sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Desigrejadores, desigrejados e simpatizantes não querem obedecer

Os DDS (Desigrejadores, Desigrejados e Simpatizantes) — torcendo o texto de 1 Coríntios 12.29 e outros que mostram claramente a hierarquização feita por Deus, não para que uns sejam melhores que outros, e sim para que haja ordem na igreja — dizem que não existe hierarquia eclesiástica. Para eles, todos devemos nos comportar como irmãos. E, quando fazemos isso, ninguém deve nem precisa se submeter a líder nenhum.

Bem, se na Igreja primitiva não havia hierarquia, como afirmam os DDS, por que o apóstolo Pedro, conforme Atos 2.14-36, tomou a palavra no dia de Pentecostes e explicou à multidão o que estava acontecendo? Se não existia diferenciação de cargos entre os membros, qualquer um podia ter falado. Mas, por que Pedro falou? Porque gostava de falar? Não! Ele falou porque, naquela ocasião, ele era o líder da igreja em Jerusalém. E sabe quem o colocara como tal? O Senhor Jesus, antes de ascender ao céu (Jo 21.15-17). Quem disse, mesmo, que não existe pastor no Novo Testamento?

O próprio Senhor Jesus repreendeu o pastor frouxo da igreja local em Tiatira (na província da Ásia, na Ásia Menor) em razão de ele não exercer com firmeza a liderança que lhe fora divinamente confiada (Ap 2.20). Mas os DDS têm ignorado o que está escrito em Hebreus 13.17: “Obedecei a vossos pastores e sujeitai-vos a eles; porque velam por vossa alma, como aqueles que hão de dar conta delas; para que o façam com alegria e não gemendo, porque isso não vos seria útil”.

Como já disse, foi o Senhor quem colocou o apóstolo Pedro como pastor na igreja em Jerusalém, antes de ser assunto ao céu: “Apascenta as minhas ovelhas” (Jo 21.17). Embora haja pastores não-chamados por Deus, “apóstolos” e “bispos” enganadores no mundo, Jesus não tem compromisso com estes (Mt 7.15-23). Ele, na verdade, edificou a sua Igreja (Mt 16.18) e tem posto pastores nas congregações (Ef 4.11). E isso Ele faz desde os tempos do Antigo Testamento: “E vos darei pastores segundo o meu coração, que vos apascentem com ciência e com inteligência” (Jr 3.15).

Ciro Sanches Zibordi

6 comentários:

Joas Silva disse...

Amado pastor acho que houve um erro de digitação na referência de Jo. 20:15-17. Não seria Jo. 21:15-17?

JERRI Adriane disse...

O irmão podia escrever sobre lideres que se apropriam indevidamente do patrimonio da igreja, que vivem como se fossem donos de "um negócio", lideres que hajem como verdadeiros lobos, roubando, mentindo a seus liderados, não prestam contas das finanças da igreja a ninguém etc, etc.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Jerri Adriane,

Já escrevi muito sobre esse tipo de erro. O irmão que não viu. Agora estou escrevendo sobre os erros de pessoas insubmissas, que se consideram donas da verdade e não querem se submeter às autoridades estabelecidas por Deus.

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

É verdade, Joás.

Vou consertar. Grato.

CSZ

Reginaldo Barbosa disse...

A Paz do Senhor pastor.

Admiro seus escritos, mas creio que antes de atirarmos pedras nos "desigrejados", seriam conveniente sabermos os motivos por que estes deixaram de frequentar alguma denominação.

Em Ezequiel 34, Deus mostra o perfil de alguns pastores que Ele mesmo pôs sobre o seu rebanho. Não obstante, eles passaram a pastorear a sí próprios, comendo a lã e a gordura das ovelhas do Senhor. Não fosse o bastante, esses pastores ainda contavam com a ajuda de algumas ovelhas "gordas" que os apoiavam em seus delitos. Estas ainda comiam a melhor grama e pisavam o resto para que outras não comessem; bebiam águas cristalinas e elameavam as fontes para as outras não beberem. Por fim, davam chifradas e empurrões forçando as ovelhas do Senhor a saírem do Aprisco. Será que não acontece o mesmo hoje nas igrejas?

Mas, o verdadeiro pastor Jesus, disse que todos os que vieram antes dele foram ladrões e salteadores, pois o ladrão veio somente para roubar, matar e destruir (João 10:10). E esse ladrão não é o diabo como muitos pregadores citam, mas sim falsos pastores que estão no meio do rebanho a roubar e matar, como fizeram a mim e minha família que servimos a Assembleia de Deus por 25 anos com fidelidade.

Apesar de não ser aceito na Assembleia, não me considero desigrejado, pois, entendo que igreja é ser chamado para fora. Hoje estou fora do sistema, mas vivendo como igreja e falando a verdade que dentro das igrejas fui impedido de falar.

Em alguns casos, importa mais obedecer a Deus do que aos homens. Foi o que Pedro disse ao sumo-sacerdote que era a maior autoridade espiritual entre os judeus.

Abraços.

DANNILO STELIO disse...

Ao contrário do que parece, o presente artigo não está jogando pedra nos desigrejados, como alguém erroneamente pode pensar.

Está sim, apontando um problema e possíveis linhas de estratégia de se lidar com ele.

Mais importante do que saber POR QUÊ alguns saíram de sua denominação, é saber POR QUÊ ainda não foram acolhidos em nenhuma outra.

Conheço muitas pessoas que deixaram minha denominação (AD Pioneira-Macapá-AP), mas ingressaram em outras, onde estão muito bem: batista, presbiteriana, comunidades evangélicas diversas, etc. Mas não conheço nenhuma delas que tenha decidido ser crente "de casa".

Afinal, existem milhares de igrejas evangélicas. Será que em nenhuma delas a pessoa encontrou guarida ? É um caso a se pensar...