quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Cultos no monte e gravetos incandescentes


Já deixei claro neste blog e em meu livro mais recente que tenho objeções quanto a cultos em montes. A bem da verdade, as minhas contestações não são quanto aos montes, em si, mas sim em relação a todo e qualquer culto em lugares abertos, sem proteção e segurança. Em certas cidades brasileiras, desprovidas de montes, o povo ora no meio do mato mesmo!

Como eu já freqüentei lugares como montes e vales, quando era novo convertido, falo com conhecimento de causa. E, justiça seja feita, existe em São Paulo, na cidade de Araçariguama, há cinqüenta quilômetros da capital, um lugar chamado Vale da Bênção, o qual, quando eu puder, volto lá para buscar a Deus, haja vista tratar-se de um local seguro. Bem, creio que já deu para perceber que uma das minhas objeções a oração e cultos no monte é a falta de segurança.

Muitos não sabem, porém algumas irmãs já foram violentadas em certos montes. E alguns irmãos já foram assaltados. Em São Paulo, na Serra da Cantareira, irmãos foram atacados, há algum tempo, no meio da selva, por um grupo de macacos! Isso mesmo. Lembra-se daquele jovem que morreu, no Rio de Janeiro, há alguns anos, vítima de um raio? Se ele estivesse orando dentro do templo ou em casa, como Jesus ensinou, a tragédia não teria acontecido.

Mas há outras razões por que não recomendo cultos em montes. Para quem não sabe, o mormonismo, de Joseph Smith Jr., começou quando esse homem estava orando no meio do mato! Um anjo chamado Morôni se apresentou, e uma nova revelação — um outro evangelho — surgiu. Tenho notado que lugares assim costumam reunir pessoas voltadas ao misticismo, desprovidas de discernimento espiritual, sendo presas fáceis de espíritos enganadores e doutrinas de demônios (1 Tm 4.1; Gl 1.8). Nesses lugares, falsos profetas agem livremente.

Muitos freqüentadores afirmam que ficam mais perto do Senhor; e outros dizem ver gravetos pegando fogo... Ora, não podemos ignorar que, na escuridão de uma mata, ocorrem fenômenos naturais (como também no fundo do mar, por exemplo), além de ficarmos propensos a miragens. Experimente subir ao monte de dia para ver o tal graveto luminoso ou incandescente... Eu mesmo já fiz o teste. E, como somos espirituais — e os espirituais discernem bem tudo (1 Co 2.15) —, não podemos confundir fenômenos naturais com manifestações divinas sobrenaturais.

Moisés esteve na presença do Senhor no monte, que fumegava enquanto ele com Deus falava, como lemos em Êxodo 19. Isso sim é sobrenaturalidade! Jesus orava no monte também. E, na Transfiguração (e somente nesse caso), houve uma manifestação sobrenatural (Mt 17.1-13), embora nada comparável a supostos gravetos incandescentes...

Por outro lado, quais dos apóstolos oravam no monte? Para onde Pedro e João estavam indo, na hora da oração? Ao templo (At 3.1). Onde Pedro estava orando quando o Senhor lhe deu uma visão acerca da evangelização dos gentios? No terraço de uma casa (At 10.9). Nota-se que já nos tempos da igreja primitiva não se orava em montes.

Mas, por que o Senhor Jesus orava no monte? Porque queria ficar a sós com o Pai (Mt 14.23; Lc 9.18), e isso não seria possível na casa de alguém, devido ao assédio do povo, nem nas sinagogas, onde Ele era considerado persona non grata (Lc 6.12; 22.44). Observe, porém, que Ele também orava em lugares desertos, não necessariamente em montes (Lc 5.16). E que não realizava cultos em lugares assim; Ele apenas freqüentava locais desertos para ficar a sós com o Pai.

O Senhor Jesus orava nos montes e lugares desertos porque não havia na época templos como os de hoje. Mas Ele foi claro, ao dizer: “A minha casa será chamada casa de oração” (Mt 21.13). E também afirmou: “... quando orares, entra no teu aposento e, fechando a tua porta, ora a teu Pai...” (Mt 6.6).

Diante do exposto, não chega a ser uma heresia orar em montes, vales ou no meio do mato. Mas, se não houver segurança, fazer isso é tentar ao Senhor. O crente que tem comunhão com Deus sabe que o Senhor ouve a sua oração no templo, em casa e em qualquer lugar (Mt 18.20; 1 Tm 2.8). Se houver um monte que não ponha em risco a integridade física dos freqüentadores, não vejo problema em visitá-lo. Agora, essa história de que os gravetos pegam fogo em cima do monte é misticismo puro!

Ciro Sanches Zibordi

22 comentários:

Paulo Cézar de Lima disse...

Pastor Ciro....

muito interessante esse artigo, como dizia a um jovem hoje mesmo... temos que tomar cuidado com a fé romantizada, onde tudo é de Deus e tudo é advindo do Espirito Santo... muita gente se engana com isso...

a alguns meses atrás fui viajar com um amigo e devido o cansaço e o sono que eu me encontrava, tive a impressão de ver um homem no meio da pista andando de bicicleta as 03:00 da manhã...

parece brincadeira, mas creio que devido ao sono e ao cansaço que me encontrava tive a impressão de ter visto literalmente esse camarada na pista... ao relatar isso ao meu amigo, o mesmo disse que com o sono é normal a gente ter miragem, ainda mais quando está exausto.

penso... será mesmo gravetos pegando fogo? rsrsrs

Deus te abençoe grandemente.

Paulo Cézar
AD Itararé SP

Junior disse...

Muito boa Pr. Ciro!

E qual o propósito de gravetos pegarem fogo?

Santa espiritualidade desses profetas de montes!

Paz e Bem,
Junior

Geografia Bíblica disse...

Pastor Ciro,

Paz gloriosa!

É muito pertinente o texto mencionado pelo irmão, concordo plenamento no exposto. Os montes tinham uma conotação muito especial ao povo de Israel, pois foi ali onde Deus revelou as leis que regeriam àquela nação, foi ali onde batalhas foram travadas, foi ali onde Deus se revelou aos líderes daquela nação de maneira poderosa mas para todas estas coisas haviam uma finalidade. Os que defendem a idéia de se buscar ao Senhor (contínuamente) nos montes apontam a Jesus como exemplo, porém, além do fato de não se haver templos como se há hoje nos nossos dias, como foi mencionado no texto, Jesus não tinha se quer onde "reclinar a cabeça", ou seja, não tinha uma casa "intinerante" e muito menos um quarto para poder orar.
Já ouvi várias experiências em montes contadas por alguns irmãos da minha igreja inclusive a citada no texto de gravetos incandecentes, que pareciam "bolas de fogo", a minha pergunda é a igual do irmão Júnior "qual o propósito de gravetos pegarem fogo"??? Qual a finalidade???
Isto tudo sem contar com a "divisão" silenciosa na igreja dos "que vão" e dos que "não vão" aos montes... maranata, ora vem Senhor Jesus!!!!!

Marcelo Oliveira disse...

Paz do Senhor! Pastor Ciro!

Realmente existe um forte modismo de buscar o SENHOR nos montes ... conforme exposto pelo irmão há muitas experiências que mostram que quando não se tem os devidos cuidados com a segurança pode trazer mais problemas do que edificação da igreja.

Que SENHOR continue te abençoando!

http://blogdomarcelooliveira.blogspot.com/

Blog do Jordanny disse...

Pastor Ciro,

Louvo a Deus pois Ele tem se manifestado em tuas palavras por meio do Espírito de discernimento. A maturidade espiritual deve ser alcançada para que nós, cristãos que desejam intimidade com Deus, não dos desviemos de Sua vontade.

Que Deus continue te usando com o dom de discernimento a fim de nos alertar, continuamente, afastando de nós atitudes equivocadas e discrepantes da compreensão genuína das Escrituras.

A paz do Senhor Jesus!
Jordanny Silva
BsB

Sidnei Moura disse...

Pr. Ciro,

Pertinente sua reflexão sobre o modismo dos matos e montes santos.

Não posso negar que também já participei de reuniões de oração em matos e montes, mas após observar os exageros cometidos em nome de Deus e do evangelho nesses lugares passei a dar importância aos templos e minha própria casa.

O senhor mesmo já deve ter ouvido comentários a respeito dos montes referindo-se ao lugar como que de maior importância do que os templos. Certa vez ouvi absurdos da parte de um ministro, que além de prometer aos membros da igreja que deixaria enterrado no monte uma certa quantidade de azeite de unção durante sete dias em cumprimento de uma "revelação", ainda fez questão de selecionar obreiros, proibindo alguns de se aproximarem do local dizendo ter recebido ordem pra isso, pois segundo suas "revelações" Deus é Deus dos montes, e portanto necessário preparação para subir ao "santo" lugar. Pergunto: seria os montes locais mais sagrados que os templos, os púlpitos, o ministério?

Que o Senhor nos livre dessas artimanhas malignas!

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Sidnei Moura,

O Senhor Jesus está onde a sua igreja se reúne (Mt 18.20). Mas os templos são construídos e consagrados para um único fim: cultuar a Deus. Nesse caso, é o templo o lugar mais indicado para reuniões de oração (At 3.1).

Muitos obreiros que querem viver à margem das orientações do seu pastor preferem os montes, pois lá eles podem agir livremente.

Quanto a essa prática mística de enterrar latas de óleo ou garrafas de azeite em montes a fim de usá-las em campanhas de milagres, abordei esse assunto em minha obra mais recente e também em um artigo para a revista Manual do Obreiro (CPAD), intitulado "Haja unção!"

Outrossim, já freqüentei sim montes e vales. E, infelizmente, nesses lugares há pessoas sinceras, tementes a Deus, msa há muitos desorientados e alguns enganadores.

Um grande abraço.

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Jordanny,

A paz do Senhor.

Agradeço-lhe pelas palavras de incentivo. Que Deus nos ajude a nos mantermos firmes na fé.

CSZ

Charles Uchoa disse...

Mas é muito interessante , os gravetos incandecentes .... e dificil de se explicar apenas dizendo ser algo da natureza ...

Ciro Sanches Zibordi disse...

Prezado Uchoa,

As maravilhas e sinais de Deus têm propósitos definidos. Fenômenos como óleo na mão, gravetos pegando fogo, etc. ocorrem também entre espíritas, carismáticos, etc.

É inegável que há fenômenos naturais e miragens. E é inegável tambén que o Inimigo de nossas almas tenha poder para fazer sinais (2 Ts 2.9; Mt 24.24; Dt 13.1-4).

Nesse caso, não vejos nesses tais gravetos nada que me faça acreditar que seja um sinal da parte de Deus. Agora, que existem miragens e fenômenos naturais na selva e no fundo do mar isso é um fato. Pergunte aos militares que vivem no meio da mata. Pergunte aos mergulhadores. E me responda se é possível ver os tais gravetos durante o dia.

Um abraço.

CSZ

ICHTUS disse...

A Paz do Senhor.

Temos que cuidar com folhas e gravetos incandecentes, já que as chuvas estão escassas e a umidade relativa do ar está baixa... Imaginem o incêndio na mata...

Brincadeiras à parte, aqui na região de Curitiba, a alguns anos atrás, dois jovens morreram quando estavam em um "monte" orando, após serem confundidos como marginais por policiais.

Lembro-me que, naquela semana, antes do ocorrido, O Pr. da Igreja de Vila Americana (na qual o nobre Pr. Ciro estará pregando em outubro) advertiu que não era o caso de crentes estarem orando em "montes" dado o perigo que correriamm devido a usuários de drogas, demanches de carros, etc.

Graças a Deus que os irmãos de minha então congregação ouviram o conselho, e puderam observar que, quando o anjo da Igreja adverte o povo é melhor obedecer.

É o parecer.

W. Schneider - IEADC - Parque Industrial

Ir.Wallyson disse...

Pr.Ciro,

Gostei muito do texto do irmão.Muita gente acha que buscar a Deus no monte é obrigação do cristão.
Esquecendo-se do culto racional.
Perto da minha casa tem um monte, mas não vou por causa que é muito violento o lugar ao redor do monte, prefiro ir ao monte perto da igreja onde freqüento, mas ultimamente não vou por que não tem mais espaço o lugar só fica lotado todos os dias e o pessoal fala muito alto e as vezes você não tem aquela liberdade.

Ir.Wallyson - BH - MG

Elaine disse...

Moro em uma cidade muito perigosa aqui no DF, onde o índice de violêcia é muito grande, embora haja um policiamento ostensivo por aqui. Na minha congregação há uma "oração da madrugada", que acontece das 23h à meia-noite, e para a qual toda a igreja é convocada, embora poucos compareçam.

Eu freqüentava essa oração há uns três anos atrás. Mas o Senhor começou a me falar algo sobre alguém me vigiando. Embora o templo fique cerca de 200m da minha casa, preciso atravessar uma parte da rua que tem mato e escuridão em um dos lados. Tem alguns muros de construções próximas lá, mas costumo ver pessoas se drogando e vultos encostados por ali mesmo quando estou indo para o culto, por volta das 20h.

O fato é que o Pai me falou que eu não deveria expor minha vida para que meu pastor me visse orando, pois só ao Senhor cabia julgar se eu oro ou não. E disse mais: "Eu sei que você ora. Eu vejo você fazer isso boa parte do seu dia."

Eu confesso que ainda tive um certo receio se estava pecando em não ir à oração. Guardei isso só entre eu e o Senhor e logo Ele trouxe uma irmã aqui para confirmar isso sem que eu jamais lhe falasse nada sobre o assunto.

Entendi que seguir contrário à orientação do Pai era tentá-Lo. Isso agradaria ao homem (meu pastor) mas desagradaria ao meu Deus, que não quer que eu fique correndo riscos, mas que busque santidade de maneira sólita.

Desde então, tenho vivido madrugadas gloriosas e muito mais íntimas com meu Senhor no recôndito do meu quarto. Desde então também tenho vivido as afrontas da falta de sabedoria de certas pessoas que acham que nós só oramos se for na igreja, diante de todos. O próprio pastor já me disse várias vezes no microfone que "líderes que não participam da oração da madrugada estão em débito com Deus".

Oro para que o Mestre Divino dê-lhe mais sabedoria e lhe convença que não é mostrar às pessoas que estou orando no templo que me fará santificada. Farisaísmo não trará unção do Senhor sobre minha vida. Obedecer a Deus é que traz a glória do Senhor sobre mim. Isso é coisa que se manifesta naturalmente em cada atitude de quem vive diante do Senhor.

Eu tenho vivido assim. Meu modo de viver conta isso por si só. Graças a Deus por isso!

Paz do Senhor!

Ciro Sanches Zibordi disse...

Irmã Elaine,

A paz do Senhor!

A irmã faz muito bem em não tomar parte nesses cultos de madrugada, em lugares perigosos. Tenho notícias de moças que já foram violentadas, e não podemos nos expor, em uma época de tanta violência, a fim de satisfazer a caprichos de certas pessoas guiadas pelo misticismo, e não pela Palavra de Deus.

Equilíbrio é a palavra de ordem. E, se um líder é capaz de espiritualizar e supervalorizar orações em montes (a ponto de não se aperceber de que ladrões e estupradores estão esperando por oportunidades como essas, oferecidas por cristãos imprudentes, para agir), ele que fique com o seu desequilíbrio. E que ele ore só, expondo apenas a sua própria vida, e não a de seus membros.

Ninguém deve ser obrigado a fazer nada. Servimos a Deus e temos liberdade. Devemos sim respeitar os nossos pastores, mas tudo tem limite. O mundo está cheio de maníacos, esperando o momento para atacar belas jovens que arriscam a sua vida, passando por lugares escuros, a fim de orar em montes...

Por favor, minha irmã, permaneça firme em sua posição. E, se puder, convença mais pessoas a abandonar esse imprudente culto no monte, que expõe a vida das pessoas. Deus a ouve em sua casa (Mt 6). Siga ao Senhor Jesus, sempre, e não a líderes fanáticos, fanatizados e fanatizantes.

Em Cristo,

CSZ

Gustavo disse...

Pr Ciro, a paz do Senhor

Sou admirador do seu trabalho e também compactuo com seus ensinos, já que enfrento as mesmas dificuldades com o modernismo e modismo dos nossos dias. Sou líder de jovens, tenho 26 anos e desde os 6 anos de idade sou cristão.
Tenho que discordar de alguns pontos quanto à manifestação de Deus em montes, pois na década de 90 nós ìamos todos os sábados em um monte orar, porém não com o intuito de ver milagres e nem para receber unção disso ou daquilo, já que fomos muito bem ensinados a respeito de heresias e naquela época essas coisas ainda não aconteciam como hoje. Acontece que naquele lugar específico em que orávamos aconteciam sinais como de gravetos acesos durante algumas de nossas vigílias e não em todas.
É claro que isso atraía alguns curiosos, mas aqueles que tinham o propósito da oração não iam orar para ver gravetos.
Afinal, qual a minha intenção em postar esse comentário: não é a de fazer os irmãos acreditarem naquilo que eu vi ou vivi, mas testemunhar que apesar desse fenômeno não salvar ninguém, ele acrescenta a fé daqueles que o presenciam.
Em segundo lugar, alguns fatos evidenciavam que aquilo não se tratava de um fenômeno da natureza.
Por exemplo, em uma determinada oração, os gravetos não haviam acendido, porém após a oração final de agradecimento à Deus, toda a trilha e, somente a trilha que nos conduzia para fora da mata acendeu.
Naquele lugar que os irmãos haviam consagrado para oração, em algumas ocasiões, eu pude contemplar coisas maravilhosas e batismos com o Espírito Santo, como o do irmão Antonio que após 29 anos de cristão foi batizado naquele lugar.
Finalizando, hoje a gente não ora mais no monte, afinal além de perigoso, já não há mais lugares como aquele do qual mencionei.
Desculpe pela discordância nesse ponto, é claro que eu concordo com 90% do que foi colocado, mas essa experiência pessoal eu não poderia deixar de revelá-la, ainda que seja inútil para outros, para mim ficará marcada.

Pr. Carlos Roberto disse...

Caro Pr. Ciro Zibodi,
A Paz do Senhor!
Considerando algumas conversações a respeito do assunto, bem como a necessidade de um esclarecimento a respeito, tomei a liberdade de colocar um link deste artigo no Point Rhema, lógicamente com os devidos créditos, parfa edificação espiritual dos nossos visitantes.
Parabéns pelo seu trabalho.
Que o Senhor continue prosperando para a Sua Glória!
Pr. Carlos Roberto

LAERTE PINTO DE BRITO disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Flávio disse...

Boa Pastor. Gostei muito deste artigo já que muitos são enganados e levados pela emoção a fazer alguma coisa e acabam confundindo algo que nem sempre é da maneira que é colocada. Que Deus abençoe sempre o senhor!

patrik disse...

pastor ciro paz do senhor jesus
muito me chamo atenção seu blog pela maneira em que o senhor tem combatido e contestado algumas heresias impostas até mesmo por membros da nossa própria denominação mas muito me chamo atenção a respeito desse cometario sobre montes já que eu só um frequentador dessa pratica, tenho certeza e conficção que o senhor é um homem de Deus pois aquele que enfrenta o diabo publicamente como o senhor tem feito se não for de Deus não fica de pé, mas o que quero chamar atenção é a respeito do que o senhor falo que esse negocio de "gravetos incandescentes" é pura invenção global do povo de Deus certo? ou em outras palavras do senhor "misticismo" né? pois bem pastor eu só jovem que ainda estou começando minha caminhada preciso de mais experiência eu reconheço mais por favor também reconheço a sua formação acadêmica e sei que o senhor é um grande escrito pois é reconhecido nacionalmente e internacionalmente mais mesmo assim pastor tenho que descordar com o senhor nesse aspecto pois ainda só um pequeno jovem em conhecimento não tenho base teologica formada ainda forte pois também não quero contesta e se opor mais se aconteceu algo que eu pude contemplar com meus proprios olhos e sempre que vamos em monte sempre levamos lanterna e logo bati a lanterna em cima das folhas e não teve pulos nem alvoroço mais sim oração simples nunca fui no monte em busca de sinal ou ver alguma coisa e o local onde estou citando é totalmente escuro e na ocasião não tinha nada mais nada menos do que 3 pequenos homens de Deus nada além e não foi uma coisa que aconteceu imediatamento e pronto mais algo que ocorreu sem explicação do por que estava ali e repito pastor eu proprio peguei na mão bati a lanterna e vi que era uma folha quero que o senhor pastor me responda sei que isso não tem base biblica para o que estou defendendo mais quero que o pastor diga somos mentirosos? pois sei que o diabo é pai da mentira, ou o pastor que em particular não gosta de orar em montes e vale mesmo? mais quero que saiba pastor que não quero me opor a sua ideologia mais quero que o senhor me passe por escrito se for possível o "experimento" que o senhor fez para que eu também faça aqui na minha casa para mim saber se eu que só mentiroso ou vi coisa aonde não tinha.

dum jovem que a 2 anos apenas esta caminhando com cristo.

paz do senhor pastor

Anônimo disse...

pastor ciro paz do senhor...

estive lendo "Cultos no monte e gravetos incandescentes"e percebi o quanto ha falta de conhecimento biblico e de fé que em suas palavras.
frequento vigilias nos montes lugares consagrados e abençoados por DEUS, e sinto pena de sua fé em achar que gravetos incandescentes no seu ponto de vista sao miragens rsrs.... que por sinal o pastor nao deve ter visto... nao uso de demagogia biblica e nem sou fanatico.
quando vi pela primeira vez a gloria de DEUS em forma fisíca, fiquei assustado pois achei que estava vendo "miragens" tb. mais logo após percebi que era a gloria de DEUS...e vivenciei como poucos da graça de ver a gloria de DEUS...
e ver gravetos acessos não é só para pessoas que estão purificas ou só escolhidos por DEUS que podem ver... qualquer pessoa que for ao monte ate mesmo um incrédulo pode ver pois como disse ao pastor é uma manifestação fisica de DEUS...e pelo visto o senhor deve achar que o nosso DEUS mudou e nao é mais como antigamente..e se caso um dia o pastor quiser ver pessoalmente...vá em alguma vigilia verdadeira que haja comentarios que la o fogo de DEUS acende e veja por si mesmo que nao é montagem ou ficçao... e te garanto que sou uma pessoa normal e que acima de tudo acredito no Espírito Santo de DEUS...

Grato....FLavio....

Anônimo disse...

ah,,,pastor gostaria de saber que tipo de "fenômeno natural o senhor interpretou sobre os gravetos se ja os viu?

JOSE VERONE disse...

Não sou Evangélico, nem mesmo pratico uma religião, mas a minha Mulher, meus filhos e quase todos da família dela são. Não vou muito a Igreja e quando vou, vou mais na evangélica que na Católica, mas acredito muito em DEUS e sou temente a "ele", acho que a mente humana tem uma capacidade tão grande que somos capazes do bem e do mal, você escolhe o que você quer ser, é mais fácil ser mal, mais o difícil e ser bom. Sobre os assuntos dos GRAVETOS que acendem; eu já vi mais de uma vez, um dos meus filhos, quase todas as vezes que ele vai ao monte, isso acontece, teve vez que dele
trazer os gravetos e por mais de uma semana, quando ele ORAVA perto dos gravetos que estavam dentro de um vidro, os mesmos voltavam a ficar incandescentes. Não tenho uma explicação segura sob o assunto, tal vez seja uma energia que uma pessoa possui mais que outra, nunca discuti com ele sob o assunto, acho que o importante é você ter FÉ, se voce crê, você consegue quase tudo.