segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Resposta a um antipentecostal, com amor

O irmão Robson — cujo perfil não está disponível — me escreveu, depois de ler a postagem anterior:

Você disse: ‘Está escrito claramente em Lucas 24.49 que o batismo com o Espírito Santo é um revestimento de poder para quem já é salvo.’ Essa também é uma verdade que é usada pra declarar uma inverdade. Esquece [você] de afirmar que quando Jesus disse isso, os discípulos, apesar de já serem salvos, não tinham Espírito Santo nenhum por ocasião da salvação. Ou seja, eles não eram batizados no Espírito Santo, muito menos eram batizados pelo Espírito Santo. Portanto, esse versículo é inútil para o fim de apresentar o batismo como uma segunda bênção, pois devemos levar em conta o momento histórico singular nessa época (ausência do Espírito), completamente diferente da nossa época (presença dEle).

Você comete uma desonestidade com seus leitores quando não diz a verdadeira motivação daqueles que negam o batismo no Espírito, fazendo parecer que eles estão negando o Pentecostes. O senhor sabe muito bem que a promessa de trazer o Consolador se cumpriu em Pentecostes. O Pentecostes foi um dia histórico, pois marcou a descida do Espírito e o início da Igreja. O Espírito Santo desceu e já está aqui. Ele não vai continuar descendo. O Pentecostes não vai mais se repetir.

Estou tentando refutar seu argumento com base nos versículos que você apontou (Lc 24.49; At 1.8), porém o argumento não se esgota aqui. Os pentecostais ainda apresentam outras passagens de Atos (como 19.1-7) para afirmar, sem analisar bem, que há um segundo revestimento. E pior ainda: onde há na Bíblia prova de que esse tal revestimento deve ser acompanhado de dom de línguas?

Minha resposta:

Caro Robson,

A paz do Senhor!

Em Lucas 24.49, o Senhor Jesus, ressurreto, já tinha estado com o Pai (cf. Jo 20.17; Ef 4.8-11). E o Espírito Santo já estava com os discípulos e neles, como o Senhor prometera em João caps. 14-16. No capítulo 20 (de João), após a ressurreição do Cristo, os apóstolos já desfrutavam da presença do “outro [gr. allos] Consolador” (o Espírito Santo), pois o Consolador (Jesus) já havia dito a eles: “Recebei o Espírito Santo” (v.22).

A promessa do Senhor, contida em Lucas 24.49, não está relacionada com a habitação do Espírito no crente ou com a sua presença no meio do povo de Deus, prometidos em João 14.17, especialmente. Isso já era uma realidade logo após a ressurreição do Senhor. A promessa contida no aludido texto de Lucas e também em Atos 1.8 — relativas a Joel 2.28,29 e Isaías 44.3, etc. — diz respeito a um revestimento de poder para quem já tem o Espírito Santo em sua vida, como foi o caso dos quase 120 cristãos, no dia de Pentecostes (At 2.1ss).

Segue-se que a afirmação de que, no momento da promessa do Senhor Jesus, os discípulos, apesar de já serem salvos, não tinham o Espírito Santo revela falta de atenção ao que diz a Palavra de Deus. As Escrituras são análogas. Verdades só são verdades insofismáveis quando não anulam outras verdades. Repito: a Bíblia é hamoniosa, sincrônica, e não contraditória. O irmão Robson, pois, precisa estudar melhor as passagens citadas à luz de seus contextos imediato e remoto.

Não estou sendo desonesto com os leitores, como afirmou o irmão Robson. Pelo contrário, o meu desejo é que eles conheçam a verdade acerca da manifestação multiforme do Espírito, de acordo com as Escrituras, e não segundo as falácias de pensadores que desprezam o primado da Palavra de Deus. Não é o raciocínio humano que deve prevalecer. Antes, a Bíblia continua sendo a nossa fonte primacial de autoridade.

A promessa do revestimento de poder se cumpriu no dia de Pentecostes parcialmente, e não em sua totalidade. Deus derramou “do” Espírito (At 2.17), e não “o” Espírito (Jl 2.28). Se o irmão Robson ler a Bíblia com mais atenção, em vez de apegar-se a argumentos cessacionistas, antipentecostais, descobrirá que a promessa do batismo com o Espírito Santo, como revestimento de poder, é para hoje: “a vós outros é a promessa, para vossos filhos, e para todos os que ainda estão longe, isto é, para quantos o Senhor nosso Deus chamar” (At 2.39, ARA).

Também percebi em sua argumentação que o mencionado irmão ainda não descobriu que o ministério do Espírito Santo é multifacetado, multímodo, multiforme. São várias as suas ministrações à Igreja e ao crente, individualmente. Ele age na salvação (Jo 16.8-11), mas também integra o novo crente no Corpo de Cristo (1 Co 12.13), reveste-o de poder (Lc 24.49; At 2.1-4), renova-o e transforma-o a cada dia (2 Co 3.18), etc.

Ademais, não me apego a questiúnculas, como “primeiro batismo” e “segundo batismo”. A Palavra de Deus é clara quanto ao revestimento de poder para o salvo, com a evidência de falar em outras línguas (basta estudar o livro de Atos e 1 Coríntios 12-14). Mas é preciso estudar de maneira imparcial e sem preconceito. Não podemos ir contra a ação do Espírito em nossos dias (1 Co 14.39; 1 Ts 5.19,20).

Diante do exposto, a tentativa do irmão Robson de refutar os meus argumentos não funcionou. Não porque eles sejam irrefutáveis, mas porque esse irmão, ao pensar que está se opondo a mim, contrapõe-se às Escrituras Sagradas.

Em Cristo,

Ciro Sanches Zibordi

20 comentários:

Gilson disse...

E com relação ao jejum? Jesus por acaso não cumpre a promessa de estar conosco (começando com os apóstolos) todos os dias até a consumação dos séculos?
E se Ele está não apenas conosco, mas principalmente em nós (como morada, tabernáculo) por que muitos utilizam o versículo de Mateus 9 "mas quando o noivo for tirado então jejuarão", argumentando que Jesus não está fisicamente conosco então isso valida o jejum na Nova Aliança.
Minha pergunta é: Não estaremos tendo a mesma atitude de Tomé?
Jesus tratava do Espiritual ou material (natural)?
Somos chamados a crermos sem ver ou temos de ver?
Jesus era alfaiate e vinhateiro?
Todo o cap. em João 16 trata de que afinal?
As antíteses sobre jejum X Jesus, ditas pelo próprio Jesus não significam nada no contexto desse assunto?

Corrija-me se estiver errado. Jejum não significa desde o VT morte, luto, choro, separação, tristeza profunda, falta de força (fraqueza), desânimo, lembrança do pecado, medo, covardia (Pedro nega a Jesus) e outras coisas afins?

A não ser para os fariseus que transformaram o ato em uma demonstração de “espiritualidade superior” e orgulho (jejuo duas vezes na semana e dou o dizimo...). A referencia do versículo o Sr. conhece.

Jesus conosco não significa: vida, alegria extrema, casamento, núpcias, reconciliação, força e vigor, ânimo, perdão dos pecados, intrepidez, coragem (Pedro testemunha de Jesus) e presença do outro consolador.

Precisamos fazer mais um sacrifício pessoal para agradar a Deus?

Jejum nos torna mais santos? Ou mais espirituais?

Os líderes modernos não estariam levando as ovelhas na mesma direção do farisaísmo?


Tenho ainda outras perguntas pertinentes, mas primeiro aguardarei a respostas destas.

Em Cristo, presente, conosco e em nós, sempre.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Gilson,

Primeiro: é mais produtivo que as perguntas sejam de acordo com as postagens.

Segundo: é interessante que as perguntas sejam formuladas de maneira sucinta e objetiva.

Terceiro: é importante que as perguntas visem prioritariamente ao aprendizado, e não à contraposição de ideias.

Feitos esses esclarecimentos, assim que possível prepararei um artigo a respeito do jejum, se Deus quiser.

Em Cristo,

CSZ

Raquel Corrêa disse...

Prezado pastor Ciro,

tenho uma dúvida em relação à passagem que se encontra em I Coríntios 12:29-31.
Me parece claro que Paulo está afirmando que nem todos falarão em línguas. Olhando o contexto, sei que ele diz "variedade de línguas" no versículo 28. Porém, no versículo 30, no original (conforme nota de rodapé de minha bíblia - ARA), ele usa o termo "em línguas", o que me parece não se tratar de "variedade de línguas" como anteriormente.
Gostaria que o senhor me explicasse esta questão. Desde já agradeço.

A paz de Cristo,
Raquel Corrêa.

Mateus Souza disse...

Bom dia Ciro, acho que a profecia de Joel foi clara ao dizer:"...eis que nos ultimos dias...", ainda não acabou os ultimos dias, e em Corintios:"...em parte conhecemos e em parte profetizamos mas quando vier o que for Perfeito isso que é em parte cessará...", quem é perfeito? nem vou responder, e nem vou colocar aonde estão as referencias pois creio que todos sabem onde está o que estou falando, então a profecia vai durar até a volta de Jesus, quando vier o Perfeito, em apocalipse se diz :"o Espirito e a esposa dizem vem...", ou seja quando Jesus vier a esposa será retirada e o Espirito Santo também cessando o batismo no Espirito Santo e os Dons Espirituais, Vi em um site que diz que os sinais que Jesus disse que seguiriam os que creêm é só para os 12 apostolos, os setenta que foram enviados e Paulo, que falta de leitura Biblica, e as filhas de Felipe que a Biblia diz que eram "donzelas que profetizavam", e Estevão cheio de fé que fazia sinais entre o povo, pelo amor de Deus esse povo tá igual testemunha de jeová catando versiculo.

Vejo em cantares uma colocação interessante:
Cantares 4.16 "Levanta-te, vento norte, e vem tu, vento sul; assopra no meu jardim, para que se derramem os seus aromas."

Em Pentecostes Atos registra que ouviram um som como de um vento veemente. Podemso ver então que a descida do Espirito Santo é comparada Biblicamente com o vento, e podemos citar 2 derramamentos claros do Espirito Santo, em Pentecostes e em meados da decada de 50 - 60, não estou dizendo que não houve experiencias entre essa datas com o Espirito Santo pois sabemos qeu houve, mas como vemos em cantares, 2 ventos, um no Pentecostes e outro em nossos dias (Ultimos dias), claro que não podemos "catar" textos, mas a Palavra é viva, ainda fala hoje e continuará falando, mesmo qeu seja em figuras, com o cuidado de não haver más interpretações.

O que salvará o crente não é o Batismo no Espirito Santo mas a Eleição segundo a presciência de Deus Pai, na santificação pelo Espirito Santo, e pela fé em Jesus no seu sacrificio.

Desculpe os erros de portugues.

obreiromateus@yahoo.com.br

Abraço a Ciro e Robson.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Prezada Raquel,

O termo "estranhas" não consta do original. Por isso, alguns tradutores optam por apenas "em línguas". Mas que as línguas são estranhas aos que as pronunciam não há dúvidas. Isto é, não são línguas estudadas, aprendidas (idiomas), mas línguas que resultam da manifestação sobrenatural do Espírito.

Mas em 1 Coríntio 12, 13 e 14 (esses três capítulos tratam do assunto) vemos que as línguas têm finalidades distintas, como:

- sinal de que houve batismo com o Espírito Santo;
- edificação pessoal;
- louvor a Deus;
- mensagem profética (variedade de línguas).

Portanto, nem todos os batizados com o Espírito Santo, a despeito de falarem em línguas para edificação pessoal, são portadores do dom de variedade de línguas.

Em Cristo,

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Mateus,

Em 1 Coríntios 13, Paulo fala de hoje, quando vivemos em imperfeição, limitados, como um período que em parte conhecemos e em parte profetizamos. Chegará o tempo em que, transformados, tendo um corpo semelhante ao de Jesus ressurreto (Fp 3.20,21), não mais seremos limitados como hoje. Isso é o significado, à luz do contexto, da frase "Quando, porém, vier o que é perfeito, então o que é parte será aniquilado" (1 Co 13.10).

O que salvará o crente (futuro) não é o batismo no (ou com o) Espirito Santo, mas a graça do Senhor Jesus, desde que o crente permaneça nEle, sendo fiel até o fim (Hb 3.12-14; Ap 2.10; 3.5,11). Eleição não garante a salvação de ninguém; é apenas parte do processo salvífico quanto ao passado. O salvo precisa perseverar hoje em Cristo (1 Co 15.1,2; Mc 13.13), operando, desenvolvendo, a sua salvação com temor e tremor (Fp 2.12).

A paz do Senhor!

CSZ

Jovem Cristão disse...

Pr. Ciro Sanches, homem de Deus. é por essas e outras que admiro o Senhor. áh se todos os pastores tivessem a sabedoria como a sua...
Agradeço a Deus por conhecer um grande homem de Deus, levantando, com coragem e ousadia, sem medo de falar da grande verdade de Deus e fazendo a vontade Jesus.
que Deus abençoe mais e mais.

Felipe Huvos Ribas disse...

Pr. Ciro, eu tenho uma dúvida sobre o assunto do post.
em Atos 10:47 (versão Almeida Atualidada, obtida em http://www.irmaos.com/bibliaonline/index.php?pg=3&&busca=Atos%2010&version=2) está escrito: "Respondeu então Pedro: Pode alguém porventura recusar a água para que não sejam batizados estes que também, como nós, receberam o Espírito Santo?"
Em que sentido está escrito "receberam o Espírito Santo"? Está se referindo à habitação do Espírito Santo no crente ou ao batismo com o Espírito Santo?

Mateus Souza disse...

A paz do Senhor Jesus pastor, descobri o blog hoje e já li muito nele, hoje quando comentei estava no meu local de trabalho sem a Biblia, e a biblia online está fora dora infelizmente, acho que me coloquei mal acerca da Eleição, não soube me expressar e acabou parecendo que eu defendo a doutrina de "salvo uma vez salvo para sempre" que é erronea, creio no mesmo ensinamento que o Pr. citou, pois sei que Jesus é o Caminho e ninguem chega no final do caminho com um passo só. Agora a sua citação sobre o qeu é perfeito me fez entender de um lado que nunca olhei, louvado seja Deus pela sua Palavra viva, sei que Batismo com o Espirito Santo não garante salvação, mas tem ajudado muito as nossa vidas.

Abraços Pr.

Continuarei seguindo o Blog, Palavra nunca é demais.

Robson disse...

Pastor Ciro

Obrigado pela honra de ter meu nome na página principal. Eu tenho perfil no Google, não no blogger.

Sua resposta foi embasada.

Mas tenho ressalvas quanto ao seu modo de se expressar, dizendo que os que não estão de acordo com a sua interpretação, estão desprezando o primado da Palavra de Deus. Creio que só Paulo e os apóstolos teriam autoridade pra dizer isso. Isso, para ti, exclui completamente as possibilidades de você estar errado. Não tem problemas ter uma certeza firme em questões essenciais à fé, mas esta é inegavelmente uma questão secundária. O senhor tem o direito de defender o que o senhor pensa, mas simplesmente jogar a interpretação contrária no terreno do "desprezo pelo primado da Palavra de Deus", está jogando no lixo o trabalho de homens sinceros, que deram a vida por amor do Evangelho, mas tinham a interpretação antipentecostal. O senhor pode estar correto quanto ao sua hermenêutica e exegese. Mas quando diz aquilo, simplesmente está dizendo que os mestres, durante centenas de anos, desprezavam o primado da palavra de Deus, já que essas considerações sobre batismo pelo, no, ou com o ES não vieram a tona antes do início do movimento pentecostal no final do séc. XIX. Não estou dizendo que a história deve ser base para interpretar a Bíblia, mas que não podemos jogar no lixo mais de mil anos de história da igreja, afirmando que nesse tempo todo se equivocaram quanto aos dons e o agir do Espírito.

Dito isso, ainda tenho dúvidas quanto à correta interpretação de Jo 20:22, que é o versículo que tranca ou destranca nossas interpretações. O senhor disse de forma cabal que ali está o cumprimento da promessa da vinda do consolador. Já eu acho que não é tão simples assim, pois o consolador só poderia vir somente quando Jesus saísse de cena (Jo 14:25,26). Assim, eu acho que isso se cumpriu em Pentecostes, e Jo 20:22 se refere a uma questão particular dos apóstolos. Contudo, posso mudar de opinião.

Gostaria também que o senhor esclarecesse sua resposta ao Mateus, dizendo que a eleição não garante salvação a ninguém. Você não acha que isso vai em total contradição com Rm 8:29,30? Tudo bem que você tem como carta na manga os versículos que falam que devemos perseverar e desenvolver a salvação, mas você acha sinceramente que estes versículos dizem, sem sombra de dúvidas, que a eleição não garante a salvação? Não seria mais fácil, ou pelo menos, mais bíblico, afirmar que Deus elege na presciência, elegendo somente aqueles que ele sabe que irão crer e perseverar até a morte?

Mateus Souza disse...

Caro Robson, a Paz do Senhor Jesus irmão;

Não estou afirmando mas:

Em I Pe 1:2 Eleitos segundo a presciência de Deus Pai, em santificação do Espírito, PARA A OBEDIÊNCIA e aspersão do sangue de Jesus Cristo: Graça e paz vos sejam multiplicadas.

Deus não chamou ninguem garantindo salvação pelo chamado, mas chamou para obedecer e se santificar, a eleição só tem valor quando você aceita a santificação e a obediência, ai sim Deus garante que a pessoa é salva, mas está condicionado a santificação e obediência, não é obediência a uma denominação nem a uma tradição religiosa milenar, secular, seja qual for e muito menos faculdade de teologia que não salva ninguem, mas a obediência à simples palavra, o que não tem acontecido em muitos casos que o irmão vê, Jesus é simples, salvaçaõ é simples, não gosto de chamar igreja de religião pois foi a religião que matou Jesus, e hoje há um sistema religioso que invés de "religar o homem a Deus", que é o qeu significa Religião, está afastando e ligando o homem ao material, Sacerdotes que procuram agradar o povo para não perder suas posições, mudando a simples lei de Deus em mandamentos de homens inventados, corrompendo a fé de muitos, com campanhas e correntes que nunca aconteceram na Biblia. Sempre voltado para o material, teatro, shows.

Ontem me deu um temor, preguei ontem uma mensagem que até se encontra no meu Blog sobre o peitoral do juizo, se puderem dar uma lida depois, mas assim que desci do pulito um temor me veio posi falei muito que o sumo sacerdote tinha campanhinhas que serviam de sinal que ele estava vivo, ai disse que o crente tem que fazer barulho como sinal que o crente tá vivo, e o barulho do crente é gloria a Deus e aleluia, que arrependimento Pastor Ciro, Deus me colocou ali pra falar que Jesus vai voltar, que temos que santificar nossas vidas, que temos qeu abandonar o pecado, arrependi mesmo, não estou ali pra motivar ninguem, o Espirito Santo não prescisa de motivadores, de adoradores por emoção, qeuro falar do amor de Deus e da salvação mesmo q haja silêncio no meio do povo. mas é assim mesmos temos muito que aprender, sei qeu todos passamos por algo parecido, e estou novo 22 anos, muito chão pra andar, arestas para serem lapidadas, que Deus tenha misericordia de nós não havendo um coração mal e infiel para se apartar do Deus vivo e da simplicidade do Evangelho.

Graça e Paz a todos.

Visitem meu Blog se tiverem um tempo, é simples pois estou começando agora.

Alex Esteves disse...

Pr. Ciro,

Não sei se o Ir. Robson é um "antipentecostal". Eu o consideraria um "não-pentecostal". Antipentecostal é definição mais para aqueles que se colocam contra os pentecostais, e não contra conceitos pentecostais.
Discordo das linhas gerais postas pelo referido irmão em sua pergunta, mas devo observar que em Atos dos Apóstolos as línguas não são a única evidência do batismo no Espírito Santo, o qual também ocorria com profecia - e a profecia se dá no vernáculo.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Querido irmão Alex Esteves,

A paz do Senhor!

Se o irmão não sabe se o irmão Robson é um "antipentecostal", então eu reafirmo (pois já disse isso, e não sou de dizer as coisas sem ter certeza) que ele é antipentecostal, por definição.

O termo já é consagrado no meio teológico quanto a pessoas, movimentos, conceitos, doutrinas que se oponham às doutrinas pentecostais. E, no caso do aludido irmão, o seu antipentecostalismo ficou claro em seu combate ao batismo com o Espírito Santo como um revestimento de poder para os salvos em Cristo.

Concordo que haja não-pentecostais que não se manifestem, mas o nosso irmão foi claro, repito, em sua oposição a uma das principais doutrinas do pentecostalismo.

As línguas podem não ser a única evidência do batismo no (ou com o) Espírito Santo, mas são uma das principais maneiras de comprovação de que isso ocorreu na vida de alguém.

Em Cristo,

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Querido irmão Felipe Huvos,

O contexto de Atos 10 mostra que o que aconteceu na casa de Cornélio foi uma manifestação simultânea. Ao mesmo tempo que o Espírito Santo agiu na conversão de toda a casa daquele homem, também agiu batizando-os, e por isso foram ouvidas línguas produzidas sobrenaturalmente pelo Espírito.

Em Cristo,

CSZ

Alex Esteves da Rocha Sousa disse...

Pr. Ciro,

A paz do SENHOR!

Eu sei que o senhor não diz coisas sem ter certeza; pode, às vezes, não ter razão, mas geralmente tem certeza.
Vi agora que o próprio irmão Robson se definiu como antipentecostal em sua réplica. Tudo bem, assim está claro, é ele mesmo quem o diz.
Quanto às línguas, sou, como o senhor, membro da Assembleia de Deus, e conheço - creio eu - a maioria dos argumentos favoráveis e contrários à afirmação de que as línguas são a condição "sine qua non" para dizer que alguém foi batizado com o Espírito Santo. O problema é que a) a Bíblia não diz que é necessário saber se a pessoa foi batizada no Espírito Santo; b) o ser cheio do Espírito, sim, é mencionado para a ordenação de diáconos (At 6) e para toda a Igreja (At 5.18), mas em nenhum momento se afirma que se exigem as línguas como sinal; c) quando Paulo quer explicar sobre línguas detalhadamente, trata de dons, e não de sinal; d) toda a teologia pentecostal da glossolalia como sinal do batismo no Espírito Santo baseia-se em narrativas, que, isoladas, não pode firmar doutrina; e) a plenitude do Espírito não pode ser resumida a dons, mas precisa tocar na questão do fruto do Espírito, este, sim, condição indispensável para o amadurecimento cristão e para o diaconato e episcopado. Com todas essas elucubrações, tidas e refletidas há anos, talvez alguém pense que não sou pentecostal, mas a essa altura nem me preocupo tanto com esses rótulos.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro irmão Alex Esteves,

Até o apóstolo Paulo chegou a dizer "Ainda que nós mesmos... vos anuncie outro evangelho, seja anátema" (Gl 1.8). Ele não confiava em si mesmo, em sua capacidade, mas na Palavra de Deus. Da mesma forma, quando eu digo que tenho certeza, é porque prezo a Palavra de Deus.

Mesmo assim, o irmão, que é uma pessoa culta, tem todo o direito de dizer que nem sempre eu tenho razão. No entanto, quando escrevo, procuro ter a Palavra de Deus, a Bíblia, como a minha fonte primária de autoridade. Não estou, pois, sendo presunçoso ou prepotente ao dizer que falo as coisas com certeza.

O irmão diz que a Bíblia não diz que é necessário, para saber se alguém foi batizado no (ou com o) Espírito Santo, que ela fale em línguas. Mas a Bíblia é análoga. Basta comparar Escritura com Escritura, lendo atentamente o livro de Atos para se chegar a essa conclusão. Homens como Eurico Bergstén, Stanley Horton e Antonio Gilberto não tiraram isso de suas próprias cabeças. Estes piedosos teólogos estudaram exaustivamente o assunto. E eu, modéstia à parte, também já me debrucei sobre o assunto.

A expressão "cheio do Espírito" precisa ser estudada à luz do contexto, pois, em alguns casos, ocorrem experiências simultâneas. Pedro, por exemplo, foi cheio em Atos 2.1-1 e em 4.31. No primeiro texto, no dia de Pentecostes, ele foi batizado e cheio. Depois, voltou a ser cheio. O batismo ocorre uma única vez, com a evidência de falar em línguas, mas ser cheio é um processo contínuo. Verifique o termo original em Efésios 5.18.

O ser cheio do Espírito em Atos 6.5, por analogia, pois a Bíblia é análoga, inclui o batismo com o Espírito Santo, com a evidência de falar noutras línguas. Caso contrário, isso não seria uma qualidade a ser destacada, posto que todo o crente que se preza é cheio do Espírito, no sentido de ser habitação dEle, que gera em cada crente o seu fruto (Gl 5.22; Ef 5.9).

No mais, sugiro que o irmão reexamine as obras de Bergstén, Horton e Antonio Gilberto, além do Comentário Pentecostal do Novo Testamento, fontes fidedignas quanto ao assunto em apreço.

Que Deus o abençoe.

CSZ

obreiromateus disse...

I Corintios 12
7 A manifestação do Espírito é concedida a cada um visando a um fim proveitoso.
8 Porque a um é dada, mediante o Espírito, a palavra da sabedoria; e a outro, segundo o mesmo Espírito, a ciência;
9 a outro, no mesmo Espírito, a fé; e a outro, no mesmo Espírito, dons de curar;
10 a outro, operações de milagres; a outro, profecia; a outro, discernimento de espíritos; a um, variedade de línguas; e a outro, capacidade para interpretá-las.
11 Mas um só e o mesmo Espírito realiza todas estas coisas, distribuindo-as, como lhe apraz, a cada um, individualmente.
I Corintios 12:30 Têm todos dons de curar? Falam todos em outras línguas? Interpretam-nas todos?

Paulo cita a distribuição dos dons de maneira que ele afirma que nem todos teram todos os dons, e neste texto Paulo falava das linguas estranhas pois logo em seguida ele diz que interpretam-nas todos?

Ciro Sanches Zibordi disse...

Obreiro Mateus,

O dom de VARIEDADE DE LÍNGUAS pode não ser para todos. Mas o batismo com o (ou no) Espírito Santo, com a evidência de falar noutras línguas, está à disposição de todos os cristãos, sem disntinção.

Eu disse que o dom de variedade de línguas pode não ser para todos porque há uma infinidade de dons à disposição do povo de Deus. Mas é importante observar que os dons, como manifestações esporádicas do Espírito (variedade de línguas, interpretação, profecia, etc.), e não como ministérios (pastor, mestre, evangelista, etc.), estão à disposição de todos os salvos.

Nem todos têm o dom de variedade de línguas, mas quem desejar buscá-lo, não há nenhuma restrição quanto a isso nas páginas neotestamentárias.

Em Cristo,

CSZ

Alex Esteves disse...

Pr. Ciro,

Muito obrigado pela resposta técnica e gentil. O senhor cumpre um importante papel em nossa Igreja - refiro-me à Igreja de modo geral. É muito bom termos teólogos pentecostais assim. Isso nos ajuda sobremaneira. Gosto de dialogar com quem não tem receio de pensar nem de ter suas posições postas a exame. Isso é bereano!
Grande abraço e que a paz do SENHOR continue com o senhor e sua estimada família!

Fabiana disse...

Aos cessacionistas deixo para meditação Atos 2:25-30!
Um forte abraço.