quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Quem são os nossos reais inimigos?


O cristão tem dois tipos de inimigos: os invisíveis e os visíveis. Os primeiros são as hostes do mal, e devemos nos opor a elas (Ef 6.10-18). Os outros são as pessoas que nos odeiam por algum motivo, as quais devemos amar (Mt 5.44).

É impossível não ter inimigos. O Senhor Jesus, o Homem perfeito, também os tinha, e a maioria deles o odiava por inveja. O Mestre nunca foi inimigo de ninguém, a ponto de chamar até o traidor Judas de amigo (Mt 26.50). 
Ele não impediu que o Iscariotes se fizesse seu inimigo. Mas, paradoxalmente, nunca desejou ser seu inimigo, objetivamente.

O verdadeiro cristão, que anda como Jesus andou (1 Jo 2.6), não se faz inimigo de ninguém e não odeia as pessoas que se lhe opõem. Afinal, segundo a Bíblia, os nossos reais inimigos são os invisíveis: principados, as potestades, as hostes espirituais da maldade, os príncipes das trevas deste século, e não as pessoas (Ef 6.10-12).

Lamentavelmente, há cristãos (cristãos?) elegendo, equivocadamente, seus vizinhos, colegas de trabalhos e até irmãos como inimigos. E alegam ter motivos “nobres” para alimentarem sentimento de vingança e se regozijarem com o aparente fracasso dos tais. Que tipo de vida cristã é essa?

Obadias profetizou numa época em que a cidade de Jerusalém estava sob o ataque violento da Babilônia. E os vizinhos de Jerusalém, os edomitas, estavam torcendo para que os exércitos inimigos os matassem e os destruíssem, como lemos em Salmos 137.7: “Lembra-te, SENHOR, dos filhos de Edom no dia de Jerusalém, porque diziam: Arrasai-a, arrasai-a, até aos seus alicerces”.

As seguintes palavras de escárnio e desprezo, constantes de Obadias v.12
, foram pronunciadas por parentes consanguíneos dos judeus: Mas tu não devias olhar para o dia de teu irmão, no dia do seu desterro; nem alegrar-te sobre os filhos de Judá, no dia da sua ruína; nem alargar a tua boca, no dia da angústia. Os edomitas eram descendentes de Esaú, irmão de Jacó. E, por isso, Obadias condenou os edomitas por se regozijarem com o sofrimento dos judeus.

Conclusão: os filhos de Edom, que pensavam estar comemorando uma vitória com sabor de mel, experimentaram, na verdade, uma derrota com sabor de fel: “Ah! Filha de Babilônia, que vais ser assolada! Feliz aquele que te retribuir consoante nos fizeste a nós! Feliz aquele que pegar em teus filhos e der com eles nas pedras!” (Sl 137.8,9).

Portanto, se alguém que nos tem prejudicado, de alguma maneira, está sofrendo, não devemos, como servos do Senhor, ter o prazer da vingança. As Escrituras nos ensinam: “Quando cair o teu inimigo, não te alegres, e não se regozije o teu coração quando ele tropeçar” (Pv 24.17).

Em vez de zombarmos do suposto fracasso de alguém, devemos manter uma atitude de compaixão e perdão, pois “Horrenda coisa é cair na mão do Deus vivo” (Hb 10.31). Afinal, o que estão buscando os crentes que cantam “Tem sabor de mel, tem sabor de mel” ao verem sofrendo o seu irmão (que eles consideram inimigo)?

Com temor e tremor,

Ciro Sanches Zibordi

8 comentários:

Pedro Henrique disse...

A Paz do Senhor, Pr. Ciro!

Realmente, devemos refletir sobre nossa conduta diária em relação aos nossos opositores e que tratamento temos dado às pessoas ao nosso redor. Nosso cristianismo será um fracasso de desprezarmos os princípios de Lucas 6.27-36.

Que Deus abençoe o senhor e tua família.

Abraços,

PH

alvinofsousa disse...

Olá, pastor! Quero sua permissão para compartilhar esta sua palavra com alguns amigos meus, tanto do facebook, quanto do orkut, os quais destilam vinganças por essas redes. O meu coração se comprime à medida que leio certas declarações; ainda pasmo quando percebo que algumas vêm de líderes de grupos. Um abraço. Alvino

Zilton Alencar disse...

Excelente e oportuno o seu artigo, pr. Ciro!

Os cristãos, mormente os neopentecostais, têm um tipo de esquizofrenia crônica, onde se vêem constantemente rodeados e perseguidos por inimigos ― pessoas (muitas delas dentro da própria igreja) que querem ver o fim de seus casamentos, a perda de seus empregos, que vivem fazendo "trabalhos" de feitiçaria contra eles, e até fazendo "orações contrárias" (esta última é comuníssima aqui aonde moro!)...

Não duvido que um ou outro desafeto venha a existir, principalmente os invejosos, como citado no Artigo. Contudo, MESMO QUE TAIS INIMIGOS REALMENTE EXISTAM, a ordem que temos é de amá-los, bendizê-los, orar por eles, caminhar duas milhas quando eles nos obrigarem a caminhar uma. Falta ensino na Igreja acerca deste assunto! Falta pulso firme de pastores e líderes, que coíbam hinos de apologia à esquizofrenia gospel. Falta Bíblia e vida cristã genuína.

Robert Neves disse...

Paz do Senhor Pr. Ciro!
Mais uma excelente postagem. Com certeza vou pregar sobre este assunto também e vou dizer: mais uma coisa que aprendi com o Pr. Ciro.
Que Deus continue lhe usando com sabedoria e poder, para que muitas mentes sejam despertadas dos seus fúteis procedimentos.
Obrigado!

Diácono Valtair disse...

Interessante pastor Ciro , quando li esta postagem já me veio na cabeça uma resenha do livro "Maravilhosa Graça" de Philip Yancey que diz o seguinte :Mark Twain costumava dizer que havia colocado um cachorro e um gato juntos em uma gaiola como uma experiência para ver como eles conviveriam. Eles conviveram, então ele colocou um pássaro, um porco, uma cabra. Eles também se deram bem depois de alguns poucos ajustes. Então ele colocou um batista, um presbiteriano e um católico; logo não sobrou nenhum com vida.
Pág.14 livro “Maravilhosa Graça” Philip Yancey
O texto fala presbiteriano , batista e católico , porém eu digo cristão crentes em Jesus de um modo geral , independente de denominação.
Abraço PR. Ciro

Newton Carpintero, pr. e servo disse...

Meu amigo e nosso pr. Ciro Zibordi,

A paz de Cristo, o nosso Senhor!

Dura PALAVRA!

Sempre há a necessidade de lermos matérias como esta para que a reflexão, a maturidade, e por vezes o isolamento, seja motivo de averiguação íntima em nossos corações diante de Deus.

Ser crente é fácl. Ser discípulo é difícil.

O Senhor seja contigo, nobre atalaia,

O menor de todos os menores.

Cícero Leandro Júnior disse...

O pior é que o "irmão" que alimenta sentimentos tão negativos com relação aos outros irmãos, ainda se acha cristão, "ungido", "benças" e outros jargões gospel... camarada desses não ama o irmão, vai amar a Deus?

Paz seja contigo, meu irmão.

Anônimo disse...

Saudações em Cristo!, assisti seu vídeo sobre escatologia bíblica e gostei muito, parabéns.
Só queria fazer uma ressalva: o senhor não falou sobre Gogue, terra de Magogue que está registrada em Ez 38 e 39.
O Pr. Antonio Gilberto escreveu que uma confederação de nações chefiadas pela Rússia invadirá Israel.
Segundo tudo que tenho estudado sobre escatologia, essa invasão ocorrerá logo após o arrebatamento da igreja, e esses exércitos serão destruídos por Deus na terra de Israel, logo em seguida o anticristo aparece para ocupar o lugar do líderes mortos nessa invasão.

Abraços no amor de Cristo - Pb. João Eduardo Silva - AD Min. Belém - SP.