segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

#ProntoFalei — quer gostem, quer não (2)

Algumas pessoas têm me perguntado por que gosto de empregar #ProntoFalei, #FicaADica, etc. no fim de meus textos. Ontem, inclusive, uma irmã foi um pouco mais incisiva: “Pastor, essa expressão 'prontofalei' é ridicula demais. Nao dá para melhorar?”

Bem, antes de eu explicar por que uso tais expressões — na verdade, explicarei o que a maioria já sabe —, preste atenção ao parágrafo abaixo. O título “levitas” refere-se exclusivamente aos israelitas da tribo de Levi que trabalharam no Tabernáculo e, posteriormente, no Templo. #Fato. “Levitas” nada têm a ver com a Igreja Cristã. #FicaADica. Mas, diante dessa constatação, por que há pessoas que insistem em veterotestamentarizar o culto neotestamentário? #ProntoFalei.

No parágrafo acima empreguei três hashtags muito usadas nas redes sociais. Para quem não sabe, tags são palavras-chave, etiquetas, e hashtags são as antecedidas pelo símbolo #. Há etiquetas gerais e específicas. As que eu citei são gerais, mas há outras, usadas em ocasiões especiais: #ChangeBrazil, por exemplo, foi muito empregada na época dos protestos nas ruas, em junho do ano passado.

Por que emprego hashtags? Porque elas são hiperlinks nas redes sociais e ativam o mecanismo de busca. Ou seja, se alguém clicar na etiqueta #Fato, por exemplo, terá acesso a todas as publicações contendo essa marcação. Mas costumo, também, acrescentar um comentário irônico após as hashtags. #ProntoExpliquei — e creio que agora todos entenderam porque uso esse recurso tão “ridículo”... #Risos.

Ciro Sanches Zibordi

Um comentário:

Euler lopes disse...

Paz pastor Ciro!Em um dos meus comentário concernente a sua pessoa, eu usei o termo, "contundente" em lugar de "convincente"! Por favor, desconsidere o termo.

Paz!