segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Como será o Arrebatamento da Igreja? (1)


“Esse negócio de que a vinda de Jesus será em duas fases é invenção dos pré-tribulacionistas. É coisa de dispensacionalista que não se abre a outras escolas de interpretação. Onde está escrito na Bíblia que haverá um arrebatamento secreto? Gostaria que alguém me mostrasse pelo menos um versículo que apresente a Segunda Vinda em duas etapas”, afirmam alguns estudiosos que não consideram relevantes as pesquisas de eruditos como Stanley Horton, William Menzies, John Wyckoff, David Nichols, Mark McLean, Gary McGee, Timothy Jenney, Benny Aker e Antonio Gilberto, talvez porque estes sejam pentecostais...

É importante fazer distinção entre as posições defendidas pelos teólogos e o que a Palavra de Deus realmente assevera. Ela afirma que o Arrebatamento da Igreja será secreto? Como as Escrituras são análogas, eu poderia mencionar várias passagens que se intercambiam para corroborar a minha resposta. Mas, para não deixar este artigo muito longo, citarei apenas quatro textos do Novo Testamento: João 14.3, 1 Tessalonicenses 4.16,17, Hebreus 9.28 e Apocalipse caps. 19-22.


João 14.3. Aqui, as profecias do Senhor Jesus “virei outra vez” e “vos levarei para mim mesmo” são dirigidas exclusivamente à Igreja — que começou com os doze discípulos. Ou seja, a promessa do Arrebatamento foi feita exclusivamente para o povo que será tirado da terra, a Igreja de Cristo. Ele não disse aos seus discípulos, na passagem citada, que virá para reinar ou julgar o mundo, e sim para levá-los ao Céu, onde há muitas moradas (vv.1,2).


1 Tessalonicenses 4.16,17. Esta passagem apresenta o Arrebatamento como um evento exclusivo para a Igreja. A construção frasal “seremos arrebatados” indica um rapto, um sequestro imperceptível, a priori, uma captura rápida (cf. 1 Co 15.51,52), e não demorada o suficiente para que todos a percebam ou todos os olhos a vejam, como ocorrerá na Manifestação de Cristo (cf. Ap 1.7; Mt 24.30). E mais: o texto em apreço deixa claro que, no Arrebatamento, o encontro com o Senhor se dará nos ares. A Igreja irá em direção do Senhor, o que reforça a ideia de que o mundo todo não o verá nesse momento.


Hebreus 9.28. Nesta referência está escrito que Cristo “aparecerá segunda vez aos que o aguardam para a salvação”. A quem Ele aparecerá? A todos? Não! No Arrebatamento, o Senhor aparecerá somente à Igreja, que o aguarda para a salvação em seu aspecto perfectivo, isto é, a nossa glorificação (Rm 13.11; Fp 3.20,21).


Apocalipse 19-22. Esta parte do último livro da Bíblia está, claramente, em ordem cronológica. Observe a sequência dos eventos:

a) A Igreja glorificada no Céu: 19.1-10. Ou seja, ela estará com o Senhor, no Céu (Jo 14.3; 1 Ts 4.16,17; Hb 9.28), antes do próximo evento escatológico, que é a sua vinda à terra.
b) A Manifestação de Cristo em poder e grande glória: 19.11-16. Cristo virá à terra com todos os seus santos, que, é claro, já terão sido arrebatados.
c) O Armagedom: 19.17-19.
d) A vitória de Cristo sobre o império do Anticristo: Ap 19.20,21.
e) A prisão de Satanás: 20.1-3.
f) A ressurreição dos mártires da Grande Tribulação: 20.4,5.
g) O Milênio: 20.4-6.
h) A liberação de Satanás após o Milênio: 20.7-9.
i) A condenação do Diabo: 20.10.
j) O Juízo Final: 20.11-15.
l) Novo Céu e Nova Terra: 21-22.

Alguns críticos têm argumentado que os pais da Igreja e os reformadores jamais falaram de um arrebatamento secreto, e que este é uma invenção dos dispensacionalistas. Entretanto, não podemos ignorar que o pensamento teológico evolui, com o passar do tempo. Conquanto a Palavra de Deus não mude, a nossa compreensão sobre ela vai melhorando, na medida em que temos acesso a novas pesquisas, de teólogos que consideram a Bíblia a sua fonte primária de autoridade.


Observe que os profetas do Antigo Testamento apenas vaticinaram que o Senhor Jesus viria ao mundo, mas não sabiam que Ele viria duas vezes (Is 61; Zc 9). Nem passava pela cabeça deles que vários eventos profetizados diziam respeito à Segunda Vinda. Hoje, quando estudamos acerca da Segunda Vinda, vemos que a nossa compreensão é muito melhor do que a dos profetas veterotestamentários, dos crentes que viveram nos primeiros séculos e dos reformadores.


Deus revelou inúmeros mistérios aos apóstolos, especialmente a Paulo (1 Co 11.23; 2 Co 12.1-4). No entanto, a nossa compreensão é mais abrangente que a dos crentes do período neotestamentário. Pense nos comentários bíblicos, dicionários e enciclopédias à nossa disposição, todos resultantes de inúmeras pesquisas, ao longo de quase dois milênios. Hoje, conhecemos de modo abrangente a sequência dos eventos futuros. É claro que isso é um privilégio, mas também uma grande responsabilidade. Afinal, não temos nenhuma desculpa para não estarmos preparados para aquele grande Dia.


Além de distinguirmos as duas vindas, podemos entender que o Segundo Advento se dará em duas etapas: o Arrebatamento para a Noiva de Cristo, nos ares (2 Co 11.2), e a Manifestação em poder e glória, na terra, com a Esposa (Ap 19.7). Que privilégio! Podemos compreender verdades que nenhum dos profetas antigos conseguiu assimilar e que os crentes do período neotestamentário conheceram apenas de modo rudimentar. Sabemos que Cristo, em sua primeira vinda, resgatou-nos do domínio do pecado (Rm 6.14), ressuscitou para a nossa justificação (Rm 4.25), fundou a sua Igreja (Mt 16.18) e ascendeu ao Céu (At 1.7-11). E também sabemos que Ele voltará para arrebatar os salvos, nas nuvens; e que, depois, pisará na terra para consumar todas as coisas (Ap 19.11,15, 20.1-6).


Portanto, a Segunda Vinda abrangerá vários eventos em série e compreenderá três grupos de povos: os judeus, os gentios e a Igreja de Cristo (1 Co 10.32). Para os judeus, o Senhor virá como o Libertador, o Messias, a fim de implantar o seu Reino. Para os gentios, virá como Juiz. E todos verão o Senhor, na sua Manifestação em poder e grande glória. Mas, para a Igreja, Ele virá antes, como o seu Noivo, para arrebatá-la e levá-la ao Céu antes da Grande Tribulação.


Maranata!


Ciro Sanches Zibordi

25 comentários:

Diácono Valtair disse...

Como sempre pr. Ciro , exclarecedor!Como eu tenho aprendido com os seus estudos , o senhor escreve de uma forma , que até quem nunca esteve numa escola de teologia entende.
O seu novo livro já está a venda?
Abraço Pr. Ciro e até a próxima

Anônimo disse...

Adorei o artigo.

Deus o abençoe e tomara que o irmão escreva mais sobre assuntos como esse, pois quase não se fala sobre isso atualmente.

Luciano de Paula Lourenço disse...

Perfeito esclarecimento, pr. Ciro! O retorno de Jesus para buscar sua Igreja sempre fez parte da mensagem do autêntico cristão. Cremos que o Senhor voltará para arrebatar a sua Igreja, e este fato faz parte da nossa esperança.
A promessa da volta de Cristo e o fim do atual período da graça é a profecia mais repetida em o Novo Testamento e, por isso, não deve nos surpreender o fato de que se trata de uma das doutrinas contra as quais o adversário tem lutado duramente, buscando, assim, iludir os incautos e roubar-lhes a esperança da glória futura.
A Bíblia diz-nos que Jesus prometeu livrar a Igreja da ira futura (1Ts 1:10), guardar da hora da tentação que há de vir sobre o mundo (Ap 3:10), bem como que o diabo e seus anjos serão precipitados sobre a face da Terra, quando, então, agirão com grande ira (Ap 12:7-12), o que somente se explica pelo fato de os ares que hoje são por eles ocupados terem de dar lugar ao encontro de Jesus com a Sua Igreja. Também é dito que há um que resiste para que o Anticristo ainda não se manifeste e que não haverá tal manifestação enquanto este não for tirado (2Ts 2:7) e sabemos que não há como o Espírito Santo, dentro das obras que Lhe foram confiadas (João 14:16-18; 16:13-15), deixar de atuar livremente sobre este mundo com a Igreja ainda aqui habitando, pois isto contrariaria a promessa solene de Jesus de não deixar a Igreja órfã. Por tudo isto, embora respeitemos os outros pontos-de-vista, não podemos senão considerar que o arrebatamento da Igreja se dará no momento imediatamente anterior ao início da Grande Tribulação.
O relógio de Deus, ISRAEL, acusa com clarividência que Jesus está voltando. Os acontecimentos dos últimos dias com relação a Israel, na ONU e no oriente médio, e na Europa, pregam com muita penetração que a volta de Jesus é iminente. A recomendação de Cristo, em Lucas 21:29, nunca ressoou tão alto como nestes últimos dias: “E disse-lhes uma parábola: Olhai para a figueira, e para todas as árvores”.
“Aquele que testifica estas coisas diz: Certamente, cedo venho. Amém! Ora, vem, Senhor Jesus!”(AP 22:21).
Um abraço!
Luciano Lourenço

Abu 'Amr al- Attar disse...

Graça e Paz, Pr Ciro como sempre, deixando claro a palavra de Deus, parabéns por mais uma matéria excelente, oxalá que os demais "Apóstolos,Pastores,Missionários...etc, deixassem uma legado assim, esclarecer a verdadeira palavra que Cristo queria que todos participasse. Mais uma vez, parabéns assim como minha leitura bíblica diária, ler seu blog também faz parte de minha vida. Abraços Cpl Antonio

Dario Rodrigues disse...

Paz do Senhor Pr. Ciro! gostaria de ter sua permissão para copiar alguns artigos seus e colar no meu Blog pela importância dos mesmos na apologia e divulgação deste importante Blog.

Pastor Elais Alves disse...

Amados Paz.

Li o artigo e fiquei com algumas duvidas em relação as referencias sobre o arrebatamento em Mateus 24.

Nos versículos 29, 30 e 31 do presente capitulo minha pergunta é: A que se refere tribulacao de aqueles dias (v.29) e a que se refere escolhidos (v.31)? Porque se a sua interpretação de escolhidos for igual a minha (se refere a Igreja) podemos ver claramente que os escolhidos (igreja) só são arrebatados depois da "tribulação daqueles dias".

Pensemos com clareza no que diz respeito a Palavra de Deus, lembrando que a Bíblia interpreta a própria Bíblia, estando ela superior a qualquer outro livro ou visão teológica ou denominacional...

Em relação aos pos-tribulacionistas, eles também creem no arrebatamento, há uma calunia no meio teológico de pessoas mal informadas que dizem que eles não esperam o arrebatamento, creem e esperam sim, mas creem que o tempo do arrebatamento será depois da grande tribulação.

Seria interessante que todos os pre-tribulacionistas estudassem sem preconceito (sem conceito prévio, com a mente aberta para aprender) a visão pós-tribulacionista, e assim tirar suas próprias conclusões.

Atenciosamente:
Pastor Elias Alves
http://pseliasalves.blogspot.com

Xavier Campos Joaqum disse...

Muito bem explicado nobre Ciro. Que Deus o abençoe sempre meu caro irmão. Paz.

Marco Antonio disse...

Gostei muito, Pr. Ciro!

Deus te abençoe!

"Apascentar os Pequeninos" Tio Fausto disse...

Pastor Ciro... Graça e Paz! Quero parabeniza-lo pelo seu site e pela seriedade com que trata os temas em debate! E lógico que discordo em alguns pontos mas respeito a opinião em geral. Considerando sua postura teológica e comprometida com a palavra, estou 'seguindo'! Deus te abençoe!

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro pastor Elias Alves,

Não tenho dúvida de que a Igreja será arrebatada ANTES da Grande Tribulação. Quanto aos "escolhidos" de Mateus 24.22, também não tenho dúvida, à luz do contexto, de que eles são os israelitas remanescentes.

Outrossim, conheço bem as escolas pré-milenarista (pré, meso e pós-tribulacionista), pós-milenarista e amilenarista. E sei que todas elas creem na vinda de Jesus e a esperam, diferentemente da herética, apesar de festejada, Teologia da Esperança, de Jürgen Moltmann, Ricardo Gondim e cia.

Quanto ao significado da Grande Tribulação, não tenho dúvida de que será diferente de tudo o que o mundo já presenciou, e ocorrerá no futuro, diferentemente do que afirmam os preteristas. Por quê? Em Mateus 24.21 está escrito: "haverá grande tribulação, como desde o princípio do mundo até agora não tem havido e NEM HAVERÁ JAMAIS". Ou seja, o Senhor Jesus não se referiu à invasão de Jerusalém, em 70 d.C., nem às perseguições imperiais, mas a uma Tribulação que nunca houve e nunca mais haverá DEPOIS dela.

Em Cristo,

CSZ

Divalcir da Silva disse...

Pastor Ciro eu lhe admiro muito mas discordo quando o senhor diz que a Igreja ser arrabatada secretamente. O senhor tem que estudar mais escatologia. vou agora refutar essa idéia de arrebatamento secreto.

Jesus previu que algumas igrejas afirmariam que Sua volta seria secreta e invisível, por isso nos advertiu: “Porque, assim como o relâmpago sai do oriente e se mostra até o ocidente, assim há de ser a vinda do Filho do Homem” (Mt 24:27), a figura do relâmpago ilustra não a rapidez, mas a visibilidade da Sua vinda. Ele disse que o relâmpago “se mostra”, não há nada de secreto no relâmpago que faísca no céu.
Uma vez mais Jesus mostra ênfase no modo de Sua segunda vinda. Ele disse “Então, aparecerá no céu o sinal do Filho do Homem; todos os povos da terra se lamentarão e verão o Filho do Homem vindo sobre as nuvens do céu, com poder e muita glória” (Mt 24:30). Note que as expressões “aparecerá no céu”, “sinal do Filho do Homem”, “todos os povos da terra” e “poder e muita glória” deixa claro que Jesus não vai voltar secretamente.
O apóstolo Paulo também mostra ênfase no modo da vinda de Cristo. Ele diz “Portanto o Senhor mesmo, dada a sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus, descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro; depois, nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatado juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e, assim, estaremos para sempre com o Senhor” (1 Tess. 4:16-17). Nada há de secreto nas palavras “voz de arcanjo”, nada há de secreto em “trombeta de Deus” e “encontro do Senhor”.
O apóstolo João é outro que também relata o modo da vinda Jesus. Ele diz: “Vede, ele vem com as nuvens e todo o olho o verá, até mesmo os que transpassarão” (Ap 1:7). Note que a Bíblia diz que “todo o olho”. Também não será uma miragem detectada pelos olhos da fé, porque até mesmo “os que o transpassarão”. Quem foi os que transpassarão e furaram o peito de Jesus? Naturalmente Caifás e os soldados romanos (João 19:34, 37), e eles não possuíam fé, logo, não é o olho da fé, evidentemente é olho físico.

Ass: Divalcir da Silva - AC

da Igreja Adventista do 7º Dia

Anônimo disse...

Até que enfim você escreveu algo enteressante e edificante para o povo de Deus concordo entudo que você escreveu a muitos que não acreditam nessa realidade. Parabens.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Anônimo,

Espero um dia escrever: até que enfim o anônimo se identificou...

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Divalcir,

Sua "refutação" é uma mixórdia confusa e sem sentido, que não responde biblicamente aos argumentos apresentados no artigo.

Leia o artigo e tente contra-argumentar novamente, se desejar. Mas saiba que tenho bem próximo da minha mão o Tratado de Teologia "Adventista do Sétimo Dia", que tem como editor Raol Dederen, além de conhecer bem, modéstia à parte, a contraditória escatologia milerista de Ellen G. White.

Grato.

CSZ

Matheus Carrel disse...

OI Pastor Ciro tdb?
Que bom que já melhorou o seu braço !!!
Vc tb crê que a igreja arrebatada corresponde a igreja de Laodicéia?
Pois muitos pregam que essas 7 igrejas do Apocalipse são 7 periodos da história da Igreja e que estamos no ultimo que é Laodicéia que é a igreja que vai ser arrebatada.
.
Obrigado !!!
Fique com Deus !!!
T+++

Jefferson Rodrigues disse...

Caro Pastor Ciro, tenho lido a respeito da Vinda de Cristo, conforme o senhor tem apresentado em livros como Teologia Sistematica Pentecostal (CPAD), Teologia Sistematica de Stanley Horton (CPAD), e ainda fico confuso quanto ao arrebatamento invisivel, isto me parece que seria a vinda de Cristo em três etapas, e não em duas, como ele mesmo afirmou que "voltaria outra vez" (João 14.3), e não outras vezes (não citarei mais versiculos para não cansar o leitor). Neste aspecto o proprio Horton( p. 635) apresenta as diversas visões sobre a Vinda de Cristo e aponta a visão pré-tribulacionista, como a que "encaixa-se melhor"(Horton, 2010, p. 635), não enfatizando, como acredito ser mais sensato, esta como a visão perfeita, já que teologia seria o homem falivel, tentando explicar o Deus infalivel. Para finalizar, afirmo ao irmão, parafraseando Paulo (Rom 8.35), que "nada me separará do amor de Cristo", seja a tribulação, a angustia, a espada ou ainda a perseguição. Sabendo que em todas estas coisas seremos, sempre vencedores em Cristo Jesus, independente da visão teologica que temos. E sei que Ele voltará para buscar sua Igreja! Maranata!

Que a Graça e a PAz de Cristo, esteja sobre o amado irmão.

Jefferson Rodrigues - Teresina/PI

http://historiacomcristo.blogspot.com/

Kaique Amorim disse...

O Espirito Santo será retirado da terra após o nosso Arrebatamento?
E se for retirado, como haverá Conversão ou Salvação?

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Jefferson,

A paz do Senhor.

Se o irmão preferir considerar que a Segunda Vinda são dois adventos, para efeito didático, não vejo problemas. Mas, na verdade, a Segunda Vinda é um grande acontecimento, que abarcará vários eventos, num período de sete anos:

- Arrebatamento da Igreja (nas nuvens);
- Tribunal de Cristo;
- Bodas do Cordeiro;
- Grande Tribulação;
- Manifestação de Cristo em poder e grande glória (na terra);
- Armagedom;
- Julgamento das nações;
- Etc.

Não há como provar, biblicamente, que Jesus fará tudo de uma vez só. A Bíblia é clara quanto à sequência dos acontecimentos: duas ressurreições, vários julgamentos, etc. E há também menção aos períodos de tempo, em Daniel e em Apocalipse (semanas de anos ou milhares de dias). O amilenarismo e o pós-milenarismo têm preferido simplificar tudo, "preterizando" as profecias e afirmando que "mil anos" é uma menção simbólica. Mas não temos autoridade para ignorar os pormenores contidos na Palavra profética.

Apocalipse 19-22, por exemplo, apresenta a ordem dos acontecimentos, cronologicamente. Fica claro que a Igreja já estará no Céu antes da Manifestação do Senhor. E assim por diante.

O erudito Stanley Horton, que eu tive o privilégio de conhecer pessoalmente, há alguns anos, emprega linguagem elegante, amigável e conciliadora, própria dos teólogos que conversam com exegetas de várias escolas de interpretação. Por isso, ele não é dogmático. Mesmo assim, ele mostra claramente o que as Escrituras asseveram sobre o futuro glorioso da Igreja.

Em Cristo,

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Matheus,

Existem provas internas (na própria Bíblia) e externas (história paralela, arqueologia, etc.) de que as sete igrejas mencionadas em Apocalipse 2-3 realmente existiram. Elas podem ser usadas, em uma pregação, como representantes da igreja hodierna. Mas não há nenhum embasamento contextual para considerá-las simbólico-proféticas.

Considere o seguinte arcabouço, para estudo:

Apocalipse 1 - passado, para João.
Apocalipse 2-3 - presente, para João.
Apocalipse 4-22 - futuro, para João.

Mas não se esqueça das passagens parentéticas, como Apocalipse 12, que engloba passado, presente e futuro. Ao longo de Apocalipse há outras porções que constituem parênteses dentro das revelações sobre o futuro. E lembre-se, ainda, de que esse livro não está em ordem cronológica, exatamente, exceto os capítulos 19-22.

Em Cristo,

CSZ

O BLOG DA VERDADE disse...

Esse assunto eh mesmo complicado!Porque vemos em 2Tessalonicenses.2:1-3 que Paulo parece ser pos-tribulacionista.E dizer que apocalipse 3:10 falava de arrebatamento eh mesmo estranho.O assunto eh mesmo complicado!

EV. SAMUEL EUDÓXIO disse...

Pastor Ciro,
Paz do Senhor.

Bela postagem. Concordo em tudo. Bom saber também que o senhor melhorou o braço e já está escrevendo novamente. Eu tenho aprendido desta forma e concordo que é a linha mais lógica de acontecimentos escatológicos.

Em Cristo,

Samuel Eudóxio

Ciro Sanches Zibordi disse...

Prezado "Paulo Lemos",

Realmente, eu conheço um pouco de Direito, pois tenho uma ótima professora em casa.

CSZ

O IRMÃO FÉLIX disse...

Pr. Ciro, a Paz do Senhor. Estou feliz pelo artigo esclarecedor a respeito do Arrebatemento da Igreja. Pena que muitos críticos continuam achando que a Igreja vai passar pela grande tribulação, além de não conseguirem distinguir, nem mesmo à luz da Bíblia, as duas fases da segunda vinda de Cristo. Mas, é isso mesmo. Temos de continuar nossa luta no sentido de aludar os menos esclarecidos. Parabéns!

Christofer Freitas disse...

AOS QUE INSISTEM EM QUESTIONAR AS FASES DA SEGUNDA VINDA E NÃO ENTENDEM COMO O EVENTO PODE TER VARIAS ETAPAS:

Duas profecias no AT a respeito da PRIMEIRA VINDA DE JESUS: Uma dizendo que Cristo viria a Belém (Mq 5:2) e outra em Sião (Zc 9:9). As duas se verificaram, embora com intervalo de 33 anos e nem por isso Jesus veio duas vezes na primeira vinda.

Por que então a segunda vinda não poderia se estender por sete anos, em duas fases?

Jefferson Peixoto disse...

Paz do Senhor, Pastor Ciro.
Fico me perguntando porque em nossas igreja evangélicas pentecostais não existe interesse por esse nomes citados logos acima.

Fico triste em admitir que muitos dos nossos líderes e evangélicos nunca ouviram falar de Antonio Gilberto ou Stanley Horton.

Hoje conheço mais teólogos de linha calvinista do que propriamente pentecostal, Não seria necessário mais investimento nesta área ou organização de conferencias?

Muito bom o artigo e estarei republicando em meu blog. Graça e Paz