terça-feira, 3 de novembro de 2015

666 razões para não celebrar o Natal

Já estamos no mês de novembro e já passou o feriado do Dia de Finados... Chegou o momento de começar a campanha contra a celebração do Natal. E, neste ano, há uma novidade: enquanto alguns verberam contra essa celebração, outros, defensores dela, descontentes com a situação do país, além de falarem do Natal, estão propagando nas redes sociais campanhas como #NatalSemPT. Risos.

Neste texto, desejo apresentar, como sempre faço no fim do ano, inúmeros motivos por que o cristão que se preza não deve celebrar o Natal. ATENÇÃO: comentários respeitosos são bem-vindos. Mas, antes de comentar, leia o texto! E não tenha pressa... Lendo uma razão por minuto, bem devagar, você concluirá a leitura deste texto em apenas 11 horas!

1/666 — Jesus não nasceu em 25 de dezembro. Ora, é evidente que Ele não nasceu nessa data! Mas ela é histórica; foi escolhida pela Igreja Católica Romana, a fim de induzir os pagãos a celebrarem o nascimento de Cristo.

2/666 — O Natal é uma festa pagã. É verdade: o Natal que o mundo sem Deus celebra é uma festa muito influenciada pelo paganismo. Mas o Natal de Cristo precede e transcende qualquer paganismo. O nascimento do Senhor Jesus foi celebrado até pelos anjos, que exclamaram: “Glória a Deus nas alturas, paz na terra, boa vontade para com os homens!” (Lc 2.14).

3/666 — O Natal é todos os dias. É verdade. Temos motivos para glorificar a Jesus diariamente, pois Ele é o nosso Senhor e habita em nós! Entretanto, algum de nós faz aniversário todos os dias? O aniversário é uma data especial. É uma oportunidade para mostrarmos ao mundo que Cristo é o Salvador.

4/666 — Celebrar o Natal é idolatria. Quem diz isso ainda não aprendeu o que é idolatria, à luz do Novo Testamento. Idolatria é uma ação objetiva, e não subjetiva. É uma condição do coração e é praticada de modo consciente. Deixemos, pois, as doutrinas de homens, do tipo “não toques, não proves, não manuseies” (Cl 2.20-22).

5/666 — A Bíblia proíbe a celebração do Natal. Se o leitor é um pregador do Evangelho, por favor, não entre pelo caminho do fanatismo religioso. Fuja do legalismo farisaico! O cristianismo verdadeiro não é fanatizante, como as religiões e seitas pseudocristãs e extremistas, que proíbem doação de sangue, ingestão de determinados tipos de alimento, etc. Somos livres em Cristo (1 Co 10.23-32).

Ufa! Ainda tenho de discorrer sobre mais 661 motivos para não celebrar o Natal... Mas, pensando bem, em vez de apresentar inúmeras razões para não celebrar o Natal de Jesus Cristo, não seria melhor aproveitar essa época do ano para fazer menção da gloriosa encarnação do Senhor? Afinal, a Bíblia dá importante ênfase não apenas à morte vicária Senhor (2 Co 5.17-21) e à sua maravilhosa ressurreição (1 Co 15.17-20), mas também ao seu glorioso nascimento (1 Tm 3.16)! Encarnação, morte e ressurreição do Senhor Jesus são eventos relacionados com a obra expiatória do Senhor.

Bem, quanto ao título deste texto, 666 razões para não celebrar o Natal, empreguei-o apenas para prender a sua atenção, caro leitor, e também para enfatizar que é o espírito do Anticristo, prevalecente no mundo sem Deus, que tem influenciado as pessoas a ignorarem o Natal de Cristo. Happy Christmas! Ah, sim, e... Feliz #NatalSemPT!

Ciro Sanches Zibordi

3 comentários:

João Emiliano Martins Neto disse...

Comemorar o Natal de Cristo é comemorar o novo homem, a nova criação neste nosso mundo terra arrasada pelo pecado, renascido e, por isso, salvo pela graça mediante a fé em Cristo sob a disciplina e assiduidade na recepção dos sacramentos, sobretudo, os da confissão e da Eucaristia.

[Desculpe-me, Pr. Zibordi, referi-me a tais sacramentos, pois sou católico romano.] rs

Eliabe Schultz disse...

Muito bom o texto,o nascimento de Jesus tem que ser festejado e muito,pois Ele é o nosso salvador,não importa se a data foi constituída por um pagão,importa que o Salvador do mundo nasceu de uma virgem somente para nos salvar,quanta demonstração de amor,Glória Somente a Ele!!!Feliz Natal e sem PT(risos)

Basinq Santos disse...

Muito interessante a forma fácil e carismática com que fez a abordagem do assunto, quebrando tabus e mostrando não estar preso a um sistema que é passado ignorantemente. Parabéns!