terça-feira, 6 de janeiro de 2009

O que será tratado na Assembleia Geral da CGADB, em Vitória, Espírito Santo?


A revista Manual do Obreiro número 44, editada pela CPAD, entrevistou o pastor José Wellington Bezerra da Costa, atual presidente da CGADB (Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil) e que presidirá, em abril, a próxima Assembleia Geral, em Vitória, Espírito Santo. Ele falou sobre os assuntos que deverão ser discutidos nesse tão esperado conclave. Ao ser perguntado sobre o tema principal a ser discutido no megaevento, respondeu:
“Todos os assuntos do temário são importantes, mas, dentro do contexto da nossa agenda, destaco uma proposta: a discussão sobre a liturgia da Assembleia de Deus no Brasil. Acho este um tema que deve ser bastante frisado, repisado, porque nós não podemos perder, de maneira nenhuma, a nossa origem, não podemos deixar que alguém venha mutilar a nossa identidade”.
De fato, é importante e oportuna essa preocupação com a liturgia, pois, em muitos lugares, realmente, os cultos têm se transformado em shows. Para se ter uma ideia, recebi há poucos minutos um comentário de um jovem assembleiano, nortista (e não nordestino), de 25 anos, que muito me entristeceu. Ao discorrer sobre sua igreja e seu pastor, ele revelou:
“... a igreja... perdeu a sua identidade, em pouco ou nada faz lembrar a igreja criada por Daniel Berg e Gunnar Vingren. Não sei o que diriam esses apóstolos ao verem os shows que acontecem (...), como muita coreografia estranha, dança de rua, capoeira, louvores a perder vista e pouco espaço para a Palavra, irmãs que se pintam e se trajam igualmente às mulheres do mundo, templos cheios de pessoas, mas vazias do Espírito Santo, isso sem falar da relação do pastor com a Convenção Estadual, um ‘exemplo’ de união”.
Voltando à entrevista, o pastor José Wellington também afirmou:
“Tivemos dos nossos pais uma fôrma dada por Deus e não podemos, de maneira nenhuma, deixar que alguns venham mutilar essa identidade, porque aceitar as inovações que estão querendo trazer para a Assembleia de Deus vai resultar em, dentro de cinco ou dez anos, nos tornarmos um grupo evangélico igual aos demais no Brasil, sem qualquer diferença em relação aos que já existem”.
Ao final, depois de afirmar que a igreja não deve se descuidar da evangelização, o presidente da CGADB falou sobre a importância da obra Teologia Sistemática Pentecostal (lançada recentemente pela CPAD), discorreu sobre o perigo da comercialização do evangelho e verberou:
“Não só como pastor em São Paulo, mas como presidente da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil, tenho procurado preservar a nossa denominação distante desses grupos heréticos, não se misturando com determinados ‘grupos evangélicos’ que não têm a mesma formação doutrinária, espiritual e o mesmo comportamento social”.
Que Deus abençoe a próxima Assembleia Geral Ordinária (AGO) da CGADB. E que, por meio dela, obreiros assembleianos de todo o Brasil se conscientizem de que:
1) Culto não show.
2) A evangelização é a tarefa precípua da igreja.
3) O evangelho não deve ser comercializado.
4) As heresias e os modismos devem ser combatidos pelas igrejas que andam segundo a Palavra de Deus.

Em Cristo,

Ciro Sanches Zibordi

12 comentários:

Pr. Newton disse...

Prezamado pr. Ciro,

O mais importante no próximo encontro da CGADB, com certeza, será humilhar ao máximo, os interesses pessoais, que destroem, a Assembléia de Deus no Brasil.

Vários líderes, tentam se destacar em suas apresentações pitorescas, como animadores de auditório. Sinto vergonha destes!

É dever da liderança, encontrar a necessidade real de acordo com a plena vontade de Deus, não para a a Assembléia de Deus, e sim, para a Igreja de Jesus Cristo.

Não adianta, querer criar um uniforme de bom crente, se as notas de santidade, são sempre ZERO, seja no louvor que em algumas igrejas, já sentem, total vergonha dos hinos da Harpa Cristã, e promovem o "ballet profético"(?), ou entram em exageros que desregulam o espiritual, e desabrocham em pura carnalidade.

Uma sugestão, que vai incomodar a muitos, destes falsos pregadores cheios de estardalhaços, em suas apresentações:

A CGADB, deve exigir, que os líderes, recebam, e leiam os livros de sua autoria:

Erros que os pregadores devem evitar e Mais Erros que os Pregadores devem evitar. Sem falar no Evangelhos que Paulo Jamais Pregaria.

Creio, que somente a leitura destes, promoveria um grande avivamento na liderança.

Por falar em liderança, sinto muita vergonha do encontro dos GIDEÕES. Muita vergonha, mesmo! O que assisti no youtube.com. Foram vídeos horripilantes de falso poder.

Deus seja contigo. Sempre!

pr. Newton Carpintero
www.pastornewton.com

a verdade do evangelho disse...

Compartilho da preocupação do Pr. José Welington e demais Pastores compromissados com as Sagradas Escrituras. E gostaria de dizer que enquanto a convenção não estabelecer um critério para os pregadore$ e cantore$ que invadem nossas igrejas com inovações e heresias não adiantará só falar. É preciso agir, ou estes lobos se enquadram no padrão estabelecido pela Palavra de Deus ou não serão convidados (para abrilhantar as festividadese levar o dinheiro dos crentes incautos que vivem de festa em festa)para apresentar seus shows.
Pastores é hora de agir, onde estão os Profetas?

Wanderson Costa disse...

Vamos orar em prol da AGO em Vitória no ES.

Marcelo Oliveira disse...

Paz do Senhor! Pr. Ciro!

Já tive a oportunidade de ver o pr. José Welligton na reunião de obreiros no Belenzinho em São Paulo (Capital). Gostaria que o tipo reunião que participei naquela oportunidade fosse o mesmo tipo em todas as AD's no Brasil. Vi homens de Deus pregando a palavra como ela é. Mensagens inspirativas ministradas por pastores com compromisso com a palavra de Deus.

Infelizmente, porém sabemos que este privilégio esta restrito em poucos locais. A ortodoxia com relação a palavra em muitas AD's tem sido deixada de lado. E o que dizer da ortopraxia?

Seria importante verificar que todos que estão pleiteando participar da direção geral da AD tenha um real compromisso em preservar a identidade de nossa igreja e, sobretudo, com a palavra de Deus.

Contudo, vamos orar para que o Senhor tome a direção deste evento e o Espírito Santo direcione os irmãos presentes para decidirem o melhor para nossa amada igreja.

Marcelo Oliveira
http://blogdomarcelooliveira.blogspot.com

ADP1 disse...

A Paz do Senhor Jesus Cristo, meu caro Pr.Ciro Zibordi Muito, boa sua matéria com o Mestre.Pr. José Wellington Bezerra da Costa.
Que Deus abençoe que cada um dos pastores que ira, participar da AGO, possa votar a favor da nossa, liturgia tradicional.
Infelizmente como disse o meu Pastor presidente do campo, Pr. Edvaldo Florêncio, tem algumas denominações que levam o nome da Assembléia de Deus, que da até vergonha, da forma como levam a liturgia dos seus cultos.
Tem muitas que se dizem " Ass. de Deus. que estão casando casais não evangélicos.
E chegado a hora de despertarmos do sono que caímos, pois como disse o Presidente Da CGADB Pr. José Wellington, infelizmente muitas de nossas igrejas estão, semelhantes a igrejas Neo- Pentecostais, chegando ao ponto de muitas delas terem abandonado a Escola Dominical,os verdadeiros cultos de doutrina que muitas já abandonam, substituindo pelas doutrina de prosperidade, e tirando os Show Men que temos tido em cima dos púlpitos , só Deus quem pode ter misericórdia de nos, que mais uma vez possamos temer e tremer perante o nosso Deus.
Eu acho que e isso que tem faltado, o Temor a Deus.

Fico por aqui fica na santa e Gloriosa Paz do Senhor Jesus meu caro Pr. Ciro.

Obs. o irmão só me perdoe pelos meus erros ortográficos por que, eu não tenho tanta pratica de escrever tão bem quanto ao irmão.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Prezado irmão Asnan Oliveira,

Antes de tudo, agradeço-lhe pelas palavras de incentivo que me enviou mediante um comentário não publicado. As suas palavras foram bem recebidas por mim.

Mas, meu amado, eu realmente não tenho vocação política nem almejo ter cargos convencionais, a menos que eu venha a desempenhar uma função ligada ao ensino da Palavra de Deus ou a questões doutrinárias.

Quanto à declaração do pastor José Wellington: "não podemos deixar que alguém venha mutilar a nossa identidade", considero-a bastante oportuna. Por quê? Porque nos desperta para uma realidade: temos de discernir tudo, como espirituais que somos (1 Co 2.15). E o fato de ele não mencionar nomes não denota generalização; antes, exprime o cuidado de não atacar pessoas, diretamente (como muitos fazem, erroneamente), e sim as atitudes delas. O Senhor Jesus, Paulo, Pedro e outros agiram assim (Mt 7.21-23; 2 Co 11; 2 Pe 3). Só citaram nomes negativamente em casos excepcionais (Ap 2.20-22; 2 Tm 4, etc.).

O que o pastor José Wellington disse é uma grande verdade. Há, de fato, muitos enganadores, falsificadores da Palavra de Deus (2 Co 2.17), tentando torcer o que está escrito na Palavra de Deus e desviar a Assembleia de Deus de seu perfil original (2 Tm 4.1-5). Afinal, shows, dança de rua, manifestações estranhas, pregações antropocêntricas, pouco tempo para a Palavra, que tem sido substituída por peças teatrais, etc., nada têm que ver com a Assembleia de Deus.

Quanto às outras críticas e considerações do irmão, além de não as publicar, também evitarei fazer comentários acerca delas. Por quê? Porque são de ordem pessoal, fugindo muito do escopo deste artigo. Espero que o irmão compreenda essa minha decisão. Mas não quero transformar este espaço em um campo de batalhas. Caso contrário, sequer haveria necessidade de controle, isto é, "moderação".

Oremos pela nossa igreja e pela realização da AGO em Vitória, Espírito Santo.

Em Cristo,

CSZ

Daniel Grubba disse...

Olá Pr. Ciro,

Não sou da Assembléia, mas tenho um carinho especial por este movimento. Todavia, fico triste com a invasão neo-pentecostal no seio desta denominação. Espero que este tema seja colocado em pauta e mais, manifestem repúdio a Teologia da Prosperidade.

a verdade do evangelho disse...

Confesso que estou percebendo algo diferente em torno desta eleição para Presidente da CGADB, sinto que o Espírito de Deus está conscientizando nossos amados irmãos para prestarem atenção ao estado calamitoso em que chegou as Assembléias no Brasil. Em cada comentário postado neste blog vejo a preocupação dos irmãos com o futuro da AD. Será o Senhor movendo os corações para um grande avivamento nas ADs?
O tempo nos dirá isso. Obs. não estou profetizando, só estou pensando com meus botões.

edineiverdade.blogspot.com

ICHTUS disse...

A Paz do Senhor!

Espero que nesta convenção sejam tratado os casos de pastores que estão disseminando heresias, invencionices, bizarrices e tantos outros desvios doutrinários pelas AD´s do Brasil.

Não é possível que a CGADB fique impassível diante de ameaças de pastores (tipo aquele envolvido com uma granja, se é que me entedem) que fazem e acontecem, como se fossem os donos da Igreja.

É o parecer.

Schneider - AD Curitiba.

Cristo a única Esperança disse...

A Paz do Senhro!

Vejo que toda esta espectativa em torno das eleições em 2009, e também em torno dos assuntos que serão abordados (somente)não vai muito além disso; Eu tenho experiência e posso dizer que participei pela primeira e última vez de uma comissão para organizar um congresso de jovens no estado do Espírito Santo, estive representando a região norte, e fiquei frustrado na época, pois muito se conversou, nada foi feito do que foi tratado, e hoje 14 anos depois um desespero total quanto a liturgia dos cultos; Para se perder a identidade basta deixar cair, agora para achar ela... fica mais fácil tirar a segunda via.
Fica o conselho escrito por Paulo na carta aos romanos:
Rm.12:11- Não sejais vagarosos no cuidado; sede fervorosos no espírito, servindo ao Senhor;

Anônimo disse...

Sabe o que prefiro o cearense no poder na cgadb mas deixa a desejar condenando os modismos e aparecendo abraçado com o pregador das galinhas

O irmão Félix disse...

Caro pastor Ciro,

Penso que está na hora de a CGADB se preocupar em instruir melhor seus membros (pastores e evangelistas), visto que o grave problema que se vive hoje no seio da nossa denominação, se chama "crise de liderança". A questão envolvendo "cultos shows, "danças", "pulos", gritos incontidos,
etc., tem total respaldo de muitos ministros do evangelho pelo país a fora. Há até aqueles que tem seus prediletos dentro dos templos, de modo que ou dá oportunidade para que eles extravasem os limites ou nunca mais eles voltam a se congregar ali. Isso pode ser duro, mas é a mais cristalina das verdades. Lamentável!!