quarta-feira, 31 de outubro de 2007

Quem são os filhos de Deus em Gênesis 6.2?

Quem são os “filhos de Deus”, em Gênesis 6? Há controvérsia em torno da expressão hebraica benê’elõhîm, haja vista ela ser mencionada em duas passagens aparentemente correlatas (Gn 6.2 e Jó 1.6; 2.1). Os contextos de ambas, no entanto, não deixam dúvidas de que elas se referem a dois grupos distintos de filhos de Deus. As referências de Jó dizem respeito claramente a anjos, enquanto a do primeiro livro do Antigo Testamento pede uma explicação.
A menção a homens tementes a Deus, em Gênesis 5, é uma prova de que os “filhos de Deus” do capítulo seguinte não são anjos, e sim piedosos servos do Senhor da linhagem de Sete, filho de Adão. Mas essa simples conclusão não satisfaz alguns teólogos — além das Testemunhas de Jeová —, que insistem em afirmar que a passagem alude a seres angelicais que teriam se relacionado com mulheres! Por que essa tese é infundada?
Primeiro: se os mencionados seres fossem mesmo anjos — e nesse caso anjos caídos, post
o que os mensageiros do Senhor jamais cometeriam o pecado descrito em Gênesis 6.2 (cf. Sl 103.20) —, não seriam chamados de “filhos de Deus”.
Segundo: não há base no contexto imediato da passagem para considerá-los seres angelicais.
Terceiro: ao comparar Mateus 22.30 e 24.38, vemos que no Céu os salvos serão como anjos, que nem se casam nem se dão em casamento. Entretanto, nos dias de Noé, era exatamente isso que acontecia! As palavras de Jesus, por conseguinte, só confirmam o fato de que ocorreram diversos casamentos mistos entre os “filhos de Deus” (justos) e as “filhas dos homens” (ímpias). Os contextos imediato e remoto de Gênesis 6.2, bem como a análise da expressão hebraica benê’elõhîm não permitem outra interpretação.
Leia a continuação deste artigo (e muito mais!) no Mensageiro da Paz de novembro/2007. Clique na imagem para ampliar.

Um ótimo fim de semana a todos!

Ciro Sanches Zibordi

9 comentários:

Moacir R. S. Junior disse...

Caro Pr. Ciro, a Paz do Senhor!

Acompanho seus textos desde quando o Mensageiro da Paz era em preto e branco. Tenho em meus arquivos um dos primeiros artigos seus (CUIDADO COM OS VERSICULOS “NOVOS”, MARÇO/1996). E de lá pra cá fui colecionando todos os que eu podia. Quando descobri sua página na internet não hesitei em colocá-la como uma das minhas favoritas. No inicio de minha fé, eu tinha muito medo dos chamados “ungidos de Deus”, pois alguns até contavam histórias “reais” de pessoas que falaram mal deles e foram atingidas pelo juízo de Deus. Porém, quando resolvi estudar a Bíblia e descobri o que ela realmente ensina, fiquei crítico e “rebelde” contra certo tipo de pregadores e ao mesmo tempo triste com a ingenuidade dos nossos irmãos.
Desde o inicio de minha fé gosto muito da Doutrina das Últimas Coisas, amo estudar os profetas, os livros de Daniel e Apocalipse, etc. Eu estou bem ciente de que existem muitas coisas erradas, muitas heresias nessa área. Mas não devemos deixar de estudar essas coisas só porque muita gente ensina errado, não é verdade? É justamente nessa área que encontro refrigério diante de certas pregações que assolam nossas igrejas. O que mais me surpreendeu no estudo das profecias é que a Bíblia fala mais em apostasia na história da Igreja Cristã do final dos tempos do que em avivamento. Isso é exatamente o contrário do que muitos “mestre da fé” ensinam em nossos dias. Os apóstolos nos alertam sobre a apostasia e frieza espiritual que sobrevirão à igreja e os atuais “ungidos” dizem que está chegando “o grande avivamento”, “o maior avivamento de todos os tempos”, etc. Não é assim?
Sei que esses comentários são moderados (e não quero que sejam publicados mesmos, pois parecem mais uma carta). Eu só queria que o senhor tomasse conhecimento de mais um leitor seu (apesar desse leitor gostar de estudar umas coisas meio esquisitas, como o SIGNIFICADO DOS NÚMEROS na Bíblia, ou seja, NUMEROLOGIA BÍBLICA). Não sei o que o senhor pensa disso, mas, se qualquer dia desses pudesse dar uma olhada em meu blog e depois me dissesse qualquer coisa, eu ficaria muito grato. É claro que a numerologia a que me refiro é do mesmo parentesco daquela encontrada no livro “SOMBRAS, TIPOS E MISTÉRIOS DA BÍBLIA” (CPAD), e não a tão conhecida numerologia ocultista (muito popular na televisão).

Ainda não adquiri seu livro “ERROS QUE...”, mas conheço uma boa parte dele (pelos artigos do Mensageiro da Paz, e revista Obreiro). Quando ele foi publicado, fiz a maior propaganda entre meus amigos e conhecidos. Falei do teor do livro em algumas oportunidades em que estive ministrando a Palavra de Deus, e graças a Deus que, em minha igreja, uma boa parte dos auxiliares e jovens não cai mais em certas conversas de pregador. MAS...

Aconteceu uma...
Algumas igrejas de cidades vizinhas (moro numa cidade do interior, quase 10.000 habitantes) acham que nossa igreja é muito desconfiada, incrédula, ou coisa desse tipo, por não apoiarmos os “pregadores da fé e prosperidade”. Nosso pastor é bem conhecido por se dedicar bastante ao ensino da Palavra – e também por não aceitar qualquer pregador para ministrar à igreja.

Mas aconteceu uma recentemente,...
Nossa igreja (AD) realizou, na semana passada, uma semana de festa. Todos os dias havia um pregador diferente, ou um a cada dois dias. Tudo gente da região ou conhecido (e recomendados) por pastores amigos da gente. Mas passamos por certos vexames que até o pessoal não crente está comentando (sabe como é, cidade pequena).

Uma semana antes da festa, passou um abençoado por aqui. Em certo momento de sua mensagem, teve uma revelação e disse que havia uma irmã na igreja que estava fazendo umas coisas erradas com o seu marido no quarto. A Igreja ficou naquele suspense e ansiedade. E tinha um bocado de gente descrente participando do culto.
Como se não bastasse, o homem de Deus chamou a irmã, para que viesse à frente, que queria orar por ela. Já pensou? Não sei se a irmã veio, porque muitas senhoras (que gostam de ir à frente quando alguém chama pra orar) se amontoaram diante do púlpito. O pessoal teve assunto pra comentar a semana inteira.

O mesmo pregador teve outra revelação: Havia um casal na igreja que não praticava relações sexuais há alguns meses (ele disse claramente). E chamou o casal para que viesse à frente, receber oração (Graças a Deus que esse casal não veio – mas os falatórios, as suspeitas passaram a reinar). O que o senhor acha disso? Essas coisas são comuns em nossa região. Infelizmente seus livros não são lidos por esses pregadores (quando podem, eles até falam mal dos livros apologéticos).

Durante a festa, um pregador gritou (quase que nossos ouvidos estouravam) que JESUS FOI UM HOMEM RICO, e para “provar” citou os costumeiros argumentos fajutos dos “mestre da fé”: Jesus tinha uma casa na praia, tinha um tesoureiro e uma roupa cara.

No encerramento da festa, foi o cúmulo do absurdo. Houve um grande mal estar quando o pregador, antes de ler a Palavra, chamou os líderes da Mocidade à frente (Havia muitos descrentes no culto) e disse que Deus havia revelado que eles (os líderes) estavam intrigados e precisavam se reconciliar (nada disso era verdade). O pregador passou quase uma hora citando versículos de todos os livros da Bíblia, falando de mil coisas diferentes e contando histórias. Foram tantas coisas absurdas, a gente constrangido, o pessoal saindo da igreja, antes da mensagem terminar, etc.

Pergunto: Numa hora dessas, como devemos agir? Como o dirigente do culto deve agir?
Fiquei muito feliz ao saber que o senhor irá publicar a continuação da série “ERROS QUE...”.
Pelo visto, existem materiais demais para a série “ERROS QUE OS PREGADORES DEVEM EVITAR”. Infelizmente.
Bom, vou parar por aqui, porque o senhor não tem tanto tempo assim para ficar lendo cartas, mas agradeço a atenção.
Continuarei fazendo propaganda dos seus livros e site, torcendo para que algum desses “pregadores” venha a se tornar mais um fã seu (fã, no bom sentido, é claro).

No amor de Jesus Cristo,

Moacir R. S. Junior
morganne@ig.com.br

teo jornalista disse...

Há quem defenda ainda a possibilidade de esses 'filhos de Deus' serem homens outrora piedosos, mas que se corromperam, e deram lugar a demônios, que possuíram seus corpos e os instigaram a ter relações sexuais ilícitas, originando filhos ímpios.

Victor Leonardo Barbosa disse...

Muito bom o estudo pastor Ciro, há algumtempo fiz um estudo sobre isso também no blog, Foi um dos primeiros artigos. O pior é que tem muita gente crendo(inclusive pastores pentecostais) que os filhos de Deus eram anjos. O pior é a consequência prática de tal doutrina, já pensou se houvesse anjos deste tipo à solta por aí? Ia ver muita gente dando essa desculpa para ter filho( em vez do boto, seriam os anjos). É um tanto cômico. porém trágico.
Abraços pastor Ciro

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Teo,

Realmente, há muitas especulações, mas o que vale é o que o texto diz à luz de seu contexto. Bem, não vou comentar muito por enquanto... Se eu fizer isso, o editor-chefe de Jornalismo da CPAD vai ficar bravo comigo...

Um abraço!

CSZ

Wilson Terentin disse...

A Paz do Senhor Pastor Ciro.

Confesso que é a primeira visita que faço a esta pagina, e a fiz por convite do caro Pastor, e que gostei tanto do artigo como dos comentarios feitos.
Agradeço a Deus pela oportunidade que ele me concedeu de Participar do 1º Seminario Fé & Ação na Sede da EETAD no ultimo dia 09 a 12, pois o apreendizado da palavra de Deus alim foi tremendo para minha vida.
Tive o previlegio de ler o livro EVANGELHOS QUE PAULO JAMAIS PREGARIA. este livro despertou-me para uma área que estamos muitas vezes, a deixar de lado em nossas igrejas.
Estou iniciando a Leitura do livro ERROS QUE OS PREGADORES DEVEM EVITAR. e tenho certeza que sera uma benção, porem asim que terminar a leitura entrarei em contato.
Que as grandiosas bençãos do Senhor esteja sobre vós.

Pastor Wilson Terentin

Anônimo disse...

Meu amado pastor Ciro,

Em primeiro lugar peço desculpas, pois o assunto que gostaria de tratar não tem ligação com seu tópico do blog. Usei o blog para que o senhor possa vir a ter conhecimento de meu email. Eu me encontro em uma posição que não tenho muito com quem conversar em minha igreja ou mesmo em minha cidade, e visto que eu participo integralmente de suas opiniões pois são sempre dentro do evangelho verdadeiro de Jesus sempre baseado na biblia. Enfim, gostaria de lhe pedir ajuda se possível é claro, em algumas perguntas com suas respostas pautadas na palavra do Senhor. E claro que o senhor pode me responder ou aqui no blog mesmo ou se preferir em meu email anderson.becario@gmail.com e claro que se for possível ao senhor.

Primeira pergunta:
Em 1João 5.1,8 em particular no versículo 8, esta água a qual serve como testemunho na terra é o arrependimento? Trata-se do batismo? Ou é a água que veio de seu sacrifício por nós?
Estou te perguntando isso pois, eu estudando sobre batismo, esse texto me veio a cabeça...mas eu não o compreendo bem. O que a água desse texto teria a ligação para a nossa remissão?

Segunda pergunta:
Tratando-se do livre arbítrio ou da livre agência...Enfim, Quando Deus exatamente olha para uma pessoa com o objetivo de realizar nela os seus planos? Por exemplo, as pessoas costumam dizer “Se não vem pelo amor, vem pela dor” Mas essa frase (além de não ter apoio bíblico) me ensina que Deus estaria interferindo na opção da pessoa de o seguir ou não! Tendo isso em vista eu tracei (mas sem base bíblica, por isso que estou te perguntando) o seguinte raciocínio;
Quando Deus olha para alguém, no caso vamos usar o Roberto como exemplo;

1 – Quando a Maria intercede pelo Roberto com o objetivo de que ele conheça a palavra de Deus.
2 – Quando o Roberto mesmo sem conhecer o evangelho, clama a Deus por alguma razão.
3 – Quando o Roberto se intromete no caminho de um cristão. (nesse caso o olhar de Deus é diferente hehe)

Ou seja, se o Roberto não procurar a Deus por vontade própria, se ninguém interceder por ele e se ele não tentar prejudicar um servo de Deus, tem como Deus interferir em sua vida para a sua salvação? (gostaria se possível que o senhor usasse base bíblica para me ajudar)

Terceira pergunta:
Eu ouço muito na igreja “Deus quer abençoar o seu povo”, mas ao mesmo tempo eu me pergunto...Quem é o povo de Deus?...verdadeiramente dentro da igreja, quem é o povo de Deus? Eu poderia usar 2 versículos para tentar enquadrar o povo de Deus João 6.40 e Heb. 5.9. Afinal temos que crer e em conseqüência temos de ser obedientes...mas Deus abençoa o povo que já está na igreja, com o conhecimento da palavra e não lhe é obediente? Ou pior, o povo que está na igreja e NÃO QUER TER CONHECIMENTO DE SUA PALAVRA? Ou seja, que povo é esse que Deus quer abençoar? (gostaria se possível que o senhor usasse base bíblica para me ajudar)

Quarta e ultima pergunta:
Fé x Vontade de Deus.
É interessante como tantos dizem, inclusive Jesus, que basta ter fé! Quem não tem fé, não move, não faz, não realiza. Mas e onde fica nisso tudo a vontade de Deus? Ora a fé que eu conheço é acreditar em Jesus, lhe ser FIEL!
Eu vejo exemplos como o de Naamã que mesmo sem fé ficou curado, vejo exemplos como de Marcos 9.24 e para piorar...Eu tenho orado muito a Deus para que ele abra os meus olhos espirituais sobre os sinais e maravilhas que serão ou já são operados no meio de nós, um de meus pontos de oração é o pastor Valdomiro Santiago que vai ao ar de segunda a sexta na rede TV das 06:00 as 08:30, não entendo o que acontece ali!...Mas continuando, certa vez foi uma mãe até ele desesperada pois a filha já havia dada como praticamente morta na uti de um hospital...segundo o testemunho dela ela, pediu ajuda e ele simplesmente disse “não se preocupe que ela já está curada”, e segundo a própria boca da mulher, ela saiu da igreja xingando ele, pois o achou absolutamente indiferente ao seu problema e ela sem FÉ nenhuma chegou ao hospital e sua filha já estava fora da uti!!!!
Vamos ao exemplo de fé que eu sempre uso para tentar entender;
Eu gostaria de ter um fusca “para fazer melhor a obra de Deus” peço um fusca ano 66 cor vermelha, e eu uso de toda a fé e confiança que Deus vai me ajudar...e ai Deus me entrega um fusca ano 66 cor azul! E ai eu questiono sobre a cor e me dizem que foi a vontade de Deus. Ora se foi a vontade de Deus, eu não precisava de ter fé! E se não for da vontade dele, não adianta eu ter fé!...ando confuso pastor.

Algo breve sobre mim: Tenho 36 anos, casado e sem filhos, sempre acreditei em Deus mas nuca esse Deus dos crentes e ODIAVA crentes, (por enxergar o que vemos, mas por não conhecer a biblia), me converti ano passado, me batizei em novembro, em março o Senhor me ordenou para ler a biblia...desde então já li o novo testamento 4 vezes e estou terminando de ler o velho. E ando realmente muito confuso por ler e entender as coisas na biblia e não ver praticamente nada ser usado e aplicado nas igrejas hoje em dia. Congrego em uma igreja pentecostal, onde vejo muita coisa estranha, mas ao mesmo tempo Deus me diz que vai fazer uma grande transformação nessa igreja pela sua palavra, por isso fico para obedecer e ajudar cumprindo assim Heb. 10. 24,26

Fica com Deus meu amado, tenho orado pelo senhor. Aguardo ansioso sua ajuda.

Anderson Rodrigues (Teresópolis RJ) anderson.becario@gmail.com

Esdras Costa Bentho disse...

Kharis kai eirene.

Pr. Ciro, meus parabéns por mais esse excelente post. Embora os blogueiros tenham que ler o Mensageiro da Paz para concluírem o estudo, os trechos citados por si só já demonstram o denso conteúdo do artigo.
Que Deus continue abençoando o seu ministério, dádiva do amor de Deus.
Esdras Bentho

Anônimo disse...

A questão da origem do planeta Terra e da humanidade é, de fato, extremamente delicada, porque ameaça completamente o mainstream social moderno (pelo menos nas sociedades ocidentais). A humanidade é guiada pela ciência e/ou pela religião. Pelo empirismo ou pela fé. Entretanto, tanto um como o outro se tornaram instrumentos de poder para grupos poderosos interessados em dominar as grandes massas populares. Sistematicamente, os dois extremos têm ocultado ou distorcido, ao longo da historia, informações sobre a origem do homem no planeta. No campo científico, homens como Charles Darwin induziram a humanidade à acreditar que o homem evoluiu progressivamente e naturalmente de um tipo de antropóide. Essas afirmações foram baseadas nas observações e pressuposições de Darwin, que em suas viagens de estudos pelo mundo, desenvolveu a idéia de que um processo de seleção natural era responsável pelas mutações das diversas espécies de animais, para se adaptarem as mudanças geofísicas sofridas pela Terra no passado. Até aí tudo coerente, porém Darwin, precipitadamente concluiu que os seres poderiam sofrer qualquer transformação para se adaptarem. Para ele um lêmur voador poderia se transformar em um morcego, sobre uma determinada circunstância:
- "Não vejo qualquer dificuldade em acreditar na possibilidade de que a seleção natural possa desenvolver a membrana no lêmur voador, até transformá-la num verdadeiro membro alado, à semelhança do que deve ter ocorrido com o morcego". Seguindo essa linha de pensamento ele concluiu que um símio poderia ter perdido os pêlos, a cauda, ter erguido a coluna vertebral, ficado inteligente e se tornado homem de maneira natural. Os estudiosos, baseados nas descobertas e nos estudos de Zecharia Sitchin, concluíram que um tipo de hominídeo primitivo, quase um antropóide, original da Terra, foi utilizado em experiências genéticas por uma avançada raça de humanóides alienígenas num passado remoto.

Segundo os sumérios, essa raça de extraterrestres eram os gigantes Anunnaki, "Os Do Céu Que estão Na Terra", vindos do planeta Nibiru e que devido à problemas no seu ecossistema, decidiram iniciar um processo de colonização no nosso planeta, à cerca de 450 mil anos atrás. A primeira expedição Anunnaki, liderada pelo mega-cientista ENKI, aterrisou no Golfo Pérsico, onde estabeleceu a primeira base de operações: ERIDU, "Lar Longínquo Construído". O plano original era extrair ouro do mar, mas tendo em vista que se tornou inviável para eles, a única alternativa foi extrair o minério do sudeste da África e transportá-lo em embarcações até a Mesopotâmia, para derretimento e refinamento. Em seguida os lingotes eram enviados, através de uma nave de carga até uma outra nave que ficava orbitando a Terra, aguardando a chegada periódica de uma nave-mãe que levava o precioso metal para Nibiru, para ser usado como partículas suspensas, na atmosfera, para conter o avanço de um fenômeno semelhante ao efeito estufa. A ampliação das atividades de mineração, trouxe uma segunda expedição liderada pelo comandante ENLIL, meio-irmão de ENKI e logo os Anunnaki ergueram um complexo industrial nas imediações do Monte Arat. ENKI e ENLIL eram filhos do governante de Nibiru, ANU e rivais, devido ao fato de que, mesmo sendo primogênito, ENKI não era o primeiro na linha de sucessão do trono, mas sim ENLIL. Posteriormente uma terceira missão foi enviada, liderada pela médica-geneticista NINHURSAG, meia-irmã dos dois comandantes Anunnaki, acirrando a disputa entre os dois. Contudo, ao longo do trabalho dos Anunnaki, que já eram aproximadamente 600, na Terra, uma série de conflitos culminaram em um motim, durante uma inspeção de rotina, nas minas africanas. Os Anunnaki, astronautas e cientistas, improvisados como operários mineradores, reclamavam das tarefas designadas. Pressionado, ENLIL informou a ANU sobre a revolta e se dispôs à abandonar o comando da missão e retornar ao seu planeta. Uma corte marcial foi instaurada e ANU, tendo vindo à Terra, exigia que os líderes do motim se revelassem. Ouvindo os depoimentos, ANU concluiu que o trabalho era realmente muito duro e as reivindicações dos Anunnaki eram justas. Mas como interromper a mineração do ouro? ENKI, imediatamente ofereceu uma solução. Informou que no sudeste africano, vagava um ser que poderia se treinado para executar o trabalho de mineração, desde que a "marca dos Anunnaki" (DNA) pudesse ser colocada nele. ENKI se referia à espécie de hominídeo que tinha evoluído naturalmente na Terra, mas que ainda estava num nível evolucionário extremamente distante do atingido pelos habitantes de Nibiru. ENKI e NINHURSAG, após muitas tentativas e erros, concluíram que poderiam extrair o óvulo de uma fêmea primata, fertilizá-lo, in vitru, com o espermatozóide de um macho Anunnaki e implantá-lo no útero de uma fêmea Anunnaki. Estava criado o modelo perfeito do homo-sapiens. O processo foi repetido várias vezes, formando a primeira geração de híbridos humano-alienígenas, na Terra, que contudo eram estéreis. E à medida que os humanos eram desenvolvidos e encarregados no trabalho de mineração na África, os Anunnaki que trabalhavam na Mesopotâmia começaram a invejar os seus colegas e a clamar pela presença de humanos naquela região. Apesar das objeções de ENKI, ENLIL apoderou-se secretamente de um grupo de terráqueos e o levou para a principal base do Golfo Pérsico, EDIN, "A Morada Dos Justos". Esse evento foi registrando na Bíblia dessa maneira: "Iahweh (ENLIL) tomou o homem e o colocou no Jardim do Éden para cultivar e guardar". A característica de longevidade do relógio biológico dos Anunnaki, onde 3.600 anos correspondem a 1 ano terráqueo, não tinha traços no material genético da primeira geração de humanos, que envelhecia rapidamente e tinha vida curta e o que levou ENKI a aperfeiçoar a manipulação genética dos híbridos, usando seu próprio esperma. Ele e NINHURSAG encontraram um outro "modelo perfeito" de terráqueo, chamado de ADAPA, que possuía uma inteligência maior, a capacidade de procriar e uma longevidade maior, ainda que menor que a dos Anunnaki. Sendo assim "Adão e Eva", do livro do Gênesis, receberam o "fruto do conhecimento" (o termo "conhecer" em hebraico, se refere à cópula com intenção de gerar descendentes).

"Com amplo entendimento ele o aperfeiçoara.. .Para ele dera o Conhecer... A vida eterna não lhe concedeu."

ENLIL, tomado pela inveja do brilhantismo de seus meio-irmãos, revelou a ANU, as ousadas experiências genéticas desenvolvidas, por eles, na Terra. O patriarca Anunnaki ordenou que um grupo dos ADAPA fosse levado à sua presença. ENKI os alertou para evitarem alimentos porque poderiam ser envenenados, contudo, ANU, surpreso com a perfeição da "criação" de ENKI e NINHURSAG, quis que os ADAPA fossem mantidos em Nibiru e aperfeiçoados no seu relógio biológico, para obterem longevidade como a dos Anunnaki. Entretando, alertados por ENKI, se recusaram à ingerir o "pão e água da vida" que lhes foi trazido e posteriormente foram trazidos de volta à Terra, perdendo a oportunidade de obter a "vida eterna". Logo eles deixavam de ser apenas trabalhadores ou escravos nas minas. Eventualmente aprendiam novas tarefas e logo cozinhavam, dançavam, tocavam músicas e até construíam "casas" para os "deuses", que eles chamavam de "templos". Eles se reproduziam sistematicamente e geravam mais humanos de agradável aparência física. Muitos Anunnaki se sentiram atraídos pelas fêmeas das novas gerações de humanos e começaram à tomá-las por suas mulheres: "Quando os filhos dos deuses viram que as filhas dos homens eram bonitas, as tomaram como esposas"). Desse cruzamento nasceram os híbridos gigantes e um fato (im)previsível ocorreu. Logo o objetivo central da missão, foi desaparecendo e os Anunnaki pareciam se agradar daquela excelente vida na Terra.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Prezado anônimo,

Agradeço-lhe pela participação.

Peço-lhe duas coisas, por gentileza: identifique-se, pois não há razão para não assinar o seu comentário; e procure ser mais sucinto.

A afirmação de que o cruzamento entre filhos de Deus e filhas dos homens resultou nos gigantes não é coerente com o contexto. A própria passagem de Gênesis 6 mostra que havia gigantes "naqueles dias" e "depois" do tal cruzamento (v.4). Ou seja, já havia os tais gigantes antes de o povo de Deus se misturar com a linhagem ímpia de Caim.

Em Cristo,

CSZ