quinta-feira, 10 de janeiro de 2008

Os que cometem erros doutrinários devem ficar no anonimato?


Vivemos numa época em que muitos querem fazer prevalecer a sua opinião, ignorando a Palavra de Deus. Este blog tem sido usado como uma ferramenta de defesa do princípio inegociável de que a Bíblia é a nossa fonte máxima de autoridade, e tenho consciência de que muitos não ficam felizes ao lerem críticas a desvios do evangelho. Por outro lado, alguns irmãos, que gostam de ver o "circo pegar fogo", pedem para eu citar os nomes das pessoas ligadas a heresias e modismos. Querem que eu dê nomes aos bois.
Bem, como eu expliquei anteriormente,
evito ao máximo expor as pessoas. Já fiz isso quando necessário, mas não é minha intenção fazer uma apologia essencialmente denuncista. Não. O que desejo é que todos nós nos voltemos para a Palavra de Deus. E é por isso que eu verbero contra tudo o que se opõe às Escrituras.
Muitos reclamam das minhas ironias. Ora, a ironia é uma figura de linguagem que nos ajuda a expor argumentações com mais ênfase. Por que o apóstolo Paulo usou esse recurso ao combater os enganadores, chamando-os de "excelentes apóstolos", e convencer os coríntios de que estavam errados? Leia 2 Coríntios 11.5-13 e 1 Coríntios 4.8.
Às vezes, temos de ser enérgicos e até usar expressões fortes, que muitos poderão considerar ofensivas, como: “Ó insensatos gálatas! quem vos fascinou para não obedecerdes à verdade, a vós, perante os olhos de quem Jesus Cristo foi já representado como crucificado?” (Gl 3.1).
Não somos obrigados a respeitar quem não honra a Palavra de Deus de maneira consciente. Veja o que disse Paulo, em Gálatas 2.6: “E, quanto àqueles que pareciam ser alguma coisa (quais tenham sido noutro tempo, não se me dá; Deus não aceita a aparência do homem), esses, digo, que pareciam ser alguma coisa, nada me comunicaram”.
Podemos, sim, fazer duras acusações sem citar nomes (Fp 3.18; Rm 1.22-32; 1 Co 6.10), pois assim não precisamos expor as pessoas envolvidas em desvios do verdadeiro evangelho.
Às vezes, faz-se necessário indicar as características de quem comete desvios do evangelho, a fim de que todos possam ser avisados, como fez Paulo, ao escrever a Tito: “Porque há muitos desordenados, faladores, vãos e enganadores, principalmente os da circuncisão, aos quais convém tapar a boca; homens que transtornam casas inteiras, ensinando o que não convém, por torpe ganância. Um deles, seu próprio profeta, disse: Os cretenses são sempre mentirosos, bestas ruins, ventres preguiçosos” (1.10-12).
Finalmente, como último recurso, se for para o bem da obra de Deus, para alertar o povo do Senhor, a fim de que ele não se distancie da Palavra, devemos apontar os nomes, mesmo que sejam de companheiros de ministério: “Mas, quando vi que não andavam bem e direitamente conforme a verdade do evangelho, disse a Pedro na presença de todos: Se tu, sendo judeu, vive como os gentios e não como judeu, por que obrigas os gentios a viverem como judeus?” (Gl 2.14). Leia também 2 Timóteo 4.10,14.

Em Cristo,

Ciro Sanches Zibordi

10 comentários:

Euller disse...

Caro amado e respeitado Pr.

Graça e Páz.

1º Gostaria de cumprimentar á todos os que de uma maneira ou de outra tem aqui postado seus comentários, e Principalmente ao ilustríssimo Pr Ciro por sua iniciatíva sempre imparcial e fidedígna ao teor da verdade contida nas Escrituras, que Deus nos abençoe à todos.

2º Digo que sou à favor das atitudes até aqui tomadas pelo nosso querido Pr Ciro, que tem se mostrado coerente em suas atitudes, pois até perdão aos internautas que aqui blogam ele já pediu, e quanto ao citar nomes ou não é prova de que as intenções do Pr Ciro não são as de entrar para o "ESTRELATO GOSPEL" que tem permeado nosso meio, pois para aparecer rapidamente este seria o caminho, seria só entrar em choque com as estrelas da mídia evangélica e rapidamente ele poderia participar de tal estrelato. Contudo, ao meu ver tenho visto este blog manter-se pautado no teor de sua criação, e gostaria que assim fosse mantido, pois o que me interressa é manter contato com quem quer trazer à memória a verdadeira palavra, viva e eficáz, saúde para o corpo de Cristo. Não interessa nomes à priori, o que interessa realmente ao meu ver, é restaurar a igreja, trazendo novamente aos pupitos de nossas igrejas o evangélho de Cristo, e não mais teologias e achismos gerados por pessoas que não tem demonstrado compromisso com o evangélho anunciado por Cristo e pelos apóstolos e dssípulos.

Att:
Euller.

Edson Dorna disse...

A paz do Senhor... Uma das suas qualidades em seus textos é a sua ironia... que Deus possa abençoa-lo... E que Deus venha teusar no sábado em Nova Iguaçu estamos aguardando...

Aproveitando o momento ai esta o endereço da igreja que o nosso Pastor Ciro irá pregar... Rua Acleto 31 - Jacutinga - Nova Iguaçu
Tel: 3765-2307
sábado dia 12/01/08 às 19h

fiquem na paz do Senhor

Tavora disse...

paz pastor.
O que Paulo escreveu a Tito(1.10-12) deixou claro para nos que a ocasiões que devemos expor os erros.
Acredito que a (erros) que tem em nosso meio que faz parte do desenvolvimento,aperfeiçoamento do nosso carater cristão.
Agora erros que como diz Paulo a Tito que esta trastornando a casas inteiras e consequentemente a casa de Deus,esses tem que ser expostos e realmente se necessario devem ser ditos nomes assim como ocorreu com (Pedro,jambres)

Márlon Vitor disse...

Caro irmão Ciro, A Paz de noss Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Quanto a pergunta do post, creio que dependa da situação em que o contexto esta inserido.

Sempre que possível é melhor tratarmos no nível das idéias e pensamentos do que tratos pessoais, até mesmo porque quando tramos a nível pessoal tramos de certa forma com a lei civil, creio que o irmão entenda.

E tão pouco é a intenção da igreja e dos servos de Cristo expor pessoas sem necessidade, leviandade ou falta de caráter

Quando falamos de modismo e heresias estamos tratando a nível das idéias, mas quando estas chegam ao ponto de confrontar em demaziado a palavra de Deus e atingir o ceio da igreja creio que seja necessário "dar nome aos bois" como se diz no popular.

Assim foi no caso do Rev. Willian Soto Santiago da igreja A voz da Pedra Angular que intentou contra algumas igrejas no Brasil para pregar suas heresias, como tantos outros que tem pregado um falso evangelho como o irmão tão bem o sabe.

Paulo e Lucas chegaram a dar alguns nomes em seus tratados de pessoas que confrontaram-lhes na caminhada.

Alexandre o latoeiro ( II Tm 4.14 ) e Elimas o Mágico ( Atos 13.8 ) por exemplo.

Neste caso Paulo Chama Elimas de "...filho do diabo, cheio de todo o engano e de toda a malícia, inimigo de toda a justiça,..." ( Atos 13.10 ).

Essa passagem não é uma afirmativa para que todo cristão possa ofender ou denegrir ninguém, mas um caso a parte que deve ser tratado com muita cautela antevendo o contexto do texto.

Outrora a palavra de Deus demonstra com clareza este assunto nas escrituras, tratando sobre os Falsos mestres, profetas, ensinadores, doutores e muitos outros:

Pastores brutais - Ezequiel 34:1-22
Lobos - Mateus 7:15.
Joio - Mateus 13:25.
Raça de víboras - Mateus 23:33.
Ladrão e salteador - João 10:1.
Mercenário - João 10:12.
Ministros de satanás 2 Coríntios 11:15.
Animais irracionais - 2 Pedro 2:12.
Ímpios - Judas 4
Ondas impetuosas do mar - (Judas 13).
Contaminadores - (Judas 8).
Manchas em festas de amor - (Judas 12).
Duas vezes mortos - (Judas 12).

Muitos exemplos há além destes.

É sempre bom lembrar o que Paulo diz:

Efésios 4.14 "Para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente."

Que a graça de Deus esteja sempre com o irmão e não deixei de entregar aquilo que Deus tem colocado em seu coração.

Há momentos que nos questionamentos sobre o valor deste trabalho, mas só Cristo o sabe quanto ele é importante.

"Só ele sabe as obras maravilhosas que ele opera em tão pequenos feitos"

Graça e Paz da parte de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Que Deus o abençoe,

Márlon Vitor
marlonvitor@hotmai.com
http://marlonvitor.blogspot.com
Igreja Evangélica Assembléia de Deus - Candiota / RS

Sidnei Moura disse...

Pr. Ciro,

Paz do Senhor!

Sou um assiduo visitante de seu blog, e concordo com a sua colocacão de que a igreja evangelica brasileira não vive sua melhor fase.
ainda esta semana meu irmão recebeu de um dos seus colegas de trabalho um exemplar do jornal da igreja q mais fala em prosperidade nesse pais (sem citar nomes, aquela cujo lider possui uma rede de televisão), onde traz em sua primeira pagina um comentario de seu bispo primaz sobre ofertas e dizimos. neste comentario, o mesmo faz algumas colocacões tão antibiblicas, tais como "Os dizimos e as ofertas que voce entrega OBRIGAM Deus cumprir suas promessas de riquesas e prosperidade sobre sua vida".
Oras, eu como um vaso feito pelas mãos do oleiro, posso atraves de uma atitude como essa, ou atraves de palavras mandar em Deus, ou obriga-lo a fazer alguma coisa?
Realmente vivemos o tempo onde a divinizacão do homem e a diminuicão de Deus tem sido patente.
Muito obrigado!

Sidnei Moura
www.sidneiemoura.blogspot.com

Paulo Ceroll disse...

Prezado pr. Ciro,
A Paz do Senhor Jesus.

1. Minha opinião é: não! E devem, ainda, sofrer sanções proporcionais aos danos causados, após esgotarem os meios para convencê-los pelas Escrituras e perante a igreja.

2. Historicamente, tem sido mais fácil aplicar Tt 3.10 e Rm 16.17 aos liderados que aos líderes: “Ao homem herege, depois de uma e outra admoestação, EVITA-O”; “E rogo-vos, irmãos, que noteis os que promovem dissensões e escândalos contra a doutrina que aprendestes; DESVIAI-VOS deles.”

3. Na prática, quando esses “erros” partem da liderança (nem sempre) tem valido o escrito: “Pau-que-bate-em-Chico-bate-em-Francisco.” Mas, não é assim que o ap. Paulo procedia (conforme exemplificado pelo internauta TAVORA) e instruía para que fosse feito:

4. “Não aceites acusação contra PRESBÍTERO, senão com duas ou três testemunhas. AOS QUE PECAREM, REPREENDE-OS NA PRESENÇA DE TODOS, PARA QUE TAMBÉM OS OUTROS TENHAM TEMOR. Conjuro-te, diante de Deus, e do Senhor Jesus Cristo, e dos anjos eleitos, que, SEM PREVENÇÃO, guardes estas coisas, NADA FAZENDO POR PARCIALIDADE. A ninguém imponhas precipitadamente as mãos, NEM PARTICIPES DOS PECADOS ALHEIOS; conserva-te a ti mesmo puro.” (1Tm 5.19-22).

5. Naturalmente, nenhum cristão tem prazer em liderar uma campanha “denuncista” contra esse pessoal pelo risco de estar “municiando” os inimigos da Igreja do Senhor, ainda que fundamentado em fatos e na doutrina bíblica.

6. Contudo, alguém duvida que muitos dos “escândalos” noticiados na mídia têm raízes nestes “desvios doutrinários”, porque ninguém teve “coragem” (valendo-se da autoridade das Escrituras) de antecipar-se à essas tragédias, confrontando-os, legitimamente, nos moldes de Mt 18.17?

7. Pior que “tentar” encobrir aos adversários do Cristianismo qualquer possível desvio do nosso povo é omitir-se, quando houver possibilidade de “denunciar” esses “líderes” por amor ao rebanho, conforme manda a Bíblia. E, como já disse, acrescentar outras medidas proporcionais à ofensa praticada, sem favorecimento ou parcialidade.

8. Todavia, esbarramos em problemas, aparentemente, insolúveis, próprios do nosso tempo, os quais dificultam, extraordinariamente, a legítima ação de “tirar” do anonimato os que cometem erros doutrinários:

9. A passividade dos liderados, que são desinteressados pelo estudo primoroso das doutrinas cristãs e têm verdadeira fixação nas “bênçãos de Deus” e não no Deus das bênçãos. Em alguns lugares “quem-tem-um-olho-é-rei”...

10. O endeusamento dos líderes, que disputam a obediência irrestrita dos liderados, só devida a Deus e à sua Palavra, valendo-se do carisma pessoal e santidade “incomuns”, dos títulos, da posição social, etc;

11. Comunidades cristãs que são, literalmente, propriedades de seus fundadores. Daí: “Os insatisfeitos é que se mudem...”

12. As “oligarquias” que para se manterem no poder querem agradar “a gregos e troianos”, digo, “judeus e gentios” sacrificando a verdade do Evangelho (Gl 2.14)...

13. Concluo minha opinião reafirmando que devem ser denunciados (nos moldes bíblicos) os que erram doutrinariamente. E, PARA LIMITAR O ESTRAGO que têm feito (Tito 1.10,11), vale, inclusive, até dar nome, identidade e CPF, na forma da Lei Civil, quando couber.

14. “e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” (João 8:32)

Abraço Fraterno
Paulo Ceroll

michele disse...

sabemos que não existe DENOMINAÇÃO perfeita,Jesus é PERFEITO!
Diante de todas essas circunstâncias, prefiro vigiar, ouvir e reter o que é bom!Já dizia Paulo:
I Tessalonicenses 5.21 "Examinai tudo. Retende o bem."

euller disse...

Caro Paulo Ceroll.

Meu querido concordo muito com suas palavras, e faço uma pergunta, Por que nossas lideranças, em seus consilios, nas suas convenções, (...batistas, metodistas, A. D., etc) não se unem neste sentido, antes eles agem de maneira contrária, pois podemos ver o exemplo em minha cidade, onde a convenção batista (a) não se une com a convenção batista (b) por motivos de diferenças que para mim e de acordo com a palavra não deveriam existir.

O que fazer então, se os líderes não se entendem e não se únem????

Pr Ciro, demais irmãos, não seria interressante que a igreja, (o povo) começasse a clamar por uma verdadeira união do Corpo de Cristo?

Att:
Euller

Zwinglio, Pr. disse...

Saudações cristãs kro pastorCiro

Alegro-me em poder ler um texto q propõe uma apologia sem expor sujeitos q são líderes do povo do SENHOR nesta perigosa mídia q é a internet.

Resistência com paciência é a equação perfeita.

Vai a minha admiração.

Parabéns!!

www.przwinglio.blogspot.com

Paulo Ceroll disse...

Prezado pr. Ciro,
Irmão Euller,
A Paz do Senhor Jesus.

1. Permita-me comentar as perguntas do internauta EULLER: Por que nossas lideranças não fazem nada? O que fazer quando os líderes não se entendem? Devemos clamar pela união do Corpo de Cristo? Todas estas respostas encontram-se na Bíblia.

2. A igreja brasileira é recente; mas, os dilemas que ela enfrenta são antigos: “o que foi, isso é o que há de ser; e o que se fez, isso se tornará a fazer; de modo que nada há novo debaixo do sol” (Ec 1.9), até que Jesus Cristo volte para nós!!

3. Os irmãos hão de recordar das Cartas às Sete Igrejas (Ap 2,3). Todas vivendo sob pressões tirânicas e desfavoráveis: no mesmo tempo e espaço. O que diferia uma das outras era o compromisso com a Palavra, e a Palavra é Jesus!

4. Contextualização, acomodação, infiltração e TOLERÂNCIA: eram os pecados (sutis) que levariam todas a um só veredicto: condenação, caso não se arrependessem.

5. Erro doutrinário é gerador de morte espiritual (Isaías 8.20). Expor publicamente esse pessoal ou alertar a comunidade cristã acerca deles são os menores dos males (Lc 17.1,2). E talvez, possa ajudá-los a levantar-se da queda (Ap 2.5) e impedir a muitos (porque o “rebanho” não é deles!) de irem para o Inferno.

6. Sugiro a leitura do artigo: Estranha graça: Philip Yancey e o homossexualismo, do jornalista cristão Julio Severo, de 08 jan 08, no site www.julio.severo.com.br/. Será que é justo omitir o alerta contido no artigo referenciado em nome da ética ministerial ou pastoral ou de sei-lá-o-quê? Encerra a questão a velha frase: “Eu sei que eles estão fazendo assim-e-assado, mas pelo menos estão pregando o evangelho...”? Pregando o evangelho de quem?...

7. Se dependesse da “ética” (?) que vigora em nossos dias duvido que os adjetivos relacionados pelo internauta MÁRLON VITOR constariam das Escrituras... A muitos desses “bois” foram dados nomes ...

8. A Bíblia é clara: adulterá-la é pecado que gera morte (Ap 22.18,19), mesmo em defesa da “unidade denominacional” e/ou para “não tocar no ungido de Deus” (Gálatas 1.8,9).


9. Por que nossas lideranças (algumas!) não fazem nada? O que fazer quando os líderes (alguns!) não se entendem? Porque (na minha opinião), a exemplo de cinco das Sete Igrejas eis o que não está acontecendo: “Quem tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas.” (Ap 3.22).

10. Li e recomendo o livro “As Sete Igrejas do Apocalipse” do autor cristão Steven J. Lawson, publicado pela CPAD (5ª edição/2005). Este livro contém um excelente comentário sobre os “fenômenos” do nosso tempo e, finalmente, é um apelo à Igreja para “clamar pela união do Corpo de Cristo”, mas em torno da Palavra.
Obrigado.
Abraços fraternos
Paulo Ceroll.