sábado, 10 de abril de 2010

Concordo com Glória Perez e defendo que haja prisão perpétua para crimes hediondos


A escritora e novelista Glória Perez — que teve a sua filha Daniela Perez (foto ao lado) barbaramente assassinada no início dos anos 1990 — escreveu o seguinte em seu blog (http://gloriafperez.blogspot.com/):

“E por falar em Miriam Brandão... Um dos seus assassinos, o Wellington, teve a pena extinta e virou pastor: já é dono de 3 igrejas!!!! Sequestrou, i
ncendiou viva uma criança de 5 anos, e hoje ganha a vida contando seu feito! Aliás, Guilherme de Pádua também! Com todo o respeito aos fiéis iludidos, parece que se tornou final de carreira para psicopatas assassinos virar pastor!”

Como evangélicos e espirituais, devemos ter discernimento e julgar bem, segundo a reta justiça, todas as coisas (1 Co 2.15; Jo 7.24). Eu posso não concordar com o posicionamento de uma pessoa não-
evangélica em muitas coisas, mas tenho de reconhecer quando ela tem razão. Afinal, até o Senhor Jesus, ao ouvir uma pecadora, respondeu-lhe: “Disseste bem” (Jo 4.17).

Glória Perez tem razão em seu desabafo. Ela teve a sua filha assassinada, e com requintes de crueldade. E tem todo o direito de ainda estar angustiada e indignada com a benevolência da lei brasileira para com pessoas que cometem crimes tão bárbaros co
ntra a vida humana.

Eu não tenho dúvida de que o Senhor Jesus perdoa e transforma os mais vis pecadores. Ele é misericordioso e piedoso. E ao infrator crucificado, ao se
u lado, Ele disse: “hoje estarás comigo no paraíso” (Lc 23.43). Entretanto, isso não significa que os criminosos não devam pagar pelos seus crimes na terra.

Penso que alguém que queima uma criança, como Miriam Brandão (foto ao lado), ou que assassina brutalmente uma jovem, como Daniela, como fizeram os criminosos mencionados por Glória Perez, mereça, no mínimo, prisão perpétua. Não estamos falando de um homicídio culposo, de um acidente ou de um assassinato em legítima defesa. Estamos falando de homicídio duplamente qualificado! Estamos falando de crimes em que houve intenção de matar! Os pais nunca mais verão os seus filhos. É justo que os criminosos sejam soltos depois de poucos anos e tenham uma vida normal e até zombem da família enlutada?

A lei brasileira, como eu já disse, ainda é suave em relação a crimes hediondos, a despeito de ter melhorado um pouco — o que ficou comprovado no julgamento dos Nardoni. Mas veja se nos Estados Unidos criminosos como Charles Manson, assassino da atriz Sharon Tate, em 1969, foi solto. Para os estadunidenses seria inconcebível um criminoso desse naipe ser solto e tornar-se um pastor. E os criminosos acima estão para os brasileiros assim como Manson está para os norte-americanos. Ou não?

Glória Perez parece ter alguma antipatia pelos evangélicos, talvez por causa dos mercantilistas que se dizem evangélicos. Mas no episódio em apreço ela não generalizou. Não quis dizer que todos os pastores são criminosos. Prova disso é o que escreveu, na mesma postagem: “quem ofende os pastores sérios são esses criminosos que se utilizam de uma carreira respeitável para acobertar sua psicopatia e lucrar com os crimes cometidos”.

Na verdade, Perez quis mostrar a sua indignação quanto ao fato de as igrejas evangélicas (ou pseudo-evangélicas, em alguns casos) aceitarem como pastores assassinos condenados, principalmente aqueles que cometeram crimes de grande repercussão. Já pensou se os Nardoni resolvessem fundar uma igreja, ao saírem da prisão? E, se Susane von Richthofen se tornasse uma “pastora”?

Sou obrigado a reconhecer que boa parte dos pastores e pregadores ex-assassinos gostam de contar os seus feitos da vida do crime. Lembro-me de que, na minha adolescência, o povo dava glória a Deus ao ouvir um ex-bandido dizer de boca cheia: “Não me perguntem sobre quantos eu matei. Perguntem-me sobre quantas almas já ganhei para Jesus”.

Sinceramente, tenho ojeriza desses testemunhos que exploram a vida pregressa das pessoas. Muitos fazem até cartazes: “Fulano de tal, ex-assassino, ex-ladrão, ex-estuprador, ex-pedófilo, ex-traficante, ex-pederasta”. Meu Deus! Se eu tivesse causado males à sociedade, no passado, jamais desejaria contar isso em pormenores! Faria como o apóstolo Paulo, que preferia dar ênfase à sua nova vida com Cristo, deixando claro que “as coisas velhas já passaram” (2 Co 5.17).

Eu defendo a prisão perpétua para quem comete crimes hediondos. E também reconheço que o Senhor Jesus tem transformado verdadeiramente a muitas pessoas que viviam no mundo do crime, não tendo em conta os tempos da ignorância (At 17.30). Mesmo assim, sempre duvidarei daqueles que se dizem ex-isso-e-ex-aquilo. Nunca deixaria a minha filha sozinha, por exemplo, com alguém que tenha histórico de abuso de crianças só porque ele se diz pastor ou evangélico. Por quê? Porque duvido de sua conversão? Não. Simplesmente porque sou prudente e amo a minha filha.

Criminosos que se sentem verdadeiramente regenerados por Deus e estão soltos — em razão da complacente lei brasileira —, podendo inclusive ter o privilégio de falar nas igrejas e em programas de TV, deveriam também ser prudentes. Em vez de usarem o seu passado como chamariz, em seus testemunhos, deveriam dar a Deus toda glória por Ele ter usado de graça e misericórdia para com eles.

Pela sua graça, Deus nos dá o que não merecemos: a vida eterna e a certeza de que estamos perdoados. E, pela misericórdia, Ele não nos dá o que merecemos: a morte e o inferno (Rm 6.23). Glória a Deus!

Em Cristo, que é amoroso e justo,

Ciro Sanches Zibordi

84 comentários:

MARCOS PAULO disse...

Penso Pr. Ciro que a gente deve ter muito cuidado em relação às nossas opiniões .A Bíblia diz que quando a gente não tem Jesus , somos cegos 2Co 4.4. Quem é cego faz muita coisa que não deveria fazer , acredito que todos nós mesmo sem conhecer o Evangelho temos dentro de nós um senso do que é certo e errado , a verdade é que quando Caim matou Abel , se escondeu . E quem disse pra ele que matar era pecado ? Então qual razão para fugir ? Ele tinha a conciencia que tinha cometido um crime . No nosso meio exitem muitas pessoas que vieram desse mundo , pessoas pelas quais muitas almas são ganhas através do do seu testemunho . Deus não leva em conta o que passou , leva em conta que confessemos os nossos pecados e deixemos ( Pv 28.13 ) . Quem comete crime tem que pagar , essa é a lei da semeadura , agora prisão perpetua só o inferno , pena de morte , só Deus pode praticar , pois ele é o dono da vida e só Ele pode tirar e um erro não justifica outro . Se o apóstolo Paulo tivesse cumprido prisão perpetua , não teria tido tanto tempo pra ser o que ele foi .

Jonatan Pereira da Silva disse...

A paz do Senhor pastor Ciro.

Fiquei pensando se a Glória Perez não escreverá uma novela colocando entre as várias situações retratadas, uma como a que está sendo tratada neste post, afinal, se é algo que ela faz (e bem) é retratar essas situações nas telenovelas.
É realmente vergonhoso saber que compartilhamos o evangelho com pessoas que tentam apagar, ou melhor, "cobrir" seu passado horrendo criando um ministério ou assumindo funções eclesiásticas nas igrejas. Falo isso dos querem apenas tirar proveito das circunstâncias se valendo da falta de discernimento e até da ingenuidade de muitas pessoas. Afinal, não é maravilhoso ver alguém que cometeu tantos crimes bárbaros pregar hoje a palavra de Deus? Não é glorioso ver sua transformação através do poder do Evangelho? Com certeza. Porém essa mudança deve ser acompanhada de perto por pastores e servos de Deus que tenham sensibilidade ao discernimento.
Estar em pé hoje não garante que amanhã o estaremos. Paulo disse "Aquele, pois, que cuida estar em pé, olhe não caia. (1 Corintios 10:12)
Acho que seria uma boa ideia se esses ex-assassinos, ex-homicidas, ex-estupradores realizassem trabalhos evangelísticos dentro dos presídios, penitenciárias, casas de detenção, justamente para mostrar a outros, que estão hoje na mesma situação que um dia ele já viveu, que só o Evangelho de Jesus é poderoso para transformar radicalmente a vida do mais vil pecador.
Gostaria de parabenizar ao senhor, pastor Ciro, por nos trazer à luz que é uma falsa ideia acreditar que só evangélicos tem ideias/opiniões corretas concernentes a assuntos ligados ao Evangelho.
Essa imagem foi totalmente derrubada com suas explicações nos primeiros parágrafos deste post.
Um grande abraço, pastor Ciro, e muito obrigado por suas inúmeras contribuições para a diminuição dos "grandes índices de ignorância"(risos) do povo de Deus aqui no Brasil e em todo o mundo.

Que Deus em Cristo abençoe a todos quantos são leitores do Blog do Ciro e também dos blogs que têm compromisso com a Sã Doutrina. AMÉM.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Marcos Paulo,

Tenho certeza de que a nossa opinião deve ser de acordo com a reta justiça (Jo 7.24). Não confunda prisão perpétua com condenação eterna. São coisas muito, mas muito mesmo, diferentes.

Se o irmão acha que um assassino que queima uma criança (E se fosse sua filhinha?) pode estar livre pregando normalmente, eu respeito sua opinião. Mas eu acho isso um absurdo. Quem faz isso tem de ficar preso até o fim da vida.

Quanto à salvação de criminosos, eu acredito, pois Deus é misericordioso. Mas quem queima uma criança, assassina uma jovem brutalmente, arremessa a filha pela janela do apartamento, etc., tem de ficar preso perpetuamennte, ou seja, por toda a sua vida na terra. Isso não quer dizer que lhe desejo o inferno.

Se o apóstolo Paulo tivesse queimado uma criança ou arremessado a sua filha pela janela, duvido que ele tivesse ficado vivo. Ademais, Paulo nunca fez questão de ficar falando de seu passado. Ele fazia uma pequena menção de seu tempo de perseguidor e logo pregava o Evangelho.

Tenhamos bom senso.

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Marcos Paulo,

Em sua tréplica, o irmão confundiu tudo e torceu o que eu falei. Por isso, encerro aqui a minha conversa com o irmão sobre o assunto. Não estou incitando a ira. Apenas asseverei que devemos saber discernir todas as coisas. Leia de novo o texto, devagar, com calma.

Em Cristo,

CSZ

gideone de lima pimentel disse...

Paz do Senhor. Acho contundente seu comentário. Mas, no caso de Paulo que consentiu na morte de muitos cristão? Seria pq estava amparado pela lei dos Farizeus?

Sabendo que concordo com o Senhor.
Apenas uma explicação.

Estamos esperando o Senhor aqui Em São Pedro da Aldeia , RJ.O pessoal do IBADEP lhe aguarda. Abraço

Anônimo disse...

Não tenho nada contra estes "ex-sei lá o que" serem evangélicos, porém para serem pastores deveriam se enquadrar em todos os requisitos deixados pelos apóstolos, e quais deles são IRREPREENSÍVEIS? Esse pastorado todo só acontece porque a maioria das igrejas evangélicas aceitam qualquer um pra ser pastor e deixa de fora como fator decisivo da eleição o crivo bíblico. Aliás se a bíblia fosse usada para empossar pastor, a esmagadora maioria não seria e hoje igrejas como a Assembléia de Deus teria muita ovelha pra pouco pastor...

Evandro Lemes

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro irmão Gideone,

Paulo estava agindo na ignorância, em prol de sua religião e pensava estar prestando um serviço a Deus. Ele não era um fora da lei, assassino cruel, que queimou uma menina de 5 anos ou esfaqueou covardemente uma jovem. Se ele tivesse feito isso, teria sido enquadrado na lei da época, com certeza.

Em Cristo,

CSZ

Hugo Cunha da Silva disse...

A Paz do Senhor Jesus Pr Ciro, quero que saiba que lhe admiro e o respeito muito, mas não concordo com o fato do Senhor apoiar a prisão perpétua, essas pessoas que tais crimes praticam são provas de que estão sob o domínio do pecado, é justo elas pagarem de alguma forma, pelo o que cometeram, mas nada que se faça pode trazer a vida de alguém que morreu brutamente como foi o caso da filha de Glória Perez, alias a justiça humana é falha e injusta, embora tenha o dever de aplicar a justiça, mas a maioria dos responsáveis pelos julgamentos, são homens que andam segundo a carne, portanto não podem exercer um justo julgamento na maioria das vezes.
Acredito que todos merecem uma chence ou duas ou até mesmo três, ou enquanto existir a misericórdia de Deus e a humana, seria mais nobre e mais belo não o cumprimento da pena a risca desse e de outros criminosos, mas o perdão de quem foi vitima direta ou indiretamente, não estou sendo frio, sei que é difícil, porém não é impossível, Estevão conseguiu perdoar imediatamente aqueles que dentre instantes tirariam à sua vida (At 7;60).
E para finalizar o meu comentário, se a Sra glória Perez não se arrepender de seus pecados ainda que não sejam como os de quem ela repudia, ela não terá parte na vida eterna com Deus, pois escrito está...
Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus (Rm 3;23)
um forte abraço
Hugo C da Silva

Ciro Sanches Zibordi disse...

Irmão Hugo C da Silva,

A paz do Senhor.

O que o irmão tem a dizer para as mães que perderam as suas filhas, as quais nunca mais, nesta vida, as verão? Isso não é muito pior do que prisão perpétua? Tenhamos bom senso.

Essas pessoas que tais crimes praticaram são provas de que estão sob o domínio do pecado, mas isso não atenua o que fizeram. Elas cometeram CRIMES HEDIONDOS, inesquecíveis pela sociedade. Não é porque conheço a graça de Deus que vou apoiar a impunidade. A lei é para os criminosos e infratores (Rm 13).

Eu defendo sim prisão perpétua para os praticantes de crimes hediondos. Eles não merecem estar na sociedade, mesmo que se convertam. Eu creio na salvação deles, pois Deus é misericordioso, mas têm de pagar pelo crime que cometeram. Assim acontece em países mais desenvolvidos, em que os que crimes bárbaros como os mencionados são punidos com todo o rigor, e não de maneira frouxa.

Todas as pessoas merecem chances. Mas tenhamos bom senso! Daqui a pouco o maníaco do parque vai sair da cadeia, vai se tornar pastor, montar um site e dizer: "Eu sou o pastor fulano, ex-maníaco do parque, ex-psicopata, matei muitas jovens covardemente, mas fui liberto pelo poder do Evangelho. Convidem-me para fazer uma cruzada em sua igreja".

Justificação é no âmbito da salvação da alma. Mas ela não anula os crimes praticados contra a vida humana. Quem os comete, ainda que se converta a Cristo, deve pagar por eles.

Bom senso! Coerência! Justiça! É disso que precisamos, meu caro irmão. E isso encontramos na Palavra de Deus. Não confunda a salvação da alma com o esquecimento dos crimes praticados por alguém.

CSZ

Greice Amorim disse...

Nós devemos pregar o perdão e o amor de Deus e mais do que pregar acreditar nesse amor e nesse perdão, achar que os (ex- alguma coisa) não podem falar de seu passado e mostrar o que Jesus fez em suas vidas e incoerente> Se acreditamos piamente na regeneração do homem caído, por que não proporcionar uma nova chance a essas pessoas que no passado cometeram crimes graves.
Irmãos Jesus restaura e mais torna a pessoa uma nova criatura, A Sr. Glória Perez tem todo o direito de sentir o que está sentido, mas já vi em alguns casos os familiares de pessoas assassinadas dar o perdão ao assassino, isso é Difíciel, somente pela Graça de Deus.

Cristiano - A.D Criciúma

Edilson Paulo disse...

Há alguns anos atras, encontrei com um ex presidiario, que me disse, que para voce ter uma saida mais rapida da prisão era só ficar na ala-evangelica.Disse ainda que cuidava dos dizimos na prisão, quando saiu, comecou a fazer tudo de novo, ontem aqui em matogrosso, um pastor foi pego com 25 kg de pasta base,ler em overbooverbooverbo.blogspot.com,que possamos esta com olhos abertos para que tais coisas sejam banidas, em nossas congregações.
Saudaçoes em Cristo
overbooverbooverbo.blogspot.com

Alessandro Cristian disse...

A Paz do Senhor, Pr. Ciro.
Parabéns pela sinceridade e imparcialidade de sempre.
Deus continue abençoando sua vida.

FLAVIA MARA disse...

Mais uma vez, tudo pela fama, usando o nome de Deus para se promoverem. Ex-bandidos, ex-assassinos, ex-estrupadores etc, fazem questão de chamar a atenção para o que fizeram de errado. Propaganda sensacionalista, que atrai muitos, infelizmente. É triste ver quem deveria estar cumprindo pena, soltos por aí e até usando o nome de Deus - tudo pela fama e para ganhar dinheiro às custas do povo. O povo de Deus precisa abrir os olhos e nunca convidar ou apoiar esses "ex" que, devido as leis injustas do país estão soltos por aí. Devemos ser, como Jesus falou: Simples como pombas, mas prudentes como serpentes.

silv@ni@ disse...

Pastor Ciro ,a paz!
Concordo com o irmão em tudo que falou,no meu pensar acho que se este ex-ator ficasse calado seria melhor pra ele,Deus lança no esquecimento nossos pecados,mas a sociedade não esquece,agora ficou ruim pra ele,porque as pessoas o odiarão mais, depois desta entrevista , porque ele não pôde responder as principais perguntas que lhe fora feitas,até porque deu pra ver que estava com medo de processos,não mudou em nada do que as pessoas pensavam dele,aliás mudou para pior,se ele continuasse no anonimato seria melhor pra ele e pra sua familia.
Agora que deveria ter mais penas severas deveria,se eles(os ex criminosos) quisessem servir mesmo a Deus ,iriam servir na cadeia,ganhando almas lá dentro pra Jesus,porque só um condenado pode dizer para o outro o que Jesus faz na vida dele e só a familia das vitimas sabem o quanto está sofrendo e a dor de perder um ente querido nestas condições.
Nunca vão aceitar o testemunhos deles,como não aceitaram o do apóstolo Paulo,deixa-los a solta é até um perigo paras as próprias vidas.
Nossas leis são frouxas e infelizmente tem muita gente solta quando era para ainda estar presa,Jesus perdoa pecados inteiramente,mas não isenta os homens de pagar pelos seus erros e uma das conseqüências é esta de não ser aceitos pela sociedade,uma sociedade sem Deus nunca o perdoará mesmo.

Um abraço em Cristo.

Antonio Carlos disse...

Querido Pr Ciro, graça e paz!
Concordo em gênero, número e grau com suas colocações.
Sei muito bem diferenciar entre salvação e vida eterna e a necessidade da punição terrena desses malfeitores, por isso me sinto muito à vontade para expressar minha opinião
Não consigo entender como muitos irmãos olhem com “bons olhos” para pessoas que cometeram crimes hediondos como os citados, apesar de alguns asseverarem que “agora são de Cristo”.
Parece que a mesma amnésia política que historicamente o nosso povo tem, está contaminando também o povo de Deus no tocante a reconhecer os que verdadeiramente entregaram suas vidas a Jesus e aqueles que usam da Igreja como trampolim para alcançarem sucesso na vida pessoal, como acontece com muitos “ex” que se tornam “cantores e cantoras gospel” como eles mesmos se definem e não poucos “pastores” como eles se intitulam.
Infelizmente muitos de nós entendemos que estar com Jesus é dizer “amém” a tudo e a todos; é aceitar esses “tristemunhos” como se o fato de muitos “ex” divulgarem suas vidas pregressas fosse necessário para que as almas pecadoras fossem alcançadas pelo Evangelho.
Será que esses que aceitam com tanta naturalidade que um criminoso seja solto e desdenhe descaradamente dos familiares de suas vítimas procederia da mesma maneira se o caso ocorresse entre os seus familiares ou até mesmo em seu próprio lar?
Quem acompanha nosso humilde blog sabe que tenho amor pelas almas, mas de maneira alguma aceito com naturalidade “pseudas” conversões que num futuro não muito próximo mostram que não passavam de puro marketing para exploração dos incautos.
Que o Senhor nos dê sabedoria e entendimento para não cairmos nas garras do conformismo e da cega aceitação de princípios contrários à Palavra, simplesmente por acreditarmos que não devemos “julgar os irmãos” e nem “tocar nos “ungidos” do Senhor”, apesar de seus atos e frutos nos mostrarem que estão em erro.
Sempre juntos em Jesus.
Antonio Carlos
WWW.procurandoosperdidos.com

Pr Rogerio Cota disse...

Caro Pr Ciro,paz do Senhor Jesus. Tenho acompanhado seu blog, e o considero edificante e sério nas questões abordadas. Gostaria de fazer uma correção acerca de informação contida no comentário de Glória Perez, e um comentário a partir de minha experiência com Welington, mencionado por ela. Ele não é dono( nem fundou 3 igrejas)conforme mencionado por ela. Ela reproduziu isto de uma matéria do Jornal da Alterosa, em uma informação equivocada de um morador de Lagoa da Prata,MG cidade em que Welington residiu por 5 anos, estando no regime semi aberto.Na oportunidade, sua pena foi extinta, razão pela qual atraiu a atenção da mídia. Em verdade,Ele foi meu pr auxiliar de forma voluntária, no periodo de 3 anos,após pastorear informalmente no presído a "igreja atrás das grades" por 7 anos. Hoje trabalha na Igreja Batista da Lagoinha auxiliando em Encontros promovidos por esta igreja. Quanto aos detalhes do episódio em que infelismente uma vida foi perdida, não tenho autorização para comentar. Certamente todos lamentam a vida ceifada de uma criança, principalmente pela forma como aconteceu. Mas quero deixar meu comentário sobre a pessoa do Welington, hoje pr auxiliar na Igreja Batista da Lagoinha em BH. Nunca, em momento algum Pr Welington usou tal ocorrido como forma de se projetar na mídia, ou em testemunhos em igrejas onde teve a oportunidade de pregar.Ao contrário, sempre foi discreto, jamais comentando o ocorrido ou explorando a situação em busca de vantagens. Ético, amoroso, fiel, obediente,e de oração... Lúcido em sua visão, foi voluntário aqui no interior de Minas amando aos irmãos de forma exemplar. Ele verdadeiramente tem o chamado ministerial e é um exemplo de transformação operada por Cristo. Deus o abençoe

Ciro Sanches Zibordi disse...

Cristiano (Greice Amorim), da AD Criciúma:

É prazer ter o irmão em meu blog. Mas, o irmão acha mesmo que um ex-criminoso deve falar da sua vida pregressa? O que acha de o maníaco do parque (de SP) descrever com detalhes o que fez covardemente com inúmeras jovens enganadas por ele? Muuuito edificante!

O que o irmão acha de a matricida e parricida Susane descrever nas igrejas cada detalhe relacionado com o assassinato de seus pais? Seria um belo testemunho, não acha?

Agora, quem lhe disse que não pregamos o perdão e o amor quando defendemos o cumprimento da justiça e pedimos penas mais duras para os praticantes de crimes hediondos? O irmão não consegue ser imparcial e separar os departamentos? O cristãos que é espiritual sabe discernir tudo (1 Co 2.15).

Outrossim, o fato de os familiares de pessoas assassinadas concederem o perdão a um assassino (como foi o caso do pai de Ives Ota), não o exime o criminoso de cumprir a pena por seu crime hediondo.

Crimes das natureza mencionadas devem receber punição exemplar, para que não haja impunidade, gerando novos crimes bárbaros. Tenhamos bom senso. Nós, evangélicos, conhecedores da Palavra, temos o dever de sermos equilibrados, prudentes, justos.

Em Cristo,

CSZ

Tatiane Dias disse...

Pr. Ciro, não sei se teve a oportunidade de assistir ao programa do Ratinho esta semana... O entrevistado foi o Guilherme de Pádua que há dez anos é membro na Igreja Batista da Lagoinha. Ele prometeu que iria responder quaisquer perguntas sobre o assassinato cometido por ele e por sua ex-esposa (para quem não se lembra ele matou a filha de Glória Peres). No entanto, na hora se esquivou, devido à algumas ameaças feitas pela mãe da vítima no twitter - prometia processá-lo.
Guilherme ficou durante 18 anos sem se pronunciar e, de uma hora para outra, resolveu falar. Tive a impressão de que ele queria realmente falar sobre o que Jesus fez em sua vida e, sem sombra de dúvida, pode-se perceber que realmente ele está mudado, como afirma sua atual esposa e pastores que o acompanham durante todo esse processo.Mas, nada foi como ele esperava: Ratinho insistia em fazer perguntas sobre a sua versão no processo, que, de acordo com Guilherme , era totalmente diferente da versão da acusação e o deixou muito embaraçado e em alguns momentos o Guilherme foi até sarcástico. A entrevista terminou quando Ratinho perguntou se ele já teve vontade de pedir perdão à mãe da vítima e ele respondeu que inúmeras vezes. Em seguida, o apresentador disse que se fosse Glória Peres não iria perdoá-lo nunca e se levantou e o programa terminou. Guilherme ficou nitidamente decepcionado e frustrado.
Diante do exposto acima, concluí que realmente só quem conhece a Graça de Deus e já a experimentou, pode conseguir perdoar esses tipos de crime. O mundo sem Deus não consegue conceber o perdão gratuito oferecido por Jesus e torna-se muito difícil para qualquer ouvinte nessa situação saber que um ex-homicida, um ex-estuprador se glorie nas suas antigas fraquezas e as comente ou as propague como se fossem "troféus".
Conheço e vivencio a Graça de Deus, o Seu amor, creio piamente no poder transformador da cruz de Cristo; no entanto, também não concordo com a propagação explícita de atos que são considerados hediondos para a sociedade, mesmo que sejam atos praticados no passado por alguém que hoje seja uma nova criatura em Cristo. E mais, também sou a favor da prisão perpétua para crimes hediondos e sou totalmente contra as benesses outorgadas a criminosos.
O próprio Guilherme de Pádua e sua ex-esposa, receberam um indulto da justiça(1999) e hoje têm a ficha criminal igualzinha a minha. Não concordo com esta frouxidão da Justiça brasileira.
Não me entendam mal, mas me senti extremamente bem e aliviada quando há quinze dias os Nardone foram condenados. Se pudesse os condenaria a prisão perpétua. No entanto, oro para que Deus tenha misericórdia dos dois e salve as suas almas.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Pr. Rogério Cota,

Agradeço-lhe pelas informações. Como eu disse, no artigo, a lei brasileira é frouxa e beneficia pessoas que praticam crimes hediondos. É por isso que elas saem tão rápido da prisão. É por causa dessa frouxidão que no Brasil há tanta impunidade e incentivo a crimes hediondos.

Por conseguinte, se algum criminoso tiver tal benefício (injusto, a meu ver) e ficar livre; se for um cristão de verdade, que seja discreto, que não faça questão de explorar a vida velha e descrever os crimes que cometeu, como que zombando da família da vítima, pois isso é vergonhoso e depõe contra o Evangelho.

Tenhamos bom senso.

CSZ

francisco disse...

Fico impressionado e que quando alguem que nasceu em berço evangelico e chegou a idade da conciencia aceitou a cristo como salvador e ao chegar a 3º idade praticamente no fim da vida conta seu lindo testemunho de nunca ter se desviado ninguem o valoriza!

Ciro Sanches Zibordi disse...

Prezada Tatiane Dias,

Parabéns pelo seu equilíbrio e sua capacidade de enxergar todos os lados da questão em apreço. Realmente, como a irmã afirmou, "só quem conhece a Graça de Deus e já a experimentou pode conseguir perdoar esses tipos de crime. O mundo sem Deus não consegue conceber o perdão gratuito oferecido por Jesus e torna-se muito difícil para qualquer ouvinte nessa situação saber que um ex-homicida, um ex-estuprador se glorie nas suas antigas fraquezas e as comente ou as propague como se fossem 'troféus'."

Não preciso dizer que conheço a Graça de Deus, pois é o Espírito quem dá testemunho disso em meu interior (Rm 8.16). E eu também não nego que o aludido criminoso tenha se arrependido e se convertido. Mas tenho o direito de opinar sobre a sua pena, que, a meu ver, foi pequena, suave, branda, insuficiente, considerando a barbaridade que ele cometeu.

Os próprios líderes da igreja deveriam orientar pessoas assim, a fim de que elas não se expusessem, como aconteceu no Programa do Ratinho.

Lembremo-nos de que o Evangelho de Cristo também é justiça, e não somente amor e perdão. A partir do momento em que se torna moda praticantes de crimes hediondos serem aceitos com a maior naturalidade em nosso meio, a ponto de se tornarem "líderes espirituais", a credibilidade do Evangelho é posta em dúvida.

Deus, por exceção à regra, usou até uma jumenta. Mas isso foi exceção! Ele pode salvar um criminoso e fazer dele um pregador do Evangelho? Claro que pode. No entanto, que justiça há nisso, em regra geral, considerando a grande perda que as famílias da vítimas sofrem?

No Antigo Testamento, as cidades de refúgio eram usadas para abrigar e proteger da vingança dos familiares as pessoas que cometiam crimes culposos, e não dolosos. Desde aquela época, a Lei de Deus punia exemplarmente crimes hediondos e praticados com a intenção de matar.

Tenhamos bom senso.

Em Cristo,

CSZ

René disse...

Amado Pastor Ciro,
Gostei muito de sua postagem e, principalmente, da abordagem corretíssima que você fez sobre a opinião da sra. Glória Perez.
Mas, confesso, fiquei um tanto surpreso, com alguns comentários à sua postagem. Acredito que os assuntos foram misturados indevidamente:

- primeiro, a sua opinião sobre penalização para crimes foi confundida com condenação espiritual. Reli o texto e não encontrei nenhuma indicação de que você tivesse insinuado isso. Apenas vi que você discorda das atuais penalidades previstas na lei brasileira (também discordo); mas isto não supõe que um condenado pela lei do homem, também o seja por Deus. Caso tivéssemos a prisão perpétua como penalidade para crimes hediondos (que seria mais correto), o criminoso, julgado e condenado, teria que cumprir sua pena e, durante esse período, poderia se converter ao senhorio de Jesus, alcançando a sua salvação espiritual. Ainda assim, teria que cumprir a sua pena. O fato de ser cristão não lhe daria direitos especiais. O infrator crucificado ao lado de Jesus foi salvo, porém cumpriu sua pena (foi crucificado e morto).
Quanto aos que pensam que a prisão perpétua é uma penalidade dura demais, certamente estão se esquecendo que, na Lei de Deus, os crimes hediondos eram punidos com a morte. A Lei foi crucificada com Cristo, é verdade, porém, Deus e Seus atributos são imutáveis. Esse princípio divino continua existindo, com a diferença de ser aplicado, apenas, naqueles que não se convertem ao Senhor Jesus. Além do mais, "o Senhor é longânimo e grande em misericórdia, que perdoa a iniqüidade e a transgressão, ainda que não inocenta o culpado" (Êx 34.7; Nm 14.18). Em outras palavras, o Senhor perdoa, mas a pessoa, ainda assim, deverá passar pelas conseqüências de seus atos. E, além disso, as penalidades da lei também têm seu poder coercitivo, ou seja, impõem o medo da penalidade àqueles que ainda não cometeram crime, mas que estejam propensos a isso. Quanto mais dura a penalidade, maior será a possibilidade do crime não ser cometido;

- segundo, você diz que não concorda com o fato de pessoas chamarem atenção para a vida pregressa que tiveram e propagandearem isso (concordo plenamente). Algumas pessoas, aqui, discordaram, entendendo que tais testemunhos são válidos, até mesmo, para a conversão de outras pessoas. Não duvido dessa validade, mas a Palavra nos alerta quanto ao cuidado que devemos ter com os mais débeis na fé (ver Rm 14). Creio que tais testemunhos, feitos diante de uma multidão, têm a possibilidade de causarem mais mal do que bem. Muitos podem tomar essas palavras como uma "licença" para cometerem os mais diversos erros. Como você disse, devemos ter bom senso, coerência;

- terceiro, uma questão doutrinária parece estar sendo esquecida no meio cristão brasileiro: em 1 Timóteo 3, temos uma série de recomendações a serem seguidas para a nomeação de presbíteros e diáconos. E todas essas recomendações demandam bastante tempo de vida cristã para serem satisfeitas. No entanto, o que tem ocorrido é a imediata nomeação dos ex-alguma-coisa, para uma posição de liderança na igreja, devido ao apelo de "marketing" que isso proporciona. Por si só, esse fato desqualifica tais testemunhos;

- quarto, eu também não deixaria nenhuma de minhas filhas sozinha com uma pessoa que tivesse tais históricos, nem com homem nenhum, pois a própria Palavra nos recomenda que sejamos símplices como as pombas e prudentes como as serpentes (Mt 10.16);

- por último, finalmente, um comentário sobre 1Co 10.12 (quem estiver de pé, tomar cuidado para não cair), citado por um dos leitores: Paulo foi mais completo, a esse respeito, em Romanos 14.4, ao dizer que "para o seu próprio senhor está em pé ou cai; mas estará em pé, porque o Senhor é poderoso para o suster". Certamente, ele se referia a verdadeiros convertidos.

Que a Paz do Senhor Jesus continue sobre você, Pastor Ciro, e sobre todos que são alcançados pela palavra que você traz.

Daniel Clós disse...

O comentarista Marcos Paulo falou em prisão perpétua para Paulo, ele demonstra no mínimo desconhecer que Paulo só ficou sujeito a ser preso e morto depois que se converteu, não antes disso... tudo o que ele fez contra os cristãos era "correto" aos olhos do estado e da lei judaica. Diferente dos atos dos Wellingotns e Guilhermes que andam por ai.

Pr. Ciro, concordo com o que escreveste. Paulo, ou Saulo, quando saiu a perseguir, prender e arrastar para prisões cristãos, fazia o que acreditava ser ordem de Deus, ele era judeu e agiu conforme as ordens do Templo. Diferentemente dos que matam, estupram e roubam para prórpio prazer. o Próprio Paulo afirmou ser ele o mais zeloso de todos para com a lei.

Não estou dizendo que Saulo era uma boa pessoa, mas sua motivação não era prazer sexual ou desejo de ver sangue, erradamente, era de cumprir a "lei de Deus".

Pessoas que postam comentários aqui confundindo "prisão perpétua" com "condenação eterna", desconhecem o amor de Deus... são as mesmas que acreditam em prosperidade financeira como objetivo final da cruz.

Eu não sou ex-nada... não tenho nada para dizer do meu passado... senão, que não era nada. É revoltante no entanto, ver homens julgando-se serem espirituais porque foram assassinos.. é como se dissessem: tenham medo de mim porque o diabo sabe bem do que eu sou capaz.

Excelente blog.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro irmão René,

É surpreende mesmo como muitos internautas opinam sem ter lido o texto com atenção. Outros, dão uma insuficiente olhada por cima, apenas para pinçar certas frases que se põem pretensamente a refutar. E outros, ainda, sequer se dão ao trabalho de ler, mas estão cheios de opinião...

Mas, graças a Deus, há pessoas como o irmão e outros internautas que escreveram (mesmo não concordando comigo), que emitem opinião depois de ler com cuidado o que está escrito.

Finalmente, agradeço-lhe pelas suas palavras, que vêm a corroborar o que eu escrevi.

Em Cristo,

CSZ

Gilmar disse...

Prezado Pr. Ciro,

A paz do Senhor.

Defendo uma pena dura, mas também defendo uma segunda chance, pois vejo que o Deus da Bíblia é o deus da segunda chance.

No pecado que Davi cometeu com Bate-Seba, por exemplo, vemos que o rei cometeu um adultério seguido de um homicídio (maquinado, mas ele não deixou de participar dele), pecados estes que eram punidos com a morte segundo a lei da época. E o que aconteceu? Davi se arrependou profundamente do que fez (Sl 51) e Deus deu a ele uma nova chance.

Interessante que Deus não livrou de Davi as conseqüencias dos seus pecados, mostrando a justiça dEle, mas Deus deu a ele a oportunidade de começar de novo.

Com base nessa passagem apenas, defendo uma punição severa, mas também a chance para o preso ter a sua vida de volta um dia.

O que o Sr. acha?

Em Cristo,
Gilmar

PR MAURICIO BRITO disse...

Pr Ciro Parabens, a sua postagem foi excelente; concordo plenamente, com a prisão perpetua para pedofilos, pessoas que comentem crimes barbaros. lamentavelmente pessoas imaturas, sem compromissos e sem fruto de regeneração estão com carterinha de pastor; o que o senhor falou Pr Ciro é a realidade.
abraços, e acesse o meu blog http://prmauriciobrito.blogspot.com/

PR MAURICIO BRITO disse...

Pr Ciro o PECADO do travestismo é tão nojento, que até lembrar que em tepo passado fora é PECADO; não ras edificação no meu enteder ficar remoendo coisas passadas, tras a lembraça de algo muito decepicioanante;
abraços
pr Maurico Brito http://prmauriciobrito.blogspot.com/

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Gilmar,

A paz do Senhor.

Como eu já disse, defendo prisão perpétua para crimes hediondos. Quanto às segundas, terceiras, quartas... chances, elas podem ocorrer, mas isso não isenta o criminoso do que praticou.

Davi era o rei de Israel, a autoridade máxima daquela nação, e valeu-se disso para cometer um crime hediondo e ficar impune. Agiu à margem da lei. Pelo fato de ser o rei, não se submeteu a ela. Mas pagou muito caro por isso, a despeito de o Senhor o ter punido com misericórdia e o perdoado. Foi realmente um caso excepcional.

Penso que empregar o exemplo de Davi hoje, com a intenção de relativizar ou atenuar crimes hediondos, como os mencionados no artigo, é uma grande falácia.

Em Cristo,

CSZ

Newton Carpintero, pr. e servo disse...

Nosso prezamado pr. Ciro Zibordi,

A paz do Senhor!

Discordo da pena de morte e concordo com a PRISÃO PERPÉTUA para meliantes que comentem CRIMES HEDIONDOS.

Existe uma confussão no coração de muitos, por não tentarem ao menos utilizar a empatia, com um sofrimento simulado em sua própria família, para ao menos tentar digerir e poder entender, a que ponto poderá chegar a mente e o coração de um pai ou uma mãe, que perdeu um ser querido, através de uma maldade sem dó e sem pena.

A PRISÃO PERPÉTUA deve ser estabelecida como nos EUA, pelo direito à escolha de quem comete este CRIME HEDIONDO.

Escolheu matar, aprovou a sua PRISÃO PERPÉTUA. É uma escolha que deve ser válida e conforme a justiça que não se compara a justiça de Deus.

O que significa uma PRISÃO PERPÉTUA, para o que se arrepender e encontrar a possibilidade de uma Vida Eterna? Nada! Aí está a maravilhosa justiça de Deus completa em misericórdia e bondade!

Os homens que justificam esta pequena bondade e são contra a PRISÃO PERPÉTUA, não entendem a necessidade desta postura da sociedade diante de tanabha aberração e são insensíveis aos que perderão e desejam dar uma oportunidade a estes por não serem os seus que foram mortos. Pura misericórdia humana:

Parabéns pastor Ciro Zibordi por abordar este tema tão importante e por sua coragem nutrida do conhecimento bíblico para formalizar o quanto enganados estão os crentes por cometerem excessos erros relacionados à falta de conhecimento da Palavra.

O Senhor seja contigo, nobre pastor.

O menor de todos.

Greice Amorim disse...

Estimado Pr. Ciro, entendi o que o Sr. quiz dizer, e concordo que as penas devem ser exemplares, pois o nosso país infelizmente é o pais da impunidade. Aceito sua opinião, até porque nós não estamos na pele dessas pessoas que perderam seus entes queridos com crimes bárbaros, e não saberia como seria comigo, se tivesse um parente morto brutalmente e depois visse em cima de um pulpito o assassino pregando e contando o caso, mesmo se esse estivesse convertido. È muito difícil, que Deus nos guarde disso.

Fraternalmente em Cristo.

Dc Cristiano AD Criciuma

Lucilene Soares disse...

Pr. Ciro, li todo o texto...não tenho nada à acrescentar. É tudo que sempre observei e penso de igual forma.

Graça e paz!

Julio Caldeira disse...

Caro Pastor Ciro,

Aprecio muito o seu blog pela maneira de como aborda assuntos relevantes que nos faz uma meditaçao sobre o verdadeiro evangelho que devemos seguir, gostaria com a sua devida licença compartilhar o meu ponto de vista sobre o assunto em questao; a dor da perda de um ente querido e´ muito traumatico, muitas das vezes imperdoaveis e dificil de se explicar mas devo salientar que esta dor muita das vezes se torna tao repugnante que a vitima em questao nao aceita outra alternativa do que o imperio do odio, naturalmente que este odio foi simplesmente uma das circuntancias que a vida lhe presenteou, muitos sao as pessoas que sofrem desse mal. porem devo afirmar que este sentimento ainda alimentado no coraçao ele levara´ a pessoa um final muito triste diante do Senhor, pois nao podemos nutrir estes sentimentos se realmente desejamos alcançar o Ceu por intermedio de Jesus Cristo, por outro lado nao podemos querer justificar que pessoas que tinham indoles ruins nao venham ser transformadas e venham ser instrumentos de Nosso Senhor Jesus Cristo, podendo ate´´ atingir o Ministerio, nao cabe a nos termos esta condiçao de analise, caso seja a nos, digo como Ministerio a condiçao para o exercicio do mesmo, mas mesmo assim a responsabilidade estaria naqueles que impunham a maos sobre as suas cabeças separando-os. Mas o cerne desta questao e´ sera´ que o Senhor nao utilizou pessoas que deliberadamente tiraram vidas inocentes ou provocaram e na provocaçao tiveram o reves de suas vidas ceifadas, nao querendo justificar qualquer forma de merecimento ao provocante pois a vida e´ um bem inalienavel dada pelo Senhor e somente Ele a tira, mas queremos lembra-lo ate´ o proprio Caim personagem que nos trouxe o primeiro homicidio sentiu-se que a sua vida, apos o assassinato seria de fugas e esconderijo, mas o Senhor impos uma pena maior para aqueles que o matassem Gn 4.15-16, temos o habito como ser humano de sermos bem mais vingativo do que devemos ser, nao fazendo qualquer defesa a ninguem, somente a causa de Cristo que e´ Misericordioso, temos tambem a situaçao de Moises que queria ver o seu povo livre e deliberadamente matou um Egipcio, Moises era um homicida e ninguem poderia tirar isto de sua vida, a nao ser o Senhor, talvez nos homens naturais nunca iremos compreender o Senhor, pois ele faz do rude, do perigoso, do homicida, um grande instrumento em sua mao, nao sabemos porque, mas esta e´ a sua pericia, mas o maior de tudo e´ que aquele que mata, rouba, ou comete outros delitos eles venham sofrer mais do que as vitimas, porque ninguem vai tirar isto deles, serao sempre fugitivos, escondidos dentro de suas faltas, de suas bestialidades, trarao sempre em suas memorias a sua fraqueza mais terrivel, ate que encontrem a Cristo que nao medem pela sua condiçao, nao julga por suas atitudes, nao analisa pelas suas faltas, mas olha pela sua pequenez fragilidade os contemplam e somente pergunta-os se querem aliviar de suas cargas? Nao quero aqui expressar uma reparaçao sem que haja uma consequencia pelos erros, mas o peso da culpa diante de Jesus Cristo nunca mais sera exigido pois ele certamente retirou para aqueles que reconhecem que a cruz e a coroa de espinho era para nos. a maior dificuldade que apresentamos e´ que os nossos sentimentos sao diferentes do Senhor por mais que tentamos aproximar dele, Jonas que o diga Jn 4.2. Mas volto ao principio se a vitima, aqueles que ficaram sem o seu ente sem o seu bem, na diferença que espera uma justiça deve sempre lembrar que Ele morreu na cruz por nossos delitos e que nao tinha culpa nenhuma mas o Senhor teve prazer no sacrificio apresentado pelo seu Filho Is 53, e´ duro mas este e´ o Evangelho da reconcialiaçao e da vida. que o Senhor Jesus venha sempre lhe abençoar em seu rico ministerio fique na Paz do Nosso Senhor Jesus Cristo.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caros irmãos:

Para ajudá-los a compreender o meu posicionamento, pois muitos estão pensando que não acredito no perdão de Deus concedido a qualquer pecador, vou propor uma reflexão a todos.

Os Estados Unidos e vários países da Europa estão errados em manter praticantes de crimes hediondos presos até o fim de suas vidas? A lei brasileira é a mais bíblica, coerente, justa, em razão de permitir que praticantes de crimes bárbaros, hediondos, em pouco tempo estejam nas ruas e até sejam pastores ou pregadores?

Volto a citar o maníaco do parque, aquele motoboy que atraiu inúmeras jovens para um grande parque, na cidade de São Paulo, promotendo tirar fotos delas, mas lá as estuprou e matou. Pela benévola lei brasileira, daqui a alguns anos ele será solto. Dizem que ele hoje já é evangélico.

Considerando o que tem sido dito aqui, não haverá nenhum problema em o maníaco do parque ser um pregador do Evangelho. E já será famoso, podendo acrescentar ao seu nome: Ex-maníaco do parque. Mas, nos Estados Unidos, isso não aconteceria. Ele ficaria preso perpetuamente.

Estaria a nação norte-americana indo contra a Bíblia por manter "maníacos do parque" encarcerados? É, portanto, a frouxidão da lei brasileira mais bíblica do que a rigidez da lei estadunidense?

A benévola lei brasileira para com criminosos como o maníaco do parque e outros cruéis assassinos está de acordo com o ministério da reconciliação, como foi sugerido acima? Esse é o padrão da justiça divina? Todos devem se sentir bem com a pregação de alguém que violentou, matou, manteve relação sexual de novo com as vítimas, quando elas já estavam mortas?

Será que a complacente lei brasileira é mais bíblica que a severas leis estadunidense, alemã, inglesa, etc.? Por que Deus não chama pastores ex-criminosos nos Estados Unidos e na Europa? Porque eles não podem ser soltos! Lá a lei é rígida contra crimes hediondos. Estão essas nações severas impedindo a obra de Deus na vida de seus escolhidos para levar o Evangelho?

Tenhamos bom senso, por favor.

CSZ

Gilmar disse...

Prezado Pr. Ciro,

Não sou a favor que a lei atenue crimes hediondos, no caso do Guilherme de Pádua achei uma punição muito branda, já no caso do casal Nardoni achei justo.

Sou a favor que se dê uma nova chance para o criminoso, que ele possa recomeçar a sua vida e não passar o resto dela na cadeia.

Quanto a história de Davi e o seu pecado com Bate-Seba, vejo que o Senhor o livrou da morte:

"Então disse Davi a Natã: Pequei contra o SENHOR. E disse Natã a Davi: Também o SENHOR perdoou o teu pecado; não morrerás." (II Sm 12.13).

Deus permitiu que Davi pagasse um alto preço pelo seu pecado, mas também deu a ele a oportunidade de começar de novo.

Em Cristo,
Gilmar

Newton Carpintero, pr. e servo disse...

Nosso prezamado pr. Ciro Zibordi,

A paz do Senhor!

Retorno para tentar dissimular os BONZINHOS DE CORAÇÃO, desta atitude, que seria de decisão contrária, se fosse com um membro de suas famílias.

Criticá-lo pela sua aprovação ao crime hediondo com a PENA por vida, chamada de PRISÃO PERPÉTUA, é eficazmente necessário, se promulgada para todos os que se arriscam em cometer este tipo de crime, bem como, a muitos outros que deveriam entrar nesta lista.

Todos teriam a oportunidade em reconnhecer ao Senhor Jesus Cristo, na prisão, e alí permanecer com a fé recebida, onde desenvolveriam o desejo em anunciá-la em sua residência permanente.

Nos EUA, onde resido, percebo que mesmo com esta lei, e a condenação à morte que poderá levar anos, mas chega o dia, muitos não respeitam ao seu semelhante e destroem famílias que convivem para o resto da sua vida com uma PENA DE PRISÃO PERPÉTUA, em seus sentimentos que nunca mais serão os mesmos.

Um garoto de 14 anos de idade se cometer um assassinato, com certeza, terá que responder como adulto, e será condenado não a pena de morte, mas a PRISÃO PERPÉTUA. Isto é maldade? Não! Esta é a lei que se aplica para reduzir o número de vítimas, que cresce assustadoramente por todo o mundo.

Meu amigo pastor, pedir bom senso, por favor, será que é pedir demais para um povo que debochou do ataque às Torres Gemeas nos EUA.

Pedir bom senso ao povo brasileiro, é pedir demais ao povo que em número incalculável, me encheu de lágrimas, quando lia os comentários maldosos na internet no momento da queda das Torres em New York, com as imagens que me deixou sem comer e beber, até o final da tarde, sentado desmontado no sofá de minha casa, sem forças para sair para trabalhar?

Triste os sentimentos de um povo que vai ao Maracanã, assistir ao futebol, enquanto famílias sofriam pedindo SOCORRO. Triste!

Oremos pelo Brasil, que necessita de bom senso.

Pedir bom senso aos crentes na sua grande maioria, infelizmente é pedir demais, a quem convive com as heresias. Calam suas bocas e somente as abrem quando sentem interesse por prosperidade.

A lei brasileira é uma mordaça aos que foram condenados à TRISTEZA PERPÉTUA, pelos que cometeram maldades aos seus familiares, e foram ou são liberados sem cumprirem a sua pena. Que pena!

Triste conviver com a falta de bom senso.

O Senhor seja contigo, nobre pastor,

E não desistamos nunca em permanecermos com um bom senso diante da igreja pelo amor ao Senhor,

O menor de todos.

MIQUELS disse...

Não esqueçamos que Deus perdoa o mais vil percador. Essa é a justiça de Deus, atraves da morte vicaria de Cristo.
Porem, tem a justiça de Deus, e tem a justiça humana.
Mesmo que o criminoso pecador receba o perdão de Deus, ainda assim deverá pagar os seus crimes diante da justiça dos homens.
Mas para o bom andamento do evangelho de Cristo esses criminosos jamais deveriam assumir posição de liderança na Igreja, jamais deviam se tornar pastor.

Anônimo disse...

Prezado Pr. Ciro e irmãos, a Paz do Senhor Jesus.

1. A posição defendida pelo irmão é bíblica quando conclui que tais testemunhos usados como “carro-chefe” para a pregação evangelística podem não ter o efeito desejado e, em alguns casos, depõem contra o Evangelho. O Cristianismo nada tem haver com a impunidade, a injustiça e a frouxidão patrocinada pelos legisladores.

2. Certa ocasião ouvi em um programa radiofônico, alguns pastores debatendo sobre as dificuldades que isso pode acarretar. Um deles disse que um pastor teve que interromper uma ex-bruxa que quis mostrar as fotos dos sacrifícios humanos que fazia! O pastor a impediu e alertou que tal atitude irrefletida poderia provocar uma tragédia, em alguma ocasião em parentes das vítimas, ainda sedentos por vingança, estivessem presentes.

3. Um obreiro relatou que a providência divina o fez assentar-se ao lado de um visitante (não cristão) que após ouvir um relato prolongado da vida pregressa de um ex-bandido, quis questioná-lo ali mesmo. Creio que o melhor lugar e os melhores efeitos ocorram entre as pessoas que conviveram com o novo convertido (Mc 5.18-20).

4. Os irmãos se lembram de Zaqueu? Ele declarou, após sentir-se seguro nos braços de Jesus, que acabara de livrar-lhe do Inferno: “... se em alguma coisa tenho defraudado alguém, o restituo quadruplicado” (Lc 19.8b). Não há registro de que Jesus tenha feito qualquer outra promessa imediata (senão a promessa de vida eterna...) que o tenha fortalecido a tomar uma decisão que, sem dúvida, glorificou a Deus e o recomendou à consciência de seus acusadores: tratou de pagar suas dívidas com a Sociedade.

5. Restituir (nesse contexto) é reparar os erros da vida pregressa; é devolver as riquezas originadas do “jeitinho brasileiro” (Ef 4.28) e da prostituição; é reconstruir o lar; é admitir a culpa; é pagar por seus crimes; etc. Enfim, é mesmo aparentemente uma decisão difícil e paradoxal.

6. Como pode alguém que busca a salvação ir contra o próprio extinto da auto preservação? A explicação é que Zaqueu foi apresentado ao Evangelho genuíno e não aquele outro “evangelho”. Ser cristão deixaria de ser opção para muita gente, se isso ficasse bem claro desde o início.

7. A Bíblia não prescreve prisão perpétua para assassinos, mas a pena capital. Por misericórdia, Deus criou as instituições humanas (Família, Governo, Magistrados) para defender à Sociedade, de crimes contra a vida. Muitos governantes não têm sequer autoridade moral para permanecer em seus cargos (Mt 23.2,3). Mas, que julgar e punir o criminoso exemplarmente são prerrogativas de seus cargos, isso é!

8. Paulo, cidadão Romano, não questionou o direito e a prerrogativa da aplicação da pena capital, pela autoridade romana, na defesa dos interesses da Sociedade: “Se fiz algum agravo ou cometi alguma coisa digna de morte, não recuso morrer; mas, se nada há das coisas de que estes me acusam, ninguém me pode entregar a eles. Apelo para César” (At 25.11). Aliás, nem Jesus e nem seus discípulos negaram isso (Jo 19.11; Rm 13.1-7; 1Pe 2.13,14).

9. Sinceramente, penso que há muitos aspectos em “nossa” teologia atual que vão de encontro ao Texto Sagrado. E, em alguns casos, nem é preciso ser versado nas Escrituras para perceber isso. Deus dê força ao irmão para continuar mostrando “porque o caminho é estreito” e, também, porque vale a pena percorrê-lo, sob a graça de Jesus.
11 Abr 10.
Abraço fraterno,
Paulo Ceroll.

Pastor Giovanni Fiungo disse...

Pr Ciro, Concordo que por ai andam muitos enganadores se dizendo pastores e outras coisas. No entanto creio que existem muitos homens e mulheres que um dia por estarem totalmente presos ao pecado, cometeram crimes contra a sociedade e por isso foram presas e condenadas segundo o código penal brasileiro. Muitas destas pessoas se arrependeram e se voltaram para Cristo e foram perdoadas por Deus. Vou mas além , algumas também receberam um chamado para o ministério, " quem chama é Deus"
Alguns ministério fecham totalmente as portas para pessoas na igreja só pelo fato desta pessoa ter um passado de crimes etc... O evangelho transforma e se há transformação, deve se divulgar isto para a Glória de Deus. Não exaltando os feitos passados, mas sim a restauração de Deus nestas vidas. pois isto é o que pregamos nos púlpitos; dizemos que Cristo salva , cura e liberta o pecador; mas olhamos com desconfiança para estas pessoas. Será que olharia-mos com desconfiança para Raabe a prostituta, Moisés o Homicida, Zaqueu o corrupto?
Aquele que apaga todos os nossos pecados e os lança no lago do esquecimento, pode da mesma forma chamar para o ministério estas pessoas. Esta é a minha opinião e o meu comentário.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro pastor Giovanni Fiungo,

Responda-me objetivamente: Por que essas "chamadas" de ex-criminosos, ex-estupradores, ex-praticantes de crimes hediondos não ocorrem nos Estados Unidos? Estão os norte-americanos impedindo a obra de Deus em razão de terem um lei tão rígida contra os criminosos, mantendo-os longe da sociedade?

Se estavam presos e enganados pelo pecado (Quem não estava, antes de se entregar a Cristo?) quando cometeram crimes hediondos, os tais criminosos não merecem ser apenados com prisão perpétua por isso, só porque eram pecadores e agora são evangélicos? Isso lhe parece justo e coerente, caro pastor?

O irmão cita o Código Penal Brasileiro. Eu estou ciente de que os ex-criminosos já pagaram segundo a lei vigente (e benevolente) no Brasil. Mas... Primeiro, quem comete crimes hediondos não deveria sair tão rápido da prisão (isso é injusto e nos países desenvolvidos isso não acontece). Segundo, por que os ex-criminosos devem ser pastores e pregadores? É o seu passado que lhes confere a certeza dessa "chamada" e mais autoridade para testemunhar? Repito, por que nos Estados Unidos essas "chamadas" de ex-praticantes de crimes hediondos não ocorrem? Charles Manson seria um grande evangelista, não acha? Penso que superaria Billy Graham...

Muitos desses criminosos se arrependeram, sem dúvidas, e se voltaram para Cristo e foram perdoados por Deus. Concordo plenamente! Mas, por que os arrependidos e convertidos dos Estados Unidos não se tornam pastores e pregadores famosos? Por que, se eles querem mesmo pregar, têm de fazer isso dentro da prisão!

Nos Estados Unidos e na Europa, quem pratica crimes hediondos é exemplarmente punido! Mas aqui... "Pobrezinho... ele já ficou preso 10 anos por ter queimado uma criancinha... Coitadinho... ele ficou preso 15 anos por ter estuprado e matado apenas 10 jovens... Ele tem chamada!"

Bom senso, caro pastor! Precisamos de mais bom senso.

CSZ

sylasneves disse...

Pr. Ciro,

A Paz do Senhor!

Concernente ao assunto Mirían Brandão, o jornal da Alterosa (SBT de Minas) no ano passado fez algumas reportagens sobre a extinção da pena e o futuro dos acusados, gostaria da sua opinião sobre a reportagem.
o endereço é: http://www.dzai.com.br/jornaldaalterosa/video/playvideo?tv_vid_id=43058

Abraços...

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro irmão Sylas Neves,

1) Eu já tinha visto a reportagem no blog da Glória Perez. E tudo o que eu escrevi acima foi depois de eu ter assistido ao vídeo. A lei brasileira é mesmo muito benévola com quem comete crimes hediondos.

2) Não duvido da conversão do criminoso. Quem o vê pregando e abraçando crianças não consegue mesmo desconfiar de que ele não esteja convertido. Ademais, é Deus quem conhece verdadeiramente o seu coração.

3) Mesmo assim, considero inaceitável que a lei brasileira seja tão branda com quem queima viva uma menina de 5 anos. Isso é impunidade, falta de coerência, falta de bom senso, falta de respeito para com a família. A prisão perpétua seria a melhor pena para um crime hediondo como esse.

CSZ

Newton Carpintero, pr. e servo disse...

Nosso prezamado pr. Ciro Zibordi,

A paz do Senhor!

A insensibilidade de um pastor em querer ser demasiadamente sensível ao chamar Moisés de homicida, é vergonhoso para o ministério, que mais uma vez comprova a falta de respeito através da justiça impune que existe no brasil.

Este prezado pastor que coloca Moisés, nesta lista de meliantes que cometem CRIMES HEDIONDOS, é no mínimo uma chacota com todos os que foram agredidos em suas vidas, e que merecem todo o nosso respeito, como cidadão, pela perda de seus queridos familiares, estes sim, foram condenados a uma PRISÃO ESPECIAL DE PENA PERPÉTUA DE TRISTEZA, sem liberdade condicional, entregue de presente aos que marcaram vidas de forma irreversível. Deixaram traumas incuráveis.

A justiça deve ser a premiadora dos que perderam os seus, com a mostra real de que não se deve cometer impensadamente esta maldade, e da mesma forma premiadora com os que cometeram tais crimes com a PRISÃO PERPÉTUA.

Repito mais uma vez, e assim, concordo com o pr. Ciro Zibordi, quando enfatiza a maneira correta dos EUA, nos tratos a estes criminosos: Não há a liberdade por bom comportamento para quem comete crimes de natureza HEDIONDA. Repito: HEDIONDA.

Por favor, analisem com cuidado esta palavra: HEDIONDA

Não podemos aceitar esta justiça falha e enganosa, aplicada no Brasil e transformada em verdadeiros "SHOWS" no Brasil, com apresentações sadomasoquistas em púlpitos que se transformam em verdadeiros palcos. Basta deste tipo de apresentação!

O Senhor seja contigo, nobre pastor,

O menor de todos.

Fábio Levino disse...

A Lei Brasileira é realmente muito branda e nos deixa indignados, mas eu fico mais perplexo ainda com igrejas que ordenam pessoas marcadas por crimes brutais.

O perdão de Deus é para todos, mas o serviço na sua Obra exige que o obreiro tenha um caráter aprovado pelos de dentro e pelos de fora. Gente com uma mancha tão forte na biografia não deveria subir no púlpito, e isso para preservação da sua própia vida e do Corpo.

Ivanilda disse...

Pastor Ciro, meu "amigo", a paz do Senhor Jesus. Lembro que no ano 2006 em Santa Maria de Jetibá, Deus usou um homem para dizer que ali estava presente um grande pregoeiro da Palavra, e que iria testificar da Palavra por todos os cantos da terra, foi quando eu tive no ouvido deste e lhe falei: "Este é você". Fique na paz, e continue nesta peleja. Éderson Silva Cunha (hoje almoçamos moqueca, e lembrei de você).

Anônimo disse...

Prezado Pr. Ciro e irmãos, a Paz do Senhor Jesus.

1. Houve um debate entre dois líderes evangélicos sobre as qualificações do candidato ao episcopado, conforme 1Tm 3.1-7. O encontro aconteceu mais ou menos como transcrito abaixo. A pergunta que suscitou a discussão foi a seguinte: Quanto tempo é necessário para que o caráter e a reputação cristãos possam ser considerados sólidos o suficiente para indicar alguém ao ministério?

2. Como não houve consenso, resolveram então tratar a questão de modo prático, ao invés de “deixar tudo nas mãos de Deus”. Primeira questão: Quanto tempo alguém se torna “apto para ensinar?” (1Tm 3.2). Como saber se o candidato recebeu “aquela fé que uma vez foi dada aos santos” (Jd 3), para assimilar intelectualmente a doutrina cristã, sem a qual é impossível vencer os inúmeros obstáculos, travestidos de correntes doutrinárias e resistir às tentações dos modismos teológicos?

3. Três anos de ensino diuturno de Jesus, e no final de Seu ministério terreno Ele diz aos seus apóstolos: “Ainda tenho muito que vos dizer, mas vós não o podeis suportar agora” (Jo 16.12). Um dos “estudantes” desiste de continuar aprendendo e o trai; e outro demonstrou tendência para misturar os ensinos do Mestre ao ensino dos “judaizantes” (Gl 2.12-14).

4. Outra questão: Em relação ao “testemunho dos que são de fora”, quanto tempo é necessário para tornar favorável a reputação de um “ex-notório-pecador-condenado” a ponto de não mais comprometer o Cristianismo e a igreja local? Na verdade a questão é: o que o interessado tem feito para “reconstruir” a própria reputação? Só professar a fé cristã não deve bastar, a fim de que “não caia em afronta e no laço do diabo” (1Tm 3.7b).

5. Quando o debate cessou (?) seguindo essa linha de raciocínio, três fatos ficaram evidenciados. O primeiro, é que há parâmetros sim, para proteger a reputação da igreja, na Comunidade: vale até consultas ao SPC/SERASA, à INTERPOL, às Delegacias de Polícia, à Receita Federal, etc.

6. Para proteção do rebanho contra ensinos alienígenas, vale adotar a censura pública aos líderes que deixarem de ser irrepreensíveis (1Tm 5.19,20) e mecanismos de controle que assegurem uma administração transparente.

7. O segundo fato verificado é que um sem número de igrejas locais jamais submeteram sua liderança a qualquer tipo de “prova” (1Tm 3.1-7,10). Em alguns lugares isso é considerado afronta! Se os anos passam e o líder permanece irrepreensível, a glória é de Deus. Mas, se os escândalos surgem a culpa é do Inimigo...

8. E, finalmente, a terceira conclusão é que (em muitos lugares) há uma febre de crescimento, de expansão ministerial. Isso naturalmente exige novos obreiros. Mas, não vale correr os riscos e ignorar as advertências bíblicas: “A ninguém imponhas precipitadamente as mãos” (1Tm 5.22a). É o Senhor, em última análise quem escolhe, e naturalmente, capacita. Mas, e Ele jamais contraria Sua própria Palavra.
11 Abr 10.
Abraço fraterno,
Paulo Ceroll.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caros irmãos:

Para ajudar os irmãos a refletirem sobre o assunto em tela, foi preso nesta semana o monstro que matou cruelmente seis jovens em Goiás. Ele, que fora antes condenado por pedofilia, estava em liberdade condicional. E, uma semana depois de ter saído da prisão (de onde NUNCA devia ter saído!), começou a praticar os hediondos crimes.

A tão propalada segunda chance é a na verdade a oportunidade para matar mais, estuprar mais, cometer mais atrocidades, na maioria dos casos.

Entenderam por que criminosos assim devem ser apenados com prisão perpétua? Isso não é questão de lhes negar o perdão dos pecados. Isso é outro departamento, pois é o Senhor Jesus quem salva, liberta, regenera, transforma, etc. Mas quem pratica crimes hediondos deve ficar preso até o fim da vida.

Nos Estados Unidos, psicopatas, criminosos cruéis, frios, não podem cumprir a sua "chamada", como muitos defendem... Qual? A de muitos, como a desse monstro de Goiás, é a de matar. Se a lei brasileira não fosse tão frouxa, seis vidas de jovens teriam sido poupadas.

No Paraná, há algum tempo, um "servo de Deus" da Assembleia de Deus, controlador do som, que tinha um histórico de pedofilia, era aceito sem nenhuma desconfiança na igreja. Ele até cantava de vez em quando. Bem, esse "chamado" atraiu uma menina de apenas dez anos, oferecendo-lhe doces, a estuprou e a matou cruelmente.

Reflitamos. E tenhamos bom senso e vigilância. O sangue de Jesus tira os nossos pecados, e não a nossa inteligência, a nossa prudência, o nosso bom senso...

Em Cristo,

CSZ

Luciana disse...

Estou simplesmente pasma com esse post. É incrível um pastor falar assim, pois só vemos hipocrisia. Sou cristã e me envergonho também com essas barbaridades. Uma coisa que nunca tinha pensado e com seu texto me fez refletir: Matar alguém ainda serve de "ganha pão". O sujeito fica preso uns anos, sai, vira pastor e ainda ganha pra contar pro povo qtos matou. Inadmissível! Gloria Perez escreveu em seu twitter, e eu tenho q concordar: "Os evangélicos sérios deviam tomar logo uma providência, pra evitar esse descrédito crescente!" É triste, mas real. Graça e paz. @luhgosselen - Luciana / RJ

Cleise Perez disse...

A paz amado,
Belo texto. Concordo com você em relação à prisão perpetua, e ainda emendo que eles podem ser alcançados por nos presídios e serem usados tremendamente lá dentro. Acho mais justo, pois a dor de ter alguém tirado de você de forma tão cruel deve ser a pior coisa do mundo.

Leonardo disse...

A questão de alguns piscicopatas como esse de Góias é que ao invés dele ser preso como um detento crimoso comum, ele deveria ser internado para tratar da sua doença, pq quem faz essas coisas que ele fez é doente, ele não é pedófilo pq ele é sem vergonha, ele não mata inúmeros jovens pq ele gosta, a questão está no subconsiente do doente. Ele não deveria ter sido preso com presos comuns(que não têm acompanhamento técnico específico para que ele possa cuidar dessa coença que ele tem e que talvez nunca tenha cura). O doente deve ser assistido, internado e ficar sob observação e não ser preso e julgado como uma pessoa normal. Quanto a benevolência das nossas leis, tem uma razão, aliás, tem várias razões. Uma dela é que o cara que errou, ele tem o dever de cumprir pelo o que ele fez, mas tb tem o direito de ser "resocializado". A lei serve para todos sisonômicamente e prevê que o errante tenha o direito de rever o que ele fez de errado e nunca mais errar, pq todo ser humano é passível de erros na vida e todos temos momentos de fúria tb(uns mais e outros até que o tempo todo). Mas a questão é que a prisão pérpetua seria uma solução até que viável, mas seria uma contradição em nosso ordenamento jurídico pq como poderia o ser humano ser sucetível de erros e no primeiro erro ele nunca mais ser perdoado pelo que ele fez e nunca mais tentar voltar uma vida norma? Quem seríamos nós se não perdoaríamos um outro ser que tem tudo da gente, que é feito a semelhança do pai? O código penal brasileiro é um dos mais elogiados do mundo, ele preserva o bem mais valioso que nõs temos que é a vida e não visa só punir quem comete um ato hediodo como tb trazer a pessoa de volta pra vida normal que ela tinha(apesar do ocorrido). O problema então estaria no sistema prisional que não dá assistência a idéia principal do nosso ordenamento jurídico e o nosso tão coerente código penal.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Leonardo,

1) Parabéns pelos seus conhecimentos. Aparentemente, o senhor é versado nas ciências jurídicas, a despeito de não haver nenhuma informação em seu perfil (na verdade, este sequer existe; apenas o nome "Leonardo").

2) Sua linguagem técnica impressiona. Mas prefiro usar termos usuais e comuns. Assim, todos poderão entender melhor o que estamos tratando.

3) Diante da sua exposição, reafirmo a minha convicção de que os praticantes de crimes HEDIONDOS não podem ter segundas chances depois de APENAS cinco ou dez anos. Isso é sim BENEVOLÊNCIA e FROUXIDÃO. Se o assassino é um doente, é óbvio que tem de ser tratado, mas PRESO, e não solto.

4) Foi mencionado o primeiro erro. Comovente! Alguém diria: "Pobre criminoso... Ele apenas queimou uma criança, apenas estuprou um menino, apenas deu 18 facadas em uma jovem... Mas foi o primeiro erro! Vamos dar a ele uma segunda chance para se ressocializar..." Mil vezes NÃO! Não estamos falando de um ladrão de galinhas! Estamos falando de praticantes de crimes HEDIONDOS!

5) Afirmo ainda (conhecendo um pouquinho das leis vigentes em vários países) que no Brasil a impunidade impera. E isso não é nada elogiável. Tenho certeza de que nos Estados Unidos e em boa parte da Europa haja leis mais justas quanto à punição de crimes contra a vida.

Finalmente, estão de parabéns os Estados Unidos, que mantêm preso até hoje, desde 1969, o assassino Charles Manson, que liderou um bando de delinquentes juvenis e os induziu a matar Sharon Tate, à época esposa do cineasta Roman Polanski. No Brasil, ele já estaria livre. E talvez seria um grande pregador, que usaria ao lado de seu nome: Ex-assassino de Sharon Tate.

Conhecimento é bom! Mas dosado com bom senso e JUSTIÇA!

CSZ

Haja Hope disse...

Conhecimento é bom! Mas dosado com bom senso e JUSTIÇA! (2)

A Cruz é o preço do meu perdão,
Haja Hope

Anônimo disse...

Querido Ciro Gostei do seu comentario e concordo plenamente com voce, sou anglicano e jamais sentaria em uma igreja pra ouvir um testemunho de um ex- alguma coisa, nao vejo nenhuma edificaçao nisso.
carlos salvador

Ciro Paiva Dias disse...

A paz do Senhor!
Oro por sua vida de nossas famílias Pastor, porque este tipo de coisa pode acontecer com qualquer pessoa. Mas faço com o cego de Jericó: "Filho de Davi! Tem misericórdia de nossas vidas! Não permita que tais coisas aconteçam com nossas famílias! Amém!"

Gabrielle disse...

Paz irmão, Deus o abençoe, este realmente é um assunto muito polêmico.
Sua postura foi perfeita.
Acredito que alguns critérios deveriam ser melhor observados antes de conceder o título de Pastor a alguém.
O evangelho de Cristo deve ser pregado ao mundo, porém com muita responsabilidade.

Cidinha disse...

Pastor Ciro,finalmente encontro alguém que pensa como eu,dias desses eu comentava com uma amiga sobre esse assunto em razão da entrevista de Gulherme de Padúa no programa do Ratinho.
Eu não aceito esse tipo de coisa ,como alguém ,que comete um crime HEDIONDO ,fica apenas 5,10 anos preso e depois "vira" pastor?
Ninguém pensa na família da vitima,pois será que essa família um dia vai querer ter Jesus como seu Salvador? dificílmente,pois vão dizer "acabaou com minha filha,e agora é "homem de Deus" que Deus é esse ?.
Veja bem, eu acredito no perdão de Deus,esses criminosos tem o direito a salvação,mas não o direito de não pagar por seus crimes e ainda ficar exibindo como se fosse um troféu.
Crimonosos desse tipo tem que ter prisão perpétua sim,se arrependeu? aceitou Jesus? então fique quietinho longe da sociedade ,sirva a Deus no anônimato.

Fique na paz do Senhor Jesus !

Daniel Clós disse...

Pr. Ciro, lidero um grupo caseiro na minha igreja e no último final de semana um jovem se alterou quando discordei dele que Jesus tinha COMUNHÃO com adúlteros, prostitutas e homossexuais.

A grande verdade que esse é o entendimento dos jovens de hoje (e eu me considero um, mas reformado). Seus entendimentos da Palavra são baseados em "experiência pessoal" e não conhecimento e entendimento do texto bíblico.

O rapaz insistia que Maria Madalena era um prostituta (mesmo que na Bíblia não exista nenhum fundamento que afirme tal atividade).. mostrei que a única coisa que a Bíblia mostrava e que Jesus havia expulso 7 demônios dela... e nada mais... ele então insistiu que os publicanos eram ladrões... mais uma vez pedi que me mostrasse isso na Bíblia, em contrapartida, mostrei-lhe um exemplo em que Jesus dizia que devíamos copiar o exemplo da oração do publicano e não do fariseu (Lc 18.13), acrescentei o fato de Levi (Mateus) era publicano e a Bíblia não diz que ele era ladrão.

Mesmo com a Palavra, ainda que as idéias dele fossem todas refutadas, não por mim, mas pela palavra... ficou firme naquilo que já havia "pré-concebido".

Este é o cristianismo contemporâneo, desconhece a Palavra e a deturpa... Paulo (em GRaça e não em Lei) disse que por ele o homem que havia dormido com a esposa de seu pai devia ser entregue as autoridades (que tiraria sua vida). Não sou a favor da pena de morte, mas sim a prisão perpétua. A lei dos homens é muito fraca (mas com prisão perpétua) frente a lei de Deus e sau redenção.

Ninguém perde a salvação se realmente se arrepender, ainda que perpetuamente enjaulado. No entanto, são pessoas que xingam outros no trânsito, furam filas e se possível roubam R$1 no mercadinho, mas que nunca sofreram dano algum em sua vida (por um assassino) que pregam aos outros "perdão" e segunda chance.

Lembremo-nos do ladrão na cruz. Ele recebeu perdão dos pecados mas não foi tirado da cruz pelo poder de CRisto. Cumpriu a pena pelo que tinha cometido mas foi o primeiro de que se tem registro a entrar nos céus pela Graça.

Paz seja contigo.

Íris disse...

O que vejo aqui é a discussão de algo que as pessoas (cristãos evangélicos) ainda não perceberam. O que o Pr Ciro defende é a exemplar punição daqueles que cometem crimes hediondos, não que eles não tenham o direito de receber perdão, mas que paguem pelo erro que ESCOLHERAM cometer, com justa punição (Prisão perpétua). Concordo plenamente com a visão do pastor, que inclusive tem total embasamento bíblico. Espero que a sra Glória Perez um dia perdoe o algoz de sua filha, porém ele deve sim pagar pelo crime BÁRBARO que cometeu em sua total consciência, lucidez, DOLOSAMENTE. (tanto que premeditou o assassinato triplamente qualificado de Daniella). Pádua merece o perdão de Deus e da sociedade sim, contudo DEVE PAGAR EXEMPLAMENTE PELO HOMÍCIDIO QUE COMETEU. A lei brasileira é branda e permite que várias barbaridades aconteçam, como exemplo o caso dos rapazes de Luziânia,onde o assassino antes de cometer os homicidios, já tinha sido condenado a 14 anos de prisão por pedofilia em BSB, porém o STF aprovou a lei de progressão de pena e permitiu que o monstro pedófilo fosse solto com apenas 4 anos de prisão. Detalhe: Ele já havia passado por exames psicológicos que o diagnosticaram como uma pessoa que não poderia voltar ao convívio social, mas mesmo assim a Justiça brasileira o colocou nas ruas para levar dor e sofrimento às famílias dos inocentes...Estou de luto por conta dessa situação e dessas leis fajutas que regem o nosso Brasil, infelizmente. Nós evangélicos temos que nos unir com pensamentos coerentes e discernimento da palavra de Deus. Não podemos mas aceitar que os ex-sabe-se lá o que, com testemunhos absurdos, tomem conta do altar do nosso Senhor Jesus Cristo!!!!
Ao pr. Ciro, agradeço pela sua posição totalmente lúcida, justa e condicente com a palavra de Deus.. Justiça Já!

Luh disse...

Parabéns Pastor Ciro, ótimo texto...
Fico imensamente feliz pelo ser discernimento e conhecimento, nada melhor do que um homem de Deus para mostrar que o caminho que vem sendo tomado com base na máxima de que Deus perdoa tudo, é errado, Deus é perfeito e sim detentor do perdão, mas é preciso saber separar o joio do trigo, afinal muitos falaram em nome de Deus, cabe a nos sabermos distinguir o verdadeiro homem de Deus, aquele que verdadeiramente tem Deus no coração não é só homem de palavras, mas especialmente de ação, é a ação que nos distingui e não somente o que pregamos.

Anônimo disse...

Estou assistindo o Datena e vendo como a justiça brasileira é fajuta!!!

Fico pasmo quando leio mensagens de pessoas instruídas que consideram a lei brasileira justa quanto à esfera criminal. Ainda bem que o pastor Ciro é sábio e sabe responder a esses contraditórios argumentos!!!

Na Bahia há um jovem preso há 2 anos porque furtou um pedaço de bacalhau!!!! absurdo!!!! Concomitantemente, o mostro de Goiás, pedófilo, foi solto por pretenso bom comportamento. Uma semana depois, matou 6 adolescentes!

E ainda há pessoas instruídas que acham consideram a lei brasileira uma das melhores do mundo! E há outro que dizem que o monstro de Goiás, se Deus perdoá-lo, pode ser solto logo e se tornar um pregador!

Continue, pastor Ciro!!!

Eng. Helio Lopes

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Engenheiro Hélio,

Nos Estados Unidos, como já disse, o monstro Charles Manson nunca será pastor, porque jamais sairá da prisão. Aqui, ele seria uma grande celebridade no meio evangélico, infelizmente.

Se houvesse prisão perpétua no Brasil, esse monstro de Luziânia, Goiás, não teria matado seis jovens! Oremos para que esse monstro e o maníaco do parque não se tornem pastores...

Em Cristo,

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caros irmãos:

Não estou publicando alguns comentários, porque os considerei hediondos! Há pastores (pastores?) que precisam estudar melhor as suas Bíblias. Alguns não aprenderam ainda que Deus faz distinção entre pecado e pecado, pois dizem que, para Ele, não existe pecadinho e pecadão. Dizer que assassinar uma pessoa equivale ao pecado de fornicação é um devaneio, um desvario, uma sandice, de quem desconhece o Deus da Palavra e a Palavra de Deus.

Outros sequer aprenderam que Deus é justo. E não sabem o que é justiça divina. Infelizmente, é graças a essas "mentes brilhantes", em nosso meio, que o monstro de Luziânia, Goiás, poderá ser (que Deus nos guarde disso!) um grande pregador evangélico. Imaginem: "Grande cruzada com o ex-assassino de seis jovens de Luziânia, ex-pedófilo". Grande currículo!

Portanto, aviso a todos que comentários hediondos, com as sandices acima ou similares, não serão aprovados.

CSZ

ADRIANO JOSÉ URSULINO ISIDRO, 28 ANOS disse...

A Paz do Senhor Jesus Pastor Ciro

O povo de Deus precisa entender e compreender mais a Palavra de Deus.

Deus é amor, mas tembém é fogo consumidor.

Claro que Deus salva e liberta qualquer um, mas a salvação que recebemos no ato em que declamos a Jesus como nosso único e suficiente salvador nos livra da ira de Deus concernente a Morte Eterna, mas ao que fizemos antes em relação a Constituição não é apagado aqui na terra.

Um exemplo: um ex-presidiário se converte na prisão, cumpre sua pena e é livre, se ele fizer um Concurso Público e passar ele tem que apresentar ema série de documentos, incluindo antecedentes criminais. Se ele tiver algum antecedente criminal não poderá assumir a nomeação do Concurso.

Pode ver que ele é salvo, mas ao mesmo tempo não pode trabalhar neste emprego.

Se nós olharmos bem Jesus não escolheu nenhum Apóstolo que cometeram crimes ediondos (Judas traiu Jesus três anos depois), e hoje a Igreja de Deus aceita qualquer um para ser Pastor não respeitando as recomendações Biblicas.

Quanto a prisão pérpetua não quero opinar, mas que a Lei tem que ser mais rígida sim.

No Juízo Final não haverá brechas para escapar da Condenação Eterna.

Que Deus continue lhe abençoando Pastor.

André disse...

A Paz do Senhor

Pastor Ciro, confesso que sou um admirador do seu ministério. No entanto, na minha humilde opinião, acredito que, no caso do Guilherme de Pádua, a pena teve seu objetivo cumprido. Primeiramente, temos que nos recordar de qual é o sentido da pena privativa de liberdade, ora não seria a reeducação do apenado ao convívio social?
No caso em comento, insta ressaltar que aquela foi a única prática de crime feita pelo Guilherme, o mesmo, quando cumpriu sua pena, jamais voltou a praticar qualquer outra ato ilícito, pelo contrário, procurou emprego fixo, constituiu família e hoje tem uma vida voltada ao Senhor Jesus. Assim, por tudo que ele vem praticando, acredito que a pena dele foi suficiente para sua reeducação.
Por fim, apenas um comentário a ser feito, o nobre Pastor, em algumas respostas, sempre frisou para os comentarista o fato de que a vítima Daniela Perez poderia ser a filha deles. Bem, também devemos levar em conta que o Guilherme poderia também ser nosso filho. Portanto, qual pai desejaria ver seu filho viver perpetuamente em uma cela, mesmo tendo certeza que o mesmo já se regenerou e não mais oferece perigo.
Um forte abraço e permaneça na Paz de Cristo.

Clarissa disse...

Só posso dizer uma coisa: não quer quer preso? Então não cometa um crime. Não quer ficar 20 anos na prisão? Então não cometa um crime! Simples assim. É por isso que não tenho pena de quem vai preso e pode ficar a vida inteira encarcerado, aliás não sinto pena de bandido, eles não tem pena nem misericórdia das vítimas, é claro que eles podem se arrepender e serem salvos por JESUS, mas quem disse que TODOS os criminosos vão se arrepender e aceitar Jesus? Quem garante isso? A maioria dos criminosos sai da cadeia e já vai cometendo os mesmos crimes, só uma minoria se arrepende pelo que fez, outra minoria "menor ainda" se arrepende e aceita Jesus. Como a justiça brasileira pode soltar tão rapidamente esses caras? Devemos acreditar que todos os bandidos merecem uma segunda chance? O que dizer do maníaco de Luziânia que matou vários jovens depois de ter ficado vários anos na prisão? Saiu da cadeia e cometeu os mesmos crimes! E tem tanta gente nesse post enchendo a boca e dizendo que os criminosos, coitadinhos, merecem tanto uma segunda chance... Se essas pessoas morassem em um lugar perigoso (como o meu bairro) ou vivessem em um mundo real, em vez de um conto de fadas, (onde todos os mauzinhos se arrependem, tadinhos, das coisinhas ruizinhas que cometeram) não falariam tal coisa. Jesus é bom e misericordioso para todos, mas NEM TODOS querem Jesus, infelizmente. (a maioria das pessoas que está na Igreja não quer Jesus, e sim o dinheiro, imagine só os bandidos! é claro que a maioria deles não vai querer Jesus e eu tenho medo desses, espero que fiquem muuuuito tempo no xadrez mesmo.) Concordo com o que o pastor Ciro disse, mas infelizmente tem gente que ainda mora na lua.

Leonardo disse...

Putz, como a hipocrisia impera nesse país meu Deus, ninguém tem direito de errar, todo mundo tem que ser perfeito, ladrão tem que morrer, o que significa isso? Uma menção a lei de Talião? Onde está Deus dentro de vcs? Vcs estão tentando refazer a mesma ação que o assassino ou ladrão ou que quem q seja fez, ao invés de recriminá-lo vcs devem pedir melhoras no sistema carcerário que não cabe mais ninguém dentro da cadeia, que tem gente inocente lá dentro(vcs sabiam?) isso mesmo, acoooooorda cambada de hipócrita tem mta gente presa inocentemente lá dentro, a culpa é da justiça? não, a culpa não é da justiça, a culpa e da própria população q discrimina o pobre, o jovem, o negro, o estudante e tantos outros...Aí tudo vem nego falando que tem que prender, q tem que matar, como se a polícia fosse mto boazinha, como se a sociedade fosse pouco discriminatória, aff...Fala sério antes de falarem de justiça precisam entender a história da justiça e a rtoco de que se deve fazer justiça, uma dica tem mto a ver com Deus(coisa que os falsos julgadores estão completamente longe).

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Leonardo,

Não costumo publicar comentários ofensivos como o seu. Mas veja a sua incongruência nesta frase: "a culpa e da própria população q discrimina o pobre, o jovem, o negro, o estudante e tantos outros... Aí tudo vem nego falando que tem que prender, q tem que matar, como se a polícia fosse mto boazinha, como se a sociedade fosse pouco discriminatória, aff..."

Você diz que os negros são discriminados e, em seguida, usa linguajar que os deprecia!?

Ninguém aqui, penso, é ignorante a ponto de não saber dos problemas que atingem ao sistema prisional brasileiro. Entretanto, isso não é desculpa para soltar criminosos e psicopatas para cometerem mais crimes e zombarem das famílias que sofrem pela perda de seus entes queridos.

Só o fato de os criminosos serem soltos depois de pouco tempo e participarem de programas de TV, por exemplo, ou poderem ter uma vida normal, depois de praticarem crimes como assassinados, estupros, é uma zombaria sem tamanho. Penso que a prisão perpétua é a melhor alternativa em casos como os aqui mencionados, à semelhança do que ocorre nos Estados Unidos.

Grato pela participação. Mas seja respeitoso da próxima vez.

CSZ

Leonardo disse...

Eu jamais depreciaria a minha raça, quando eu disse "nego" quis usar uma expressão q se usa mto(já que no meu outro comentário vc mesmo pediu pra que eu usasse menos palavras técnicas e tal). Meu comentário não foi ofensivo, o Sr. pode me calar me sensurando por não ter os mesmos pensamentos que o seu, mas não pode me imputar coisas que eu não fiz. Eu como jurista te apoio quanto a prisão pérpetua, mas em partes, pq é uma grande contradição prender alguém pra vida toda pra pessoa se resocializar(que é o objetivo da prisão e não punir por apenas satisfazer o ódio da população), vc não acha? Quem diz que a probreza, a falta de informação, a raça, a religião, a diferença social num geral não influi pra pessoa cometer um crime só pode estar de olhos vendados ou não está querendo ver o que está acontecendo, ou não abre o vidro do carrão importado quando um garoto limpa o vidro por uns trocados, só pode...Pessoas que pensam assim nunca viram o que é realmente a pobreza de perto, nunca estudaram a sociologia, a filosofia, a teolodia, o direito e várias tantas outras matérias humanísticas, peço desculpas se falei qqr coisa q não foi do seu agrado, vc pode sensurar como vc tem todo o poder, mas tem que se consientizar pra realidade da sociedade que cria os próprios monstros depois querem limitar a liberdade desses "mostros" que nós mesmos criamos. Grato!

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro jurista Leonardo,

Se V.Exa. é mesmo um jurista, parabéns! Grato pela informação. Mas seria interessante apresentá-la claramente em seu perfil, que, aliás, não contém nenhuma especificidade.

Penso que V.Exa., com um perfil assim (apenas com um nome), se passa por quem quiser. Este editor de blog, ao contrário, tem nome e sobrenome.

Se V.Exa. é mesmo um jurista, precisa começar a escrever como tal, abandonando erros inadimissíveis. Não precisa exagerar. Mas o mínimo que se espera de quem é versado nas ciências jurídicas é um texto escorreito, sem erros grosseiros e repetição desses erros, o que denota errar conscientemente, e não por descuido ou pressa. Uma dica: "censurar" se escreve assim, e não com "s" no começo.

Finalmente, o fato de eu defender a prisão perpétua para determinados crimes não significa que eu esteja de olhos fechados para os problemas sociais. Uma coisa não invalida a outra. Por isso, reitero: quem tira a vida de alguém, e de forma banal e/ou brutal, independentemente do contexto, deve ser apenado com severidade. E eu sugiro a prisão perpétua para esse tipo de crime.

Portanto, se v.Exa. puder se identificar melhor da próxima vez, com nome e sobrenome, e não apenas com um perfil (contendo apenas um nome, que pode ser João, Manuel, Miguel, etc.) que o torna um tipo de anônimo, ficarei grato.

CSZ (esta sigla é de quem possui nome e sobrenome)

Leonardo disse...

Eu não sabia que o Sr. era professor de Português, e nunca me disse tão "gabaritado" do jeito que o senhor mesmo disse em uma das respostas do primeiro comentário que eu fiz. Eu não entendo pq vc pede pra eu escrever em linguagem menos jurídica e depois me critica pq eu escrevo com um linguajar menos coloquial. Nunca disse que sou inteligentíssimo e nem nunca me apresentei pq eu acho q não há necessidade, só venho por meio destes comentários fazer com que os leigos em justiça parem pra pensar qual é a real razão da prisão se não é pra resocializar o preso eu realmente não sei pra que serve o sistema prisional então. Não precisa atacar meu Português pq o seu tb não é lá mil maravilhsas e nem eu e nem vc somos formados em línguas(não que eu saiba)e aí vc já tá apelando pq já não tem mais argumentos pra outro lado que não tem nada a ver.

Prazer Leonardo Penna Barbosa(depois procura depois no google pra descobrir quem eu sou já que a auto propaganda não é uma das minhas maiores virtudes).

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Dr. Leonardo,

Não tenho tempo para fazer pesquisas que não me sejam prioritárias. Mas agradeço-lhe pela sugestão.

Como o seu último comentário nada acrescentou ao que V.Exa. já havia dito, também não tenho mais nada a declarar-lhe.

Perdoe-me pelo meu pobre português. Mas observei que V.Exa. não entendeu, talvez em razão da pressa, que a minha sugestão (somando-se às duas respostas anteriores) foi no sentido de estimulá-lo a usar uma linguagem correta e que pudesse ser entendida por todas as pessoas. Nem elevadíssima, nem repleta de erros crassos como "sensurar".

Grato pela participação.

CSZ

Leonardo disse...

De nada e me desculpe(denovo) por qualquer coisa.

HLPB (Procurador geral do município de São Gonçalo - RJ)

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Dr. Leonardo,

Não se preocupe. Foi muito bom conversar com V.Exa.

CSZ (apenas servo do Senhor Jesus)

Maely disse...

Sabe Pastor, sinceramente nós vemos nesses testemunhos um orgulho de ter feito tudo que não presta no mundo. Eu escutei um testemunho de um certo pastor que era ex-bruxo, nele conta tantos detalhes que ficamos simplesmente impressionados com tantas coisas ruins que tal praticou; eu estava anciosa para ver como foi a conversão do irmão Pastor ex-macumbeiro e etc, mas infelismente foi algo tão resumido que as coisas ruins contadas tomaram a maior parte do tempo, os nomes de entidades de não sei onde foram as mais anunciadas . Se cometemos um pecado, de fato sentimos vergonha de o ter praticado, no caso já estando perdoados por Deus; não entendo como as pessoas contam de uma forma tão fria. Mas no caso pastor, o fato de prisão perpétua é bem legal, e chama a atenção de todos que "amam" a justiça brasileira, concordo que temos que pagar pelos nossos maus atos, como damos exemplo aqui da igreja no nordeste que aconteceu um caso de um homem ter praticado um crime, depois ele se converteu, mas ainda não tinha sido preso, pois ninguem sabia do ocorrido; ficava sempre com sua conciência pesada, aí falou com o pastor, e o pastor respondeu: não tem jeito irmão, o senhor tem que pagar por aquilo que comete; o irmão se entregou a polícia e foi preso, mas estava lá na prisão servindo a Jesus e dando glória. Não vou comentar mais, pois sou um pouco jovem e estou formando minhas opiniões, mas tá aí ... Deus te abençoe mais e mais.

Fernando Moraes Sampaio disse...

Eu sou o ir Fernando Moraes Aux da AD em Itaberaba Ba. A Paz do Senhor pr Ciro tudo bem?
Continue Pr Ciro em suas contundentes mais verdadeiras palavras. A verdade é que precisamps dessas correções em nosso meio porque basta pregar + ou - e dar uns bons gritos ou pulos para ser consagrado a pr esquecem eles de ouvir a Deus e saber se o suplicante tem a genuína chamada de Deus para pastorear.
Quanto a prisão perpétua é necessário mesmo pois quem comete essas selvagerias tem que permanecer lá no presídio até Jesus voltar ou o tal morrer.
Vejamos Davi um homem segundo o coração de Deus, mas quando cometeu aqueles pecados teve que pagar e caro por eles. Quanto mais os citados no seu comentário.
Então o sr está certo.
Salvação é diferente se realmente o tal se convereter dos pecados é perdoado, porém terá que pagar por eles.
O cristão sábio não é cego é inteligente, devemos ter cuidado para não engolirmos todo tipo de enganadores e as misérias que vem entrando em nossas igrejas.
Fique paz pr Ciro e Deus continue te dando palavras para nos proporcionar sabedoria.
Paz do Senhor.

Renatha disse...

A paz do Senhor Jesus.
Faço das palavras do Pastor Ciro as minhas.Deus te abençoe cada vez mais!

Moises Baruk disse...

A paz do Senhor pastor Ciro. Sou um grande adimirador seu. Quando descobrir o seu site foi uma benção.Vc é muito sabio parabens.Eu tbm concordo com vc.Quantos ja foram na minha igreja falar essas coisas abisurdas mais eu pesso sabedoria do alto que é o principal. fica na Paz. ass. Moises Baruk

Wasley César disse...

Caro Pr. Ciro,

Tenho que concordar com o Senhor quando fala do critério para se consagrar alguém para o ministério pastoral.
Sabemos que a maioria desses ex- alguma coisa não passam de aproveitadores.
Agora, sendo um profissional das ciências jurídicas - advogado criminalista - e cristão, não posso concordar com prisão perpétua.

Para melhor esclarecimento do meu ponto de vista, deixo um pequeno trecho artigo escrito por mim para um site jurídico.
A Paz do Senhor.


Resta evidente que a sanção restritiva de liberdade, que é uma pena por excelência, deforma, avilta e corrompe, criando um sistema de poder de pressão psicológica a que o preso deve se adaptar, deformando inevitavelmente sua personalidade. Como já dizia BECCARIA: quanto mais terríveis forem os castigos, tanto mais cheio de audácia será o culpado em evitá-los, praticará novos crimes para fugir à pena que mereceu no primeiro”.
Nesse Sentido, quando o Estado se omite, deixando de produzir requisitos mínimos à sobrevivência humana, ele está abrindo o caminho para a criminalidade, que de certa forma representa uma denúncia, uma contestação dos valores sociais, mostrando-se mais um sintoma social, que simplesmente individual. A falta de uma estrutura econômico-social que vise uma melhor distribuição de rendas, que facilite a sobrevivência dos pobres e marginalizados, traz como resultado uma tensão social, e conseqüentemente, uma fuga às regras sociais. É como frisa Ary dos Santos: " a falta de educação, a falta de família, o abandono ao lar, as más condições higiênicas e econômicas e outras circunstâncias ainda, geram e não podem deixar de gerar o crime."
A conduta criminosa de um indivíduo pode ser interpretada como a exteriorização de conflitos internos, produzidos em determinados momentos de sua vida e em circunstâncias especiais, como a fome, a miséria, o desemprego e várias outras que fazem parte do dia-a-dia do cidadão comum.
Wasley César de Vasconcelos
Advogado e Especialista em Ciências Penais pela UNIDERP

.

cristiane disse...

A Paz do Senhor Pastor Ciro!

Admiro a sua coragem e iniciativa em tratar de assuntos que não são tão polêmicos para a sociedade, mas na Igreja se constituem em verdadeiros tabus.
Concordo sim com a prisão perpétua e que o nosso código penal é frouxo e frustrante.
Fico muito triste em ver crentes cegos, hipócritas, que certamente não fariam esses discursos em defesa de criminosos se o mesmo acontecesse em suas famílias.
Me pergunto: Se na igreja, que é a "coluna e firmeza da verdade" muitos assumem uma posição ambígua, como poderemos ser o sal da terra e a luz do mundo?
Ai! Precisamos urgente de reformas!
Um abraço!
Cristiane

Anônimo disse...

Excuse, that I interrupt you, I too would like to express the opinion.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Dear anonymous, feel free to opine. But enter your name, please.

CSZ

André Roberto V. Soares disse...

Graça e Paz, Amado Pastor.
Pastor, sou um admirador da sua obra, bem como tive o prazer de ler 4 livros de sua autoria.
Dessa forma, sinto-me no dever de lhe congratular pelas respeitáveis obras literárias. No entanto, com a devida vênia, ouso a discordar sobre o aludido tópico, referente à prisão perpétua aos homicidas. Ouso pelo simplea fato de que, na qualidade de advogado militante na área penal, pude acompanhar diversos casos de homicídas que, com o devido apoio familiar e espiritual, puderam ser ressocializados e, consequinte, tornaram homens com trabalho lícito e familia constituida. Assim, apenas para finalizar, a prisão perpétua até poderia ser usada em raros casos, mas como exceção, pois a regra é sempre ressocializar para libertar. Um forte abraço de um irmão de fé.

Anônimo disse...

I understand this question. It is possible to discuss.

Anônimo disse...

eu acho q todos os evangelico tem uma vida passada feia e aucotrario de corregir seus erros entra em uma religião para pousar na sociedade de santinho do sonhor jesus na verdade são um ensanio e pença q deus todo poderoso , por ser deus vai apagar todos o os pecados ... muito bom vou matar roubar fazer todos os pecados e virar evagelico e ser perdoado por toda a sociedade só pq to pregando a palavra de deus ... se todo mundo for ver o passado de varias pessoas q se dis estar com deus vamos ver o verdadeiri demonio dentro da casa de deus

Davi Cassimiro de disse...

Se querem comentar de algo horrendo, fale do preço pago por Nosso Senhor Jesus, todo aquele sofrimento, sangue derramado, a coroa de espinhos, escárnio e porque? Porque DEUS para aplacar Sua ira, quitou a dívidas dos nossos pecados em Cristo. Se querem contar algo dramático, conte sobre a obra da Cruz: Ninguém é mais ou menos pecador: Todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus. O meu passado, passado deles nossa história infame não importar. Importar é Cristo o Senhor.