terça-feira, 10 de novembro de 2009

Observar princípios bíblicos não é ser legalista


Quem afirma que a Palavra de Deus não condena certos pecados atuais precisa rever os seus conceitos. Quem chama de legalistas os irmãos que prezam os bons costumes — e não os extremismos — precisa permitir que a Bíblia seja a sua regra de fé, de prática e de viver. Afinal, ela não é apenas um livro de mandamentos do tipo “pode e não pode”. Ele contém princípios, pelos quais podemos distinguir o puro do impuro, o verdadeiro do falso, etc.

É evidente que não há, nas Escrituras, certas especificidades devido ao fato de nós não sermos os destinatários originais dos 66 livros inspirados por Deus. Mas tudo foi escrito para nosso ensino (Rm 15.4). Se fizermos uma análise histórico-cultural, entenderemos que nos tempos bíblicos, por exemplo, não havia o “ficar”, o piercing, o funk gospel, a festa jesuína, cinema, futebol, etc.

A Bíblia não é um livro ultrapassado ou desatualizado. Ela tem respostas para os dias de hoje! E nos orienta quanto a tudo, pois é a Palavra de Deus (Sl 119.105; 2 Tm 3.16,17). Se tudo o que ela aparentemente não condenasse de modo explícito ou textualmente fosse permitido, não haveria limites para pecar! E teriam sentido falaciosas pregações da atualidade, como: “Quer dançar um funk? Dance! Desde que seja em um baile frequentado só por cristãos, não há problema! Aproveite! Divirta-se pra valer na balada gospel. Rompa com toda religiosidade e o legalismo”.

Entretanto, vemos, nas páginas sagradas, grupos de coisas que, mesmo não sendo consideradas pecaminosas, levam o crente a errar o alvo. São coisas inconvenientes, dominadoras, embaraçadoras, parecidas com pecados, não edificantes, semelhantes a obras da carne, as quais não glorificam ao Senhor.

Coisas inconvenientes. A Palavra de Deus diz que todas as coisas são lícitas, mas não nem todas convêm (1 Co 6.12a). Temos livre-arbítrio e, se quisermos, podemos pecar à vontade. Por que não fazemos isso? Porque conhecemos os princípios que regem a vida cristã e rejeitamos as coisas inconvenientes. Ou seja, podemos pecar, mas não devemos fazer isso, pois já ressuscitamos com Cristo (Cl 3.1-17).

Coisas dominadoras (1 Co 6.12b). Há muitas coisas que não estão registradas na Bíblia, mas que podem nos dominar, levando-nos ao erro. O futebol, por exemplo, não é mencionado na Bíblia, mas conheço pessoas que são dominadas por ele. Se o seu time ganha, ficam eufóricas; mas, se perde, ficam deprimidas, tristes, arrasadas. Outros exemplos de coisas consideradas não pecaminosas que podem se tornar dominadoras: novelas, filmes, uso da Internet, etc. Todas essas coisas, conquanto lícitas, podem se tornar dominadoras, inconvenientes e até embaraçadoras para o cristão, como veremos.

Coisas embaraçadoras. Em Hebreus 12.1 vemos que é preciso deixar os embaraços e o pecado. Há inúmeras coisas embaraçadoras não registradas na Bíblia. Por isso, Paulo disse a Timóteo: “Ninguém que milita se embaraça com o negócio desta vida, a fim de agradar àquele que o alistou para a guerra” (2 Tm 2.4). Os simplistas dizem que é religiosidade, legalismo e farisaísmo preocupar-se com certas coisas, mas a Palavra de Deus é clara quanto ao perigo de nos embaraçarmos com coisas desta vida, ainda que não sejam mencionadas como pecados.

Coisas parecidas com pecados. A Palavra afirma que devemos nos abster de toda aparência do mal (1 Ts 5.22). Isso é subjetivo, mas fazer algo que deponha contra esse princípio denota ir além do que está escrito (1 Co 4.6). Quem frequenta lugares destinados à prática de atos pecaminosos, só pelo fato de estar lá, ainda que não esteja propriamente na roda dos escarnecedores (pecando), aparenta estar. Não foi por acaso que Isaías confessou tanto o pecado, de maneira ativa, de pronunciar palavras impuras como o de ouvi-las, passivamente (Is 6.5).

Coisas não edificantes (1 Co 10.23). São as coisas, em geral, feitas no tempo certo e de modo errado, ou de maneira correta, mas fora de tempo (Ec 8.6). Se praticarmos essas coisas não edificantes, também ultrapassaremos o que está escrito na Bíblia e estaremos contra Deus. Supervalorizar o exterior é legalismo, mas valorizá-lo não. Deus prioriza o espírito, mas valoriza o corpo (1 Ts 5.23).

Coisas pecaminosas, semelhantes às registradas na Bíblia. A lista das obras da carne termina assim: “e coisas semelhantes a estas” (Gl 5.21). Ou seja, há pecados não mencionados na Palavra de Deus textualmente, mas condenados por ela! Basta perguntarmos o que é semelhante a prostituição, impureza, lascívia, etc. O que dizer do erotizante funk? O Diabo é criativo, e a cada dia surgem novas maneiras de pecar. Se a Bíblia fosse registrar todos os pecados, seria muito mais volumosa. Por isso, precisamos identificar os pecados novos mediante a observação de princípios contidos nas Escrituras.

Coisas que não glorificam a Deus (1 Co 10.31). Sim, há coisas que não glorificam a Deus, a despeito de não estarem mencionadas de maneira direta na Bíblia. Um texto que nos ajuda a compreender esse princípio é Filipenses 4.8. Leia este versículo e aplique-o à sua vida antes de pensar em fazer tatuagens, usar piercing, adotar certos estilos musicais no culto a Deus, dançar freneticamente, seguir a mensagens de autoajuda e a modismos, etc.

Em Cristo,

Ciro Sanches Zibordi

13 comentários:

Marcelo disse...

A paz do Senhor Pr Ciro! excelente postagem, infelismente os lideres do evangelho atualmente desvalorizado do evangelho, hoje qualquer pessoa sai por ai e se diz pastor, banalizaram a Jesus, essa de funk gospel é uma vergonha, é simplesmente um meio das pessoas pecarem e enganar-se a si mesmas achando que com uma eixegese podem se livrar do pecado sendo mundanas partilhando os mesmos interesses carnais impetrado pelo proprio Satanás.

Marcelo de oliveira( S.A.D )

Marcelo disse...

Pr Ciro,

Realmente os dias são maus, estamos no tempo da apostasia, em que os que se dizem cristãos não querem mais carregar a cruz de Cristo, não mais sofrem as aflições do Mundo, vivendo um Evangelho falsificado, o "Evangelho" das facilidades, em que só nos prendemos àquilo que nos agrade, e não ao Senhor Deus.

Olhando para a Igreja constituída, já não mais vemos o brilho de Cristo, e não sentimos mais o aroma do sal da Terra.

Mais do que nunca devemos olhar para o Mestre, com seus imutáveis conselhos, e imitá-lo, pois só desta maneira permaneceremos na Porta Estreita, pois essa Porteira da indecência que abriram ante a igreja só pode levar esses pseudo-cristãos a um lugar: "O INFERNO"

É com pesar no coração que escrevo estas palavras, mas cônscio de que estas coisas acontecem por permissão de Deus, e já estão preditas em sua Palavra.

Que Deus, em Cristo, nos ajude a guardar-mo-nos da corrupção do Mundo!!!

Marcelo Lima - Coop da AD em São José dos Campos

a verdade do evangelho disse...

Amado Pr. Ciro eu também não concordo com o antinomianismo (tudo é permitido)que tem sido propagado por certos lederes sem entendimento.
Sei que muitos lideres (graças a Deus)foram libertos do legalismo que por muito tempo escravizou os servos de Cristo, com proibições carentes de base Bíblica, mas isso não os dá direito de agora saltar para o outro extremo e dizer que agora está tudo liberado e que nada é pecado.
Por outro lado não podemos permanecer na cegueira espiritual, com a viseira que nos foi colocada pelos lideres zelosos que não tinham entendimento.
Creio que há muita hipocrísia em nosso meio, pois enquanto coamos mosquitos, engolimos camelos.
Claro que não são todos os Pastores que cometem estes erros, mas nossos púlpitos tem se transformado em palanques na época de eleições e quase ninguém contesta isso.
E os que contestam são logo tachados de críticos e refutados com textos isolados das Escrituras (usam exemplos tirados da vida de José e Daniel).
Condenamos o funk, o piercing, as danças, etc..., mas quem se levanta contra a politicagem dos pastores em nossas igrejas e convenções, os quais estão atolados até o pescoço com a política? (as ovelhas que o digam)

E esses "bons costumes" em nome dos quais muita gente foi lançada fora da igreja? Será que é mesmo bom?

Pb. Edinei Siqueira, Th.B

Cleison Brügger de Oliveira. disse...

A paz do Senhor, Pr. Ciro!

Muito bom esse texto e bem explicativo; realmente, precisamos saber o que realmente nos afasta da comunhão com Deus.
Não podemos ser legalistas ao ponto de julgarmos que a maioria das coisas não nos são lícitas; todavia, não podemos ser liberais ao ponto de considerarmos tudo certo e conveniente!

devemos ter as Santas Páginas como regra de prática; com ela, aprenderemos o que é certo e errado, sem sermos extremistas ou ainda, liberais.

Luiz Carlos disse...

Postagem muito edificante pastor,eu a cada dia que passa tenho me asustado mais pois a igreja tem virado casa de eventos ultimamente está complicado pra encontrar aquela igreja que esteja no caminhar da palavra pois os líderes com medo do esvaziamento da igreja tem se calado quanto aos modismos mundanos,isso quando não apoiam,a liderança tem que começar a mudar pois desde Israel é assim quando os reis eram fiéis como Ezequias as coisas corriam bem,mas quando entrava um como seu filho Manassés idólatra desobediente conduzia o povo pelo mesmo caminho. Pastor eu sou apenas um membro que estou na luta para chegar numa liderança e sou um admirador seu que espero chegar um dia a realizar esse desejo que Deus colocou em meu coração de estar numa frente de trabalho pra Ele,pretendo ainda obter seus livros (no momento estou sem condições $) pois tenho certeza que são obras para a glória de Deus,que o Pai continue te abençoando.Ore por mim.

Luiz Carlos Santana

Anônimo disse...

Prezado irmão em Cristo, Prº Ciro Sanches Zibordi.

Parabéns por mais esta abordagem tão necessária em nossos dias. Dias de trevas. Dias de apostasia.
Lembro-me agora que ha alguns anos, quase apanhei de um membro da igreja quando censurei o ritmo rock usado nas supostas músicas evangélicas.
Corroborando sua matéria, gostaria de citar o que está escrito em Rm 1:32
os quais, conhecendo bem o decreto de Deus, que declara dignos de morte os que tais coisas praticam, não somente as fazem, mas também aprovam os que as praticam.
A falta de conhecimento da Palavra tem levado muitos a concordarem com as invencioníces "males" achando que não tem nada demais. Estão removendo os marcos antigos.

Prº Ciro: Continue na defesa da fé.

Fraternalmente em Cristo Jesus.

José Roberto Sanana. Pb.
AD. Min. de Cubatão -SP

Lucas Marin disse...

João 4:34 Jesus disse-lhes: A minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou e realizar a sua obra.

João 7:18 Quem fala de si mesmo busca a sua própria glória, mas o que busca a glória daquele que o enviou, esse é verdadeiro, e não há nele injustiça.

Ainda queremos imitar a Cristo?

A Paz do Senhor Jesus seja contigo Pr. Ciro!

Ev. Nilson Queirós disse...

Olá Pr Ciro A paz, querido parabenizo vc pela postagem, mas gostaria que o senhor desse uma analisada quando fala na segunda parte do segundo paragrafo:
" Se fizermos uma análise histórico-cultural, entenderemos que nos tempos bíblicos, por exemplo, não havia o “ficar”, o piercing, o funk gospel, a festa jesuína, cinema, futebol, etc."
Histórico-culturalmente nao havia o "ficar" mas em compensação havia a liberdade de os homens possuirem mais de uma mulher, nao havia o "piercing", nao da forma como é exposto hoje, mas de outra forma havia acessorios semelhantes, embora fossem usados em sua maioria pelas mulheres, não havia o "funk gospel", mas olhando a estrutura cultural daqueles tempos, as festas duravam a noite toda, algumas o dia todo e os participantes ebanjavam-se, com musicas que pra época eram consideradas de "arromba" rsrs,cinema com certeza nao existia, rsrs, e futebol tbm nao, mas havia outros jogos que eram apreciados por todos e inclusive pelos cristãos! não quero me ultilizar de anacronismo, mas em uma ánalise melhor chegaremos a conclusão de que pra época existiam coisas semelhantes a estas de hoje que eram perfeitamente aceitaveis, NAO QUERO AQUI DEFENDER NEM O LIBERALISMO NEM O LEGALISMO (acredito na moderação dentro do que a Bíblia nos ensina!!), apenas levantar o raciocínio quanto a contextualização historico-cultural.. e me defino como Um conservador moderado. E gostaria que o senhor me respondesse.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Irmão Nilson Queirós,

A paz do Senhor.

Ao mencionar a existência de coisas similares às de hoje, nos tempos bíblicos, o irmão já confirmou a argumentação de que a Palavra de Deus, através dos princípios, apresenta respostas atuais, assim como eu enfatizei no artigo.

Não havia liberdade (ou permissão) para os homens terem várias mulheres. O que havia era tolerância. E eles também sofreram as consequências desse pecado.

Deus também não recebia as "festas de arromba". Haja vista o que está escrito em Êxodo, Isaías, Amós, etc.

Outrosssim, citei os princípios porque eles resistem ao tempo e nos oferecem argumentos irrefutáveis quanto a pecados e embaraços da atualidade, que a cada dia vêm sendo aceitos com naturalidade por pessoas que não têm compromisso com a Palavra de Deus.

Em Cristo,

CSZ

Newton Carpintero, pr. disse...

Nosso pr. Ciro Zibordi,

A paz do Senhor!

Vivemos tempos difíceis em que os corações se distanciaram de Deus, e não possuem mais, pelo menos o tato espiritual para a identificação dos erros que agridem ao Senhor, e são subentendidos como normal por muitos, que se afastaram da correção que a Bíblia nos inspira ao alertar-nos à respeito destes momentos caóticos em que vivemos.

É portanto, necessário a continua análise com os pés no chão e o coração consciente das responsabilidades e possibilidades corretas do agradar, ou não, ao Senhor em nossas decisões como homens de Deus.

Muitos se desviam com facilidade da verdade, por não possuírem um compromisso sério com Deus, e não se aniquilam a si mesmo em detrimento da verdade e impulsionam movimentos religiosos com base exclusiva nos desejos da carne e se conformam aos sentimentos mundanos. Infelizmente!

O Senhor, seja sempre contigo, nobre pr. Ciro Ziordi,

pr. Newton Carpintero
www.pastornewton.com

Peregrino do Evangelho disse...

Amado Pr. Ciro,

Quando identificamos uma deturpação, desvirtuamento ou heresia e alertamos mostrando a ortodoxia bíblica, logo somos rotulados de legalistas.

Hoje em dias as pessoas prefrem acreditar em correntes, congressos caça-niqueis, rosas ungidas, toalhas com suor ungido, entre outras coisas bizarras do que atentar a Sã Doutrina do Evangelho de Jesus Cristo.

O povo gosta de ser iludido, de ser frequentador de Igrejas do que ter um compromisso com Deus, de ser realmente cristão no real sentido da palavra.

Porém continuamos na luta para levarmos o Evangelho genuíno de Cristo a toda criatura.

Graça e Paz

Lucky Costa disse...

A paz do Senhor, pastor.
Fico tão feliz quando o pastor coloca novas postagens, pois é a certeza de mais um aprendizado.

Realmente o servo do Senhor é equilibrado, pois tem o Espírito Santo e, andando em espírito, sabe qual é o seu limite, agradando ao que nos chamos das trevas para Sua maravilhosa luz.

Quando ultrapassamos os limites do Espírito Santo, damos um passo para cometermos heresias e apostasias. Precisamos vigiar, pois os dias são maus.

Deus continue te abençoando e a sua familia.

Lucky Costa

PS.: Li essa reportagem e fiquei indignada. É no ultimo parágrafo que o texto está localizado. Casamento de pastores? Talvez seja um tema para uma postagem:
http://odia.terra.com.br/portal/rio/html/2009/11/parada_gay_ganhara_mais_recursos_no_proximo_ano_43937.html

Júnior Rubira disse...

Amado Pr.Ciro Zibordi,

O que mais há em nosso tempo são pessoas que agem como se a Bíblia fosse um livro velho e desatualizado, grande engano, sábias palavras.

Abraço fraternal em Cristo,

Júnior Rubira
www.blogespadadoespirito.blogspot.com