quinta-feira, 19 de março de 2015

O Brasil pode se tornar uma Venezuela?

Conquanto Brasil e Venezuela sejam países bastante distintos, nos últimos doze anos diminuíram muito as suas diferenças por causa de um ideal comum, regido por uma mesma ideologia. Ambos os governos esquerdistas querem estabelecer na América Latina “La Patria Grande” de Fidel Castro. Não é por acaso que o Brasil está investindo em Cuba e mandando dinheiro para a ditadura cubana. Por que o programa Mais Médicos, adotado pelo governo federal, por exemplo, prioriza os médicos cubanos?

Falando em Cuba, alguns internacionalistas afirmam que a Venezuela ainda não é como a ditadura dos irmãos Castro. Ela estaria no meio do caminho: não seria nem uma democracia nem uma ditadura, e sim uma espécie de “democracia autoritária”, um regime híbrido, no qual prevalecem elementos autoritários, repressão aos opositores, bem como desprezo ao consenso, ao diálogo e aos direitos civis mais elementares. Sinceramente, não tenho dúvida de que a Venezuela já está debaixo de uma terrível ditadura, embora alguns professores de História esquerdistas insistam em dizer que esse país é um referencial de democracia na América Latina.

Na Venezuela não existe mais a separação de poderes. Ela é formalmente uma democracia por causa das eleições, mas, na prática, o déspota Nicolás Maduro — cujo partido tem pretensão hegemônica —, apoiado incondicionalmente pelo lulodilmismo, é quem controla o Judiciário. E este, por sua vez, já deu aval à cassação dos opositores, permitindo que o ditador tenha maioria absoluta na Assembleia Nacional. Não estamos muito longe disso, aqui no Brasil, pois o nosso Supremo Tribunal Federal (STF) já está, praticamente, sob o domínio do partido que há mais de doze anos governa o Brasil.

As Forças Armadas venezuelanas estão a serviço do esquerdismo bolivariano e, por isso, foram rebatizadas pelo chavismo, sendo renomeadas para "Força Armada Nacional Bolivariana". O exército está cem por cento alinhado com a ideologia chavista desde 2013, quando Hugo Chávez morreu. Além disso, o governo obriga pessoas a fazerem trabalho de polícia, devendo denunciar qualquer pessoa que sejam contrárias à “revolução”.

Há grande repressão aos opositores, na Venezuela, a ponto de eles serem acusados na Justiça de conspirar contra o Governo e estar alinhados com os Estados Unidos. Isso já está ocorrendo no Brasil, em pequena escala, por enquanto. Os opositores são chamados de golpistas, elite branca, burgueses, etc. E, há poucos dias, um parlamentar petista afirmou que a CIA está por trás dos protestos dos brasileiros contrários ao desgoverno lulodilmista, os quais levaram mais de um milhão de pessoas às ruas.

Maduro, também, fez um cerco legal e econômico à imprensa opositora. Ali, os poucos veículos críticos ao governo fazem isso com muitas restrições de acesso a divisas para comprar papel. A partir de 2014, a Venezuela entrou numa fase de aprofundamento das tendências autoritárias, especialmente no controle da mídia. E, no caso dos políticos de oposição que opinam, a perseguição a eles é muito violenta. Não é esse tipo de controle que os petistas desejam exercer no Brasil?

O que devemos fazer diante desse quadro? Como cidadãos do Céu, devemos orar pelo Brasil e pregar o Evangelho (1 Tm 2.1-3; Mc 16.15), mas também somos cidadãos brasileiros. E, como tais, devemos protestar contra as injustiças (cf. Sl 11.3).

Ciro Sanches Zibordi

3 comentários:

Mario Sérgio de Santana disse...

Paz do Senhor pastor Ciro!

Discordar é salutar para um amplo debate sobre os rumos que a América Latina, e principalmente o Brasil tem tomado nos últimos anos. Creio que nosso país não ruma para uma república "boliviariana" ou "cubana". Temos instituições fortes e competentes, e uma economia diversificada. Não dependemos como a Venezuela de um único produto de exportação. Sobre o controle da imprensa há muita falácia, a qual está distante da realidade concreta. Temos liberdade de imprensa quando poucos controlam e exploram a mídia em geral? Basta estudar e ver a legislação dos EUA sobre a proibição de propriedades cruzadas, ou seja, o domínio de uma empresa de comunicação possuir canais de TV, rádio, e jornais na mesma região. Algumas leis sobre imprensa de países europeus seriam taxados de retrógrados no Brasil. Confunde-se aqui, e muito, liberdade de imprensa com liberdade de expressão e liberdade de empresa. Nossa mídia é conservadora ao máximo, no passado (e talvez no presente) golpista e elitista. No campo político o discurso se sobrepuja a realidade objetiva dos fatos.

Agradeço o espaço para o debate!

Alberto Couto Filho disse...

Prezamado Pr Ciro
Paz

Inquestionáveis as observações sobre a parecença entre o Brasil atual e a Venezuela.
Sobre o STF, veja o caso da transferência do Dias Tofoli para a turma que irá julgar os "ladrões" da Petrobrás. Será mesmo que ainda não é hora de dizermos que'TÁ TUDO DOMINADO?".
Sei não...

Wilton disse...

A paz do Senhor!

Pastor Ciro o que o Sr. achou das imagens/figuras utilizadas nas revista dos adultos/CPAD deste mês?