sábado, 17 de novembro de 2007

Como interpretar a Bíblia corretamente? (2)

Se cada texto do Sagrado Livro possui apenas um único sentido, como descobrir se este é literal ou alegórico? E, o que fazer para não confundir interpretação com aplicação? Primeiramente, devemos saber que todo texto bíblico é literal, a menos que o contexto prove o contrário.

O que é contexto?

O contexto é formado pelos textos (versículos, capítulos ou livros) anteriores e posteriores à passagem em estudo, podendo ser imediato ou abrangente. Enquanto não ultrapassa o limite de um livro, o contexto é chamado de imediato.
No caso do texto áureo da Bíblia, João 3.16, o contexto imediato é formado por todos os versículos do capítulo ou, em uma análise mais ampla, por todos os capítulos do livro. Já o contexto abrangente pode ser remoto, englobando uma porção maior de passagens paralelas. Em resumo, o contexto da passagem em questão abarcaria: ou parte do capítulo, ou o capítulo todo, ou parte do livro, ou o livro todo, ou os quatro Evangelhos, ou todo o Novo Testamento, ou, em última análise, toda a Bíblia!

Os Dez Mandamentos

Um dos versículos mais citados pelos advogados da doutrina da maldição hereditária é Êxodo 20.5: “... sou Deus zeloso, que visito a maldade dos pais nos filhos até à terceira e quarta geração daqueles que me aborrecem”. Recorrendo ao contexto imediato, descobrimos que essas palavras foram dirigidas exclusivamente aos israelitas (vv.1,2). Conquanto os próprios versículos do capítulo sejam suficientes para refutar a tal falsa doutrina, poderíamos lançar mão, ainda, do contexto abrangente (Ez 18.4,17,20; 2 Co 5.17).
Baseando-se no mesmo capítulo 20 de Êxodo, alguns teólogos ensinam que devemos guardar o sábado (v.8). Como já vimos, o contexto imediato mostra que o texto aplica-se ao povo de Israel. Ademais, se fizermos uma análise contextual abrangente, encontraremos duas fortes razões para não guardar o sábado:
1) O Antigo Testamento confirma que a guarda do sábado devia ser observada somente pelos israelitas (Êx 31.16; Dt 5.15; Ez 20.12-20). E isso, para eles, implicava realizar todos os rituais reservados para o dia de sábado, inclusive os holocaustos (Nm 28.9,10). Eles sabiam também que a guarda do sábado era apenas um dos muitos mandamentos contidos na lei (Gl 3.10).
2) No Novo Testamento, vemos que Cristo pôs fim à dispensação da lei e inaugurou o Tempo da Graça (Lc 16.16; Rm 10.4; Jo 1.17). Hoje, temos domínio sobre o sábado (Mc 2.27) e não precisamos guardar dias, meses e anos (Gl 4.9,10; Cl 2.16). Na atual dispensação, somos justificados pela fé em Cristo (At 13.39; Rm 3.20; Gl 2.16).
Exige-se, por conseguinte, de um bom intérprete das sagradas letras que ele seja, antes de tudo, um assíduo leitor da Palavra de Deus. Afinal, como poderá recorrer ao contexto remoto, se não conhecer a Bíblia de forma global? A leitura constante e seqüencial (livro por livro) faz com que o estudioso grave em sua mente um panorama geral dos acontecimentos bíblicos, facilitando a análise contextual.

(continua...)

Ciro Sanches Zibordi

3 comentários:

fabio disse...

eu concordo tudo que o comentarista falou.

Anônimo disse...

Pastor Ciro, eu tenho uma dúvida: se Deus instituiu e santificou o sábado desde gênesis 2.2, porque somente os israelitas devem guardá-lo? Se o sábado foi feito por causa do homem (Marcos 2.27) e não apenas por causa do povo de Israel, todos não deveriam guardá-lo? Digo, guardar pela graça, não pela lei; não necessariamente em um dia específico, mas descansando todos os dias em Cristo. Penso ser necessária esta colocação porque entendo que Cristo não afrontou à lei, mas a incorporou.(Me perdoe se estiver errado)

Anônimo disse...

a paz do Senhor Jesus, pr Ciro.

moacir, interior, sp.

gostaria que fosse interpretado o dízimo em seu contesto, e qual seu proposito e finalidade. no tempo da lei e no tempo da graça.
colocação sua:(No Novo Testamento, vemos que Cristo pôs fim à dispensação da lei e inaugurou o Tempo da Graça (Lc 16.16; Rm 10.4; Jo 1.17). Hoje, temos domínio sobre o sábado (Mc 2.27) e não precisamos guardar dias, meses e anos (Gl 4.9,10; Cl 2.16). Na atual dispensação, somos justificados pela fé em Cristo (At 13.39; Rm 3.20; Gl 2.16).).
ou será que a lei foi dispensada só pela metade.