disse...

Obrigado pelo esclarecimento, Pr. Ciro.
Deus te abençoe.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Querido irmão Saulo,

Que Deus o abençoe! E não me tenha mal pela franqueza e pela maneira direta como lhe escrevi. O que eu quis dizer é que essa ideia de "sonhos de Deus" nasceu atrelada com os conceitos do antropocentrismo, que pouco a pouco foram se infiltrando em nosso meio.

A paz do Senhor!

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro irmão Hélio Alves da Costa,

A paz do Senhor!

A sua pessoa é muito sensível e não entendeu o que a minha pessoa de fato escreveu. Onde a minha pessoa sugeriu que a sua pessoa "baixa" ou adquire produtos piratas?

Tudo o que a minha pessoa asseverou foi em tese, e não de maneira acusadora. Leia de novo, devagar, e a sua pessoa entenderá que a minha pessoa não afirmou o que a sua pessoa disse que a minha pessoa declarou! Ufa!

Acho que a sua pessoa está sim enganada quando afirma que a minha pessoa sempre escreve para corrigir a sua pessoa!

Enfim, desculpe-me da brincadeira, mas a sua pessoa é muito bem-vinda neste espaço!

CSZ

Anônimo disse...

Download de livro nao é pecado!

A internet é livre, quando eu compro um livro seu eu estou comprando o capa, as folhas, o papel, o plástico e até a embalagem pq eu estou pagando por ele e ele é meu.

Então seu quiser copiar e compartilha com amigos aquele livro eu posso sim ele é meu e eu paguei, seu quiser colocar ele público também posso eu comprei ele e paguei pela cópia pelo numero de serie dele.

O livro é meu eu posso rasgá-lo e até revender ele por um alto preço ele é meu. Assim sendo se eu quiser copiar ele em pdf ou em word e botar para download em sites na internet eu posso sim.

E isso não é pecado, se nao quer copie seus livros e façam download em pleno sec 21 em pela revolução da internet q é livre. Vc devera criar meios

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro anônimo,

Gostaria que o senhor provasse que a sua argumentação está correta nos termos da lei e de acordo com a Palavra de Deus. E admitisse as suas práticas em público, usando o seu nome, e não mediante anonimato. Aliás, isso em si já indica que o senhor tem a consciência de que está errado. Por que não quer que as pessoas o conheçam?

Download é pecado, sim! Pois é uma apropriação indébita, indevida! Ninguém tem autorização para fazer o que quiser com uma obra. Existem leis que regem isso. Já ouviu falar delas? No texto acima há algumas informações que não podem ser ignoradas, principalmente pelo povo de Deus. E o cristão que se preza não vive à margem da lei (Rm 13).

A internet é livre? Em parte. Os pedófilos que o digam! E os criminosos também...

Quando você compra um livro meu (Você compra?) não está comprando a capa, as folhas, o papel, o plástico, etc., como afirmou, e sim as minhas ideias, o meu árduo trabalho, que são de minha propriedade. O irmão sabe mesmo o que são direitos autorais? Leia de novo a definição acima, por gentileza.

As minhas ideias são minhas; eu tenho direito sobre elas, e não você. Se você as compartilha por aí sem a minha permissão, está pecando contra mim e contra Deus, sobretudo, além de estar cometendo um crime previsto no artigo 184 do Código Penal. Um cristão que se preza desrespeita a lei?

Se você quiser copiar e partilhar com amigos qualquer livro, é lícito. Mas NÃO CONVÉM (1 Co 6.12). É pecado! Se você quiser ir para o Inferno, também é lícito. Mas NÃO CONVÉM! Por isso, é melhor agradar a Deus e andar segundo a sua Palavra.

Se o irmão quiser rasgar um livro que comprou com o seu dinheiro, isso é um direito que lhe assiste; não fere os direitos do autor. Mas não faça isso em público e verberando contra o autor, pois ele poderá se sentir ofendido e processá-lo.

Finalmente, se o irmão quiser continuar pecando, enganando e sendo enganado, ao fazer upload e download de livros não-autorizados, vá em frente em sua ignorância. Mas lembre-se de que Deus nos dá oportunidades de nos arrependermos de nossos pecados e sermos fiéis a Ele, em tudo.

CSZ

Blog do Rubens disse...

A paz do Senhor Jesus Cristo pastor Ciro.
Confesso que já baixei livros pela internet, inclusive um de sua autoria, antes de conhece-lo é claro, contudo o Senhor colocou no meu coração que aquilo não estava certo, e não final das contas acabei não lendo muitos livros que baixei e deixei de faze-lo, ou seja, hoje em dia prefiro ficar sem ler e juntar um dinheiro para comprar legalmente os livros assim não fico com a consciência pesada e faço segundo os dítames da lei e segundo a vontade de um Deus santo, peço perdão ao irmão Ciro por ter baixado mais erros que os pregadores devem evitar (apesar de não ter lido). E reitero, é preferível ficar sem ler por um tempo e juntar o dinheiro necessário do que baixar e não extrair do livro os ensinamentos necessários devido a culpa e ilegalidade.

Sammis Reachers disse...

Não é necessário um autor morrer e passarem-se os 70, ou 700, ou 7.000 anos (conforme a ganância de cada um, e/ou de cada sistema), para um livro cair em Domínio Público. Um autor vivo pode livremente fazer isso com sua obra. E muitos o fazem. Dois livros de poesia que escrevi estão em domínio público - e existe ainda o Creative Commons, a licença que assegura a livre circulação de informações para fins não-comerciais.

São muitos os autores que disponibilizam seus materiais livremente - e sempre penso, se cada editora fizesse o mesmo com parte de seu catálogo...
Colaboro com uma Biblioteca Virtual que possui centenas de itens - todos liberados por seus autores. Sou excessão, é claro, mas não acuso os irmãos.
A lei é dura, e vai de encontro contra tudo que a chamada revolução da informação (tsunami irreversível) advoga? As leis podem ser mudadas, 'não vos conformeis com este século...'


Não apóio a pirataria como ela é praticada, mas ao contrário, me esforço por incutir a nova mentalidade sobre a livre circulação de informações entre os irmãos, leitores e autores.

O sistema editorial presente rui a olhos vistos - é se adaptar ou morrer. A lição do mercado fonográfico está aí. Com o barateamento que a proliferação dos livros em formato digital ( e seus e-readers) trará para os produtos editoriais, a pirataria diminuirá por si só. Mas ainda estamos no meio da revolução, no período crítico das definições - e os choques de opinião e interesses são inevitáveis, consequência - e matriz - da própria revolução em andamento.

Por exemplo, eu considero uma editora possuir 500 livros em seu catálogo e não oferecer nenhum de graça(eletronicamente não há CUSTO ALGUM para fazerem isso), um pecado gravíssimo, daqueles que de tão grandes se cometem sem sequer perceber, de rachar o próprio conceito de Cristianismo como o entendo. Quantos não pensam assim? Roubar é pecado (sutil empresa o roubar idéias!, mas dura lex...), omitir-se ao não levar em conta a causa do pobre, também - e a ganância então, nem se fala.
Qual é o limite entre 'o obreiro é digno de seu salário' e o '(fugi das)Contendas de homens corruptos de entendimento, e privados da verdade, cuidando que a piedade seja causa de ganho'?
O pecado é sempre maior do que parece, mais amplo, disseminado, sem quem lhe escape à prática. Mas lutar é nosso dever. Reconhecendo-o em nós mesmos, e depois no outro.

Mas a questão é muito complexa, e gera debates entre a nata da intelectualidade mundial, passando por mesas de bares e províncias. O próprio futuro do que se entende por cultura está envolvido aqui. Aconselho aos interessados no tema a leitura de textos de Lawrence Lessig - um livro dele foi disponibilizado pelo próprio em várias línguas, inclusive a nossa. Ao Google, cavalheiros!

Graça e paz!

Ciro Sanches Zibordi disse...

Irmão Sammis Reachers,

Agradeço-lhe pela contribuição. Se o irmão puder ser um pouco mais sucinto, na próxima vez, haja vista tratar-se de um escritor (acompanho o seu trabalho) e ter facilidade para escrever de maneira concisa, me ajudaria. Afinal, se eu fosse responder ao seu comentário, ponto por ponto, teria de escrever uma outra postagem.

Concordo com o irmão, em parte. O autor, de própria vontade, pode sim tornar uma obra sua de domínio público. Mas isso é uma exceção à regra e não depõe contra a legislação vigente sobre os direitos autorais.

Eu também disponibilizo, neste blog, centenas de artigos, os quais são, por minha própria vontade, de domônio público. Não cobro nada por eles. Mas isso não invalida tudo o que está sendo tratado aqui, sobre o CRIME e o PECADO de se fazer upload e download de livros não-autorizados, não é mesmo?

Eu conheço bem o processo que envolve a produção de livros no Brasil, e sei que não existe exploração por parte da maioria das editoras. Pelo contrário, muitas estão tendo prejuízos, em grande parte por causa dessa mentalidade errônea de que elas são as vilãs, as exploradoras, e que, por isso mesmo, quem "baixa" livros não está tão errado como se pensa...

Que Deus nos ajude a não andarmos à margem da lei, mas em honestidade, sempre.

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Querido irmão Rubens,

Está perdoado! E tenha a certeza de que o Senhor vai abençoar grandemente o irmão por essa nobre e louvável atitude.

O Espírito Santo nos faz lembrar daquilo que lemos. Mas Ele não ajuda os enganadores, que vão de mal a pior, enganando e sendo enganados.

É melhor saber pouco, mas apreder certo, e com a ajuda indispensável do Espírito Santo, dada àqueles que obedecem a Deus (At 5.32). Quem lê muito, mas obras "baixadas" irregularmente da Internet, à margem da lei, adquire conhecimento, mas sem a bênção de Deus (Rm 13; Mt 22.21; cap.23).

Parabéns pela sua sábia escolha!

CSZ

Newton Carpintero, pr. e servo disse...

Nosso prezamado pr. Ciro Zibordi,

A paz do Senhor!

P.A.R.A.B.É.N.S! Excelente matéria, que dignifica o crente escrupuloso e TEMENTE a DEUS, em sua vida.

É ERRADO a utilização deste meio de roubo, furto ou seja lá o que for.

O C.R.E.N.T.E de verdade, não pode de maneira nehuma usufruie deste recurso LADRÃO, para o seu próprio benefício e perda de outrem.

Devemos informar em ALTA voz, que É ERRADO esta primícia, encontrada no meio do povo de DEUS: A cópia fraudada!

Precisamos ser mais concisos, e menos liberais, em nossas afirmações, para que temam e entendam a responsabilidade na vida do CRENTE, e assim, deixem de ser apenas crentes.

Mais uma vez: Parabéns poor esta matéria que evitará que muitos pequem facilmente e sejam iscas do diabo por apenas poucos reais.

O Senhor seja contigo!

O menor de todos.

Sammis Reachers disse...

Amém Pr. Ciro, realmente é preciso bom senso. Como dito, a questão é complexa, e envolve um volume de forças e questões paralelas poucas vezes visto na história da cultura humana.

Creio que um meio-termo é a melhor opção, compartilhando o que for possível, e cobrando um preço justo pelo mais (conforme o senhor tem feito em parte com seu blog), enquanto a definição da questão não se apresenta - que creio se dará com a proliferação dos e-readers, fundamental para o 'deslanchar' dos e-books entre todo tipo de público.

Deus lhe abençoe meu amado irmão.
Não participo ainda mais dos debates, seja aqui ou em outros espaços, por falta de tempo. Mas estou sempre acompanhando seu blog.

Um abraço do Sammis

Ciro Sanches Zibordi disse...

Amado pastor Newton Carpitero,

A paz do Senhor!

A participação do irmão, que conhece bem os processos ligados à produção de livros, muito contribui para o esclarecimento de vários pontos ligados aos direitos autorais.

Grato pelas palavras, meu amigo.

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Amém, irmão Sammis!

Agradeço-lhe pela participação neste fórum, a qual muito o enobrece.

Em tempo: num dia desses, ao escrever o prefácio do livro "Manual do Círculo de Oração" (CPAD), da escritora, acadêmica e poetisa Eliude Marques, fiz menção de um dos textos do irmão, disponíveis em seu ótimo blog.

A paz do Senhor!

CSZ

JGF disse...

Será que o texto postado reúne argumentos suficientemente válidos, ou aceitáveis?

Toda lei, regimento, parágrafo etc, que está na constituição brasileira é válida para o cristão?

Quanto custa para que o produto seja produzido e reproduzido "legalmente"? Existem lucros?

Que diferença existe entre o livro do escritor, o DVD do pregador, o CD do cantor, etc?

É lícito "abençoar" adquirindo o produto de tais indivíduos? Se é lícito, porque as epístolas não eram vendidas nas igrejas que passavam?

Que obreiro está em perspectiva quando é dito que o tal "...é digno de seu salário"?

Com relação a este "post", apoio em partes, e discordo em outras tantas, principalmente quando se "biblifica" com o intuito de fortalecer a convicção pessoal.

Infelizmente o tempo é curto e o espaço pouco, para debater este conflitante pensamento.

Se é para usar Bíblia, o que dizer de Mt 10.8? "...vocês receberam de graças; dêem de graça também!"
Ou isso se refere só aos "milagreiros"?

Se no final, as infindas discussões resumirem-se em que: é mesmo conveniente pagar! Pois bem, paguemos! Mas não façamos das questões humanas um mandameno divino!

jonatan disse...

Amado Pastor Ciro, a Paz do Senhor.
É absolutamente de incontestável relevância este artigo primoroso; ele esclareceu minhas dúvidas de forma bastante objetiva. Agora, não apenas deixarei de baixar livros evangélicos (ou não) pela internet como também tratarei de deletar todos aqueles que já "adquiri" fazendo downloads.
Só gostaria de saber se essas informações podem ou devem ser também aplicadas no caso de CD's e DVD's baixados na net.
Um grande abraço.
Sou um grande admirador seu e gostaria de ter a oportunidade de conhecê-lo pessoalmente.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Jonatan,

A paz do Senhor!

Parabéns pela sábia decisão. Eu me referi a livros, mas a legislação sobre direitos do autor se estende a CDs e DVDs.

Em Cristo,

CSZ

Sammis Reachers disse...

Obrigado Pr.Ciro, pela honra. A irmã Eliúde é uma grande poetisa e dedicada serva do Senhor, e muito me honra também conhecê-la.

A propósito que falamos de poesia e mesmo livros, estou organizando uma Antologia de Poesia Missionária, que será por sinal um livro eletrônico de circulação livre não-comercial, para edificar os irmãos e auxiliar o trabalho de nossos aguerridos promotores de Missões por esse Brasil. Caso o senhor ou algum dos leitores queira contribuir com poemas para a obra, pode encontrar maiores informações aqui: http://poesiaevanglica.blogspot.com/2010/02/antologia-de-poesia-missionaria.html

Deus lhe abençoe meu irmão.

Um abraço fraterno do Sammis

Ciro Sanches Zibordi disse...

Amém, irmão Sammis!

Vou pensar em como posso contribuir para essa excelente iniciativa.

Em Cristo,

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Amados irmãos:

Será que devemos dar crédito a quem assina apenas como JGF, não tendo a coragem de se expor?

Será que a citação das leis e dos textos bíblicos acima, no presente artigo, não são suficientes para quem deseja enganar e ser enganado, andando à margem da lei?

Será que o cristão deve se revoltar contra as leis vigentes, a fim de andar segundo os seus próprios pensamentos?

Será que as autoridades não foram constituídas por Deus?

Será que o anônimo JGF sabe que este escritor conhece os custos de produção editorial e escreveu o presente artigo com conhecimento de causa?

Será que as perguntas desse anônimo visam a despertar o crente para andar segundo a Palavra de Deus, ou é uma tentativa de desviá-lo da verdade, mediante subterfúgios abomináveis, como o seu próprio anonimato?

Será que Paulo escreveria milhares de cópias à mão de suas epístolas e as distribuiria gratuitamente?

Será que esse anônimo não pensa nas pessoas que trabalham nas editoras? Não pensa ele nos autores que vivem de escrever? Quer ele que esses profissionais evangélicos fiquem desempregados ou trabalhem de graça?

Será que o termo "obreiro" não se aplica a todos os que militam na obra do Senhor, principalmente àqueles que atuam no ministério da Palavra?

Não devem os criativos profissionais da área editorial receber os seus pagamentos só porque são evangélicos?

Será que o anônimo em questão é quem eu estou pensando que é?

CSZ (esta sigla tem nome e sobrenome: Ciro Sanches Zibordi)

Newton Carpintero, pr. e servo disse...

Nosso prezamado pr. Ciro Zibordi,

A paz do Senhor!

Não poderia deixar passar em branco o que senti, ao ler o comentário do irmão Rubens.

Amado irmão Rubens, senti muita alegria e a presença do Espírito Santo de Deus, sobre a minha vida, sem falar a grande emoção que me envolveu, ao ler o que escreveu o seu coração, com sinceridade e um espírito convertido, bem como, com a responsabilidade de um verdadeiro CRISTÃO.

O Senhor seja contigo, nobre irmão Rubens e com o amado pastor Ciro Zibordi, que em seus ensinamentos, provcam e aborrecem aos que estão cegos e desprovidos do Espírito Santo de Deus.

Maranata!

O menor de todos.

Armando Marcos disse...

Bem, voltando ao tema, no caso de livros de dominio Publico, isso vale até emsmo para traduções? tipo, eu tenho online os comentários do evangelho do Bispo J.C.Ryle, anglicano, escritos em 1857. O Bispo morreu em 1900. hoje em dia, a editora fiel( uma editora calvinista, no caso) disponibiliza a obra, sim, mas não em inglês, e sim em português, pois é uma tradução! ainda assim, essa obra é de dominio publico?

e , ainda pondo um pouco de discussão, estava lendo a lei , no Código penal, pela nova redação, de 2003, ela diz " § 4o O disposto nos §§ 1o, 2o e 3o não se aplica quando se tratar de exceção ou limitação ao direito de autor ou os que lhe são conexos, em conformidade com o previsto na Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998, nem a cópia de obra intelectual ou fonograma, em um só exemplar, para uso privado do copista, sem intuito de lucro direto ou indireto." (NR)"

isso não limita que uma obra inteira seja copiada, para uso pessoal( alias, a lei restringe a copia com mmotivo de lucro, pela imput 1)

abraços
Armando

Tiago Rosas disse...

PARTE 01
Ilustre Pr. Ciro Zibordi,
Graça e paz de Cristo Jesus!
Bem, devo admitir-lhe que tenho muitas dúvidas quanto a PIRATARARIA ser pecado. Considerando que pecado é tudo aquilo que nos afasta de Deus e nos aproxima do Diabo, e que todos os que vivem na prática do pecado (independente de sua gravidade) serão lançados no inferno, então precisamos concordar que crentes que vivem na prática da pirataria, seja ela da literatura escrita ou em mídia, então logo tais crentes estão mais próximos do diabo do que de Deus, correndo o sério risco de irem pro inferno. Certo?
Ok. Agora admitamos que, se é para falar de pirataria, devemos falar de todo tipo de pirataria, não? Porque se piratear livros é pecado (além de crime), então piratear CDs e DVDs também é pecado! Nesse caso, falando de pirataria de mídia ser pecado, reflitamos: qual é o crente de baixa renda (e muitos de alta renda também) que não possuem em sua casa pelo menos um CDzinho pirata da irmã Lauriete, da irmã Shirley Carvalhaes, da irmã Cassiane?... isso para não citar os cantores mais modernos (e que me desculpe se fui indelicado em citar esses nomes). Se o salário que já é pouco mal dá para um homem arcar com suas responsabilidades (dízimo, água, luz, feira, roupa, escola...) que dirá de comprar um CD de 15,00, 20,00 reais? Ou mesmo um DVD de 35,00 reais? Bem, numa coisa precisamos concordar: dizer que pirataria é crime e pecado é privar nossos irmãos mais pobres de terem acesso legal (e santo!) a esse tipo de mídia. Ou não? Ou será que deveríamos dizer: “irmão, trabalhe, economize, pra assim você poder comprar um CD evangélico por mês! E esquece essa história de DVD, pois a não ser que você ganhe um original de presente, você estará pecando (e caminhando para o inferno) se adquirir um pirata”. Admitamos: CDs e DVDs originais ainda não estão a preços acessíveis para as massas. E se julgarmos que a maioria cristã é composta por crentes humildes, hã....
Mas a coisa torna-se ainda mais crítica quando indagamos: qual é o conjunto/banda/grupo musical de qualquer igreja evangélica desse país que ensaia e canta nos cultos com CDs originais? Esses chamados “CDs de Seleção de Hinos” também são pirataria, não? Sinceramente, estou na igreja há mais de 10 anos, e já congreguei em várias igrejas e ainda estou pra ver uma regente de conjunto que venha ensaiar com CD original. É tudo pirata mesmo, irmão! E aí, o que dizer para nossas regentes: “adquiram CDs originais, irmãs, ou irão todas pro inferno junto com seus conjuntos!” — afinal, pirataria é pecado e pecado conduz à perdição eterna. Não é tão simples falar de pirataria não. Não é mesmo... São muitos interesses envolvidos... E a lei, ah, convenhamos ela não rege a salvação de nossa alma. Pois se nos apoiarmos na lei para sacralizar ou mundanizar qualquer coisa, teremos que concordar que casamento gay nos países onde a lei isso permite, não é pecado. Ops! Acho que exagerei, não foi? Mas é um raciocínio lógico: se a lei diz NÃO PODE e isso é pecado, logo, se a lei diz PODE, isso deixa de ser pecado, certo? Não podemos ter dois pesos e duas medidas. Bem, então esqueçamos por um momento a lei e fiquemos com a Bíblia tão somente. Aliás, que será que a Bíblia quer dizer com: “Ai dos que decretam leis injustas, e dos escrivães que prescrevem opressão, para desviarem os pobres do seu direito, e para arrebatarem o direito dos aflitos do meu povo; para despojarem as viúvas e roubarem os órfãos!” (Is 10.1) Ah! Acho que isso não tem nada a ver com a temática. Então esquece.
(CONTINUA...)

Tiago Rosas disse...

[PARTE 02]
Mas retornando a pirataria de livro, fico seriamente preocupado com isso: sou estudante universitário do curso de Letras, e como todos devem saber precisamos muito adquirir livros ou fazer cópias deles. Interessante que a maioria dos livros dos quais eu (e todos! em absoluto), estudante universitário, copio, tem lá a informação: “proibida a cópia parcial ou integral dessa obra sem a devida autorização do autor... sob pena de lei... etc. etc.”. Aí eu me pergunto: se é proibida a cópia desse livro (que é caríssimo, ou já nem existem cópias originais), então todos os estudantes estão praticando um crime? Um pecado? Pois o autor afirmou que é proibida a cópia, e acho que ele não abriu exceções para universitários, certo? Agora digam-me: qual o estudante universitário que fez sua graduação, seu mestrado, seu doutorado e pós, e nunca fez cópia de uma obra? Qual? Pronuncie-se! Estão todos em pecado? Se Jesus vier agora, os tais que guardam em suas pastas CDs, DVDs, roupas, calçados e livros pirateados irão para o inferno? Falar de pirataria não é tão simples.
Mas entendo a preocupação dos artistas e dos escritores, afinal é algo que lhes diz respeito diretamente. Quem gosta de perder R$? Ninguém! Nem eu! Mas me questiono acerca da adequação dessas leis humanas, e da pirataria ser ou não ser pecado. Mas quando a coisa meche no nosso bolso, aí o bicho pega!
E o que dizer da pirataria de softwares? Acho que dá pra se contar nos dedos os crentes que tem um Windows original instalado em seu computador! A maioria é pirata, irmão! E eles sabem disso; quem tem um computador em casa sabe se seus softwares são ou não são piratas! E se não sabe, tem como saber. Basta querer. Mas, por via das dúvidas, é melhor nem saber, né irmão? Vai que você esteja cheio de pecado aí no seu PC. Programas comuns como Windows Media Player, Nero, Photoshop, Corel Draw... Quem aqui já pagou 100, 200, 300 reais por um troço desses?! Ah! Mas é fácil chegar aqui e dizer: “é, pastor Ciro, concordo com o senhor, é pecado mesmo”. Bando de hipócritas! Desinstalem tudo! Adquiram os originais! Aí venham aqui e deem uma opinião mais coerentes com suas práticas de vida!
E você que fica aí se exibindo com seu tênis pirata no pé? Dizendo pros colegas que é original, mas que foi comprado numa feirinha qualquer?! Hipócrita! Pirataria prejudica o comércio legal, e é pecado! (pelo menos é isso que se diz num coro uníssono).
Na verdade, eu não quero aqui expor o que acho. Se a Bíblia diz que é pecado, então independente da quantidade de pessoas e igrejas que cometem um pecado, ele sempre será pecado! Mas deixo aqui as indagações acima, que ao meu ver são sempre esquecidas quando o assunto é pirataria.
Eu quero ser santo, mas quero que isso seja autêntico! Não quero que minha santidade seja influenciada por interesses capitalistas, mas pela Bíblia tão somente, impetrada em meu coração pela divina ação do Espirito Santo!

Robson Silva de Sousa disse...

Prezado Pr. Ciro,

Parabéns pelo brilhante esclarecimento. Se bem me lembro tratei desse tema também em meu outro blog (É Legal Ser Crente). Infelizmente, alguns crentes menos avisados (e alguns de má fé) ainda não se deram conta disso (como o anônimo acima)...

O argumento do preço é uma falácia descabida... Eu não tenho um Toyota Corolla porque é caro para os meu padrões; também não tenho um Volks Wagen (carro do povo) Passat; aliás eu nem carro tenho... Que devo fazer, furtar um que esteja dando “sopa ali na esquina”? Ou comprar um em liquidação da "feira do rolo"? É claro que não! O jeito é enfrentar “busão” todo dia a R$2,70 (tarifa de SP) e vez em quando pegar uma corona com os amigos...

Ora, para aqueles que têm desejo ou necessidade de possuir uma boa biblioteca, quero lembrar que livros foram feitos para serem lidos e não para decorar estantes (ainda que seja vistoso ter um bom acervo particular)... Logo, ficam aqui algumas dicas de um blogueiro AMANTE DA LEITURA:

1. Não se deixe impressionar pela capa, pelo título ou pelo volume da obra. O real valor de um livro está no conteúdo de suas páginas. Há pequenas cartilhas que são mais preciosas que grandes tomos;

2. Não seja um consumista inveterado. Dê valor ao seu dinheiro: pechinche sempre, compare preços, aproveite ofertas. Nem sempre precisamos ler imediatamente aquilo que adquirimos, então vale à pena entesourar algumas obras para os anos de “vacas magras”. Eu mesmo já comprei boas obras ao preço de R$1,00 em liquidações relâmpago;

3. Não seja tímido: quando necessário peça um livro emprestado àqueles que os possuem. Mas seja responsável e neste caso limite-se a um por vez. O próximo só virá com a devolução do anterior em perfeito estado, do contrário será uma vez e nunca mais;

4. Visite sempre um sebo (loja de livros usados) em sua cidade para dar uma garimpada em boas obras a preços bem acessíveis. Nessas lojas também é possível fazer a troca de obras indesejadas por outras de seu interesse. Mas seja objetivo para não levar tudo o que é porcaria para casa. Lembre-se que muitos utilizam os sebos como depósitos de lixo literário;

5. Faça seu cadastro nos sites das principais editoras, livrarias e casas publicadoras para receber e-mails promocionais e releases das novidades do mercado editorial. E não deixe de participar dos concursos promovidos por essas editoras. Afinal, quem não arrisca não petisca;

6. Sempre que possível visite as “expos” e “bienais do livro”. Além do contato direto com as obras, você terá a oportunidade de conhecer e compartilhar de um ambiente frequentado por literatos, escritores e amantes do livro em geral. Em São Paulo a próxima Bienal Internacional do Livro se dará de 12 a 22 de agosto;

7. Seja generoso: presenteie os amigos e familiares com livros, assim eles saberão que este também é o teu desejo e a recíproca será verdadeira. Sou testemunha viva disso;

8. Se em sua igreja tiver espaço e pessoas interessadas, monte uma biblioteca comunitária, a fim de que todos possam ler o maior número de obras possíveis a um custo mínimo;

9. Visite, sempre que possível, uma biblioteca – ainda que virtual. Como já dito neste artigo, há alguns milhares de obras já caíram no domínio público e estão disponíveis para download;

10. Por fim, aproveite também os e-books disponíveis gratuitamente na internet. Mas atenção, só baixe e-books cujo download tenha sido verdadeiramente disponibilizado pelo autor.

Acho que essas dez dicas já são suficientes para que o leitor possa melhorar seu posicionamento com relação ao tema.

Abraços,

Ainda não tenho Ciro Zibordi em meu acervo, mas isso vai mudar, logo logo...

Do amigo,

Robson Silva
Prossigo para o Alvo... Fp 3:14

Jonatan Pereira da Silva disse...

Amado Pastor Ciro, mais uma vez a Paz do Senhor.
Gostaria apenas de tirar mais uma dúvida, se possível, a respeito do assunto em questão.
Constitui-se pecado o fato de eu pegar uns CDs numa locadora e fazer cópia deles quer completos ou apenas de certas músicas?
Pois isso acontece muito aqui na Igreja onde congrego, onde os órgãos fazem o que chamam de "seleção de hinos" (geralmente de vários cantores e, na maioria das vezes, blay back) para ensaiar e cantar nos cultos.

Desde já grato,
Jonatan Silva

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Armando Marcos,

Grato pelo interesse em discutir sobre esse importante tema de acordo com a lei vigente no Brasil. Mas para discorrer sobre leis não é uma tarefa fácil. Por isso, peço-lhe que reescreva a sua argumentação, de modo claro, pois da forma como irmão escreveu fica muito difícil de entender o que o irmão quis dizer. O texto seu está truncado.

Quanto ao fato de a Editora Fiel disponibilizar obras antigas, das duas uma: ou ela detém os direitos ou as obras são de domínio público.

Em Cristo,

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Irmão Jonatan,

O que eu escrevi sobre livros, no presente artigo, se aplica aos CDs e DVDs. Destarte, respondendo à sua pergunta, é pecado.

A paz do Senhor!

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Querido amigo Robson Silva de Sousa,

A paz do Senhor!

Seu comentário é simplesmente brilhante! E mostra aspectos não contemplados em minha abordagem.

Agradeço-lhe muuuito pela valiosa contribuição.

Um grande abraço!

CSZ

Armando Marcos disse...

A Lei 9610 de 98 regulamenta os direitos autorais, porem, no código penal, no artigo 184, onde prescreve a violação do Direito, este artigo, em 2003, foi redigido:

Art. 1o O art. 184 e seus §§ 1o, 2o e 3o do Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940, passam a vigorar com a seguinte redação, acrescentando-se um § 4o:

"Art. 184. Violar direitos de autor e os que lhe são conexos:

Pena – detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, ou multa.

§ 1o Se a violação consistir em reprodução total ou parcial, com intuito de lucro direto ou indireto, por qualquer meio ou processo, de obra intelectual, interpretação, execução ou fonograma, sem autorização expressa do autor, do artista intérprete ou executante, do produtor, conforme o caso, ou de quem os represente:

Pena – reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

§ 2o Na mesma pena do § 1o incorre quem, com o intuito de lucro direto ou indireto, distribui, vende, expõe à venda, aluga, introduz no País, adquire, oculta, tem em depósito, original ou cópia de obra intelectual ou fonograma reproduzido com violação do direito de autor, do direito de artista intérprete ou executante ou do direito do produtor de fonograma, ou, ainda, aluga original ou cópia de obra intelectual ou fonograma, sem a expressa autorização dos titulares dos direitos ou de quem os represente.

§ 3o Se a violação consistir no oferecimento ao público, mediante cabo, fibra ótica, satélite, ondas ou qualquer outro sistema que permita ao usuário realizar a seleção da obra ou produção para recebê-la em um tempo e lugar previamente determinados por quem formula a demanda, com intuito de lucro, direto ou indireto, sem autorização expressa, conforme o caso, do autor, do artista intérprete ou executante, do produtor de fonograma, ou de quem os represente:

Pena – reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

§ 4o O disposto nos §§ 1o, 2o e 3o não se aplica quando se tratar de exceção ou limitação ao direito de autor ou os que lhe são conexos, em conformidade com o previsto na Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998, nem a cópia de obra intelectual ou fonograma, em um só exemplar, para uso privado do copista, sem intuito de lucro direto ou indireto." (NR)

Continua....

Armando Marcos disse...

Essa nova redação provocou uma pequena diferença com a Lei de 1998, na qual prescrevia que não era crime "II - a reprodução, em um só exemplar de pequenos trechos, para uso privado do copista, desde que feita por este, sem intuito de lucro;"

Numa diz " pequenos trechos" e na outra, entende que não é crime a reprodução integral

Porem, o que acontece, nos dois casos, é a clara proibição da reprodução que intente lucro. diz no artigo 184 "direto e indireto", mas isso não é explicado. indireto pode ser a pessoa que reproduz para outra. mas ainda sim, se entenderia lucro financeiro

E isso, no caso, um só exemplar, para uso privado de quem copia. No caso, a lei é doida, pois ela "permite" que uma pessoa copie um livro, mas proíbe que alguem tenha lucro com isso, então, no caso, ela proibe que alguem vá numa papelaria e faça copia: ela permite que você copie o livro a mão! hehehe

Mas no caso, eu sou de opinião que as editora evangélicas não deveriam proibir a reprodução de suas obras pela internet, pois no caso, seria um modo de evangelização. e não creio que teriam tanto prejuizo,pois ainda assim muitas pessoas comprariam os livros em papel( mas ai é minha opnião)

Abraços
Armando

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro irmão Armando Marcos,

A exposição dos seus argumentos está um pouco mais compreensível, agora. Mas é necessário fazermos uma exegese correta dessa lei que o irmão chamou de “doida”.

Na verdade, a norma do Código Penal em apreço deve ser interpretada à luz da lei que rege os direitos autorais (Lei 9.610/98). A exegese correta do parágrafo 4º. do artigo 184, do Código Penal, diz respeito aos casos em que ocorre a restrição ou a limitação do direito do autor, em conformidade com o artigo 46 (e seus incisos) da aludida lei. Ou seja, não ocorre violação ao direito do autor quando a reprodução é parcial e para uso privado, sem o intuito de lucro. Inclusive, dentro de centros universitários sérios e respeitáveis (como a Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo) não se permite a cópia integral de qualquer obra literária, ainda que seja para uso privado do aluno.

Se as editoras evangélicas seguirem o seu conselho de tornar disponíveis as suas obras na Internet, elas e os autores terão muito prejuízo e estarão abrindo mão de um direito que lhes assiste (direito, aliás, COMPRADO). Não é justo e lógico que o autor frua do seu trabalho? Ou o irmão acha correto que alguém trabalhe sem a justa remuneração?

É bom que se diga que não existe um conluio de todas as editoras, a fim de proibir a disponibilização das obras na Internet. Elas, na verdade, estão protegidas pelo sistema jurídico vigente, que lhes assegura o direito de livre dispor das obras literárias.

Em Cristo,

CSZ

Marcos disse...

A paz do Senhor! E Jesus disse : "Portanto, tudo o que vós quereis que os homens vos façam, fazei-o vós também a eles, pois esta é a lei e os profetas." (Mt.6.12)

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Tiago Rosas,

A paz do Senhor.

Penso que é melhor ser mais conciso em sua argumentação e mais objetivo, para facilitar o entendimento de todos. Ah, e é bom ser respeitoso também, pois, ao falar de software pirata, principalmente, o irmão foi descortês com os comentaristas. Eu, por exemplo, tenho ojeriza a sofware pirata. E tenho certeza de que os cristãos que se prezam também.

Creio que a presente postagem, os meus comentários a ela, somados aos excelentes esclarecimentos do pastor Robson Silva de Sousa e de outros companheiros, como o pastor Newton Carpintero, o ajudarão a compreender que fazer download de livros não-autorizados (ou praticar qualquer outro tipo de pirataria) é CRIME e PECADO contra Deus. Confira as referências bíblicas citadas, por favor.

Lembre-se de que não podemos justificar erros mediante causas aparentemente nobres. Pecado é pecado. Crime é crime. Leia o "caput" (cabeça, parte principal, inicial) da lei 184 do Código Penal. Quanto ao fato de o produto ser caro demais, leia o que escreveu o pastor Robson, por favor. O irmão verá que a sua argumentação é bastante simplista.

Nem todas leis são injustas; não podemos generalizar. Lembre-se de que Deus constituiu as autoridades (Rm 13). E o Senhor Jesus, ao andar na terra, fez questão de respeitar as leis vigentes e as autoridades constituídas (Mt 22.21).

Bem, peço-lhe mais uma vez que tenha cuidado com a linguagem, se quiser continuar participando deste fórum. Não admitirei ofensas como: "Bando de hipócritas! Desinstalem tudo! Adquiram os originais!" Isso só mostra que o irmão ainda é imaturo para tratar de um assunto de tanta relevância no campo das argumentações.

Seja santo em toda a sua maneira de viver, como nos manda a Palavra de Deus. Não queira usar de generalizações ou de supostos acertos para encobrir erros. Pirataria é CRIME e PECADO! Isso para mim é ponto pacífico, à luz do que já expusemos. E, se alguém quiser discordar, que discorde, mas com embasamento legal e bíblico.

Reflita.

Em Cristo,

CSZ

Mascarenhas disse...

A paz, Pastor ciro, fico feliz por esta exposição a luz das escrituras, é verdade que a pirataria é crime,(distribuição ilegal de material sob direito autoral, especialmente música, imagem, vestuário e software (warez), numa tentativa da indústria de associar indivíduos que realizam cópias não-autorizadas (obtendo lucro ou não) aos saqueadores de navios da idade moderna.)
hoje existe pirataria não só no que disrespeito a livros evangelicos como: musicas videos e sofwares, o interesante é que ja existe diversos cds, dvd, etc, que foram lançados em 2010 e ja estao disponiveis para dowload, estes sites disponibilizam o material com o argumento" baixe para conhecer mais compre o original"
muitas vezes não sabemos se aquela obra é legal ou ilegal, de acordo com o tempo as leis, e se o autor disponibiliza para ficar reconhecido ou não. Muitos autores usam o dilega do amendoim e o elefante, feitono inicio pela microsoft, disponibiliza softwaeres gratis, as vezes limitados, apos ficar conhecido, passa a vender, sei que o trabalhador é digno do seu trabalho, o que acontece é que um usuario compra um livro de lançamento de 2010, em casa usa uma impressora multifuncional, dai escanea todas as paginas organiza-as e postar em sites de hospedagem, ex:site: biblioteca crista.
esta é minha opnião fica na paz
meu blog
www.c-mascarenhas.blogspot.com

Robson Silva de Sousa disse...

A Paz do Senhor, meu prezado amigo Pr.Ciro.

Em tempo, gostaria de fazer uma ressalva quanto ao vosso tratamento com relação "a minha pessoa": não sou Pastor, mas Presbítero em nossa igreja.

Tudo bem, tudo bem, não precisa explicar... É só para não contrariar a tradição, ou para quem não digam por aí que estou usurpando de uma função da qual não faço jus (do latim: direito).

Quanto à contribuição BRILHANTE, procurei me esmerar ao máximo, afinal, posts BRILHANTES merecem comentários BRILHANTES... Pensamento com o qual nem todos coadunam, haja vista...

Bem, deixa pra lá, senão vou acabar melando a coisa toda... rssss.

Abraços.

Em Cristo,

Robson Silva (o presbítero)

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro pastor Robson Silva de Sousa,

A paz do Senhor!

Eu me dirijo ao irmão como pastor porque a chamada divina antecede o reconhecimento do ministério da igreja, na terra, o qual apenas confirma o que Deus já fez antes.

Filipe tinha, por assim dizer, o título de diácono, mas já fazia a obra de um evangelista (At 6.3-5; cap.8). Mais tarde, veio o reconhecimento, quando Lucas o chamou de "o evangelista" (At 21).

Amém?

CSZ
O menor que o menor de todos (para provocar o apóstolo Newton Carpintero)

Robson Silva de Sousa disse...

Favor substituir o "quem" por "que"... foi um erro de digitação... Aliás, "ERRO QUE OS ESCRITORES DEVEM EVITAR" rssss... Tô engraçadinho hoje, não?!?!?!

Mas a verdade é que voltei para reivindicar sua participação no Prossigo para o Alvo... Não tenho visto muito você por lá...

Que tal comentar YO ESTOY ENOJADO - nosso último post?

Abraço.

Robson Silva (o mesmo de sempre)

Felipe Wandork disse...

A paz do Senhor,

Digo amém à tudo que o senhor disse: Já dei palestras no meu local de trabalho sobre este assunto, mas sinto grande resistência dentro da igreja, e isso me entristece muito.

Já havia enviado um email para o senhor para nos trazer uma resposta no blog pastorciroresponde.blogspot.com.

Estou satisfeito com as respostas encontradas aqui.

Espero conseguir em breve quebrar as resistências que tenho encontrado no meio evangélico quanto a este assunto.

Fique na paz do Senhor

Anônimo disse...

PAZ DO SENHOR PR. CIRO, NOS AJUDE PELO AMOR DE DEUS, TENHO LIVRARIA E O MAIOR PROBLEMA QUE ENFRENTAMOS HOJE É A PIRATARIA, E VEJO QUE HOJE É UM DOS MAIORES PECADOS QUE OS CRENTES COMETEM, POIS ROUBAM A DEUS, OS AUTORES DE OBRAS E PARTICIPAM DO TRÁFICO. EU TENHO UM FOLHETO QUE CRIAMOS PARA EVANGELIZAR OS PIRATEIROS, MAS PRECIZAMOS DE PESSOAS COMO O SENHOR QUE TEM VOZ NACIONAL ATRAVÉZ DOS SEUS LIVROS E PALESTRAS QUE JÁ APRECIEI-OS, PARA NOS AJUDAR A ENSINAR O POVO DE DEUS A SE LIVRAR DESTE MAL QUE RONDAM AS IGREJAS. SEGUE ABAIXO O MODELO DO NOSSO FOLHETO.
DEUS O ABENÇOE GRANDEMENTE, AGRADEÇO A SUA ATENÇÃO.

JOSAFÁ OLIVEIRA - PAULÍNIA - SP

CONSCIENTIZE-SE

PIRATARIA É PECADO
Jeremias 22.13 - Mateus 21.12 - Malaquias 3.8.

1º - OS VENDEDORES:

-Roubam o governo, pois não pagam impostos.

-Roubam os direitos do autor (cantor)

-Participam indiretamente do tráfico.

2º - OS COMPRADORES:

-Oferecem a Deus o que há de pior e roubado.

-Passam vergonha na hora de cantar.

-Está roubando o governo, o autor e Deus.

3º - CONSEQUENCIAS DA PIRATARIA:

-Preços altos de outros produtos.

-Produtos sem garantia.

-Milhares de pessoas desempregadas.

DEUS NÃO ACEITA DESCULPAS!

-Se você diz que é filho de Deus, você tem

Condições de comprar um produto original.

OU VOCÊ NÃO É ABENÇOADO?

Deus trará a juízo todas as nossas obras

samuel_cidral disse...

A Paz do Senhor, Pr. Ciro
O artigo é bom, mais tenho algumas dúvidas. Talvez o Sr. já tenha respondido em outros posts, pois não li todos. Se desejar responder somente pra mim, não tem problemas.
Conheço pelo menos um de seus livros, ao qual adquiri pela CPAD, não faço downloads de livros, mais a dúvida é a seguinte:
Como comprei seu livro e li, emprestei pro meu irmão, que emprestou pro outro meu irmão. Desta forma não teríamos o mesmo problema? O senhor estaria tendo prejuizos da mesma forma, não?
Outra dúvida é a questão dos CDs e DVDs. Canto com minha esposa na igreja, e na maioria das vezes hinos mais antigos o que dificulta achar play-backs. Desta forma faço download de sites e somente dos hinos que gosto. Não querendo justificar-me, mais como uso continuo as midias acabam dando problema e como tenho estes play-backs no meu PC, gravo novamente.
Estaria errado da mesma forma.
O site onde baixo indisponibiliza links que os cantores ou as gravadoras pedem pra tirar.
Reitero que admiro o Pr. e não quero causar mais polemicas, mais é uma duvida.

Obs: a obra que adquiri é "os evangelhos que Paulo jamais pregaria", fantástico.

Samuel Cidral dos Santos

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro irmão Samuel Cidral dos Santos,

A paz do Senhor!

Ufa! Que bom que o irmão não faz download de livros! A bem da verdade, o download é crime e pecado somente no caso dos livros que ainda não estejam em domínio público. É bom ressaltar isso.

Respondendo à sua pergunta, fazer pirataria é muito diferente de emprestar um produto original a alguém. E explico por que abaixo. Mas não deixe de ler os comentários, acima. Neles, o irmão encontrará, com certeza, respostas às suas dúvidas.

Bem, quando um irmão compra o meu livro, ele pode emprestá-lo para quem quiser. Nesse caso, a editora deixa de vender, e eu deixo de ganhar um valor maior como pagamento relativos a direitos autorais. Entretanto, a prática de emprestar é lícita. O crime e o pecado estão em REPRODUZIR, COPIAR, sem ter a permissão do autor e da editora e sem pagar nada por isso.

A pirataria ocorre quando existe CÓPIA, REPRODUÇÃO, e não o repasse do livro original, impresso pela editora, com ISBN, para alguém. Aliás, um livro meu que venderia bem mais, se as meninas não tivessem o costume de compartilhar tudo, seria “Adolescentes S/A”. Esta é uma das minhas obras mais lidas, cuja vendagem não é muito expressiva, em razão do que mencionei.

Sabemos que o brasileiro é muito criativo e gosta de usar o famoso “jeitinho brasileiro”, que, na maioria dos casos é um "jeitinho de enganar". E às vezes, se não vigiarmos, trazemos esse “jeitinho pecaminoso” para o nosso meio. É o que ocorre com o uso de CDs piratas e play-back “baixado” na Internet sem autorização, desrespeitando-se a lei dos direitos autorais.

Penso que, mesmo que seja mais difícil e mais caro, devemos, como cristãos, procurar fazer tudo o que esteja de acordo com a lei e que não prejudique os nossos irmãos, profissionais que atuam nos mercados editorial e fonográfico (escritores, revisores, compositores, intérpretes (no âmbito musical), editores, livreiros, fotógrafos, produtores, artefinalistas, arquivistas, vendedores, gráficos, etc.).

Em Cristo,

CSZ

Weder disse...

A Paz do Senhor!

Excelente abordagem, tanto jurídica, quanto na visão cristã.
O Direito Autoral é muito claro, não deixa obscuro questões como essa e a bíblia muito menos.

Deus abençoe.

Amém

eder prado (v-pro72@msn.com) disse...

nossa... lendo esses posts achei super interessante, até que enfim um lugar onde todos tem o widows original, todo mundo aqui pagou 900 reais na sua copia do windows...parabens...e todo mundo aqui também deve ter o antivirus original tudo no computador de todos aqui é original...olha, parabéns pela honestidade de todo mundo aqui, esse é o lugar onde eu gosto de estar...

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro "Eder Prado",

Parabéns pela sua tentativa de menoscabar os participantes deste fórum, mas o senhor está enganado.

Eu sei que ironizar um pouco e usar de sarcasmo pode, às vezes, ser uma arma para quem não tem argumentação dentro da lei e, principalmente, à luz da Palavra de Deus. Mas a sua tentativa de fazer com que todos aqui se sintam hipócritas não funcionou, principalmente para mim.

Faço questão de usar softwares legalizados. Na minha casa não entra CD e DVD piratas; não faço download de livro (a menos que seja de domínio público). E assim por diante.

Destarte, valeu pela tentativa, mas as suas palavras em nada contribuíram para este fórum, tampouco para fazer mudar de opinião aqueles que, como eu, já têm certeza absoluta de que fazer download de livros não-autorizados é CRIME e PECADO.

Respeitosamente,

CSZ

ARILDO SILVA disse...

PARABÉNS PELAS COLOCAÇÕES SOBRE A PIRATARIA,SEU COMENTARIO É INCONTESTAVÉL.

Fernandes disse...

Pastor Ciro, quanto a sua colocação sobre o Eder Prado, quando o Sr. disse "Mas a sua tentativa de fazer com que todos aqui se sintam hipócritas não funcionou, principalmente para mim." creio que o Sr. não tem a plena convicção sobre o que afirmou, não pode pensar que todos aqui tem a mesma condição de comprar um computador por uma média de R$ 8.000,00. Vamos ser realista com nossas colocações. Creio que muita gente sim se sentiu hipócrita. Vamos tirar nossas mascaras...

Fernandes disse...

Esqueci de ressaltar que o Eder Prado não quis mudar a opinião de ninguem e nem mesmo "a sua" que fazer download de livros não-autorizados não é CRIME e PECADO. Pelo menos quando li o comentário dele não vi nada falando sobre isso...

ADRIANO JOSÉ URSULINO ISIDRO, 28 ANOS disse...

A Paz do Senhor Jesus Pastor Ciro.

Obrigado pelo esclarecimento.
E não foi dura a resposta, apenas verdadeira.
Irei também orar por essa causa para que Deus mande recursos para ajudar as Igrejas mais simples e humildes.

Pastor Ciro, só mais uma dúvida.
Podemos, pela Lei, reproduzir uma parte de algum material, seja ele livro ou revista, para pesquisa ou consulta?

Se puder responder estarei grato.

A Paz do Senhor Jesus para todos.

Márcio Cruz disse...

A Paz do Senhor Ir. Ciro.

Lembrei-me de um programa em uma rede evangélica onde em um programa de entrevista estava sendo abordado o tema levantado por vossa pessoa.

Entre os entrevistados estava um professor de Direito, uma pastora e cantora e o representante de uma gravadora.

Durante o desenrolar do programa, um telespectador fez uma citação interessante:

"e sobre os livros copiados em faculdades?"

O que me chamou a atenção foi o fato de todo mundo desconversar e a pergunta ficar sem resposta.

O máximo que saiu foi o professor de Direito que aconselhou os alunos a comprarem livros em Sebos (ainda que meio sem jeito).

Mas o incrível foi todos, a partir do apresentador (pastor) desconversar acerca do questionamento do telespectador.

O que me levou a concluir: "todos ali tinham uma mancha".

Realmente isto é sério!!!

Em Cristo,

Ir. Márcio Cruz

*Este comentário é apenas informativo, não questionador. Creio que muitas direções já foram apresentadas aqui.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro "Fernandes",

O senhor está muito mal-informado quanto ao preço de computador, para início de conversa. Simplesmente, quadruplicou-o! Nesse caso, como alguém que sequer conhece uma informação tão básica, como o preço de um PC, tem autoridade para discorrer sobre um assunto tão complexo, que envolve o conhecimento das leis e de mandamentos e princípios da Bíblia Sagrada? Que convicção tem uma pessoa assim para dizer que este escritor não tem convicção?!

Vejo, de maneira geral, que há alguns defensores da pirataria que precisam tirar as suas máscaras. Quais? Tirem primeiro a máscara do falso anonimato. Não se escondam atrás de nomes fictícios, por favor. Tirem também a máscara do falso conhecimento de causa! Assumam a ingnorância e a incompetência para debater sobre certos assuntos. Tirem, finalmente, a máscara do relativismo. Não queiram prevalecer mediante opiniões sem embasamento. Assumam os erros que cometem.

Respeitosamente,

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro irmão Márcio Cruz,

Não nos esqueçamos, como eu citei acima, que há instituições sérias (como a Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo) que não permitem que livros sejam copiados na íntegra. Os que fazem isso, o fazem do lado de fora.

Como diz a Palavra de Deus, no Salmo 12.1, "Poucos são os fiéis". O Senhor também disse que a porta da salvação é estreita (Mt 7.13,14) e que "muitos" ouvirão do Justo Juiz, naquele Dia: "Nunca vos conheci" (Mt 7.23,24).

O fato de muitos estarem cometendo erros não significa que eles estão certos. Jesus, certa vez, precisou até dispensar uma grande multidão de interesseiros que não queriam obedecer ao Evangelho. Somente os doze permaneceram (Jo 6.60-69).

Meditemos sobre isso.

Em Cristo,

CSZ

marcilo magalhaes disse...

JEREMIAS 22,13 Ai daquele que edifica a sua casa com injustiça, e os seus aposentos sem direito, que se serve do serviço do seu próximo sem remunerá-lo, e não lhe dá o salário do seu trabalho.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro irmão André Ursulino,

Agradeço-lhe por seu interesse em saber mais sobre esse importante assunto. Para pesquisa, é permitido sim reproduzir parte dos livros. O que é ilícito é: reproduzir o livro em sua totalidade, mesmo para consumo próprio; e em parte ou no todo para obtenção de lucro.

Em Cristo,

CSZ

Oliveira e Oliveira disse...

Prezados,

Paz e Bem!

Resumi simplesmente que o escritor é digno do seu "salário" e por isso deve-se defender com unhas e dentes a prática industrial do mercado nacional evangélico. creio que o debate fica incompleto.
Escrever por profissão é corrupção, escrever é essência acima de tudo, este exercício vem acompanhado de Utopia. O Escritor que tem este entendimento, conforme, o irmão Sammis Reachers, não terá dificuldades de se esforçar para facilitar o máximo para que pessoas desfavorecidas tenham acesso as suas obras. A lei nem sempre é ética, penso que o autor deva ser protegido, mas com limites. E o limite seria o meu direito como cliente consumidor. Eu não defendo jamais a pirataria, mas me incomoda taxar somente as pessoas que compram produtos piratas. Eu não percebo nenhuma informação acerca da pratica de Editoras e Escritores que simplesmente produzem livros e escrevem pelo simples interesse financeiro. Se tratando de cristianismo deveríamos esmerar para que o material chegue ao crente menos favorecido. Eu não consegui ver este engajamento por parte das maiorias das editoras cristãs. Outro ponto é a outra atividade ilegal, o comércio ambulante. Quantos irmãos (arrisco dizer que em alguns lugares é a maioria) sobrevivem do comércio autônomo, que não pagam INSS, nem impostos de mercadoria vendida, etc. A vida para muitos é muito difícil, eles sobrevivem debaixo de uma ilegalidade, mas sobrevivem. Não tenho coragem de dizer que eles estão em pecado, mas digo e encorajo-os a trabalharem (para que comam) e sobrevivam e garantam estudo para a posteridade a fim de sair desta linha indesejada. O debate foi bom, mas o apelo que eu faço é que principalmente os autores cristãos, as indústrias cristãs tenham corações abertos ao desfavorecido não se apegando nos tentáculos da lei para encobri a inércia destes na propagação de materiais. Idas desinteressadas (interessadas somente em pessoas) a rincões do Brasil sem cobrar nada, mas somente por amor. Ah! Que poder tem a literatura em mãos de pessoas sedentas por conhecimento, que bom seria que os autores, empresas e mais parceiros de fato desenvolvessem Projetos Nacionais de leitura para matar a sede dessas pessoas. Sou contra pirataria, mas também contra o abuso Industrial, o Senhor dar ordem nas duas esferas, porém, mais rigor para a Indústria.

Abraços em Cristo,

Newton Carpintero, pr. e servo disse...

Nosso pastor Ciro Zibordi,

A paz do Senhor!

Cumprimentar o irmão Robson Silva e colocar o fardo de pastor sobre os seus ombros, eu concordo e não discordo um pouco que seja, afinal, não tem mais jeitinho para recusar.

Muitos querem ser pastores de qualquer jeito e outros dão um jeito para não ser.

Neste caso, considero o que o amado providenciou para não dizer profetizou: Pr. Robson Silva.

Por misericórdia, não me chame de apóstolo. Claro que se for para provocar pode me chamar. Mas, eu perdoarei sempre.

Estás perdoado, meu amigo BISPO Ciro Zibordi,

O Senhor seja contigo, sempre!

O menor de todos.

Newton Carpintero, pr. e servo disse...

Amargo Eder prado,

A sua vida, não deve refletir o de vidas interessadas em manter e viver o caráter de um homem de Deus. Com certeza, você vive uma vida que não agrada a voc~e mesmo, e sente-se feliz por comparar aos viventes com você.

sinto muito te informar que você faz mparte de uma maioria. E alguns, fazem parte de uma minoria.

Sei que é difícil fazer parte da minoria, mas, tente, não é impossível, se a sua vida estiver diante de Deus e confiar com todas as suas forças.

Sinto muito lhe informar, talvez eu seja pior do que você, mas, com certeza, você não é melhor do que eu.

Seja CRENTE, e entregue a sua vida ao Senhor, assim, poderás respirar um ar diferente do comum aos do mundo em sua cegueira espiritual.

Passe a dar lugar a Deus e ele proverá ao seu coração, o necessário para entenderes o porque amamos ao Senhor.

Escolhemos dizer não para a nossa carne e sim para o seu amor e maravilhosa misericórdia.

Entregue o seu caminho ao Senhor, confia nEle, e o tudo o mais ele fará. Fuja deste seu pensamento mesquinho, sovina e individualista moderno.

Em pouco tempo, você verificará, que poderá ser um dos que não se entregam, pelas migalhas, deste mundo.

O Senhor te ajude!

O menor de todos.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Oliveira e Oliveira,

O senhor está muito enganado, redondamente equivocado, com todo o respeito.

Um escritor que se preza escreve por prazer, por amor, por vocação, por chamada divina. Ele não escreve esperando receber dinheiro pelo que faz. Mas também ele tem todo o direito de receber em forma de pagamento de direitos autorais por seu trabalho. Ele não escreve apenas por dinheiro, sendo um corrupto, como o senhor irresponsavelmente sugeriu. Prova disso são os inúmeros artigos escritos para veículos de comunicação e blogs, textos escritos por prazer, amor, e não por dinheiro. É o escritor é digno do seu salário.

A minha defesa, no presente artigo, não é à prática industrial do mercado nacional evangélico, mas sobretudo ao direito que a lei garante ao escritor. E esse direito tem sido violado, não somente pelas pessoas que não conhecem a Jesus, mas por pessoas que se dizem servas de Deus, as quais se dão ao trabalho de escanear, a bel-prazer, sem autorização, livros e inseri-los na grande rede. Isso é crime. E eu me levantaria contra isso mesmo que não fosse escritor. Mas, infelizmente, há pessoas que preferem apoiar esse crime e esse pecado supostamente em prol dos menos favorecidos...

Escrever por profissão é corrupção? Diga isso aos inúmeros profissionais que atuam no mercado editorial e jornalístico. Todo escritor, mesmo aquele que escreve por vocação, prazer e amor, é um profissional. Então, posso me considerar um corrupto, irmão Oliveira e Oliveira? O escritor que não tem um salário fixo, em uma empresa, pode abrir mão de receber o seu salário mediante pagamento de direitos autorais, senhor Oliveira e Oliveira? Ele é um vagabundo porque não trabalha em uma empresa, mas vive de escrever, recebendo honestamente e de acordo com a lei o seu pagamento em direitos autorais? Espero que o senhor reflita sobre o que falou.

O escritor que edita um blog com centenas de textos não está fazendo a sua parte no sentido de facilitar o máximo para que pessoas desfavorecidas tenham acesso às suas obras, senhor Oliveira e Oliveira? O escritor que repassa as suas obras a preço de custo não está fazendo a sua parte no sentido de facilitar o máximo para que pessoas desfavorecidas tenham acesso às suas obras, senhor Oliveira e Oliveira? O escritor que disponibiliza parte de suas obras e também textos não contidos nelas ao seu público ledor não está fazendo a sua parte no sentido de facilitar o máximo para que pessoas desfavorecidas tenham acesso às suas obras, senhor Oliveira e Oliveira?

Por favor, poupe-me dessa sua acusação infundada e dessas suas argumentações sem base na lei e na Palavra de Deus. Maravilho-me de que uma pessoa que aparenta ser tão instruída defenda, ainda que de modo tácito e indireto, a pirataria, ante todas as verdades aqui expostas em contrário a ela, não somente por mim, mas por pessoas abalizadas e idôneas.

Não há no presente artigo nenhuma informação contra a prática de editoras e escritores que agem por interesse financeiro porque, como cristãos, temos de fazer o bem, ainda que nos façam o mal. Ademais, eu tomo como exemplo os que agem com honestidade, e não os enganadores. E, de minha parte, dou testemunho de que este escritor e a editoria que produz o seu trabalho, a CPAD, são idôneos, pagam os seus impostos, andam conforme a lei, além de cooperarem, e muito, com a causa dos menos favorecidos.

Bem, não vou continuar... Realmente, estou admirado de que o senhor defenda essa prática pecaminosa e criminosa de upload e download de livros não-autorizados na Internet...

Que Deus o abençoe.

CSZ

Anônimo disse...

Pastor Ciro,

Cadê os apologitas!! Não vão falar nada!! nesse debate?? Esas sim é uma causa nobre, pastor!! Parabens pelas clarezas de suas argumentação. Não sabia que senhor conhecia as leis... rsrsrs

Prossiga, pastor, sem medo de cara feia!!

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro amigo e pastor Newton Carpintero:

Acho que é bom nós pararmos por aqui... Risos. Do jeito que as coisas são na blogosfera em parte cristã (por exemplo, a repercussão do "AeroCiro"), daqui a pouco vão dizer que nos consideramos mesmo apóstolo e bispo, e que o past... ops!, o presbítero Robson está se autoproclamando pastor...

Caro amigo, brincadeiras saudáveis à parte, agradeço-lhe pelo apoio ao ministério que Deus, por sua graça, me outorgou. Como disse o apóstolo Paulo, "uma porta grande e eficaz se me abriu, e há muitos adversários" (1 Co 16.9).

Em Cristo,

CSZ
O menor que o menor de todos

Robson Silva de Sousa disse...

A Paz do Senhor, prezado Pr. Ciro.

Não pude me conter diante de tamanha ignorância por parte de alguns comentaristas... Estou deveras estarrecido... E nem quero entrar no mérito da questão jurídica – o que poderia fazê-lo com conhecimento de causa... Mas não sei se vale à pena.

Minha dúvida é:

Seriam mesmo cristãos estes indivíduos?

Esse "papo furado" de que a ilegalidade do ato se justifica na carência financeira é um argumento tão pobre e podre, que se assemelha àquele usado por traficantes, contrabandistas, estelionatários e outros criminosos, que dizem entrar para o crime para satisfazer a necessidade de ter aquilo que não podem... Eles se julgam excluídos e vítimas da sedução da mídia consumista...

A verdade é que muitos (muitos mesmo) desses defensores nunca investiram na aquisição de um livro sequer... E nem estou falando da Bíblia... Mas certamente têm em suas casas alguns volumes de CDs e DVDs (piratas com certeza), um belo celular COM CÂMERA (êhr, dããã), um MP171... Ops! Desculpe, eu me empolguei!

Eu, por exemplo, que venho de uma origem muito humilde (Jd. Botânico, S.J. Meriti – RJ), e ainda hoje resido na periferia, agora de São Paulo, estou cansado de ver adolescentes e jovens transitando em nosso bairro portando um desses MPs ou um celular (daqueles mais moderninhos que custam entre 300 e 900 reais) – inclusive muitos filhos de crentes –, mas que jamais abriram mão de 1,00 para adquirir uma boa literatura...

Há adolescentes em nossa igreja, por exemplo, que possuem os tais aparelhos eletrônicos, mas que não possuem uma Bíblia porque acham caro... Dá pra acreditar?

Ah, eles não trabalham... Vejam que belo depósito os papais desses adolescentes estão entesourando para seus filhos...

Lembro-me de quando criança pedir ao meu pai que comprasse alguns exemplares da Série Vagalume (lembra?), e vez ou outra ele me trazia uma história nova... Era uma alegria só! Até uma enciclopédia ele me deu de presente de aniversário (de 13 anos)... Nessa época ele estava desempregado, e para comprar a coleção assinou três notas promissórias, as quais pagou com muita dificuldade, mas com muita satisfação... Até o ano passado eu ainda tinha os três volumes, que infelizmente foram consumidas pela umidade, quando então decidi doar para reciclagem... Mas guardei a página com a dedicatória datada de 14/05/1986...

Mas bicicleta, por exemplo, só vim possuir aos 19, já casado... Rssss... Quando criança não podíamos nos dar ao luxo... Era comer ou andar de bike... Nem por isso eu deixei de valorizar os livros que recebi.

Engraçado como a inversão de valores transtorna a mente das pessoas...

Se você oferecer hoje um livro de presente a um adolescente ou jovem (digo daqueles que não tiveram uma educação voltada para os livros) ele certamente desdenhará do presente. Mas ofereça um CD pirata para Playstation, ou um DVD do último filme ainda não lançado no cinema para ver que alegria...

Acho melhor eu parar, estou começando a ficar irado, e o dia só começou e não quero ter que esperar o "sol se por" para deixar de lado esse sentimento...

Para finalizar, no entanto, gostaria de lembrar um dos comentaristas, que nem vou me dar o trabalho de confirmar o nome, que para aqueles que adquiriram seus PC's ou notebooks sem software original, que já é possível o uso de plataformas e softwares "free of charge" (será que ele vai entender) com a mesma funcionalidade daqueles pagos... Só não são tão turbinados...

Temos a plataforma Linux; temos o BrOffice que substitui bem o MSOffice; temos o AVG (antivírus de origem Checa, mas que pode ser baixado em português); sem falar de navegadores, editores de imagem etc. etc. etc.

Quanto aos livros... Bem sobre esses eu já dei 10 BOAS DICAS.

Que o Senhor tenha misericórdia de nós, e deles também!

Abraços,

Em Cristo,

Robson Silva

Newton Carpintero, pr. e servo disse...

Nosso pr. e prezamado Ciro Zibordi,

A paz do Senhor!

Consigo ficar de olhos ESBUGALHADOS, quando me permite ler a matéria do senhor Oliveira e Oliveira, que não possui um perfil.

O comentário não procede em consideração ao senso normal e relativo à palavra de Deus em respeito aos deveres e aos direitos comuns aos cidadões, tanto da terra, como aos dos céus.

Parece de uma tragicômica infantilidade as afirmações e a aposta por convidar indiretamente aos néscios a oportunidade em prover condições desfavoráveis aos produtores de livros, bem como, aos escritores, que na sua dedicação perderão seus sal´rios em detrimento da EXCLUSIVIDADE dos que roubam os direitos de quem trabalha e produz, com regularidade e honestidade seu material de divulgação que por sinal, deveria ser bem mais caro.

Conheço como profissional a característica deste mercado e muito bem os seus riscos, que são grandes.

O material acabado e vendido ao consumidor possue na maioria das vezes, em falando dos bons livros, a grande vantagem de reunir todo um trabalho ao valor de alguns reais, e a principal possibilidade de se manter uma industria cara e NECESSÁRIA.

Parece que o senhor Oliveira e Oliveira que não possue perfil, deseja criar um caos à indústria gráfica e providenciar o seu fechamento, com as suas lindas e belas sugestões, sem fundamento evidencial alicercado na VERDADE.

Sonhos de verão! Existem muitos por aí.

É aquela coisa de sempre: Fácil falar e difícil de se compreender, quando não se quer entender.

Defender os que vcaminham no roubo dos produtos com suas piratarias é demoníaco e perverso.

O Senhor seja contigo, nobre atalaia!

O menor de todos.

Oliveira e Oliveira disse...

Caro Pr. Ciro,

Não chamo o senhor de corrupto e se quer me referi ao senhor com este adjetivo e em nenhum momento escrevi que o escritor não deve receber por seu trabalho, quando me refiro ao termo Escritor subentende-se que este já é um profissional, então, só falei em tese de que antes da profissão há uma essência nobre principalmente se esta for oriunda de um escritor cristão, onde o seu objetivo prioritário vem antes do objetivo profissional, tenho certeza que o Sr. antes de escrever um livro, busca a Deus, procura a direção dele porque sabe o impacto que este terá na vida de pessoas, este sentimento vem antes da profissão, o escritor é corrupto no meu ponto de visto se ele não observar estas questões ou escrever visando apenas o lucro.
Pr. Ciro, onde no meu texto eu defendo a pirataria? Onde no meu texto eu incentivo esta prática? Só procurei abordar um outro lado que neste rico debate não aparece que é a análise da prática industrial do mercado evangélico, ou não há abusos neste meio? Eu penso que é necessário trazer luz tanto aos que compram o produto, quanto aos que produzem e vendem tais produtos, a palavra de Deus tem padrões éticos estabelecidos em ambas as esferas.
E ainda penso que temos muito a fazer pelas pessoas desfavorecidas, mas isto gera um outro debate. Grato pela participação. Com admiração cristã:

Um abraço fraterno,
Rio de Janeiro, RJ.

Tamar disse...

Os livros são um produto cultural tão importante que o governo, ou os filantropos, constroem prédios enormes com arquitetura bizarra para disponibilizá-los ao público.
Agora quando a edição está esgotada e não há interesse financeiro em reimprimir os livros, o jeito é comprar em um sebo ou baixar da internet mesmo.
O problema é que a polêmica dos direitos autorais (que virou direito de grupos empresariais sobre a produção cultural ) também envolve questões filosóficas como desobediência civil, pagamento justo pelo trabalho honesto, direito de acesso a cultura pelos mais pobres e até direito do autor sobre sua obra.
Os autores evangélicos tupiniquins resolveram essas questões todas de maneira bem simples. Transformaram a desobediência às leis em pecado, como se o Estado fosse Deus.
Já vi isso em um DVD "desobedecer a lei é pecado".
Esse ai é o melhor argumento de vocês autores , editoras e gravadoras evangélicas? Espero que apareça logo um político populista que queira ganhar votos fáceis e mude a lei, ou um juiz mais generoso, como aquele que absolveu uma ladra de margarina (risos).
Quanto ao processo de produção do livro, eh necessário ser adaptado as novas tecnologias pois esta descrita por Plinio Cabral dá até medo. Se fossemos pensar no custo ambiental de se produzir e vender um único livro, teríamos de pagar quinhentos reais por um exemplar.
Ainda bem que esse custo pode ser diluido em uma base de consumidores cada vez mais crescente afinal temos agora uma enorme população que consegue ler o que está escrito neles. Rick Warren vendeu 15 milhões de cópias só nos Estados Unidos, imagine.
Ninguém duvida que os autores devam ser bem pagos pelo seu trabalho, escrever é uma chatice, escrever bem e compor boas músicas é quase um milagre. É claro que eles se beneficiam de uma política educacional que tornou as pessoas letradas, das técnicas modernas do marketing e da carreira solidamente construida em instituições de domínio público como a igreja, os hinos velhos da harpa e do cantor, o Bona , a Bíblia de Almeida, a escola pública e a internet. Somos herdeiros ricos.
Gosto de comprar bons livros, tenho muitos. Mas tem muito livro que eu jamais compraria, alguns estão esgotados mas são indicados apenas para quem quer fazer uma consulta rápida. Espero que o Kindle venha para resolver esse problema de autores esgotados e livros impublicáveis.
Por enquanto recomendo cura interior e jejum de livro, para resolver esse problema de cobiça compulsiva por leitura.
Quem não puder comprar ou emprestar um livro , não o leia. Vou seguir essa política sempre.
A melhor literatura evangélica que lí foi de graça e em domínio público. Por exemplo, as mensagens de David Wilkerson estão todas traduzidas para o português.

jorge mélo disse...

A resposta do Pr. Ciro ao anônimo em 21.02.acima, está bem explícita. Muitos precisam entender o que são direitos autorais, leis e de Bíblia.
Romanos cap.13.vers.7.
Recife- Pe

Ciro Sanches Zibordi disse...

Tamar,

Que belo discurso ultra-esquerdista e populista! Risos. Você vai se candidatar por algum partido? Sinceramente, fiquei espantado com a sua defesa ao pensamento de que não andar segundo a lei não é pecado... Medite em Mateus 22.21 e Romanos 13.

Bem, para dizer a verdade, já estou um pouco cansado de repetir as mesmas coisas (não sei se você teve tempo de ler ou se interessou por todos os comentários acima). Como autor, quero registrar mais uma vez que respeito a legislação vigente sobre direitos autorais e a considero plenamente justa. O que é preciso fazer é ajudar os "menos favorecidos" (há controvérsias, como mostrou brilhantemente o irmão Robson Sousa), ao invés de apoiar a prática criminosa de “baixar” obras não-autorizadas pela Internet.

Um abraço.

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caros irmãos:

Acabei de receber um e-mail de alguém que está lendo um livro meu que foi inserido de maneira criminosa na Internet, através de upload. Ele disse que me admira, me pediu autorização para continuar lendo o livro, deu o exemplo de que Paulo Coelho supostamente disponibiliza os seus livros para download e concluiu: "sei que o senhor vive também da venda de seus livros, no entanto caso so senhor prese pela
'verdade que chega a todos' DEUS honrar vossa sinceridade" (sic).

Minha resposta a esse irmão, cujo nome será omitido, a fim de não expô-lo publicamente foi um pouco dura, mas nos lembremos de que amar não significa ser conivente com o erro, e sim monstrar a verdade a quem está no caminho do erro.

Vamos à resposta:

"A paz do Senhor.

Agradeço-lhe pela admiração...

Eu começaria o seu pedido com um outro pedido: o de perdão por ter cometido um erro. Afinal, se eu, como autor e detentor dos direitos autorais da aludida obra, não a inseri na Internet, quem o fez cometeu um crime, e quem usufrui disso também está comentendo um crime.

Quanto à suposta atitude de Paulo Coelho de tornar os seus disponíveis para download, é fácil para um milionário fazer isso!

Saiba que eu tenho o maior prazer que as pessoas leiam os meus livros e sou capaz de mandar alguns exemplares de presente pelo correio, como já fiz inúmeras vezes, para quem realmente é "menos favorecido".

A despeito de não ser a minha atividade principal, vendo, sim, livros por preço de custo ou até abaixo disso, etc. Mas não me peça para apoiar essa prática pecaminosa e contra a lei que alguém chama, irresponsavelmente, de permitir que a "verdade chegue a todos".

O irmão, se quiser ler o livro, fique à vontade. Eu não posso impedi-lo. Todas as coisas nos são lícitas, embora nem todas convenham (1 Co 6.12). Aliás, o irmão disse que já está terminando o livro... Mas eu jamais aconselharia alguém a ler um livro inserido ilegalmente na Internet. E lhe digo, diante de Deus, que, se o irmão tivesse escrito para mim, antes, eu teria o maior prazer em lhe enviar um livro pelo correio, gratuitamente.

Que Deus o abençoe! E não me tenha mal pela resposta. Mas usei de sinceridade para com o irmão.

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Irmão Oliveira e Oliveira,

No seu texto há sim um consentimento e um incentivo, ainda que tácitos e indiretos, à pirataria, posto que se contrapôs à argumentação exposta, a qual corrobora a legislação vigente, que condena a apropriação indébita de obras, feita por pessoas que desobedecem ao artigo 184 do Código Penal, e prejudicando editoras e sobretudo escritores.

A abordagem do "outro lado" que o irmão sugere precisa ser feita com conhecimento de causa. O irmão sabia que uma editora só terá lucro, de fato, em uma obra a partir da sua segunda edição? A primeira, com raríssimas exceções, apenas cobre os custos de produção. E o irmão sabia que boa parte dos livros não ultrapassa a primeira edição, no Brasil?

O irmão sabia que um escritor recebe, em média, 5% de uma tiragem, ao longo de 1 ano? Digamos que um livro custe R$ 26,00. Multiplique isso por 2.000, que é a tiragem média, hoje em dia, dos livros, sobretudo em editoras evangélicas de médio a grande porte.

Quanto é 5% de R$ 52.000? R$ 2.600. Divida isso por 12. Quanto? R$ 216,66! Este seria o salário mensal de um escritor que escreve um livro por ano, e a sua obra tem uma única tiragem! Quando uma obra tem uma boa aceitação no mercado, essa tiragem pode ser três ou quatro vezes mais. Mesmo assim, o salário mensal do escritor não passará de R$ 1.000,00!

Oh, como são opressores esses escritores e essas editoras malvadas, não? Vamos acabar com eles! Eles usam práticas abusivas! Vamos ajudar os "menos favorecidos"! Liberemos o download para todos! Viva a ilegalidade!

Reflitamos, queridos. Não estamos nos Estados Unidos, onde livros de sucesso chegam a vender milhões de exemplares. Estamos no Brasil...

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Pastor (desculpe) Robson Sousa,

Limitar-me-ei a dizer que sua exposição é brilhante. E todos que passam por aqui deveriam lê-la. É coerente, realista e bíblica. E feita por alguém que conhece, de fato, as leis e o por quê delas.

Visitarei seu blog e farei comentários. Mas, para seu conhecimento, não deixo de acompanhar o seu trabalho.

Em Cristo,

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro pastor e amigo Newton Carpintero,

Talvez muitos aqui não saibam que o senhor já trabalhou na área editorial e conhece muito bem as práticas "predatórias" dos escritores e editoras. Explique um pouco para os participantes deste fórum como é "lucrativo" esse ramo de atividade e como é preciso realmente haver um levante contra esses "inimigos" das classes "menos favorecidas"...

Grato pela brilhante participação neste fórum.

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro irmão Luiz Carlos Santana,

Não vou publicar o seu comentário na íntegra porque há uma parte em que o irmão, mesmo sem intenção, dá uma informação que poderá ser útil aos que gostam de desrespeitar a lei. Mas o irmão verá que publicarei o seu comentário quase que na íntegra e o responderei.

O irmão Luiz Carlos Santana disse: "Artigo edificante pr Ciro,certa vez comecei ler um livro seu baixado na net,mas o Espírito Santo me incomodou e eu parei de ler a tal obra depois eu procurei até achar algum irmão que tinha a obra,e li de consciência tranquila a algumas semanas atrás adiquiri um livro seu (???). Pr tenho uma pergunta a respeito de obediência as leis para fazer ao sr o que você acha dos missionários que levam bíblias para países cuja distribuição das mesmas é proibida pela lei?
Pr perdão por ter feito a tal cópia,estou gostando muito da leitura que estou fazendo da sua obra COMPRADA graças à Deus.
A paz do Senhor.
Em Cristo.
Luiz Carlos Santana"

Querido irmão Luiz Carlos Santana,

Primeiramente, agradeço-lhe por ter adquirido a tal obra, de minha autoria, mesmo depois de a ter "baixado" pela Internet. Eu só não sabia que "esse" livro estava disponível para download!

Eu também lhe farei uma pergunta: O que o irmão acha dos missionários que pregam o evangelho em território islâmico, e dos que morrem pela causa do evangelho, por não se sujeitarem à proibição imposta pelos muçulmanos?

É óbvio que as leis dos homens não estão acima da Lei de Deus! Mas isso não significa que devamos desprezar todas e quaisquer leis dos homens! É claro que, por amor a Cristo, eu posso ir contra as leis de um país, a fim de cumprir a vontade de Deus, como fazem muitos missionários.

Pregar o evangelho e tentar levar Bíblias a países cuja distribuição de material evangelístico é proibida são causas realmente nobres e que transcendem as leis da terra. Mas o ideal é pregar o evangelho sem contrariar as leis de um país (cf. Rm 13.1-7).

Por outro lado, ampliando um pouco, seria precipitado e irresponsável de nossa parte comparar o nobre trabalho dos missionários que estão dispostos a dar a vida pela pregação do evangelho ao ignóbil trabalho dos que fazem upload e download de livros não-autorizados na Internet!

Em regra geral, temos de respeitar as leis do nosso país, como fez Jesus (1 Jo 2.6). Até onde pôde, Ele respeitou-as (Mt 22.21). E os apóstolos fizeram o mesmo, se lermos com atenção o livro de Atos. Mas, no que tange à pregação do evangelho, Pedro mesmo respondeu, em obediência à Lei do Alto: "não podemos deixar de falar do que temos visto e ouvido" (At 4.20).

Creio que não foi a sua intenção querer mostrar que, em razão de a Lei de Deus estar acima das leis da terra, devemos em todos e quaisquer casos desrespeitá-las ou torná-las nulas (leia Romanos 13.4,5). Mas fiz questão de responder à sua pergunta de modo abrangente, a fim de que outros, ao lerem a sua pergunta, não sejam levados a tomar a exceção pela regra.

Em Cristo,

CSZ

Estou caminhando disse...

A Paz do Senhor e Salvador Jesus Cristo esteja convosco.

Sou desenvolvedor de sistemas e realmente pirataria é algo complicado, sou totalmente contra qualquer tipo de pirataria, assim como não gostaria de ver algum programa meu rodando sem autorização também não utilizo programas piratas, o mesmo também com livros, filmes ou músicas; Hoje em dia o pecado está à porta em diversas áreas, se não vigiarmos e orarmos o tempo todo cairemos; e o pior, praticamos sem perceber tendo a mente cauterizada.

Márcio.

francisco disse...

Pastor Ciro que postangem esclarecedora pena que alguns crentes piratas,de talvez igrejas piratas nao entenderam

Clébio Lima de Freitas disse...

Pr. Ciro, temo que o nosso esforço, mesmo que legítimo, não tenha alcançado seu objetivo, pois, infelizmente, a maioria dos brasileiros e dos "crentes" não respeita as leis, principalmente uma que, sendo desrespeitada, não lhe produz prejuízo. Que o Senhor Jesus nos ajude nessa luta contra o pecado, seja ele qual for!

Robson Silva de Sousa disse...

A Paz do Senhor, nobre, paciente, perseverante, tolerante, longânimo, e caridoso escritor Ciro Zibordi (só eu não recebi livro ainda, snif! snif!)

Voltei aos comentários para dizer como são ricos e surpreendentes os livros...

Hoje à tarde enquanto lia uma obra de Charles C. Ryrie (autor das anotações de A Bíblia Anotada Expandida) que tem por título “Como pregar doutrinas bíblicas”, deparei-me com uma belíssima pérola que vem bem de encontro àquilo que já havia sugerido aqui neste post, e gostaria de compartilhá-la com o irmão e com os comentaristas desse blog. Diz assim o escritor:

“Quase todos nós precisamos de ajuda na hora de ESCOLHER OS MELHORES LIVROS PARA NOSSAS NECESSIDADES e o nosso estágio de maturidade intelectual e espiritual. Para os que estão FORMANDO UMA BIBLIOTECA, especialmente COM ORÇAMENTO RESTRITO, meu conselho é que COMPREM LIVROS de interesse atemporal (incluindo o material de referência) e que TOMEM EMPRESTADOS os livros de interesse mais imediato, que, apesar de serem relevantes por algum tempo, não serão particularmente úteis depois de alguns anos.” (p. 78-79 - grifos nossos).

Uma obra prima, que vale cada centavo pago...

Aos interessados, o livro pode ser encontrado facilmente pelo título acima nas melhores lojas do ramo a um preço médio que varia de R$7 a R$10... Caro??? Rssss!!!

Abraços,

E desculpe a propaganda gratuita... Se bem que não conheço pessoalmente o autor; mas reconheço o valor do seu trabalho.

The book is mine but the copy right is their…

Quem pode dizer amém?

Em Cristo,

Robson Silva

Ricardo Coriolano - A Unção Atrai! disse...

Paz do Senhor Jesus.
Esta conversa vai longe!
Espero que todos nós, servos do Deus Altíssimo,possamos de alguma forma, contribuir para que este problema de pirataria seja diminuído, haja vista os valores morais estarem sendo alterados numa velocidade incrível.
Mas falando em valores morais e cristãos, peço a gentileza dos leitores deste ótimo blog a acharem uma forma de no próximo trimestre da EBD, acharem uma forma de contribuir de alguma forma com o irmão ADRIANO JOSÉ URSULINO ISIDRO, a cooperarem e enviarem algumas revistas da EBD para que os alunos possam usufluir desta grande benção de Deus, que é a revista da EBD.
Vou fazer a minha parte, como superintendente da EBD na IEAD em Curitiba Cong. Vila Sabará, vou entrar em contato com o irmão e ver a necessidade do mesmo.
Isto não é sensacionalismo, isto é amor ao próximo.
Na nossa igreja, depois que conseguimos mostrar para a igreja a necessidade de "distribuição gratuita" das revistas, nossa frequencia aumentou consideravelmente.
QUE DEUS EM CRISTO NOS ABENÇOE.

Newton Carpintero, pr. e servo disse...

Nosso pr. Ciro Zibordi,

A paz do Senhor!

Resolvi inserir uma pequena matéria sobre os piratas:

.................É vergonhoso saber que a pirataria, tomou proporções desastrosas, e que promovem a "FILANTROPIA", com produtos roubados de outros pensantes...........continua no meu blog.

O Senhor seja contigo, nobre pastor!

O menor de todos.

ADRIANO JOSÉ URSULINO ISIDRO, 28 ANOS disse...

A Paz do Senhor Jesus Pastor Ciro.

Obrigado pelos esclarecimentos.

Quanto aos argumentos de Oliveira e Oliveira, ele tem que ver que para manter uma Empresa no mercado é muito dificil.
Eu trabalho em uma papelaria e sei o quanto é dificil administrar uma pequena Empresa, quanto mais uma grande Empresa.
Os impostos são altos, folha de pagamento também, encargos sociais, maquinário, etc...
E queria deixar claro que quando apoiamos a pirataria estamos colocando na rua um pai de familia.
Quer um exemplo?
Aqui em João Pessoa, a Pirataria é muito grande, principalmente de Cd`s e Dvd`s, e sabe o que aconteceu? Muitas locadoras fecharam as portas! E só Deus sabe o tanto de funcionários que ficaram desempregados!
Além do mais, quando compramos algo pirata estamos contribuindo para o Crime Organizado!
É certo alguém ganhar dinheiro a custa dos outros?
A Palavra de Deus diz que quem quiser comer que trabalhe.
Uma vez na Igreja, em uma aula de Escola Dominical se tocou nesse assunto, e eu disse: Nós só podemos ter algo só se for de modo honesto.
Vamos então procurar meios de mudar essa realidade, e não aceitarmos isso com argumentos irrelevantes.

Que a Paz do Senhor Jesus seja com todos.

Danilo Fernandes disse...

Prezado Pastor Ciro e demais debatedores:

Custa me acreditar que num site cristão, lido por cristãos haja alguem capaz de relativizar o conceito de roubo, interpelando o nobre Pr Ciro como se este estivera errado ao informar que fazer download de livros não autorizados é pecado.

É claro que é pecado! É roubo. Roubo da propriedade intelectual.

Num país onde o vendendor de sanduiche ganha mais do que um professor, estamos acostumados a ver o saber desprezado e mal remunerado.

Escrever, ensinar são das tarefas mais nobres e tomar posse do produto destas tarefas sem autorização é roubo, como é roubo quem rouba um sanduiche, mesmo que seja por fome.

Fome de saber, fome alimentar não são razões para justificar roubo.

Não discordo que a segurança alimentar do povo deva ser objeto do estado, mesmo não sendo a mais importante, se há trabalho disponível. Vejo sim, a segurança educacional e a da saude como as fundamentais para garantir igualdade de chances a todos e futuro. Contudo, isto não significa que o povo deva roubar os remédios e os livros.

Quando o governo decide prover educação compra e paga pelos livros. O mesmo vale para remédios.

Respeitem a propriedade alheia.

Lamentavelmente, nós, os evangélicos, como massa estatistica estamos longe de ser uma medida da honestidade, como já fomos um dia.

Coisa mais fácil é encontrar na WEB, sites cristãos especializados em baixar louvores "roubados".

Certamente, serão ouvidos no inferno.

Ou estou errado?


Danilo

Robson Silva de Sousa disse...

A Paz do Senhor, meu amigo Ziro Ciborgue... Ops... Brincadeirinha!
É que só mesmo com uma blindagem daquelas para aguentar essa parada dura!

Mas, brincadeiras à parte, voltei ATRAÍDO pela UNÇÃO do amigo CORIOLANO... Gostei do cabra!

A proposta dele é ótima, e se depender de mim estou de braços e mãos abertas para dar uma ajuda ao irmão URSOLINO lá de... De onde mesmo, hein?! Bem, depois eu vejo...

Mas gostaria de fazer uns pequenos acréscimos, se me permite... He, He...

Vejamos:

Eu particularmente acho que as revistas da Escola Dominical estão realmente sendo vendidas a um preço alto, a depender da região do país... Falo com sinceridade do meu coração... Mas disso a gente fala mais adiante.

Outro problema é que em alguns casos (DIGO: EMMM ALLLGUNNNS CAAAASOS) o conteúdo está muito enxuto, e superficial... Mas até aí tudo bem... A EBD não é propriamente uma ESCOLA TEOLÓGICA DE ENSINO SUPERIOR, mas uma escola teológica de ensino sistemático permanente feita por “leigos” e para “leigos” (espero que entendam o que estou querendo dizer)... Cabe ao professor aprofundar o tema na medida e de acordo com o perfil de sua turma / igreja.

Mas voltando a questão dos custos...

Para resolver este problema (digo: o financeiro), o Superintendente precisa ser uma cara “safo” – supersafo – de forma que a Escola, os alunos, os professores, não sintam tanto o peso do pagamento de sua revista trimestral, que diga-se de passagem custa em média R$0,06 o dia... POSSO OUVIR UM AMÉM?!?!?! Nem minha filha aceita isso de “oferta” para o lanchinho da escola... Com ela gastamos pelo menos R$3,50 o dia, economizando o máximo.

Bem, no caso da nossa pequenina EBD, da qual sou o superintendente, qual foi a solução que encontramos:

1. Passamos a comprar diretamente da loja da CPAD no Belenzinho, o que nos garante um belo desconto. Pra gente é tranquilo, já que estamos em uma grande capital e nossa sede está em outra cidade, do contrário teriamos que pegar em nossa livraria (sem desconto)... Xi, acho que me queimei! rssss;

2. Deixamos de cobrar os irmãos antecipadamente e até abrimos mão do controle de quem pagou ou não sua revista. Com isso evitamos constrangimentos, preocupações e listas negras. Para tanto, iniciamos uma campanha de arrecadação mais expressiva de ofertas na EBD, o que boa parte dos alunos aderiu;

3. Parte da oferta – separado o montante necessário para aquisição das revistas do trimestre seguinte – passou a ser usado para promover um café da manhã para alunos e professores no encerramento do trimestre, com prestação de contas dos valores arrecadados e dos gastos do trimestre anterior. Com isso nos tornamos mais transparentes e os recursos passaram a retornar para os contribuintes;

4. O sistema passou de cobrança para pagamento voluntário da revista. O irmão consciente de seu compromisso com a EBD paga sua revista quando e como puder, e aqueles que não nos procuram reputamos por necessitado, e não o procuramos, nem o cobramos. A inadimplência veio a praticamente ZERO... apenas algumas crianças não pagam.

CONTINUA...

Robson Silva de Sousa disse...

CONTINUAÇÃO...

Está dando certo para nós, o que não significa que daria certo com todo mundo. E olha que já tínhamos tentado de tudo. Cantina – NÃO DEU CERTO; tentamos uma mini livraria – TAMBÉM NÃO DEU CERTO.

Logo, é preciso deixarmos de lado a idéia de que somos incapazes ou impotentes para encontrarmos soluções para nossos problemas e buscarmos alternativas criativas.

Veja o exemplo do amigo Missionário Marcondes que está em Angola. Ele me contatou via Blog semana passada querendo alguns dos meus estudos para ministrar na Escola Dominical para jovens e adolescentes porque lá em Angola não tem acesso ao material da CPAD e ficaria muito caro pedir por remessa postal.

O que sugeri a ele, e na verdade fiz, foi enviar os ARQUIVOS ZIPADOS DAS LBM (lições bíblicas de mestre) que a CPAD disponibiliza GRATUITAMENTE em seu site oficial para que ele pudesse ministrar aos seus alunos o mesmo conteúdo que a gente tem aqui. Também envie os esboços semanais que recebo da equipe do Portal Escola Dominical com as lições de praticamente todas as faixas etárias comentadas... É sistema de parceria... Um ajuda o outro, e NÃO CUSTA NADA PARA MIM... NADA MESMO!!!

Tem ainda aquelas revistas “encalhadas” que não eram vendidas antigamente no sistema antigo de compra e venda que sempre que precisam eu ofereço como doação... Ainda devo ter uma dúzia do 2º trim/2007, cujo tema foi Tempos Trabalhosos, brilhantemente comentada pelo Pr. Elinaldo Renovato... Estão todas disponíveis...

Essa semana, por exemplo, minha esposa comprou 2 dúzias de bíblias para ofertarmos às crianças menos favorecidas de nossa igreja que ainda não as têm. A condição para receber o presente é ser assídua na EBD e trazê-la sempre à aula e aos cultos... Vamos começar a entregar já no próximo domingo...

Meu caro pastor e amigo Ciro Zibordi,

Acho que esse pessoal da pilantro-pirataria está querendo se promover às custas da falta aparência de “bons samaritanos” ao tentarem denegrir a imagem de quem anda de acordo com a Lei dos homens e com a Palavra de Deus, mas na verdade não passam de uns muquiranas fora-da-lei...

E tenho dito!

Robson Silva

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Danilo,

A sua participação no combate à pirataria é muito importante. Agradeço-lhe pela ajuda.

Em tempo: não comentei na outra postagem, mas falei sério quanto ao livro. Se precisar de ajuda (a despeito de seu grande cabedal), conte comigo. Por graça de Deus, já atuei formalmente como editor, e hoje uso a experiência que obtive para ajudar novos escritores ou escritores antigos que ainda não possuem livro publicado.

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caros irmãos:

A sugestão do irmão Coriolano é mesmo ótima. Eu, de minha parte, estou disposto a ajudar. Peço ao querido irmão Ursolino que me mande um e-mail expondo, em maiores detalhes, as dificuldades enfrentadas em sua Escola Dominical.

Irmãos, esse é o caminho: a ajuda aos domésticos da fé (Gl 6.10). e não o caminho da pirataria, tampouco o da revolta contra o sistema! Isso não é para os servos de Deus. As nossas maiores armas são a oração pelas autoridades constituídas (1 Tm 2.1-4), respeitando-as, pois são ministros de Deus (Rm 13.1-7), e também a generosidade, assunto, aliás, da próxima lição da CPAD.

Em Cristo,

CSZ

Luiz Carlos Santana disse...

Muito obrigado pr pela resposta que Deus continue abençoando seu ministério e em especial sua família.

Paz de Cristo.

ADRIANO JOSÉ URSULINO ISIDRO, 28 ANOS disse...

A Paz do Senhor Jesus Pastor Ciro.

O meu email - adrianoursulino@hotmail.com

Se o Sr. puder mandar seu Email ficarei grato.

Que Deus seja contigo mais e mais.

Heitor Oliveira disse...

a paz pastor Ciro.

Concordo plenamente com o irmão.
eu fico é perplexo de ver como muitas pessoas têm pontos de vistas tão contrários aquilo que está mais do que claro.
se lei condena a prática e a Biblia nos ensina a obedecer as autoridades constituidas, como alguém que se diz cristão pode justificar essa conduta?
se é desrespeito as leis vigentes, indubitavelmente é pecado, concordem ou não.
cada um é livre para fazer o que quiser mas não será livre na hora de arcar com as penalidades, seja da parte dos homens seja da parte de Deus.
se justificativas valessem para não respeitar esta ou aquela lei onde iriamos parar?
se a lei é justa ou não, se os livros são caros ou não, se povo tem condições ou não são outras questões, e não servem de desculpas.
de uma agulha a avião quem rouba é ladrão e para a justiça quem pratica pirataria rouba.
lembrem-se não existe pecadinho nem pecadão, pecado é pecado.

Fernando disse...

Olá pr. Ciro Sanches!
A Paz do Senhor Jesus Cristo, nosso Mestre.

Excelente postagem!

Pr. Ciro, no caso de ter um cd original e querer, através dele, selecionar uns louvores para o celular, é ilegal?

Que Deus continue te abençoando.

Fraternalmente,

Fernando da Conceição
Assembleia de Deus
Rio das Ostras-RJ

Anathema disse...

Pastor, sou muito grato a Deus por ter proporcionado a minha vida um encontro, mesmo a distancia, das nossas vidas. Sou administrador do site www.anathema.com.br, e gostaria que o senhor me permitisse adicionar algumas postagens suas em meu site assim como gostaria, também, se não for pedir demais, que vc escrevesse algo para colocarmos em nossa coluna teologica que estamos construindo. Fique na Paz e um abraço.
Presbítero - Emerson Muniz

Arnaldo Ribeiro disse...

REVELAÇÃO / EXORTAÇÃO:
Urge difundirmos na terra, a certeza de que Jesus Cristo já vive agindo entre nós, espargindo a luz do saber, criando Irmãos espirituais, e a nova era Cristã. Eu não minto, e a Espiritualidade que esperava pela sua volta, pode comprovar que digo a verdade. Por princípio, basta recompormos as 77 letras e os 5 sinais que compõem o titulo do 1º. livro bíblico, assim: O PRIMEIRO LIVRO DE MOISÉS CHAMADO GÊNESIS: A CRIAÇÃO DOS CÉUS E DA TERRA E DE TUDO O QUE NÊLES HÁ: Agora, pois, todos podem ver que: HÁ UM HOMEM LENDO AS VERDADES DO SEU ESPÍRITO: ÊLE É O GÊNIO CRIADOR QUE CRIA ESSA AÇÃO DE CRISTO. (LC.4.21) – Então passou Jesus a dizer-lhes: Hoje se cumpriu a escritura que acabais de ouvir:(JB.14.17) O Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não no vê, nem conhece, vós o conheceis, porque Ele habita convosco e estará em vós. Regozijemo-nos ante a presença do Nosso Senhor, e façamos jus ao poder que o Filho do Homem traz às Almas Justas, para a formação da verdadeira Cristandade.

(MT.26.24) – O FILHO DO HOMEM VAI, COMO ESTÁ ESCRITO A SEU RESPEITO, MAS AI DAQUELE POR INTERMÉDIO DE QUEM O FILHO DO HOMEM ESTÁ SENDO TRAIDO! MELHOR LHE FORA NÃO HAVER NASCIDO.

E, ao recompormos as 130 letras e os 7 sinais que compõem esse texto, todos já podem ler, saber e entender quem é o Filho do Homem.

E O FILHO DO HOMEM É O ESPÍRITO QUE TESTA AS ALMAS DO HOMEM E DA MULHER, NA VERDADE DO SENHOR, COMO CRISTO: E EIS A PROVA QUE O FILHO DO HOMEM FOI TREINADO NA LEI CRISTÃ

(MC.14.41) – CHEGOU A HORA, O FILHO DO HOMEM ESTÁ SENDO ENTREGUE NAS MÃOS DOS PECADORES: E hoje, quem quiser interagir com o Filho do Homem, deve buscar “A Bibliogênese de Israel”, que já está disponível na internet (Editora Biblioteca 24x7). E quem não quiser, pode continuar vivendo de esperança vã, assistindo passivamente a agonia da vida terrena, à par da auto-destruição do nosso planeta...

Anônimo disse...

paz pastor ciro foi um prazer de conhecer seu trabalho gostaria de saber meu esposo tem uma loja de roupa no camelondromo e vende roupas de marcas naik puma adidas e outras. nao tem notas de nada porque e dificil na ferinha de são paulo nao dar eu falo sempre pra ele eu gostaria de saber se estamos agindo erado isto pode impedir a savaçao, e outra coisa meu filho que ser jogador de futebol ele tem 14 anos estou agindo erado de apoialo.isto pode impedir minha salvaçao me da uma resposta obrigada . adriana

Ana Silva disse...

Ana Silva
A pAz do Senhor Pr. Ciro.

Entendo e concordo com sua publicação e me arrependo de já ter copiado cds e comprado dvds piratas. Mas me dia se pagarei pela teimosia do meu esposo em continuar praticando a pirataria, sem minha aprovação?

Luciana disse...

Boa tarde Pastor!
Me desculpa a ignorância, mas no seu artigo, o senhor falou muito sobre downloads de livros. No caso de downloads de filmes, o raciocínio é o mesmo? Não entendo como os filmes chegam na íntegra na internet, as vezes antes de iniciar a exibição nos cinemas. Quem coloca esses filmes na web? Quem tem o arquivo completo do filme não é a produtora do mesmo? Para esses casos a lei é a mesma? Desde já agradeço os esclarecimentos. Luciana

Ciro Sanches Zibordi disse...

Prezada Luciana,

Eu fiz uma abordagem sobre livros, mas a lei prevê punição para toda e qualquer violação aos Direitos Autorais.

CSZ

Eliseu de Oliveira disse...

Excelente artigo, Pr. Ciro! Mas a pirataria é um mal que está impregnado desde a raiz nos mais diversos segmentos da sociedade. Muitos pecam sem saber, como por exemplo os que compram computador com Windows falsificado.

Essa prática tem falido muitas indústrias que sustentam a arte, que diga-se de passagem, tem hoje, 12 de agosto, o seu dia mundial. E a ignorância impera absoluta.

É necessário que blogs bem lidos como o seu abordem justamente esse tipo de assunto, que também deveria ser pauta de lição de revista de escola dominical para adolescentes(sugiro que use sua influência na CPAD para fazer algo a respeito)

No caso dos adolescentes, isso é questão de honra. Não pagar, ser malandro, etc. É uma idiotia que faz parte de sua índole devassa. Por isso, é preciso que as instituições abram os olhos da sociedade para esse câncer, pois é muito grave, grave mesmo.

O senhor fez a sua parte, torçamos para que os demais também o façam.

PS.: Sugiro que faça um artigo sobre até que ponto o cristão pode ou não ouvir música secular, se é pecado, etc.

Respeitosamente,
ELISEU DE OLIVEIRA - Futuro psicólogo e escritor (16 anos)

Luis Souza disse...

Bom Ciro...

Realmente baixar livros não é legal, mas você como escritor e tem acessos à CPAD não propoe livros feitos em material reciclado? Menor custo e acesso à todos.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Luís Souza,

Quando eu trabalhei na CPAD, soube que havia projetos para propiciar ao público ledor preços melhores através de pocket book. O papel reciclado também é uma alternativa. Não respondo pela CPAD, mas conheço bem essa Casa e sei que ela sempre busca alternativas para beneficiar os "menos favorecidos".

Grato pela participação.

CSZ

Rodrigo disse...

Pr. Ciro, parabéns pelo excelente artigo! Parabéns mesmo!

Só gostaria de fazer uma pergunta: se eu tiver um livro impresso em papel (comprado, com nota fiscal, tudo certinho) e quiser baixá-lo para não ter que ficar digitando trechos quando for fazer uma citação, por exemplo, constitui crime?

Não sei se o senhor já passou por isso, mas há vezes que procuramos desesperadamente por uma frase, uma palavra, um parágafo no livro e não achamos. Se tivéssemos uma versão digital bastaria fazer uma busca e pronto. Rápido e prático.

Enfatizo que não vou deixar de pagar pelo trabalho do autor, da editora, etc. Apenas quero, além da cópia impressa pela qual paguei, uma versão digital para consultas, citação, etc.

Um abraço.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Querido irmão Rofrigo,

A paz do Senhor!

O certo, nesse caso, é o irmão pedir ajuda ao autor ou à editora. Ao "baixar" um livro não-autorizado, o irmão está colaborando com aquele que, ILEGALMENTE (sem permissão), inseriu o livro na Internet.

Exceção: há um caso de um irmão que é cego, o qual usa um software para ler os meus livros. Ele me escreveu, e eu, de imediato, me prontifiquei a mandar-lhe uma versão em Word dos meus livros, para que ele possa "lê-los".

O que não podemos é concordar com a banalização do download ilegal de obras.

Graças a Deus, minhas obras têm uma ótima vendagem, mas conheço autores e editoras pequenas que têm sofrido muito por causa do crime/pecado em apreço.

Em Cristo,

CSZ

Sanlopes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Antonio de Souza disse...

Dura verdade que não queremos aceitar.
Piratas da modernidade é que estamos nos tornando. Sem navios e um grupo de loucos ladrões oportunistas temos agido em favor deste crime por meio da sutileza instalada em nosso caráter que nos trás a passividade que cauteriza nosso coração.
Eu via está questão com outros olhos - talvez estivesse cego - e não queria aceitar está realidade e, hoje compreendo.
Sobre o preço dos livros concordo que algumas Editoras estão com preços que dificultam a sua compra pela maioria dos leitores, porém a Editora AD Santos está com preço bem acessíveis e ótimas obras. Fica ai a minha sugestão.

jesiel Padilha disse...

As maiores gravadoras do mundo sonegam impostos, nao cumprem contratos. Produzem muito mais do que o combinado com os autores. Vendem a matriz. Abusam dos contratos sempre arbitr'arios e os autores sempre saem lesados. Pergunto eu? quem 'e mais pirata?

Denise, Goiânia disse...

Pastor Ciro ou quem possa me responder,

Aceitei Jesus tem pouco tempo e gostaria muito de aprender a cantar os hinos da harpa... Já dei uma pesquisada na internet, mas não encontrei uma resposta objetiva sobre baixar(mp3) hinos da harpa pra ouvir se é pecado ou não?!os hinos da harpa são de dominio público? Isso procede???
Gostaria de saber com urgência...

........Ainda bem que pra quem tá começando agora nos caminhos do senhor existem blogs como o do senhor e de outros pastores sérios pra gente não aprender errado.. muito obrigado gosto muito do seu seu blog
Agradeço a Deus!!!

Joshua disse...

Imaginem também, Paulo nessa viagem ao nosso tempo, procurando um advogado para denunciar o uso de suas cartas sem o pagamento de direitos autorais. Acusando de pirataria quem escreve livros baseados no texto bíblico confessando não ter ido além do que está escrito. Ou será que ele diria "de graça recebeste, de graça dai".

O BLOG DA VERDADE disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Ciro Sanches, vou pegar o livro de sua autoria, emprestado, eu estou comentendo uma infração, pelo fato que não posso adquiri-lo.

Erivaldo

Bruno Queiroz disse...

Que dizer de um livro de um autor que morreu a mais de 70 anos, mas esse livro foi traduzido a menos tempo,baixar a tradução também é errado?

Bruno Queiroz disse...

Faço faculdade, e os professores geralmente pedem para que tiremos cópia de um texto de um livro para estudar para a prova. É pecado tirar cópias de livros nesse caso?