sábado, 22 de dezembro de 2012

Conversei com o Papai Noel sobre o Natal e a Teologia da Prosperidade

Acabei de conversar com o Papai Noel! Acredite. Tentei o contato, inicialmente, por celular, mas o “Bom Velhinho” não o atende de jeito nenhum. Tentei contato por telefone fixo. E nada. Depois de muita insistência, consegui falar com um dos seus duendes assessores e agendei quinze minutos de conversa pelo Messenger. Noel, que ainda está no Polo Norte se preparando para visitar bilhões de residências em todo o mundo, a partir da meia-noite do dia 25 de dezembro, fez declarações surpreendentes, bombásticas, nesta entrevista exclusiva. Acompanhe.

CSZ: Grande Papai Noel, que prazer falar com o senhor! Tudo bem? Em primeiro lugar, como devo chamá-lo?

Papai Noel:
Ho, ho, ho! Boas festas! Gosto muito dos brasileiros! Eles não são como os alemães, que querem me trocar por São Nicolau... Em Portugal, eu sou o Pai Natal. Nos Estados Unidos, o Santa Claus. Aí no Brasil, a maioria dos meus seguidores me chama de Noel mesmo. Mas também gosto muito de ser chamado de Bom Velhinho.

CSZ: Ah, sim, Bom Velhinho... Noto que o senhor é bem diferente do Aniversariante, o Senhor Jesus, que — inexplicavelmente — é esquecido nesses dias de festas natalinas. Ele, quando veio ao mundo, foi chamado por um rapaz de bom, e disse que bom era Deus, dando toda a glória para o seu Pai...

Papai Noel:
Em primeiro lugar, para que continuemos a conversar, meu filho, me poupe dessas comparações, pois muitos gostam de me criticar nessa época. Já me falaram até que a pessoa citada — prefiro não mencionar o seu nome — é o verdadeiro Aniversariante e tem o melhor presente, só porque declarou: “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida”. Por favor, não me compare com Ele. Eu sou bom porque faço a alegria das crianças, e elas me adoram! E não são apenas elas que me adoram. Aliás, os meus principais adoradores são os adultos!

CSZ: Desculpe-me... Mas, e as crianças miseráveis do continente africano, do Brasil... O que o senhor tem feito por elas?

Papai Noel: Ho, ho, ho! Você acha que eu tenho tempo para os pobres? Não sou como certo Belemita, que viveu numa pobre cidade chamada Nazaré e tinha prazer em ajudar os pobres. Eu até fico penalizado com as crianças pobres, pois elas acreditam mais em mim que as ricas. Mas é a vida, meu filho. Temos de agradar aqueles que podem nos dar alguma coisa em troca.

CSZ: Como assim, Papai Noel? Essa sua mentalidade parece a mesma dos pregadores da Teologia da Prosperidade. O senhor também propaga essa falácia?

Papai Noel: Oh, sim! Ho, ho, ho! Eu sou o próprio deus dessa teologia! E os pregadores dessa teologia são os meus servos...

CSZ: O quê?

Papai Noel: Isso mesmo. As pessoas que seguem à Teologia da Prosperidade me cultuam, mesmo sem ter consciência disso.

CSZ: Sim, eu sei que muitas criancinhas creem que o senhor lhes traz presentes, mas nunca imaginei que se considerasse um deus...

Papai Noel: Ho, ho, ho! Você não conhece nada a meu respeito. As crianças não são as minhas verdadeiras seguidoras. Elas vivem no mundo da fantasia e acreditam ingenuamente em mim. Mas os meus verdadeiros seguidores são pessoas adultas, interesseiras, que vão a templos evangélicos, não para cultuar o Belemita, o Nazareno, do qual elas se dizem discípulas. Elas só querem receber presentes. E, com isso, as minhas igrejas-negócios só crescem!

CSZ: E o senhor dá a essas pessoas o que elas realmente sonham?

Papai Noel: Ora, você acredita em Papai Noel? Ho, ho, ho! Na verdade, elas se iludem, e algumas delas acabam sendo abençoadas pelo Belemita, que se compadece delas. Pena que elas não reconhecem isso. Preferem dizer que as suas vidas mudaram porque foram à igreja tal, participaram da campanha tal, conheceram o apóstolo fulano de tal... Dificilmente glorificam o Homem de Nazaré.

CSZ: Eu não acredito que o senhor está enganando essas pobres pessoas sonhadoras... Quem é o senhor, de fato?

Papai Noel: Como eu já lhe disse, por um lado estou nas fantasias das crianças. Não sou real. Por outro, estou no coração de muitos que se dizem seguidores do Belemita, porém seguem aos ensinos dos meus liderados, que se apresentam com títulos variados: patriarcas, bispos, apóstolos, conferencistas internacionais... É claro que existem os verdadeiros representantes do Homem de Nazaré, os quais se levantam contra a minha obra, mas eles são minoria.

CSZ: Mas, Noel, o senhor está enganado. Nessa época do ano, a maioria dos cristãos se opõe ao senhor e verbera contra coisas pagãs, como árvore de Natal, Papai Noel, etc. Todos nós sabemos que você nada tem que ver com o verdadeiro sentido do Natal.

Papai Noel: Ho, ho, ho! Aí é que você se engana. Alguns pais são tão rigorosos, a ponto de proibirem as pobres criancinhas de tirar fotos com aquele exemplar de Papai Noel no shopping center. Eles tiram delas a alegria de abraçar um velho fofinho, simpático e sorridente. Mas, na verdade, eles — paradoxalmente — me cultuam.

CSZ: O senhor pode explicar melhor como isso ocorre?

Papai Noel: Claro. Eu me aproveito das necessidades das pessoas e do fato de elas serem, por natureza, interesseiras. Por exemplo, é difícil ouvir cristãos dizendo que vão aos cultos para adorar o Nazareno. Antes, afirmam: “Hoje eu vou lá buscar a minha bênção”. E, quando chegam ao templo, os meus liderados tiram proveito disso, massageando os seus egos e lhes dizendo que a vitória financeira e a realização de todos os sonhos estão garantidas, pois o seu deus (no caso, eu), que sonhou todos os sonhos deles, está ali para mudar as suas histórias. Conclusão: todos participam de campanhas para receber prosperidade e a unção financeira dos últimos dias.

CSZ: Quer dizer que o senhor também está por trás dessa polêmica unção financeira?

Papai Noel: Olha, meu filho, se é polêmica, eu não sei. Só sei que o Natal dos meus liderados será gordo! Ho, ho, ho! Alguns têm comprado até jatinhos! Eles estão melhores do que eu, pois ainda estou andando de trenó...

CSZ: (Não acredito que estou lendo isso!) Papai Noel, por favor, uma última pergunta, pois eu sei que o senhor está se preparando para visitar muitas casas à meia-noite do dia 25...

Papai Noel: Sim, é verdade. Mas visitarei também inúmeras igrejas evangélicas para entregar aos meus seguidores várias “caixas de presente”. Antes que você pergunte, essas “caixas” são, na verdade, as palavras de vitória que os meus liderados dizem aos pobres sonhadores, nessa época: “Você nasceu para vencer”, “2013 será o ano da colheita”, “A sua história mudará”, “Ouse sonhar”...

CSZ: Bem, finalizando, muitos estão preocupados em condenar o lado fantasioso e consumista do Natal: árvores, enfeites, fotos com Papai Noel no shopping, ceia de Natal, troca de presentes... E o senhor me mostrou que existe um problema muito maior: um culto tácito, indireto, ao deus Papai Noel. Mas, por que o senhor faz questão de iludir as pessoas?

Papai Noel: Na verdade, meu filho, eu estou a serviço do príncipe deste mundo, também conhecido como o deus deste século, e ele odeia o Belemita. O maior prazer do meu chefe é afastar as pessoas, mesmo as que estão dentro das igrejas, do verdadeiro sentido do Natal.

CSZ: Ah, entendi... Agradeço-lhe, senhor Noel, pela importante e reveladora entrevista que nos concedeu. Deixe uma palavra para os internautas.

Papai Noel: Continuem acreditando em mim! Ho, ho, ho! Mas não digam “Feliz Natal” ou “Merry Christmas”! Não digam nada que faça as pessoas se lembrarem do Menino de Belém. Digam apenas “Boas Festas” ou “Happy Holidays”.

Ciro Sanches Zibordi

16 comentários:

Nerly Nunes disse...

Ora, meu amigo e irmão Ciro, no ano passado o senhor fez discursos em seu blog em defeso do bom velhinho...Porque agora, mudou de ideia? Fiquei surpreso com esse texto, que aliás, está muito bom!!

Luiz Henrique disse...

Lendo o livro "Evangelhos que Paulo Jamais Pregaria" do Pr. Ciro, acabei por diagnosticar a denominação que faço parte como propagadora dos "evangelhos" farisaico, empirista, antropocêntrico e da prosperidade. Já vinha inconformado com várias coisas que via e ouvia. Mas foi através da leitura dos livros do pastor, que tive uma visão mais ampla e aprofundada sobre os "outros evangelhos" que são propagados em nossos dias. Estou orando ao Senhor; buscando Sua direção. Quero cultuar ao nosso Deus numa congregação onde Ele realmente seja o centro de tudo. Deus te abençõe pastor Ciro, sou grato a Deus pelo conhecimento do vosso ministério. Glórias a Jesus!

João Ricardo Pinto disse...

A paz pr. Ciro.

Gostei do artigo. Nem sempre concordo com tudo o que escreve, mas tenho apreciado o seu trabalho.

Que Deus continue te guardando e usando.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Nerly,

Leia o artigo com atenção... Aliás, eu nunca defendi Papai Noel. Eu apenas combati o legalismo farisaico. Neste ano, eu reafirmei isso em outros artigos e reafirmei na entrevista com o "bom velhinho". Fiquei feliz com o retorno. Um grande abraço.

CSZ

pr. Jonatas de Oliveira disse...

Bem!!! O pr Ciro Não tem medo de polêmica nem de ser amaldiçoado pelos pregadores da prosperidade!

Newton Carpintero, pr. e servo. disse...

Amigo e nosso pr. Ciro Zibordi,

A paz amado!

OH! OH! OH!

O Senhor seja contigo neste ATALAIAMENTO,

O menor dos teus irmãos.

Anônimo disse...

Alguns não entenderam a mensagem!

Cesar Ricardo Bonet Medina disse...

Muito bom o Artigo Pr Ciro. Posso reproduzi-lo em meu blog?

Grande abraço.

Cesar Ricardo Bonet Medina disse...

Pr Ciro, a Paz do Senhor!!!
Gostei muito da entrevista do "bom velhinho", posso reproduzi-la em meu blog?
Gosto muito de ler seus artigos, quando fui líder de jovens usei o seu livro Adolescentes S/A como guia para orientar a juventude através de palestras.
Abraços

DD disse...

ahahah muito bom e verdadeiro

Mateus Emilio Mazzochi disse...

A Paz do Senhor pastor Ciro, excelente texto retrata muito bem nossa realidade de coar mosquitos e engolir camelos. Peço que Deus continue te abençoando.
http://mateusemiliomazzochi.blogspot.com.br/

João Paulo disse...

Caro pastor,

A paz do Senhor!

Talvez, o irmão não tenha tanta noção de quanto suas postagens são esclarecedoras para seus leitores. Elas, geralmente, são equilibradas, lógicas e avalizadas pelas Escrituras. Parabéns! Deus seja louvado!

João Paulo M. de Souza
www.joaopaulomsouza.blogspot.com

Tiago Rosas disse...

Prezado Nerly Nunes,

Acho que o amado não entendeu a fictícia entrevista do Pr. Ciro com o Papai Noel. Eu diria que nessa conversa o que se pretende é mostrar o outro lado da moeda, para aqueles que insistem em criticar o paganismo do natal secular, mas esquecem que eles mesmos vivem presos a um sistema contínuo de consumismo e idolatrias, até mesmo nos círculos gospel.

Gostei!

HERIVELTON MARCULINO disse...

E haja criatividade. Muito original, assim que li o título, disse: "Só podia ser o Ciro".
Além de tudo isso, muito edificante.

Plabyo Geanine disse...

Sensacional!!!

Parabéns partor, sou frequentador assídou do blog e seus ensinamentos só edificam.

Louvado seja Deus por sua vida.

T.Mendes disse...

Pastor ciro, sei que não é do tema, mas adquira uma revista Betel ebd 1º trimestre 2013, na lição 02 o autor diz que a importância do ensino é para prosperidade e longevidade. Bem,analise os comentários que fiz para o ensino na escola já que se trata de um veículo em milhares de Madureiras espalhadas no País e achei um pouco distorcido:
A revista terá temas polêmicos e como não demonstra base em algumas lições, respeitando o autor, encontra-se superficial, então vamos estudá-la mais de perto?

Iniciarei adiantando a lição de número 02 , ok, pois chama muito a atenção as colocações do autor. Vamos lá, inicialmente já enxerguei:



Como aluno, faria as seguintes perguntas após ler a revista e como professor , ressaltava:

subitem 1.1 Vale a complementação das passagens de 1 Tm 1.3 - 5 e 4.1 - 6,13,14. Faltou a ênfase da importância. Hb 12.14 "Esforcem-se... para serem santos; sem santidade ninguém verá o Senhor." Não cita a importância do ensino nesse sentido. Após um verdadeiro arrependimento, nada melhor que o ensino para santificação. Lembrando que o ensino deve conduzir a submissão e vontade de Deus e não ao orgulho devido ao conhecimento Jr 8.8.

Subitem 1.2 - Em se tratando de disponinilidade de tempo na programação da Igreja Institucional, atualmente de forma geral, as Assembléias de Deus atendem a responsabilidade do ensino em que são biblicamente destinadas a esse fim? Em caso negativo, o que seria ideal na programação?

Subitem 1.3 - Neste subitem, como ficaria então a situação daquelas famílias em que apenas um adolescente ou jovem aceita Jesus Cristo e convívi em casa com ímpios sem que haja ninguém dessa família para educá-lo com ensinamentos cristãos? O autor esqueceu que na membresia não tem somente "berço evangélico" concorda? Alguém ficou de fora nesse subitem...

Subitem 2.2 - Novamente o membro que é único na família não recebe ensino cristão de ninguém. O autor exclui, vamos dizer assim ou esqueçe, dessa situação colocando limitações.

Item 3 - Subitem 3.2 - Não tem motivo bíblico de hoje o ensino objetivar longa vida nessa terra ou mesmo como consequência. Por amor ao evangelho poderemos perder nossa própria vida!!!!!!!!!

Subitem 3.3 Jamais devemos incentivar o ensino avisando que ao aprender seremos prósperos materialmente.Isto é o evangelho da prosperidade que será tema da lição 09. O autor poderia relatar que a consequência do ensino eram de que faria-nos resistir as tentações, santificando-nos diariamente, e vacinados contra falsos ensinos, principalmente nos últimos dias. Vejam em 2 Tm 4.1,2.

É provável que alguém nas ebd espalhadas pelo País ,citem a passagem de isolada de Atos 4.13 alegando que João e Pedro eram homens comuns, não instruídos, para defenderem que não necessitam de se debruçarem nas escrituras ou ouvir ensinos e instruções. ocorre que os apóstolos por pelo menos três anos estiveram com jesus, aquele que habitava todo conhecimento até que anunciavam e Deus operava também em outras áreas interligadas, mas aprenderam antes através do ENSINO.

Vou ficando por aqui. São considerações iniciais para acrescentar a preparação da lição 02 a ser ministrada em 13 de janeiro de 2013.
Paz