sexta-feira, 17 de julho de 2009

Frases comentadas para expoentes da Palavra de Deus (1)


“Os provérbios são sempre chavões até você experimentar a verdade contida neles”
Aldous Huxley

Isso no caso de provérbios que realmente contenham verdades. Caso contrário, serão apenas chavões, clichês, frases ditas mecanicamente. Há diversos bordões no meio evangélico que não apresentam verdades bíblicas. Ao contrário, depõem contra a Palavra de Deus.

Chavões antibíblicos: “Pentecostal que não faz barulho tem defeito de fabricação” (há pentecostais que não gostam de barulho, principalmente se for o da carne); “Crente que tem promessa não morre” (somos peregrinos e forasteiros; precisamos estar preparados para partir a qualquer momento); “A nossa voz é a voz de Deus” (desde quando?); “Quem não vem pelo amor vem pela dor” (muitos são repreendidos, sofrem, mas preferem seguir a seus próprios caminhos [Pv 29.1]); “Uma vez salvo, salvo para sempre” (O Senhor não tira a salvação de ninguém, mas alguém pode rejeitá-la e perdê-la; Deus não tirou o direito à primogenitura de Esaú, porém este, por ser profano, o perdeu), etc.

“Aquele que fala sem pensar assemelha-se ao caçador que dispara sem apontar”
Montesquieu

Deve-se, pois, ter em mente a reação dos mais diversos tipos de público-alvo e prever os seus questionamentos e reações, ao expor uma verdade. No caso da exposição da Palavra de Deus, é preciso, sobretudo, agradar a Deus. E, para que isso aconteça, a aceitação ou rejeição por parte dos ouvintes tornam-se secundários (Tt 2.1; Ez cap.2).

Tenho tido o cuidado de, ao pregar ou escrever, expor apenas verdades que tenho como sustentar à luz das Escrituras. Quando eu digo, por exemplo, que a atitude de Zaqueu que merece destaque, em sua salvação, foi o ter descido do sicômoro, atendendo ao chamamento de Jesus — e não o ter subido, apenas para ver quem era Jesus —, faço isso por convicção de que a Palavra de Deus realmente corrobora tal argumentação (Lc 19.1-10).

“Toda a minha vida olhei para as palavras como se as estivesse a ver pela primeira vez”
Ernest Hemingway

Assim devemos olhar também para o texto bíblico. A Palavra de Deus é viva e eficaz (Hb 4.12). As verdades apresentadas em João 3.16 e Mateus 11.28 não podem ser consideradas menos enfáticas que as contidas em passagens raramente lidas e citadas. Por isso, ao ler um versículo muito conhecido ou fazer menção dele, faça isso com inteira convicção de que a Bíblia é a Palavra de Deus.

Em Cristo,

Ciro Sanches Zibordi

14 comentários:

baudecronicas disse...

Você realmente acredita que uma pessoa que verdadeiramente foi salva (convertida, não apenas convencida) pode perder esta salvação a qualquer momento?

Deve ser muito difícil e angustiante viver com este peso — "Oba! Agora estou salvo! Ops, agora não! Ufa, agora estou salvo de novo! Ai caramba, agora não!...".

Tomara que essa pessoa morra no minuto certo, senão pagará eternamente só por causa de alguns segundos.

Thiago André Monteiro

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Thiago André Monteiro,

É óbvio que uma pessoa verdadeiramente salva e convertida não pode perder a salvação por qualquer motivo e a qualquer momento, enquanto PERMANECER em Cristo (Jo 15.1-10; 10.26,27). Mas ela pode, sim, perdê-la se passar a ter uma vida relaxada e sem compromisso com a Palavra de Deus (1 Co 15.1,2; 2 Pe 2.20-22; 1 Tm 4.1).

Os predestinalistas, que defendem a eleição arbitrária e a graça irresistível (entre outros desvios do evangelho), têm levado esse assunto ao extremo. Pensam que os que prezam a verdade bíblica de que é possível perder a salvação (Ap 3.5) acreditam que uma pessoa é salva e perdida, salva e perdida, salva e perdida, salva e perdida... Num minuto é salva; no outro, perdida.

Não, prezado irmão, eu NÃO defendo essa argumentação simplista do salvo-perdido-salvo-perdido-salvo-perdido, pela qual se afirma que alguém pode perder a salvação por qualquer motivo banal, como ficar irritado no trânsito ou cometer um pecado qualquer.

Entretanto, não tenho dúvidas de que a permanência consciente no pecado implicará perda da vida eterna. Isso à luz da Palavra de Deus, é claro. Afinal, pensar que uma vez salvo, salvo para sempre é outro extremo.

A resposta dos predestinalistas a isso tem sido: quem perdeu a salvação é porque nunca foi salvo. Mas isso não é verdadeiro, principalmente à luz de textos claros como 2 Pedro 2.1. Nesta passagem emprega-se o verbo "resgatar", o qual só se aplica a quem um dia realmente foi salvo, resgatado da vida de pecado (vv.20-21).

Em Cristo,

CSZ

Felipe Huvos Ribas disse...

Pr. Ciro, o post está excelente e a resposta que o senhor deu à primeira pergunta foi igualmente excelente, de para aprender muito, pois era uma dúvida que eu tinha.
Pr. Ciro, como conciliar a possibilidade de perder a salvação e não acabar caindo no erro de "tentar se salvar pelas obras"? Pois a nossa salvação é graças a Jesus Cristo e à obra dEle somente, né? Não sei se o senhor vai entender a minha pergunta.
Obrigado desde já e fica na paz do Senhor Jesus Cristo.

baudecronicas disse...

Acho muito bom e produtivo esse tipo de discussão.

Primeiramente obrigado pela resposta e, apenas tentando entender quem pensa diferente de mim e que se defende com argumentos bíblicos e sólidos (o senhor sabe que a maioria apela mesmo sem qualquer critério), gostaria de saber como o senhor entende o texto de 1 Coríntios 5.1-5 frente a este assunto.

"[...] entreguem esse homem a Satanás, para que o corpo seja destruído, e seu espírito seja salvo no dia do Senhor." (v. 5)

Dentro do contexto geral do texto, devo entender que este homem foi ou não salvo?

Ele, no meu entendimento, cometia o pecado sistematicamente, sem se preocupar com as conseqüências; no entanto, o texto dá a entender que, mesmo excluído da comunhão dos irmãos e entregue para ser morto fisicamente ("para que o corpo seja destruído"), ele será salvo no dia do Senhor.

Novamente insisto que não quero apenas discordar, mas crescer ao ouvir aqueles que se dedicam na Palavra de Deus (mesmo que suas conclusões sejam contrárias às minhas, mesmo porque eu não sou infalível).

Em Cristo,

Thiago André Monteiro
http://baudecronicas.wordpress.com

claudio pimenta disse...

Otima postagem!

Pastor sei que nao esta dentro do tema da postagem mas tenho recebido muitos questionamentos sobre o nome de JESUS que segundo alguns e: Yeshua Hammaschiach? porem estive vendo o site da sociedade biblica do Brasil e fiquei esclarecido sobre o assunto , quero apenas dar uma sugestao para o Senhor abordar esse assunto se possivel , estou enviando o texto da sbb para seu email.
Obrigado!

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro irmão Thiago André Monteiro,

Fico feliz com o seu interesse. E agradeço-lhe pelas palavras de gratidão e incentivo quanto ao meu trabalho.

O texto de 1 Coríntios 5.1-5 não é de fácil interpretação, haja vista a contundente declaração do apóstolo Paulo contida no versículo 5. Mas o irmão, em sua pergunta, dá uma pista de como chegar à resposta, ao mencionar a necessidade de conferir o contexto geral da passagem. De fato, o versículo 5, em específico, só pode ser compreendido levando-se em consideração os seus contextos imediato e remoto.

Observe que a expressão “seja entregue a Satanás” também aparece em 1 Timóteo 1.19,20: “Alguns fizeram naufrágio na fé. Entre esses foram Himeneu e Alexandre, os quais entreguei a Satanás, para que aprendam a não blasfemar”. Veja: eles não foram entregues a Satanás para serem condenados, mas para APRENDEREM a não blasfemar.

Em outras palavras, “ser entregue a Satanás” significa deixar alguém novamente aos cuidados do Diabo, como estava antes (Cl 1.13), para que aprenda a ser obediente a Deus. É claro que alguns nem sofrendo aprendem (Pv 29.1). E, nesse caso, só lhes restará a perdição, a qual trazem sobre si mesmos, ao permanecerem na iniquidade (2 Pe 2.1).

O que Paulo quis dizer, então? Que a igreja de Corinto não deveria ser conivente com o erro do irmão (irmão?) iníquo, mas excluí-lo da comunhão, a fim de que houvesse POSSIBILIDADE de ele vir a ser salvo, caso se arrependesse.

Deus permite, em alguns casos, que o Diabo seja um instrumento no castigo físico de um crente desviado, que peca de maneira continuada, rejeitando todas as oportunidades que o Senhor lhe dá. Veja o caso da falsa profetisa Jezabel. Jesus disse que lhe dera tempo para se arrepender, e ela não havia se arrependido. Por essa razão, Ele asseverou: “Eis que a porei numa cama...” (Ap 2.20-22). Depreende-se que essa mulher, no leito de dor (enferma), pudesse, enfim, se arrepender. E, caso ela viesse a morrer em decorrência da enfermidade, seria salva. Ou seja, o seu corpo seria destruído, mas o seu espírito, salvo.

Por outro lado, o caso mencionado em 1 Coríntios 5.5 não se refere especificamente a enfermidades, e sim a sofrer nas mãos de Satanás. Não é seguro afirmar (pois o texto bíblico não é suficientemente claro quanto a isso), porém tudo indica que esse mesmo iníquo, antes impenitente, é mencionado em 2 Coríntios 2.5-9, já reintegrado à comunhão, depois de ter passado pelo período “entregue a Satanás”, isto é, afastado da comunhão.

Em resumo, o propósito da ação drástica recomendada pelo apóstolo Paulo é a salvação final do irmão que estava insistindo em permanecer na vida de pecado, e não a sua destruição eterna por ocasião do julgamento final.

Em Cristo,

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Filipe Huvos Ribas,

Agradeço-lhe pelas palavras de incentivo.

A salvação ocorre pela graça de Deus. Mas fomos chamados pela graça PARA AS BOAS OBRAS (Ef 2.8-10). Tiago, ao contrário do que muitos pensam, estava de acordo com Paulo quanto à necessidade de o cristão verdadeiramente salvo demonstrar que é salvo pelas suas boas obras.

É preciso observar que a nossa salvação envolve três tempos e três aspectos. No passado, fomos justificados, santificados e regenerados (aspecto posicional). No presente, devemos operar a nossa salvação com temor e tremor (Fp 2.12), seguindo a paz com todos e a santificação (aspecto progressivo), SEM A QUAL NINGUÉM VERÁ O SENHOR (Hb 12.14). No futuro, nossa salvação será a glorificação (aspecto perfectivo); seremos libertos da presença do pecado, e não apenas de seu domínio.

Portanto, quem é salvo, hoje, deve continuar, permanecer salvo, em Cristo (1 Co 15.1,2; Ap 3.11). É um erro pensar que não é preciso fazer mais nada, depois de salvo. O salvo que se preza é mais salvo, a cada dia, posto que está mais próximo de sua glorificação (Rm 13.11).

Em Cristo,

CSZ

Ranieri disse...

A paz do Senhor varão.

...Deve-se, pois, ter em mente a reação dos mais diversos tipos de público-alvo e prever os seus questionamentos e reações, ao expor uma verdade. No caso da exposição da Palavra de Deus, é preciso, sobretudo, agradar a Deus. E, para que isso aconteça, a aceitação ou rejeição por parte dos ouvintes tornam-se secundários (Tt 2.1; Ez cap.2)...

Sempre que cairmos no equivoco de achar que o povo precisa gostar de nos ouvir [o que não acontecerá sempre] para nos sentirmos usados por Deus estaremos agradando ao povo e a nós mesmos e não ao Senhor que nos chamou.

Muito grato,amado.Sempre nos exortando a levar mais a sério o compromisso com exposição da Palavra de Deus.Minha maior satisfação é ter convicção da verdade e não em fazer lacrimejar os olhos dos outros.

Deus te abençoe.

Ranieri.

a verdade do evangelho disse...

Pr. Ciro creio que a confusão a respeito da doutrina da salvação é resultado da falta de ensino sobre este assunto nas igrejas.
Tenho notado que em nosso meio (Assembleiano)quando alguém aceita (recebe - João 1:12) a Jesus, nos primeiros dias, meses, e anos, tal pessoa (o novo convertido)reconhece que não contribuiu com nada para a sua salvação (William Temple disse: "a única coisa com que contribuí para a minha salvação foram os meus pecados), mas vai-se passando os anos e devido a falta de pregações e ensinos abordando a doutrina da graça (não a graça calvinista)muitos passam a crer que são (ou serão) salvos se forem dizimistas fiéis, seguirem uma série de regras e normas, usos e costumes, etc...
Um dia desses um Superintendente de EBD me disse que não tinha certeza da sua salvação. Confesso que fiquei indignado por tal pessoa ocupar a posição de lider na área de ensino.
Eu me virei pra ele e disse: Eu tenho certeza da minha salvação, não pelas obras, mas pela graça. E ele me disse: "Se for pela graça eu também creio".
Creio que isto é fruto dos pregadores legalistas que ainda não conhecem a mensagem da Epístola de Paulo aos Gálatas e daqueles que usam a parábola das dez virgens (Mt.25:1 a 13) para dizer que só 50% irão morar no porvir (hino cantado por Ninfa e Kálita).

Pastores preguem o Evangelho da graça.

Pb. Edinei Siqueira, Th.B

Pastor Mozart Paulino disse...

Como o mundo de blogueiro é pequeno rsrsrs.

O Thiago André Monteiro é seminarista no SEBARSP (Seminário Batista Regular de São Paulo, de confissão cessacionista e calvinista), onde faz algumas matérias por semana.

Grande jovem, esforçado em aprender sobre as coisas de Deus.

Saudades quando eu estudava nessa instituição, e tive o prazer de ter feito algumas matérias com o Thiago.

Entendo a situação dele, pois é normal "comprar" a confissão teológica da instituição na qual estuda.

O conselho que eu dou é que estude esse assunto sem preconceito (entenda-se conceito pré-concebido).

Aproveite as ferramentas fornecidas pelo SEBARSP, como as apostilas de teologia sistemática (dos pastores e amigos Wagner Amaral e Joseph Arthur), hermenêutica (pastor Joseph Arthur), Grego I/II (Gramática e Sintaxe) e Grego III/IV (Exegese), além dos livros:
a) Léxico do NT Grego/Português) - Edições Vida Nova
b) O Novo Testamento Grego Analítico - Edições Vida Nova
c) Novo Testamento Interlinear - Grego Português - SBB
d) The Analytical Greek Lexicon Revised - Moulton
e) Dicionário do Grego do Novo Testamento - Paulus
f) Gramática Sintática do Grego do NT - Edições Vida Nova
g) Chave Lingüística do NT Grego - Edições Vida Nova
h) Pequeno Dicionário de Línguas Bíblicas - Edições Vida Nova
i) Concordância Fiel do NT - Editora Fiel
j) Fundamentos para Exegese do NT - Edições Vida Nova
k) Manual de Exegese Bíblica - Edições Vida Nova

Até pouco tempo atrás eu defendia tal posição.

Enfim, optei em fazer exatamente o que estou aconselhando.

É evidente que existem nas Escrituras passagens de difícil interpretação.

Por exemplo: Como fica a doutrina da predestinação para a salvação no seguinte texto de Apocalipse capítulo 2?

18 “Ao anjo da igreja em Tiatira escreva:
“Estas são as palavras do Filho de Deus, cujos olhos são como chama de fogo e os pés como bronze reluzente. 19 Conheço as suas obras, o seu amor, a sua fé, o seu serviço e a sua perseverança, e sei que você está fazendo mais agora do que no princípio.
20 “No entanto, contra você tenho isto: você tolera Jezabel, aquela mulher que se diz profetisa. Com os seus ensinos, ela induz os meus servos à imoralidade sexual e a comerem alimentos sacrificados aos ídolos. 21 Dei-lhe tempo para que se arrependesse da sua imoralidade sexual, mas ela não quer se arrepender."

Para que foi dado tempo para que a "profetiza" Jezabel se arrependesse se, talvez, ela estivesse predestinada à salvação?
Aliás, como o próprio texto afirma, ela não se arrependeu.
Afinal de contas, a Jezabel era ou não predestinada?

Os seminários teológicos, independente de sua declaração doutrinária:

1) Não possuem a palavra final. Somente a Escritura Sagrada é a Palavra de Deus.

2) Não possuem uniformidade em relação ao corpo docente. Thiago e eu presenciamos certas posições que um professor pensa de uma forma enquanto outro pensa de maneira diferente. Por exemplo, quando o assunto é casamento, divórcio e recasamento. E outros tantos.

Uma das razões que não perco mais tempo defendendo certas coisas, e que também retirei alguns posts do meu blog antes defendendo-as.

Confesso que até pouco tempo atrás eu estava em crise.

Foi aí que tomei uma atitude que é exatamente o que aconselhei agora pouco nesse comentário.

Não é fácil, pois demanda tempo e humildade, independente das conseqüências que possam vir.

Têm blogueiros que deixaram de acompanhar meu blog por verem que eu deixei de ser cessacionista (pela misericórdia do Senhor sou pentecostal) e calvinista (não sou arminiano).

Não estou nem um pouco preocupado com o pensam a meu respeito. Meu compromisso é com o Senhor e Sua Palavra.

Agradeço as palavras do pastor Ciro Sanches Zibordi e seus livros, como também outros irmãos companheiros.

Isso que não concordo com todas as posições do pastor Ciro, e ele também discorda de mim em outras.

Louvado seja Deus e a Ele toda honra e glória, Amém.

MSP

Anderson Gonçalves disse...

Concordo plenamente. Hoje em dia esses bordões pregados pela sociedade são muito corriqueiros, ditos meramente como "frases bonitas", e difícilmente são levados á prática, ao dia-a-dia de quem os menciona. É realmente difícil vivê-los em verdade, porém não impossível. Por isso é preciso experimentar a verdade contida neles, como dito no texto, para que não fique só da boca pra fora, não é mesmo?

Grande abraço!

Rinaldo Santana disse...

Caro Pastor Ciro,Graça e paz, Um determinado pregador na igreja em que congrego, aproveitou o momento que uma irma olhava para ele, então apontou o dedo para irma e disse: Vejo um anjo com uma bandeija,para te entregar!! Recebaaaa!!!! a irmã coitada! se levantou, pulou, gritou,rodopiou,mas depois nem ela mesmo não soube o que recebeu.

a verdade do evangelho disse...

Rinaldo Santana, o triete é que este tipo de pregadores são os mais requisitados para pregar em grandes eventos.

Pb. edinei Siqueira, Th.B

Márcio Cruz disse...

A Paz do Senhor, meu querido e amado amigo virtual Pastor Ciro.

Pastor, seria ótimo se todas as igrejas sérias realizassem no mínimo duas vez por ano uma reciclagem com seus obreiros. Principalmente aqueles que gostam de pregar dentro e principalmente fora de suas congregações. Os chamados “evangelistas”. Por que coloco o termo entre parênteses? Por que nunca vi evangelista que só prega para crente. Evangelista vai atrás de almas, dos perdidos, buscando levá-los ao Mestre e Bom Pastor.

Comprei uma pasta já faz um tempinho e dentro dela veio um brinde. A apostila da Escola Nacional de Obreiros realizada pela CGADB. Puxa! Fiquei tão feliz pelo presente. Estar distante dos grandes centros (moro no Amazonas), nos limita em aproveitar oportunidades para o crescimento espiritual.

Aproveito a oportunidade para lhe incentivar a continuar sua jornada na defesa pelo genuíno evangelho. Evangelho este que faz com que muitas almas se rendam aos pés do Amado Senhor Jesus Cristo, apenas por ouvir que Jesus morreu para perdoar nossos pecados e reconciliar o homem com Deus.

Que a Graça e a Paz do Senhor Jesus Cristo sejam abundantes em sua vida, família e ministério, irmão.
Márcio Cruz