quarta-feira, 9 de julho de 2008

Seja obediente às doutrinas da Palavra de Deus, mesmo que você as não entenda

Desde os tempos dos apóstolos existem indoutos e inconstantes que torcem as Escrituras para a sua própria perdição (2 Co 2.17; 2 Pe 2.1-3). E o que nos chama a atenção é que muitos falsificam a sã doutrina em razão de não entenderem certos pontos difíceis (2 Pe 3.16).
Qual tem sido a sua postura ante os pontos da Bíblia que você julga difíceis? Lembre-se de que a Bíblia é a Palavra de Deus sempre, entendamos ou não a sua mensagem.


Você não entende a Trindade? Mas ela é bíblica!

Você pode até não entender a doutrina da Trindade, mas isso não lhe dá o direito de abraçar o falacioso unicismo e sair por aí cantando, pregando e escrevendo contra uma doutrina cristalina e incontestável da Palavra de Deus. Afinal, a fé deve preceder a razão, principalmente em assuntos que transcendam o nosso entendimento (1 Co 2.14,15).
“Ah, isso é questão de interpretação” — alguém dirá. Mas eu lhe pergunto: Onde e com quem você aprendeu que Deus não é trino e que, sendo uma única Pessoa, ora manifesta-se como Pai, ora como Filho, ora como o Espírito Santo? Por que não crê no que a Bíblia diz claramente? O Senhor Jesus não disse, em Mateus 28.19, que o batismo em águas deve ser ministrado em nome da Trindade? As Escrituras não lhe são suficientemente claras quando mencionam a bênção apostólica, em 2 Coríntios 13.13, pela qual o Filho, o Pai e o Espírito Santo (nessa ordem) são apresentados como três Pessoas distintas?
Não me diga que você usará a lógica humana e simplista para dizer que o termo “trindade” não está na Bíblia! É óbvio que não está, assim como as palavras “onisciente” e “onipresente”. Contudo, Deus é onisciente, onipresente e trino, segundo a inerrante Palavra de Deus. Por que negar a Trindade? O próprio Senhor Jesus, o Deus Filho — a quem você diz honrar — se referiu ao Pai celestial diversas vezes (Mt 7.21; 11.25; Jo 14.16). Ele mesmo pediu ao Pai que enviasse outro (gr. allos) Consolador! Outro porque todas as três Pessoas da Trindade são consoladoras.
Por que Estevão viu o Senhor Jesus à direita de Deus, se não existe Trindade? Em Atos 5, vemos que Ananias não mentiu aos homens, e sim a Deus (v.4). E as suas palavras de engano foram proferidas ao Espírito Santo (v.3). Nesse caso, o texto, além de mostrar, de modo direto, que o Espírito Santo é Deus, enfatiza indiretamente que Ele é uma Pessoa. Por quê? Porque ninguém mente a uma coisa ou força impessoal, não é mesmo?
Diante do exposto, o cristão que nega a doutrina da Trindade, por mais fervoroso e piedoso que aparente ser (Mt 7.15), rejeita a Palavra de Deus (Gn 1.1,26; Dt 6.4; At 7.55; Rm 5.1-5; 1 Co 12.4-6), o Senhor Jesus e o Espírito Santo (Mt 3.13-17). Que tipo de cristão é esse?

Você não entende o batismo com o Espírito Santo? Mas ele é bíblico!

Sei que vários irmãos cessacionistas zombarão do que escrevi, mas talvez alguns abram mão de suas posições pessoais, a fim de aceitarem a multiformidade da obra do Espírito Santo (1 Co 12.4-11). A Palavra de Deus apresenta claramente tanto o batismo do Espírito, que diz respeito à inserção do novo crente no Corpo de Cristo (1 Co 12.13), como o batismo com o Espírito, um revestimento de poder para quem já é salvo (Lc 24.49; At 2.1ss).
Qual é a finalidade desse revestimento de poder? Em Atos 1.8, o Senhor Jesus responde — eu disse: “o Senhor Jesus responde” — a essa pergunta: “... recebereis a virtude do Espírito Santo... e ser-me-eis testemunhas...” Por que rececemos o dunamis, o poder dinâmico do Espírito? Para sermos melhores testemunhas de Cristo! Portanto, caros cessacionistas, o batismo com o (ou no) Espírito Santo não é para ser salvo. Não o confunda com o selo ou batismo do Espírito (Ef 1.13,14). Não é porque você não entende a multifacetada obra do Espírito, que ela não seja real. Ademais, a Palavra de Deus não nos autoriza a desprezar as profecias, tampouco a apagar o fogo do Espírito (1 Ts 5.18-20).

Você não entende o livre-arbítrio? Mas ele é bíblico!

Certos irmãos predestinalistas têm zombado de quem crê na doutrina bíblica do livre-arbítrio. E o que eles mais gostam de fazer é ridicularizar os seus irmãos que crêem de maneira diferente, taxando-os, desdenhosamente, de arminianos. Alguns chegam ao ponto de crer mais em Calvino do que no Senhor Jesus! Ora, o certo é examinarmos tudo e retermos somente o bem (1 Ts 5.21).
Entenda você ou não, o livre-arbítrio é uma verdade bíblicocêntrica e cristalina. E foi Deus quem dotou o ser humano da livre-vontade (Gn 3). Mesmo depois da Queda, e os efeitos deletérios advindos dela, o ser humano continuou com esse atributo (Dt 30.19; Is 1.18,19). E a condição hoje para a salvação em Cristo é — mediante o livre-arbítrio — arrepender-se e crer no evangelho (Jo 3.16,36; Mc 16.16; At 3.19; Rm 10.9,10; Ap 22.17). Não é o fato de você não entender certos pontos difíceis da Bíblia que os invalidam ou lhe dá a liberdade para seguir à sua lógica.
É óbvio que não desprezo os teólogos e suas ponderações. Até porque sou um grande apreciador do labor teológico. Mas precisamos de menos teólogos e filósofos, e de mais amantes da Palavra de Deus, os quais sabem que interpretar a Bíblia nada mais é do que, mediante à iluminação do Espírito Santo (1 Co 2.9,10), extrair dela as verdades reveladas (Dt 29.19; Rm 8.18; Ap 22.18,19). Esse é, inclusive, o sentido do termo “exegese”.
Portanto, caro irmão, seja humilde para reconhecer o seu equívoco interpretativo. Esqueça-se desses “rótulos” que muitos hoje apreciam, pelos quais promovem debates inúteis, como: “Trinitário ou unicista?”, “Cessacionista ou continuacionista?”, “Arminiano ou calvinista?” Siga a Bíblia! Ame a Palavra de Deus! Prefira ser um cristão (1 Pe 4.16) que ama as Escrituras, mesmo que não consiga entender claramente certos pontos difíceis contidos nela (At 17.10,11; 1 Co 4.6).
Amém? Nem todos podem dizer “amém”...

Ciro Sanches Zibordi

32 comentários:

(-V-) disse...

Caro irmão Ciro,
A paz de nosso maravilhoso Deus Pai encontrada em nosso amável Senhor Jesus Cristo.

Tenho sido abençoado pela leitura desse blog, apesar de discordar de alguns pontos. E como você mesmo afirmou: os jovens que se apegam a Palavra nos dias de hoje são ridicularizados e zombados. Muitas vezes ou taxado de crítico e etc. Mas assim como você prefiro agradar a Deus a homens.

Umas dos tópicos que apreciei muito e o qual já vinham preenchendo meus pensamentos é o da exposição das músicas “evangélicas” à luz da inerrante Palavra de Deus. Por exemplo, tenho questionado duas músicas muito apreciadas pelo povo da igreja evangélica:
- Restitui: voltado ao bem-estar humano do que a humilde adoração de um Deus Soberano, Bondoso e Perfeito.
- Marca da Promessa: apesar de ser totalmente bíblico que temos o selo do Espírito, tenho percebido que essa música tem gerado crentes conspiracionistas.
Quiçá farei um dia uma análise bíblica dessas músicas em meu blog.

Gostaria de agora discutir o ponto que discordo em seu texto: o livre arbítrio
Antes me deixe fazer algumas ressalvas:
- sou jovem e ainda tenho MUITO a aprender. E profundamente e temerosamente desejo isso.
- a única fonte de perfeição doutrinária é a Bíblia. Nem eu, nem o senhor. E tenho certeza que você concordará comigo neste ponto.
Bom, então serei breve (o que o devido assunto infelizmente não permite):

Como está escrito: “Não há nenhum justo, nem um sequer; não há ninguém que entenda, ninguém que busque a Deus. Todos se desviaram, tornaram-se juntamente inúteis; não há ninguém que faça o bem, não há nem um sequer”.
“Suas gargantas são um túmulo aberto; com suas línguas enganam”
“Veneno de serpentes está em seus lábios”
“Suas bocas estão cheias de maldição e amargura”
“Seus pés são ágeis para derramar sangue; ruína e desgraça marcam os seus caminhos, e não conhecem o caminho da paz”.
“Aos seus olhos é inútil temer a Deus”. (Romanos 3: 10-18, NVI)


A pergunta que tenho é: como esse texto de Romanos, escrito por Paulo, quando este discursava sobre salvação e graça de Deus, encaixa-se na sua visão sobre o livre-arbítrio?

Espero que você como amante da Palavra de Deus pense no assunto e não se sinta o dono da verdade, assim como nos desafiou a fazer. E siga seu próprio conselho: “caro irmão, seja humilde para reconhecer o seu equívoco interpretativo” caso conclua que você estava equivocado.

Obs: por favor, evite fazer generalizações, ou quando fizer sempre use ressalvas (pelo menos este é o meu ponto de vista). Conheço muitos calvinistas apaixonados por Cristo e pela Bíblia, assim como conheço muitos arminianos deste modo e muito que nem sabe quem foram esses dois. Contudo esses termos (calvinistas e arminianos) são simplesmente termos que denotam correntes teológicas. Sim eu sei que há exageros. Por isso concordo com você: sejamos cristãos.

Obs: o fato de a Bíblia conter pontos complicados não significa que esses pontos não devam ser examinados e bem examinados e interpretados, nem deixam de ser inspirados ou doutrinários. Não sei se essa é a sua posição (pessoalmente, creio que não), mas muitos poderiam pensar desta maneira.


No Amor e na Verdade que nos une,
Vinícius
(-V-)

Ciro Sanches Zibordi disse...

Prezado Vinícius,

A paz do Senhor!

Louvei a Deus por ter sabido que o irmão vem sendo abençoado pela leitura desse modesto blog, ainda que discorde de alguns pontos contidos em meus artigos.

O irmão diz que gostaria de discutir um ponto que discorda em meu texto: o livre-arbítrio. Mas, com toda a sinceridade, não pretendo transformar essa postagem em uma interminável discussão ou debate sobre calvinismo versus arminianismo ou soberania de Deus versus livre-arbítrio, como tenho visto na grande rede.

Meu propósito é apenas apresentar o que tenho recebido como verdade da parte de Deus, por meio de sua Santa Palavra. É como se fosse uma pregação expositiva sobre o assunto. E quem quiser discordar, que discorde, mas não publiquei o texto com a intenção de dar início a um debate. Aliás, nem preciso fazer isso, haja vista a grande quantidade de tópicos no Orkut sobre essa questão.

De fato, está escrito que não existe nenhum justo, nem um sequer, e que não há ninguém que entenda ou busque a Deus. Todos, verdadeiramente, se desviaram, tornando-se inúteis e imundos (Sl 14.2,3; Is 60.6; Pv 20.9; Is 51.5; Rm 3.23; 5.12, etc.).

Entretanto, a Queda, apesar de seus efeitos deletérios, que comprometeram em parte o livre-arbítrio, não o invalidou por completo, como demonstrei à luz da Palavra de Deus.

Deus encerrou a todos debaixo da desobediência, para como todos usar de misericórdia (Rm 11.32; 1 Tm 2.4). O ser humano por si mesmo não pode entender os mistérios da salvação, mas quando ele, mediante o livre-arbítrio, abre o coração para o Senhor Jesus, o véu é tirado de seu coração (1 Co 2.10-15; 2 Co 3.1ss; Mt 11.25; Sl 24.15).

O texto de Romanos 3.10-18 evidencia a terrível situação do pecador não-regenerado (Is 1.5,6), mas em momento algum invalida a doutrina do livre-arbítrio, exposada em toda a Bíblia. Basta estudá-la, sem preconceito, para entender que o Senhor respeita, sim, as escolhas humanas (Mt 10.32,33; Lc 9.23; Ap 22.17; 2 Cr 15.2).

Sabemos que tudo vem de Deus, até mesmo a nossa capacidade de se arrepender (At 11.18; Ef 2.8-10; Tg 1.16), haja vista termos sido dotados de intelecto, sentimento e vontade. O que é o verdadeiro arrependimento, senão o emprego de todas essas faculdades no reconhecimento de nossa pecaminosidade?

A parábola dos dois filhos (ou do filho pródigo) ilustra muito bem a doutrina da livre-vontade humana. O rapaz refletiu, reconheceu, resolveu e agiu (Lc 15.1ss). Só depois disso que o pai foi ao seu encontro (Tg 4.8). Deus respeita o livre-arbítrio e não se vale da presciência para condenar pessoas arbitrariamente.

Não me considero dono da verdade, diferentemente de boa parte dos predestinalistas. Antes, reconheço que a soberania de Deus não invalida a doutrina do livre-arbítrio. E isso é, incontestavelmente, bíblico, como foi demonstrado no artigo que gerou o seu comentário.

Eu não proponho, ainda, que os pontos complicados não sejam bem examinados e interpretados, mas não tenho dúvidas de que a palavra final não é dada nem por calvinistas nem por arminianos. Por isso, esses "rótulos" caem por terra ante à infalibilidade das Escrituras (1 Pe 1.23,24; 2 Pe 1.20,21; 2 Tm 3.16,17).

Em Cristo,

CSZ

Anônimo disse...

A paz do Senhor, Pr. Ciro!

Muitos cessacionistas, dizem que no A.T., o Espírito Santo agia de forma seletiva e temporária sobre profetas, sacerdotes e juízes. E que no A.T., foi prometido o derramamento do E.S.. Bem, na festa de Pentecostes, aconteceu esse derramamento. Todos receberam,ou seja,os discípulos de Jesus. Segundo eles, (os cessacionistas), essa experiência na festa de Pentecostes, foi Histórica, Única e Universal. Enfatizam muito que foi Histórica e Única, e por tanto, não volta a repertir-se, não pode ser entendida como doutrina, pois foi uma experiência única para aquela época...

No livro de Coríntios, onde o apóstolo Paulo escreve sobre os dons do E.S., já é entendido diferente, ou seja, como uma capacidade específica e sobrenatural dada por Deus para o serviço e não como um talento ou habilidade natural. E os crentes são incentivados a buscar estes dons, com o propósito de servir uns aos outros, edificar o corpo de Cristo e glorificar a Deus. Porque então eles crêem no dom do E.S., mas não crêem no batismo com o E.S., já que um dos dons é o falar em novas línguas? Parece um paradoxo...

Valorizo o estudo da Bíblia, até porque evitaria vários ensinos absurdos que há por aí... Mas claro que sempre há exageros, interpretações forçadas, para satisfação de interesses pessoais... Para interpretar textos difíceis, a melhor resposta é Deuteronômio 29:29. Que Deus nos dê sabedoria nesses dias...Na paz de Cristo, Quédia.

Mozart Paulino disse...

Paz pastor Ciro,

Sou adimirador de sua maneira contundente e firme de expressar a Palavra de Deus.
Espero não ser bombardeado pelos indoutos, quer dizer, críticos de plantão (como se isso fosse possível), pelas palavras que aqui pronuncio.

Li prazeirosamente os livros que recebi do irmão. Não serei hipócrita que me se senti "cutucado" quando li sobre sua posição sobre os calvinistas. No entanto, isso não me faz considerar como adversários aqueles que pensam diferente de mim; como o irmão também pensa dessa forma, pelo que percebi ao trocarmos e-mail.
O irmão sabe que sou calvinista, o que não escondo de ninguém. Quem acessa meu blog logo percebe isso pela descrição da mesma.
Mas aí que está a graça do Senhor sobre nós.

E quem me conhece sabe que jamais admito de quem zombe daqueles que crêem no livre-arbítrio.
Pela misericórdia do Senhor mantenho bons relacionamentos pessoais e até ministeriais com irmãos calvinistas, arminianos, pentecostais e tradicionais.
Não estou preocupado com o que pensem de mim. A minha preocupação é o que Senhor vê em mim.

Eu não prego o calvinismo; mas parece que alguns teólogos e líderes calvinistas estão mais preocupados de pregar a doutrina da predestinação do que o Evangelho do Senhor Jesus Cristo, o único caminho para salvação.
Para quem estuda a teologia sabe que a linha calvinista tem várias ramificações.

Graças ao Senhor que não sou separatista, pois dentro de um mesmo grupo (seja ela qual for), vai ter alguém que não crê na totalidade de sua declaração doutrinária.

Temos nossas posições diferentes quanto a esses assuntos, e com certeza de outros também, porém nos consideramos servos do único e soberanos Senhor.

Acho interessante ainda existir ignorância, não do povo, e sim de quem deveria ser mais maduro,ou seja, dos líderes, pois ainda hoje sou questionado do porque publicar em meu blog textos de irmãos pentecostais ao lado dos tradicionais.

Ora, o Senhor não virá buscar um grupo, e sim, os eleitos, os seus filhos; aqueles que forem encontrados fiéis até o fim.

Respondo aos que me questionam da minha atitude não separatista, com o seguinte texto, que para mim resume tudo:
"Porque nada me propus saber entre vós, senão a Jesus Cristo, e este crucificado" (1Co.2:2).

Ontem mesmo estive em um culto da Assembléia de Deus do ministério do Belém no bairro onde resido, e foi uma benção.
Foi até um pouco estranho para mim, pois eu era o único pastor batista sentado na plataforma com demais pastores e líderes assembleianos.
Fique um alerta aos calvinistas: "Vocês teriam a mesma atitude e amor que esses irmãos tiveram?"

Que o Senhor nos abençoe e guarde.

EZEQUIEL disse...

PASTOR CIRO, A PAZ DO SENHOR!

APRECIEI MUITO O QUE O SENHOR ESCREVEU. SÃO TEMAS DE CONSTANTES DEBATES, E QUE DEVIDO A PLURALIDADE RELIGIOSA DE NOSSO PAÍS, SEMPRE SERÃO TEMAS ATUAIS.

GOSTEI MUITO DA PARTE QUE O SENHOR COMENTOU SOBRE O LIVRE-ARBÍTRIO E, GOSTARIA DE SUGERIR AO SENHOR QUE ESCREVESSE UM ARTIGO SOBRE "PREDESTINAÇÃO", SEI QUE É UMA DOUTRINA BÍBLICA, MAS AINDA NÃO COMPREENDO EM SUA TOTALIDADE.

QUE DEUS O MANTENHA SENDO SEMPRE ESSE APOLOGISTA QUE DEFENDA A FÉ CRISTÃ.

josiel disse...

Amém!

Cidinha disse...

Pastor Ciro ,á paz do senhor !
Eu andava um pouco desanimada com o modo que o evangelho vem sendo pregado ,sabia que algo estava errado ,mas não sabia como me fazer entender ,até que descobri seu blog ,e confesso que foi uma benção na minha vida,seus textos são de grande ajuda para meu entendimento ,até agora Pastor Ciro eu tenho concordado em tudo que tem escrito
No caso da trindade ,caiu como uma luva ,pois há dias que venho tendo dificuldades com esse assunto.
Que Deus continue de abençoando em sua sabedoria .

Junior disse...

Graça e Paz Pr. Ciro e demais irmãos!

Esses temas abordados neste artigo sempre foi e sempre serão motivos de infinitos debates. Portanto, gostaria de dar uma contribuição, sem causar muita polêmica. Vejamos por esse prisma: Paradoxo é uma “aparente falta de nexo ou de lógica, uma contradição”, conforme nos ensina o dicionário. Por exemplo, a expressão de Jesus, “quem perder a sua vida, acha-la-á”, é um paradoxo. Como pode algo acontecer ao mesmo tempo que seu contrário ? A gente perde, ou acha a vida, mas perder e achar ao mesmo tempo é uma contradição, isto é, um paradoxo. Algumas verdades, entretanto, somente podem ser expressas em termos de paradoxos. A vida não é tão simples que possa seguir adiante sem contradições. Mas por outro lado, algumas contradições da vida são na verdade experiências aparentemente opostas, mas que se completam, que fazem sentido quando são somadas, ou que apontam em direções opostas, mas que não se excluem, isto é, podem conviver sem que uma anule a outra.A relação entre a soberania de Deus e o livre arbítrio do ser humano é um dos grandes paradoxos da vida. Aparentemente, são duas verdades opostas. É verdade que Deus está no controle soberano de todas as coisas. Mas também é verdade que o ser humano é livre para tomar decisões. Por exemplo, na história de José do Egito, isso fica bem claro. José foi vendido por seus irmãos para um mercador que comercializava escravos no Egito. Mas ao final da vida, José afirma que foi Deus quem o levou para o Egito. A final de contas, foi Deus ou foram os irmãos de José os responsáveis pela sua ida para o Egito? Caso a responsabilidade seja toda de Deus, então a traição dos irmãos não pode ser levada em conta e eles não podem ser julgados moralmente, pois estavam fazendo apenas o que Deus queria que fizessem, isto é, sem saber, estavam sendo manipulados por Deus. Mas se a responsabilidade é toda dos irmãos de José, então como pode José dizer que foi Deus quem o levou para lá ? Neste caso José estava enganado, e, pior do que isso, sua vida estava nas mãos de seus irmãos e não de Deus, de modo que Deus não era soberano sobre a vida de José. A maneira como podemos resolver isso é através do conceito de paradoxo. Precisamos acreditar que a soberania de Deus não anula a responsabilidade humana. Devemos acreditar que a vida está em nossas mãos, pois somos responsáveis pelas nossas decisões, e seremos cobrados e julgados por Deus em relação ao que fizemos e ou deixamos de fazer. Mas também podemos descansar no fato de que Deus está no controle de todas as coisas, cuidando de nós como Pai amoroso, e que nenhum cabelo da nossa cabeça cairá sem sua permissão. Devemos acreditar que Deus está agindo na história de acordo com seu propósito eterno. Isto é, devemos dizer como Jó: “bem sei que tudo podes, e nenhum dos seus propósitos pode ser frustrado”.
Dwigth Lyman Moody resumiu este paradoxo da vida com o seguinte conselho: “Ore como se tudo dependesse de Deus. Trabalhe como se tudo dependesse de você”.

Blog do Jordanny disse...

Conhecer a completitude de Deus é semelhante a tentar conter toda a água do oceano em um copinho de café. O copinho de café é a mente humana, e o oceano é o conhecimento de Deus. No entanto, o que não devemos é deixar de buscar o conhecimento bíblico. Devemos conhecer e prosseguir em conhecer a Deus.
As diversas correntes teológicas devem ser estudadas, mas quem deve ser seguido é Jesus: "Quem quiser vir após mim, negue-se a si mesmo dia após dia, tome sua cruz e siga-me".
Jesus é a Palavra que liberta; a Graça que nos alcança. Somos revelados dos mistérios contidos na Palavra e revestidos de poder por meio do Espírito Santo. E somos constrangidos pelo infinito amor do Pai.
É difícil compreender a verdade acerca de uma crença monoteísta que se baseia em um Deus trino. Mas, como a própria Palavra diz, tal verdade é inegável.
Quanto as demais polêmicas, não as vejo tão relevante. Penso ser mais importante que todos nós nos firmemos no caráter e nossa identidade em Cristo.
Que sejamos servos de Deus. Que busquemos amar à Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos.
Será que o mandamento de Cristo é tão difícil de ser compreendido? A Verdade é simples... Onde estamos errando?
A paz do Senhor a todos!

Jordanny Silva
Brasília

Paulo Adriano Rocha disse...

Paz, Pr Ciro!

Glórias a Deus pela sua vida. Realmente, o seu blog é uma benção e esperamos que seja sempre assim.

Achei interessante o tópico em apreço, pois realmente há muitas dúvidas a respeito disso, especialmente nesses últimos dias.

Que Deus o ajude e encha sempre de sua graça!

Só tenho uma ressalva: Apesar de ser um ótimo texto, bem embasado e tudo mais, acho que poderia ser um pouco menos... agressivo (me desculpe, mas é a única palavra que acho) para com os irmãos que pensam diferente. Acho que, se eu fosse um deles, não me sentiria muito bem, entende? Acho que o texto deve ser algo que convença, mas sem ferir. Paz!

Edson Dorna disse...

A paz do Senhor...

Alguém em afirma que acreditava na predestinação e seria contra o livre-arbítrio... ao ser perguntado sobre algo simples dá bíblia ficou sem resposta...
A pergunta foi a seguinte:

Deus então criou o homem para pecar?

pronto assunto encerrado

Deus abençoe o Senhor Pastor, até semana que vem, em vila velha estaremos lá...

Em Cristo

Edson Dorna

Anônimo disse...

que a paz de Jesus Cristo habite em seu coração!!!
li o artigo muito bom , mas gostaria que você abordase sobre o assunto dizimo na igreja de Cristo, ja mandei um email pra vc mas ainda não tive resposta sei que tens vasto conhecimento da palavra , mas responda segundo a luz da palavra e não com conveniencia por ser pastor , não deixe isso influenciar em seu dicernimento. grato!!!

carloshenrique disse...

Bom. Será que Deus criou o homem para pecar?
Uma ótima pergunta:
Primeiramente quero dizer que Deus é onisciente, onipotente e onipresente.
Oras, Deus têm esses três atributos. E sendo onisciente, Deus têm conhecimento de tudo, ou seja, do passado, do presente e do futuro.
E, sendo que Deus têm conhecimento do futuro, Deus sabia tudo o que ocorreria, e com certeza Deus sabia que o homem, que ELE haveria de criar viria a pecar.
Mas, mesmo assim, Deus resolveu criar o homem, não que o fez para pecar, mas mesmo sabendo que o homem viria pecar, pois Deus é onisciente, Deus o criou mesmo assim, mesmo sabendo o que o homem faria.
E por que? Com certeza para demonstrar o seu amor, a sua misericórdia, a sua compaixão. Com certeza porque Deus ama.
E aí vêm outra pergunta: Oras, se Deus sabia que o homem viria a pecar não seria mais certo de que Deus não o criasse, não o trouxesse a existência? Então respondo com outra pergunta: Sendo que Jesus sabia que Judas Iscariotes o traria por quê então o escolheu para ser um dos doze apóstolos, não o seria melhor que não o escolhesse para ser um dos doze já que Judas Iscariotes o haveria de trair e ELE, Jesus Cristo, sabia que Judas Iscariotes o trairia?

Paulo Adriano Rocha disse...

Sobre Judas...

Claro que não sou um expert no asunto, mas, bem, acho que aí sabe uma outra coisa: Não estava predito que Judas iria trair Jesus, e, sim, que um dos seus amigos o trairia. Se eu fosse o diabo (que é o agente da tentação, não podemos esquecer disso), jamais escolheria Judas, ele tinha cargo no "ministério" (Carregava a bolsa), mas nem tanto... Se eu fosse o diabo, faria com que João traísse Jesus, uma vez que ele era o mais íntimo. Seria uma dor muito maior. O que estou querendo dizer é que houveram escolhas. Tiago e João poderiam ter se ressentido por não terem sido escolhidos a sentar em tronos ao lado de Jesus, mas, ao que parece, não se ressentiram. Todos podem, em algum momento, ter sentido a vontade de trair o Mestre, mas só um foi o que deu lugar à sua prórpia concupiscência, e esta, tendo concebido, deu à luz o pecado.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Prezada Quédia,

A paz do Senhor.

Se a experiência do dia de Pentecostes foi única, para jamais se repetir, por que a Palavra de Deus diz que aquela promessa cumprida "... diz respeito a vós, a vossos filhos, a todos que estão longe, e a tantos quantos Deus, nosso Senhor, chamar"?

Uma leitura sem preconceito de Atos 2 é útil aos que têm usado o "rótulo" de cessacionista. Afinal, apesar de usarmos certos "rótulos", eventualmente, a fim de defendermos uma posição, não são eles que devem prevalecer, em última análise, e sim a sã doutrina.

Em Cristo,

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro pastor Mozart,

A paz do Senhor!

As suas ponderações, muito coerentes, são sempre bem-vindas neste blog. Agradeço-lhe, também, pelas palavras de incentivo.

Fiquei feliz em saber que o irmão leu prazeirosamente os livros que lhe enviei pelo correio, ainda que tenha se sentido "cutucado"...

Realmente, não tenho o mínimo interesse em debater, a fim de fazer com que aceitem o que penso. Estudo todas as linhas de interpretação e, por graça de Deus, já ministrei no seminário a matéria Teologia Contemporânea, que se ocupa das várias teologias, fundamentadas nas mais diversas fontes de autoridade: razão, tradição, experiências, etc.

Mas a teologia que tem valor é a corroborada pelas Escrituras. Por isso, tenho convicção de que sigo a sã doutrina. Quem quiser discordar do que eu defendo, que discorde, mas isso não tira de mim a aludida convicção, haja vista eu não me basear em filosofias ou divagações, e sim no que está revelado na Palavra de Deus.

Que o Deus o abençoe, caro companheiro!

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caros Ezequiel e Josiel,

Agradeço-lhes pela participação.

Irmão, Josiel, já há neste blog, na seção "Vale a pena ler", um estudo sobre predestinação. Embora ele ainda esteja inconcluso, é possível que o auxilie, meu caro, de alguma maneira.

Deus o abençoe grandemente!

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Irmã Cidinha,

A paz do Senhor!

Suas palavras muito me animaram! Quanto à doutrina da Trindade, há uma necessidade de enfatizarmos o seu valor, pois hoje há emissários do erro incutindo na mente dos servos de Deus, principalmente a juventude, que essa doutrina não é fundamental.

Dizem os tais emissários do mal que é possível ser cristão mesmo não aceitando a mencionada doutrina como verdadeira. Isso, biblicamente, é inaceitável, pois quem nega a Trindade desconhece o ABC do evangelho, além de ser um leitor desatento e apressado (Tg 1.22-24).

Qualquer pessoa que leia as Escrituras de maneira atenta, sem preconceitos, reconhecerá que a doutrina da Trindade é cristalina, não havendo o que contestar. Veja que, em Colossenses 3.1,2, por exemplo, está escrito que o Senhor Jesus está assentado à destra do Pai. Como pode ser Ele mesmo o Deus Pai?

Somente o Inimigo mesmo para usar pessoas do nosso meio (At 20.28-30; 2 Pe 2.1-3), tidas como referencias na área de música e louvor, para enganar o povo de Deus e induzi-lo a combater uma doutrina fundamental e inegociável.

Pelo que tenho visto, muitos se deixam conquistar pela música, que hoje tem sido uma grande ferramenta na mão dos emissários do erro, infelizmente.

Em Cristo,

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Junior,

A paz do Senhor!

A sua exposição é muito boa e corrobora o que diz o artigo. Entretanto, de modo algum a Palavra de Deus possui contradições! Ela é pura, inerrante, incontestável. Qualquer "contradição" bíblica é aparente e ocorre por nossa falta de compreensão, haja vista o Autor do Santo Livro ser perfeito.

Pela sua abordagem, percebi que o irmão quis dizer que a Bíblia apresenta aparentes contradições, e não contradições, propriamente. Mas a definição inicial sugere que a Palavra de Deus apresente contradições. Daí a minha ponderação.

Os paradoxos, na Hermenêutica Sagrada, fazem parte da relação de figuras de linguagem constantes das Escrituras e não são classificados como contradições, embora em alguns dicionários da língua portuguesa seja essa a sua significação.

À luz da Hermenêutica, paradoxos são aparentes contradições. Quando o Senhor Jesus disse, por exemplo, que era necessário perder a vida para ganhá-la, isso não é de modo algum contraditório, e sim paradoxal. Isto é, trata-se de uma aparente contradição.

A perda da vida deve ser analisada de acordo com o princípio da renúncia (Lc 9.23). Significa o servo de Deus negar-se a si mesmo, a fim de agradar o Senhor, aceitando a sua vontade como o melhor para a sua vida (Rm 12.1,2).

Deus o abençoe!

CSZ

Ednaldo disse...

Pr. Ciro, a Paz do Senhor.

O sr. disse: "A Palavra de Deus apresenta claramente tanto o batismo do Espírito, que diz respeito à inserção do novo crente no Corpo de Cristo (1 Co 12.13), como o batismo com o Espírito, um revestimento de poder para quem já é salvo (Lc 24.49; At 2.1ss)." - grifo meu.

O sr. poderia explicar melhor qual a diferença entre o batismo DO Espírito Santo e o batismo COM o Espírito Santo. E se possível apresentar provas bíblicas que corroborem com essa diferenciação.

Em Cristo,

Ednaldo.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Jordanny,

Concordo que as polêmicas não são relevantes. Mas um cristão que se preza não abre mão da doutrina da Trindade, por exemplo, uma vez que essa doutrina é fundamental e inegociável. Quem a rejeita contrapõe-se à Palavra de Cristo.

Deus o abençoe!

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Paulo Adriano Rocha,

A paz do Senhor!

Agradeço-lhe pelas palavras e pela crítica, mas o irmão está confundindo contundência com agressão.

Não agredi a ninguém, a menos que alguém queira sentir-se atingido pelo fato de o texto acima ser contrário às suas posições pessoais.

O texto não expõe pessoas; apenas refuta certas posições que alguns têm tomado. Infelizmente, há muitos que não conseguem ler um texto de forma "desarmada" e acabam considerando tudo uma ofensa ou um ataque pessoal. E, nesse caso, eu lhe dou razão, meu caro.

Reitero que ser contundente não significa ser ofensivo. Louvo a Deus por haver leitores como o pastor Mozart (comentário acima), que, declaradamente contrário a uma parte das posições expostas no artigo, portou-se de maneira respeitosa.

Deus o abençoe!

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Edson,

A paz do Senhor!

Será um prazer encontrá-lo em Vila Velha-ES.

Deus o abençoe!

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Ednaldo,

A paz do Senhor.

Verdadeiramente, a Palavra de Deus apresenta, de modo cristalino, tanto o batismo DO Espírito, que diz respeito à inserção do novo crente no Corpo de Cristo, como o batismo COM O (ou NO) Espírito, um revestimento de poder para quem já é salvo.

Se o irmão estudar com atenção as passagens citadas no artigo, juntamente com os seus contextos, entenderá quais são as diferenças entre o batismo DO Espírito Santo e o batismo COM O Espírito Santo.

Aliás, as diferenças já foram em parte mencionadas no artigo, porém os textos bíblicos de 1 Coríntios 12, Lucas 24, Atos 2, entre outros, poderão ajudá-lo a entender melhor o assunto.

Bom estudo!

CSZ

Anchieta Campos disse...

Graças a Deus que eu posso dizer um convicto AMÉM!

Tomando apenas por exemplo a doutrina da Trindade, a qual é realmente díficil de se aceitar sob o ponto de vista humano, mas a Bíblia realmente nos mostra ela como uma verdade inconteste. Portanto, se a nossa limitação não permite assimilarmos bem uma doutrina bíblica, devemos honrar a Bíblia e crer piamente nesta doutrina. Esta atitude evitará muito tempo perdido e prejuízos.

Abraços fraternos. Deus o abençoe cada vez mais.

Anchieta Campos

Pr. Newton disse...

Parabéns, mais uma vez, Pr. Ciro, pela definição sobre o livre-arbítrio. Fácil e objetiva!

Não consigo aceitar a afirmação: Restitui.

Quando reconhecemos a Jesus Cristo, como o nosso Salvador, nada mais pode ser considerado perdido, pois, o Dom de Deus, em sermos chamados seus filhos, permite ter alcançado tudo e todo de melhor que possa existir.

Restituir o quê? Se afinal recebemos muito mais. Basta abrir os olhos da espírito, e fechar os da carne.

E sobre o livre-arbítrio. Não há escolha!

Você pode ter um ótimo local de trabalho......ou um péssimo local de trabalho.
Você pode ter um excelente automóvel......ou não!!!
Você pode ter uma excelente casa......ou não!!!
Você pode estar em uma Igreja moderna em sua construção......ou não!!!
Você pode ter, muito ou pouco, dinheiro em sua conta bancária.
Você poderá jejuar uma ou sete vezes na semana.
Você pode dar a menor ou a maior oferta do mês.
Você pode estar com o melhor terno do seu guarda-roupa......ou não!!!

O seu livre-arbítrio garante a você responsabilidade. E, com você. Sua vida.

Você poderá decidir, e justificar-se que não existe em sua vida, condições de possuir este tal de livre-arbítrio.

Você acordou e já está diante de uma escolha. A escolha poderá ser a melhor ou a pior.

A responsabilidade está em suas mãos, portanto, sigamos em conhecer ao Senhor para que o nosso falar seja – SIM SIM ou NÃO NÃO.

Existe uma decisão a cada dia. E a decisão é sua. Servir ou não ao Senhor Jesus Cristo.

Você deve escolher. A decisão te pertence. Só você pode decidir.

Não há escolha.....depois da morte.

O livre-arbítrio é exclusivamente seu. É pessoal.

Pr. Newton Carpintero
www.pastornewton.com

Graça Souza disse...

Graça e paz!
Temos sido abençoados através das visitas ao seu blog. Esse trabalho incessante ñ existe por uma desejo comum, mas sim por um propósito de Deus, que impulsiona a sua ´pena´ na força do Senhor.Um grande abraço fraterno.
Em tempo: rogo a todos os visitantes que orem por nós. Passo neste momento por uma situação difícil; minha mãe está na UTI com quadro de tromboembolia pulmonar. Tbm minha filha está recuperando de uma cirurgia. Agradeço desde já, contando com o amor que nos envolve em Cristo. Graça

Ciro Sanches Zibordi disse...

Irmã Graça,

Agradeço-lhe pelas palavras de incentivo! E conte com as nossas orações. Cremos no Deus Todo-poderoso, que cuida de nós.

Em Cristo,

CSZ

Blog do Jordanny disse...

Pastor Ciro,

Só para ratificar. Acho que me expressei mal. Não sou contrário à doutrina da trindade. Creio, inequivocadamente, nela. A fundamentação bíblica acerca do tema é incontestável. Apenas queria dizer, quando afirmei que é difícil uma religião monoteísta crer no Deus trino, que para muitos que têm o entendimento distorcido da Palavra, crer em um Deus trino é como participar de uma cultura politeísta. Mas a trindade é inegável! Certa vez um amigo perguntou-me acerca de Deus ser um só e, mesmo assim, ter três evidentes personalidades. Falei com ele o seguinte: a Igreja do Senhor Jesus é um único corpo; ou seja, todos nós somos um em Cristo Jesus; mesmo assim temos personalidades distintas. Do mesmo modo o Pai, o Filho e Espírito Santo são um. Contudo, cada um detém uma personalidade distinta.
A paz do Senhor pastor Ciro.
Desculpe por ter me expressado mal.
Abraços!

Jordanny Silva
Brasília

Ciro Sanches Zibordi disse...

Amém, irmão Jordanny!

O irmão não se expressou mal. Eu apenas aproveitei o seu comentário para pontificar, enfatizar, o que eu disse no artigo sobre a doutrina da Trindade.

Deus o abençoe!

CSZ

marcio leal disse...

_ PR.CIRO !?

_ IRMÃOS ( ãs ),PARTICIPANTES !?

_ A PAZ DO SENHOR !!!

_ RECEIO QUE, NENHUM DE VÓS SAIBAM QUEM SOU ..

( por meio de postagens )

_ NÃO OBSTANTE A ISTO ..

_ VOS AFIRMO APRECIAR_
SEMELHANTE RECURSO, ( blog ),COMO FORMA NOTÁVEL DE SE EXPANDIR UM SÓLIDO ALIMENTO.

( a saber a doutrina de cristo )

_ SANTÍSSIMA TRINDADE ..
_ PRÉ-DESTINAÇÃO.. E..
_ ATÉ MESMO A VINDA DE NOSSO SENHOR " JESUS CRISTO " TEM SIDO
RAZÃO.. OU SUPOSTAS RAZÕES PRA QUE ALGUEM VENHA TROPEÇAR .

( eu conheço pessoalmente alguns que tropeçaram )

_ CONTUDO TEMOS DA PARTE DE DEUS ESTE LENITIVO;
( que é tambem um alérta )..

_ Se alguem ensina alguma outra doutrna, e se não conforma com as sãs palavras de nosso senhor JESUS CRISTO,e com a doutrina que é segundo a piedade;

_ É SOBERBO e nada sabe,mas delira
acerca de questões e contendas de palavras,das quais nascem:

( invejas,porfias,blasfêmias,ruins
suspeitas );

_ Contendas de homens:

( corruptos de entendimento,e_
privados da verdade,cuidando que
a piedade seja causa de ganho )

_ APARTA-TE DOS TAIS !

. ARC.95. ( 1 TM 6.3.4.5 ).

_ O TEXTO ACIMA,AO TÉRMINO DO VERSÍCULO (5),PARECE ESTAR LIGEIRAMENTE DESCONTEXTUALIZADO EM
RELAÇÃO AOS ASSUNTOS ABORDADOS PELO
IRMÃO CIRO .

_ CONTUDO O BOM DESEJO DO MEU CORAÇÃO, CONSISTE EM SABER CONSERVAR PURO O MEU CAMINHO .


. AO IRMÃO CIRO E A TODOS ..

. A PAZ DO SENHOR !

Franciney disse...

Caro irmão e Pr. Ciro sou membro da Assembléia de Deus e adimiro muito o seu blog e ainda indico-o para os membros da igreja a qual congrego e sempre que possivel estou dando uma uma passadinha nele, porem me cinto obrigado a discordar do seu ponto de vista sobre aquestão do livre arbítrio humano assim como o pastor tem todo o direito de discordar da posição Calvinista; mas gostaria de de ver uma argumentação e exegese melhor dos textos acima citados pelo pastor(Dt 30.19; Is 1.18,19) e (Jo 3.16,36; Mc 16.16; At 3.19; Rm 10.9,10; Ap 22.17)que ao meu ver está fora do contexto e o pastor não deixa a propria biblia interpretar a si própria.
Por favor me explique melhor.
No aguardo e fraternalmente em Cristo,

Franciney R. da Silva