terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Minha cidade de São Paulo, de A a Z


Nasci em 16 de março de 1970, na Maternidade de São Paulo, na capital paulista. Quatro anos depois, na mesma maternidade e no mesmo mês, nasceria a minha esposa, Luciana. Em 2001, ambos deixaríamos a terra da garoa — e também das fortes chuvas — para nos estabelecermos no Rio de Janeiro. Nesses dez anos, perdemos a conta de quantas vezes já visitamos a cidade de nossos nascimento, infância, adolescência, conversão, formação, casamento, etc. Amamos São Paulo, que hoje completa 457 anos (a foto acima é da Avenida São João, em 1952).

Mencionarei abaixo alguns lugares, instituições, pessoas de que gostamos muito (ou amamos) em São Paulo, em ordem alfabética, os quais fazem parte da nossa história.

Amigos especiais. Se algum leitor paulistano ficar triste por não ter sido mencionado, lembre-se de que tenho muitos amigos especiais em São Paulo.
Assembleia de Deus da Lapa, onde conheci o saudoso pastor Valdir Bícego.
Assembleia de Deus do Belenzinho, onde fui consagrado para o santo ministério.
Assembleia de Deus em Parque Pedroso. Dirigi essa igreja por apenas uma semana, numa transição. No último culto, os irmãos fizeram fila para me cumprimentar, e algumas senhoras choravam como se eu fosse muito antigo ali. Coisas que só Deus explica.
Assembleia de Deus em Parque São Domingos. Dirigi essa igreja por apenas sete meses, mas guardei boas lembranças.
Assembleia de Deus em Vila Míriam, onde o Evangelho verdadeiramente nasceu em mim, em 1987. Até então, eu apenas havia nascido no “evangelho”.
Assembleia de Deus em Vila Nova Zatt. A primeira congregação que dirigi.
Barão de Itapetininga. Fiz meus primeiros crediários para comprar roupa de marca nessa rua, que começa na Praça Ramos de Azevedo e termina na Praça da República.
Belenzinho. Um bairro muito especial.
Bennet’s. A melhor pizzaria que conheço no mundo.
Célia Sanches Zibordi. Essa moradora ilustre — minha querida mãe — já seria o bastante para me fazer amar São Paulo.
Célia Sanches Zibordi. Minha irmã, filha da dona Célia.
Chevette 1977. Meu primeiro carro.
Colégio Módulo. Fui muito mal nesse colégio, pois estava apaixonado...
Colégio Objetivo, onde concluí o ginásio.
Comodoro. Foi o melhor cinema de São Paulo.

Congonhas.
Apesar de caótico, esse aeroporto tem o seu encanto. É, sobretudo, um ponto de encontro. A foto acima é de 1950.
Curso de datilografia. Os mais jovens não sabem o que é isso. Eu não consegui fazer porque era muito caro.
Doze de Outubro. Andei muitas vezes nessa famosa rua da Lapa à procura de trabalho nas inúmeras agências de emprego.
Editora Vida. Rejeitou o meu primeiro livro, na década de 1990. Ele estava horrível, reconheço. Por isso, sou muito grato a essa editora, à época dirigida pelo querido pastor Eude Martins.
Escola Bíblica Dominical. A melhor escola que já frequentei em toda a minha vida.
Escola Estadual Pereira Barreto. Boas lembranças.
Escola Municipal Érico Veríssimo. Minha primeira escola.

Estação da Luz.
Ótima opção para quem não pode viajar a Londres, conquanto esteja “abandonada”. A foto acima é de 1865!

Estádio Paulo Machado de Carvalho.
O Estádio do Pacaembu. Meu pai me levava lá, não para ver jogos de futebol, e sim para ouvir mensagens de pregadores norte-americanos. A foto acima é de 1941.
Faculdade Evangélica de São Paulo, onde lecionei por quase dez anos, depois de concluir o curso teológico.
Família. Todos os meus parentes mais próximos, como pais, sogros, irmãos, tios, sobrinhos, etc., moram em São Paulo.
FEBEM. Evangelizei muitos jovens apreendidos nessa instituição, entre os anos de 1989 a 1992.
Fisk. “Inglês é Fisk”, dizia o slogan, à época. Mas eu estudei espanhol nessa instituição... Muito bom!
Flama Informática. Será que ainda existe essa instituição?
Frans Café. Era o lugar onde “religiosamente” tomávamos café nos sábados pela manhã, entre 1995 e 2000.
Freguesia do Ó. Bairro mais antigo de São Paulo. Boas recordações...
Fusca 1978. O primeiro carro do meu pai, comprado no início da década de 1980. Naquela época, o trânsito fluía em São Paulo. Bons tempos.
Futebol. Se dependesse de mim, teria tentado a carreira de jogador de futebol, mas Deus interveio e mudou a história da minha vida.
Gelo sobre os carros. No inverno da terra da garoa (?), antigamente, os carros ficavam cobertos de gelo.
Gibi. Minha leitura predileta na infância.
Guaraná Brahma. Aquela da garrafa marrom. Bebi muito esse refrigerante em São Paulo, até que alguém teve a brilhante (?) ideia mudar a fórmula. Saudades de um tempo que não volta...
Hermenêutica. Minha paixão por essa matéria começou em São Paulo, na então Escola Teológica Pastor Cícero Canuto de Lima (hoje, Faculdade Evangélica de São Paulo).
Internet discada. Os mais jovens não sabem o que é isso.
Jimmy Swaggart. Lembro-me com saudade dos domingos pela manhã em que a minha família assistia às pregações desse grande expoente pentecostal.
Largo do Paissandu. Ponto final do ônibus que saía do Morro Grande, uma das linhas da extinta CMTC.
Lições Bíblicas da Escola Dominical. Tenho todas, desde 1985, quando comecei a frequentar a EBD da Assembleia de Deus.
Livraria Cultura. Uma tentação para quem gosta de livros.
Livraria da CPAD, no bairro do Belenzinho.
Livraria da Editora Vida, no bairro da Liberdade.
Marconi. Nessa rua, no centro de São Paulo, trabalhei registrado pela primeira vez, de 1985 a 1989. Graças a esse emprego, conheço todas as ruas do centro paulistano.
Marisa Gomes. Dizem que feliz foi Adão por não ter tido sogra. Mas há exceções.
Maurilo Gonçalves de Freitas. Esse pastor e amigo fez nosso casamento, em 1991.
Metrô paulistano. Melhor que o de Nova York.
Morro Grande. Bairro onde fui criado, na periferia.
Novilho de Prata. Uma das melhores churrascarias do Brasil.
Paçoquinha Amor. Aquela que desmanchava na mão.
Padarias, especialmente a do Benjamim Abraão. Hum...
Parque do Ibirapuera. Central Park dos paulistanos.
Parque Villa Lobos. Muito bom também.
Pastel da feira. Insuperável.

Paulista. Nessa avenida cosmopolita há um pouco de Nova York, Paris e outras importantes cidades do mundo. A foto acima é de 1928.
Pico do Jaraguá. Na hora do almoço, dirigia-me de carro para lá, onde orava e meditava, longe do barulho e da agitação paulistana.
Pizza. Seguramente, a melhor pizza do mundo está em São Paulo.

Praça da Sé.
Ouvi muitas pregações ali, mas eu mesmo nunca preguei naquela praça. Espero ter essa oportunidade, um dia... A foto acima é de 1938.

Praça da República.
Hoje ela não é nem sombra do que foi em 1911 (foto). Que pena! Mas ela ainda é linda, especialmente durante o dia.

Praça Ramos de Azevedo.
Onde tudo acontece. A foto acima é da inesquecível loja do Mappin, em 1937.
Q-Suco e Q-Refresco. Não sei se ainda existem esses sucos em pó...
Rádio Bandeirantes. Audição obrigatória em todas as manhãs, antes de sair de casa e a caminho do trabalho.
Rádio Jovem Pan. Repita!
Renato Zibordi. Meu pai, um grande paulistano, o qual me ensinou a ser um cidadão de São Paulo.
Renato Zibordi Júnior. Meu irmão, um exemplo como cristão e pastor.

São João com Ipiranga.
Essas avenidas são muito especiais. Por favor, prefeito Kassab, cuide delas. Esse patrimônio de São Paulo está abandonado, assim como todo o centro histórico dessa maravilhosa megalópole. A foto acima é de 1954.
Sebastião Magnenti. Meu primeiro pastor, na Assembleia de Deus em Vila Míriam. Homem de Deus.
Sete de Abril. Passei por essa rua há pouco tempo e fiquei triste ao constatar que os sebos não existem mais.
Shopping Center: Bourbon, Center Norte, Shopping D, Iguatemi, Morumbi, West Plaza…São tantos e tantos shoppings em São Paulo...
Sidnei Ribeiro. Esposo da minha sogra. Adotei-o como sogro (risos).
Siemens. Trabalhei e aprendi muitas coisas nessa empresa alemã.

Teatro Municipal.
Entrar nele é fazer uma viagem no tempo. A foto acima é da sua inauguração, em 1917. Tempos em que São Paulo se parecia com lugares da Europa...
TK-83. Primeiro computador pessoal do meu irmão.
TV em preto e branco, também conhecida, à época, como “caixa do Diabo”. Os jovens de hoje também não sabem o que é isso.
Universidade Presbiteriana Mackenzie. Temos boas e más lembranças.
Valdir Nunes Bícego. Mais que um pastor, um pai, um paradigma de pregador, ensinador e líder.

Vale do Anhangabaú.
Sem inundação, é claro. A foto acima é de 1951.

Viadutos do Chá e Santa Efigênia.
Atravessei-os muitas vezes entre os 15 e 18 anos. Ótimas recordações. A foto acima é do Viaduto do Chá, em 1890!
Vila Romana. Meu lugar preferido em São Paulo para comprar roupa social.
Wet’n Wild. Um ótimo parque aquático, a despeito de estar sempre lotado.
Xícara de café após o almoço. Tradição paulistana.
Zé Béttio. Uma lenda do rádio.

Parabéns, São Paulo! Refiro-me à cidade, é claro! Que ela floresça como Palmeiras!

Ciro Sanches Zibordi

10 comentários:

Pastor Guedes disse...

Caro Amigo, Pr. Ciro,

A Paz do Senhor!

Achei muito interessante sua iniciativa em homenagear São paulo, sua cidade, de A a Z. Fiquei triste porque pensei que na letra G teria "Guedes, meu amigo" (brincadeira).

São Paulo é uma cidade maravilhosa, embora esse título pertença à cidade do Rio. Aqui encontramos de tudo, nas lojas, nas ruas, nas ruas e até nos púlpitos, e disso o amado o sabe muito bem. É cada uma que só vendo para crer. Foi em São Paulo, lá na Lapa, na rua Felix Guilhem, que encontrei o amigo Ciro e tornei-me seu admirador.

Vejo que o irmão tem uma grande admiração pelas Palmeiras, por isso estou pensando em fazer uma homenagem ao Ceará de A a Z (risos).

Parabéns pelo texto e parabéns à São Paulo do Ciro que me acolheu há mais de 20 anos!!!

Forte Abraço.
No Amor de Cristo!

Honório Guedes disse...

Pr.Ciro, a Paz do Senhor, obrigado por apresentar-me São Paulo na sua visão, ainda que muito saudosista rsrs, mas recordar é viver!

Abraços Fraternais,

Escola Bíblica Dominical - Seminário Teologico Permanente disse...

Graça e paz, pastor Ciro!

Belíssima homenagem a São Paulo e bem criativa também... ao estilo de Ciro Zibordi!
Saudades dessa verdadeira “selva de pedra”... foi de fato a impressão que tive ao chegar à capital paulistana. Belíssima!!!

Eu e minhas alunas de EBD estamos orando e aguardando o sr e família no XIII Encontro para a Consciência Cristã aqui em Campina Grande, Paraíba e desde já sejam muito bem-vindos a nossa amada cidade de um povo gentil e hospitaleiro, verão! (risos).

Um abraço!
Simone Tavares.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Que honra!

Dois pastores Guedes comentando a minha postagem! Risos...

Daqui a pouco lhes respondo especificamente.

Um abraço!

CSZ

Mona QK disse...

Que Brilhante!
Me diverti muito lendo sua homenagem.
Infelizmente "ainda" não conheço essa belíssima cidade, nem esses lugares tão amados pelo senhor. Mas quem sabe um dia terei a mesma sorte do Pr. Guedes e te encontrarei na Lapa. Rsrs.
Que Deus te abençoe tio.
Paz!
Mona QKL

Izaldil Tavares de Castro disse...

Ó, Ciro!(permita-me!. Assim não vale! Toda essa visão paulistana que você apresenta está gravada na minha mente. A única diferença é que passei antes de você por todos esses lugares. Veja só: nasci na Lapa (1942!); da infância à juventude, morei na Freguesia do Ó e congreguei desde a tenra idade, na Igreja da Lapa (Felix Guilhem, 227, inaugurada em agosto de 1954, pelo Pr. Daniel Tavares Beltrão!). Ali, toquei na Orquestra, regida pelo amado Arnaldo Coelho. Meu pai, José Tavares, foi fundador do trabalho em Vila Carolina. Em Vila Míriam, meus parentes: irmã Íris, Almira, Álvaro, Arlete...(alguns já com o Senhor). Trabalhei no bairro do Morumbi: era bom, pela manhã, encontrar o Pr. Waldir, tomando café na padaria por ali.
No Centro de São Paulo, trabalhei na Av. São João, Cons. Crispiniano, Barão de Itapetininga!
Comprei muita roupa "chique" na Casa José Silva! Chega! As coisas foram-se alterando ano a ano e hoje, olho para o caminho trilhado e vejo-o vindo (só porque sou bem mais velho que você!). Parabéns pelo "Poema à Cidade de São Paulo"!
Deus o abençoe mui ricamente!

JOAB BARROS disse...

Muito bom! Principalmente o ultimo parágrafo...

JORGE MELO disse...

Já tive o prazer de entre outras cidades brasileiras, conhecer tb São Paulo, achei uma cidade belíssima, e a única coisa que não me senti bem foi com o frio que é bastante alto e temos que andar bem agasalhados, caso contrário vira gelo mesmo.

Mona Qk,

Se este é o teu desejo, creia tão soménte, que em breve vc estará viajando para São Paulo, DEUS é fiel e JESUS é bom.

Simone Tavres

Que bom saber que vc leciona na EBD da minha vizinha cidade de Campina Grande, quando vier a Recife, visite as nossas EBD,S, uma das quais tb sou dirigente pela Graça de DEUS.
Creio que o Pr. Ciro irá gostar muito de visitar esta terra boa e hospitaleira da Paraíba e se regozijar com os irmãos em estudos da Palavra de DEUS.

DEUS em CRISTO, opere cada vez mais maravilhas na vida dos que os teme.

Júnior Rubira disse...

Legal Pr. Ciro, eu trabalho na Siemens...

Prof Damasceno disse...

A paz, meu amigo... linda homenagem. Meu contato com a mega metrópole se deu em 1997 quando, no afã de crescer mais na graça e no conhecimento, fui cursar um mestrado em Teologia pela FAETEL, na época dirigida pelo meu amigo Pr. Alcino Lopes de Toledo. No mestrado (na época em módulos), tive como docentes Pr Vagner Tadeu Gabi, Pr Ezequias Soares da Silva, dentre outros ilustres expoentes das Sagradas Escrituras... dias de intenso aprendizado (fiz os dois módulos em dois mês , com um pequeno interstício de tempo) e fiquei hospedado na Igreja SEDE do Belenzinho, que me acolheu com carinho e ternura, me fornecendo boa alimentação, tanto espiritual como natural. Desde então passei a amar a grande cidade, mesmo porque o Pr Arnaldo Senna, amigo de longa data de minha cidade natalícia no Evangelho (Açailândia, MA), na época já estava em São Paulo e me deu um ótimo suporte, andando comigo de metrô e fazendo um tour cultural comigo pela bela cidade.
Marcou minha vida e depois fui à cidade várias vezes, já em compromissos educacionais (USP e UNESP) e espirituais (ministrações). Forte abraço!!