domingo, 27 de dezembro de 2009

O cristão e a festa secular do Natal


O irmão Márcio Cruz escreveu, ao comentar a minha "entrevista com o Papai Noel" (postagem anterior):

A Paz do Senhor Jesus!

1. Tg 1.21 "Pelo que, despojando-vos de toda sorte de imundícia e de todo vestígio do mal, recebei com mansidão a palavra em vós implantada, a qual é poderosa para salvar as vossas almas".

2. I Ts 5.22 "Abstende-vos (afastai-vos - KJ; mantenham-se distantes - NT Judaico) de toda espécie (forma - ARA) de mal".

A situação hoje, exige que sejamos um pouco mais refreados com relação a certas coisas que, queiram ou não, em uma visão negra do capitalismo arraigou-se na Igreja do Cordeiro.
Alimentar algumas coisas ainda que para não haver "traumas" infantis, frustrações adultas do tipo: Puxa! Não ganhei presente!, é colaborar para que o Leviatã mantenha-se em sua cadeira onde deveria e deve estar o Senhor de Todas as Coisas.

"Magia do Natal?" "Espírito Natalino?" Os conselhos de Paulo são verdadeiros e para todas as eras, sejam no âmbito natalino, como para os outros. E é claro que não me refiro ao que citaste em resposta ao Lucas Marin, quando falava das celebrações de cantatas nas igrejas.
Mas pinheiro, bola, guirlanda, meia, touca...

Bom, cabe à "consciência" de cada um as palavras de Paulo: "mas ponde tudo à prova. Retende o que é bom - 1Ts 5.21". Quanto ao mais, Boas Festas Pr. Ciro e que Ele, o Salvador e o Presente de Deus à humanidade continue sendo a âncora de sua vida e família até o Grande Dia.
*não sou defensor da ideia renêniana de Chanuká! Só para esclarecer.

Ciro Sanches Zibordi responde:

Minha filha, Júlia, de quase seis anos, não acredita mais em Papai Noel. Eu lhe disse que o “bom velhinho” não existe, e ela acreditou, até com certa facilidade. Mas, até o ano passado, ela esperava os presentes do Noel à meia-noite do dia 25 de dezembro. Na minha residência, em Niteói-RJ, há uma árvore, um pinheirinho, na sala. E, a despeito de conhecermos o verdadeiro Natal de Cristo e não acreditarmos em Papai Noel, pusemos todos os nossos presentes embaixo da árvore.

Comprei presentes de Natal para minha esposa e minha filha. Minha esposa, da mesma forma, comprou presentes para mim e para a nossa princesinha. No dia 24, à noite, antes de viajarmos para São Paulo (onde estamos agora, com a família, às vésperas do Ano Novo), abrimos os presentes com alegria, comemos panetone, rabanada, frutas, etc. Antes, é claro, agradecemos a Deus pelo verdadeiro Natal de Cristo. Pergunto: Em que uma festa, mesmo secular, que reúne e alegra uma família prejudica a vida cristã e atrapalha a santificação do crente fiel, que conhece o verdadeiro sentido do Natal?

Não tenho dúvidas de que as questões relacionadas com os festejos do Natal, celebrado segundo padrões seculares, passam, obrigatoriamente, por uma leitura de Eclesiastes 7.16,17, passagem que nos ensina a não sermos nem demasiadamente justos nem demasiadamente ímpios.

O cristianismo deve ser equilibrado, como diz John Stott, acertadamente. A Palavra de Deus não exige de nós uma santificação inatingível ou impossível de ser praticada. Está implícito no aludido texto e em outros (cf. 1 Co 6.12; 10.23) que não nos é vedado o entretenimento, desde que feito com moderação.

Podemos, como servos de Deus, desfrutar de certos prazeres, como ir ao shopping com a família, participar de festas seculares (nem todas, é claro), etc., sem que nos contaminemos. A título de exemplo, é claro que não podemos comparar o Natal com o Carnaval, pois esta festa está atrelada à imoralidade e, objetivamente, ao culto aos deuses das religiões afrobrasileiras. Já o Natal, mesmo que celebrado nos moldes seculares, é uma festa de alegria, que reúne a família. Quais são os seus males para a vida e para a família cristãs?

De acordo com os princípios contidos em 1 Coríntios 6.12; 10.23,31, tudo nos é lícito, desde que não nos contaminemos com o mundo ou sejamos dominados por ele. É claro que Papai Noel e árvore de Natal estão ligados, em sua origem, ao paganismo (se bem que a árvore de hoje nada tem que ver com a usada pelos babilônios). Mas nenhum crente em Jesus Cristo põe uma árvore de Natal em sua casa em louvor a ídolos. Presume-se que um cristão tenha o mínimo de maturidade para entender que a árvore se trata apenas de um pretenso símbolo do Natal.

Não podemos confundir origem pagã com uso hodierno. Caso contrário, teremos de proibir vestido de noiva, bolo de aniversário, etc. É claro que não ignoramos o fato de haver muito de paganismo na atual festa de Natal; também estamos cientes de que as pessoas do mundo estão cada vez mais distantes da centralidade do Natal: Jesus Cristo, o Salvador do mundo, que veio para salvar todos os perdidos (Lc 19.10; Jo 3.16). Por outro lado, discriminar um irmão que tem uma árvore de Natal em casa ou proibir uma criança de admirar o chamado bom velhinho, num shopping, são atitudes extremadas.

Eu considero traumático (e os psiquiatras também), sim, para uma criança não poder participar da alegria da festa secular do Natal. E, sinceramente, um pai que não presenteia o seu filho nessa época, tendo condições para fazer isso, está agindo de modo extremado. Pergunto: Um pai que diz ao seu filho: “Não vou lhe dar presentes porque o Natal é uma festa pagã e consumista, e eu não quero agradar a Leviatã”, apesar de se considerar zeloso com a santificação, não está incorrendo no erro mencionado em Efésios 6.4, o de provocar a ira dos filhos?

Quais são as únicas pessoas que, de fato, acreditam em papai Noel? As inocentes e ingênuas crianças. E de nada adianta os pais quererem proibi-las desse encantamento natural, que, aliás, não se dá apenas em relação ao Noel. Elas ficam encantadas com todo e qualquer boneco, palhaço, etc. Isso é coisa de criança. Privá-la dessa alegria é uma maldade.

O que disse Paulo, em 1 Coríntios 13.11? “Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino”. Ou seja, nenhuma pessoa, depois de atingir a fase adulta, continua acreditando em Papai Noel. Por que, então, os pais vão tirar essa alegria única da criança? Isso, psicologicamente, as prejudicará, tornando-as tristes, enquanto os seus coleguinhas vão estar se alegrando com as cores e novidades do Natal!

Vale a pena ser tão inflexível? Será que os pais, excessivamente preocupados com questiunclas, têm ensinado seus filhos em casa (Dt 6.7) e os levado à Escola Bíblica Dominical? Geralmente, crentes extremistas que verberam contra Papai Noel e árvores de Natal são os mesmos que, inconscientemente, louvam ao “deus papai Noel”, como eu mencionei na entrevista fictícia com Papai Noel.

Tudo nessa época do ano gira em torno de enfeites coloridos, com desenhos de Papai Noel, árvores de Natal, etc. Caso os pais sejam extremistas, terão de proibir as crianças também de ir a shopping center, frequentar aulas a partir de novembro, assistir a desenhos animados ou filmes infantis que mencionem Papai Noel ou árvores de Natal, etc. Seria mesmo saudável impedir os infantes de terem esse contato com o mundo da fantasia, própria desse período da vida?

Sinceramente, tenho procurado examinar tudo e reter somente o que é bom (1 Ts 5.21). E, no que tange à festa secular do Natal, não vejo nela nada que, de fato, prejudique a minha comunhão com Deus e a minha família.

Em Cristo,

Ciro Sanches Zibordi

12 comentários:

Ivan Clayton disse...

a paz...

tambem nao acho nada de errado participar de festas como esta..onde as familias de reunem e as comidas tipicas dessa data sao muito saborosa...hummm

mais a despeito de nao provocar os filhos a ira...o que dizer de junho/julho (festas juninas e julinas) onde as crianças para ganhar muitas vezes notas nas esolas tem que se vestir de "caipiras" para dançarem a quadrilha...estaria errado um Cristao em aconselhar um filho a nao participar? sabendo que é uma festa pagã? e como é de costume em minha cidade...a FESTA DE RODEIO... como aconteceu recentemente onde um obreiro da minha igreja levou seus filhos a esta festa para comer churros um alimento vendido no recinto dessa festa. as crinças gostam dessas coisas tambem..

mais reintero que nao sou contra o Natal..de maneira alguma..apenas falo para tirar duvidas a respeito de outros tipos de festas.

fique na paz.

Ivan Clayton - Servo de Cristo

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Ivan,

Sua pergunta pede uma nova postagem. Mas, a meu ver, o Natal é uma festa familiar, que reúne os membros do lar, diferentemente das Festas Juninas e Julinas (e também as "evangélicas" Jesuínas).

Bem, não vou nem começar a escrever, pois tenho certeza que será mais uma resposta que transforarei em postagem. Então, aguarde, por gentileza.

Em Cristo,

CSZ

Marcelo Hagah disse...

Pastor Ciro, alegrei-me com seu texto sobre o Natal. Também escrevi algo no meu blog. Se tiver tempo, sei que é muito ocupado, vá lá, dê uma lida e comente. Serei honrado com isso.

A paz do Senhor.

Marcelo Hagah
João Pessoa-PB

Marcelo Hagah disse...

A propósito, meu blog é o abaixo.

http://hagah72.blogspot.com


A paz do Senhor.

EDILSON VALDECI disse...

A paz de Cristo Pr. Ciro,

Estive lendo a postagem e foco e fiquei feliz por ver uma leitura equilibrada em relação ao natal. Tenho contudo algumas duvidas em relação a minha Igreja, pois nas doutrinas nos é ensinado que: O natal não é de Deus, não traz nenhuma edificação. Pinheiros, presentes,iluminação e outros, são frutos mundanos. Minha pergunta é: se tudo isso é pecado e contra a palavra de Deus, porque a propria Igreja realiza cultos natalinos e cantatas nesses dias? Porque ensinam a não praticar e eles mesmos praticam? Moro em Olinda Pernambuco, e tanto a Assembléia de Recife(Pr. Aiton ) quanto a de Abreu e lima (Pr. Roberto José. Realizam essas festas.
Que Deus continue abençoando o seu ministério.

Márcio Cruz disse...

Saudações Cristãs Pastor Ciro!

Já disse que não sou contra a celebração. A mesma encontra-se em solo bíblico quando anjos anunciaram celebrando o nascimento do Rei (Lc 2.1-15). Mas não fiquemos apenas no nascedouro. Jesus nasceu, morreu e o mais lindo: RESSUSCITOU. Se esta máxima não se cumprir, vã é a nossa fé.

Interessante como em nossas celebrações da Santa Ceia, o ambiente mais lembra um funeral.

A minha referência é acerca da celebração romana-capitalista que ciranda a aludida data.
Será que montar toda a estrutura que existe em Dezembro no mês de maio, será sem graça? Ou os que amamos e queremos bem só merecem presentes "BONS" no final de ano?
Isto mostra quão arraigadas estão as raízes históricas do Natal que hoje existe em nós.

E, às vezes, pode não fazer mal para mim que tenho os pés firmes na rocha. Entretanto, o que dizer dos demais que me observam (1Co8.13)?

Mas, esta é uma discussão de longa data. E a Bíblia diz para não nos perdermos em discussões que em nada edificam, pelo contrário, só servem para acrescentar mais lenha ao fogo (Tt 3.9).

Se alguém celebra, nenhum problema se a mesma em nada peca. Quem não celebra, idem. O que vale para cada um de nós é o que citaste de John Stott: "O Cristianismo deve ser equilibrado". Mas tomemos cuidado, pois o que o Sr. Pastor Ciro tem alertado e muito, é sobre a ignorância (bíblica)de muitos do povo que por causa do desconhecimento, acabam sendo vítimas dos ardis do inimigo de nossas almas.

Repito (sendo chato, com certeza): Celebremos sim! JESUS NASCEU!!! Mas, atenção com o desenrolar da festa.

Em Cristo,

Ir. Márcio Cruz

*Me perdoe se não me fiz entender. Quero continuar sendo seu irmão em Cristo e morar no céu com Ele e ser seu vizinho lá na Cidade Santa (rsrsrs).

George Arrais disse...

A Paz do Senhor, Pr. Ciro

"Um faz diferença entre dia e dia, mas outro julga iguais todos os dias. Cada um esteja inteiramente seguro em sua própria mente...Eu sei, e estou certo no Senhor Jesus, que nenhuma coisa é de si mesma imunda, a não ser para aquele que a tem por imunda; para esse é imunda." (Rom 14:5,14)

"Filiz Natal"

JORGE MELO disse...

Concordo plenamente com o post do Pr. Ciro.
Afinal de contas, devemos fazer tudo com decencia e ordem, prudencia e sabedoria.
Aproveito para desejar ao Pr. Ciro e todos que colaboram neste blog. um ano novo de 2010 refleto das bençãos e da proteção do SENHOR JESUS,ELE, é a razão do nosso viver.

RECIFE - PE

Anônimo disse...

A Paz de Cristo!

Pr. Ciro, tenho um filho de somente 2 meses de vida, mas já me preocupo muito com os ensinamentos que mais a frente lhes serão apresentados e com os ensinamentos de Cristo a respeito de todos os assuntos que nos norteiam diariamente. Vejo que em sua postagem fui confrontado (em bom sentido, é claro), a respeito de alguns ensinamentos que recebi acerca no natal e de todos os seus apetrechos, inclusive a própria árvore, mas esses ensinamentos já me ficaram bem claros.
Agora, queria saber a respeito da festa junina e a participação das crianças nas danças apresentadas pelas escolas em comemoração a essa festa. É lítico uma criança cristã participar dessas festas, envolvendo a dança, promovida pela escola?

Desde já agradeço!

Em Cristo,
Cleiton Tenório
São Sebastião/SP – Litoral Norte.
Cristo

ENOQUE SILVA - Osasco - SP disse...

Segundo o pastor, tudo bem quando se tratar de uma festa "secular", desde que não se cultue divindades do paganismo africano. Na verdade, o natal não é uma festa "secular", mas uma festa do paganismo nórdico. O catolicismo romano conseguiu, à guisa de não repelir a idolatria nórdica em seus templos, transformar o dia do Sol Invencível no nascimento de Jesus. É bem engenhoso. E como deu resultado. Cristãos usando a velha tática de tirar o texto do seu contexto tentam usar a Bíblia para defender o paganismo nas igrejas ditas reformadas. Quando Paulo fala de guardar dias aos Gálatas, ele não fala de natal. Já quanto ao trauma das pobres criancinhas que não ganham presentes de natal, afirmo que formei dois jovens normais que amam ao Senhor Jesus, sem que tenha montado árvores ou outros badulaques pagãos. Mas e o que dizer das crianças judias, que têm de usar cabelos cacheados (meninos) e quipá, além de nunca receberem presentes de natal? Se tornarão adultos complexados por isso? E compara natal com carnaval? Carnaval é escancaradamente mundana e carnal, além de igualmente pagã. Mas não tenta se vender com embalagem cristã, como acontece com o natal. Mas tudo bem: já existem líderes cristãos (?) que têm escolas de samba gospel com o "fim de evangelizar". Afinal, devemos usar todas as ferramentas disponíveis, não é mesmo? Então, natal, carnaval, juninas/julinas/jesuínas, halloween e outras aberrações devem fazer parte dos calendários comemorativos das tais igrejas...

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Enoque Silva,

Sua opinião está registrada. Mas as devidas distinções entre festas e festas foram observadas no texto acima. Ademais, ser cristão santo e fiel à Palavra não significa ser um troglodita ou um extraterrestre (Ec 7.16,17).

Precisamos, antes de tudo, ter cuidado com o antropocêntrico deus Papai Noel que está no coração de muitos crentes, em vez de supervalorizarmos a festa secular do Natal, proibindo crianças de posar ao lado do "bom velhinho", no shopping, ou ter o prazer de enfeitar uma árvore.

CSZ

Arildo Silva disse...

O que me assusta Pastor Ciro é o que Deus pensa sobre isso,pois todos os maus costumes do mundo a Biblia rejeita.Uzá interpretou que não haveria mal nenhum em segurar a arca para ela não cair,mas estava redondamente errado.Pois é,muitas de nossas idéias,mesmo mostrando base biblicas,podem estar erradas.No demais a paz do Senhor.