sábado, 30 de maio de 2009

Entrevista para a revista-catálogo Aliança


Ciro Sanches Zibordi sem censura!
O polêmico pastor, que teve seus livros rasgados em público, fala com exclusividade à reportagem da Aliança

[O título e a chamada acima foram inseridos pelos editores da excelente revista-catálogo Aliança, que entrevistou este escritor na edição número 7, de abril de 2009. Confira a íntegra da entrevista abaixo.]

Em uma madrugada de 1993, Ciro Sanches Zibordi perde o sono e resolve escrever um texto sobre evangelismo. Nessa época, ele já lecionava em um Seminário Teológico, em São Paulo. No dia seguinte, em uma reunião de líderes, recebeu a revelação: “Você, irmão, que ganhou de Deus esse talento para escrever, mande o artigo para o jornal Mensageiro da Paz”. E foi isso mesmo que ele fez! Mal sabia que o futuro lhe reservava grandes surpresas.

Depois disso, tornou-se escritor, conferencista e pastor na Assembleia de Deus de Cordovil, na cidade do Rio de Janeiro. Atualmente é articulista dos periódicos da Editora CPAD e da Revista Eclésia. Em um dos seus feitos mais marcantes, escreveu Erros que os Pregadores Devem Evitar. A obra faz uma análise dos chavões, “versículos novos” e outros trejeitos presentes em diversas pregações, e é complementada por Mais Erros que os Pregadores Devem Evitar e Evangelhos que Paulo Jamais Pregaria, que formam uma trilogia de sucesso. Em um bate-papo franco, aberto e contestador, Zibordi fala sobre a repercussão de sua obra e comenta algumas questões polêmicas da atualidade no meio cristão.

Como se deu o início do seu ministério?
Comecei a pregar o evangelho aos 18 anos. E escrevo desde os 23. Nasci em um lar evangélico, em 1970, mas o evangelho só nasceu em mim quando eu tinha quase 17 anos. Mas quanto à minha trajetória como escritor, falarei mais adiante, pois estou ansioso para responder à próxima pergunta...

Por que razões o senhor afirma que é contra manifestações como cair no poder, unção do riso, unção dos quatro seres ou unção da lagartixa?
Primeiramente, vamos às definições. O chamado cair no poder ocorre quando um pregador joga o paletó, sopra, empurra, berra ao microfone, e as pessoas caem ao chão, pensando estar cheias do Espírito Santo. Na unção do riso, o pregador começa a rir. O povo, sugestionado, faz a mesma coisas e todos riem sem parar. Quanto à unção dos quatro seres, no momento da adoração, as pessoas caem ao chão, rugem e batem os braços. Defendem isso usando como referenciais os quatros seres viventes mencionados no último livro do Novo Testamento. A unção da lagartixa é uma manifestação similar às mencionadas e faz com que o agraciado fique grudado, colado na parede, com braços e pernas abertos, como se fosse uma lagartixa.

Sou contra essas manifestações porque elas são extrabíblicas e antibíblicas. Tenho constatado que há muitos cristãos envolvidos com esses moveres, que se chocam com os princípios contidos em 1 Coríntios 14. Porque não edificam (v.12), contrapõem-se ao uso da razão (vv.15,2
0,32), levam os incrédulos a pensar que os crentes estão loucos (v.23), bem como promovem desordem generalizada (vv.26-28,40). A pessoa mais ungida que o mundo já conheceu, Jesus Cristo (Atos 10.38; Lucas 4.18), não andava por aí dando gargalhadas e derrubando pessoas. Muitos pensam que ser espiritual é viver sem limites e, a cada dia, tornam-se mais e mais místicos.

Na sua opinião, o misticismo está invadindo as igrejas?
Há uns quinze anos, as igrejas, de modo geral, eram mais voltadas para a Palavra de
Deus. Hoje, o povo não se satisfaz mais com uma mensagem bíblica ungida. O pregador tem que fazer chover fogo líquido do céu. Veja como estão se proliferando os cultos de libertação, as noites da vitória e as campanhas disto e daquilo! O pior é que os místicos usam versículos bíblicos em abono às novas unções que não param de surgir. Quem abraça o misticismo, na verdade, afasta-se da Bíblia e demonstra ser interesseiro. Só vai ao templo para receber bênçãos, como se Deus fosse o Papai Noel. Mas eu não posso falar muito sobre isso. Os místicos costumam ser indóceis.

O senhor já foi chamado até de “canalha”. É possível encarar situações como essas sem perder a postura cristã?
É possível. Quando ocorrem reações mais exaltadas, respondo com mansidão e temor (1 Pedro 3.15), mas com algumas pitadas de ironia, como fez Paulo diante dos falsos apóstolos de seu tempo, chamando-os de “excelentes apóstolos” (2 Coríntios 11.5). Quanto ao pastor que me xingou de canalha (por eu ter questionado alguns dos seus desvios da Palavra de Deus em meu livro Evangelhos que Paulo Jamais Pregaria), de certa forma ele tem sido um grande propagador do ministério que Deus me outorgou. Ele já rasgou os meus livros diante de multidões em várias partes do Brasil, despertando a curiosidade das pessoas. Muitas delas passaram a me conhecer e adquiriram os meus livros depois de vê-los furiosamente dilacerados pelo tal “pastor”.

Erros que os Pregadores Devem Evitar aborda modismos do meio evangélico. Qual foi o motivo que o levou a escrevê-lo?
Sou, por graça de Deus, pregador e fui professor de Hermenêutica e Exegese durante 10 anos. E sou também muito observador. Mas escrevi o livro por motivação divina. Em 2004, minha filhinha Júlia estava na UTI, e o Senhor me deu paz e inspiração em meio às lutas. Em uma semana escrevi esse livro, que em 2005 foi a obra mais vendida da CPAD, mesmo tendo sido lançada em abril daquele ano. Graça a Deus, Erros que os Pregadores Devem Evitar, Mais Erros que os Pregadores Devem Evitar (uma continuação) e Evangelhos que Paulo Jamais Pregaria formam uma trilogia que sempre figura entre os best-sellers da editora.

Qual é a sua opinião com relação às hierarquias e estruturas de poder nas igrejas evangélicas dos dias atuais?
Pergunta difícil. Uma coisa que precisa ser erradicada é o nepotismo ministerial, pois a chamada é um ato soberano do Senhor (Marcos 3.13,14). Parente de pastor só deve ser um ministro se verdadeiramente for chamado por Deus (Hebreus 5.4). É o Senhor Jesus quem escolhe. A igreja apenas reconhece a escolha divina e invoca as bênçãos de Deus sobre o ministro consagrado (At 13.1-4). Os pastores de hoje deveriam se espelhar nos líderes das igrejas de Atos dos Apóstolos, e não nos atos de líderes de igrejas de apóstolos, os quais legislam em causa própria, legitimando práticas não avalizadas pela Bíblia.

Em seus livros e palestras, nota-se o bom humor. Esse é o meio de encarar questões polêmicas de forma mais descontraída?
Nas pregações sou mais sisudo. Quase não descontraio, a menos que flua naturalmente. Nas palestras, é mais fácil usar esse recurso. Mas não gosto de contar piadas. Prefiro os fatos anedóticos que resultem em aplicações para a vida cristã. Nos textos, em meu valho mais do bom humor. Costumo começar os meus livros com uma narrativa fictícia, mediante a qual ponho o leitor em contato com o conteúdo a ser abordado e procuro desarmar os seus ânimos. Mas nem todos têm senso de humor, infelizmente.

7 comentários:

Anônimo disse...

Fabio (Sorocaba, SP)

Pastor Ciro, A paz do SENHOR.

2 Timoteo 4.1-5
1 "Conjuro-te, pois, diante de Deus e do Senhor Jesus Cristo, que há de julgar os vivos e os mortos, na sua vinda e no seu Reino,
2 que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda longanimidade e doutrina.
3 Porque virá tempo em que não sofreram a sã doutrina, mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências,
4 e desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas.
5 Mas tu sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério.

ADMC disse...

oi pr. ciro....muito boa essa entrevista,parabens para a revista catalogo aliança....pois bem quando o irmao vier aqui no dia 12 vai trazer essa trilogia de mensagens edificantes impressa...e a teologia sistematica pentecostal vai trazer tambem...aguardo. um abraço de seu amigo do piaui.

(Max Daylle)

Newton Carpintero, pr. disse...

Nosso pr. Ciro Zibordi, meu professor e amigo,

A Paz do Senhor!

O final de seu texto, espelha que muitos não possuem senso de humor. Pura verdade! Mas, estes estão como base de largos sorrisos, pelos inimigos da igreja em suas heresias, principalmente quando contam suas grotescas piadas no púlpito.

A importância da sua vida nas mãos de Deus, permite ao SEnhor Jesus, libertar a muitos da sufocada prisão espiritual, causada pelos desviados ministros em suas mentiras e oportunidades de faturamento e necessidade em agradar ao público, que na sua falta de conhecimento, produzem Glórias ou aleluias, apenas por pura carnalidade.

Agradeço a Deus, pelos seus livros inspirados: Erros que os pregadores Devem evitar, Mais Erros que os Pregadores Devem Evitar e Evangelhos que Paulo Jamais Pregaria.

Os li, com muita alegria, principalmente, em saber que muitos ganharam a oportunidade para tirar suas dúvidas ou aprenderem o correto, conforme a Palavra de Deus.

O Senhor, Nosso Deus, continue aperfeiçoando em sua vida, a obra que nos presenteia com sabedoria, conhecimento e coragem aos desafios deste mundo, que jaz no malígno,

pr. Newton Carpintero
www.pastornewton.com

Elaine Cândida disse...

Ainda não tive condições de adquirir essas obras, mas quero, assim que puder, tê-las em minha humilde (humilde mesmo!) escrivaninha, como um exemplar dos poucos que tenho mas que me são muito edificantes.

Antes mesmo de conhecê-lo através de seu comentário em um blog (que não me lembro qual), eu já tinha, há uns três anos, escrito em minha agenda os nomes das três obras que compõem a triologia de sucesso da CPAD, com a intenção de adquiri-la... mas ainda não foi possível. Tive outras prioridades, mas não perdi a fé... (risos)

Sou apaixonada por coisas que edificam e tenho aprendido muito em seu blog. Tenho certeza que seus livros são ótimos e divinamente inspirados.

Deus, nosso Senhor Jesus Cristo que é a sua fonte de vida e inspiração, e a pessoa linda e adorável do doce Espírito Santo que te induz e orienta a escrever, continuem sendo exaltados e toda a sua vida.

No amor do Senhor.

ELAINE CÂNDIDA

Anônimo disse...

moro em cuiaba mt, e sou membro da assembleia de DEUS aqui, ja fui em alguns cultos, do pastor que o chamou de canalha, na verdade xingar para ele no pulpito aqui é normal, sai desgracado, sai ladrao,profetica morte para pastores etc, acontece que ninguem diz nada,parece que aplaudem,tudo tem aval do pastor presidente,ai fica o povo aqui, sofrendo sem palavra, ainda bem que tem alguns bolg, como o do pastor ciro

antonio saraiva paratibe 2 disse...

shalon pr.ciro lembra-se do profeta balaão[ ele nao pode amaldiçoar a quem Deus abençoou] oh! Gloriiiia.

Matias Borba disse...

Bom é saber que ainda restam os que não se dobram ao mundo, fenômeno gospel como o senhor.

Que bom seria se homens que se dizem de Deus voltassem ao primeiro amor.

Deus abençoe!

Parece que mais alguém quer atrapalhar nossa campanha de aquisição...
Se puder, confira no blog.
Paz do Senhor!