quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Por que Romanos 9 não avaliza a predestinação incondicional (1)


Pretendo, por meio desta série, demonstrar que Romanos 9 não abona a predestinação incondicional. Mas, antes, responderei a algumas perguntas intrigantes que os calvinistas costumam me fazer.

A primeira pergunta é: “Pastor Ciro, o senhor é arminiano?” E a minha resposta negativa sempre gera outra indagação: “Então, por que se preocupa tanto em refutar o calvinismo?” E emendam um terceiro questionamento: “Se o senhor não é arminiano, por que se vale dos frágeis argumentos arminianos?”


Em primeiro lugar, sempre deixei claro que não me apego a rótulos, ainda que eu não tenha nada contra eles. Eu os valorizo, mas não os priorizo. Por exemplo, nunca escondi de ninguém que sou pentecostal e pastor assembleiano. No entanto, as minhas fontes de autoridade não são a tradição das Assembléias de Deus, a qual eu respeito, e muito, tampouco a minha experiência como pentecostal. A minha fonte primacial de autoridade é a Bíblia. E aqui está um grande problema, posto que calvinistas e arminianos dizem ter o abono das Escrituras para tudo o que afirmam!


A despeito de os ultra-calvinistas continuarem não acreditando em mim, reitero que não sou arminiano nem calvinista. Por quê? Porque não encontro apoio na Bíblia para nenhuma das duas correntes, principalmente para o calvinismo. É claro que o arminianismo — o extremado, é óbvio — supervaloriza a ação humana, em detrimento da graça de Deus. Mas, e o calvinismo? Quer dizer que as suas abordagens exageradas de algumas doutrinas da salvação, como a eleição, a predestinação, a segurança da salvação, etc., não depõem contra a Bíblia?

Por que não sou arminiano? Porque concordo que a salvação se dá exclusivamente pela graça salvadora, e não pelo esforço humano; se bem que isso deve ser entendido à luz das Escrituras, e não mediante teologias “enlatadas”. Não sou arminiano, ainda, porque creio na plena segurança da salvação, em Cristo. Eu disse: “em Cristo”, pois fora de Cristo não há segurança alguma!

Mas, qual é o problema do predestinalismo ou calvinismo extremado? É o determinismo, expresso pela máxima “Uma vez salvo, salvo para sempre”.
Nenhum calvinista fanático aceita que o Senhor Jesus tenha morrido por toda a humanidade, tampouco admite que a aceitação da graça se dá mediante o livre-arbítrio. Para um predestinalista, somente os eleitos antes da fundação do mundo estão, por decreto, definitivamente salvos, haja o que houver. E eles pensam ter toda a Bíblia a seu favor. É como se Deus fosse calvinista!

Preocupo-me com o apego dos predestinalistas a passagens isoladas, as quais, fora do contexto, de fato sugerem que Deus tenha eleito uns para a perdição e outros para a salvação. Um desses textos é Romanos 9. Confesso que, se este capítulo pudesse ser extraído de seu contexto, ignorando-se todas as outras verdades das Escrituras, eu já teria me tornado um predestinalista, sem nenhuma dúvida. E poderia dizer como certos internautas: “Eu sou um assembleiano calvinista”...

O problema é que o texto de Romanos 9 — como outras passagens usadas em prol do predestinalismo — está inserido em um contexto imediato (a Epístola de Romanos) e em um contexto geral ou remoto (toda a Bíblia). E certos irmãos em Cristo, desconhecedores de algumas doutrinas da salvação, depois de convencidos de que o calvinismo é verdadeiro, passam a ver todos os outros textos bíblicos sob a ótica predestinalista, o que lhes impede de conhecer a pura verdade do evangelho acerca da salvação em Cristo Jesus. O meu objetivo, portanto, é mostrar que a Bíblia, e somente ela, tem as respostas quanto às doutrinas da salvação.

(continua...)

Ciro Sanches Zibordi

20 comentários:

Leandro dos Santos Ribeiro disse...

Pr. Ciro,

A priori, friso a minha sincera admiração pelo caráter apologético de seus escritos e pregações, vez que o Pentecostalismo prescinde de pregadores mais "lúcidos", como você.

Mas, quanto ao assunto do post em apreço, seria possível construir um sistema teológico que não seja nem calvinista e nem arminiano, uma espécie de "via media"? Não seria uma posição híbrida?

E, ainda, você não considera que as suas argumentações são arminianas em essência, embora você descarte esse (sic) rótulo?

Desde já, obrigado.

Na paz de Cristo,

Leandro Ribeiro.

PS: Por favor, não se esqueça da exegese de Romanos 9.11,12: "... a fim de que o propósito de Deus conforme a eleição permanecesse, não por obras, mas por aquele que chama..."

Pr. Carlos Roberto disse...

Caro Pr. Ciro Zibordi,
A Paz do Senhor!
Assim como em outras situações, fica claro e evidente que a interpretração da Bíblia Sagrada sem paixões dogmáticas ou tendenciosas, é o ponto de equilíbio de qualquer assunto.
Um abraço!
Pr. Carlos Roberto

Clébio Lima de Freitas disse...

Pr ciro, A Paz do Senhor Jesus!

Com certeza aprenderei bastante sobre estre assunto que gerou muita discussão na última aula de escola bíblica dominical ao ler seus comentários. Aguardarei ansioso pela continuação!

Obs: Quando é que vamos ter um trimestre comentado pelo senhor na revista de jovens e adultos da EBD?

Att,

Clébio Lima de Freitas
clebiolima.blogspot.com

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Clébio,

A paz do Senhor!

Reconheço que o assunto em apreço é difícil, mas precisamos ter cuidado para não nos apegarmos a argumentações baseadas na lógica humana. E todas as doutrinas da salvação, que são pelo menos 20, devem ser consideradas, a fim de que tenhamos um entendimento claro do assunto.

Quanto à sua pergunta, já sou, por graça de Deus, comentador das Lições Bíblicas da CPAD para as faixas etárias de 12 e 13 e 15 a 17 anos (adolescentes e juvenis). Os escritores para Jovens e Adultos são escolhidos a dedo. São homens de Deus, refereciais da Assembléia de Deus, mestres, etc. Seria muita honra para mim estar entre eles, mas já tenho recebido muito do Senhor Jesus. Se Ele, um dia, me dar mais essa bênção, glorificarei o seu nome e farei o trabalho da melhor maneira possível.

Agradeço-lhe pelas palavrfas de incentivo.

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Pastor e amigo Carlos Roberto,

A paz do Senhor!

Realmente, precisamos ter equilíbrio ao abordar as doutrinas da salvação. Num primeiro momento, elas parecem simples, mas envolvem diversos aspectos, tempos, etc. Como eu já disse, no comentário acima, são pelo menos 20 doutrinas, as quais precisam ser entendidas, uma a uma. Só depois disso, teremos um posicionamento equilibrado sobre o assunto.

Na obra Teologia Sistemática Pentecostal, a unidade Soteriologia foi escrita pelo mestre Antonio Gilberto. Para mim, é o melhor tratado sobre as doutrinas da salvação escrito por um brasileiro. Vale a pena ler.

Um abraço, meu amigo!

CSZ

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro irmão Leandro,

Agradeço-lhe pela admiração à minha modesta pessoa.

É possível permitir que a Bíblia, a Palavra de Deus, esteja acima de qualquer sistema de interpretação. O calvinismo e o arminianismo deveriam, até certo ponto, nos ajudar a entender a Bíblia, não sendo preponderantes para o nosso entendimento das doutrinas da salvação.

Infelizmente, o que eu vejo hoje é que irmãos têm o calvinismo e o arminianismo como um outro nome do evangelho!

Eu não considero o meu posicionamento arminiano; até porque o arminianismo também é tendencioso, assim como o calvinismo. Somente a Bíblia tem uma resposta equilibrada quanto às doutrinas da salvação.

Em Cristo,

CSZ

P.S. Se o irmão for um "expert" em exegese de Romanos, talvez esta série não lhe seja tão proveitosa, haja vista o meu objetivo ser, primacialmente, orientar os irmãos que possam ter dúvidas sobre o assunto, principalmente ante o comentário da EBD (CPAD) de domingo passado. Mesmo assim, agradeço-lhe pelas perguntas e observações.

Joabe disse...

Pastor Ciro,

A paz do SENHOR!

Eu acho sua posição bem equilibrada e Bíblica. Entretanto, não vejo diferença entre seu posicionamento como o Arminianismo- Wesleiano. Tudo o que senhor falou , os arminianos crêem. Eu sou arminiano, assim como o Pr Silas Daniel e tantos outros da Assembléia de Deus são, e vejo tudo o que o senhor falou como arminianismo. Concordo que não devemos nos preocupar com títulos e sim com o que a Palavra de Deus fala. Porem , o senhor que o seu método de interpretar as Escrituras é inerrante ? Qual a diferença do que o senhor crê com o que os arminianos crêem ? Não me leve a mal, mas as vezes da impressão,pelo que o senhor fala, que basta abrir a Bíblia e pronto. É só deixar que ele fala por si. Espero que não fique chateado com o que eu disse, pois ainda continuo sendo um admirador seu.

Em Cristo,

Joabe.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro irmão Joabe,

A paz do Senhor.

Não sou arminiano, pois o arminianismo possui desvios em relação à Palavra de Deus, como eu já asseverei. Pretendo, em breve, escrever um pouco sobre os tais desvios. Não existe sistema de interpretação perfeito. Somente a Palavra de Deus é perfeita, pura, inerrante e infalível.

O método que utilizo para interpretar as Escrituras não é inerrante. Porém, a Palavra de Deus é infalível e inerrante! E, se eu sigo a Palavra de Deus, não tenho como errar. Ou tenho? Agora, se você acha interessante abraçar um "rótulo", siga em frente, meu jovem. Seja arminiano, assim como muitos têm prazer em dizer: "Eu sou calvinista".

O meu prazer é dizer: A Palavra de Deus é verdadeira e somente ela tem a Palavra final sobre as doutrinas da salvação. Mas outros preferem defender uma escola de interpretação... Prefiro, sem nenhuma presunção, seguir a Palavra de Deus, pois ela é a Palavra de Deus.

O arminianismo e o calvinismo são teorias baseadas em parte na Bíblia. Lembre-se de que a teologia é o que os teólogos dizem da Bíblia, e a Bíblia é a Palavra de Deus. Por isso, não me considero arminiano quanto à interpretação das doutrinas da salvação. Não priorizo as tendências, embora eu as valorize.

As duas correntes, repito, podem me ajudar a entender as doutrinas da salvação. Mas também podem me atrapalhar. Uma mente calvinista terá dificuldade de aceitar o livre-arbítrio, que é bíblico. E uma mente arminiana terá dificuldade de entender a soberania de Deus, que também é bíblica.

Você insiste na pergunta: "Qual a diferença do que o senhor crê com o que os arminianos crêem?" Ora, meu jovem, a diferença é que o arminianismo é baseado na lógica humana e principalmente na contestação ao calvinismo. E o meu objetivo primacial não é contestar o calvinismo, e sim expor o que realmente está escrito. Agora, você não é obrigado a aceitar o que eu exponho como verdade.

É uma pena que você, que é um jovem tão esclarecido, não tenha percebido que eu estimulo os meus leitores a buscarem uma interpretação livre de tendências. Aliás, este é o objetivo da exegese: extrair do texto sagrado o seu real significado.

Pela sua dedução simplista: "... às vezes dá a impressão, pelo que o senhor fala, que basta abrir a Bíblia e pronto", percebo que você não observou que o texto contido nesta série é produto de exegese, isto é, de interpretação acurada, detida, pormenorizada. Isso em si já bastaria para convencê-lo de que não basta apenas abrir a Bíblia. Este livro deve ser estudado, com oração, meditação, temor, etc.

Não pense que fiquei irritado com o que você disse, mas tenho um defeito: sou franco. E espero que você não me tenha mal por causa desta resposta. Afinal, não é de hoje que o irmão freqüenta este blog, não é mesmo?

Um grande abraço!

CSZ

claudio pimenta disse...

otimo texto sobre a tao delicada questao dos arminianos e calvinistas

PASTOR ciro nao para debates interminaveis mas para almentar o nosso conhecimento gostaria muito de ver o seu texto que esta preparando sobre sua posiçao entre o tema e em que discorda do arminiano

dentro da teologia sua posiçao alem de biblica tem mais proximidade com que ?

vejo que e mais perto do arminio do que do calvino

de qualquer forma quero deixar essa breve relexao que vi num blog


Ilustração teológica*
Comprovadamente mortos, chegaram ao inferno, na mesma ocasião, um calvinista e um arminiano.
O calvinista, cônscio de sua predestinação, da graça irresistível e da soberania de Deus, não se conformou com o fato de estar no inferno, e exclamou em voz audível: - Não posso estar aqui. Sou um predestinado. Deve ter alguma coisa errada.
Por sua vez, o arminiano não se fez de rogado: - Como sei que sou salvo e que não apostatei da fé, isso só pode ser uma provação daquelas.
Feito um breve silêncio, o calvinista e o arminiano perceberam que não estavam sós, mas que jazia ali perto um adepto da Teologia Relacional, também conhecida como Teísmo Aberto. Tristonho e cabisbaixo, o pobre homem dizia para si mesmo: - Agora estou num dilema: Deus é tão passional que deve estar tão triste quanto eu. Mas ao mesmo tempo tão fraco que não vai conseguir me tirar daqui...
* Adaptação feita por mim de uma anedota que ouvi certa vez.


FONTE http://alexesteves.blogspot.com/2008_04_01_archive.html

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro Cláudio Pimenta,

A paz do Senhor.

A própria ilustração responde por que não sou calvinista nem arminiano! A Palavra de Deus tem a resposta, ainda que uma ou outra teoria possa ter mais ou menos proximidade do que, de fato, dizem as Escrituras.

Um grande abraço!

CSZ

Joabe disse...

Pastor Ciro,

A paz do SENHOR.

Minhas palavras no comentário anterior foram um tanto quanto rudes e me sinto na obrigação de lhe pedir perdão se o ofendi. Como o senhor deve ter notado, gosto de ser sincero e não me escondo atrás de identidades anônimas, como alguns dos seus “admiradores” fazem.

E já que o senhor não quer ser chamado de arminiano, vou respeitar sua posição. Eu também não gostava de ser chamado assim. Contudo, minha linha de pensamento teológico neste aspecto, segue bem de perto a de Donald Stamps e de Stanley Horton, que é arminiana. Outra coisa que deve ser levada em consideração é que essa problemática não se resume apenas em arminianismo x calvinismo. Pois , Calvino e Arminio viveram no séc. xvi e xvii, respectivamente (salvo engano). Ou seja, como alguém que viveu antes deles seria classificado, já que se não é calvinista se é arminiano e vice e versa ? Uma melhor classificação seria sinergismo x monergismo. Que não deixa escapatória para uma tomada de decisão no rumo teológico a se adotar. Eu sou sinergista. E o senhor ?

Ciro Sanches Zibordi disse...

Caro irmão Joabe,

A paz do Senhor.

Com toda a sinceridade, eu vejo esse debate "calvinista ou arminiano?" (ou "sinergista ou monergista?") como uma grande inutilidade!

Sigo a Bíblia, como já lhe disse, e isso não significa querer ser dono da verdade ou uma espécie de papa. Não sou eu o detentor da verdade, e sim a Palavra de Deus. E quem segue a Palavra de Deus de verdade não erra! É por isso que eu sou tanto incisivo. Eu sei de quem tenho aprendido.

O problema é que muitos hoje pensam estar certos e acreditam estar seguindo a Bíblia. Mas não a seguem, deixando prevalecer o que pensam ou o que aprenderam de outros. E, por isso, precisam abraçar teorias de homens, que, por melhor que sejam, são falhos, enquanto a Palavra permanece para sempre (1 Pe 1.24,25).

Eu tenho os meus referenciais, mas às vezes eles falham, como eu também falho, e muito. Não tenho a pretensão de ser infalível. Mas, se a Palavra de Deus é infalível, e eu tenho certeza de que entendi as suas verdades, segundo a iluminação do Espírito, não preciso ter dúvidas.

As opiniões de Agostinho, Calvino, Armínio, Wesley, etc. são úteis? Sim, em parte. Mas o que vale não é ser sinergista ou monergista, e sim um cristão, espiritual, temente a Deus, que segue a Bíblia e a tem como fonte primacial de autoridade. Estou feliz, inclusive, com o assunto deste trimestre da EBD (CPAD) porque enfatiza o Deus do Livro e o Livro de Deus.

Se perguntarmos, por exemplo, ao pastor e mestre Antonio Gilberto se ele é calvinista ou arminiano, qual será a sua resposta? Não tenho dúvidas de que ele também dirá que segue a Bíblia, a despeito de respeitar todas as linhas humanas de interpretação. Pergunte a ele, ainda, se é pré, pós ou amilenarista. O irmão ouvirã dele: "O vale é o que diz a Bíblia". E eu tenho a mesma convicçção.

Não preciso dar a vida por uma corrente ou debater ao extremo por causa dela. Isso é uma efemeridade. Vejo na grande rede embates (ao melhor estilo ping-pong; em alguns casos, boxe) e sinceramente estou fugindo deles. O que quero mesmo é esclarecer quem esteja em dúvida quanto às doutrinas da salvação.

Agora, meu amado, não é preciso me pedir perdão. Afinal, leio todas as críticas construtivas e me posiciono quanto a elas. Mas, como eu já disse noutra oportunidade, não são todos os comentários que eu publico. Alguns são muito pessoais (apesar de não possuírem ofensas), e eu prefiro mantê-los numa esfera mais restrita, em vez de trazer o seu conteúdo a público.

Que Deus o abençoe, meu jovem! Vá nesta sua força; continue estudando a Palavra de Deus, mas não faça como certos internautas, cujo prazer resume-se a participar de debates infrutíferos. Alguns chegam a dizer que calvinismo ou arminianismo são sinônimos de evangelho!

A minha contundência ao falar sobre a Bíblia é porque desejo ver uma geração forte, de jovens que verdadeiramente dêem a vida pelo Senhor Jesus e pela sua infalível e inerrante Palavra.

Um grande abraço, meu amigo! Espero conhecê-lo pessoalmente, em breve, quem sabe ainda neste ano, se o Senhor Jesus não vier buscar a sua amada Igreja.

CSZ

Cleber disse...

Pastor Ciro,
ótima postagem!!!

Como é bom ler expositores da autêntica fé pentecostal!

Pr Cleber
http://confraria-pentecostal.blogspot.com/

George Arrais disse...

Os quatro problemas do Calvinismo (e dois dos que se dizem calvinistas).

O primeiro grande problema do calvinismo é que ele repete o maior erro do arminianismo: DIVIDIR A FÉ EM 5 PONTOS.

O segundo "semelhante a este" é tentar enlatar a Bíblia dentro desses cinco pontos.

O terceiro semelhante aos dois anteriores é tratar como assunto de segunda ordem qualquer tema bíblico que não se enquadre nos "cincopontos" (nem na marreta).

O quarto é que na tentativa de dar uma "forcinha" na "Soberania de Deus" acabam tornando a salvação tão condicionada ao homem quanto o arminianismo (nesse último depende da vontade humana, no segundo dependo do DNA).

Já aqueles que se dizem calvinistas, acham que quem não se diz calvinista deve ser taxado de arminiano.

E em segundo lugar pensam que calvinismo é uma doutrina bíblica.

A paz do Senhor para todos.

maia disse...

pastor Ciro paz do senhor obrigado por ter esclarecido romanos 9 sobre Esaú e jaco muito profundo e correta sua interpretação concordo com que disse calvinismo esta bem herético nesta questão que eles se cuidem,,,

Wagner Rodrigues disse...

Caro Pastor Ciro,

Moro em Valparaiso de Goiás-GO e sou servidor público em Brasília-DF. Acesso diariamente teu blog e recentemente comprei tuas obras Erros que os Pregadores Devem Evitar e Mais Erros que os Pregadores Devem Evitar. A leitura tem sido muito edificante e esclarecedora nos assuntos apresentados. Parabéns pelos trabalhos em geral!

Considero esse tema (predestinação) muito opotuno a mim e a muita gente que prioriza a Bílbia para devido esclarecimento, assim como o senhor o faz e ensina.
Recentemente, pude conhecer o trabalho de um predestinalista que, apesar de não se dizer calvinista, tem priorizado e ensinado como doutrina e questão fundamental a predestinação incondicional. Conversando com amigos que frequentam as reuniões no Distrito Federal, pude perceber que já foram "bem" doutrinados nesse assunto.

Penso que para quem não lê/estuda a Bíblia à luz de uma exegese sincera e inteligente, fica fácil "sofrer" - de forma alienada e covarde - um processo de "lavagem cerebral".

Eis o ministério em questão:

http://devoltaapalavra.com.br/

Por favor, acesse o site e clique em [ COMUNIDADE - Nossa Confissão ] e veja alguns absurdos expostos em 32 confissões que contêm verdades e mentiras.

Perceba que a predestinação incondicional está nas linhas e entrelinhas. A partir da confissão 27 (parte VII), o(s) autor(es) do texto apresenta(m) outras heresias a fim de reforçar(em) e solucionar(em) questionamentos que predestinalistam precisam responder. Exemplo: "se um eleito/predestinado não for fiel, não se arerpender, ou mesmo se desviar/apostatar da fé?"

Segundo as Escrituras, há três tipos de doutrinas:

- doutrinas de Deus (fiel, infalível, necessária e urgente);
- doutrinas dos homens (muitas vezes necessárias, porém, às vezes são incompatíveis com a Palavra de Deus ou não se aplicam em determinadas regiões, culturas e épocas);
- doutrinas de demônios ( um bom exemplo é a predestinação incondicional de Calvino, Bispo Alexandre e outros tantos).

Tenho o mesmo defeito de ser franco.

Ao ler as tais confissões do site e assistir aos videos postados, um exegeta/apologeta que aprende de Deus em Sua Palavra detectará automaticamente os erros expostos e, como não pode deixar de ser, usará de seus recursos para seguir o exemplo do apóstolo Paulo: defender a sã doutrina expondo os devidos (i)responsáveis e suas heresias.
Já tenho preparado argumentos sinceros e claros sobres os equívocos doutrinários desse ministério que cresce desde Goiânia-GO até Brasília-DF. Pretendo escrever ao Bispo Alexandre, considerando que o tal esteja equivocado e precisa de arrependimento para não causar mais estragos (é bem possível que outros, sem êxito, já o fizeram).

Por considerar importante, gostaria de sua opnião e de leitores esclarecidos sobre o Ministério De volta à Palavra e suas confissões (que são um resumo do que ensinam).


Obs.: Ainda não tive a oportunidade de estar presente nas reuniões. Meus amigos falam que o Bispo Alexandre é muito aberto a quem queira dialogar e apresentar argumentos e que nas reuniões, costuma ouvir com mansidão e responder a perguntas. O mesmo bispo diz que se alguém o convercer de algum erro, ele irá retificar no site e em seu programa de televisão.


Desde já, agradeço pela atenção.

Paz!

Wagner Rodrigues

Msn / e-mail: wagner.hermano@hotmail.com

Orkut / e-mail: refutandoheresias@gmail.com

disse...

Oi Ciro, já te li, achei ótimo seu artigo. Também não sou arminiana e nem calvinista apesar de gostar de alguns pontos do calvinismo, principalmente no que tange a Salvação. Não creio que posso cair da graça pois o fundamento já foi posto, Ele não voltará a morrer por ninguém, minha salvação esta garantida nEle. Sei que muitos acham que estarão lá no céu porque querem, eu prefiro acredita que Deus é que me quer lá. Amei seu entendimento, eu te entendi, não sou calvinista.
Escrevi sobre o livre arbítrio hoje. Espero que tenha lido. Paz querido!
http://mulheresabias.blogspot.com/2011/10/onde-esta-o-livre-arbitrio-na-biblia.html

Filipe Santiago disse...

Pastor Ciro,

Muito obrigado por apresentar a palavra de Deus acima das tendências teológicas. Sou um estudante da palavra de Deus que, tal como uma criança engatinha, venho aprendendo dia após dia. Esses artigos são de uma contribuição enorme para que eu possa consolidar um entendimento acerca da soteriologia.

Em Cristo,

Filipe Santiago

Liu disse...

Pr. Ciro, graça e paz!!

Como o senhor ja falou, vamos deixar de lado um pouco os rótulos(calvinismo e arminianismo). o que importa é que a bíblia é inerrante. vamos pensar um pouco, primeiro: "se Deus escolhesse um povo para si, independente de cor, raça lingua, se é pobre ou rico, enfim, seria Ele injusto visto que "Não há um justo, nem um sequer.Rm 3:10?

segundo, se temos o livre arbítrio, mesmo a Bíblia afirmando:"E vos vivificou, estando vós mortos em ofensas e pecados.Ef 2:1. Precisaria que Deus enviasse seu filho sabendo que o homem, mesmo estando morto,pudesse escolher a salvação? por acaso não era essa a missão de Cristo Salvar o homem perdido?

Um grande abraço!!!

José Rubens Medeiros disse...

Desculpem os que, livremente, pensam diferentemente. Revela-se de facílima, impressionante e lastimável percepção, e assim o declaro com igual e inquestionável liberdade de pensamento e de expressão, que o calvinismo é um rótulo sem sentido. O calvinismo deprime. O calvinismo é deprimente. O calvinismo deturpa a Bíblia. O calvinismo parafraseia a Bíblia. O calvinismo adapta a Bíblia. O calvinismo é vaidade pura, embora sequazes do francês queiram a todo custo sugerir o contrário teclando insistentemente na soberania de Deus. O calvinismo é coisa típica de homens. O calvinismo é invento de calvinistas. O calvinismo é modismo de pessoas que se converteram às apologias do cidadão que comandou o Conselho Genebra. O calvinismo anula os incontáveis chamados Bíblicos, embora eles, calvinistas, sempre digam o contrário. O calvinismo inegavelmente é um rótulo sem sentido. Obviamente, ninguém necessita ser "calvinista" para tornar-se cristão. Ninguém necessita fazer-se "calvinista" para ser salvo pelo SANGUE DO CORDEIRO DE DEUS. Ninguém necessita ser "calvinista" para mostrar-se elegante. Ninguém necessita ser "calvinista" para apresentar-se sábio. Ninguém necessita ser "calvinista" para obter sucesso ou êxito na vida. Ninguém necessita ser "calvinista" para COISA NENHUMA. Isso, claro, exclusivamente EM NOSSOS DIAS, ou seja, NOS DIAS ATUAIS, porque ao tempo de Calvino quem não se declarasse "calvinista" seria considerado herege, isto é, praticante de crime de heresia, e, por conseqüência, forçosamente e impiedosamente submetido a julgamento sumário, culminando com condenação por um Conselho espúrio e ridículo (sob a liderança ou influência de João Calvino) a morrer QUEIMADO AMARRADO A UMA ESTACA, exatamente como esse gaulês protagonizou em relação a um cristão respeitável chamado MIGUEL SERVETO, cuja estátua post mortem foi erguida na França, ao qual fora imputado o imperdoável e hediondo delito consistente em tão-somente haver, a pedido do próprio João Calvino, expressado seu ponto de vista em relação a determinados aspectos doutrinários integrantes das teses que Calvino pretendida transformar em "Institutas da Religião Cristã".