sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Aos mestres antipentecostais com carinho


Na minha adolescência, assisti à comovente história Ao Mestre, com Carinho, protagonizada pelo premiado ator Sidney Poitier. Tomo emprestado o título desse filme de sucesso para me dirijir aos mestres e irmãos cessacionistas, antipentecostais, com carinho, amor e respeito, mas com muita franqueza.

Sei que os irmãos não querem abrir mão de suas concepções quanto à atualidade da manifestação multiforme do Espírito, preferindo afirmar que a promessa do revestimento de poder do Espírito foi apenas para os dias dos apóstolos. Mas, até quando ignorarão a Palavra de Deus, desprezando o que está escrito em Joel 2.28,29, Lucas 24.49, Atos 2.39, 1 Coríntios 12-14, 1 Tessalonicenses 5, etc.?

Os irmãos não percebem que, ao fazerem isso, privam-se da sobrenaturalidade do verdadeiro evangelho de Cristo e dos dons espirituais que se manifestam de modo esporádico, na Igreja (e não apenas no culto), descritos com muita clareza em 1 Coríntios 12 e 14? Por que insistem em afirmar que as línguas e a profecia cessaram? É pecado falar em línguas? Saibam que pecado é zombar, escarnecer do que a Palavra do Senhor apresenta como manifestações provenientes do Espírito e desprezar a manifestação do Espírito.

Citando Paulo, os irmãos asseveram que “havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas cessarão” (1 Co 13.8). Que engano! Esse apóstolo disse isso depois de enfatizar que nada teria valor sem amor: as línguas, as profecias, a ciência e a fé (vv.1,2). Se desprezarmos o amor, “havendo ciência, desaparecerá” (v.8), isto é, ela não terá valor algum. Mas nenhum dos senhores afirma que a ciência desapareceu.

E, quanto à fé? Caso não haja amor, com certeza ela desaparecerá, posto que o fruto do Espírito gerado em nós consiste em virtudes que são eficazes apenas quando exercidas com amor, o primeiro elemento desse fruto (Gl 5.22; 1 Co 12.31; 13.1). Todos os outros “gomos” são diferentes expressões dessa preciosa virtude: gozo é o amor regozijando-se; bondade, o amor em ação; fé, o amor crendo; e assim por diante (Ef 5.9; 2 Pe 1.5-9; Cl 3.12-16).


Quanto ao batismo com o Espírito (que é diferente de ser batizado no Corpo de Cristo, conforme 1 Coríntios 12.13), trata-se de um revestimento do alto para o cristão (Lc 24.49). E essa promessa diz respeito “a tantos quantos Deus, nosso Senhor, chamar” (At 2.39). É, pois, um revestimento é para quem já está vestido. O desafio dos senhores, caros cessacionistas, é o de aceitar pela fé essa promessa divina. Ou preferem defender uma posição antibíblica mediante argumentos lógicos?

Os senhores foram chamados por Deus? Fazem parte da geração eleita, alcançada pela misericórdia do Senhor, conforme 1 Pedro 2.9,10? Então, por que não soltam essas amarras tradicionalistas, baseadas na razão humana, e recebem o poder do alto? Ou preferem continuar seguindo a esse falso cessacionismo, que os leva a desprezar, ridicularizar os “ignorantes” e “analfabetos” pentecostais?

Eu sei que, para os senhores, é difícil abrir mão da interpretação equivocada de que as línguas mencionadas em 1 Coríntios 14.18 eram idiomas aprendidos, como hebraico ou grego. Mas, em 1 Coríntios 14.2, está escrito: “Porque o que fala língua estranha não fala aos homens, senão a Deus; porque ninguém o entende, e em espírito fala de mistérios”. Se as línguas estranhas são idiomas aprendidos, por que ninguém as entende? Observem o que o texto diz: “em espírito, fala de mistérios”.

Se as línguas mencionadas por Paulo são da Terra, por que ele disse que é preciso orar para interpretá-las? Observem: “ore para que a possa interpretar” (v.13). Além disso, o termo “mais”, no grego, mallon, indica que Paulo falava em línguas mais frequentemente — e não em mais idiomas — que os crentes de Corinto. Até quando os senhores preferirão torcer o texto sagrado?

Infelizmente, os senhores se esqueceram de que devem crescer também na graça, e não apenas no conhecimento. E o mais triste é que, agindo assim, crescem principalmente no conhecimento humano, racional, e não no “conhecimento nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo” (2 Pe 3.18).

Se o prezado leitor se considera um cessacionista e tem confiado em seu limitado raciocínio, abrindo mão da poderosa presença do Espírito Santo, bem como das verdades reveladas nas Escrituras, há uma mensagem para o seu coração, a qual Paulo recebeu do Senhor: “Não extingais o Espírito. Não desprezeis as profecias” (1 Ts 5.19,20). E as profecias, aqui, estão ligadas ao dom de profecia; não se trata da exposição das Escrituras.

Quanto aos que têm zombado da sobrenaturalidade do evangelho, fazendo pouco caso do que Jesus apresentou como sendo o efeito da pregação da Palavra (Mc 16.15-20), precisam pedir perdão a Deus. Sim, eu concordo que haja falsificadores, enganadores, mas abrir mão do poder do alto por causa desses falsos profetas é privar-se das armas da nossa milícia (Lc 10.19; 2 Co 10.4).

Portanto, mestres e irmãos cessacionistas, principalmente os que, além de não crer na multímoda obra do Espírito, posicionam-se contra ela, peço-lhes que revejam os seus conceitos, posto que estão depondo contra a própria Bíblia.


Com temor e tremor,

Ciro Sanches Zibordi

28 comentários:

RUBEN disse...

Pastor Ciro, Apaz do Senhor!

Tremendo este artigo! A despeito de ser assembleiano, infelismente temos convivido com situações que contraria os fundamentos na qual fomos formados, situações essas vividas dentro de nossa igreja. Que o Espírito Santo de Deus, possa incomodar os corações daqueles que acreditam que sua ações e atuações cessaram, no intuito de que um dia possam enchergar o quanto estão enganados!

Que as benção de Deus continuem sobre ti!

Diácono Ruben.

a verdade do evangelho disse...

Amado Pr. Ciro confesso que estou deveras alegre por esta sua postagem.
Pois navegando pela net tenho encontrado pessoas que se ocupam quase que exclusivamente em atacar a fé pentecostal. (é o caso do blog bereano e o sit Monergismo)por isso é necessário que os Teólogos continuístas (principalmente os Assembleianos)escrevam livros e artigos esclarecedores como este do ilustre apologéta Pr. Ciro.
Para os que queiram compreender melhor a obra do Espírito de Deus nesta dispensação, sugiro a leitura dos livros:

- O dom de profecia, WAYNE GRUDEM, Ed. Vida;

- Surpreendido pelo poder do Espírito, JACK DEERE, Ed. CPAD;

- Batismo com o Espírito Santo e com fogo. ANTHONY D. PALMA, Ed. CPAD;

-O que a Bíblia diz sobre o Espírito Santo, STANLEY M. HORTON, Ed. CPAD;

- No poder do Espírito, ROBERT W. MENZIES e WILLIAM W. MENZIES, Ed. Vida


Pb. Edinei, Th.B

Saulo Vale disse...

Glória à Deus!
A doutrina pentecostal é totalmente respaldada pela Palavra de Deus. Os cessacionalistas que nos taxam de "ignorantes" ou dizem ter um conhecimento das Escrituras mais elevado do que nós pentecostais, precisam ler as referências e ver que o poder do alto também é para nós crentes neotestamentários e não apenas para os apóstolos. Nós somos pentecostais clássicos ou bíblicos e não vai ser a banalização da manifestação do Espírito Santo que vai anular o que a Palavra de Deus nos ensina e impedir a Sua manifestação no nosso meio.

Glória ao Pai, Filho e Espírito Santo.

Ilton disse...

Caro pastor

(perdoe-me minha ignorância mas, o que significa o termo cessacionista?)

minha pergunta é?
"se o falar em línguas é tudo isso, como o pastor explica o fato irrefutável de o apóstolo Paulo ter diminuído extremamente a importância desse "dom"?

Outra coisa. São idiomas as línguas faladas na ocasião da descida do Espírito Santo; as línguas faladas pela igreja de Corinto é glossolalia, isto é, sons não compreensíveis. Nunca vi ou ouvi alguém se referindo às línguas faladas pelos coríntios como idiomas.

Outra coisa, creio no dom da profecia entendendo que "profetizar" é pregar a Palavra, anunciar a Palavra de Deus aos homens. Qualquer profecia que extrapole o que está registrados nas Escrituras é heresia e enganação; e os que fazem isso deviam atentar para Apocalipse 22.18.

Abraços

(Gostei muito de ler seu blog e o adicionei na minha lista)

Vanessa disse...

Não posso deixar de concordar com tudo que o senhor escreveu, pr. Ciro. Porque, para preparar a igreja para um maior derramento do Espírito que ocorrerá antes da segunda e gloriosa vinda do Senhor Jesus, o Senhor está chamando a atenção do seu povo para a necessidade de usar os dons espirituais de forma bíblica: com sabedoria e discernimento.
É, no mínimo, falta de atenção desprezar ou negar a ação do Espírito Santo em nossos dias.

Anônimo disse...

Mais do nunca, a cada dia temos que nos justificar de forma clara e verdadeira quanto a nossa fé genuína. Muitos nos chamam de loucos e até que a "Assembleia de Deus" faz lavagem cerebral nos seus membros. Ainda bem que a Bíblia nos dá respaudo, quanto a sermos chamados de loucos! Se isso vale hoje para nós, então, as demais palavras são fieis e verdadeiras para a vida cristã plena e cheia do verdadeiro Espírito Santo que opera no meio da igreja, conforme a sua santa vontade.
A todos um abraço.
Acesse: www.plenitudecrista.blogspot.com

Toda Glória seja dada a Deus!!!
Att, André Fischer - Camboriú - SC

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro irmão Ilton,

Se o irmão ler com atenção o artigo, novamente, entenderá que o termo cessacionista está ligado a quem nega ou se contrapõe à continuação da manifestação multiforme do Espírito Santo hoje, como nos dias dos apóstolos. Ou seja, os cessacionistas acreditam que a tal manifestação cessou.

Paulo não diminuiu extramamente o falar línguas. O irmão está exagerando. Quem é Paulo para diminuir um dom sobrenatural do Espírito Santo? Ele se contrapôs ao mau uso desse dom pelos coríntios e mostrou que existe uma hierarquização na manifestação do Espírito (1 Co 12.28,29).

Não importa se as línguas são conhecidos ou desconhecidas na Terra. O que importa é que elas são SOBRENATURAIS (as que, de fato, provêm do Espírito, é claro). Elas são estranhas para quem as emite, e não necessariamente para quem as ouve. Por isso, não existe nenhum conflito entre Atos 2 e 1 Coríntios 14.

O irmão está muito equivocado ao dizer que profetizar é o mesmo que pregar a Palavra. A Palavra de Deus possui o seu elemento profético, mas, teologicamente, é elementar distinguir a Palavra de Deus como profecia (ou contendo mensagem profética) do dom de profecia. É preciso estudar a Bíblia sem preconceito, o que é difícil se o irmão estiver influenciado pelo cessacionismo.

Agradeço-lhe pela consideração.

CSZ

Anônimo disse...

irmão voce diz que os cessacionistas estão enganados,sera que os anabatistas que deram suas vidas ao longo dos seculos foram enganados?,John Bunian foi enganado e Charles Spurgeon o principe dos pregadores foi enganado e tantos outros que se fosse falar aqui nâo caberia nestas linhas,todos estes eram cessacionistas. muitas obras que a cpad lança no mercado evangelico são de autoria de cessacionistas ex:vine,mark dever etc.serà que Deus iria negar estas bençaos aos seus servos?,por que o pentecostalismo só veio surgir no começo do seculo passado? sera que Deus mudou (Heb:13.8)se os dons são pela graça não depende do meu merecimento concorda?não depende da minha santidade concorda?outra coisa o dom apostolico só foi na era apostolica (A.D 100)2co.12,12 o apostolo paulo defende suas credenciais apostolicas,como hoje não existe apostolo seus sinais tambem se foram,vivemos somente pela palavra(2Tm 3,16)espero resposta.Adeilton dutra (adeilton.dutra@hotmail.com)

Ciro Sanches Zibordi disse...

Irmão "Adeilton Dutra",

Os cessacionistas estão enganados, pois não aceitam a totalidade da Palavra de Deus. Mas eu não disse que eles vão para o Inferno nem que eles não trabalham para Deus. Seja justo, meu irmão, pois eu respeito a todos os heróis da fé citados em sua resposta.

Pela sua defesa do cessacionismo, me parece que o irmão tem essa escola de interpretação como sinônimo de sã doutrina. Aconselho o irmão a valorizar mais a Bíblia, pois, pela sua argumentação teologicocêntrica (e não biblicocentrica), tem deixado a Palavra de Deus em segundo plano.

É ignorância de sua parte dizer que o pentecostalismo surgiu no século passado. O que surgiu nesse tempo foi o novo Movimento Pentecotal, pois o pentecostalismo (nome dado ao grupo de cristãos que creem na manifestação multiforme do Espírito Santo) já existe desde os dias da igreja primitiva.

Quanto às publicações da CPAD, ela como editora evangélica tem atendido a TODO o povo evangélico. Daí editar obras de calvinistas e cessacionistas. Isso não quer dizer que todos os teólogos (sim, eles existem!) assembleianos sigam a essas correntes. Vide Stanley Horton, Antonio Gilberto, Antony D. Palma, William Menzies, Esequias Soares, Claudionor de Andrade, etc.

Respeitosamente,

CSZ

Diógenes Spartalis, diácono disse...

Louvado seja Deus e nosso Senhor Jesus Cristo, e que as manifestações do Espírito Santo continuem transformando vidas e enchendo-as de dons, para a proclamação do Evangelho.

Dc Diógenes Spartalis
Assembléia de Deus-Ponta Grossa-Pr

Cristiano Pereira de Magalhães disse...

Prezado Pastor Ciro,

Devo confessar-lhe, desde logo, que não sou pentecostal. Pelo contrário, congrego na Igreja Presbiteriana.

Uma leitura do texto Atos 2 é muito clara no sentido de que o dom de línguas estava muito mais relacionado com a remoção da confusão de Babel do qualquer outra coisa.

Tenho certeza que o irmão conhece o texto e lá está registrado que as pessoas falavam no idioma "x" e os ouvintes de outra nacionalidade, entendiam na sua própria língua.

Tal evento tinha marcante pois foi a descida do Espírito Santo.

Como crente, tenho plena convicção do poder do Santo Espírito, a Terceira Pessoa da Santíssima Trindade.

Creio, ainda mais, que a principal obra do Espírito Santo é convencer o homem do pecado, da justiça e do Juízo, regenerando o crente, selando-o, de uma vez para sempre, para o resgate final (vide o Evangelho João e a Epístola de Efésios).

O próprio SENHOR JESUS CRISTO disse-nos, com todas as letras, para não ficarmos impressionados com as expulsões de demônios, mas porque os nossos nomes estavam registrados no Livro da Vida (aquela célebre passagem do retorno dos 70).

Obviamente, o Espírito Santo é soberano e se manifesta como lhe apraz. Não nos compete manietá-lo, muito menos creio que seja possível...

Mas, os sinais e milagres tinham o objetivo de dar autoridade apostólica aos primeiros irmãos.

A revelação de DEUS tem o seu ápice com o envio de seu FILHO e se completou com o énvio do ESPÍRITO SANTO que, entre outras coisas, possibilitou a formação do Cânon.

Hoje, toda e qualquer manifestação sobrenatural deve ser passado ao crivo da Palavra de DEUS. A Bíblia fala que devemos buscar os dons que edificam a Igreja e não nos edificarmos individualmente.

Não há mais revelações (lembre-se nada pode ser acrescido à Palavra, confira o final de Apocalipse).

Obviamente, sou totalmente dependente do SANTO ESPÍRITO. Almejo ser cheio do ESPÍRITO, pois só assim terei uma vida mais santa. Poderei lutar contra o pecado e, ainda, falar do SR. JESUS CRISTO para os perdidos, edificar aos irmãos.

Não sou pastor, nem presbítero ou diácono. Mero "irmãozinho", mas apaixonado pelo DEUS DA PALAVRA!!!

Recentemente, fui a um sepultamento e não havia ninguém para orar pela família enlutada. Sempre carrego uma Bíblia em meu carro.

Assim, me pediram para que fizesse o sepultamento. Orei uns minutos antes, rogando pelo SANTO ESPÍRITO, para que me capacitasse para a empreitada.

A resposta de oração veio e pude trazer uma mensagem bíblica para o conforto da família enlutada e depois orei junto com eles.

Sem o SANTO ESPÍRITO, jamais poderia ter feito o sepultamento. Mas, por um outro lado, se eu não estudasse, com frequência a PALAVRA, não saberia o que dizer.

Portanto, os sinais prodígios tiveram a sua razão de ser na época primitiva para dar autoridade apostólica.

Hoje, com a formação do Canon, temos a PALAVRA DE DEUS que nos é revelada pelo ESPÍRITO SANTO.

As manifestações sobrenaturais ficam em segundo plano e, particularmente, creio que podemos até prescidir das mesmas. Pois o verdadeiro crente, cheio do ESPÍRITO SANTO, busca a santificação e aos dons que edificam à Igreja (em especial o Amor), não se importando com o individualismo.

De qualquer sorte, não desprezo as professias, que nada mais são, hoje em dia, do que a PALAVRA DE DEUS genuinamente pregada.

As armas para a Batalha Espiritual estão descritas no Capítulo 6 da Epístola de Efésios e, s.m.j., nada é dito a respeito de manifestações sobrenaturais.

Portanto, gostaria de registrar em primeiro lugar o meu apreço ao irmão e aceitar a carinhosa advertência, mas dizer-lhe, também da mesma maneira, que prefiro seguir o "caminho sobremodo excelente" e, com todas as minhas deficiências, procuro me encher do Espírito Santo para buscar uma vida com maior comunhão com o SENHOR e, ainda, caminhar a estrada da santificação e vivendo em AMOR, principalmente com os irmãos!!!

Renovo meus votos para que o SENHOR continue abençoando sua vida e Ministério!!!

Cristiano Pereira de Magalhães

Ciro Sanches Zibordi disse...

Amado irmão Cristiano Pereira,

A paz do Senhor!

Agradeço-lhe pela sua valiosa participação em meu blog. Mas as minhas críticas se dirigem principalmente a quem adota uma postura contrária e até zombeteira à obra multifacetada do Espírito.

Concordo com o irmão que existe uma herarquização da parte de Deus na maneira dos dons se manifestarem (1 Co 12.28). E concordo que o Senhor Jesus alertou-nos quanto a falsos profetas, milagreiros e exorcistas (Mt 7.21-23). Mas isso não anula a atualidade da manifestação do Senhor. Ele não mudou (Hb 13.8).

A despeito do propósito específico citado pelo irmão, atrelado ao derramamento do Espírito no dia de Pentecostes, no mesmo capítulo 2 de Atos fica claro que aquele derramamento foi apenas inaugural (vv.38,39). A obra COMPLETA do Espírito, começando pela salvação, continua.

Observe que seguir ao caminho mais excelente não significa abandonar os dons espirituais, mas priorizar o amor, permitindo que o Espírito Santo em nós (fruto do Espírito) regule a operação dos tais dons na Igreja.

Em Cristo,

CSZ

Música, Ciência e Teologia disse...

Pr. Ciro, já que o irmão citou os trechos de 1 Coríntios como base para a argumentação das línguas, gostaria que o irmão ponderasse a respeito de não haver interpretação das línguas nos cultos.

O próprio apóstolo Paulo ensina que, se não houver interpretação, ninguém deve falar. Além disso, que falem dois ou três, um depois do outro, com as devidas interpretações, só assim isso seria testemunho para os incrédulos. Por que não há interpretação de línguas nos cultos e por que todos falam juntos?

Até mais, em Cristo, Marcos.

Ruan disse...

Paz do Senhor Pastor Ciro

Eu gostaria de ler algum artigo que aborda os dons de linguas profundamente, eu tenho pouco conhecimento sobre o assunto porem gostaria de aprender mais. Obrigado

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro irmão Marcos (Música, Ciência e Teologia),

Um dos grandes problemas dos irmãos cessacionistas é que eles estão presos ao seu próprio modo de interpretar a Bíblia e não conseguem extrair do texto sagrado (exegese) a verdade sobre os dons espirituais.

Já que a pergunta que me fez mostra que o irmão não sabe distinguir os tipos de dom de línguas apresentados na Palavra de Deus, o meu conselho para o irmão é: investigue melhor o assunto, à luz da Palavra de Deus, permitindo que ela seja a sua fonte primária, e não apenas uma corroboradora de argumentações pretensamente lógicas.

No momento, só posso colaborar dizendo-lhe que as Escrituras, em 1 Coríntios 12-14, apresentam as línguas (1) como sinal inicial do batismo com o Espírito Santo, (2) como forma de edificação do crente, (3) como forma de oração e louvor pelo Espírito e (4) como mensagem profética (variedade de línguas). Somente esta última precisa estar em conexão com o dom de interpretação das línguas.

Não são todas as línguas, em um culto, que são mensagens proféticas. Daí não haver necessidade de todas serem interpretadas, como o irmão supôs. As línguas como edificação pessoal do crente devem se dar em silêncio. Mas as línguas como forma de louvar a Deus podem ser em alto e bom tom, desde que isso ocorra no momento certo, e de modo coletivo.

O mau uso dos dons espirituais, em muitas igrejas pentecostais e, principalmente, neopentecostais, não invalida a obra do Espírito Santo. Daí a necessidade de Paulo discorrer sobre a ordem e a decência no culto pentecostal (1 Co 14).

Estude um pouco mais sobre o assunto, mas sem preconceito.

Em Cristo,

CSZ

jean patrik disse...

Paz do Senhor pastor Ciro!

Já estava esperando esse artigo, para maior esclarecimento de todos nós.

Negar o revestimento espiritual que é o batismo no Espírito Santo e as manifestações espirituais Dele, é de fato negar a palavra de Deus.

E, acreditar que essas manifestações do Espírito de Deus só foram no tempo primitivo ou apostólico, é forçar a barra, ou melhor forçar as escrituras de algo que ela não está dizendo, ou relatando.

Prefiro crer no que o apóstolo Pedro impulsionado pelo Espírito Santo disse já escrito no livro do profeta Joel; "Nos últimos dias, diz Deus, derramarei do meu Espírito sobre todos os povos"(Atos.2:17).

De acordo com as santas escrituras já estamos vivendo os últimos dias da Igreja de Cristo aqui na terra, e é impossível negar essa verdade, portanto é coerente crer que esse revestimento é para os dias de hoje sim, tendo como o objetivo desse revestimento, ganhar almas para o reino de Deus(Atos.1:08).

A sim, quem puder me provar nas escrituras que os dons do Espírito cessaram no tempo apostólico, ficarei muito satisfeito, mas lembre-se "só as escrituras" pois a maior regra da hermenêutica é " a bíblia interpretar-se por si só"

Espero ter cooperado.

Um grande abraço Pastor!

Weslei Rocha disse...

A Paz do Senhor Pr Ciro

O que me levou a ser um assíduo leitor deste blog foi o equilíbrio de suas colocações, evitando sempre os extremos.
Vc, diferentemente de muitos pentecostais, tem autoridade para defender o verdadeiro pentecostalismo.
O verdadeiro pentecostalismo não sobrevive simplesmente de experiências pessoais, mais do real poder de Deus e do respaldo da Bíblia Sagrada.
Eu sempre respeitei os irmãos cessacionistas, mas infelizmente não vale a reciprocidade. Certo dia entrei em um site, que já foi até mencionado nestes comentários, que por sinal gosto muito de acessá-lo, e para a minha surpresa deparei com uma matéria de um cessacionista arrogante e prepotente que zombou grosseiramente de nossa fé, generalizando pentecostais, neopentecostais e movimentos contraditórios.
O pior de tudo é que o "pastor", autor da referida matéria, falava de experiências pentecostais sem o mínimo de conhecimento das mesmas.
Lembrei dos meus professores universitários quando surtavam em explicar algo da Bíblia.

Quando falamos da gloriosa experiencia do falar em línguas e de outros dons do Espírito Santo, alguns cessacionistas costumam dizer que para eles a Palavra de Deus é suficiente. Eu costumo dizer que é exatamente algo da palavra de Deus estamos falando e que para nós ela será também sempre suficiente.
A minha experiência com o falar em línguas foi algo inesquecível, maravilhoso e impossível de expressar por palavras. Aconteceu dentro de um automóvel quando viajávamos à noite. Éramos três no banco de trás, somente eu recebi e por incrível que pareça ninguém percebeu , tb queria o que, o carro era uma Brasília,rs. E olha que no momento eu não pedia a Deus para receber este dom; simplesmente abaixei a cabeça por entre as pernas e adorava a Deus em oração. Foi um gozo inexplicável. Alegria maior só no dia da minha conversão ( um ano antes).

Luiz Clédio Monteiro disse...

Ola pr. ciro. tambem podemos dizer que falar em linguas, são atitudes como: Povos de dialeto pokot recebem Bíblia em seu idioma - Após mais de trinta anos de intenso trabalho finalmente a população Pokot, do Quênia, poderá ler a Bíblia traduzida na sua língua mãe. ...
http://cledio.blogspot.com/

estarei seguindo seu blog
se puder, faça-nos uma visita

fique na paz

Ciro Sanches Zibordi disse...

Querido irmão Luiz Clédio Monteiro,

É claro que a tradução da Bíblia para idiomas e dialetos é uma tarefa nobre e árdua, que ocorre mediante a ajuda do Espírito Santo. Inclusive, eu li ontem a respeito da Bíblia em mirandês, feita para os apenas quinze mil habitantes de Miranda do Douro (Portugal), a qual foi concluída após vários anos também.

Entretanto, caro irmão, isso nada tem que ver com o dom de falar em línguas, mencionado em 1 Coríntios 14, o qual ocorre de modo sobrenatural.

Também estou seguindo o seu blog. Que Deus o abençoe mais e mais!

CSZ

Ruan disse...

Paz do Senhor Pastor Ciro

Eu gostaria de ler algum artigo que aborda os dons de linguas profundamente, eu tenho pouco conhecimento sobre o assunto porem gostaria de aprender mais. Obrigado

ruanvisuaw@hotmail.com

Luciano Lourenço disse...

Sou Pentecostal convicto e creio piamente no Batismo com o Espírito Santo. Ao longo dos meus anos de crente em Jesus Cristo como Senhor e único Salvador tenho visto inúmeras pessoas sendo batizadas com o Espírito Santo. Mas, nestes últimos tempos tem havido exageros nitidamente perceptíveis de falos batismos, cuja manifestação se propõe apenas para dar uma satisfação, naquele momento, ao pregador que intrepidamente ora para que os interessados sejam agraciados com essa promessa. Em muitas igrejas, principalmente na Assembléia de Deus, há um pré-requisito para ser consagrado ao ministério eclesiástico: o batismo com o Espírito Santo. Esta exigência tem levado muitos à mentira, ou seja, a inventar que foram batizados, e com isso, justificar perante o corpo pastoral que o mesmo não está mais impedido de ser consagrado para o ministério, quanto a essa exigência. Durante toda a minha vida, desde quando aceitei a Jesus Cristo como meu Senhor e Salvador, sempre fui fiel ao meu Senhor, mas ainda não recebi o Batismo com o Espírito SANTO. Busquei, e sempre peço essa maravilhosa promessa, mas ainda não consegui. Jamais irei mentir dizendo que sou batizado. Jamais irei inventar uma língua que é puramente carnal. Sou convicto que ainda não fui batizado porque o Senhor não quis. Pergunto pra Ele sempre o porquê da negação dessa promessa em minha vida, se ela é para todos os que crêem e a buscam. Não recebi resposta ainda! Uma coisa é certa: com batismo ou sem batismo eu irei para o Céu – é o meu alvo.
Deus te abençoe, pastor Ciro. Sua mensagem foi muita boa! É claro que muitas são contra, até mesmo crentes da Assembléia de Deus. Muitos daqueles que se dizem pastores da Assembléia de Deus são, também, cessacionistas.

Cristiano Pereira de Magalhães disse...

Caríssimos irmãos em Cristo,

Gostaria de reforçar: o dom supremo que deve ser perseguido é o Amor.

O Batismo no Espírito Santo ocorre no mesmo instante da regeneração. Não há essa dualidade. Converte-se e, depois, se é batizado, passando a falar em línguas.

Irmão Luciano, não se preocupe com essa falta do "falar em línguas". Se você é um cristão convicto, busque a santidade. Faça uma análise fria e criteriosa de sua vida à luz dos frutos do Espírito que estão registrados lá em Gálatas. Os verdadeiros sinais do Batismo com o Espírito Santo são esses.

Eu nunca falei em línguas, nem mesmo busco tal dom. Mas, por um outro lado, tenho buscado viver em AMOR, bondade, benignidade, domínio próprio etc.. Não alcancei a plenitude, pelo contrário, reconheço que ainda estou muito longe..., mas com certeza o SENHOR completará a boa obra que começou a fazer em mim!!!


Repararam que não se menciona o falar em línguas como fruto do Espírito??

Uma leitura serena do texto 1 Coríntios, quando se trata dos diversos dons, ficará claro que o dom de línguas é secundário.

Mas, a questão mais perigosa está relacionada às chamadas profecias. Se a Igreja que crê nesse dom profético, pode correr o sério risco de se tornar uma seita, na medida que estaria acrescendo algo à PALAVRA DE DEUS.

Enquanto o dom de línguas tem o papel da edificação individual (por essa razão é secundário), crer que há profecias, ainda hoje, é duvidar da suficiência das Escrituras.

O último profeta foi João Batista. Após, foi instaurado o Ministério Apostólico. Hoje, o que se entende por profecias é o seguinte: exposição da PALAVRA DE DEUS.

O Pregador torna-se "profeta" na medida que ao expor a PALAVRA ele funciona como uma espécie de "BOCA DE DEUS".

O final do livro de Apocalipse é uma séria advertência contra os acréscimos à PALAVRA.

Portanto, devemos ter em mente que tudo deve estar debaixo do crivo da Bíblia. Ela é o nosso porto seguro. Contém tudo que é necessário para a nossa salvação e, ainda mais, para que possamos conduzir nossa vida.

Não sei como funciona na Igreja Assembléia de Deus, mas quando professei minha fé na Igreja Presbiteriana, jurei fidelidade à PALAVRA, como minha única regra de fé e prática. Imagino que os irmãos assumam compromisso semelhante.

Portanto, devemos ser criteriosos (examinando tudo, retendo o que é bom) e não deixando levar por qualquer vento de doutrina e buscando o caminho sobremodo excelente!!!

Que DEUS abençoe a todos!!!

Com amor, em CRISTO JESUS!!!

Cristiano Pereira de Magalhães

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro irmão Cristiano Pereira de Magalhães,

Respeito a sua opinião, mas a Palavra de Deus é clara quanto à distinção entre o SELO do Espírito Santo, que ocorre no momento da conversão (Ef 1.13,14), e o BATISMO COM o Espírito Santo, que é um revestimento de poder para quem já é salvo (Lc 24.49; At 2).

O problema é que existe o batismo DO Espírito, o qual tem sido confundido pelo irmão e por outros com o batismo COM ou NO Espírito. Esse batismo DO Espírito significa "mergulhar", "imergir" o novo crente no Corpo de Cristo, o que é feito pelo Espírito (1 Co 12.13). Daí batismo DO Espírito.

E esse batismo (DO Espírito) nada tem quem ver com REVESTIMENTO de poder para quem já é salvo. Observe que revestimento é para quem já está vestido, isto é, para o salvo.

Outrossim, o fruto do Espírito é ÚNICO, mas se manifesta multimodamente. E não é somente Gálatas que o menciona. Considere também Efésios 5.9; Colossenses 3; 2 Pedro 1.5-9 e uma infinidade de textos neotestamentários.

Não confunda fruto com manifestação do Espírito. Ambos são multiformes. Um está relacionado ao caráter do cristão (fruto), e outro ao trabalho, à operosidade do cristão. Ambos são importantes, e o primeiro regula o segundo.

Numa leitura serena do texto 1 Coríntios, quando se trata dos diversos dons, ficará claro que o dom de línguas é secundário em relação a outros dons, mas também NECESSÁRIO e IMPORTANTE! Deus não prioriza esse dom, mas o VALORIZA. Tenhamos cuidado, pois priorizar não significa abraçar um para desprezar outro.

A Igreja precisa crer no dom de profecia, pois ele é bíblico e NECESSÁRIO. A Palavra tem a primazia, e ela mesma diz que não devemos desprezar as profecias (1 Ts 5.19,20).

Lamento, irmão Cristiano, mas o irmão está confuso. O último profeta foi João Batista NOS MOLDES DO ANTIGO TESTAMENTO! O Senhor Jesus falou dos profetas e a lei, numa clara referência ao Antigo Testamento. João Batista viveu nos tempos neotestamentários, mas nos moldes veterotestamentários.

Veja quantos profetas aparecem no Novo Testamento depois dele. Lembra-se de Ágabo? Lembra-se das filhas de Filipe? E Paulo, não estava entre os profetas em Antioquia? Leia Efésios 4.11; 1 Coríntios 12.28. Há profetas hoje SIM!

O irmão precisa estudar a Palavra de Deus sem preconceitos, com todo o respeito.

Em Cristo,

CSZ

Cristiano Pereira de Magalhães disse...

Pastor Ciro,

Realmente não tenho tanto estudo quanto irmão no que tange à PALAVRA, pois como já disse não tenho formação teológico (sou apenas um advogado). Fico muito preocupado com a questão da profecia. Entendo que uma das características das seitas é acrescer algo à PALAVRA. Portanto, se efetivamente não cessaram as profecias (creio que está encerrada tal manifestação), deve-se ter o maior cuidado para não se afastar da PALAVRA. Tudo aquilo que contraria a PALAVRA vem do maligno.

Creio que as profecias se manifestam, atualmente, a partir da PALAVRA DE DEUS.

Por exemplo: quando o irmão sobe ao púlpito de sua Igreja e prega uma determinada mensagem e o faz, com toda certeza, na dependência do Espírito Santo e a partir da Bíblia, está exercendo o ministério profético contemporâneo. Veja o versículo 3 do Capítulo 14 de 1 Coríntios que dão a função da profecia: edificação, exortação e consolação (exatamente o papel desempenhado pela pregação da PALAVRA).

Contudo, não posso aceitar, com toda sinceridade, frases como: "Deus me revelou que você ganhará a causa do cliente "x"", por mais sincero e consagrado que seja o irmão que me disse. Essa pessoa estará falando do desejo de seu coração...

Quanto à questão do Batismo no Espírito Santo, não estou biblicamente convencido do dualismo. Mas, o que é importa é buscar os dons espirituais, com todo zelo, principalmente o AMOR.

Esse AMOR que nos permite sermos irmãos, apesar de pequenas diferenças doutrinárias.

Creio que fosse para a IGREJA ter uniformidade no pensamento, não haveria carta às 7 Igrejas no livro de Apocalipse.

Ademais, somos pequenos e limitados para compreender toda a Grandeza de DEUS (Isaías 55.8 e 9).

O nosso coração é corrupto, pecador e enganoso (vide o Profeta Jeremias). Revelações e Visões são a mãe das heresias. Lembre-se, estão até amaldiçoadas lá em Gálatas... todas as revelações que divergirem do Evangelho são anátenas.

A questão das línguas é secundária. Insisto: o verdadeiro sinal do batismo no Espírito Santo é a presença dos frutos do Espírito na vida do crente.

Eventualmente tenha me expressado de forma confusa, mas, com todo respeito, não estou confuso, pelo contrário, tenha plena convicção de minha Fé!!!

Que DEUS o abençoe!

Cordialmente, em Cristo Jesus!

Cristiano Pereira de Magalhães

Ciro Sanches Zibordi disse...

Amado irmão Cristiano Pereira de Magalhães,

Quando eu disse que o irmão estava confuso, não quis, de modo nenhum, menosprezar os seus conhecimentos, mas instigá-lo a buscar maiores informações na própria Bíblia a respeito da manifestação multifacetada do Espírito Santo em nós e sobre nós.

É evidente que a profecia que contraria a Palavra de Deus não tem origem divina. A profecia (proveniente supostamente do dom de profecia) pode ter três origens, biblicamente: divina (dom do Espírito), humana e demoníaca. Por isso, a Palavra do Senhor diz: "falem dois ou três, e os outros JULGUEM" (1 Co 14.28,29). Devemos julgar, examinar, provar, testar, as profecias, mas não desprezá-las (1 Ts 5.19,20; 1 Jo 4.1).

Quando um irmão sobe no púlpito e prega uma mensagem, ela pode conter profecia e ser, nesse caso, profética. Mas a Palavra de Deus distingue CLARAMENTE dois tipos de profeta, no Novo Testamento.

Existe o profeta como ministro do evangelho (Ef 4.11; 1 Co 12.28). E existem os profetas (e profetisas), pessoas que têm o dom de profecia. Já leu sobre as filhas de Filipe, em Atos 21.9? Quando Paulo disse falem dois ou três profetas, e os outros julguem, se referiu aos crentes que têm o dom de profecia, e não à pregação da Palavra de Deus.

1 Coríntios 14.3 fala claramente, à luz do contexto, do dom de profecia, e não da exposição da Palavra de Deus. Veja o versículo 26. Aqui mencionam-se salmo (cânticos de louvor), doutrina (exposição da Palavra), revelação, língua e interpretação (manifestação dos dons espirituais, o que é mencionado depois da doutrina). Pregação da Palavra e profecia são duas coisass distintas, claramente.

Tanto a exposição da Palavra como os dons espirituais, que provêm da mesma fonte (Deus), têm como finalidade precípua a EDIFICAÇÃO da Igreja. Veja quantas vezes o verbo "edificar" aparece em 1 Coríntios 14, sempre em alusão aos dons espirituais, e não à exposição da Palavra.

Concordo que somos pequenos e limitados para compreender toda a grandeza de Deus, mas o que é espiritual discerne bem tudo (1 Co 2.15) e cresce em conhecimento (Os 6.3; 1 Tm 2.4). E a nós cabe examinar TUDO e reter o que é bom (1 Ts 5.21).

Aconselho o irmão, com todo o respeito e humildemente, a se aprofundar mais no assunto em apreço, permitindo, assim (a despeito dos seus preconceitos), que a Palavra de Deus prevaleça (1 Co 4.6).

Em Cristo,

CSZ

Cristiano Pereira de Magalhães disse...

Pr. Ciro,

Em momento algum pensei que o irmão estivesse fazendo pouco de meus conhecimentos. O irmão sempre mostrou total fidalguia e, afinal de contas, estamos entre irmãos.

Estou aberto a sugestões. Gostaria de que o irmão sugerisse alguns livros.

Continuo tendo grandes dificuldades com a questão dos profetas. Até concordo que os textos citados mencionam profetas no Novo Testamento, mas isso ocorreu antes da formação do Canon...

Lembre-se, que em 1 Coríntios 13 fala-se expressamente (até de forma profética!!!) que as profecias cessarão quando vier o que é perfeito. O movimento dos puritanos (um dos pensadores desse movimento é o Rev. Josafá Vasconcelos) defende essa tese, com unhas e dentes. Eles são totalmente cessacionistas.

Esse assunto, que julgo periférico à minha fé, ainda não fechei questão. Estou propenso a entender que há uma graduação na atuação do Espírito Santo. Não se tem mais notícias de ninguém sendo resuscitado, por exemplo.

Apesar de ter plena convicção de minha fé e doutrina, sempre busco ouvir aos irmãos que têm zelo pela PALAVRA e, invariavelmente, sou abençoado. Aliás, como tenho sido em seu excelente "blog".

Infelizmente, há vários irmãos que congregam na Igreja Presbiteriana que demonstram muito preconceito nessa área que estamos discutindo. Não compartilho com tal posição.

Reconheço autoridade espiritual em todo aquele que invoco o nome do SENHOR, com base exclusiva na Bíblia. Há muitos anos que tenho convívio interdenominacional.

Infelizmente, também sei do outro lado: há vários irmãos pentecostais com preconceito conosco. Já me contaram até aquela piadinha: "sorveteriano" ou invés de presbiteriano!!!

O objetivo de meus comentários é justamente contra esse tipo de discriminação, não tolerada pela Bíblia (lembra-se da proibição de facções por parte do apóstolo Tiago?).

Aliás, tenho visto no irmão uma abertura muito grande nesse sentido, inclusive se dispondo a interagir comigo. Parabenizo-o, insitivando-lhe a prosseguir dessa maneira.

Afinal, todos servimos ao mesmo SENHOR!!!

Fraternalmente, em Cristo Jesus.

Cristiano

jorge mélo disse...

Um dos bons livros que já li sobre o batismo com ESPÍRITO SANTOS E OS NOVE DONS ESPIRITUAIS é chamado de " OS NOVE DONS DO ESPÍRITO SANTO " do saudoso Pastor Estevam Angelo de Souza, editado pela CPAD em 1985.
Vale a pena ler este livro, porém sei que será difícil encontra-lo
ainda nas livrarias evangélicas.

olharreformado disse...

Muito bom artigo, pastor Ciro. Eu, apesar de calvinista 'roxo' (como dizem alguns), e preterista convicto, me mantenho assembleiano, e um crente sincero na atualidade dos dons espirituais. Por isso, também abordo o mesmo assunto em alguns artigos do meu blog, tendo, inclusive, publicado um bem recentemente.

Um argumento corriqueiro dos nossos irmãos 'cessacionistas' é que as linguas de Atos são exatamente as mesmas da Igreja de Corínto. Acontece, porém, apesar de o termo grego para 'linguas' ser exatamente o mesmo em ambas passagens, comparando os dois textos, podemos ver diferenças gritantes; dentre elas as que o irmão claramente demonstrou.

Parabens pelo artigo. Penso que os pentecostais devem defender sua doutrina com a Bíblia, e não com argumentos sensoriais - sola scriptura sempre!

Paz e bem!