segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Existe mandamento bíblico para celebrarmos o Natal?

Como tenho escrito vários artigos sobre o Natal de Cristo — aqui e nas redes sociais , um internauta argumentou: "Não existe nenhuma ordem bíblica para a celebração do Natal". Eu poderia ter repetido tudo o que já escrevi sobre o assunto ou simplesmente ter pedido a ele que lesse meus textos. Mas resolvi lhe fazer algumas perguntas.

Há alguma ordem bíblica para celebrarmos o nosso aniversário, fazendo um culto de ações de graça por mais um ano de vida e oferecendo bolo aos convidados? Existe mandamento específico para as mulheres casarem com vestido de noiva, branco, com véu e grinalda? Há ordem nas Escrituras para o homem casar de terno e gravata?

Existe ordem bíblica para o casamento ser realizado primeiro no cartório e depois no templo? Aliás, há mandamento específico que indique o local onde o matrimônio deva ser oficializado? Existe ordem nas páginas sagradas para os noivos fazerem uma recepção aos convidados e, depois, viajarem em lua de mel?

A Ceia do Senhor é uma ordenança do Senhor Jesus. Mas onde está o mandamento para a celebrarmos de mês em mês ou a cada semana? Existe ordem bíblica para fazermos a Escola Bíblica Dominical? Há mandamento na Palavra de Deus para começarmos o culto às 19 horas, aos sábados, e às 18, aos domingos, por exemplo?

Existe mandamento bíblico para termos uma conta no Facebook ou no Twitter, ou para mantermos um blog? Há ordem de Deus na sua Palavra para eu escrever este artigo? Enfim, também não existe mandamento específico para celebrarmos o Natal.


Vale salientar mais uma vez que o Natal de Cristo precede e transcende qualquer tradição pagã adotada pelo romanismo. Sabemos que Jesus não veio ao mundo em 25 de dezembro, mas Ele nasceu! E, se há uma data convencionada para essa celebração, o cristão que se preza, além de glorificar ao Senhor por sua gloriosa obra expiatória, deve aproveitar esse acontecimento para apresentar o Evangelho ao mundo.


Celebrar o Natal de Cristo 
— repito — é lícito e conveniente, visto que a obra redentora abarca a encarnação do Verbo, a sua morte vicária e a sua ressurreição para a nossa justificação. Além disso, reitero que o Natal é uma festa cristã, celebrada por anjos e pastores, na primeira noite natalina (Lc 2.8-20), e pela família do Senhor, em sua casa, juntamente com sábios do Oriente, cerca de dois anos após seu nascimento (Mt 2.1-16).

Amém?


Ciro Sanches Zibordi

5 comentários:

Newton Carpintero, pr. e servo. disse...

Amigo e nosso pr. Ciro Zibordi,

A paz amado!

AMÉNZÃO!

O Senhor seja contigo, nobre atalaia,

O menor de todos os seus irmãos.

Luciano de Paula Lourenço disse...

Muito bom o teu argumento, pr. Ciro! O problema que há hoje com relação ao Natal é a nossa atitude com relação a esta festa solene, comemorada por mais de um bilhão de pessoas em todo mundo! Sem dúvida, a maior festa do planeta!
Quando se pensa em Natal se pensa nas lojas decoradas, nos grandes centros do comércio enfeitados, nas agitações febril das compras, nas trocas de presentes, nas confraternizações, nas ceias regadas de comidas e bebidas gostosas, em cardápios requintados, no velho.
Embora essas coisas sejam boas em si mesmas e promovam confraternização, congraçamento, estreitamentos dos laços fraternais e familiares, este na verdade não é o centro principal do Natal de Jesus Cristo.
O Natal é muito mais do que festa! É muito mais do que gastronomia! É muito mais do que trocas de presentes! E muito mais do que uma árvore de Natal enfeitada e circulada por pacotes de presentes! É muito mais do que um cartão de Natal que se envia para outra pessoa! É muito mais que a compra de presentes ou até mesmo uma celebração festiva dentro das igrejas cristãs.
O Natal de Jesus Cristo deveria estar centralizado na Pessoa preciosa e Bendita de Jesus Cristo, o Filho de Deus. Que sendo Deus se fez homem. Sendo Senhor se fez Servo. Sendo infinito, criador dos céus e da terra entrou na nossa história, se fez carne, habitou entre nós cheio de graça e de verdade. Sendo Ele rico, dono do ouro e da prata se fez pobre, nasceu como uma criança pobre, deitou num berço pobre, de uma família pobre, de uma cidade pobre, viveu, cresceu e trabalhou como um homem pobre numa carpintaria, não tinha um barco para fazer dele o seu púlpito, precisou emprestá-lo, não teve um jumento sequer para entrar em Jerusalém e precisou emprestá-lo. Ele não tinha aonde reclinar a sua cabeça! Mas, sendo rico se fez pobre para nos enriquecer não com riqueza material, mas com riqueza espiritual. A Bíblia diz que agora somos abençoados com toda sorte de bênçãos em Cristo Jesus nas regiões celestes.
A atitude correta com relação ao Natal de Jesus deve ser a mesma dos magos: adorar com máxima reverencia o Aniversariante - “E, entrando na casa, acharam o menino com Maria, sua mãe, e, prostrando-se, o adoraram; e, abrindo os seus tesouros, lhe ofertaram dádivas: ouro, incenso e mirra “(Mt 2:11). Infelizmente, não é o que vemos hoje nesta época, mesmo entre aqueles que cristãos dizem ser.
Precisamos, portanto, resgatar o verdadeiro sentido do Natal e devolve-lo a seu verdadeiro dono: Jesus Cristo, nosso Salvador!
Um abraço!

George Gonsalves disse...

Confesso que me irrita este "purismo" bíblico que rejeita o natal, por ser "pagão". O natal é uma festa linda e sua razão de existir não é outra senão o nascimento de nosso Senhor. A igreja organiza muitas festas que não são bíblicas como: aniversário de fundação, dia da Bíblia, dentre outras. Um abraço, pr. Ciro.
www.gracaesaber.com

T.Mendes disse...

A Paz Pastor,
Tiago 5.7,8 chama atenção da proximidade da vinda. Cada dia o seu mal, disse Jesus. Uma hora Cristo vai voltar e seja qualfor o momento, esse momento vai ser sempre antes de um próximo Natal. Um momemto anual para cristãos comemorarem o nascimento. TODOS os dias deveríamos nos procupar com sua vinda e deixarmos para celebrar sua existência de "eternidade a eternideade" nas bodas do Cordeiro. Será que o mundo vai continuar comemorando natal no período da tribulação?
A PAZ A TODOS

Gabriel Félix disse...

Excelente a argumentação!