domingo, 2 de agosto de 2009

Pecados contra o Espírito Santo que afastam os eleitos da salvação (1)


De acordo com a Palavra de Deus, a eleição, em si, não significa salvação eterna (2 Tm 2.10). Ela faz parte da obra salvífica, posto que o Senhor nos escolheu, nEle, para a salvação (Ef 1.3,4).

Entretanto, mesmo como eleitos, temos de perseverar no evangelho de Cristo (1 Co 15.1,2), resistindo ao pecado até ao sangue e tendo uma vida de santificação (Hb 12.4,14). Por quê? Porque existe a possibilidade de nosso coração tornar-se mau, infiel, endurecido (Hb 3.12,13). Ainda que a mão do Senhor esteja sempre estendida para nos salvar, as nossas iniquidades fazem divisão entre nós e Ele, podendo nos matar espiritualmente, caso permaneçamos na vida de pecado (Is 59.1,2; Tg 1.12-15).

Os pecados contra o Espírito Santo são contra a santidade de Deus. Afinal, é o Espírito do Senhor quem nos santifica. E os tais pecados consistem em palavras, atitudes e atos. Entre os pecados por palavras, acham-se as afrontas verbais e as blasfêmias. As atitudes e os atos constam da resistência ao Espírito, e da recusa contínua de se cumprir a vontade de Deus.

Resistir ao Espírito Santo. A resistência ao Espírito é o pecado inicial que se comete contra o Consolador (At 7.51). É dizer “não” continuamente ao convite da salvação; é se recusar a ouvir e ler a Palavra de Deus, bem como resistir aos impulsos interiores do Espírito Santo dentro de nós.
Engana-se quem pensa que apenas os incrédulos podem cometer esse tipo de pecado.

Resistir ao Espírito é o mesmo que rebelar-se contra a autoridade divina (Is 63.10). Não só a direta, que é rara na Bíblia, mas a autoridade divina indireta, delegada por Deus. Esta é a forma predileta de Ele governar entre os homens, através da família (autoridade social), do governo (autoridade civil) e da igreja (autoridade religiosa).

Esse pecado consiste, também, em adiar a decisão de obedecer ao Senhor. É resistir à voz de Deus, de todas as formas. E, uma vez cometida essa ofensa, as demais parecerão de somenos importância, visto que o coração do ofensor, afetado terrivelmente pela iniquidade, considerará o pecado algo comum e corriqueiro. A resistência ao Espírito pode ser compreendida pelo modo como Estêvão concluiu seu sermão diante dos anciãos de Israel: “Homens de dura cerviz e incircuncisos de coração e ouvido, vós sempre resistis ao Espírito Santo” (At 7.51). O pecado daqueles homens não era um ato isolado, mas contínuo: resistir “sempre” ao Espírito Santo.

Quem resiste ao Espírito Santo recusa, de forma consciente, a vontade divina transmitida pela terceira Pessoa da Trindade, mediante a Palavra de Deus e por meio de seu trabalho em nossos corações. A palavra “resistir”, empregada no aludido texto de Atos, vai além de uma mera resistência. Significa lutar contra; lutar com agonia. O povo de Israel até hoje sofre as consequências de sua resistência (1 Ts 2.15,16). Os ouvintes de Estêvão “lutavam” contra o Espírito, empregando naquela peleja todas as suas forças (cf. Zc 7.12; Gn 6.3; Is 30.1; Ne 9.30; Ez 8.3,6).

O povo de Deus (sim, o povo de Deus!) resistiu ao Senhor, usando de rebeldia contumaz, e o Espírito Santo voltou-se contra ele, como lemos em Isaías 63.10:
“Mas eles foram rebeldes e contristaram o seu Espírito, pelo que se lhes tornou em inimigo e ele mesmo pelejou contra eles”. Que relato terrível e condenatório!

Caso o leitor esteja resistido ao Espírito Santo, arrependa-se enquanto há tempo! Não queira ter o Espírito de Deus como seu inimigo!

Ciro Sanches Zibordi

16 comentários:

Anônimo disse...

GRAÇA E PAZ CIRO!

Como é bom ler de alguém com a mente de CRISTO acerca do Espírito Santo.

Creio que o pecado contra o Espírito também é quando o usamos para justificar nossas extravagâncias, irracionalidades, sentimentos. Me refiro as bizarices de pular, uivar, gemer, "voar".

Creio que o Espírito chore ao ver pessoas que se dizem salvas cometendo enganos assim.
Como você mesmo escreveu, resistindo a verdadeira atuação do Espírito, formar o caráter de CRISTO em nós, ensinar da parte DELE.

Hoje abri o jornal e li que o casal Hernandes voltou ao Brasil. Que o Espírito Santo possa levar os mesmos a uma real experiência com o SENHOR. Misericórdia!

Fica na Paz, Ciro.

Luis Carlos
Joinville/SC

Ednelson Rodrigo Sales Coelho disse...

Caro Pastor Ciro, paz!
No aludido texto o Senhor faz referência sobre a desobediência contra a igreja (autoridade religiosa). Quando o senhor fala sobre "igreja" o senhor está se referindo a "igreja instituição"( pastor, bispo, presbítero, regras dogmas) ou Igreja (servos lavados e remidos pelo Senhor)? Obrigado desde já!

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro irmão Ednelson,

A que conclusão o irmão chega, por si mesmo, considerando que o assunto em análise trata dos pecados contra o Espírito Santo?

E lhe faço mais uma pergunta: Na instituição eclesiática não existem homens de Deus que exercem autoridade da parte do Espírito, os quais fazem parte do organismo, a Igreja?

CSZ

Laguardia disse...

Oração Pela Pátria
Leia Mateus 4: 1-10 .... Levou-o ainda o diabo a um monte muito alto, mostrou-lhe todos os reinos do mundo e a glória dele e lhe disse: Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares. Então, Jesus lhe ordenou: Retira-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás, e só a ele darás culto.
Jesus Cristo, o Messias, filho único de Deus foi tentado para que abrisse mão de sua missão de salvar o mundo da morte e do pecado em troca de poder, de domínio sobre a terra, em troca de um reino terreno onde teria as todas as riquezas materiais que o mundo podem oferecer.
Hoje também somos tentados desta mesma forma. Somos tentados a abrir mãos de nossos princípios éticos e cristãos em troca de alguma vantagem que nos enchem a vista. O maligno toca sempre no ponto fraco do ser humano, a ganância, a sede de poder.
Temos visto isto com muita clareza ultimamente em nosso país.
Quem já não ouviu falar da lei de Gerson - “O Brasileiro gosta de levar vantagem em tudo”?
Nossos governantes têm se aplicado, e bem, em fazer valer esta lei de Gerson. Todos os dias ao abrirmos os jornais e ouvirmos ou vermos os noticiários nos deparamos com alguém se utilizando indevidamente de recursos públicos em benefício próprio.
Já chegamos ao ponto de achar que tudo isto é natural. Afinal de contas todo o político é desonesto, ou apelamos para a máxima “rouba mas faz”.
Felizmente Cristo resistiu a esta mesma tentação e pagou por nossos pecados na Cruz.
Muitos dirão – Mas Ele é Deus, por isto tem forças para resistir.
Não nos esqueçamos do que Paulo disse em I Coríntios 11: 1 – Sede meus imitadores como eu sou de Cristo.
Resistamos, pois a estas tentações, e vamos exigir de nossos governantes um comportamento honesto, ético e moral. Eles foram colocados lá para servir ao povo e não para usarem de seus cargos em benefício próprio.
Vamos repudiar claramente em nossas palavras e ações as atitudes que são contrárias aos ensinamentos do Mestre. Vamos repudiar a noção que Lula quer repassar que os cidadão que têm “biografia” devem ser tratados de modo diferente dos demais. Afinal de contas nossa Constituição diz que todos somos iguais perante a lei.
Rogo a todos os irmãos que instituam em suas igrejas e em seus cultos domésticos, entre as semanas de 30 de agosto a 12 de setembro, uma jornada de orações pela Pátria Brasileira. Uma jornada de orações pelos nossos governantes, para que Deus lhes toque o coração e os transforme para que trabalhem não em prol de si mesmos, mas em prol do tão necessitado povo brasileiro que os elegeu para servir ao povo.
Este é o desafio que quero deixar com cada um dos irmãos.

irmao_wandson disse...

Glória Deus irmão, só Deus sabe a felicidade que estou depois que li esse tópico.
Que o Senhor continue te abençoando, glória Deus!.
(Ir. Wandson)

Anônimo disse...

Quem resiste ao Espírito Santo recusa, de forma consciente, a vontade divina transmitida pela terceira Pessoa da Trindade, mediante a Palavra de Deus e por meio de seu trabalho em nossos corações. A palavra “resistir”, empregada no aludido texto de Atos, vai além de uma mera resistência. Significa lutar contra; lutar com agonia. O povo de Israel até hoje sofre as consequências de sua resistência (1 Ts 2.15,16). Os ouvintes de Estêvão “lutavam” contra o Espírito, empregando naquela peleja todas as suas forças (cf. Zc 7.12; Gn 6.3; Is 30.1; Ne 9.30; Ez 8.3,6).
IRMÃO:
A própria Bíblia diz que:

(Fl 2:13) "porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade"

(Rm 9:19) "Dir-me-ás então. Por que se queixa ele ainda? Pois, quem resiste à sua vontade?"

Ciro Sanches Zibordi disse...

Anônimo,

Os versículos citados já têm sido abordados neste blog, à luz de seus contextos. Não extraia frases de efeito do texto sagrado. Não mutile as Escrituras.

Se você entende que Deus efetua TUDO por nós ou em nós, sem exceção, então leia Hebreus 3.12,13 e veja que o salvo pode, se não tiver cuidado, ter o seu coração endurecido.

Não se apegue a argumentações prontas, do tipo chavão. Estude a Palavra, permitindo que ela seja a sua fonte primária de autoridade.

E... identifique-se.

CSZ

Clayton Góis disse...

Pastor Ciro,a Paz do Senhor.

Tenho uma dúvida semelhante a do irmão Ednelson Rodrigo.
Sei perfeitamente que a autoridade foi constituida por Deus.Devemos sim nos submeter a autoridade civil,exceto quando esta nos forçar contra a lei de Deus(a exemplo do regime nazista e facista.

Mas e no caso da autoridade eclesiástisca, o princípio a seguir pode ser o mesmo??No caso do líder religioso querer submeter na congregação doutrinas e inovações estranhas,o povo teria direito de exorta-lo a luz da palavra de Deus??

veja bem pastor, por favor não me entenda mal.Graças a Deus na igreja onde congrego, meu Pastor é uma benção, porém vejo muitos casos,principalmente em outros ministérios da AD,onde a coisa não anda funcionando bem.Cito como exemplo, o caso de um ministério da A.D, onde seu líder convidou recentemente um grupo unicista para "louvar" e "ministrar" a palavra.Muitos irmãos desta referido ministério, questionaram tal atitude(ressalto que questionaram a atitude do líder, sem ofende-lo), pelo fato do Unicismo ser uma doutrina anti-bíblica,e consequentemente foram taxados de críticos, murmuradores e rebeldes.

A pergunta é a seguinte, em casos como este, devemos apenas orar, ou devemos também denunciar(sem agredir ou denegrir a imagem da pessoa) o erro a luz da palavra de Deus?Isto pode ser taxado como insubordinação?

Creio que esta é uma dúvida de muitos, pois infelizmente anda acontecendo atrocidades com as doutrinas bíblicas, geralmente lançadas por alguns líderes que perderam a visão espiritual, e resistem a Bíblia como única regra de fé.

Clayton Góis

Prof Damasceno disse...

A paz do Senhor, meu amigo e Pr Ciro...

Novamente, Deus lhe agraciou com uma exposição racional e ortodoxa, sobre um assunto muitas das vezes tido como "o calcanhar de Aquiles" de muitos "cristãos". O principal motivo de tantas heresias no nosso meio hoje é justamente por conta de não haver quem se proponha a, de fato, à luz da Bíblia e de uma exegese sadia e ortodoxa, defender e exposar os fundamentos do tópico sem "pender para interpretação A, B, ou C, em detrimento do vasto campo comprobatório que a Palavra de Deus nos outorga para analisar o assunto em pauta, como o senhor usado por Deus o fez aqui.
A comunidade evangélica ortodoxa está em débito com sua pessoa...
Forte Abraço!!

Nos laços do Calvário,
Prof Damasceno
www.profdamasceno.blogspot.com

Apologia e Espiritualidade disse...

A Paz do Senhor Pr. Ciro!
Em primeiro lugar, parabéns pelo blog. Creio que têm desenvolvido a dedicação por parte dos cristãos de buscar cada vez mais o conhecimento.
Em segundo lugar, e entrando pro "Q" da questão, acredito que sua linha de pensamento (a perca de salvação por parte dos eleitos) vai contra o seguinte texto:

João 6:38 Porque eu desci do céu, não para fazer a minha própria vontade, e sim a vontade daquele que me enviou.
João 6:39 E a vontade de quem me enviou é esta: que nenhum eu perca de todos os que me deu; pelo contrário, eu o ressuscitarei no último dia
(Versão: ARA)

Segundo esse texto, o objetivo da vinda de Cristo na Terra era cumprir com a vontade do Pai. Conforme suas próprias palavras é o que Ele diz no versículo 38. Seu objetivo então, é fazer a vontade daquele que o enviou, a saber o Pai.
Mas qual a vontade do Pai? A resposta se encontra no versículo subsequente. A vontade do Pai é que nenhum dos que o deu se perca. Ora, se algum dos que o Pai deu a Cristo se perder, segue-se que Cristo não conseguiu cumprir com a vontade do Pai, e o seu objetivo em ter vindo a Terra -que como vimos é de cumprir com a vontade do Pai- não foi alcançado.

Assim, acreditar que um Verdadeiro Cristão pode perder a Salvação é o mesmo que pensar que Cristo falhou em cumprir com a vontade do Pai.

Peço gentilmente, que se for responder a essa postagem, faça uma interpretação sincera do texto.

Felipe F. Inácio
http://apologiaeespiritualidade.blogspot.com/


Soli deo gloria

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Felipe F. Inácio,

Em primeiro lugar, eu conheço bem você. Mas Jesus o conhece melhor ainda e sabe o que, verdadeiramente, o instigou a escrever-me.

Suas motivações não são nada nobres, e a sua infantilidade espiritual é bem conhecida. Ou você pensa que eu não sei que você é aquele jovem que andou dizendo por aí, em algum lugar na grande rede, que este escritor é bem fraquinho em matéria de soteriologia?

Não perca seu tempo por aqui, prezado teólogo. Este espaço não é para pessoas cheias de razão! Não desperdice o seu precioso tempo tentando convencer um assembleiano ignorante, que não sabe nada acerca da salvação! Continue se embriagando com a sua teologia racionalista, filosófica. Você está de parabéns!

Peço-lhe gentilmente que não me envie mais perguntas, pois elas não serão respondidas. Não estou à altura de conversar com uma pessoa tão qualificada em matéria de soteriologia! Por isso, prefiro conversar com pessoas sinceras, desejosas de conhecer a sã doutrina. Você já sabe muito. Procure alguém que esteja disposto a medir forças com você.

Em Cristo,

CSZ

Ednelson Rodrigo Sales Coelho disse...

Deus abençoe o senhor pastor Ciro pelo imenso respeito com o seu leitor que queria apenas uma resposta do senhor,haja visto que eu só gostaria de saber sua opnião sobre o assunto,nada mais.Em não havendo resposta de sua parte,abstenho-me de responder tais questões.
Paz querido!

Paulo disse...

Agora fiquei encucado,Pastor Ciro.Você poderia responder pra mim a pergunta que o Felipe F. Inácio fez ao senhor?

Grato!

Ciro Sanches Zibordi disse...

Irônico leitor Ednelson,

É meu dever também, como pastor, escritor, ensinador, instigar os meus leitores a compreenderem melhor as Escrituras. Por isso, pedi para o irmão responder às tais questões. Lembre-se de que a verdade está com o Deus da Palavra e com a Palavra de Deus, e não comigo.

Reflita.

Em Cristo,

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Prezado "Paulo" (Paulo?),

Eu também fiquei encucado. Estou em dúvidas se fui ou não eleito... Aliás, se destacarmos frases de efeito do texto sagrado, podemos afirmar até que os mortos em Cristo estão perdidos! Já leu 1 Coríntios 15.18?

Bem, prezado "Paulo", com a Bíblia se prova muitas "verdades", e os predestinalistas são hábeis nisso. Mas aconselho-o a priorizar a verdade da Palavra de Deus, levando em conta os dois lados da moeda. E, como já foi demonstrado neste blog (e o irmão não precisa crer nisso, se não quiser, mas é a mais pura verdade bíblica), não existe segurança da salvação se o crente não permanecer em Cristo (1 Co 15.1,2; Hb 3.12,13; 2 Pe 2.1; Jo 15, etc.).

Que Deus o abençoe!

CSZ

pca disse...

O Felipe S. Inácio disse,

"Ora, se algum dos que o Pai deu a Cristo se perder, segue-se que Cristo não conseguiu cumprir com a vontade do Pai, e o seu objetivo em ter vindo a Terra -que como vimos é de cumprir com a vontade do Pai- não foi alcançado."

Acredito que Jo 17.12 responde sua objeção:

Estando eu com eles no mundo, guardava-os em teu nome. Tenho guardado aqueles que tu me deste, e nenhum deles se perdeu, senão o filho da perdição, para que a Escritura se cumprisse.

Mesmo Jesus tendo guardado aqueles que foram dados por Deus a Jesus, um deles se perdeu. E agora? Acreditamos em quem?