quinta-feira, 2 de junho de 2016

Vem aí o Projeto de Lei número 666!


Pressione a tecla [ironia].

Estou preocupado com a degradação moral da sociedade, no Brasil e no mundo. E acredito que as coisas poderão ficar ainda piores para o evangelicalismo brasileiro, nesses últimos dias. O Partido Abortista dos Numerosos Inimigos do Cristianismo (
PANIC) pretende apresentar, em breve, o PLC 666 (Projeto de Lei do Cão, número 666).

O autor do aludido projeto de lei é o conhecido deputado federal Adolf Nero Diocleciano, que já manifestou o desejo de queimar exemplares da Bíblia em praça pública. Ele alega que esse livro é altamente hamartiofóbico, isto é, incentiva o preconceito, a discriminação e o ódio contra os pecadores.

Conhecido por sua luta pelos direitos do movimento LABAS (Liga dos Adoradores da Besta, Anticristãos e Simpatizantes), Diocleciano tem como meta eliminar toda e qualquer influência do cristianismo no Brasil. Ele pretende, com o PLC 666, proibir os cristãos de difundirem passagens da Bíblia que condenem qualquer tipo de pecado.

A nova lei, se aprovada, contemplará punições para diversos crimes, como a idolatrofobia (ódio à idolatria), a pornofobia (ódio à pornografia), a adulterofobia (ódio ao adultério), a sodomofobia (ódio à sodomia), a pedofilofobia (ódio à pedofilia), a efebofilofobia (ódio à efebofilia), a latrofobia (ódio ao roubo) etc. O objetivo é diminuir a quantidade de mortes e agressões contra determinados tipos de pecadores.

Segundo o DataSodoma e o Ibopedof, o Brasil é campeão de agressões contra sodomitas, pedófilos e efebófilos. Pregadores, escritores, articulistas e editores de blog que vierem a cercear, de alguma forma, o direito dos pecadores de pecar em paz, sem serem incomodados, em qualquer lugar, serão punidos exemplarmente. Não se permitirá que, num Estado Democrático de Direito e Laico, alguém emita qualquer opinião a respeito dos pecados que as pessoas quiserem cometer...

Desligue agora o modo [ironia].

Haja o que houver, os cristãos que se prezam não se calarão, ainda que sejam condenados à morte. E — ainda que atacados por movimentos evangelicofóbicos, abortistas e 
“feminazistas”, que odeiam a cosmovisão judaico-cristã e, sobretudo, as Escrituras — servas e servos do Senhor, “todas e todos”, continuarão pregando o santo Evangelho, que apresenta não só o amor de Deus, mas também a sua justiça e a sua verdade.

Maranata!

Ciro Sanches Zibordi

Nenhum comentário: