segunda-feira, 9 de junho de 2008

Música pesada na casa de Deus?

Pela primeira vez, publico um looongo debate neste blog. Resolvi fazer isso porque, ao comentar a postagem Música no culto ou culto à música? (7), um irmão, que se identifica simplemente como Roberto, contrapôs-se ao que eu disse de maneira muito exemplar, contribuindo para que ambos apresentássemos argumentos contra e a favor do heavy metal.

Reitero que é um looongo debate... Mas vale a pena conferir. Creio que o texto ajudará muitos a terem uma posição definida quanto à aplicação ou não desse estilo e de outros na casa de Deus.

Irmão Roberto disse:

Paz esteja com você, pastor Ciro.

Aprecio muito os seus textos e o vejo como um homem muito sábio, embora eu pense que em alguns temas o senhor é meio exagerado. Esse texto mesmo (Música no culto ou culto à música?, parte 7) é um dos que têm mais argumentação assembleiana conservadora do que bíblica.

Sobre o funk eu até concordo que a maioria de suas canções (senão todas) movem mais o corpo do que o coração, mas quem conhece um pouco mais de heavy metal sabe que muitas músicas nesse estilo não mexem somente com o corpo, mas também com o coração (não sei se ouviu falar alguma vez na coletênea Lovy Metal). Portanto, dizer que não louvaremos a Deus no Céu com heavy metal parece meio exagero de sua parte.

Com todo o respeito,

Roberto


Ciro Sanches Zibordi respondeu:

Caro irmão Roberto, a paz do Senhor.

Agradeço-lhe por apreciar muito os textos publicados neste blog e também pelas palavras de incentivo. Respeito a sua opinião, mas quando eu me referi ao heavy metal fi-lo com conhecimento de causa. Não costumo falar do que não conheço.

Conheço muito bem os efeitos que o estilo heavy metal causa ao córtex cerebral e aos tímpanos, independentemente de a sua letra ser “cristã” ou mundana. Diga-me quais são as diferenças entre o black metal e o white metal. As letras? Os músicos? Estou falando de estilo musical, e não de letras, que não alteram os efeitos da música.

Hoje, infelizmente, quaisquer estilos com letras supostamente cristãs são considerados apropriados para o louvor na casa de Deus. Isso é um grande desvio. Sugiro que o irmão leia Rock in Igreja?!, de John Blanchard, Editora Fiel.

O irmão diz que a minha argumentação é assembleiana conservadora, e não bíblica. Mas, se o irmão for mais atento, perceberá que também questiono práticas verificadas dentro das Assembléias de Deus. Minha fonte de autoridade é a Bíblia. Por isso, peço-lhe que use argumentos mais convincentes do que sugerir que sou denominaciólatra.

Reitero que o heavy metal, com todas as suas variações (white, black, love, etc.), é um estilo “pesado”, mundano, demoníaco, impróprio para o louvor. Além disso, a sua fama e o estilo de vida que o acompanha são incompatíveis com o cristianismo bíblico. O irmão gosta de tatuagens, piercing, braceletes, coturnos, etc.? Não me diga que o irmão também gosta de ficar balançando a cabeça para frente e para trás rapidamente... Isso é compatível com um culto ao Senhor, em espírito e em verdade?

Olha, nada tenho contra os apreciadores de heavy metal. Todos têm as suas preferências e os seus gostos. Mas definitivamente esse estilo não se aplica ao louvor na casa de Deus. Medite em 1 Coríntios 10.23,31; 1 Tessalonicenses 5.22; e Hebreus 12.1. "Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas convêm" (1 Co 6.12a).

O irmão conhece a história do heavy metal? Eu a conheço muito bem. Inclusive, se Deus permitir, vou apresentar algo sobre isso aqui no blog, futuramente. Medite também em Filipenses 4.8, mas medite mesmo. É preciso respeitar a Palavra de Deus. É ela que nos guia, e não as nossas preferências pessoais.

Em Cristo, o verdadeiro,

Ciro Sanches Zibordi


Irmão Roberto disse:

Olá, Ciro.

Em primeiro lugar quero deixar claro que não quis dizer que o irmão sempre aja como um assembleiano conservador, e sim que em alguns casos — como eu entendo nesse — o irmão se apresenta assim. Vejo que muitas vezes o senhor vai contra certos pensamentos assembleianos e em grande parte das vezes são coisas que eu também discordo.

Sobre o heavy metal fazer mal ao córtex, nunca tinha ouvido falar, mas o problema é causado pelo estilo ou pelo fato de ouvir o som em altura exagerada? Sobre origens e fama, acredito que algo não tenha de ser ruim só porque teve origens ruins ou porque a coisa é mal vista pela sociedade (dado os seus preconceitos). Creio que o “boa fama” em Filipenses se refere não à fama aos olhos de homens preconceituosos e, sim à boa fama aos olhos de uma pessoa com a mente de Cristo.

Você diz que o heavy metal é demoníaco, mas, será que, se Deus pode transformar pessoas mantendo suas qualidades natas, não pode também dar a seus servos sabedoria para usar de modo bom um estilo que algumas vezes é usado para o mal?

Sobre suas perguntas, não uso tais coisas citadas. Balançar a cabeça só se for alguma vez brincando, e sobre isso ser compatível com a adoração em espírito e em verdade, creio que é possível sim, enquanto se balança a cabeça adorar a Deus. Na verdade, acredito que o adoro na minha vida toda, mesmo quando não estou dentro de um “templo” (templo mesmo somos nós, então não dá para deixar de ser templo enquanto se faz uma coisa e voltar a ser depois).

Roberto


Ciro Sanches Zibordi respondeu:


Caro Roberto,

O irmão tem todo o direito de manter a sua posição de que, no meu artigo, prevaleceu uma argumentação assembleiana conservadora. Entretanto, reafirmo que estou me baseando na Bíblia, a Palavra de Deus, e fazendo afirmações fortes quanto ao heavy metal porque conheço bem esse estilo e suas características.

É possível que o irmão nunca tenha ouvido falar que o heavy metal atinja o córtex em razão de estar acostumado com esse estilo, acreditando que ele seja inofensivo. Há, porém, estudos que comprovam os seus efeitos deletérios, mesmo que isso possa lhe parecer estranho.

É possível ouvir heavy metal em volume baixo? Desculpe-me, mas as características principais desse estilo são:

1) Prevalência do ritmo sobre a melodia. No heavy metal, a melodia é subordinada ao ritmo. Trata-se de um tipo de música feita para ser mais sentida do que ouvida. É física, visceral; alimenta mais o corpo do que qualquer outra coisa.

2) A repetição é essencial. Repetição do ritmo, que é constante, com poucas variações; repetição do padrão de acordes; repetição do pequeno grupo de notas; repetição das palavras.

3) Volume, em geral, demasiadamente alto. O heavy metal, principalmente quando tocado ao vivo, é muito alto, mas também em casa, no carro, ouvindo rádio, CD player, mp3/mp4, etc. É por causa do alto volume que esse estilo é físico, visceral. É feito na base da força bruta das guitarras amplificadas e distorcidas por toneladas de equipamentos.

Desde o seu surgimento, na era pós-Beatles, o heavy metal é conhecido como um estilo que “explode” os tímpanos e a “cuca” de um público formado principalmente por jovens e adolescentes, que são mais “resistentes” ao alto volume de som.

Por que os jovens gostam do heavy metal? Porque, em geral, têm uma necessidade de serem dominados, envolvidos (entorpecidos), e o som alucinante do heavy metal os cativa. Além disso, buscam escapar da realidade e, especialmente, dos sentimentos de culpa através dessa música.

A exuberante taxa de decibéis do heavy metal tem sido até motivo de debates em conferências sobre poluição sonora. Foi levantada a possibilidade de esse tipo de música causar surdez, problemas psiquiátricos ou até loucura. Mas, enquanto os críticos debatem as causas negativas desse estilo, os metaleiros tocam cada vez mais alto.

Infelizmente, hoje em dia, tudo é preconceito. É uma grande desculpa, hoje em dia, para se tolerar o que não agrada a Deus! Ser contra o erro, o pecado, a imoralidade, ao que causa danos à saúde e à vida espiritual é ser preconceituoso?

Bem, o irmão tem todo o direito de acreditar que algo não tenha de ser ruim em razão de sua origem ou pelo fato de ser mal visto pela sociedade. Contudo, a Palavra de Deus é clara: "... tudo o que é de boa fama... nisso pensai" (Fp 4.8). E a fama do heavy metal e da música pesada da era pós-Beatle, de modo geral, não é e não tem sido nada boa!

Uma das maiores figuras do heavy metal, em todos os tempos, é Alice Cooper, um desviado, filho de pastor, que utilizava o apelo sexual como recurso para chamar a atenção do público. Outro grande propagador da música pesada da era pós-Beatles, David Bowie, era declaradamente bissexual.

Veja o nome das primeiras “bandas” de heavy metal: Led Zeppelin, Deep Purple, Black Sabbath, Iron Maiden, Kiss, AC/DC, Aerosmith... Procure fazer uma pesquisa sobre esses grupos e o porquê de terem esses nomes.

Diante do exposto, não tenho dúvidas de que o heavy metal é demoníaco. E de que Deus não purifica o que provém de fontes escuras e turvas (2 Co 6.14-18; Is 5.20). O Senhor Jesus disse: “Não pode a árvore boa dar maus frutos, nem a árvore má dar frutos bons” (Mt 7.18). O evangelho de Cristo é transformador. Quem o segue não permanece com os mesmos costumes e caprichos do mundo. Seguir a Jesus implica renúncia (Lc 9.23; Rm 12.1,2; 1 Jo 2.15-17). E não pense que isso é argumento de assembleiano conservador. É Bíblia, a Palavra de Deus!

O irmão acha que Deus pode usar drogas como cocaína ou maconha para o bem? Creio que não. Da mesma forma, a música má, erotizante, entorpecedora, criada para prejudicar pessoas, levá-las ao delírio (uma espécie de droga audível), também não pode ser usada para o bem.

Não existe música neutra. Música é como o alfabeto. Assim como se escreve mensagens cristãs ou satânicas com as mesmas letras, também se compõe músicas sacras ou demoníacas, com as mesmas notas!

Bem, não sei se tudo isso que escrevi mudará o seu pensamento. Mas espero que reflita depois, mesmo que num primeiro momento me considere um ET.

Em Cristo,

Ciro Sanches Zibordi


Irmão Roberto disse:


Ciro, sobre ouvir heavy metal em volume baixou ou normal, pelo menos para mim é “possível” sim. Não defendo toda a cultura e estilo de vida de alguns que são fãs do heavy metal, e sim o ritmo que, penso, é sim neutro, se ouvido com a mesma moderação com que se ouve qualquer outra música.

Não penso também que o heavy metal seja sempre usado de maneira saudável. Apenas creio que existe a possibilidade de ser usado de maneira saudável, mesmo que a maioria possa não fazer dele bom uso.

Sobre os jovens quererem usar a música em alto volume como uma espécie de droga ou fuga da realidade, creio que isso não se limita a heavy metal, jovens em geral (mesmo crentes) costumam ouvir música alta (eu nunca fui muito fã disso).

Quanto à expressão “boa fama”, penso que há certo equívoco na sua interpretação, já que, se formos nos levar pela forma como a sociedade enxerga as coisas, acabaremos sim sendo preconceituosos às vezes (visto que a sociedade julga muito por aparência). E, caso não tenha entendido, eu não disse que ser contra o erro, o pecado, a imoralidade, ao que causa danos à saúde e à vida espiritual seja ser preconceituoso, mas sim ser contra algo, baseado em outras coisas, que não essas (como costumes, tradições, gostos e aparência).

Sobre essa sua ilustração que diz que assim como escrevemos qualquer coisa com as mesmas letras e músicas com as mesmas notas, está querendo dizer que as notas usadas no heavy metal são diferentes das notas usadas nos hinos? No final das contas não são todas dó, ré, mi, fá, sol, lá, si, dó?

Acerca da minha crença de que origens não desmereçam nada, me baseio em 1 Coríntios 10 e creio que esse é um princípio para se aplicar na vida toda. A origem das coisas não nos afeta se somos fortes, podendo utilizar as tais coisas de forma boa. Todas as coisas são puras para os puros, mas nada é puro para os contaminados e infiéis; antes o seu entendimento e consciência estão contaminados (Tt 1.15).

Sobre eu considerá-lo um ET, fique tranqüilo, pois já pensei como o senhor sobre esse assunto e tenho uma idéia de como o irmão enxerga.

Abraço.

Roberto


Ciro Sanches Zibordi respondeu:

Caro Roberto,

Não gosto de debates intermináveis em que duas pessoas querem, a todo custo, fazer valer o que pensam, dificilmente chegando a um consenso. Mas quero reafirmar alguns pontos que são fatos, mesmo que o irmão, educadamente, insista em refutá-los.

Parabenizo-o, antes, pelo alto nível de nosso debate, sem nenhum desrespeito de parte a parte, mas pontifico o seguinte:

1) Não há interesse nenhum em se “curtir” heavy metal em volume baixo, uma vez que o alto volume faz parte deste estilo musical. Qual é a emoção de se ouvir um heavy metal em baixo volume? Nenhuma. Isso é fato.

2) Que bom que o irmão não defende toda a cultura e estilo de vida de alguns fãs do heavy metal, mas afirmar que o estilo é neutro é negar o que a própria ciência tem confirmado. Não existe música neutra. A música, seja qual for o estilo empregado, sempre tem uma finalidade: acalmar, irritar, fazer comer mais depressa, etc. O que motiva a dança? A música. Ela nunca é neutra. Isso é fato.

3) Concordo que uma pessoa que ouça heavy metal eventualmente, sem concentração, possa não ser tão atingida por efeitos negativos. Afinal, para que alguém seja prejudicado, de fato, precisaria ser envolvido pela música. Mas, pelo que tenho pesquisado e vivenciado, os apreciadores desse estilo costumam ser fanáticos. Quem de fato aprecia o heavy metal, acaba sendo dominado por ele, contrariando o que a Bíblia diz em 1 Coríntios 6.12b.

4) Por outro lado, ainda que eu concorde que o heavy metal, quando ouvido sem nenhuma concentração, possa não ser tão nocivo, não existe a mínima possibilidade de ele, de alguma maneira, tornar-se benéfico. Não há nenhuma comprovação científica de que esse estilo melhore a saúde física e mental das pessoas, etc.

5) Pelo contrário, pesquisadores norte-americanos colocaram uma mesma espécie de semente em dois recipientes iguais, com as mesmas condições. Num deles, a planta se desenvolveu muito bem ao som de música clássica. No outro, ao som de heavy metal, não houve o desenvolvimento esperado. Isso é fato.

6) Eu mencionei o heavy metal como um estilo que os jovens gostam de ouvir em alto volume como uma espécie de droga, ou fuga da realidade, porque música clássica, bossa-nova, canto gregoriano, etc. são estilos que não combinam com rebeldia, sublevação, desejo de extravasar, etc. Isso também é fato.

7) Concordo que os jovens crentes gostem de ouvir música alta. E boa parte aprecia os estilos dançantes e “pesados”. Daí as gravadoras estarem investindo pesado no remix. Infelizmente, se valem do falacioso álibi: o importante é que as letras são "cristãs" (entre aspas porque hoje em dia são raras as composições com letras genuinamente cristãs).

8) Quanto à boa fama mencionada em Filipenses 4.8, estou interpretando o texto segundo a significação original. Afinal, é isso que denota fazer exegese: extrair o sentido correto do texto. Não podemos formar as nossas próprias convicções, segundo a nossa lógica, e depois exportá-las para dentro do texto sagrado. Isso é eisegese, que é um erro de interpretação.

9) A sociedade pode julgar pela aparência, mas quem é guiado pela Palavra de Deus julga segundo a reta justiça (Jo 7.24). Afinal, o que é espiritual discerne, julga bem tudo (1 Co 2.15; 1 Ts 5.21).

10) O irmão me pergunta: “No final das contas não são todas as notas dó, ré, mi, fá, sol, lá, si, dó?” E eu lhe respondo “sim”. Contudo, vejo que o irmão não entendeu a analogia que eu empreguei, talvez devido à pressa. Eu quis dizer que, conquanto as notas musicais sejam sempre as mesmas, seja numa música sacra, seja num heavy metal, os dois estilos são diferentes.

11) Quando eu digo “Jesus é o Salvador”, uso as mesmas letras do alfabeto que um satanista usaria para escrever palavras de louvor a Satanás. As letras são as mesmas, mas a mensagem é totalmente diferente! O irmão, pois, não entendeu a aplicação prática da citada analogia. As notas musicais podem ser as mesmas, porém a maneira como são arranjadas forma os estilos musicais, que terão influências diferentes sobre os ouvintes. Isso é fato.

12) Se as origens não desmerecem nada (como o irmão afirma, supostamente com base bíblica), uma composição feita por um pai de santo, em um terreiro, poderia ser cantada normalmente dentro de um templo evangélico, desde que estivesse rigorosamente de acordo com a Bíblia, não é mesmo? Poderíamos cantar também as canções de astros da música pop, haja vista algumas delas terem até melhor conteúdo do que certos “hinos”.

13) Mas, biblicamente, desprezar a origem é um grande desvio. Por que o apóstolo Paulo expulsou o espírito de adivinhação de uma mulher que dizia uma grande verdade? Leia Atos 16.17,18. Se o irmão estudar com cuidado 1 Coríntios 10, perceberá que o texto corrobora o que acabei de expor, haja vista o fato de Deus ter condenado a mistura do povo de Israel com outros povos (cf. Nm 26; Sl 106). O versículo 21, inclusive, diz: “Não podeis beber o cálice do Senhor e o cálice dos demônios; não podeis ser participantes da mesa do Senhor e da mesa dos demônios”.

14) Quanto à sua afirmação de que todas as coisas são puras para os puros, o irmão se equivocou, com todo o respeito. Por quê? Por que tomou uma expressão usada especificamente como se ela fosse um princípio geral. Já pensou se um crente considerasse a prostituição pura valendo-se da desculpa de que aos puros tudo é puro? Leia o contexto de Tito 1.15, e o irmão descobrirá o que é puro aos puros. Não se trata de um princípio geral.

15) É uma pena que o irmão já tenha se posicionado contra o heavy metal e hoje o defenda. Sinceramente, o meu desejo é que o irmão pense biblicamente, não deixando prevalecer uma preferência pessoal.

Respeitosamente,

Ciro Sanches Zibordi

58 comentários:

Anônimo disse...

Prezado Pr. Ciro

Teóricos famosos, sempre falaram na tal "reflexão dialógica", que produz como o próprio nome sugere, uma reflexão, uma transformação, um exame de consciência, de conteúdo...ou seja, uma ponderação, observação...

E é exatamente isso que seus textos e artigos proporcionam aos leitores. Não é apenas uma simples leitura, ler por ler, não!

Os seus textos nos levam a pensar, a refletir,e isso é aprendizado. Aprendemos quando interagimos, dialogamos.

Por isso achei importante essa sua atitude de publicar e até dar ênfase a esse saudável debate. Como o senhor mesmo já escreveu, nunca estamos isentos, neutros. Em tudo há intencionalidade, seja de esclarecer, informar, corrigir, denunciar.

É muito salutar ler um texto e aprender com ele. Não é a toa que esse blog é o melhor dos melhores! Pois nos faz pensar...refletir...e agir. Com admiração e respeito, Quédia.

Anônimo disse...

Graça e Paz Ciro!

A questão da música é complexa. A musicalidade é inerente ao ser humano.
Pergunte à qualquer pessoa e por mais que ela se mostre relutante em um 1º momento, dirá e até mesmo cantará a sua música preferida.

Já ouvi um pregador "famoso" discorrer sobre o assunto de uma maneira bem peculiar, falando que Lúcifer ao ser criado foi dotado de toda musicalidade. Ele disse que imaginava quando Lúcifer andava sons musicais saindo de dentro de si.

Fantasiosa ou não esta colocação de nosso irmão, o fato é que DEUS, o Criador de todas as coisas fez a música também.
Tento imaginar como é a música no céu, Ciro. Será que é este misto de rítmos mundanos com letras "cristãs" que escutamos nas reuniões por aí?

Creio que não!

Li o seu debate com o Roberto.É tentar justificar o injustificável. Pela Palavra, tenho a crença que DEUS originalmente criou todas as coisas para o louvor da sua glória.
Mas com a entrada do pecado, um processo de degeneração foi iniciado na Criação.

O Diabo deturpou e deturpa tudo aquilo que serve para o louvor da Glória de DEUS. Ele, quando deturpou a música levando homens a experimentarem um rítmo alucinante a ponto da pessoa perder os sentidos, não tinha a intenção de alegrar alguém ou criar uma algo cultural.

Como já disse e reafirmo o único objetivo do Diabo é desviar o propósito original, fazendo com que nós não adoremos ao SENHOR.

Imagine a cena, o vocalista da banda Sepultura se convertendo. Agora convertido ele decide usar o "dom nato", como disse o Roberto, para o louvor da Glória do SENHOR.
Fora o rítmo "heavy, trash, sei-lá-o-que metal" ele utiliza também a mesma voz que antes, carregada, nefasta, tenebrosa.
Na primeira estrofe não sobraria ninguém na reunião (rs).

Admito que já comprei e escutei Petra. Já ouvi alguns rítmos um tanto que estranhos, pra não utilizar outro termo, mas que com o passar do tempo o Espírito Santo, que nos convence, nos discipula, me fez enxergar a importância da música, tanto para o Louvor ou como afronta ao Nome do SENHOR.

Muitos utilizam o Salmo 150 para calçar seus "rítmos calientes".

"Tudo quanto tem fôlego louve ao SENHOR. Louvai ao SENHOR" (Salmos 150,6)

Mas esquecemos de buscar a raíz, interpretar o que o texto nos diz.
Quem é o SENHOR para nós? O que ELE significa em nossa vida? E de que forma podemos louvá-lo?

Pra finalizar, mesmo um grupo de Rock secular sabe respeitar uma autoridade. Quando vão fazer uma apresentação para o presidente de uma nação escolhem um repertório mais "light".

Agora fica mais uma vez a pergunta;
"Quem é o SENHOR em nossas vidas? O CRIADOR de todas as coisas ou uma força, uma ideologia, um pensamento?"

Termino cantando;

"Graça, graça, Superabundante, graça...Somos filhos da graça..."

Luis Carlos Mathias
Joinville/SC

Felipe Inácio disse...

A Paz do Senhor Pastor Ciro!

Aprecio o seu empenho em combater as músicas impertinentes ao culto de adoração ao nosso Deus.Realmente hj em dia existem várias músicas q vemos que estão a km de distância em adorar ao Senhor.Deus disse que os verdadeiros adoradores o adorarão em Espírito(sinceridade) e em Verdade(com uma doutrina correta,não somente com o coração.com o corpo,mas com o entendimento).
Minha opinião é que realmente existem muitas músicas que não falam ao nosso coração e a nossa mente,e eu diria que o ritmo influencia muito!Quando uma música não tem letra,mas seu ritmo é um ritmo calmo,a pessoa canta da boca pra fora e não adora a Deus,mas quando a música tem letra,mas tem um ritmo bastante pesado,a pessoa é muito propícia a se focar no ritmo e não na letra.
Então a combinação perfeita seria um ritmo não-exagerado,e uma letra comprometida com as Escrituras.
Não condeno a música de ritmo mais "dançante" o que condeno é a falta de foco que muitos são propícios a ter durante um louvor desse porte.
Só por curiosidade,resido em belém e uma vez fui numa igreja que um louvor era num ritmo de tecno-brega(tlvz os visitantes desse blog q são paraenses conhecam)era uma musiquinha horrível!Sem letra!E a "galera de Deus " lá dançando!Achando q tava adorando a Deus.
Resumindo,minha opinião pessoal é:não é errado em si o ritmo,o que é errado é a facilidade em que tal ritmo distrai do real propósito do louvor,que é a adoração.Não condenaria um ritmo "pesado" se uma pessoa realmente conseguisse adorar ao Senhor em Espírito e em Verdade!


Soli deo gloria!!!

Ciro Sanches Zibordi disse...

Felipe,

A paz do Senhor!

Agradeço-lhe pelas palavras...

Adorar não é propriamente louvar, assim como louvar não é propriamente cantar. São três coisas que se fundem, mas são plenamente distintas. Um texto que mostra bem a diferença entre adoração, louvor e cântico é 2 Crônicas 20.

Adorar a Deus em espírito e em verdade (Jo 4.23,24) refere-se à adoração no sentido amplo. Não se trata de cântico. Nesse caso, só é verdadeiro adorador mesmo quem é espiritual e amante da Palavra de Deus. E, somente um verdadeiro adorador, consegue ter a sensibilidade para perceber que determinados estilos são mundanos, independentemente de as suas letras serem consideradas cristãs.

A música de louvor não tem que falar ao nosso coração, prioritariamente. É a não compreensão disso que enseja desvios. Quando cantamos pensando naquilo que nos agrada, nos desviados do foco: cantar louvores a Deus.

Não podemos confundir gosto pessoal com louvor a Deus. Se levarmos em conta o nosso gosto, a nossa preferência, cada povo, de cada região, dirá que deve louvar a Deus com o estilo musical predominante em sua cultura. Não é isso que significa louvar a Deus.

O irmão pode não condenar a música de ritmo mais dançante, porém a dança, como já tenho dito neste blog (veja a seção Música & Louvor), não tem apoio bíblico. É, sim, uma forma de agradar as pessoas, e não a Deus.

Nos EUA, em algumas igrejas, por exemplo, há luta livre em alguns "cultos", tudo para chamar a atenção das pessoas e entretê-las. No Brasil, por enquanto é a dança, o teatro... E, se não houver atitude por parte das lideranças, muitos outros atrativos surgirão, desviando o foco de 1 Coríntios 14.26.

A "galera de Deus" dança porque está faltando ensino da Palavra. Um templo não é um lugar para se dançar ou se divertir, à luz do Novo Testamento (cf. Atos dos Apóstolos), e sim um lugar para se glorificar a Deus, cantar louvores ao seu nome, adorá-lo na beleza de sua santidade e ouvir a sua Palavra.

O irmão diz que não condenaria um ritmo "pesado" se uma pessoa realmente conseguisse adorar ao Senhor em espírito e em verdade. Contudo, quem de fato serve a Deus em espírito (Rm 1.9) não pode aceitar com naturalidade estilos pesados, como os mencionados nesta postagem, cuja ênfase recai apenas no ritmo, isto é, na dança, no corpo, no supérfluo...

A música e o ser humano são tríplices, sendo que o ritmo apela ao corpo; a harmonia à alma; e a melodia ao espírito humano. Se quisermos adorar a Deus com cânticos verdadeiramente espirituais, temos de valorizar a parte da música que apela ao espírito, isto é, a melodia, e não o ritmo.

Em Cristo,

CSZ

betoantero disse...

Se buscarmos as origens dos ritmos e estilos de músicas, vamos acabar tendo que criar os nossos própios ritmos e estilos.

Vejo que a maioria dos cantores da Assembléia de Deus tendem a optar pelo baião ou fórro, que é um ritmo sensual, outros optam pelo estilo parecido com MPB, que foi nascino nas
mesas de próstibulos.

Vejam o que está escrito em Colossenses 2;

8 Tenham cuidado para que ninguém os torne escravos por meio de argumentos sem valor, que vêm da sabedoria humana. Essas coisas vêm dos ensinamentos de criaturas humanas e dos espíritos que dominam o Universo e não de Cristo



20 Vocês morreram com Cristo e por isso estão livres dos espíritos maus que dominam o Universo. Então, por que é que vocês estão vivendo como se fossem deste mundo? Não obedeçam mais a regras como estas:
21 “Não toque nesta coisa”, “não prove aquela”, “não pegue naquela”.
22 Todas essas proibições têm a ver com coisas que se tornam inúteis depois de usadas. São apenas regras e ensinamentos que as pessoas inventam.
23 De fato, essas regras parecem ser sábias, ao exigirem a adoração forçada dos anjos, a falsa humildade e um modo duro de tratar o corpo. Mas tudo isso não tem nenhum valor para controlar as paixões que levam à imoralidade.

Eli disse...

Li o debate e também o seu texto sobre a música no culto.
Estou de acordo com as suas colocações, pois é assim que penso.
Li em uma capa de disco(LP) de um conjunto de rock brasiliense(já não existe) a seguinte recomendação:
"Ouça em volume alto".
Gosto de cânticos, mas hoje eles são mais cantados que os hinos
tradicionais. Vejo os hinos tradicionais como bem inspirados e sempre atuais e quanto aos cânticos vejo-os como aqueles rios temporários do sertão cujas águas correm por um pouco de tempo.
Desejo que continue assim a alertar a igreja quanto a qualidade dos cânticos como também à concordância das letras com a bíblia que estão se entoando durante o culto.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Beto Antero,

As origens dos estilos musicais é apenas uma parte do assunto proposto, pois o que descredencia um estilo principalmente são os seus EFEITOS.

Por que não podemos ter músicos espirituais que componham cânticos espirituais, sem que haja a necessidade de importarmos tudo o que não presta para dentro da casa de Deus, como funk, hip-hop e outros estilos dançantes?

O fato de este debate ser principalmente sobre o heavy metal não significa que o editor deste blog seja favorável a baião ou forró. Daí o título genérico "Música pesada na casa de Deus?", com a intenção nítica de levar os internautas a uma reflexão abrangente sobre tudo o que tem invadido os nossos templos, indenpendentemente da denominação.

O que é um estilo sensual? Quer um exemplo? Um tipo de música que faça as jovens evangélicas terem vontade de dançar como a mulher melancia. Ou o irmão considera que esse tipo de dança não é sensual, e que isso é mero preconceito?

O irmão, pela citação do texto, não quer aceitar a realidade de que o mundo está tão religioso, e as igrejas (no geral, mas não todas; quem lê entenda) tão mundanas, que não se sabe mais onde começa um e termina o outro.

Não aplique textos que tratam de circunstâncias específicas como se fossem princípios gerais, pois isso reflete má exegese. É como usar o "para os puros tudo é puro". Lembre-se de que fomos chamados à liberdade, mas não devemos nos valer da liberdade para dar ocasião à carne.

Não sou contra o entretenimento, e todos nós precisamos de um pouco de diversão. Porém, o lugar do entretenimento não é dentro da casa de Deus. Culto não é show de calouros ou uma grande feira cultural, com apresentação de danças típicas e estilos musicais diversos.

Em Cristo,

CSZ

Geziel Silva Costa disse...

A Paz Pr Ciro
Li o debate e concordo plenamente com o senhor.
Mas lendo o comentário de Beto Antero, ele disse:
"Se buscarmos as origens dos ritmos e estilos de músicas, vamos acabar tendo que criar os nossos própios ritmos e estilos".

Os ritmos não precisamos criar poque eles já existem. Ex: Binário, tenário, binário composto, tenário composta etc.Todos os estilos, usam esses rítmos.

Todos os estilos como o samba, valsa, rock, baião e etc, usam os rítmos existentes. Agora, os estilos sim, precisam ser consciderados.

O estilo rock, os roqueiros usam botas, braceletes, camisas cavadas e etc.E suas letras falam de drogras, sexo etc.

O sertanejo usa jeans apertado, botina chapéu etc. Suas letras falam de gado, caminhão, mulher, bebida etc.
poderíamos citar muitos outros estilos

O certo é que cada estilo é diferente. Nosso estilo qual é? Nossas letras falam do quê? Se viemos adorar a Deus, louvar a ele, as letras devem ser devotadas nesse sentido da adoração. E o cristão transformado, já tem seu estilo de cristão, é conhecido no meio onde vive pelo testemunho, bons modos, bons costumes etc.

Abraços
Geziel

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Geziel,

A paz do Senhor!

Vejo que o irmão é um leitor bastante atento, pois de fato o nosso debate não gira em torno dos ritmos, simplesmente.

É bem verdade que, hoje em dia, os termos "ritmo" e "estilo" são usados um pelo outro. No entanto, o assunto em pauta é muito mais abrangente.

Qual é o estilo musical que deve prevalecer no meio evangélico, segundo a Bíblia? Temos liberdade para empregar todo e qualquer estilo secular (ou mundano), ou a Palavra de Deus continua sendo a nossa regra de fé, de prática e de viver?

Em Cristo,

CSZ

Jesiel Carlos Knup disse...

Paz do Senhor Pr. Ciro!

Quero deixar um comentário também a esse respeito. Peço a todos que tentem fazer um paralelo com a forma como devemos nos vestir.

Ora, se vamos a uma praia não deveríamos ir de paletó e gravata. Se vamos à faculdade basta uma simples camisa e calça jeans. Se vamos à casa de um amigo ou parente fica à nossa conta, de acordo com as condições climáticas (sem exageros é claro!). Nesse caso quem é submisso a quem? A roupa não se submete às condições do ambiente e à ocasião da visita?

Alguns ritmos não ficam bem em uma festa de aniversário, outros não se adaptam ao culto santo a Deus, outros foram feitos para se ouvir em um jantar romântico à luz de velas! Mas há ritmos, assim como roupas, que nunca devem ser empregados pelos verdadeiros servos de Cristo.

Foi só um pensamento que me veio agora. Não sei se estou na linha correta! Lembrando que estamos falando de ritmos. Está bem claro que todo o restante, como as letras, devem estar contidas e subjugadas ao conhecimento bíblico.

A paz do Senhor à todos.

ArielRossi disse...

Pr. Ciro, tive o conhecimento de seu blog atraves de um video sobre a diferença entre inferno, hades e tártaro. Eu acessei algumas vezes, e vim aqui hj pra lhe enviar uma pergunta que vonfunde não só a mim mas a muitos quem lha exponho.
Gostaria de saber com fica este texto de Pedro:

Portanto também os que padecem segundo a vontade de Deus encomendem-lhe as suas almas, como ao fiel Criador, fazendo o bem. 1 Pedro 4:19
Quando comparado com o que Paulo escreve, não lembro onde, mas ele escreve que não é da vontade de Deus que nenhum se perca.

Com certeza vc deve saber ao certo de qual passagem estou falando.

Gostaria que se possivel fosse, vc me respondesse.

meu e-mail é : arielsrossi@gmail.com

Ah, e quanto ao tipo de musica na igreja, não só o heavy-metal ou funk que não agradam a Deus.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Ariel Rossi,

Realmente não são apenas o heavy metal e o funk que não agradam a Deus. Seria bom que o irmão lesse todo o debate com atenção (parece-me que ainda não fez isso), a fim de verificar que o heavy metal está sendo tomado como exemplo a fim de se enfatizar o perigo da música pesada na casa de Deus.

Quanto à sua outra pergunta, lhe responderei posteriormente.

Em Cristo,

CSZ

Pr. Newton disse...

É muito importante quando encontramos homens de valor, no meio evangélico. Afinal, é grande a necessidade de lermos e ouvirmos o que vem da verdadeira orientação aos crentes, que nestes últimos tempos são ovelhas perdidas, e, pior, dentro da sua própria igreja, que arremete todo o seu poder de fogo à incendiar suas lãs e sua gordura com enganos de espiritualidade.

Poucos líderes produzem resultados com a verdade que produz novos crentes em Jesus.

O momento é de fanfarra com os grupos musicais, cantores e cantoras de toda a espécie de enganos. Sinto vergonha do que está acontecendo! Mas, afinal estamos nos últimos dias!

Maranata! Ora vêm Senhor Jesus!

Pr. Newton disse...

Hip-Hop Evangélico. Rock Evangélico. Conversa fiada! Conversa para boi dormir.

Existe no meio evangélico muitas “novas maneiras de evangelismo”. E, muita conversa fiada.

A música doente, de estilo especial, chamada de Hip-Hop, é um desastre para qualquer sociedade no mundo. É de se admirar quando alguns “pastores”, sentem o desejo de projetar este “grande talento musical”, e suas aberrações ao convívio ministerial. Convidam os astros para seus métodos de evangelismo no estilo da comunidade Hip-Hopiana.

A covardia e a falta do conhecimento da santidade de Deus, está fechando bocas no ministério.

Existe através do espírito de Deus a capacidade de se discernir, o que é, o verdadeiro louvor, aceito por Deus. Deus não aceitar louvores de brincadeirinha. Não. Não aceita mesmo.

Hoje, todos, são cantores, com os seus CD’s. As letras em muitas das suas músicas, envergonham o verdadeiro louvor a Deus. Todos querem ganhar com os seus “louvores”, e assim, as prateleiras das lojas evangélicas, estão repletas de produtos, sem nenhuma unção ou exaltação plena ao Deus verdadeiro. Onde está unção? Onde? O que existe as vezes é puro emocionalismo. E as vezes tentam romantizar, para vender mais.

Os louvores da atualidade são mercenários da exaltação dos “shows”, e promovem a falta do sentimento de reverência ao nosso Deus. As músicas expressam sentimentos ocultos de carnalidade e violência.

Os trajes destes novos “discípulos de Jesus”, tentam desmantelar, toda uma racional maneira de ser, para uma “nova maneira de ser crente ou cristão”. E, pior, produzida por líderes interessados em sua projeção pessoal.

Assistí, para verificar o comportamento, em sua apresentação, de um conjunto musical evangélico de grande fama no Brasil. Este “Show”, de gritarias, cabelos estirados e roupas rasgadas, aconteceu em Boca Raton, Flórida. Que vergonha para o evangelho!!! Que vergonha para a evangelização!!!

Eu senti vergonha do que ví!!! Eu senti desprezo pelo diabólico “show de rock”, que tentava, convencer aos incrédulos ou duvidosos da Bíblia, que alí estava presente o Espírito de Deus. Agressão total aos ouvidos. Aos amantes da boa música. Aos verdadeiros servos de Deus.

Não acredite que Rock, serve para louvar a Deus. Não acredite que música Hip-Hop, serve para louvar a Deus. Mas, acredite que o desrespeito a Deus, chegou aos locais inudados por estes incautos que pensam estar louvando a Deus

Que Deus, tenha misericórdia, destes líderes sem escrúpulos e destruidores da verdade.

Pr. Newton Carpintero
www.pastornewton.com

Euller.Monteiro disse...

Pr Ciro,

Gostaria de pedir ao Sr uma análise destes debates e seus textos, gostaria de compreender dentro da exegese o porque um texto o Sr analizou como de aplicação correta ao assunto em voga e outros não.

(FP-4:8 Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai.)

Um dos textos usados pelo Sr para pedir uma análise dentro do que é puro, más o texto acima (se eu não estiver errado) está sendo visto pela ótica de quem está observando ou procurando algo que tenha aparência de puro, santo ou seja estilo de vida, amizades, música, etc, correto? más para isto dentro das práticas comuns aos cristãos que professam e vivem em comum acordo com a palavra.
Já no texto de 2Cr 29: 27-30 não explicita que era uma música usada no passado, apenas relata que era o Canto Santo do Senhor, e ao final o Rei pediu aos levitas que louvassem com as palavras de Davi, o que pode tanto ser acompanhado de estilo musical quanto apenas declamar em alta vóz os textos, não denotanto que o estilo musical estivesse preso à um ritmo ou estilo usádo em outro momento da história de Israel.
O texto de Jr 6:16, observando o contexto pedia ao povo que analizássem como procediam diante de Deus seus pais e que retornassem a ter um padrão de vida santo diante de Deus, não relata nada sobre estilo de adoração ou música, más sim o caminho que se deve andar por ele.
O texto de Jo 6:60 reporta à santa ceia, ou seja manter uma vida de comunhão com Deus, atravéz de Jesus, para aquele momento sim era duro para quem dos dissípulos não compreendeu que éra espiritual o que Jesus estava falando e não de cometer antropofagia o que escandalizou alguns, no entanto Sim o discurso era duro pois este participar do Pão e do Vinho significava participar dos sofrimentos com Cristo, partilhar do seu ministério tanto nos momentos bons quanto nos maus.
O texto de 1Co 10: 23-31 mostra claro que é a consciência que em comunhão como Espírito Santo nos convençe do que é ilícito, fora o que já estava claro que era consagradoa à demônios, (agora dentro do tema, é o ritmo que é consagrado ou a música composta pelo artista?).
O texto de 1Ts começando do vv21

1TS-5:21 Examinai tudo. Retende o bem.
1TS-5:22 Abstende-vos de toda a aparência do mal.
1TS-5:23 E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma, e corpo, sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso SENHOR Jesus Cristo.
Mais uma vêz a responsabilidade de examinar é pessoal.
O texto de 1Co 14, é amplo, más ao lê-lo dentro dele o que discrimina um ritmo do outro? bem acho que um dos pontos interessantes é que tudo tem que ser feito com ordem e descência, ordem no culto, não descreve ritmo ou estilo musical apropriádo, más nortea que no culto deve haver um padrão de ordem, cada momento no seu devido lugar, enquanto se adora, adore, no momento de profetizar, no dito momento, no da palavra, com tal, sem misturar os momentos.
O texto de Tt 1:15 ao meu ver me parece de maior aplicação não sendo específico, me aparenta ser mais doutrinário, repreendendo aqueles que veêm tudo com olhos impuros, o por que está fora de contexto para uma aplicação quanto ao estilu musical ou de vida? o texto de Tito, no capitulo 1º aparenta estar norteando qual o tipo de procedimento deve ter o crente em Cristo.
O texto de Jo 7:24 diz "Não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça. " podo assim tudo sobre o mesmo crivo de julgamento. tanto a origem do rock quanto do tango, bolero, salsa, sertanejo, pop, baião, erudita, etc. o que eu já havia perguntado e posto em debate, não foram estes estilos usados nos mesmos lugares hoje tidos por nós como profanos e que hoje estão sendo tocados o rock o metal, e outros afins? Então estão todos debaixo do mesmo crivo.
O texto de 1Co 2 discorre sobre a sabedoria de Deus, que o homem natural não consegue discernir no seu intelecto natural, falho e pecaminoso, esta deve ser discernida espiritualmente, pelo homem espiritual, ao meu ver seria um texto direcionado à este tema. pode muito bem ser aplicado em outras areas da vida cristâ, sim, más mesmo assim não observei o ponto onde é colocado em cheque o assunto do nosso debate, mostrando o que é santo e profano.
Agora Pr Ciro, o TExto de Cl 2, é um texto profundo, e merece uma análize, e tanto quanto os outros que já citei gostaria de que não só dos outros más deste texto sua exegese nos mostra-se o por que de não estar dentro do contexto do assunto de música e costumes, ao ser aplicado no debate, é um texto muito profundo e fala exatamente do nosso julgamento sobre as atitudes e costumes que devemos ter e do nosso proceder. foi um texto muito bem colocado pelo irmão Beto Antero que mostrou uma boa análise do texto ao meu ver e reporta à uma pergunta que eu fiz ao senhor sobre muitos dos hinos hoje usados nas igrejas cujos ritmos e estilos tem suas origens em culturas diferentes das nossas e eram usados muitas vezes em locais comuns à uma pessoa sem Cristo. Neste caso não seríamos nós mesmos que estamos fazendo distinção entre rítmo e rítmo e entre estilo e estilo?
Nossa muito texto para uma exegese, más tenho certeza que nosso aprendizado com sua exposição Pr será grande também, visto que poucos homens de Deus se tem dispostos à confrontar os ensinamentos que hoje há na igreja, temos que aproveitar estes momentos. Eu mesmo já tenho lido e pesquisado, e aprendido.

Agora Pr Ciro na sua resposta Ao Beto o Sr fáz uma pergunta sobre o que é um estilo sensual, e sua resposta eu acho que ficou restrita ao rítmo funk da tal "melância", bom se eu não me engano muitos dos rítmos usandos nas Assembleias, Metodistas, Maranatas, etc, quando fora da igreja vêmos sensualidade nas danças, não seira o caso apenas de o estilo do funk estar mais em destaque hoje? Não seria este um problema, que ontem foi o forró o baião, hoje o funk e sertanejo, más se tomar-mos o mundo como exemplo veremos que até no balé há sensualidade, nos clássicos há mais erotisto ainda, e não são rítmos balançantes no padrão do funk, e se partirmos por este tipo de análise qual estilo musical iríamos usar? Canto gregoriano? ritmos judaicos antigos (apesar que é um ritmo que me agrada particularmente)?

Já na sua resposta ao irmão Ariel o senhor declarou qeu Deus não se agrada do heavy metal e do funk e de outros ritmos, eu concordo que Deus ordenou ao povo de Israel para que não se contaminasse com os cultos e práticas dos povos que moravam na terra que eles iriam entrar e possuir, porem a questão é polêmica quanto à ritmos e estilos musicais, naquela época quais eram os ritmos usados, o povo de Israel não usava dos mesmos estilos? não havia um mixto de cultura egipcia, de Midiã, e outras culturas das quais o povo tinha relações familiares e políticas? Qual é o ponto que mostra que estes rítmos não são do agrado de Deus? o não seira a condição de pecado no mundo na qual as pessoas usam estes rítmos? por que se for assim teríamos que excluir 99% dos ritmos e estilos usádos na igreja, pois ja foram usados da mesma forma fora da igreja, com os mesmos intuitos perniciosos em muitos casos.

Aquestão é muto vasta e o assunto senão for o maior está entre os mais complexos e talvêz menos debatidos na esfera evangélica, visto os grandes e reais propósitos por tráz de muitas composições e compositores (não ritmos e estilos).

Pr Ciro não se assuste, escrevi um livro de novo, más meu intuito é conhecer e estudar, aprender com os irmãos, e chegar-mos à um denominador comum, e graças à Deus que usa ao nosso amado Pr, para nos conferir este local de estudo e debate.

Em Cristo,
Euller

Bom lançei para nossa análise e debate alguns pontos para cruzarmos informações e pesqisar sobre o assunto.

Que Deus nos abra o entendimento e a visão para vermos as respostas que estão no coração de Deus e não no nosso.
Eu estou aberto ao aprendizado e à pesquisa e espero os demais irmãos que já participaram do debate.

Anônimo disse...

Pastor Ciro,

Este debate de extrema importância para a vida cristã. Em uma coisa eu queria parabenizar ambos os interlocutores: com respeito à opinião e com amor vcs conseguiram defender muito bem suas convicções. Gosto muito do estilo musical objeto das discussões. Na verdade, não consigo chegar a compreensão de que qualquer estilo musical seja criado pelo Diabo. Acredito que ele utilize, sim, o poder da música para envolver e seduzir a muitos. Mas não consigo ver que o estilo musical seja o "indiciado" pelo crime da corrupção. Vejamos, por exemplo, que a música, é na verdade, uma ferramenta, que pode, ou não, ser usada para adoração. Por exemplo, uma faca pode ser usada para a preparação de um alimento, ou mesmo para tirar a vida de alguém. A música é um talento, e um talento, pelo que eu posso compreender, é dado por Deus. O servo a quem é confiado o talento é que se vê responsável pela utilização daquele talento. Vejo que, uma música bem tocada e com uma mensagem bonita, de amor, talvez, independente do estilo musical, mesmo que não seja especificamente para a adoração, mesmo que seu objetivo seja, por exemplo um alerta ao sistema corrompido pelo deus deste século, não comporta algo malígno; apenas não teve um conteúdo específico de adoração.

Dessa forma, não está o problema em um estilo musical. Ademais, os estudos que revelam os, supostos, efeitos malignos do "heave metal", são, geral, seculares, não tendo uma base bíblica consistente, mas, tão somente científica.

Veja-se que, em relação à ciência, devemos ter muito cuidado. Já vi teses científicas que, no intuito de defender o homossexualismo, informam comportamentos idênticos entre algumas espécies de animais irracionais. Esta informação pode até se tornar um dado científico consistente, mas não estará, em hipótese alguma, em concordância com as escrituras.

Uma coisa pude perceber: Pr. Ciro, sua opinião não consiste em um preconceito. Pelo contrário, o Sr. buscou informações acerca do tema e formou sua opinão. Mas, não acho prudente permitir que uma opinião seja imutável (com exceção das doutrinas bíblicas fundamentais como a fé em Cristo como único Salvador; no batismo e ritos deixados como exemplo por Ele; no Pai e no Espírito Santo).

O Sr. Pastor tem sido uma influência sobre a minha vida e sobre a vida de muitos (sempre gosto de deixar claro que em alguns aspectos tenho um entendimento divergente do seu), e, por isso, louvo a Deus.

Desculpe se, expressando-me mal, afrontei o Sr. de alguma forma. Nunca foi minha intenção.

Abraços de seu amado irmão em Cristo!

Jordanny Silva

Anônimo disse...

Desculpe o erro: heavy metal...
Abraços!

Jordanny

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Euller Monteiro,

Li o seu "jornal".

Realmente fica difícil responder com rapidez a um comentário tão looongo.

Mas gostaria de lhe dar uma orientação, por enquanto.

Percebo que o irmão ainda não sabe a distinção entre promessas, mandamentos e princípios.

Se o irmão procurar mandamentos específicos quanto a costumes e práticas da atualidade, jamais os encontrará na Bíblia. Daí o irmão não ter entendido o porquê de eu ter pedido para meditar em certas passagens. E meditar não é ler superficialmente e tirar conclusões.

Medite mais uma vez e tenha em mente, por exemplo, que em Filipenses 4.8 temos princípios estabelecidos por Deus, embora a passagem também contenha um mandamento.

O trabalho de interpretação bíblica esmerada, a exegese, não é simplista.

Depois, quando eu tiver tempo, pois estou viajando tentarei responder a seu e-mail, se bem que está muito looongo e um tanto confuso, haja vista a dificuldade que eu mencionei acima.

Em Cristo,

CSZ

Euller.Monteiro disse...

Obrigado Pr Ciro, estarei no aguardo. Espero realmente que o Sr compreenda, aos olhos de um leigo, mesmo sendo ensinado e estudar desde criança, a interpretação que faço é conforme as orientações que tive, e com base na leitura da bíblia, falta livros históricos e de estudo bíblico.

Agora imagino o que pode acontecer com os membros simplices, que não tem uma mente questionadora e que aceitam tudo oque lhes é proposto sem ao menos levar ao confrontamento com a palavra.

No mais, boa viajem e regresso.

Em Cristo:
Euller

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Jordanny Silva,

Sou uma pessoa franca. E lhe darei uma resposta sincera.

Preocupo-me quando um crente em Jesus Cristo diz que gosta muito de heavy metal, um estilo ligado ao satanismo desde à sua origem, o qual infelizmente a cada dia vem ganhando simpatizantes no meio evangélico.

O irmmão disse que não consegue chegar à compreensão de que qualquer estilo musical seja criado pelo Diabo...

Mas eu lhe, pergunto, fazendo uma analogia: "O livro Lex Satanicus, o Manual do Satanista, tem origem divina ou diabólica?" Esse livro é uma exploração profunda da teoria e prática do satanismo moderno, escrito por um de seus adeptos mais respeitados. Trata-se de um guia satânico!

Ora, Deus deu ao ser humano a capacidade de se comunicar por meio da escrita. Mas há pessoas satanistas que sabem escrever. Logo, nem todas as pessoas que escrevem textos produzem mensagens vindas de Deus ou que o agradem.

Aplique o mesmo princípio à música. Deus deu ao ser humano a capacidade de se comunicar por meio da música. Porém, nem todos os músicos servem a Deus. Logo, a que conclusão chegamos?

Estilos musicais como heavy metal têm sim origens diabólicas, a despeito de as notas musicais empregadas serem exatamente as mesmas de uma composição agradável a Deus.

A comparação com as letras do alfabeto é tão-somente para ajudá-lo a refletir sobre o assunto. Portanto, uma composição musical, assim como uma composição escrita, podem sim ter origem maléfica, diabólica.

O irmão mesmo concordou com a argumentação acima quando disse que uma faca pode ser usada para a preparação de um alimento, ou mesmo para tirar a vida de alguém, não é mesmo?

Não há dúvidas de que a criatividade pode ser usada para o bem e para o mal. É um dom natural de Deus. E há muitos que usam a sua criatividade para o mal. Não podemos, diante disso, generalizar e dizer que todos os estilos vêm de Deus!

A música pode ser bem tocada e com uma mensagem bonita, de amor, mas o estilo pode torcer tudo isso, tornando uma composição reprovável diante do Senhor.

Mas o irmão diz que os estudos que revelam os supostos efeitos malignos do heave metal são, em geral, seculares! Ora, isso dá ainda maior sustenção à argumentação acima! Por quê? Porque do mundo espera-se exatamente a defesa desses estilos pesados, e não o inverso.

A base bíblica também é consistente. O problema é que muitos querem encontrar versículos do tipo: "Fugi do heavy metal" ou "Não ameis o heavy metal nem o que nele há".

Meu amado, a Bíblia é um livro de PRINCÍPIOS. Nortei-se por eles e descobrirá por que estilos como heavy metal não são apropriados para o louvor a Deus.

Há, sim, escritores cristãos que contestam o heavy metal, como John Blanchard (Rock in Igreja!?, Editora Fiel), Dan D. Johson (Os Perigos Traiçoeiros do Rock, EBR), Ciro Sanches Zibordi (Perguntas Intrigantes que os Jovens Costumam Fazer e Evangelhos que Paulo Jamais Pregaria, CPAD), Claudionor de Andrade e Geremias do Couto (A Mensagem Oculta do Rock, CPAD), etc.

Diante do exposto, por que eu abriria mão de um argumento fundamentado nos princípios contidos na Palavra de Deus e corroborado pelos próprios deletérios efeitos do estilo em questão, trazidos ao nosso conhecimento por meio de experimentos científicos?

Sinceramente,

CSZ

Pr. Newton disse...

Fantástico. Extraordinário. Convulsível.

É o que podemos admitir, diante de tamanha necessidade em tentar persuadir a um homem de Deus de verdade, e conhecedor não somente da história bíblica, mas experimentado em caminhadas com o Espírito de Deus.

O diabo, encontrou instrumentos de valor, sem nenhuma conotação com
Deus. Sem nenhuma centelha de conversão, mas com desejos carnais em prover a musicalidade desavergonhada, em seus ritmos chamuscados e frenéticos acompanhados de uma chamada dança profética.

São alucinantes e sem a contribuição necessária para o que é: SANTO. SANTO. SANTO.

A relação desses que desafiam aos que não sentem a tentação de aprovar tais regalias do nosso inimigo, continuam na tentativa da justificação pelo seu desempenho desajustado em sua religiosidade, por vezes, interessados no dinheiro.

Agradeço poder encontrar na Internet o Pastor Ciro, que ainda tenta em muitas palavras de consideração, tentar influenciar aos desafiantes à uma mudança em seus pensamentos carnais, e comum a qualquer que verdadeiramente não conhece a Deus.

Engrandecer o Evangelho de Jesus Cristo, e confirmar que ainda podemos contar com homens ousados nos dá a certeza que muitos ainda poderão ser salvos nestes últimos momentos da Igreja de Jesus.

Pr. Newton

Euller.Monteiro disse...

Caro Pr Newton.

Graça e Paz da parte de nosso Senhor Jesus.
Gostaria de conversar com o senhor sobre sua participação no debate:

1º o Sr disse: “O diabo, encontrou instrumentos de valor, sem nenhuma conotação com Deus.” Sempre o Diabo tentará usar de algum instrumento ou idéia com aparente ou nenhuma conotação com Deus.

Confundir a música, estilo musical com a música (produzida por um artista usando um mesmo estilo de harmonia e compasso) do fulano de ta!

Bom já que muitos estão personificando o ritmo com a composição musical, acho que deveríamos analisar todos os ritmos até aqui citados,

Quais os ritmos usados nas Assembléias, (os que são tidos por mais corretos dentro de uma visão bíblica), quais os seus ritmos? A que estilos pertencem? Qual o local e em qual momento são usados fora da igreja tais ritmos?

Agora façamos o mesmo com o Rock, com o heavy, com o pop, os tais ritmos dançantes que estão sendo reprovados por alguns dos debatentes.

Quero salientar uma coisa, eu Euller, pessoalmente não aprovo músicas sem inspiração e não “gosto” de muitos estilos, com pagode, heavy, e outros, más ainda não entendi o porque rechaçar tais estilos como do Diabo, ou que não possam ser usados no culto. E estou esperando uma firme exegese mostrando que são profanos, se não o que a bíblia nos fala é única e exclusivamente é que Deus procura adoradores que o adorem em Espírito e em verdade, eu ainda não vi na bíblia execrando um ou outro ritmo, também não sinto paz em todas as canções hoje usadas nos cultos, más há de se entender que não é uma questão só de ritmo, é de composição, ou seja ritmo aliado à letra e melodia. Ai á uma diferença extrema, uma composição pode sim ser consagrada ao Diabo, um ritmo eu ainda não consegui ver tal comprobação, e espero uma melhor explicação.

Bom há vários ritmos:
Bolero:
Samba:
Tango:
Sertanejo de raiz:
Sertanejo:
Jazz:
Soul:
Rock, pop:
Rock, trahs;
Rock, metal:
Rock, Heavy: e outros. Por favor anexem os que eu não lembrei de citar para fazermos a análise de todos os possíveis....

Qual destes as assembléias usam nos cultos, (as tradicionais e as renovadas),
Qual deles é sensual, profano, sem inspiração, dançante, impróprio? Não seriam todos, se são todos, qual ritmo usaríamos?

Sejamos analíticos e detalhistas, será que é o ritmo ou é a composição musical que é profana e consagrada, ao invés do ritmo?
Eu vejo que quando Deus quer mostrar uma determinada coisa com errada e que ele não gosta ele mostra visivelmente igual no texto de Dt 7; 3-4 “...nem contrairás matrimônio com os filhos dessas nações; não darás tuas filhas a seus filhos, nem tomarás suas filhas para teus filhos; pois elas fariam desviar teus filhos de mim, para que servissem a outros deuses; e a ira do SENHOR se acenderia contra vós outros e depressa vos destruiria.” (Dt 7.3,4). Aqui Deus foi direto falando que não concordava, más quando à questão da música, eu ainda não consegui encontrar motivo para censurar, mesmo não concordando (eu) com certo estilo musical ou outro, Ser subjetivo e fazer uma interpretação de algo que não foi falado não faça assim ou faça assim, é muito pessoal (ao meu ver), sei que há uma maneira correta de interpretar, más então vamos discerni-la de maneira que possamos todos chegar a um consenso.

O nobre Pr. Newton, citou “continuam na tentativa da justificação pelo seu desempenho desajustado em sua religiosidade, por vezes, interessados no dinheiro.” Bom amado irmão, falarei por mim, não ministro por dinheiro, não prego por dinheiro, não faço trocas com Deus, amo a obra, faço por amor, tiro do que é meu em casos para servir à obra, procuro estudar a palavra com diligência, e não fico preso à doutrinas humanas, acredito na palavra revelada de Deus. eu poderia dizer que religiosidade é querer manter uma igreja presa no tempo e no espaço, alheia á sua volta, estagnada, não sabe nem em que tempo o mundo se encontra (não interpretem por favor como que eu esteja à favor do estilo free de muitas igrejas que ultrapassam as doutrinas bíblicas, ser atual é diferente de mundano, e tem muitas igrejas se mundanizando), más não tenho o direito de fazer isto.

Novamente o Pr. Newton, citou algo que achei fora da realidade que vivemos aqui no blog, foi uma declaração impensada ao meu ver: “tentar influenciar aos desafiantes”, me perdoe amado, más eu não estou aqui para desafiar à ninguem, e não percebi este intuito nos outros debatentes, acho que em sua igreja não deve haver um grupo que lhe auxilie na condução da igreja, tipo um conselho ou junta administrativa, bom eu já participei, e há debates, diferença de opiniões, agora desafiantes, foi pesado, quem desafia está em lado oposto, e eu não estou do lado oposto ao Pr Ciro, nem seu, nós estamos do lado de Cristo, e estamos debatendo um assunto muito importante para o crescimento da igreja, para sua restauração, etc.

Para complementar gostaria de colocar alguns links de um site que gosto de visitar. lá encontrei matérias que podem nos ajudar no debate:
http://vivos.com.br/80.htm
http://vivos.com.br/274.htm
http://vivos.com.br/80.htm
http://vivos.com.br/335.htm
http://vivos.com.br/353.htm
http://vivos.com.br/278.htm "esté é ótimo."
http://vivos.com.br/357.htm *acesse este, leia este*

Bom no mais, que Deus nos abençoe e traga luz à esta questão. e um bom debate aos irmãos. "DEBATE" não combate,(risos).

A páz do Senhor à todos.
Em Crito:
Euller

Pr. Newton disse...

Prezamado Euller Monteiro,

Agradeço o seu comentário relacionado ao meu pensamento e análise.

Considero que as minhas afirmações são para serem lidas, conferidas avaliadas, pensadas e não tenho o desejo de discutí-las ou provocar debates. Não sinto esta necessidade pelo que absorvi e defini em minha vida.

O que represento são apenas as experiências com o andamento do realizado nas igrejas, em seu atributo questionável ao Mundismo, e a minha experiência pessoal com o Deus Santo.

Passou a existir um termômetro em minha vida para com as loucuras ocorridas nas igrejas, e entendê-las com muita tristeza e alegria que, sem importar a denominação, isto ocorrerá como palco de um enredo final em todas. Afinal, pedra, tijolos e cristais não fazem parte da Igreja de Cristo, e sim, nós seres humanos com habilidades exclisivas doadas por Deus, como o livre arbítrio, para nos definirmos a quem seguir e o que querer realizar. Cada um aprova ou rejeita na sua experiência o que quiser.

Não concordo, com muito do que ocorre, até mesmo, nas Assebléias de Deus. Afinal, é natural que convivamos com as confusões do Final dos Tempos.

Quem se alegra com o Espírito Santo, sabe do que estou falando.

Pr. Newton

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Jordanny Silva,

Li atentamente o seu comentário e vejo que o irmão é uma pessoa muito sincera diante de Deus. Estarei orando pelo irmão, a fim de que não o que eu e você pensamos prevaleça, e sim a vontade dEle.

Não publiquei o seu comentário em razão de o irmão mesmo ter dito que não era necessário fazer isso.

Irmão somos! Deus o abençoe grandemente!

CSZ

Euller.Monteiro disse...

Caro Pr Newton,

Também faço de suas palavras as minhas, pois neste ponto concordo contigo, que há muitas loucuras ocorrendo no seio da igreja, das intituições que se denominam como "casa de Deus" (se é que o realmente são).
No mais, também espero que muitas heresias e loucuras que entraram na igreja sejam removidas pelo nosso Senhor.

Em Cristo:
Euller.

Rosapry disse...

Paz do Senhor...
em certo ponto concordo com Pr.Ciro...acho que o heavy metal nao devi ser usado num culto formal em adoração a Deus...mais devi usá-lo como estratégia p/ ganhar almas p/ Cristo, na bíblia diz se fazei de tolo p/ ganhar os tolos e sábio p/ ganhar os sábios...a mtas pessoas que amam o heavy metal, e nao conhecem a Cristo, na hora de evangelizar essas pessoas devemos conhecer o modo de vida delas, e assim termos argumentos p/ conquistá-las, e agindo em certos pontos como elas fica mais fácil p/traze-las p/ Jesus,lógico que se uma pessoa usa droga tbm vou usar p/ conquistá-la, mais devo pelo menos ter uma maneira de chamar atenção dela...temos que fazer nossa parte, levar a palavra de qualquer forma, e deixar que o Espiríto Santo faça a parte dele, transformando os corações dessas pessoas...admiro mtu a sabedoria que Deus lhe deu Pr.Ciro...
fique na paz!!!

marcio leal disse...

____PR.DIRO!?
____IRMÂOS(ÃS)PARTICIPANTES??
.A PAZ DO SENHOR!
____A alguns dias venho lendo artigos em blogs na,"NET".
_Contudo poucos são tão úteis quanto este!
_____Penso que quando passamos a "elucidar" as intenções do nosso,coração...nos limitando tão somente a PALAVRA DE CRISTO..
(_nos tornamos mais organizados ).
_AS vezes tambem me ocorre o seguinte: _Pelo exercicio de nossa fé..adiquirimos condições de analisarmos melhor as "coisas" que,ora parecem ser forasteiras,ora querem "residir na casa de Deus). 1tm.3:15>sl.89:7.
.DESCULPEM!! se precisei de "tantas palavras" para algo tão elementar
> estejam todos na mais perfeita paz.. do nosso SENHOR JESUS<.

Victor Leonardo Barbosa disse...

Execlente post pastor Ciro, um debate repleto de elegência e raciocínios bem colocados, algo bastante raro hoje em dia(não que eu seja contra um debate caloroso, muitas vezes necessário, outras diversas vezes não necessário).

reiterando: concordo com sua posição e uma parte que o senhor falou é uma verdade. Os que apreciam o Heavy metal(falo por que até certo ponto, no início da dolescncia, eu me envolvi um pouco com esse meio e tenho grandes amigos que amam esse gênero musical) não simplesmente "curtem" o som, mas a filosofia dos que o cantam, é como se os cantores e propagadores do rock fossem a referência para eles, e ai daqueels que falam contra!


abraços e Paz do Senhor!!!

Maris disse...

A Paz do Senhor a todos.
Penso que o cristão de hoje deveria ter mais conhecimento sobre os efeitos que causam alguns ritmos musicais no ser humano. Creio que talvez um expert em musica poderia ajudar bastante.
Eu também não concordo com certos ritmos exclusivamente mundanos, que estão sendo utilizados por cantores evangélicos. Ritmos que alimentam somente a carne, apagando completamente o espírito. Hoje o cristão não sabe discernir a emoção da ação do Espírito Santo de Deus. Está faltando no mundo evangélico Luz e Vida que é a Palavra de Deus. A Bíblia se tornou apenas um acessório. O conhecimento da Palavra, no ouvir e praticar, se tornou algo secundário. Epero que Deus faça algo urgente. Está cada vez mais difícil de encontrar um lugar onde se ensine e se viva o verdadeiro evangelho de Cristo.
Deus seja com todos. Amém.
Maris.

marcio leal disse...

___PR.CIRO !?
___IRMÃOS(ÃS)!?
_A PAZ DO SENHOR !
_Bom..
- Eu gostaria tão somente de
dizer,que é agradavel a forma que alguns irmãos(ãs) vem abordando sobre "certos assuntos".
_ um comentário aqui..
_ outro comentário ali..
___ MAS.. a palavra de DEUS sempre deve prevalecer (sl.40.8).
_ TENHO lido algumas publicações na Net e..
_ Receio que alguns de nós não sabemos com oque ou com quem estamos lidando!
_ SE os irms me permitem..

_ As veses examinamos de forma " periférica " as SAGRADAS LETRAS. 2 tm 3.15.. mediante a qual alcançamos a sabedoria.

.mesmo que os irmãos não me conheção..
_FIQUEM TODOS NA PAZ DO SENHOR!!!
. irmão ciro !?

Elizeu Rodrigues dos Santos disse...

Certa vez assisti um vídeo de uma cantora assembleiana de Curitiba, no Paraná, que é muito famosa. Eu gosto muito dela, minha esposa canta seus hinos, e temos muitos cd´s dela. No tal vídeo, havia uma advertência aos irmãos assembleianos: "Pedimos desculpas aos irmãos pelas meninas que estão dançando, pois foram contratadas pela cantora PARA FAZER PARTE DE SEU SHOW". Só que as meninas dançavam de maneira simples e suas roupas eram bem discretas. Ao contrário, a cantora em questão estava vestida como aquelas cantoras de cabaré, de ... daqueles lugares pecaminosos. As luzes estavam quase que apagadas, e a cantora que é linda atraía o olhar dos irmãos (homens) para suas curvas, através de seu vestido branco transparente. Só que o pedido de desculpas foi por causa de um grupo de meninas que dançava. É como jogar o lixo sempre embaixo do tapete. Hoje temos grupos de dança.

Futuramente, infelizmente pr Ciro, teremos grupos de rock, de heave metal, de funk, enfim...

"Mas que farei, se o meu povo assim deseja? (Jr 5.31)"

Mayara disse...

Na Biblía diz que td que tem folego louve ao Senhor! se estamos louvando de coração, Deus vai recebe o nosso louvor!Tem muitas pessoas que cantam músicas mais lentas e não louvam verdadeiramente!

Anônimo disse...

Pr. ciro o que o senhor acha do livro o homem espiritual de Watchman Nee. o senhor indica leitura dos escritos de Nee

Lucas Marin disse...

A Paz do Senhor aos irmãos!!

Hoje em dia é muito comum vermos igrejas inteiras apoiando a doutrina do "não tem nada haver", e eu não sei até onde vai!! Por mais que citemos versículos, tentemos passar o que um dia aprendemos e o que sabemos que traz a presença de Deus, alguns irmãos liberais insistem em querer mostrar que as igrejas tem que trazer o "novo" cada dia.
Isto me trás tristeza, pela qual intensifiquei meus joelhos no chão!! Porque eu, mero humano, não posso convencer ninguém, mas conheço um certo Ser, que é sobre todos os outros, que prova o que é seu e o que não é, mas prova com fogo que dEle vem;
Não cansa de se sacrificar e conceder misericórdia pelos seus, pois Ele é Excelente em misericóridia;
Jesus é o nosso socorro!!

vou fazer uma citação que aqui vi:
"Bom há vários ritmos:
Bolero:
Samba:
Tango:
Sertanejo de raiz:
Sertanejo:
Jazz:
Soul:
Rock, pop:
Rock, trahs;
Rock, metal:
Rock, Heavy: e outros. Por favor anexem os que eu não lembrei de citar para fazermos a análise de todos os possíveis....

Qual destes as assembléias usam nos cultos, (as tradicionais e as renovadas),
Qual deles é sensual, profano, sem inspiração, dançante, impróprio? Não seriam todos, se são todos, qual ritmo usaríamos?"

Alguns desses ritmos tem origens muito próximas ou até proveniente dos evangélicos, mas nem todos esses ritmos nos convém usar!! E como seria o nosso sacriificio, uma parte (a letra) vem da Palavra de Deus, e a outra (o ritmo) nem conheço de onde vem, nem a expressão que ele trás ??

Só digo uma coisa, que quando acabam os ritmos dos evangélicos, Deus tem novidade, mas não vem da terra e nem é copiado de homens!! A melhor novidade que vêm pra o meio da Igreja de Cristo é a que vém do céu!! Sempre há um cântico novo e puro no céu, que Deus muitas vezes concede a alguns de seus servos partilhas desses cânticos!!
Não há como imaginar o salmista colocando um rock pesado como ritmo de suas melodias... Mas Deus sabe o intento de nosso coração, mas os jovens cada vez menos pensam em ser moderados!!

Eu já recebi uma melodia ,que creio eu, vir do céu!! A combinação das notas falam comigo como palavras, que descrevem minha jornada na terra! É incrível o agir de Deus!!
Penso eu que hinos realmente inspirados por Deus não pendem pra ritmos pesados e impuros, mas muitos insistem em contaminar as coisas!!

Deus seja louvado!

Kennedy Lucas disse...

Alguém disse: "Este debate é de extrema importância para a vida cristã".
É uma pena que a vida cristã dessa pessoa se baseie em coisas tão fúteis e irrelevantes.

O Deus que eu conheço não olha pra minhas roupas nem pro som que eu curto e sim pro meu coração. Se eu posso expressar meu amor a Deus através do Rock, tenho certeza que ele aceitará meu louvor.

Alguém falou que o Rock não adora a Deus. É verdade, quem adora são os adoradores e não a música em sí.

Se o Heavy Metal não é apropriado pra se tocar na casa de Deus (igreja), não é porque Deus não aceita (como falei, estou seguro que Ele aceita o meu louvor) e sim por causa das pessoas que não aceitam. Sendo assim, as músicas tocadas na igreja, são para as pessoas. E isso não é adoração (não a Deus). Isso sim é o que Deus não aceita.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Kennedy,

É importante você e eu conhecermos a Deus (Os 6.3). Mas o Deus da Bíblia, a despeito de olhar prioritariamente para o coração, também valoriza o corpo.

O Deus que devemos conhecer valoriza espírito, alma e corpo, nessa ordem (1 Ts 5.23). E Jesus disse: "Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo; tome cada dia a sua cruz; e siga-me" (Lc 9.23). Renúncia implica deixarmos em segundo plano coisas que apreciamos, mas não agradam a Deus.

Você pode achar o heavy metal inofensivo e apropriado para o louvor. Mas ele não combina com a vida cristã. Isso se considerarmos mandamentos e princípios da Palavra de Deus. Medite em Romanos 12.1,2; 1 Tessalonicenses 5.22; 1 João 2.15-17; Isaías 5.20; 1 Coríntios 6.12; 11.23,31; Hebreus 12.1,2; Filipenses 4.8.

Em Cristo,

CSZ

Kennedy Lucas disse...

"Mas o Deus da Bíblia, a despeito de olhar prioritariamente para o coração, também valoriza o corpo."

Coitado dos alejados, dos magricelos, obesos, dos deficiêntes físicos e etc. Todos eles, por não terem um bom corpo, irão para o inferno?

"Porém o SENHOR disse ao Ciro: Não atentes para a sua aparência; porque o SENHOR não vê como vê o homem, pois o homem vê o que está diante dos olhos, porém o SENHOR olha para o coração." (I Samuel 16 : 7)

Não meu caro ciro, Deus NÃO olha as aparências (vestimentos nem corpo).

O modo de vestir está ligado à cultura e modo de vida de cada pessoa (e epoca da história).
O que a bíblia fala sobre João Batista? Ele era um cara normal, no jeito de vestir, falar, comer e etc? Todos chamavam ele de louco mas Jesus, conhecia seu coração e tinha um conceito diferente das demais pessoas - que só exergam aparências.

Agora me diga: que parametros você usaria para classificar uma aparência como sendo do mal? (1 Ts 5.23)

Considero minha vida cristã ótima. De acordo com os todos os princípoios dos versículos citados por você. E curto heavy metal.

Então você deveria reformular sua infeliz frase para: "Algumas coisas (sexo, drogas e etc.) associadas ao Hevy Metal não combinam com a vida cristã. Mas isso não é Heavy Metal nem é particular dele".

Ciro Sanches Zibordi disse...

Prezado Kennedy,

Veja a sua ignorância (no sentido de ignorar): você sequer sabe distinguir os sentidos dos verbos "priorizar" e "valorizar" e pensa que sabe tudo.

Quando eu disse que Deus prioriza o espírito, quis dizer que o mais importante para Ele é o espírito. Quando eu disse que Ele valoriza o tripartido ser humano (espírito, alma e corpo), eu quis dizer que Ele se importa sim com tudo, inclusive com que expressamos e manifestamos por meio do corpo (1 Ts 5.22,23).

Deus, portanto, não olha p-r-i-o-r-i-t-a-r-i-a-m-e-n-t-e para a aparência, mas Ele olha. Tanto que em 1 Timóteo 2.9 há um MANDAMENTO, e não costume, sobre o traje.

Você estudou as referências bíblicas que eu mencionei? Ah, não me diga que você é esse tipo de crente que não gosta de Bíblia! Você também gosta de fazer tudo o que o mundo oferece e pensa que Deus não se importa com nada? Cuidado, meu jovem!

É por meio da aparência que exteriorizamos o nosso estado interior. Você sabe o que significa a expressão "ornamento da doutrina", contida em Tito 2.10? Creio que não.

Você está contente com a vida que está levando? Sente-se bem? Parabéns para você! Mas não é o que parece, pois você sente a necessidade de afirmar e reafirmar que o crente que segue ao estilo mundano e diabólico do heavy metal está de bem com a vida... E ainda se irrita com quem contesta esse erro. Onde está a sua segurança?

Lembre-se, ainda, de que para seguir a Cristo é preciso renúncia (Lc 9.23). Você sabe o que é renúncia?

As minhas palavras são contundentes, fortes, mas lembre-se de que a própria Palavra de Deus contém mensagens fortes, as quais têm com objetivo fazer-nos despertar do sono (Ef 5.14; Ap 3.17,18).

Que Deus o ilumine.

CSZ

Anônimo disse...

Somente agora descobri este blog e estou maravilhado com o nível do debate. Tenho buscado de Deus esclarecimento de sua Palavra e, em ocasiões como esta, Deus abre mais uma porta para enriquecer o meu modesto cabedal de conhecimento (ainda que parco) da sua Palavra. Glórias ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, por tamanha fonte de oportunidade de conhecimento. Graça e paz.

Rilson Joás disse...

Paz do Senhor,

Eu queria perguntar ao amado pastor, o que você acha de bandas evangélicas como Catedral/Hillsong United/Aline Barros que dizem tocar um ritmo chamado POP/ROCK, esse tipo de música é o rock ou é chamado assim apenas pelo fato de terem guitarras elétricas, baixo e baterias??

Deus lhe abençoe,
Rilson Joás

Isma-El Kavallera disse...

Caro Ciro,

Primeiro quero parabenizar aqui ambas as partes que, independente do conteúdo apresentado, mostraram um auto grau de debate, de forma educada (ainda que com algumas indiretas de sua parte).

Bem, li todo o post e, poderia apresentar alguns pontos, mas destacarei apenas um que considerei decisivo nesse debate:

Bem, com todo o respeito, mas quando o senhor diz:

"Diga-me quais são as diferenças entre o black metal e o white metal."

Bem, o senhor disse que conhece bem o heavy metal. Mas verdade seja dita, apenas neste trecho citado acima, já ficou claro que de heavy metal o senhor não entende nada!

Ciro Sanches Zibordi disse...

Ok, Isma-El,

Gostei do desafio.

Informe aos meus leitores quais são as diferenças entre o white metal e o black metal, e eu terei prazer em responder-lhe.

Mas seja cuidadoso, pois não está lidando com alguém que diz palavras ao ar. O que eu escrevi, escrevi com conhecimento de causa.

Aguardo a sua resposta.

CSZ

marcilo meruoca disse...

Pastor Ciro estou lendo o seu livro ( erros que os pregadores devem evitar) estou gostando muito e lhe confeço que mim identifico com seu ensinamentos. Mais como devemos agir em nossa igreja local? onde a maioria venera os super-pregadores da midia.
Marcilo-Diacono (assembleia de Deus no Ceará)

ENOQUE SILVA - Osasco - SP disse...

Caro irmão: Heavy metal é tão mundano e satânico quanto forró ou qualquer outro estilo musical, sem exceção. Senão, vejamos: Música clássica é como nós consideramos a música produzida em determinado período da história. Mas seu principais expoentes, como Mozart, eram homens tementes a Deus? Esse tipo de música era executado em casas de concertos, cabarés e até mesmo em lupanares. No entanto, muitos hinos da Harpa Cristã e de outros hinários utilizam-se dessas composições, ou ainda de músicas populares estadunidenses com uma letra "cristianizada", por assim dizer. Na chamada "Época de Ouro do Rádio" e mesmo nas décadas seguintes (50 a 70, principalmente), os hinos "avulsos" eram, em sua maioria, sambas-canções ou boleros, cantados à la Nelson Gonçalves. Não era,também, uma imitação do mundo? Não gosto de heavy metal, mas , sinceramente, não consigo ver diferença entre este estilo e o pop-rock das estrelas (!) do mundo gospel, nem dos baiões, forrós, sambas e muitos, prá não dizer, todos, os estilo musicais que proliferam a pobre música dita evangélica no Brasil. Mais uma coisa: Você acha que o templo é a casa de Deus? Deus mora lá? Naquelas casas de tijolo, cimento e madeira? Não disse Ele que não habita em tais templos? Paulo não nos revelou que, no NT, o templo somos nós, e que o Espírito Santo habita em nós? Infelizmente, esses templos, que no passado servia para reuniões de adoração e ensino bíblico se tornaram meras casa de espetáculos, com cobrança de ingressos, pagamento de cachês, camarotes e tudo o mais. Sem falar que, de tempos em tempos, transformam-se em currais eleitorais e palanques políticos, sem o menor pudor. Não, meu caro, não tem NADA a ver com casa de Deus. Ele não permitiria tal situação em Sua casa. E você, permitiria, na sua?

Anônimo disse...

a paz do senho pastor

mim fale a respeito das bandas {pg;catedral;oficina g3;4x1.}amem.

Gilberto disse...

Pr,ciro. Apaz de senhor. gostaria de saber sua opinião. sobre um crente que diz que é um profeta de Deus e vaso. num momento de dificuldade na vida passa pelo um despacho de macumba e pega uma galinha que foi oferecida ao demunio. e leva para casa come , e depois vai na igreja e diz que foi providencia divina.pasme a igreja ainda glorifica. vi istom num circulo de oração da bereia.estou desaprendendo. ou Deus pode faser isto?

guilhermebeber disse...

Pastor Ciro o que o Senhor acha da banda Cristã Metal Nobre?
Se o senhor ja ouviu gostaria que me desse sua opinião.
Abraço Anônimo

Stéphanie Castro disse...

Olá Pr., li o debate postado e os comentários e admiro sua boa vontade em responder tantas pessoas...e peço que responda mais uma:
Na sua opinião qual seria o estilo mais adequado para o louvor nas igrejas?

Tamiris disse...

PAZ A TODOS!
Acredito que, na verdade não importa o estilo musical, não interessa se estamos de roupa social, de saia ou de calça, se temos cabelos compridos ou curtos .. Devemos sim consagrar tudo q temos a Deus, q conhece nosso coração ... se nosso coração louva a Ele em espírito e em verdade, nada mais importa!
Obrigada e Deus abençoe a todosss vcs

Saulo Lopes disse...

Paz do Senhor Pastor Ciro

Concordo com o seus comentarios.

Um otimo livro sobre o assunto:

Os Perigos Traiçoeiros do Rock
Dan D. Johnson
Editora Batista Regular

Anônimo disse...

Olá Pastor Ciro Sanches,eu sou membro e levita da AD em Aanaus/Am.Recentimente participei de um seminario de escatologia com o pr.Afranio,onde eu fiz a seguinte pergunta:O que você acha dos estilos musicais mundanos que são executados dentro das igrejas como:Raves gospel,Rock santo,forró para Jesus,axé e etc.Seria isso um sinal ambém dos ultimos tempos?
O Pastor deu a seguinte resposta:"Alto lá!! Tudo é de DEUS nada é do diabo,nada é do mundo todos os ritmos musicais são de DeUS do diabo somente as letra obsenas".Neste seminario o pr.Foi muito aplaudido com sua resposta.
O que o senhor acha dessa atitude?Espero a sua resposta gostei muito da sua seriedade em tudo que diz respeito ao nosso Senhor.a PAZ DO senhor jesus!

Anônimo disse...

Concordo plenamente com a posição do Pastor Ciro. Não creio que esses ritmos mundanos sejam apreciados por Deus. Está escrito que lá no céu Ele tem um coral de anjos. Logo, dá-se a entender que ritmo é apreciado por Ele. Não tenho a intenção de ofender mas eu creio que pessoas que se dizem convertidas e continuam apreciando esses ritmos é porque não se livraram da influência que o mundo sempre exerceu sobre elas. Paz!

Juliana disse...

Muito edificante esse debate, graças a Deus pelo entendimento do Pastor Ciro.Realmente o inimigo das nossas almas é enganador,e se usa até mesmo de hinos de louvores para implantar as suas práticas e costumes que difamam o verdadeiro louvor. Abramos os nossos olhos espirituais, para que tenhamos discernimento diante do que é bom e puro diante de Deus.

TANIA ALMEIDA disse...

eu estou lendo o livro(evangelho que Paulo jamais pregaria) muito bom! da pra refletir se tudo isso que esta acontecendo por ai vem de Deus mesmo
ou e fogo estranho...

Anônimo disse...

a paz do senhor pastor, quero deixar aqui um comentário, e até fazer uma comparação, antigamente em todos os seguimentos da sociedade era fácil saber quem era quem, o policial tinha sua posição eo bandido a a sua, hoje é dificil saber ok.
assim também na minha infancia a 30 anos atrás, a gente conhecia quem era crente e quem não era, até dava para saber se a pessoa era um falso crente, porque quando se tem a maioria certa o errado dificilmente se esconde, já em nossos dias vemos a palavra de deus se cumprir em cada palavra, ou seja, temos todo tipo de crente as pessoas não querem mais aceitar o ensino do pastor, digo pastor verdadeiro, porque tais ensino é ultrapassado, ai eles querem ter seu próprio entendimento e, muitas vezes baseados em idéias de outras pessoas, a maioria dos argumentos não são do próprio argumentador, ele segue alguém, ou seja, hoje encontramos crentes que acha normal uma gospel night, ou gospel folia, ou djs gospel tocando na noite como se fazem nas boates, acham que pagode pode ser transformados em hinos para Deus, porém no mundo há uma guerra espiritual, dois lados um que criou tudo que existe e o outro distorcendo e,as pessoas acham que porque o nome de jesus está no meio então ele está lá, agora porque antigamente não havia esta mistura, todos aceitavam a doutrina, os hinos eram hinos cristãos, hinos com unção de deus,essa mistura se da ao fato de muitos serem crentes apenas e não cristãos verdadeiros, se conforma com uma vida espiritual morta, sem comunhão com deus, então acham que tudo está bom, se a musica é dançante e fala de deus tá bom o que sentem é apenas vontade de dançar.
vivemos no tempo em que todo mundo tem razão e ninguém quer aceitar a verdade de deus, misturando santo com profano e, pior não acreditam que muitos desses homens sábios verdadeiros doutores da lei que dão surra de bíblia nos outros vão ficar para trás e deus não os reconhecerão.
a palavra de deus diz que devemos ser sóbrios nesse mundo, e a pessoa quando sae embriaga ela não percebe o que está acontecendo em sua volta, ou seja,faz tudo e não ver ou distinguem nada, estão bêbado e cego, vivemos tempo em que devemos estar sóbrios, atentos, para não se embriagar com pecado.
quanto a discussão sobre heavy metal, ou metal pesado é ridícula, sinceramente, é ´so analisar a igreja que usa esse tipo de musica, e ver pelos frutos se conhece a arvore, que deus abençoe a todos, e lembrem-se, muitos se apostatarão da fé dando ouvido a espíritos enganadores, e deus é bem claro não terão argumentos para defesa no grande julgamento, porque como terão defesa com prévio aviso.

valerianolima2 disse...

A paz de Cristo,irmão Ciro Sanches!!
Vendo-o ser tão bombardeado com tantos "achismos" e "concordismos"contrários à Palavra de Deus,me faz lembrar o ap.Paulo quando combatia com autoridade falsos ensinos e sofismas à época,travestidos de espirituais e corretos portanto,benéficos(?)ao homem. Louvo a Deus que te dá sabedoria para explanar sobre assuntos tão polêmicos e atuais,à luz da Bíblia.
Sua postura em defesa da Sã Doutrina de Cristo,nosso Salvador,é exemplo e incentivo para muitos cristãos de nossa geração.
Com adimiração e respeito,Valeriano.

esmeraldino marques disse...

Caro irmão Ciro a paz do senhor,
baseado nos debates de tv(tudo a ver)
canal rit,e outros po ai deixo uma pergunta não só a respeito da musica
que antes era hino,HOJE EM DIA O QUE É PECADO?

Anônimo disse...

A Paz do Senhor, pastor Ciro!
Quero parabenizá-lo por sua preocupação em ensinar os cristãos, respondendo atentamente a todos. Visito constantemente este blog. Admiro sua habilidade em debates, seu conhecimento (e o dom de transmitir este conhecimento). Continue assim! Concordo sempre com você, já que você prova as verdades com base bíblica.
Grato,
Luis Fernando