segunda-feira, 5 de maio de 2008

Santificação: um tema esquecido em tempos de extravagâncias (3)

Nesses tempos de extravagâncias, boa parte do povo de Deus não está nem um pouco preocupada com a santificação. Os cultos não são mais para adoração e louvor do Senhor, e sim uma reunião de interesseiros querendo receber bênçãos. É claro que Deus abençoa o seu povo, por sua graça, mas o propósito de um culto a Deus, por definição, é adorá-lo na beleza de sua santidade. Por isso, continuo discorrendo sobre a necessidade de nos santificarmos. E tomo agora como base 2 Crônicas 7.14,15.

Por que devemos nos santificar?

Deus ouve as nossas orações.
Quando buscamos a santificação, prevalecemos em oração. O Senhor diz: “... então eu ouvirei dos céus...” A palavra “então”, na Língua Portuguesa, é um advérbio utilizado com algumas finalidades. Uma delas é enfatizar uma reação desencadeada por uma ação anterior. Ou seja, para Deus ouvir é preciso, de acordo com o texto supracitado, se humilhar, orar, buscar a face do Senhor e se converter, atitudes que denotam santificação.
O Senhor nos perdoa. O Senhor também prometeu: “... então eu (...) perdoarei os seus pecados...” Note que Deus, antes de tudo, perdoa. Ele não diz: “sararei a sua terra e perdoarei os seus pecados”. Não! Primeiro, ele perdoa, pois, sem perdão, nenhuma bênção tem sentido. E somente a santificação possibilita o perdão de Deus, o qual resulta em renovação, pois passamos a ter a certeza de que o Senhor está ao nosso lado.
Deus faz maravilhas em nosso meio. O versículo 15 do texto em apreço mostra que a santificação franqueia o caminho para recebermos tanto as bênçãos espirituais como as materiais. Depois da santificação, os olhos e os ouvidos do Senhor ficam atentos, e as necessidades dos servos de Deus vão sendo supridas. Todas as petições passam a ser ouvidas e respondidas. É bem verdade que nem sempre Deus fala “sim”, como muitos pensam. Às vezes, ele fala “não” ou “espere”. Mas, quando nos santificamos, ele sempre responde (Jr 29.13; 33.3).
Como se percebe, a santificação só nos traz benefícios. Primeiro, ela nos faz desfrutar de comunhão com o Senhor, o que em si já é indizivelmente maravilhoso. Além disso, a quem se santifica, orando, se humilhando e, sobretudo, se convertendo de seus maus caminhos, nenhuma bênção de Deus lhe escapará! Glória a Deus!

Do que devemos nos separar?

Grosso modo, devemos nos separar do mundo, como a Palavra de Deus nos orienta em diversas passagens (1 Jo 2.15-15; Tg 4.4; Jo 15.19). Infelizmente, o mundo está tão religioso, e as igrejas tão mundanas, que quase se confundem. Às vezes, não dá para saber onde termina um e começa outro. Por isso, Paulo asseverou: “E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus”, Rm 12.2.
Para se entender melhor essa separação do mundo pecaminoso, é preciso desdobrá-lo em três segmentos:
Prazeres mundanos.
De fato, o mundo está repleto de prazeres efêmeros, mas, à semelhança de Moisés, devemos recusá-los: “Pela fé, Moisés (...) recusou ser chamado filho da filha de Faraó, escolhendo antes ser maltratado com o povo de Deus do que por um pouco de tempo ter o gozo do pecado; tendo por maiores riquezas o vitupério de Cristo do que os tesouros do Egito; porque tinha em vista a recompensa”, Hb 11.24-26.
Alianças mundanas. Paulo ensinou que não devemos estar presos a jugos desiguais com os infiéis (2 Co 6.14-18). No Antigo Testamento, a Lei já previa isso, no plano material, preceituando que o boi não poderia lavrar com o jumento (Dt 22.10). Há crentes que dão a desculpa de que se envolvem neste tipo de aliança com a intenção de ajudar o próximo. Todavia, não é preciso cair em um poço para salvar alguém. Basta jogar a corda.
Companheiros mundanos. Alguém dirá: “Como posso me afastar dos companheiros mundanos, se eles me procuram?” Ora, não é preciso se preocupar com isso. Basta ter uma vida espiritual ativa, que eles se afastarão. Afinal, como disse Paulo: “... que comunhão tem a luz com as trevas?”, 2 Co 6.14.

O que é consagração?

Santificação tem um fim: a consagração, pois ninguém se separa do mundo à toa. Ter uma vida consagrada implica, pelo menos, três disposições:
Considerar Jesus Senhor.
Vivemos uma época em que muitos têm recebido Jesus apenas como Salvador. Mas, ele é Senhor (Fp 3.20,21; Mt 6.24)! O nome mais completo dele, no Novo Testamento, é “Senhor Jesus Cristo”. E considerá-lo Senhor significa deixá-lo ocupar tudo, além de amá-lo sobre todas as coisas.
Renúncia total. Quem quer ter uma vida consagrada precisa renunciar todas as coisas (Lc 9.23). Mas, o que é renunciar? No que diz respeito às coisas pecaminosas, é abandono. Mas, no que concerne às coisas lícitas, é relegá-las a um segundo plano. Quando Deus exigiu de Abraão o seu filho único, este não o abandonou, pois cria que Deus o poderia ressuscitar dos mortos (Gn 22; Hb 11.17,18). Ele o entregou a Deus, numa demonstração de que o seu amor ao Senhor estava acima de tudo e todos.
Pôr tudo no altar. Sim, Deus quer que coloquemos tudo no altar! O nosso “eu”, os nossos entes queridos (1 Sm 2.29; Mt 10.37), os nossos talentos, o nosso tempo, o nosso dinheiro. Tudo mesmo (Sl 103.1,2; 1 Ts 5.23)! Será que estamos dispostos a isso? Deus quer que façamos um contrato com ele. Só que um contrato diferente, o qual assinamos e deixamos o Espírito Santo escrever os termos.
Estamos, realmente, dispostos a isso? Ou os nossos interesses falam mais alto?

Ciro Sanches Zibordi

6 comentários:

Dionatan disse...

A Paz Irmãos..

Parabéns pelos artigos.. muito interessantes
Também tenho meu blog... Sempre atualizado... um projeto de evangelismo online. Da uma olhadinha...

http://www.direcao.net

Abraço
Dionatan

Edson Dorna disse...

A paz do Senhor!

Irmãos

Sem santificação ninguém verá o Senhor!

Edson Dorna
www.santodosantos.blogspot.com

ICHTUS disse...

A Paz do Senhor!

"SABE, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos."2Tm 3.1. É lamentável, mas o texto desta faixa exposta em frente a esta casa (!) é igual ao de textos de casas de cartomantes, jogo de búzios, tarot e toda sorte de feitiçarias ... A que ponto chega o ser humano quando afasta-se da simplicidade do Evangelho, que é poder de Deus para Salvação de todo aquele que crê.(conf. Rm 1.16).
É o parecer.

Schneider - IEADC Parque Industrial

Lucas Jordão da Silva disse...

Caro pastor Ciro e irmãos em Jesus, a Paz do Senhor.
Grande alegria sinto em ler tais artigos (Santificação 1, 2 e 3). Ainda sou um jovem de 19 anos, graças a Deus criado no Evangelho e amante da Bíblia sagrada. É certo que a Santificação é essencial para nossa salvação. Quem deseja realmente alcançar a Pátria Celeste deve dar lugar a santidade. É interessante que uma grande parte dos evangélicos atuais não se importa com a volta de Jesus, com o estudo bíblico e, consequentemente, com a Santificação. Eu me recordo de cultos em que mensagens como estas eram pregadas, e o Espírito do Senhor derramava a glória de Deus de uma forma tão singular, tão sublime... Não ocorriam atos do famoso "reteté/repleplé", e o desejo, a saudade do céu era evidente na igreja.
Mas eu creio que existem igrejas compromissadas com Jesus, preocupadas com a Santificação. Existem servos fiéis. Deus jamais perdeu ou perderá causa alguma e quem defende e vive sua palavra, certamente chegará LÁ.
Continuemos a batalhar pela fé que uma vez foi dada aos SANTOS.
Quem quiser, medite na letra do hino 330 e também do hino 374 - HC.
Pergunto-lhes: é Maravilhoso ou não servir ao Senhor?
Que o Espírito Santo continue nos ajudando!!

Lucas Jordão da Silva
obs: desculpe por ainda não ter criado uma conta!

Anônimo disse...

A Paz do SENHOR JESUS!

Gostei muito desse artigo...
aliais uma das partes falou comigo..
que deus continue abençoando o pastor ciro sanches zibordi.

Gloría á Deus!

Eloise disse...

Olá bom dia achei seu blog pelo google, fazendo a pergunta qual a diferença entre santificação e consagração?
pois me falaram que quem mais incomoda o inferno são os consagrados ? tem diferença? isto eu ouvi de um livro sobre lider de células? qual é o foco da igrejas em células?




aguardo retorno