sexta-feira, 9 de abril de 2010

França 3 x 0 Brasil

Não é somente no futebol que o Brasil perde para a França. Alguém dirá que a Europa existe há milênios e, por isso, é mais desenvolvida. Isso, em parte, tem sentido. Entretanto, a verdade é que a França valoriza e respeita mais a vida humana do que o Brasil. Os europeus, que, de maneira geral, são considerados frios, solidarizam-se mais com as famílias em luto.

No Brasil, não há luto real por aqueles que morrem em tragédias. Aqui mesmo em Niterói, no Rio de Janeiro (palco de tragédias recentes), onde resido, está cheio de surfistas na Praia de Icaraí rindo à toa, como já disse em outro artigo. E, pasmem: há uma fanfarra e várias pessoas sambando em frente ao Banco do Brasil, ao lado do meu prédio! Enquanto isso, muitas pessoas, desesperadas, procuram os seus mortos no Morro do Bumba.

Hoje, pela manhã, olhei pela janela do meu prédio e fiquei surpreso com o aumento dos filhinhos de papai que surfam enquanto muitos sofrem. Moro em uma área nobre de Niterói, por graça de Deus. Mas estou me recusando a ter uma vida normal, depois das tragédias que aconteceram. Minha filha de seis anos faz natação e ginástica olímpica; porém, nesta semana, estamos de luto. Não posso vê-la sorrindo com outras crianças, na piscina e na quadra, enquanto muitas outras morreram soterradas ou ficaram órfãs na mesma cidade onde residimos.

Mas, por que os franceses valorizam mais a vida humana do que os brasileiros? No fim de fevereiro deste ano houve muitas chuvas naquele país, ocasionando a morte de mais de cinquenta pessoas, em alguns lugares. O que fez o governo da França? Pôs a culpa em Deus? Não! Ficou se justificando, dizendo que não sabia que os lugares onde morreu a maior parte das pessoas era de risco? Não!

O governo francês reconheceu os seus erros, suportou as reclamações do povo, não se irritou com as críticas da imprensa e resolveu ajudar os sobreviventes. Primeiro, tirou-os dos locais de risco. Depois, deu a cada família desalojada 250 mil euros. Em seguida, demoliu todas as casas e proibiu expressamente qualquer construção nos locais das tragédias.

É claro que não podemos ter a pretensão de que o Brasil imite a França em termos de valores outorgados à população desabrigada. Mas, será que cada família não poderia receber pelo menos cinquenta ou cem mil reais, num país em que milhões são gastos com monumentos e obras para atrair turistas estrangeiros, como as que vêm sendo construídas em Niterói?

Os franceses são frios quando jogam futebol, mas valorizam a vida humana. Já os brasileiros são apaixonados por futebol e indiferentes quanto à morte de pessoas que não sejam seus parentes ou amigos. Prova disso foi que, além dos surfistas filhinhos de papai de Niterói, ontem à tarde, em meio às tragédias, o Flamengo jogou no Maracanã. E teve público! E o pior: enquanto muitos choravam, esperando notícias de seus familiares soterrados, um bando de vizinhos insensíveis berrava, a cada gol: “Mengooo”. Vibrariam eles, caso tivessem perdido seus entes queridos?

Como diz a Bíblia, em Eclesiastes 3, há tempo para todas as coisas. E agora é tempo de chorar, num país em que só existe comoção nacional quando perdemos um insignificante jogo de futebol. O que é perder uma Copa do Mundo ou uma Taça Libertadores da América ante a perda de dezenas de vidas, em tragédias como essas ocorridas no Rio de Janeiro?

Ciro Sanches Zibordi

18 comentários:

Jovem Cristão disse...

a Paz do Senhor Pastor Ciro. Sou jovem Assembleiano, admiro o seu dom da revelação da palavra, e a sabedoria que tens, e a maneira com que explica as coisas dentro da palavra de Deus. Gostaria de fazer um pedido ao senhor! Na minha igreja muitos jovens estão atônitos em relação a um DVD que todo mundo estão assistindo, que fala sobre os Iluminati e sobre a vacina da gripe suíne. Por favor Pastor, poderia escrever um post sobre isso? eu leio seu blog diariamente, e como leitor gostaria que abordasse esse assunto. Que Deus abençoe mais e mais.

Anônimo disse...

Pr. Ciro, a Paz do Senhor, lendo seu artigo fiquei pensando, e descobri que eu estava enganda quanto a nós brasileiros, que achava que eramos povo solidários, e humanos e percebo longe estamos de sermos, somos sim egoista e muitas vezes calculista que só pensamos no em nós msmo, quando falo nós me refiro ao, eu, que os demais que se virem e sofram suas consequências, e esquecemos de chorar com os que choram. Que Deus possa abrir nossos olhos e possamos sentir a dor um dos outros. Que Deus abençõe o senhor.

Isaque N. Fermiano disse...

Assino embaixo.
Além de lembrarmos que a maioria dos brasileiros são patriotas de copa, e muitos nem sabem o hino nacional inteiro.

Reitero a pergunta do Jovem Cristão:
o Pr. sabe alguma coisa desse DVD?


Abraço!

Micheline Gomes disse...

Muito triste pastor Ciro!
Conheço essa região. Já estive algumas vezes em Niterói. Ao ver as imagens pela TV fiquei pasma!!
Como pode o ser humano ser tão insensível!

Solidária com seu pensamento e com meu amado povo fluminense.

Micheline

Gustavo Reis disse...

Salt irmão Ciro!

Bom dia!
Paz e graça de Jesus!

Continuo lhe dando muito parabéns pois você é sábio que Deus te fez e deu dom de entendimento e sabedoria!

Éxctment! C'est vrai! Eu estudei muito a geografia e a história da França, vi que os franceses lutaram pela Revolução Francesa para obter a democracia e a liberdade e venceram. Fiquei surpreso e impressionado com a coragem, a persistência e o entusiasmo dos franceses. Eles venceram a Bataille de Versailles, criaram o hino nacional francês chamado La Marseillaise e o lema com as palavras Libérté, Égalité et Fraternité (Liberdade, Igualdade e Fraternidade). Eles lutaram contra a Alemanha durante as 1ª e 2ª Guerra Mundial e salvaram os judeus porque valorizavam mais a vida humana. Desenvolveram rapidamente e recuperaram tudo destruído pelas guerras, hoje estavam se tornando mais ricos. Paris se tornou uma ville plus visitée. Tudo por isso, os franceses foram mais educados.

Mas quero te contar uma notícia triste, muito tempo atrás que visitei as comunidades do Orkut, os brasileiros criaram as comunidades anti-França — "Odeio a França", "Odeio os franceses", "Fora França da Copa!", etc., por causa da Copa do Mundo que Brasil perdeu para a França duas vezes. Nessas comunidades, alguns brasileiros se vingavam, falavam mal, ridicularizavam, generalizavam e codiavam e ainda odeiam os franceses. Eles se esqueceram da tragédia do Air France 447 e da morte dos franceses junto com os brasileiros, de valorizar mais a vida humana do que a vida egóista, egocêntrica et matérieliste.

Mas França tem um problema: a maioria dos franceses são incrédulos e a França será dominada pelo islamismo. Já orei por isso, queria que Deus enviasse os missionários para a França, levando-os a conhecer a Palavra Dele

Quando eu tinha 12 anos, eu gostei muito da França e da língua francesa, comecei a estudar francês e a geopolítica da França, aprendi o mapa da França. Na Festa das Nações, organizada pela minha escola privada cristã, quando acabou o teatro, minha professora me apresentou a uma francesa educada e elegante que falava fluentemente francês e português. Ela é adventista. Enviei muitas cartas e muitos e-mails para menos de 22 regiões de França e ganhei muitas brochuras, mapas e lembranças. Eu tinha antigos amigos franceses, hoje tenho só uma amiga francesa, cujo nome é Isabelle, de Lyon, ela é da Congregação Cristã Francesa. Desde a minha adolescência, meu grande sonho foi ser tradutor e professor de francês até hoje.

Você se lembrou que a tragédia do Air France 447 ocorreu em 1 de junho do ano passado? Você sabe que 1 de junho é meu aniversário? Então é! Eu continuo me lembrando da tragédia do Air France 447, pois isso me é muito importante que me levou a valorizar a vida humana e cidadã.

Anônimo disse...

O governo gasta dinheiro com a passeata gay, propaganda de suas obras, com construçao de imagens , com milhares de coisas subjetivas alem de contrarias a palavra de Deus
Alguns pastores compram avioes, mansoes, carros de quase 1 milhao de reais etc
Ambos poderiam fazer algo pelo povao mas o maximo que vao fazer e pedir a populaçao que faça coaçoes

Ricardo Mamedes disse...

Caro Pastor Ciro,

Ao ler o seu artigo não tive como me abster de comentá-lo, exatamente por corcordar plenamente como seu conteúdo.

Quando eu soube pela TV que o jogo no Maracanã havia sido mantido tive enorme dificuldade para acreditar na notícia. Que insensibilidade é essa? Pessoas aos montes ainda soterradas, e outras, próximas do local, ou na mesma região, se divertindo... Isso é inaceitável!

E os Governos, na qualidade de gestores da cidade e do Estado, não somente permitem a insensibilidade como nada fazem de concreto para compensar as perdas dos desabrigados com uma ação efetiva de novas colocações (moradias). E o Pastor ainda se esqueceu de dizer que o Governador do Estado, sob a assertiva de que estava "tudo sob controle", negou-se a aceitar o auxílio de outros Estados! Tudo por orgulho, pelo medo de ser julgado "incapaz de gerir a tragédia". Que país é este?

Portanto, não somente concordo como corroboro o seu texto e as suas impressões, extremamente bem colocadas.

Em Cristo,

Ricardo

Junior Soares disse...

Por que chegamos a esse ponto? Será que tragédias tornaram-se algo ordinárias a ponto de nos acostumarmos e terminarmos insensíveis?

Fiz a seguinte afirmação dias atrás no twitter (coincidiu com o que falas neste artigo):

A tragédia que se abateu s/ o Rio (vide SP) nos faz perguntar qdo governos gastarão com moradores de encosta o que gastam no Carnaval. 9:39 AM Apr 7th via web

Hoje pela manhã ouvindo a rádio Bandeirantes soube que Eduardo Paes editou lei - publicada no Diário Oficial - determinando a remoção de famílias das encostas com o emprego de força policial se houver recusa de moradores. Embora entendida por muitos como medida mui dura, julgo-a necessária.

Resta concluído que desalojados/desabrigados devem ser realocados pelo poder público noutro espaço com condições de habitabilidade realmente dignas.

Ademais, que nossas autoridades e gabinetes aprendam a chorar seus mortos e tragédias como o fazem outras nações: determinando a paralisação, por algum tempo, de atividades num dia e hora específicos em memória dos vitimados.

Maranata.

Louvor e Bíblia disse...

JESUS!!!!....

Vanzuite disse...

Caro pastor,

Junto-me a ti neste protesto.

Paz de Jesus Cristo seja contigo e tua família.

Oremos pelo Brasil!!!

Vanzuite.

Esdras Costa Bentho disse...

Kharis kai eirene

Prezado Pr. Ciro, meus parabéns por esse post. Sabe que eu também tive a mesma impressão quando ouvia as comemorações futebolísticas? Apesar de o prefeito decretar luto oficial na cidade do Rio e da dor das vítimas, algumas pessoas continuam intocáveis.Espero que o grito de gol em seu, como em meu condomínio, não tenha sido de nenhum cristão.
Um abraço
Esdras Bentho

NilmaBostonRio disse...

Sou solidaria à tua reflexao, pastor Ciro.


by @NilmaBostonRio

Frank Braga Jrna disse...

Tens toda razão Pr. Ciro nós brasileiros entendemos muito bem de futebol, mais, de amor ao próximo deixamos muito a desejar

Evandro Lemes disse...

Pr. Ciro...

Essa falta de solidariedade que as pessoas demonstram nada mais é que a falta de submissão a Deus, pois se fossem submissas a Ele saberiam que há tempo pra tudo. Infelizmente a Lei de Deus é simplesmente abolida do dia a dia do cidadão e da política brasileira, como resultado temos essa baita imoralidade em todas as áreas da nossa vida, imoralidade essa que atinge até muitos cristãos.

Quanto a ajuda que o estado deve dar as vítimas ela é aceitável sim, porém no fundo no fundo é um baita cala boca. Pois os políticos não deveriam ter essa postura de bombeiros (pois só aparecem na hora de uma grande tragédia), ao contrário deveriam dia após dia análisar, identificar e criar planos que solucionem o problema dos brasileiras e criem condições para que todos tenhamos boa e saúdavel vida nesta terra. Enquanto nossos póliticos ficerem apenas correndo atrás do seu interesse teremos isso, tragédia, tragédia e mais tragédia, e no fim, um governador metido a salvador que diz que irá retirar pessoas nem que seja a força da suas casas. Pra uns isso é heróico, mas pra mim, é apenas a mostra de que tipo de político colocamos pra trabalhar a nosso favor.

Evandro Lemes.

Edilson Paulo disse...

Mateus 24.12" O pecado andará solto por toda parte e esfriará o amor de muitos"(Bíblia Viva).
Saudações em Cristo
overbooverbooverbo.blogspot.com

Clébio Lima de Freitas disse...

Pr. Ciro, concordo que o Brasil é um país voltado a valores desturpados, infelizmente. Para a maioria, ajudar o semelhante é coisa pra abestado, como se diz aqui no Ceará. Enquanto isso o nosso país manda milhões para outros países para ajudar pessoas que enfrentaram trajédias como no Haiti. Não sou contra essa ajuda, mas acredito que a prioridade do governo deveria ser com os cidadãos brasileiros! Há muita gente passando necessidade aqui no Nerdeste, como em todas as regiões do Brasil, por falta de iniciativa dos governantes de investir em educação e na capacitação que poderiam melhorar as técnicas dos agricultores no interior e dos pequenos empresários nas cidades que cresceriam, empregariam mais pessoas e promoveriam o crescimento, além de diminuir os índices de violência ao longo do tempo. Será que vai custar mais ainda para que o Brasil perceba que o futebol brasileiro não deveria ser a única coisa da qual nós deveríamos nos orgulhar? Fica o desabafo e o parabéns por mais essa sua iniciativa.

jorge mélo disse...

Há um ditado popular entre os cristãos que diz: Prova só sabe quem passa." Isto é uma pura verdade.
Nunca morei em favela em altos morros, mas sinto o quanto é difícil estas moradias quando em lugares de altos riscos em dias chuvosos.
Já morei em um bairro que a poucos metros era cortado por um rio, e aconteceu que um dia numa certa noite choveu sem parar, o rio tranbordou invadiu ruas e vilas, a minha casa entre outras virou um rio, perdemos quase tudo, e isto aconteceu por 03 meses, sendo 01 vez por cada mes.
Quem gostava era as minhas filhas ainda pequeninas que viam a nossa casa parecendo um mar.(risos)
Mas DEUS no deu GRAÇA superamos tudo, e hoje estamos de posse de vitória morando em um Edifício a 100 metros do mar, livre de enchentes, mas......prova só sabe quem passa..!
Vamos continuar orando pelo Rio de Janeiro.
DEUS abençõe o Pr. Ciro sua família e todos irmãos em CRISTO que acessam este blog.
Salomo 133.
Recife - Pe

Newton Carpintero, pr. e servo disse...

Nosso prezamado pr. Ciro zibordi,

A paz do Senhor!

É inadmissível, a falta de sensibilidade do brasileiro nestes eventos, que causaram momentos trágicos, à muitos que sentiram o espanto da destruição repentina.

Terrível saber que filhinhos de papai, estiveram louvando as ondas do mar, enquanto outros estavam se sufocando no meio da lama, dos escombros e da irresponsabilidade de um governo que pecaminosamente, permite a construção sem lógica e devidos cuidados à população que carece de um no mínimo trabalho razoável dos seus líderes.

Triste, saber que apesar da tempestade, muitos poderiam ter sido salvos. Será que acontecerá novamente. Pela minha experiência com o nosso governo de sempre, posso aferir que sim.

Triste...mas....

O Senhor seja contigo, nobre atalaia,

O menor de todos. Certamente!