domingo, 17 de agosto de 2008

Erros que os professores devem evitar (2)


Erros quanto ao preparo da lição

Não orar. Professores há que não oram. Estribam-se em seus conhecimentos (Pv 3.5), ignorando que a unção verdadeiramente faz a diferença. Os apóstolos davam testemunho com grande poder, porque tinham abundante graça (At 4.33). Uma aula ministrada sem a graça de Deus torna-se maçante, literalmente uma aula sem graça. Daí ser preciso buscar a Deus. Só podemos dar alguma coisa depois de a termos recebido da parte do Senhor: “Porque eu recebi do Senhor o que também vos ensinei...” (1 Co 11.23). “Porque primeiramente vos entreguei o que também recebi...” (1 Co 15.3).
Não conhecer a Bíblia. Em 2 Timóteo 2.15 está escrito que devemos procurar, isto é, nos esforçarmos ao máximo para nos apresentarmos a Deus aprovados, como obreiros que não têm de que se envergonhar, que manejam bem a Palavra da verdade. “Manejar” aqui denota “saber dividir”, como um profissional que, com perícia, utiliza a sua ferramenta de trabalho.
Há muitas divisões na Bíblia Sagrada: dois Testamentos; três povos (1 Co 10.32); duas vindas de Jesus (Hb 9.28); duas etapas das Segunda Vinda (1 Ts 4.16-17 e Ap 1.7); duas ressurreições (Jo 5.29 e Ap 20.6); várias etapas da primeira ressurreição (1 Co 15.23 e Ap 20.4-5); sete julgamentos; várias dispensações etc. Daí a necessidade de o professor manejar bem a Palavra da verdade.
Em Efésios 6.17, a Palavra de Deus é apresentada como “a espada do Espírito”. O que significa isso? Denota que o Espírito Santo vale-se daquela parte da Bíblia que está entesourada em nossos corações. Mas, se nada temos guardado, escondido no coração (Dt 6.6 e Sl 119.11), que espada terá o Divino Consolador à sua disposição?
Não estar sempre preparado. O preparo da lição é parte dos deveres semanais do professor, que deve levar em conta o material e as etapas para este preparo. Mesmo que o professor não esteja escalado para falar à classe — quando há mais de um professor, eles costumam fazer um revezamento —, deve estar sempre preparado. Afinal, eventualidades acontecem, e os alunos também poderão questioná-lo à parte quanto a algum assunto.
Muitos confiam em seus conhecimentos e acham que, ao lerem a lição diante da classe, discorrerão com segurança, haja vista dominarem a matéria. Cuidado! Estêvão foi bem-sucedido em sua exposição improvisada, mas ele estava preparado. O que aconteceu com ele — o fato de ter sido chamado para falar imediatamente, sem aviso prévio — pode acontecer com qualquer um de nós. Não digo nas mesmas circunstâncias; contudo, podemos estar em um culto, e o preletor convidado faltar, ter um mal súbito etc.

Erros quanto à exposição da lição

Responder a todas as perguntas. Isso mesmo. É um erro responder a todas as perguntas que os alunos fazem. Embora muitos educadores considerem uma obrigação do professor responder a todo e qualquer questionamento, fazer isso sem nenhum filtro prévio ou sem que a pergunta relacione-se com a matéria, é temerário. Haja vista as perguntas capciosas. O próprio Mestre Jesus Cristo deixou-nos o exemplo de que algumas respostas devem ser evitadas (Mt 21.23-27).
Ser indelicado. Ao responder uma pergunta durante a aula, ou deixar de respondê-la, seja atencioso, calmo. Não responda com aspereza, a fim de que os alunos não o vejam com antipatia (1 Pe 3.15 e Pv 23.5-6). Infelizmente, os falsos mestres têm carisma; são gentis, simpáticos. Por que nós, que propagamos a Palavra da verdade, temos de ser indelicados e antipáticos?
Não ser objetivo; polemizar. O professor tem de ser seguro, objetivo e expor a lição com convicção. Gerar polêmica, a fim de que os alunos cheguem à conclusão por si mesmos é bom até certo ponto. Cabe ao professor saber do que fala e como fala. Caso contrário, o resultado não será bom, haja vista “cada cabeça, uma sentença”. A palavra final não é a do aluno. Também não é a do professor! É a Palavra do Senhor que deve prevalecer, sempre, pois ela é inerrante, infalível, irrefutável.

(continua...)

Ciro Sanches Zibordi

4 comentários:

Mari Fernandes disse...

Paz do Senhor Pastor Ciro!

Gostei muito desse artigo, porque acho muito importante os professores saberem prender os alunos e inspirá-los a aprender.

Tenha uma semana abençoada!

E, uma perguntinha...o senhor e o Pr Silas Malafaia são da mesma Assembléia?

Graça Souza disse...

Paz do Senhor pr Ciro.
Estou acompanhando o estudo, ´tá´ bom demais.
Fico no aguardo da continuação.
Abraços fraternos pra o sr. e toda sua família. Graça Souza

Graça Souza disse...

Paz do Senhor pr Ciro.
Estou acompanhando o estudo, ´tá´ bom demais.
Fico no aguardo da continuação.
Abraços fraternos pra o sr. e toda sua família. Graça Souza

Mauricio disse...

Pr Ciro Graça e paz.
Gostei muito do artigo e vejo como dicas valiosas de como se não fazer, haja vista que são erros comuns que são cometidos.