terça-feira, 7 de agosto de 2012

A Bíblia afirma que o mundo não acabará em 2012?

Casei em 21 de dezembro de 1991. À época, minha esposa e eu não sabíamos que o calendário maia terminaria nessa mesma data. E, se acreditássemos em profecias sobre o fim do mundo, talvez tivéssemos mudado a data de nosso casamento. Afinal, para muitos o mundo acabará em 2012, exatamente no dia 21 do último mês deste ano! Brincadeiras à parte, há algum fundamento na notícia alarmante de que o mundo chegará ao fim em 2012?

Roland Emmerich, no filme-catástrofe 2012 — estrelado por John Cusack, Danny Glover e Woody Harrelson (Columbia Pictures, 2009) —, tomou como base o fim do calendário maia para afirmar que grandes catástrofes ocorreriam em vários lugares, gerando um colapso global e ocasionando a destruição da Terra. Sua mensagem é clara: o mundo pode até não acabar tão cedo, mas precisamos nos preparar para isso. O filme mostra que ocorrerão, em breve, erupções solares e aquecimento do núcleo da Terra, provocando o deslocamento da crostra terrestre. Isso culminará em grandes emissões de materiais magmáticos de supervulcões, bem como em grandes terremotos em toda parte.

Conquanto o enredo de 2012 seja ficcional, o alerta de que o mundo poderá acabar em breve tem sido levado a sério por muitos cientistas. Discovery Channel, National Geographic e History Channel têm produzido documentários sobre a possibilidade de o fim do mundo acontecer nas próximas décadas. Além dos recentes terremotos no Haiti e no Japão, que deixaram muita gente atônita, ambientalitas estão preocupados com o crescimento da população global e a ação predatória do ser humano. O renomado cientista James Lovelock alerta: “Não se trata meramente de dióxido de carbono em excesso no ar nem da perda da biodiversidade à medida que florestas são derrubadas; a causa central é o excesso de pessoas, seus animais de estimação e gado — mais do que a Terra consegue suportar” (Gaia: Alerta Geral, Intrínseca, página 19).

Lovelock — formado em medicina, química e biofísica — descarta a ideia de que o mundo acabará em 2012. Mas defende a tese de que a Terra poderá ser destruída em pouco tempo: “A história da Terra e os modelos climáticos simples baseados na noção de uma Terra viva e reativa sugerem que são mais prováveis mudanças súbitas e surpresas [...]. Se o governo do Reino Unido persistir em forçar os esquemas dispendiosos e nada práticos da energia renovável, em breve descobriremos que quase tudo o que resta da nossa região rural será usado para a produção de biocombustível, geradores de biogás e parques eólicos de escala industrial — tudo isto no exato momento em que precisaremos de todo o campo existente para o cultivo de alimentos” (idem, páginas 20-30).

Outra preocupação apresentada pelo cientista é o aquecimento global: “A mera redução da queima de combustíveis fósseis, do uso de energia e da destruição de florestas naturais não será uma resposta suficiente ao aquecimento global, principalmente porque parece que a mudança climática pode acontecer mais rápido do que somos capazes de reagir a ela. E ela pode ser irreversível. Consideremos: o Protocolo de Kyoto foi elaborado há mais de dez anos e, desde então, parece que fizemos pouco mais que gestos quase vazios para deter a mudança climática” (idem, página 25).

Quanto a uma possível guerra nuclear, o cientista afirma: “Não demorará muito e poderemos nos defrontar com uma devastação de alcance planetário pior até que uma guerra nuclear ilimitada entre superpotências. A guerra climática poderia matar quase todos nós e deixar os poucos sobreviventes com um padrão de vida comparável ao da Idade da Pedra” (idem, página 44). Podemos ignorar a mensagem transmitida por um filme de ficção e até rir dela. Entretanto, o alerta de um cientista premiado, como James Lovelock — considerado pela revista Prospect um dos maiores intelectuais do mundo —, não deve ser desprezado.

Chegará, sem dúvida, o período que o Senhor Jesus chamou de a Grande Tribulação (Mt 24.29), em que males sem precedentes virão sobre a humanidade. Mas isso ainda não causará o fim do mundo. Após o período de grande aflição de sete anos, será estabelecido o Milênio (Ap 20.1-10). Somente depois desse período de mil anos de paz, em que a Igreja reinará com Cristo, o mundo chegará ao fim. Segundo a Palavra profética, “os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra, e as obras que nelas há, se queimarão” (2 Pe 3.10), dando lugar a um novo céu e uma nova terra (Ap 21.1). Segue-se que o servo do Senhor não precisa se preocupar com o fim. Afinal, se Jesus viesse buscar a sua Igreja hoje, o mundo só acabaria daqui a 1.007 anos!

O fim do mundo, propriamente dito, ocorrerá somente depois de vários eventos escatológicos previstos nas Escrituras: o Arrebatamento da Igreja, o Tribunal de Cristo, as Bodas do Cordeiro, a Grande Tribulação, a batalha do Armagedom, o Milênio, a última revolta de Satanás e o Juízo Final. Isso não significa que devemos ficar desapercebidos e ignorar o cumprimento profético e a bem-aventurada esperança (Tt 2.13). Em Mateus 24.3, vemos que os discípulos do Senhor Jesus, após ouvirem a sua predição de que o Templo em Jerusalém seria destruído — profecia que se cumpriu no ano 70 d.C. —, lhe fizeram uma indagação tripartida, a qual abarcou: (a) o futuro próximo: “quando serão essas coisas”; (b) o futuro remoto: “que sinal haverá da tua vinda”; e (c) o “fim do mundo”.

Considerar as três partes da pergunta dos discípulos é a chave para o entendimento de todo o plano escatológico descrito em Mateus 24, o qual apresenta sinais alusivos ao primeiro século, à Segunda Vinda e à consumação de todas as coisas. Ao ouvir o mencionado questionamento tríplice, o Senhor alertou: “Acautelai-vos, que ninguém vos engane, porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos” (Mt 24.4,5). Isso mostra que, nos dias que antecedem o Arrebatamento da Igreja, aumentará o número de enganadores (Mc 13.22; 2 Pe 2.1,2) e de seguidores do erro, inclusive entre os cristãos (2 Tm 4.3).

Depois do Rapto, entrarão em cena, em pessoa, o Anticristo e o Falso Profeta (Ap 13). Enquanto isso não acontece, inúmeros precursores desses agentes do mal têm agido no mundo (1 Jo 2.18; 4.1-3; 2 Pe 2.2). E não são poucos os propagadores de doutrinas falsas e falsificadas. Na mesma resposta à pergunta tripartida dos seus discípulos, o Senhor profetizou: “Levantar-se-ão muitos falsos profetas e enganarão a muitos” (Mt 24.11). A cada dia, aumenta o número dos lobos (At 20.29), que, com a sua aparência de piedade (2 Tm 3.5), se passam por ovelhas (Mt 7.15) e enganam os desavisados (Ef 4.14). Mas a Noiva já está pronta! Os salvos, preparados, estão fazendo a última oração da Bíblia: “Ora, vem, Senhor Jesus” (Ap 22.20).

Ciro Sanches Zibordi
Publicado no jornal Mensageiro da Paz, de julho/2012

6 comentários:

Anônimo disse...

Belo Texto. Parabéns, vc como sempre arrasa não é?

Pr. Ciro, tenho uma dúvida: Muitos dizem que a morada dos Santos será na Terra, mas sabemos pela ciência que a Terra e todo o Sistema solar morrerão dentro de mais ou menos 4 bilhões de anos. Esta data parece longa, mas sem falando em eternidade, não é né?

E aí o que o senhor tem a dizer.

Geane Morais - santarém -Pa.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Grato, Geane.

Um abraço.

CSZ

Elaine Cândida disse...

Ahan...

Eu concordo com suas palavras e também já fiz um comentário(zinho) lá no blog, sobre essa ideologia implícita no filme "2012", de que o mundo pode até acabar mas nós temos tecnologia e conhecimento suficiente para lidarmos com essa situação. Quanta prepotência, não?

Tá bem aqui, ó: <a href="http://teamomeujesus.blogspot.com.br/2012/01/uma-pessima-ideologia.html><b>Uma péssima ideologia!</b></a>

Passe por lá, se puder, Pr. Ciro! E nos abençoe com sua presença, que há muito tempo nos deixa saudade no blog.

Deus te abençoe ricamente em todo o tempo.

Abraço e linda semana para o senhor e sua família.

Elaine Cândida

Anônimo disse...

Mais uma vez parabéns por mais uma brilhante mensagem. Infelizmente hoje tem pastor se lamentando terrivelmente com relação aos erros grosseiros dos sensacionalistas de plantão. Quem achava que o Principe Charles seria o anticristo depois das olimpiadas, até agora estão profundamente se lamentando pela enorme burrada que cometeram. Ao invés de perderem tempo fazendo advinhações e especulações das mais absurdas na igreja, devem continuar pregando a verdadeira Palavra de Deus e crer somente nele que irá voltar para nos buscar pois está provado: quem perde tempo com pregações conspiratórias e sensacionalistas, perde o foco principal da igreja que é a salvação.

Clébio Lima de Freitas disse...

Amado pastor, o que você disse sobre o "fim do mundo" foi o que sempre imaginei depois de estudar a Bíblia. Só um complemento, nós cristãos estamos sendo irresponsáveis por não estarmos tentando preservar a Terra. Nós somos um corpo, entre poucas organizações hoje existentes, capazes de pressionar as autoridades a mudar de atitude. Provavelmente temos essa atitude porque achamos que se o mundo vai acabar, não adianta lutar pra preservá-lo. Um erro, já que se somos o povo de Deus, deveríamos sempre lutar pelo que é bom, doutra forma não tentaríamos avisar os pecadores do juízo vindouro... Na Bíblia, está escrito: "E iraram-se as nações, e veio a tua ira, e o tempo dos mortos, para que sejam julgados, e o tempo de dares o galardão aos profetas, teus servos, e aos santos, e aos que temem o teu nome, a pequenos e a grandes, e o tempo de destruíres os que destroem a terra." (Ap. 11.18). Temo e tremo em dizer que se somos de Deus, não deveríamos folgar com a injustiça (1 Co 13.6). Que Deus em Cristo nos transforme cada dia e nos impulsione para propagarmos a Verdade.

Em Cristo,

Clébio Lima de Freitas
Blog Chama Pentecostal

Júlia disse...

Pastor Ciro,
a paz do Senhor Jesus!
Parabéns pelos livros,artigos e mensagens.São de grandíssima valiosidades,oxalá houvesse mais homens de Deus preocupados em alertar e instruir o povo com tamanha seriedade.
Além da bíblia,já li vários livros e artigos a respeito do arrebatamento,os pré- tribulacionistas ,os tribulacionistas e os pós -tibulacionistas.Mas ainda tenho uma dúvida:
Haverá salvação durante a grande tribulação?
Abraço.