quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

O MDA e a supervalorização do “discipulado”

Algumas igrejas têm abraçando o MDA (Modelo de Discipulado Apostólico) como se fosse “o modelo”, acima de qualquer crítica, visto que este estaria, segundo pensam os seus proponentes, em conformidade total com os ensinamentos de Jesus e dos apóstolos. Entretanto, penso que, além das heresias que já mencionei em outros artigos — como o universalismo e o triunfalismo, expressos mediante “decretos” de salvação de indivíduos, famílias e cidades —, existe no aludido modelo uma supervalorização do “discipulado”, como se este fosse a solução para a salvação da humanidade.

Lembremo-nos de que a salvação é pela graça de Deus (Tt 2.11; Ef 2.8-10), e não pelos méritos de um “discipulador” ou pelo esforço de seus discípulos. Ademais, é o Espírito Santo quem convence o mundo do pecado, da justiça e do juízo (Jo 16.8-11). E Ele age em harmonia com as Escrituras, a Palavra de Deus. Daí recair sobre os nossos ombros a obrigação de anunciar o Evangelho, quer ouçam, quer deixem de ouvir (Rm 10.14ss).

De acordo com o MDA, os pastores devem fazer reuniões individuais com seus líderes de células, “lançando a visão, imergindo-os na visão e pedindo-lhes para lançar a visão entre aqueles para quem eles ministram. Ao falar diante de grupos especiais da igreja, o pastor nunca conclui sem de alguma forma lançar a visão”. Isso é o que explica o livro Igreja em Ação: Desejos e Perspectivas, da MDA Publicações. Nota-se que há um grande interesse em que a “visão”, isto é, o modelo em apreço seja propagado, alcançando cada vez mais adeptos.

Os líderes do MDA são estimulados a “usar cada oportunidade para lançar a visão”. Ainda segundo o livro citado, o “pastor deve lançar a visão em conversas privadas. Ele deve trabalhar para que a visão seja a visão do povo. Aqui entra aquilo que chamamos de ‘senso de propriedade’. Quando ele acontece, as pessoas não acham que a visão é uma coisa que veio de fora ou que pertence apenas ao pastor. Elas vestem a camisa, sentem-se responsáveis pelo sucesso, trabalham para que ele aconteça, dão o seu melhor”.

Mas o Evangelho genuíno é cristocêntrico. Nada pode ser considerado mais importante do que pregar a Cristo, e este crucificado (1 Co 1.22,23). Quando uma igreja, um modelo de crescimento ou uma pessoa são apresentados — ainda que de modo indireto — como mais importantes do que Jesus, a mensagem deixa de ser cristocêntrica. Estimular líderes a compartilharem uma “visão”, ainda que se diga que ela traduz o conteúdo de Atos dos Apóstolos, é uma maneira de descentralizar Cristo do Evangelho.

Segundo o MDA, Jesus “discipulou” seus discípulos e ordenou que eles “discipulassem” outros. O Mestre, na verdade, enviou-nos a pregar o Evangelho (Mc 16.15) e ensinar as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo (Mt 28.19). É evidente que a tradução literal de “ensinai todas as nações” é “fazei discípulos de todos os povos”. Mas “fazer discípulos” não é formá-los segundo uma “visão” específica.

O Evangelho de Cristo é simples (2 Co 11.3). Fazer discípulos nada mais é que ensinar a sã doutrina, assim como fez Jesus, ao andar na terra, principalmente por meio do seu exemplo (Jo 13.15; At 1.1). E Ele só ensinou o que recebeu do Pai: “A minha doutrina não é minha, mas daquele que me enviou” (Jo 7.16). A sua pregação era objetiva: “Arrependei-vos, porque é chegado o Reino dos céus” (Mt 3.2) ou “aquele que não nascer de novo não pode ver o Reino de Deus” (Jo 3.3). E o que chama a atenção, no “discipulado” do Mestre, por assim dizer, é que Ele não formava “soldadinhos de chumbo”. Ele prezava a liberdade (Lc 9.23).

Em Romanos 10.14 está escrito: “Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem não ouviram? E como ouvirão, se não há quem pregue?” (Rm 10.14). Embora o fazer discípulos seja uma tarefa importantíssima, outorgada a nós pelo Senhor Jesus, não vemos, nas Escrituras, Deus relacionando o fato de pessoas se desviarem, abandonarem o Evangelho ou apostatarem da fé à falta de “discipulado”. A missão da Igreja é propagar o Evangelho com verdade, e não responsabilizar-se pela manutenção da salvação dos que já receberam as boas-novas de salvação.

Deus exige de nós que anunciemos o seu Evangelho (Ez 33.8; 1 Co 9.16). Mas, uma vez que pregamos as boas-novas de salvação em Cristo Jesus e ensinamos a sã doutrina, não somos responsabilizados por Deus, caso alguns se desviem (2 Pe 2.1,2,20-22; 2 Tm 4.10). Ele não nos diz: “Fulano se desviou por falta de discipulado”. Jesus deixou claro, na explicação da parábola do semeador, que a responsabilidade maior pelo desvio do Evangelho é do próprio desviado (Mt 13.18-23).

Portanto, não cabe a nós criar modelos ou atrativos para “suavizar” o Evangelho e manter pessoas nas igrejas. Tampouco cabe a nós pregar o Evangelho da maneira que as pessoas desejam ouvi-lo, e sim do modo como elas precisam ouvi-lo, pois a porta e o caminho são estreitos (Mt 7.13,14).

Ciro Sanches Zibordi

18 comentários:

Pr Luis Eduardo disse...

A pastor Ciro!!!

Enviei um e-mail ao senhor sobre um convite de uma seminário de ESCOLA DOMINICAL que estaremos realizando em nossa igreja, gostaria de um retorno do pastor, pois a CPAD nos deu prazo para a entrega dos materiais a serem impressos..

Att; Pr Luis Eduardo

Pr Luis Eduardo disse...

A pastor Ciro!!!

Enviei um e-mail ao senhor sobre um convite de uma seminário de ESCOLA DOMINICAL que estaremos realizando em nossa igreja, gostaria de um retorno do pastor, pois a CPAD nos deu prazo para a entrega dos materiais a serem impressos..

Att; Pr Luis Eduardo

Cleber disse...

Ciro, acompanho seu blog há tempos e vejo muita coisa boa. Mas no caso do MDA ficou claro que é crítica sem conhecimento de causa.

Dizer que o MDA prega universalismo ou suaviza o evangelho é algo infundado.

Te convido a conhecer melhor essa visão.

Há muita coisa boa na prática do discipulado um a um.

Abraços!

http://confraria-pentecostal.blogspot.com.br/2013/10/discipulado-um-a-um.html

Anônimo disse...

Mudei de cidade e procurei uma igreja perto da minha casa. Logo foi colocado alguém para me discipular. Então perguntei para o pastor: Eu posso ser membro da igreja (uma vez que já sou batizado) sem aceitar ser discipulo de uma pessoa. Resposta: Não. Evidente que a visão da igreja parece estar acima do "Vinde a mim" de Jesus. Infelizmente.

guspbf disse...

Texto sem base. O MDA nunca foi mais importante que o evangelho. O discipulado um a um é bênção. Jesus tem sido formado nas pessoas.

nilma matos disse...

fazia algum tempo que não lia tanta besteira junto. II Tm 2.2 - " o quede mim ouviste, transmite a homens de confiança, ... para que transmitam a outros..., conheci o MDA, e fui membro da Ass de Deus por mais de 20 anos, lá é aceita a Cristo, e sobreviva se conseguir, no MDA é venha, eu te ajudo a seguir a Cristo, você não está só.
Jesus ensinou relacionamentos... isso é MDA. AFF a pessoa usa um espaço desse para escrever sem saber o que.

Anônimo disse...

As pessoas nem falam mais assim: Graças a Jesus minha vida mudou. Dizem graças ao MDA. Pessoal vamos ler a bíblia. Ninguem pode por outro fundamento além daquele que está posto, isto é Cristo Jesus. Vamos deixar de ser néscios e meninos na fé. Cristo é o centro. O caminho é Cristo. Tudo é por Cristo. Tudo foi feito por Cristo e tudo é para Cristo.
Passo mal quando dizem :"Passar a visão". Quando na verdade o discurso verdadeiro é: Arrependam-se, pois é chegado o reino dos céus. Analisem se estão servindo a Cristo ou a uma ideologia. Ficar numa igreja por causa de homens é errado. Deus disse : A minha glória a outro não darei.

Anônimo disse...

Pelos comentários acima, percebe-se o nível de lavagem cerebral feito na cabeça das pessoas dentro do MDA e afins... Ninguém deve ser discípulo de ninguém, pois há apenas um mestre, Jesus. Isso beira ao fanatismo religioso, o que distância muito do que Jesus queria. Somos todos corpo, sendo um único cabeça. Não há mestres e discípulos e sim, irmãos na fé.

Kalebe Piragine disse...

oláá!! a paz! por favor, revejam os alicerces que estão baseando seus argumentos sobre o MDA, existem sim muitas falhas, mas não foi citada nenhuma neste texto, e sim uma distorção da teoria. talvez não por rebelião, mas por falta de conhecimento. e peço que releiam e peçam ajuda do Espirito Santo quanto a passagem de Mateus 13, pois não foi está a mensagem na parábola.
GRAÇA E PAZ!

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Piragine,

Para mim, o erro está justamente em supervalorizar o discipulado, que deve ser apenas valorizado, em vez ser considerado o suprassumo do Evangelho. Ademais, escrevi vários textos sobre MDA, abordando diversos desvios do Evangelho.

Em Cristo,

CSZ

Tainá Caldas disse...

Concordo plenamente com você, Ciro, até mesmo porque faço parte de uma igreja em células oriunda do MDA e já fiz parte de igreja tradicional.
A igreja tradicional muitas vezes peca na fragilidade do ensino bíblico (condicionando os membros a conservarem um pensamento tradicional e nao crítico e bíblico).
Maaas a visão celular torna-se pior porque SEMPRE fragiliza a formação bíblica, conservando agrupamentos de células alimentadas nos relacionamentos e na água com açúcar bíblico, e na "visão", que querem Jesus mas não querem conhecer sua palavra.

Eliseu Alves disse...

buscando algo sobre o MDA, deparei com este blog, e tirei alguns minutos para ler, e ficou pensando como alguém que tem todo este currículo é tão ignorante a verdade do evangelho, meu Deus, entendo por Jesus fez tal indagação " Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque ocultaste estas coisas aos sábios e instruídos e as revelaste aos pequeninos", pois quando veja alguém criticando o que desconhece, ou faz da critica sua ambição de estudo de um método de trabalho, para gastar horas, dias semanas, meses estudando um grupo, não fica longe da testemunha de Jeovás que vivem para isto. Me pergunto o que faz alguém gastar seu tempo fazendo isto? porque tal pessoa não gastou este tempo visitando, evangelizando, usando seu tempo útil já que é a ordem é para remir o tempo, fico revolta, com isto, creio que tais pastores são homens não vocacionados, são oportunistas que não se deram bem na vida secular, e vem para dentro do reino de Deus viver da critica. Paulo disse que o importante é que o evangelho seja pregado, e Deus já determinou o tempo onde a obra de cada um vai ser avaliada, Deus não nos chamou para ficar avaliando obra de ninguém, já existe o tribunal de Cristo.
Outra coisa impostante a ser ressaltada igreja só existe para fazer o IDE, e fazer discípulos, me responda onde Jesus mandou fazer membro de igreja, e quando Paulo falou de membro do corpo, não precisa ressaltar que no corpo todos tem função.
Sou Neto de pastor da Assembléia de Deus, e foi fundador de várias assembléia de Deus em vários lugares do brasil, por favor vai trabalhar para o reino, não esqueça que a vida tem hoje é para viver segundo Cristo, Jesus empregou o seu tempo fazendo discípulos. desculpe o amigo ai esta fazendo o trabalhos dos fariseus que viviam para atrapalhar o ministério de Jesus. Deixa que o dia do Senhor revelará a obra do Senhor, por favor me diga onde Jesus te chamou para avaliar a obra de alguém? outra coisa recentemente o Pastor Silas Malafaia elogio o trabalho do MDA na tv, ao vivo.

Anônimo disse...

buscando algo sobre o MDA, deparei com este blog, e tirei alguns minutos para ler, e ficou pensando como alguém que tem todo este currículo é tão ignorante a verdade do evangelho, meu Deus, entendo por Jesus fez tal indagação " Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque ocultaste estas coisas aos sábios e instruídos e as revelaste aos pequeninos", pois quando veja alguém criticando o que desconhece, ou faz da critica sua ambição de estudo de um método de trabalho, para gastar horas, dias semanas, meses estudando um grupo, não fica longe da testemunha de Jeovás que vivem para isto. Me pergunto o que faz alguém gastar seu tempo fazendo isto? porque tal pessoa não gastou este tempo visitando, evangelizando, usando seu tempo útil já que é a ordem é para remir o tempo, fico revolta, com isto, creio que tais pastores são homens não vocacionados, são oportunistas que não se deram bem na vida secular, e vem para dentro do reino de Deus viver da critica. Paulo disse que o importante é que o evangelho seja pregado, e Deus já determinou o tempo onde a obra de cada um vai ser avaliada, Deus não nos chamou para ficar avaliando obra de ninguém, já existe o tribunal de Cristo.
Outra coisa impostante a ser ressaltada igreja só existe para fazer o IDE, e fazer discípulos, me responda onde Jesus mandou fazer membro de igreja, e quando Paulo falou de membro do corpo, não precisa ressaltar que no corpo todos tem função.
Sou Neto de pastor da Assembléia de Deus, e foi fundador de várias assembléia de Deus em vários lugares do brasil, por favor vai trabalhar para o reino, não esqueça que a vida tem hoje é para viver segundo Cristo, Jesus empregou o seu tempo fazendo discípulos. desculpe o amigo ai esta fazendo o trabalhos dos fariseus que viviam para atrapalhar o ministério de Jesus. Deixa que o dia do Senhor revelará a obra do Senhor, por favor me diga onde Jesus te chamou para avaliar a obra de alguém? outra coisa recentemente o Pastor Silas Malafaia elogio o trabalho do MDA na tv, ao vivo.

Anônimo disse...

Amado Colega pastor :

Sou pastor presidente de uma Igreja batista no - Rj de linha tradicional ( CBB - convenção batista brasileira )e posso afirmar como Batistão " não aceitamos qualquer coisa sem antes analisar em todas as esferas do conhecimento bíblico.

Em conjunto com a nossa convenção- CBB e depois de 4 anos de debate com homens de renome no Cenário Teológico Brasileiro como Luiz Saião ( diretor do centenário seminário Teológico Batista do Sul do Brasil- STBSB na Tijuca -RJ e o Teólogo Batista Russel shedd , aprovamos o MDA para serem utilizadas se as igrejas desejassem optar pelo modelo.

O MDA por ser um modelo de crescimento de Igreja coerente , bíblico e não "conflitar " com as nossas convicções doutrinárias .

Só com uma observação importante não utilizo em minha Igreja o modelo MDA !
O motivo é que nosssa Igreja em constante crescimento com o modelo tradicional não acho prudente mudar o que está dando certo , porem apoio aqueles colegas pastores que necessitam de odres novos para levar com excelência o evangelho vivo de Cristo utilizarem o MDA .

veronica ritter disse...

GOSTARIA D MAIS INFORMAÇÕES SOBRE O MDA!
rodrigo-ritter@ig.com.br

Unknown disse...

MDA é ou vc tem o pensamento em ser líder ou simplismente não serve... Muita pressão e sempre o discipulador tem razão o discípulo nunca tem o direito de expressar sua opinião pois no contrário e um REBELDE!!!

Anônimo disse...

MDA- Só ler as obras do pde.José Maria Escrivá, o modelo do MDA, é uma copia deste modelo criado por este padre, depois muitos aderiram como diversos nomes, G12 e agora recentemente o MDA.Primeiro , conheça bem a obra deste padre, leia os seus livros, e veja se os que estão vivenciando o modelo de MDA.Em minha opinião, que conheço bem, estive neste modelo desde que ele começou, posso confessar que amei, descobri um novo metodo de vida, mas, com o decorrer do tempo, pude ver como não funcionava, enfim, não funciona mesmo.Além, de começar a estudar e abrir a minha mente,percebi que existe heresias tantas quantas outras seitas.Basta conhecer um pouco de network marketing, vai perceber que é marketing, e não evangelho.Enfim, é minha opinião, e creio que mais tarde veremos os estragos como está acontecendo e BOGOTÁ, com este modelo.

Verdade sobre seitas e heresias disse...

Isso é o que vi nessa denominação